1. Spirit Fanfics >
  2. Blood Drops >
  3. Capítulo 5

História Blood Drops - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction Blood Drops - Capítulo 6 - Capítulo 5


Sabe aquela dor angustiante. Aquela que tira um pedaço de você, como tirar um curativo de um machucado, bem devagar e doloroso. Era isso que Lee Minho sentiu, ao ver sua filha presa naquela sela. Um cubículo, cheio de teias de aranha, ferrugem e uma camada considerável de pó. Não era usada a muito tempo, afinal não havia necessidades. Porém, aquela angustia não era pelo fato de sua sucessora estar presa, e sim, por saber que ela já não era a mesma. Agora não passava de um animal selvagem.

- O que estão esperando? Chamem a curandeira!! - o senhor grita, tentando não transparecer para todos, a angustia que sentia.

Mas isso era um fato impossível, todos sabiam com ele estava se sentindo. Lee Minho era um dos homens mais pacíficos da aldeia, dotado de sabedoria, e cheio de histórias para contar. Ele era o principal alicerce do pequeno governo que formaram. Estava presente no dia do tratado, o dia em que lobos e vampiros, decidiram se unir, e viver pacificamente.

- Ela já veio até aqui. - diz Nanjoom tentando acalmar o mais velho - Mas não pode fazer nada, não sabe o que aconteceu com ela. E também era muito arriscado entrar lá dentro.

- Deve ter um jeito. Tem que ter. - por fim, resolveu se sentar. Ainda formulando uma possível cura para sua filha, em sua mente.

Realmente não estava sendo fácil, ver aquela figura desgrenhada, salivando, cheia de ferimentos. Os quais não poderiam ser curados, já que não se podia se aproximar da mulher, sem ter a jugular arrancada por aquelas unhas afiadas.

Os rapazes, vendo que o homem, já não estava tão agitado, resolveram contar suas intenções. De primeira, Sr. Lee recusou veemente a hipótese de soltar sua menina naquela floresta novamente, porém ele sabia o que era o certo a se fazer, e não lhe sobrava escolhas, a não ser concordar com os jovens.

- Ainda temos que contar para o resto do povo. Eles precisam saber, e se manterem seguros. - Jin afirma.

- Eu conto! - o velho desamparado se recompõe - Vocês, tentem descobrir a fonte deste caos. Tragam minha filha de volta. Não importa seu estado, se esteja lúcida ou ainda permaneça essa fera, eu exijo que a tragam de volta!

- Sim, senhor. Faremos o possível. - Nanjoom diz, e seus amigos concordam determinados - Nós mesmos iremos, não vamos por em risco mais ninguém!










- O que sara, que está acontecendo? Hoje o dia está tão agitado. - a mulher que esfregava a roupa pergunta - Não está sabendo de nada novata?

- Não...- S/n responde.

Ela ainda se sentia deslocada naquele lugar. Após Jungkook a deixar as pressas, resolveu dar uma volta e acabou na beira do rio, esfregando roupas, com duas mulheres que não paravam de falar. E sinceramente, ela não ouvia nem metade das coisas que falavam. Estava concentrada nos diversos sons que flutuavam da floresta até ela.

- Deixe de ser curiosa, Yona. - Madeline, uma loira impaciente critica a amiga.

- Ora, não custa perguntar. - Yona se justifica - Olhem, eles parecem preocupados. E Sr. Lee, mais ainda!

A morena aponta para um grupo de homens, que estavam saindo de uma grande casa. S/n nem precisou olhar para saber quem eram, já tinha se familiarizado com o cheiro dos sete rapazes. O que era muito estranho ao seu ver.

- S/n! - seu nome é chamado, a obrigando a tirar sua atenção da floresta.

Ao olhar viu que era Jungkook. Ele estava parado junto de seus amigos, e a chamava com as mãos. Ela não queria ir, mas ficar ao lado deles, era melhor do que ficar ouvindo fofocas de quem ela nem conhecia.

- Mau chegou, e já está tão intima dele? - Yona diz, com a voz carregada de inveja.

- Ela só está com ciúmes, não de importância! Vá até lá! - Madeline sinaliza pare que ela largasse a roupas molhadas.

- Com licença. - ela se despede e vai em direção a roda de homens.

No curto caminho até eles, ainda pode ouvir a discussão entre as duas mulheres. A qual, ela era o assunto principal.

- Oi. Desculpe te deixar sozinha daquele jeito. - Jungkook diz, sem ao menos deixar que ela se aproximasse corretamente.

- Não tem problema. Eu sei me virar.

- É, até fez novas amigas. Vai nos trocar agora? - Taehyung dramatiza.

- Não diria amigas...- ela sorri sem graça.

- Eu te entendo. - Yoongi dá leves tapas em seu ombro - Conheço aquelas duas, as fofocas correm soltas entre elas.

- Percebi. - S/n ri. - Mas, o que era tão importante, que te fez sair correndo.

- Mais tarde irá saber. Agora só viemos nos despedir...- Jin tenta explicar, mas é interrompido.

- Despedir? Para onde vão? Vão voltar para casa? Posso ir? - a ansiedade toma posse da garota.

- Calma...- Jimin ri - Não vamos demorar, e não é para lá que iremos.

- Mesmo assim quero ir. - ela insiste - Não me deixem aqui!

- Não podemos te levar. - Nanjoom explica - É perigoso, e você ainda precisa treinar. Ficar aqui para se alimentar corretamente.

- Se quiser eu fico com você. - Jimin se oferece, sem ao menos pensar.

- Não! - Jin não deixa a mulher formular uma resposta - Gaho será uma ótima companhia. Não é Gaho?

- Hã? - o mais velho, lança um olhar mortal para ele - Há...é claro.

