1. Spirit Fanfics >
  2. Bleach: Akumas e Hollows >
  3. Hakka no Togame!

História Bleach: Akumas e Hollows - Capítulo 45


Escrita por:


Notas do Autor


Não sei quem entrou numa gelada nesse capitulo... Mas na minha interpretação, os dois lados entraram. 😅

~ Boa leitura!

Capítulo 45 - Hakka no Togame!


Fanfic / Fanfiction Bleach: Akumas e Hollows - Capítulo 45 - Hakka no Togame!

– Você?! – exclamou ela, com os lábios tremendo. – Mas? Como...

Kaien abriu um sorriso e passou a mão pelos cabelos. Nesse momento, Rukia notou que ele usava uma luva e a ficha caiu: não era Kaien, mas alguém que se passava por ele. A surpresa no rosto da morena sumiu, dando lugar à seriedade e à raiva.

– Não. Você é o Aaroniero.

Com o rosto do Kaien, Aaroniero fingiu uma falsa surpresa e olhou para o lado como se estivesse tímido.

– Ah, oi pra você também, Rukia – ele abriu os braços, ainda com seu falso sorriso no rosto. – Não vai nem me dar um abraço? A gente não se ver há muito tempo.

Rukia se segurou para não ataca-lo com base na raiva, mas apertou seus punhos na bainha de sua Zanpakutou até seus dedos ficarem brancos e não deu um passo sequer para abraçar aquele filho da mãe. Aaroniero, então, assumiu uma postura despreocupada.

– Eu sei que você não vai cair mais nessa, mas decidi experimentar só pra ver como reagiria e quer saber? – nesse instante, Aaroniero pegou sua Zanpakutou, a Nejibana, e atacou Rukia, que bloqueou: – Você reagiu exatamente do jeito que imaginei.

Rukia gritou em fúria e afastou o Aaroniero com um empurrão. Em seguida, avançou em sua direção e atacou uma, duas e três vezes, com todos os ataques sendo bloqueados. Aaroniero contra-atacou uma única vez e Rukia foi rápida em desviar, afastando-se.

– Eu não fiquei surpresa por ter vindo com a mesma estratégia – disse ela. – Eu estou surpresa com uma coisa: como é possível você estar aqui? Você tinha morrido! Eu o matei!

– Sim, você me matou, Rukia... eu era seu amigo, o seu Kaien...

Rukia estufou o peito, de raiva, mas suspirou fundo e manteve a postura tranquila. Ao perceber que não adiantaria, Aaroniero, com o rosto do Kaien, bufou, frustrado, mas logo alegrou-se com a pergunta:

– Lembro que fui derrotado de forma patética por você, depois acordei no Jigoku-Ren, enfrentei algumas batalhas e... então... um cara de nome estranho me tirou de lá. E aqui estou!

Aaroniero ergueu sua Nejibana e atacou Rukia, que bloqueou e se afastou, em vez de contra atacar. A Shinigami estava tendo dificuldades em se concentrar no oponente.

– Rukia? – chamou Orihime, preocupada.

Aaroniero olhou diretamente para Orihime, que ainda recuperava as energias do Gray que, junto da Sakura, não conseguiam compreender o que acontecia. Ao notar que ex-Noveno Espada olhava demais para o grupo, Rukia colocou-se na frente deles.

– Orihime, fique onde está. O mesmo vale pra todo mundo!

Aaroniero sorriu.

– Vai me trazer a cabeça dos seus amigos agora?

Rukia ergueu sua Zanpakutou e passou, como um relâmpago, pelo oponente surpreso. Sua intenção era congela-lo, mas, por um instante, Aaroniero conseguiu escapar de virar uma pedra de gelo graças ao seu Sonido, desviando. Por ser um Arrancar, Rukia não ficou surpresa pelo seu escape.

– Que porra de Aizen o que? – disse Aaroniero. – Eu tenho um novo mestre... bem mais poderoso e esperto do que aquele miserável.

– O Conde do Milénio – disse Rukia.

– Rukia, meu amor, tire a cabeça dos seus amigos agora, vai? Faz isso por mim, o Kaien.

– CALA A BOCA!

Irritada, Rukia apontou sua Zanpakutou e proclamou “Dance, Sode no Shirayuki!”, fazendo com que sua Zanpakutou brilhasse em um branco puro e incandescente, a ponto de cegar. Sua Shikai estava liberada, mas nada que Aaroniero já tivesse visto, portanto, o antigo Noveno Espada não se intimidou.

– To vendo que sequer está intranquila com minha presença. Por acaso não liga mais pra mim, Rukia?

– Eu já te falei há muito tempo, esqueceu? Pode falar e agir como o Kaien, pode falar a mentira que você quiser, seu comedor de Hollows nojento! O verdadeiro Kaien está em meu coração, só eu o conheci. Nada do que você me disser me afeta, estou em paz com o meu passado.

