1. Spirit Fanfics >
  2. Blank Paper >
  3. Prólogo

História Blank Paper - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


essa é minha primeira história,espero que gostem e Boa Leituraaaa💕

desculpem qualquer erro aknsbwjdbd

Capítulo 1 - Prólogo


A neve caía lenta lá fora,aquela não era uma estação agradável para ele. A temperatura baixa mudava o seu humor,o motivo? Não sabemos. Tinha sim momentos de risadas altas e contagiantes,mas eram poucos... Esse desânimo era por causa de uma lembrança? Ou era o efeito de um certo alguém? ~



                    13 anos atrás 


Seu caminhar era apressado e sua expressão de desespero e frustação,a cada passo que dava era uma falhada em seu coração. As lágrimas escorriam grossas,os lábios tremiam,o sangue fervia,seus olhos carregavam medo e preocupação. O vento batia forte contra seu rosto,seu nariz tinha agora uma coloração avermelhada,seu corpo antes quente gelava. 

Olhava para trás,a fim de esquecer tudo oque acontecerá naquele momento,mas era impossível! Não sabia oque fazer,apenas dava passos longos e olhava ao redor em busca de um lugar não muito movimentado. Será que era difícil encontrar alguém que pudesse te ajudar? Não demorou muito para avistar uma pequena lanchonete de canto. Não se preocupou com os carros que passavam,apenas atravessou a rua ouvindo as buzinas serem apertadas diversas vezes. A respiração falha não incomodou sua fala,dizia em desespero que precisava de ajuda naquele instante,não sabia se ainda conseguiria ficar em pé e consciente.

 lanchonete era conduzida por um casal de idosos,era um lugar pequeno mas calmo e confortável. A chegada dele o espantaram. Estava todo coberto de sangue,com as roupas rasgadas,vários hematomas por seu rosto e diversos machucados pela boca,não estavam esperando por isso.

 - Meu Deus querido,oque aconteceu com você?- a mulher de cabelos brancos,perguntava para o menino a sua frente.

 - Me levem para o hospital mais próximo,eu imploro! Não sei se posso ficar acordado por muito tempo.- ele respondeu com a voz embargada.A mulher estava com o coração apertado,aquela era a cena forte para si.

 Ela logo se apressou,pegou a chave do carro e ajudou o menino a caminhar até o mesmo. Não tinha tempo,queria ajudar ele o mais rápido possível,aquilo estava doendo nela também.

 O hospital não era tão longe,oque ajudou muito.Desceram as pressas do carro indo direto para a recepção daquele lugar. A moça que trabalhava lá olhava com espanto para o menino,talvez fosse uma coisa muito grave. Ou apenas surpresa pelo tanto de sangue que o mesmo obtia. Foi atendido rápido,o que vez a mulher juntar as mãos e agradecer mentalmente por isso,queria ver aquele menino bem.

[...]



                    40 minutos depois

 Fizeram milhares de exames no mesmo,oque causou certa insegurança na mais velha. A única coisa que passava por sua cabeça era "oque será que aconteceu com ele?", não queria ser evasiva. Apenas queria entender oque acontecerá,e oque fizeram para ele estar nesse estado.

 - Obrigado- o menino dizia a ela.

 - Não precisa agradecer meu filho,se você querer conversar estou a ouvidos.- a mesma respondeu,afim de ganhar um pouco de confiança do mesmo.

 - Minha história é complicada,como percebes eu ainda sou uma criança. Como eu vou saber que não vai ligar para meus pais?- respondia com desconfiança.

 - Se fosse assim eu não teria te ajudado não?- o menino apenas abaixou a cabeça,estava com vergonha.

 - Me desculpe por isso,e também por ter que largar seu serviço.

 - Escute uma coisa criança,eu quero te ajudar! Você apareceu tão derrepente naquela lanchonete,que não tive jeito a não ser me preocupar. Sei bem que nem me conhece,e talvez nem queira conhecer,mas eu estou aqui disposta a te ouvir e ajudar no que for preciso.

O garoto não sabia o que responder,apenas fechou os olhos na intenção de descansar e tentar raciocinar tudo que acontecerá.

[...]

A ala em que estava não era algo chique ou novo,pelo contrário... a pintura da parede praticamente não tinha mais,as cadeiras enferrujadas,a janela com diversas manchas em sua volta,o chão encardido mas sem qualquer restigio de sangue ou sujeira. A porta era a única coisa de lá nova,talvez acontecesse algo e tiveram que trocar.

O lugar era até que grande,com um pequeno banheiro de canto e um criado-mudo ao lado da maca.

O atendimento? bom,era sua primeira vez lá,mas até que foi atendido bem. Não foi uma maravilha que nem nos filmes ou novela,mas foi o suficiente para saber que estava em "segurança",se era assim que chamava aquilo que sentia.

                                                                       ...


Notas Finais


espero que tenham gostado,até o próximo capítulo 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...