1. Spirit Fanfics >
  2. Blood Shed >
  3. Prólogo

História Blood Shed - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi, essa é minha primeira fic e espero muito que gostem aaa
E por favor leiam as notas finais pq tem informações muito importantes la oki



Caso tenham alguma pergunta aq o link do meu ccat💕 https://curiouscat.me/manoslay

Capítulo 1 - Prólogo


 11 anos atrás...



-Papai! Mamãe! Acorda, está nevando! -o garotinho animado dizia enquanto pulava na cama no meio dos dois adormecidos.
-YoungHee fale mais baixo seu pai ainda está dormindo. - repreendeu a mulher.
-Não estou mais. -resmungou o homem se levantando e pegando o garotinho que segurava a risada em seu colo - Do que está rindo YongHee?
-Seu cabelo está muito engraçado papai, parece como fogo quando está todo pra cima assim. -respondeu com um sorriso para o pai.
-Você está rindo do meu cabelo depois de ter vindo aqui as sete horas da manhã me acordar no meu dia de folga? -perguntou com uma cara séria.
O garotinho engoliu em seco pensando que ia ser xingado pelo homem e assim que ia pedir desculpas foi surpreendido pelo pai que começou a fazer cócegas sem parar. A cena era vista pela mãe que dava risadas junto com o marido e o filho.
-E você? - o homem parou e apontou para a mulher que o olhou com uma cara de quem não estava entendendo nada - pensa que eu não vi você rindo do meu cabelo junto com essa pestinha aqui, você tem que arcar com as consequências assim como ele. -falava com um sorriso sapeca, enquanto se levantava e ia em direção a mulher.
-Chanyeol o que pensa que está fazendo? -perguntou a mulher enquanto tentava se afastar. O homem pegou a mulher pelo braço puxando levemente em sua direção.
-Estou te dando sua punição querida. Sussurou e começou a fazer cócegas na mulher também.
E assim ficaram brincando e aproveitando seu tempo juntos. Levantaram apenas quando o garotinho reclamou que estava com fome.
Chanyeol pegou ele no colo se dirigindo a cozinha enquanto perguntava o que ele queria comer.
-Quero panquecas de chocolate papai! -disse dando um sorriso gigante.
-Ta bom, o papai vai fazer, agora você fica sentado aqui enquanto eu preparo tudo aqui ok? -falou e recebeu um aceno em concordância do garotinho.
Um tempo depois os três estavam sentados desfrutando o café da manhã. Chanyeol observava os dois e pensava o quão sortudo era de ter uma família maravilhosa assim. Já era casado à nove anos e era perdidamente apaixonado pela mulher e amava ainda mais seu filho.
-Chanyeol, amor está tudo bem? -perguntou a mulher enquanto o olhava preocupada.
-Ah, está sim hehe me desculpa acabei perdido em pensamentos, pode repetir por favor?
-Entendi, eu estava falando sobre a nossa viagem de hoje, você conseguiu falar com o seu chefe, ele vai liberar você por uns dias?
O homem baixou a cabeça claramente triste.
-Não, ele disse que como estamos no início do inverno o trabalho aumenta e precisa de mim lá e que se eu não quisesse trabalhar era para avisar que ele achava alguém para colocar em meu lugar.
-Oh, aquele homem é repugnante, já fazem 5 anos que você trabalha lá, sem férias, sem folgas, ganhando pouco e sem pedir nada e na única vez que pede é recusado? Precisamos ver outro trabalho pra você Chanyeol. -falou a mulher irritada.
-Eu estou procurando meu bem. -falou pegando a mão da mulher. -Vocês ainda podem ir sem mim, seus pais vão gostar de ver você e o YongHee e no Natal eu posso ir buscá-los.
-Nada disso! Se você não vai, nós não vamos também, não é YongHee? -perguntou olhando para o garotinho.
-Mas eu queria ir visitar o vovô, mamãe. -disse o garoto tristonho, enquanto Chanyeol soltava uma risada nasal.
-Viu só meu amor, YongHee está com saudade dos avós e tenho certeza que você também tem saudade dos seus pais, vocês vão e está decidido! -disse firme e quando a mulher ia falar algo ele prosseguiu.- É sério, quero que vão e aproveitem, agora terminem de comer e vão tomar um banho e se arrumar enquanto eu vou fazer as malas de vocês e nem adianta tentar dizer que não porque você sabe que eu sou teimoso e sempre ganho. -olhou para a mulher com deboche, ela que apenas bufou e abaixou a cabeça terminando de comer.
Chanyeol foi para o quarto arrumar as malas da mulher e do filho. Assim q terminou os dois ja estavam no banho, então resolveu ir arrumar a cozinha enquanto esperava pelos dois.
Estava terminando de lavar a louça quando a mulher apareceu na sala com o garotinho a sua frente, cada um com sua mala em mãos.
-Estamos prontos, tem certeza que não quer que fiquemos Chanyeol, meus pais não vão se importar.
-Já disse que não adianta teimar, vocês vão e no Natal, daqui a duas semanas eu estarei lá. Ok? -perguntou e recebeu só uhum em troca, levantou o queixo dela com a mão e deu um beijo na mulher.
-Eu te amo, se cuidem no caminho, sei que estamos em tempos de paz mas todo cuidado é pouco. -disse deixando mais um celinho na mulher e recebendo um "eu te amo" de volta, sorriu e se abaixou pra falar com o garotinho.
-YoungHee, cuide da sua mãe, proteja ela e de muito carinho a ela tb ok? - o garotinho confirmou com a cabeça e abraçou o pai. -Eu amo você meu pequeno, se cuide também e não de tabalho aos seus avós.
- Eu também te amo papai e pode deixar que vou cuidar da mamãe e me comportar. -sorriu para o pai que lhe retribuiu.
Levantou e acompanhou os dois até a porta, ajudou a por as malas no carro e ficou olhando e dando acenos ao carro até que ele dobrou em uma esquina.


