1. Spirit Fanfics >
  2. Black Swan - Markhyuck >
  3. Provocações

História Black Swan - Markhyuck - Capítulo 30


Escrita por: JunMing

Notas do Autor


Alá, a atrasada chegando uma hora dessas, desculpem! Hello, filhotes! O capítulo era para ter saído mais cedo, só que quando eu tava revisando, eu fechei os olhos por dois segundos. Só dois segundos!!! E quando vi kk, acordei só agora. *Insira aqui uma carinha de palhaço* :)

Boa leitura <3

Marinha Real - X azul

Black Swan - X preto

Capítulo 30 - Provocações


Fanfic / Fanfiction Black Swan - Markhyuck - Capítulo 30 - Provocações


                               🏴‍☠️


Todos os que estavam no interior da taverna presenciaram Mark agarrar o braço de um dos ômegas que servia as mesas e arrastá-lo sem modos para os fundos do estabelecimento. Mas ninguém nada fez para ajudar. O ômega sentiu uma forte dor nas costas quando foi jogado com brutalidade contra a parede, no beco atrás do bar.


— Se arrependeu o caralho! — Mark rosnou e o ômega se encolheu ainda mais.


— Me arrependi! Eu juro! — Ten choramingou sentindo o aperto nos braços. — Aaii, você vai quebrar os meus braços!


— Eu deveria quebrar seu pescoço!


— Eu não queria fazer isso, e-eu fui obrigado. Por favor?! Tá machucando!


Mark o lançou contra um monte de lixo que os funcionários da taverna jogavam ali, para serem incinerados. Ten se levantou com dificuldade, massageando os braços doloridos.


— Eu deveria matá-lo.


— Se serve de alguma coisa, eu não recebi nem uma única moeda pelo que fiz. Ele também me traiu. Passei dias trancado naquele porão imundo com a tripulação dele fazendo coisas horríveis comigo. Eu já paguei muito caro, Mark, por favor não me mate.


— De quem você está falando?


— Dele, é claro, o capitão Alma Negra.


— Ele está morto. Não acredito em você.


— Você pode não acreditar, mas ele está bem vivo e sabe que você não morreu. Ele o quer de volta, está procurando pelo Black Swan.


“Então o maldito sobreviveu? — Mark pensou consigo mesmo.


Na ausência de resposta, Ten continuou:


— Ele esteve aqui há oito meses.


— E para onde ele foi?


— Eu não sei bem, mas ouvi rumores de que iria desbravar o Mar Tenebroso — Mark permaneceu em silêncio, ponderando sobre as chances de encontrá-lo. — Você ficou bem mais forte, em todos os sentidos, não é o mesmo de cinco anos atrás… Mas e então, eu te dei essas informações, você vai me matar assim mesmo?


Mark o encarou, sério. Ten não significava mais nada para ele, sempre sentiu vontade de se vingar pela tradição. Quase foi executado por causa dele. Mas agora que finalmente o encontrou, decidiu que pouparia sua vida, pelo castigo que já havia recebido.


— Não entra no meu caminho — Lee avisou, passando por ele e entrando no bar novamente.


Na mesa, todos pareciam distraídos enquanto bebiam e conversavam alegremente. Apenas Donghyuck que ainda olhava na direção que o capitão havia saído com o ômega. Quando Lee reapareceu, suspirou aliviado ao passo que ele se aproximava.


— Renjun, o quanto você conhece sobre o Mar Tenebroso? — Lee perguntou.


— Pouca coisa… sei que é bastante turbulento, cheio de tempestades, monstros e criaturas estranhas. Também dizem que há um enorme penhasco, que já levou inúmeras embarcações ao abismo profundo.


Ten surgiu pela porta dos fundos, sendo repreendido pelo dono do bar, pegou uma bandeja com algumas bebidas e voltou a servir os clientes.


— Você não o matou? — Minseok questionou surpreso. — Porra, capitão! Deveria pelo menos ter dado uma boa lição nele.


