História BlAck JaCk : Isso não é uma historia de amor - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 7
Palavras 1.068
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ecchi, Hentai, Lemon, LGBT, Lírica, Romance e Novela, Suspense, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Bejus e mais bejus de mim para vocês, mais um capítulo lindo e maravilhoso de Black Jack.

Capítulo 11 - Carmen...


Nota : Carmen significa poesia, canção ou verso.

Jack Needham/ Logan Redi

Voltamos para casa, Lola passou da conta na bebida e acabou dormindo no carro. Finn se prontificou para carregá-la para cama, fiquei na sala sem saber o que fazer, apesar de está na minha casa, não me sinto a vontade, mudava os canais da TV procurando algo que me agrade. Tarefa difícil, mas consegui, parece ser meio bobo mas acabei deixando em papa-léguas e o coyote. Finn se juntou à mim, seus olhos pareciam faróis de carro, desde que chegaram ele não falou nada. Era desse entender, o amigo que ele conhecia e gostava sumiu.

- Jack, - Finn puxou minha cabeça para seu peito, até tomei um susto. Ele me envolveu em um abraço amoroso. - Sei que está se sentindo mal, mas foi escolha do Logan, entenda isto: não somos culpados pelo que herdamos. Veja isso como um recomeço.

Aquilo me deu uma paz tão grande.

-------------//----------\-------------

Luckey Axel

Estava voltando aos negócios, Lyel havia me adiantado tudo que aconteceu. Cheguei na empresa, todos me olhavam com inveja ou medo, que seja. O primeiro dia de volta sempre é o pior, mas ser o dono tem suas vantagens.

...

Depois de horas maçantes, sai de lá, ter que ouvir pessoas com problemas financeiro e outras coisas, eu resolvi também voltar com minhas noites longas. Cheguei na Halo of Devil, agora vai a parte interessante, falei com o Lonie, um velho amigo meu, troquei de roupa, de um terno apertado e sobre medida para uma estranha mas confortável roupa erótica de cozinheiro. Embora quase não ganhasse nada por isso, eu me divertia muito, aquela sujeira, tudo que a sociedade realmente é, o que todos tentam os outros não ver, essa diversão perversa. Afinal, não há anjos sem existir demônios.

Eu, o Tyrran, Levy e o Griffin saímos como cozinheiros sexys, dançamos no palco ao som de Carmen Queasy, isso sim é meu conceito de diversão, todos que viram, gritaram. Meu apelido na boate era Höllentier, vem do alemão " besta do inferno ", e era isso que eu mais amava em mim durante a noite, uma besta infernal que tem sede de prazer. 

Quando voltei do palco com a cueca cheia de grana, Lonie preparava um novato pra sua primeira apresentação, ele parecia bem animado para quem ia ficar nu na frente de homens e mulheres. Me arrumei de volta e fui para a plateia, Friggy, era o nome dele, até que um garoto tinha talento. No fim, eu sai da boate e fui a orla. Fiquei ali perto da Rua Church com a Shortland Esplanade.

------------------//------------\----------------------

Jack Needham/ Logan Redi

Ficamos lá, vendo qualquer besteira que passava. O Finn para quebrar o gelo, uma vez ou outra fazia piadas e contava as besteiras que a Lola já fez. De madrugada, por volta das três passou A casa Usher, amei aquele filme, o ator que fazia o Viktor não era de se jogar fora, creio que nenhum dos caras era de se jogar fora.

Quando dei por mim, já estava na cama, o Finn estava em um colchão entre minha cama e a da Lola. Ele parecia tão fofo com aqueles cabelos alaranjados, tentei conter o sorriso por pensar que ele parece um palito de fósforo. Ainda estava muito cedo, resolvi me entregar para Morfeu novamente, parece que no final, o sono sempre vence.

Senti que estava deitado em uma cama mais macia, os lençóis dela eram pretos, o que me cobria era um cinza quase branco. O tom prateado que passava pela janela indicava que ainda era cedo e nublado, talvez até estivesse chovendo. O lençol que me cobria até a minha cintura, o tecido suave me esquentava e ao mesmo tempo contrastava com todo o quarto mórbido. A única presença viva, estava deitada do meu lado, senti seu calor, sua mão delicada dançou sobre minhas costas me deixando arrepiado. Me virei, um corpo masculino definido, os pelos no peitoral estava estavam bem ralos, o homem também estava com o lençol até sua cintura. Meu coração palpitou um pouco mais forte, agora percebi que estava sem cueca e o cara também. Podia ver que ele estava com aquela ereção matinal, engoli seco, fiz o caminho inverso até chegar até sua clavícula. Minha pulsação acelerou, pude sentir meus ouvidos estalarem, finalmente, cheguei na sua face, dois olhos cor mar estavam suavemente me olhavam. Não consegui reparar em mais nada, a única coisa que tinha cor naquele quarto eram aqueles olhos, pareciam que o homem acabara de acordar de um sono bem relaxante.

Acordei com a Lola me chamando, era um pouco tarde. Ela disse que ia fazer uma viajem até o Oregon, iam passar muito tempo por conta de uma emergência na família da Lola. Abracei-os e me despedi, quando fechei a porta, parei e encarei o apartamento, agora era eu e eu, mesmo os dois prometendo que ligariam assim que possível, eu sabia que ia ser muito difícil.

Fui até a varanda, de lá conseguia ver a praia Nobby, podia-se ver bem pouco o farol mas mesmo assim, era incrível.

-----------//-------------\-------------

Luckey Axel

O mar estava calmo, diferente de mim que estava agitado por conta da noite cheia. Comecei a pensar a viagem que fiz para Lyon na França, um lugar maravilhoso, cheio de restaurantes e com o meu amor ficando entre a Rue Chazière com a Rue Anselme, uma quadra antes do Café Neuf du Clos Jouve. Histórias de amor começam se encontrando no cafeteria, a minha foi se perdendo pelas ruas de Lyon. É incrível como alguém se perder com o mapa, sorte que uma mulher bela, pele morena, cabelos logos e negros como seus olhos me ajudou. Nem passou pela minha cabeça perguntar seu nome, fraquejei pela primeira vez diante de alguém.

Nos falamos bem pouco, mas sentia que aquilo era especial. Coração batendo sem controle, suor frio e o famoso nó no estomago, era ela, a mulher que consegui me desarmar com apenas palavras, minha couraça  de tal forma que não consegui entender. Enquanto ela me guiava pelas ruas do Bairro de Serin, paramos no café e ali ela roubou meu coração, aquela mulher apontou onde eu tinha que ir. Quando ela se foi, minha mente dizia para correr até ela, abri mais uma vez as portas do meu coração para mais uma pessoa. Quando dei por mim, ela já tinha partido, até corri para ver a alcançava mas nada, ela se misturou em meio as pessoas e sumiu. 



Notas Finais


Quen será ? Quem consegui desarmar o Luckey desse jeito ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...