Jimin não tinha gostado nem um pouco da ideia. Já havia um bom tempo, que Jin bolava modos de impedir que ele ficasse a sós com a menina. Os únicos momentos que tiveram a sós, foram quando ela estava desacordada, sem ao menos saber da existência do acastanhado sentado ao seu lado, vendo-a dormir.

- Não leve a mal. Nós até queríamos te contar tudo, mas tem ouvidos muito atentos em nossa conversa. - Hoseok aponta para as duas lavadeiras da beira do rio. As quais rapidamente tentam disfarçar.

- Tudo bem. Eu entendo, só voltem logo. - ela se despede, voltando para a pequena casa.

- Cuide dela Gaho! - Jin pede, vendo a menina se afastar.

- Jimin poderia ter ficado. Eu tinha planos para hoje a tarde. - o moreno reclama, com um bico nos lábios grossos.

- É eu poderia. Mas ele não confia em mim! - Jimin aponta para seu amigo mais velho, com desgosto.

- Não confio, porque sei exatamente o que vai acontecer, Park Jimin! - diz impaciente - Quer mesmo que a história se repita?

Park não responde, estava irritado de mais, e provavelmente iria discutir com Jin. Apenas virou-se, e caminhou até a saída da aldeia, deixando seus amigos para trás.

Ele odiava quando alguém citava, aquele acontecimento. Ficava tão nervoso, que uma amargura lhe subia a garganta, fazendo com que dissesse coisas ruins, a quem não merecia. Por isso preferia apenas ficar em silêncio. O único que sabia seus reais pensamentos era Min Yoongi, mas ele sabia quando devia não se intrometer.

- Não devia ter citado aquilo! - Yoongi repreende o mais velho.

- Quem sabe assim, ele entenda. - Seokjin era duro na queda, não iria deixar seu lado sentimental prevalecer.

- Ele não vai entender, sabe por que? - o branquelo se aproxima - Porque ele gosta dela, e você não vai poder impedir que algo aconteça entre os dois! - e assim ele sai, do mesmo jeito que Jimin.

- Ótimo. Agora os dois estão bravos comigo. - Jin suspira impaciente.

- Deixe que eles esfriem a cabeça, hyung. - Hoseok aperta seu ombro - Vamos, temos que tirar ela da sela!

- Nós vamos indo na frente. - Jungkook e Taehyng afirmam.

- Que beleza. Deixaram o trabalho pesado, todinho para agente. - Namjoon ironiza.




Gaho era uma pessoa legal. Extrovertida. E péssimo como companhia. Foi isso que S/n mentalizou.

Após a saída dos rapazes, ele passou exatos vinte minutos junto da garota, falando de assuntos sem pé nem cabeça, antes de dizer que tinha um encontro, e sair correndo de lá. O mais engraçado, foi que em meio de tantas coisas que contou a ela, não quiz dizer aonde os sete haviam ido.

Era tedioso ficar sem fazer nada. Não que ela tivesse muitas coisas para fazer em sua casa, porém lá era seu lugar, suas coisas. E realmente, até desejou ver aquele texugo novamente.

Suspirando, levantou decidida a dar uma caminhada. Fazendo uma nota mental, de passar longe das duas lavadeiras. Assim, decidiu ir por traz da moradia, direto para a vegetação densa. Aquele era um lugar lindo, admitiu, mas com um clima mais pesado que o normal.

Conforme andava, desfrutava de seus sentidos apurados, se concentrando nos mínimos detalhes da paisagem. A floresta se estendia quilômetros a sua frente, as árvores balançando com o vento, e alguns animais, vez ou outra fugiam ao perceber sua presença.

- Um lugar muito agradável, não acha? - uma voz feminina, sedutora, carregada de luxuria a assusta.

Ao olha para trás, viu uma mulher. Corpo marcante, cabelos negros, lábios banhados em batom vermelho, com um chapéu refletindo uma leve sombra em sua face. Mas como não ouvi ela chegando, pensou S/n.

- Olá. Também veio da aldeia? - perguntou, vendo a mulher rir.

- Óh, não. Não moro aqui...- ela se aproxima alguns passos - Na verdade, estou aqui justamente por você.

- Eu? - perguntou novamente, a jovem confusa.

- Vim pessoalmente, pedir perdão pelos atos de meu irmão. Ele realmente é impulsivo, e errou ao fazer isso com você.

Agora as coisas começavam a fazer sentido para S/n. Aquela mulher esbelta, era parente do homem culpado por transforma-la. Agora surgia mais uma dúvida, ela era confiável?

- Não se aproxime! - ele olha em direção a aldeia. Será que conseguiria correr de volta?

- Não precisa se preocupar minha jovem. Não sou igual a Gordon. Entendo que não confie em mim, porém tenho muitas coisas a te falar. Você precisa de uma tutora, alguém que te ensine os segredos dessa nova vida.

- Não...

- Não recuse ainda! Pense com calma, e se decidir deixar-me ajuda-la, estarei a disposição. Tome isso! - ela estende um frasco - Quando quiser me ver, beba isso, e saberá como me encontrar.

S/n não queria pegar. Estava confusa, mas assim que ouviu a voz de Gaho a chamando, a mulher a sua frente agarrou sua mão, e colocou o recipiente sobre sua palma.

- Pense com carinho em minha proposta. - ela sorri, com um charme único, e some em um piscar de olhos.

A jovem decide correr de volta para casa, onde encontra Gaho a sua procura.

- Onde estava? Tinha alguém com você?

- Não...- ela diz após pensar bem - Somente estava caminhando.

Ela permanecia com a mão dentro do bolso, segurando firmemente o frasco, que permaneceria escondido.

- E o seu encontro? - ela muda de assunto, fazendo o moreno passar de desconfiado, a animação em pessoa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...