— Ele já foi castigado o suficiente.


— Não por você, que foi o traído na coisa toda.


— Ten não significa nada para mim e não vou perder meu tempo com ele agora — Lee girou para o beta: — Quero que me mostre nos mapas, todos os pontos que você conhece.


O navegador assentiu e se levantou, sendo acompanhado pelo capitão para um dos quartos. Além de taberna, o local possuía também um primeiro andar, com cômodos para abrigar os que estavam longe de casa.


Donghyuck ainda estava calado, observando o contramestre murmurando irritado o quanto o capitão havia amolecido, e que se fosse em outra época, teria feito Ten pagar.


— Vão querer mais alguma coisa? — A voz do ômega em questão, fez Minseok levantar em um sobressalto cheio de ira.


— Vou. Quero esganar esse seu pescocinho cheio de veneno!


O ômega tomou um susto e voltou alguns passos. Quando ergueu o olhar e viu de quem se tratava, ele sorriu curvando os ombros.


— Oi, Minseok. Há quanto tempo, não?


— Seu pequeno maldito do caralho! Filho da puta…


— Tá, eu já sei — Ten o Interrompeu. — Você me odeia, quer me matar… "você traiu o capitão"...— Disse, tentando imitar a voz de Minseok. — Mas veja, são mágoas passadas. O próprio capitão já me perdoou.


— Mas eu não.


Ten suspirou, largando a bandeja em cima de uma mesa e fazendo bico com seu olhar prostrado em falsa lamentação.


— Tudo bem, vá em frente. Vingue-se por ele. O que eu posso fazer contra um alfa do seu tamanho? Pode me bater, só não me mate por favor.


Minseok olhou para o ômega, magro e com os ombros encolhidos. Por mais que sentisse muita raiva daquele rapaz, não seria capaz de agredi-lo tanto quanto sua raiva desejava.


— Maldito! — Minseok rugiu saindo com ira e descontando nas cadeiras e mesas pelo caminho que passava.


Assim que ele sumiu de suas vistas, Ten sorriu vitorioso, pensando no quão fácil era enganar um alfa, apenas se fazendo de pobre coitado e indefeso.


— Minseok, espera! — Donghyuck se levantou para ir atrás do alfa, mas parou ao ouvir a voz de Ten:


— Oh… você é o namoradinho dele? Que houve com o médico, morreu?


— O Lu está muito bem. E não, eu não sou namorado do Minseok. Somos amigos.


— Ah… — Ten cruzou os braços, examinando o outro ômega dos pés a cabeça. — Acho que não o conheço. Ainda não fomos apresentados. Sou Ten Lee e você?


— Lee Donghyuck.


O sorriso no rosto do ômega mais velho se desfez. Ele estudou o loiro a sua frente, era bastante bonito, não podia negar. Mas lhe parecia bastante novo, e Ten viu a oportunidade perfeita para entrar na mente dele.


— Ah, você é o novo ômegazinho do capitão. Sabia que fui o primeiro amor da vida dele? Eu tinha mais ou menos a sua idade.


— Eu sei muito bem quem você é. Um traidor repugnante.


Ten fez sua experiente cara de inocente, levando uma mão até o peito.


— Você é um ômega, deveria entender mais do que qualquer outro, o quanto sofremos nas mãos de alfas opressores.


— Sua sedução barata não funciona comigo — Donghyuck cruzou os braços e sentenciou: — Quero você longe do capitão.


A expressão de Ten mudou na mesma hora de surpresa, para um riso debochado.


— Cuidado bebe, ciúmes mata.


— Não, o que mata é isso aqui — Donghyuck puxou o punhal que o capitão lhe deu, e o manuseou calmamente. Ten engoliu em seco, dando mais um passo para trás. — E se você cogitar em fazer algum mal contra meu alfa, vou fazê-lo desejar a morte.