Horas mais tarde Chanyeol estava deitado no sofá enquanto assistia um filme, sentiu um mal estar e resolveu ir tomar um banho.
Se despiu e entrou no Box, quando ia ligar o chuveiro, sentiu seu ombro doer bem onde ficava sua marca e aquilo definitivamente não era um bom sinal. Terminou seu banho e colou uma roupa quentinha, decidiu fazer um chá, mas quando foi procurar um na cozinha não tinha mais, foi até o quarto e colocou roupas mais quentes e saiu em busca de algum lugar aberto que conseguisse comprar algum chá.
Andou algumas quadras e achou um mercadinho. Entrou e foi em busca de um chá que lhe agradasse, assim que achou foi até o caixa para pagar, entregou a caixinha para o atendente.
-Você ficou sabendo que teve um acidente a poucos minutos na estrada? -perguntou o homem tentando puxar assunto.
-Não, foi muito grave?
-Parece que sim, era uma mulher e uma criança, parece que humanos pegaram eles e estão dizendo que foi pra tirar seu sangue...
-Você acha mesmo que foi isso? Temos um acordo agora, será que eles seriam tão burros em violar assim?
-Parece que sim. O que é uma pena, era uma mulher tão jovem e bonita, era loira e parecia estar muito feliz.
Chanyeol parou por um segundo com a fala do homem, uma mulher loira e uma criança, não poderia ser né, deveria ser só uma coincidência.
- Uma mulher loira... -começou ele com receio- e a criança como era, sabe a idade?
- Eu passei por la agora pouco, foi na estrada norte, na saída da montanha e a policia estava ali faziam horas ja, estavam tentando entrar em contato com algum conhecido, me disseram que era uma criança com uns 5 anos e que tinha cabelos vermelhos e.... -Chanyeol não escutou mais nada do que o homem falou, saiu correndo, n queria saber se estava frio e se era longe, só queria ter certeza de que não eram eles lá, que foi tudo coincidência e que eles estavam seguros com seus sogros.
Ele correu durante 40 minutos até chegar ao local, não parou um segundo até chegar, os policias realmente ainda estavam ali e a rua estava trancada em uma das vias, parou antes de resolver se aproximar do policial que estava ali.
-Com licença senhor, você poderia me informar o que aconteceu aqui? -perguntou para o policial que o olhou e falou.
-Um acidente, uma mulher e uma criança foram mortos, ainda não sabemos a causa e também não conseguimos contato com a família. -respondeu ele enquanto voltava sua atenção a prancheta que estava à sua frente.
Chanyeol apenas caminhou em direção ao lugar que estava cercado com uma fita impedindo o acesso, arrancou ela e continuou caminhando ignorando os protestos do policial.
-Ei! Você não pode entrar ai! -disse ele sendo ignorado pelo homem, o policial ia falar outra coisa mas parou assim que viu Chanyeol tirar seu gorro e viu os cabelos vermelhos dele.
Ele caminhava em direção aos corpos que ja estavam na ambulância, ao abrir as portas Chanyeol não quis acreditar no que seus olhos viam, não quis acreditar que era sua mulher e seu filho ali, seu mundo acabou, havia acabado para si e a dor era insuportável. Estava se culpando, não deveria ter dado a ideia deles irem sozinhos, não deveria ter insistido. As lágrimas foram inevitáveis, caiu de joelhos no chão e a última coisa que viu foi a lua, aquela terrível lua minguante...

Notas Finais


Então, a história mesmo começa no próximo capítulo, espero muitão que gostem novamente kkk
E sobre a marca do Chanyeol vou explicar sobre ela nos próximos capítulos oki ❤

Bjos até amanhã


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...