Aaroniero fechou os olhos, balançando a cabeça.

– Não entendo, Rukia. Tudo que fiz foi pra te deixar forte e agora você quer me matar de novo, é isso?

Rukia atacou e Aaroniero bloqueia. No entanto, o Arrancar não impediu de ser acertado pela segunda investida e Rukia acertou seu rosto, fazendo com que Aaroniero se afastasse. Quando ergueu a cabeça, Rukia podia ver, agora, que a região afetada pelo ataque de sua Zanpakutou deixava o verdadeiro rosto do Aaroniero à mostra.

– Vai mesmo continuar me machucando, Rukia? – perguntou Aaroniero, com uma falsa imploração.

Rukia manteve a postura. Odiava aquele Arrancar mais do que tudo, principalmente por usar o rosto de Kaien de propósito. Porém, precisava manter a calma se quisesse derrota-lo outra vez, afinal, não havia sol algum que lhe ajudasse.

Aaroniero suspirou e ergueu sua Nejibana.

– Dessa vez vou fazer uma coisa que você nunca me deu a chance de fazer: me defender de ti. Suiten Sakamake!

Houve uma pequena explosão envolta do Arrancar. Quando a fumaça abaixou, Rukia e seus amigos puderam ver a Shikai do Kaien: sua Zanpakutou se tornou uma espécie de tridente. Rukia já havia visto todo o poder máximo do Aaroniero, não ficou chocada, mas ela ainda podia sentir toda energia espiritual dele: ainda continuava grande e isso não havia mudado em nada.

– Por que está fazendo isso? – perguntou Rukia. – Por que ajuda esse Conde?

– Porque é o melhor caminho para a Humanidade, ora. Não é só esse mundo que está errado, todos estão! Um mundo sem governo é um mundo perdido e o Conde do Milénio é o melhor candidato a nos guiar para a verdadeira paz... que não é nada parecido com as baboseiras que o Aizen dizia!

– O Conde vai descartar você assim que ele conseguir o que quer – retrucou Rukia. – Vai ter um destino igual que teve quando seguiu Aizen, essa é a verdade!

Aaroniero sorriu, afetado.

– O Conde do Milénio é minha nova ajuda agora.

O Arrancar começou a girar o seu tridente e uma pequena onda formou-se atrás dele, apesar de estarem em um terreno seco. Rukia lembrou-se que estavam próximo de um rio, mas a verdade é que toda aquela água que surgiu na batalha vinha do próprio tridente das mãos do Aaroniero.

Em seguida, a onda violenta dirigiu-se em direção à Rukia.

A Shinigami poderia ter desviado fácil, mas optou por tirar seus amigos dali. Ela foi até Orihime, agarrando-a, e saltou dali. Gray e Sakura escaparam sozinhos. Foi preciso fazer alguns saltos para que ficassem livres daquele tsunami perigoso do Aaroniero.

– Precisa de ajuda? – perguntou Gray.

– Posso derrota-lo, mas até que seria ótimo – disse Rukia.

Gray criou um arco e flecha de gelo e disparou três contra Aaroniero. Como estava distante, o Arrancar viu as flechas chegando e girou seu tridente, criando um escudo de água espiral que o protegeu. Em seguida, contra atacou com mais ondas de água.

Tornou-se impossível se mover pelo terreno, obrigando a Orihime a criar um escudo com seu Saten Keshun, conseguindo, com sucesso, se proteger. Rukia, Sakura e Gray ficaram atrás do escudo, protegendo-se de toda aquela maré violenta.

– Mas o que ele quer, afinal? – perguntou Gray.

– Esse Conde tem um exército a favor dele e nós somos apenas quatro – observou Sakura. – Ele pode facilmente acabar com a gente.

– Esse Conde tá guardando o melhor dele – disse Rukia. – De repente, mandou o Aaroniero aqui para nos sequestrar ou nos matar. É, esse Conde sabe jogar.

– Odeio tanto esse cara – disse Gray.

Aaroniero parou de girar o seu tridente ao notar que não adiantaria manter aquela maré. Assim que toda aquela água começou a ir embora e as coisas foram se acalmando, o Arrancar enxergou o Saten Keshun da Orihime, que os mantinha protegidos.

– Eu sou o suficiente para matar vocês. Rukia, meu amor, você não lembra dos momentos que passamos juntos? Não lembra daquele dia que passamos embaixo daquela árvore, quando estava chovendo. Por um momento, pensei até que iria trair a minha noiva contigo...

Sakura, Gray e Orihime olharam para Rukia, que balançou a cabeça, constrangida e irritada. Aaroniero continuou, aproximando-se:

– Você sempre disse que pagaria com a vida pelo o que fez comigo? Foi blefe, foi?