Donghyuck estava falando sério, mas seu timbre doce, calmo e a aparência angelical, fizeram com que Ten apostasse que ele não seria capaz de matar uma mosca.


— Você se parece comigo quando tinha sua idade. Eu também era assim,  cadelinha do capitão.


A resposta foi tão rápida que Ten só percebeu o que havia acontecido, quando se recuperou. Donghyuck o esbofeteou tão fortemente, que o fez cair para o lado da mesa.


Chocado, Ten levou a mão trêmula a face que ardia avermelhada com a marca da mãozinha de Donghyuck. Deixando-se levar pela aparência, só agora Ten percebeu o quão pesada era a mão de um ômega lúpus.


— Não me compare a você, seu vadio. Fique longe do meu alfa, está avisado — Donghyuck girou nos calcanhares deixando Ten massageando a bochecha.


— Você não me conhece, garoto. — Ten murmurou para si mesmo.


Bastante enraivecido, ele pensou em um jeito de se vingar do tapa que recebeu, mas pouca coisa podia fazer contra um ômega lúpus, quando ele próprio era apenas um comum. Mesmo sentindo a ardência no rosto, ele sorriu, pois havia conseguido provocar o mais novo.


Talvez, se ele continuasse com suas provocações, conseguiria plantar a desconfiança em seu coração e mostrar para ele que seu poder de sedução é tão grande, que seria capaz de conquistar o capitão Lee outra vez.


Ten o viu descer as escadas conversando com o beta navegador, e se aproximou como uma cobra sorrateira.


— Capitão — Ten o chamou com voz suave. — Tenho mais informações sobre o Alma Negra, se quiser eu posso compartilhá-las com você.


— Por que você faria isso?


Ten deu de ombros.


— Eu só quero me redimir.


Mark o estudou sabendo que suas intenções não eram boas, mas precisava das informações.


— Tudo bem. Esteja aqui quando o bar fechar. Renjun, avise a tripulação.


Ten evitou revirar os olhos, mantendo sua expressão calma e sonsa. Ele queria ficar à sós com o capitão, e agora teria de bancar o bonzinho na frente de todos. Mas não teria problema, ele conseguiria. Iria enganar a todos. Estava tão feliz como não esteve em meses. Não imaginava o quão sortudo ele era. Conseguiu encontrar o capitão outra vez, era a sua chance de se reerguer e sair daquela vida miserável. Com certeza o alfa havia feito grandes saques e aquilo seria sua porta de entrada para a vida na alta sociedade. Era desse jeito, que o ômega conseguiu sobreviver sozinho no mundo, enganando e agarrando todas as oportunidades para conseguir algumas moedas.


Ten era um ômega muito belo, seria fácil seduzi-lo, em sua opinião. Mas para isso, precisava de uma roupa nova e alguns acessórios, e claro, ele merecia alguns mimos. Ele tocou o avental de trabalho por uma bolsa e saiu até o mercado para fazer suas compras. Coincidência ou não, ele encontrou Donghyuck conversando com Luhan e um alfa já conhecido que andava mancando, usando uma perna de pau. Assim que se aproximou, ouviu um pouco sobre a conversa deles:


— Com o tempo você se acostuma. — Jaehyun animou o irmão.


— Nossa, Johnny, o que houve com sua perna? — Ten chegou, já se intrometendo na conversa.


— Não é da sua conta, chispa daqui.


— Grosso. — O ômega revirou os olhos.— Teria sido melhor se tivesse morrido.


— Ten, sai daqui — Luhan falou sem paciência. — Vai procurar o que fazer antes que Mark te veja dando sopa por aí, e dê o que você merece.


— Meu queridinho, nós já nos encontramos. Inclusive, marcamos de nos ver hoje à noite quando o bar fechar.


— Como é?! — Donghyuck indagou.


Ten sorriu, erguendo uma sobrancelha.


— É isso mesmo que você salvou — com o nariz em pé, ele girou a atenção para Luhan. — O capitão não conseguiu se vingar de mim, na verdade ele nem me encostou um dedo sequer. Deve ter se lembrado dos momentos bons que tivemos. Sentiu falta de um ômega de verdade em sua cama…


Ele parou de falar quando Donghyuck avançou contra ele, mas o beta se colocou entre ambos.


— Não caia nas provocações dele.


— Não são provocações e você sabe disso, Luhan. São apenas fatos. Eu pintei bolinha com o capitão, fiz ele.se apaixonar por mim, coitado. Fui o primeiro amor da vida dele, e todos sabem que ninguém esquece o primeiro amor. Mesmo com esse daí, ele ainda não conseguiu me tirar da memória, me viu e já quer me foder. Eu vou levar uma coleira preta para combinar com as roupas negras…


Luhan não conseguiu conter o lúpus quando este se desvencilhou de seus braços e avançou contra o outro ômega. Ten não esperava ter o corpo lançado para trás, quando o Donghyuck se jogou contra ele.


Ten gritou tentando se defender como pôde, enquanto Donghyuck segurava fortemente em seu cabelo e desferia golpes em seu rosto.


— Céus! — Luhan exclamou, e um círculo de curiosos se formou ao redor dos ômegas, que brigavam no meio da rua. — Jaehyun, pare de rir e me ajuda a separar!


— O quê? Deixe-o apanhar. Quebra a cara dele Donghyuck! Isso! Uma de esquerda agora!


Ten choramingava com gritos e pedidos de socorro, mas ninguém teve coragem de se aproximar do lúpus raivoso. Ainda mais quando ele estava com seus olhos em tons prata, e sacou um punhal, erguendo-o para apunhalar o peito de Ten. Luhan, que tentava tirar Donghyuck de cima dele, conseguiu interceptar o golpe antes que o lúpus conseguisse acertá-lo. Ele agarrou o pulso que segurava a lâmina poucos centímetros do peito de Ten.


— Jaehyun, se não me ajudar agora mesmo, o próximo a apanhar vai ser você!


— Tsc, mas que merda! — o alfa revirou os olhos e o ajudou a tirar Donghyuck de cima do ômega.


Ten estava completamente machucado. O rosto começando a inchar e ferida nos lábios, nariz, e o sangue escorrendo em alguns pontos. Com dificuldade, ele se levantou e saiu correndo tropeçando pelos cantos.


— Donghyuck, se acalma. É exatamente isso o que ele quer! Que você perca o controle — o ômega ainda respirava pesadamente e o sangue circulava em seu corpo como a lava de um vulcão. — Eu entendo que você é muito jovem, e pela criação que teve não conhece muito da vida, é normal que se sinta inseguro, mas o Mark te ama…


— Eu sei que ele me ama, Lu! Disso eu nunca duvidei. E não me sinto inseguro. — Donghyuck puxou os braços de Jaehyun que ainda o segurava e guardou o punhal. — O que me irritou foi aquele vagabundo ficar falando do Mark daquele jeito. Ele o fez sofrer e ainda fica zombando dele! Que ódio! Maldito! Eu quero matar ele!


— Donghyuck, acalme-se! Respire fundo. — Aos poucos, a respiração do ômega foi se normalizando e ele ficou calmo novamente — Menino? Eu concordo com Jaehyun que esses foram tapas muito, mas muito bem merecidos. Mas não manche sua alma matando aquela peste. Faça melhor. Mostre a ele que nada que ele diga te afeta, muito menos afeta o Mark. Mostre o quanto vocês dois estão ótimos juntos, e que ele foi apenas uma simples farpa que espetou o dedo do meu irmão, mas que já foi jogado no lixo há muito tempo.


Donghyuck assentiu, e eles encontraram com Renjun, que os informou sobre a reunião contada de mal jeito por Ten.




Notas Finais


Até o próximo, kiss♡



Aiai, esse Ten. KKKKKKMMKMM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...