– Do que ele tá... – disse Sakura.

– Conhece esse cara? – perguntou Gray.

– Depois – respondeu Rukia, quando Orihime também estava prestes a questionar.

– Eu fiz o melhor que eu podia só pra que você fosse forte. Sonhava com o dia em que você se tornaria uma capitã... uma capitã bem mais forte que o fraco do Capitão Ukitake...

– Por quanto tempo vai continuar com isso? – perguntou Rukia, virando-se para o Aaroniero-Kaien – Por quanto tempo vai continuar fingindo ser ele? Sabe por que você faz isso, Aaroniero? Porque você não sabe quem você é de verdade!

Aaroniero congelou, com os olhos arregalados.

– É isso mesmo! – disse Rukia, continuando. – Você não tem uma identidade! Você se disfarça do Kaien mesmo tendo devorado mais de trinta e três mil Hollows, você precisa de um mestre porque não consegue encontrar o próprio caminho! Esse é você... um Arrancar patético!

Aaroniero permaneceu parado, respirando pesadamente. Ele fechou os olhos, apertando o punhos envolta do tridente. Tentando demonstrar que não foi afetado pelas palavras da Rukia, Aaroniero começou a rir:

– Eu tenho um mestre porque não sei meu caminho? Essa é a logica, sua hipócrita! Deve ser por isso que você ficou perdida depois que matou o seu, não é?

Rukia não respondeu imediatamente. Ela lembrou-se que, após a morte de Kaien, seu irmão mais velho, Byakuya Kuchiki, foi um dos primeiros a lhe consolar. Foi graças a ele que Rukia nunca tornou-se uma pessoa perdida.

– Não me tornei perdida... diferente de você, eu tenho um irmão.

Com um salto, Rukia saltou para fora do Saten Keshun, ficando exposta. Kaien girou seu tridente e um onda violenta foi em sua direção. Rukia se defendeu ao cortar a onda com sua Zanpakutou, congelando-a. No entanto, Orihine não estava conseguindo manter o escudo devido a força da água.

– É... muito... forte!

– Deixa comigo – gritou Gray. – Gelo faça escudo!

Gray usou a própria água que os atacava para formar um escudo envolta dele, da Sakura e da Orihime, que cancelou o Saten Keshun.

– Não acha melhor a gente ajuda-la? – sugeriu Sakura.

Rukia estava lhe lidando muito bem com Aaroniero-Kaien. Onde sua Zanpakutou tocava, a água congelava imediatamente, fazendo com que a Shinigami usasse os blocos de gelo recém criados no ar para que pudesse chegar até o seu oponente. Aaroniero revidou com mais água, mas ao notar que não adiantaria, afinal Rukia congelava tudo, tentou deviar.

Tarde demais.

Rukia enterrou a Sode no Shirayuki no peito do Aaroniero, que esbugalhou os olhos e balbuciou palavras indecifráveis nos lábios. Rukia estava ofegante e se afastou, com a Zanpakutou nas mãos.

– Vai me matar como fez no passado? – perguntou Aaroniero.

– Vou... e estou me referindo à você, Aaroniero. Sobre o Kaien... eu ainda vou pagar pelo que fiz à ele, mas não hoje. Não hoje...

Aaroniero começou a rir. No início, era um risada forçada, mas tornou-se alta e de verdade, transformando-se numa gargalhada histérica. Rukia fechou os olhos e balançou a cabeça. Já sabia o que vinha a seguir. Aaroniero olhou para ela, com a metade do rosto demoníaco de Kaien e com a outra metade onde estava exposto sua verdadeira forma.

– Na verdade, vai pagar hoje mesmo! DEVORE, GLOTONERIA!

O corpo do Aaroniero transformou-se aos poucos. Seu corpo, aparentemente humano, cresceu de forma grotesca e nojenta, chegando a ganhar tentáculos como o de um polvo e uma cabeça enorme surgiu, onde haviam olhos de demônio e um longa boca cheia de dentes horríveis.

Rukia esfregou o rosto. A energia espiritual do seu oponente aumentou, ficando maior do que já era antes. Porém, não a surpreendia: Rukia já havia sentido aquela energia antes e, nem mesmo na aparência, Aaroniero havia mudado em alguma coisa.

– E ENTÃO, RUKIA? – perguntou Aaroneiro, enlouquecido. – FICOU COM SAUDADES DE VER ESSA FORMA? LEMBRA QUE QUASE MORREU AO ME VER ASSIM? POIS É, NÉ! DA ÚLTIMA VEZ, VOCÊ ESCAPOU DE MIM POR POUCO, MAS A MESMA COISA NÃO VAI ACONTECER! NÃO VOU COMETER O MESMO ERRO! DESSA VEZ, EU VOU ENFIAR A ESPADA NA SUA CABEÇA!

Hakka no Togame!

Toda a área envolta da Rukia e do Aaroniero atingiu a temperatura zero. Um pilar de névoa fria subiu no ar e, tudo que a névoa dominou, congelou e se esfarelou em gelo instantaneamente. O céu tornou-se branco e a água transformou-se em gelo, completamente. Toda a forma verdadeira do Aaroniero foi congelando aos poucos e o Arrancar teve sua expressão de surpresa petrificada no rosto, completamente imóvel.

Rukia, cujo o corpo brilhava como neve, tornou-se a única capaz de suportar o frio. A Segunda Torre do Paraíso tornou-se a única coisa obscura dali. Nesse instante, a Shinigami ficou de joelhos no chão. Estava com dificuldades para respirar ou para se manter de pé, afetada pela própria Bankai.

– E ai – perguntou Gray.

Rukia pulou de susto ao ver o Gray. O mago do gelo estava sem camisa e abraçando a si mesmo.

– O que? Mas... como?!

Gray deu de ombros. Seus dentes e seu corpo tremiam e o mago fazia o que podia para não demonstrar incomodo, embora estivesse obvio, tanto que ele abraçou a si mesmo.

– Isso me lembra quando trenei com minha mestra pela primeira vez – seu olhar sério desviou-se para observar o Aaroniero congelado. – O que fazemos com esse sujeito agora?

– O que fazemos? Como assim?

– É, ele ainda está vivo.

Rukia observou Aaroniero. O Arrancar estava completamente congelado, petrificado, mas era possível notar que ele ainda tinha vida. Era a primeira vez que um oponente escapava da morte depois de experimentar a Bankai da Zanpakutou mais bela da Soul Society, mesmo assim, a morena não impressionou-se, afinal, sua Bankai não estava cem por cento ainda – era uma Bankai extremamente delicada.

– Vou diminuir a temperatura agora. É capaz que ele se livre. Quando ele se livrar do gelo, se for caso, temos que mata-lo...

Gray ergueu os braços.

– Você que manda. Quem conhece ele aqui é você.

Concentrando-se, Rukia diminuiu a temperatura do ambiente aos poucos. Lentamente e cautelosamente, o frio tornou-se ameno até voltar para o clima de antes. Como era de se esperar, a pedra de gelo envolta do Aaroniero foi desaparecendo e o Arrancar, embora enfraquecido, estava retornando.

 

Enquanto isso, na torre, Zeref forçou um sorriso de desdém, insatisfeito com o resultado, ignorando a risada ansiosa do Conde do Milénio. O mago negro começou a caminhar de lá pra cá, inquieto até que chegou o momento que ignorar a risada do Conde tornou-se impossível.

– Está rindo do que? Da sua própria decisão ruim?

– Peões, meu caro, peões! – exclamou Conde. – Isso é xadrez, você sempre manda as peças mais fracas primeiro apenas para testar a habilidade do adversário. Como já sabemos quem eles são, chegou a hora de mandar as outras.

Zeref olhou para as quatro múmias, que recebiam a companhia da Camelot e do Mikk. Camelot passava o dedo pelos corpos enquanto Mikk estava relutante com tudo. Zeref olhou para o Conde, admirado.

– Finalmente concorda comigo? Você demorou – o mago negro se aproximou das múmias. – Chegou o momento de descobrirem como está o mundo de hoje, peões.

 

Aaroniero estava tão enfraquecido que sua forma verdadeira foi abandonada e o Arrancar voltou para sua forma humanoide com o rosto do Kaien Shiba. Assim que notou Rukia se aproximar, Aaroniero rastejou para trás.

– Quer dizer que... essa... é sua... Bankai? É... você melhorou... muito... Rukia... eu devia... ter percebido isso...

Rukia ergueu a Zanpakutou.

– Sim... e esse foi o seu erro.

De repente, houve uma explosão que jogou Rukia para trás. Gray precisou correr e fez uma parede de gelo para salvar a garota, impedindo que ela fosse parar ainda mais longe, salvando-a. Como estava afetada pela Bankai, Rukia sentiu a dor nas costas.

– Ei, garota – Gray ajudou-a se levantar. – Tudo bem? O que foi isso?

Os dois ergueram os olhos para a explosão, esperando a fumaça abaixar. Quando abaixou, as quatro múmias deram um passo à frente e se revelaram: diante da Rukia e do Gray estavam Coyote Starrk, Nnoitra Gilga, Zommari Rureaux e Ulquiorra Cifer.


Notas Finais


Revelado, então, quem o Zeref trouxe do Jigoku-Ren... E as consequências talvez sejam terríveis!
Próximos capítulos: reviravoltas!

~ Boa noite! 😀


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...