História Blood Sweat & Tears - Capítulo 57


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, EXO, Serj Tankian
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, G-Dragon, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lay, Lu Han, Mark, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Serj Tankian, Suho, Xiumin
Tags Bangtan Boys, Serj Tankian, Sobrenatural, Taehyung, Vampiro
Visualizações 28
Palavras 2.748
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem
O fim ta chegando :(

Capítulo 57 - Perdão


Fanfic / Fanfiction Blood Sweat & Tears - Capítulo 57 - Perdão

• Anteriormente

Ouvi passos, ao abrir os olhos vejo os guardas vindo em minha direção, rosnei pra eles e me preparei para atacar.

Os guardas vieram pra cima, alguns lançando feitiços, desviei rapidamente de todos e pulei em cima de cada um, mordendo o pescoço ou arranhando o rosto, como o sangue tinha um péssimo gosto eu apenas estraçalhava e jogava pro lado, corri até Serj e fiquei em cima dele, tentando morde-lo, e se debatia, arranhei seu braço e ele me jogou pra longe me fazendo bater a cabeça.

Não cheguei a desmaiar, só fiquei um pouco tonta. Levantei novamente e os guardas começaram a bater nos seus escudos, me deixando sem nexo, era horrível ouvir todo aquele barulho, me desconcentrei então comecei a recuar.

Eles se aproximavam e eu rosnava pra eles, ou tentava, ataquei o que tentou me tocar. Eles começaram a bater mais forte, o desconforto era grande, sem perceber voltei a forma humana, me encolhi para esconder eu corpo desnudo. Essa primeira impressão de ser loba não me deixou tão contente... Me senti presa, e eu estava.

- Você está louca!? - Serj bradou - Feriu meus soldados, me feriu! - Ri de sua cara. - Do que está rindo?

- Era pra eu te morder, só pra te ver alucinar até definhar.

- Prendam ela! - Os guardas me seguraram - O Eclipse é amanhã, hoje é a sua última noite, aproveite bem...

- Ah, Obrigada, irei sim... Cuide bem de seus homens - Ri

- Tirem sangue dela e dê a todos que foram feridos... E por favor, dêem algo pra ela vestir. - Meolhou desconfortável - Eu devia lhe deixar sem vestes, pra morrer de frio, mas não funciona desse jeito.

- Não acho que isso irá funcionar, meu sangue de feiticeiro não vai deixar - Sorri com os dentes.

- Não custa tentar... Agora vão!

Me levantaram e puseram algemas em mim. Mark encarava meu corpo, e os outros na mesa olhavam pra qualquer canto.

- Serj por favor, me deixe falar com ela - Ouvi a voz de Kyung.

- Todos saiam! - Serj dissee todos na mesa saíram. - Limpem tudo! - Disse e muitos empregados começaram a limpar.

- Serj! Por favor.

Ele se sentou no trono e a encarou.

- Uma gracinha... - Tocou no ombro dela - E vai ser ver comigo - A selou.

- Ai não acredito - Sussurrei abaixando o olhar e coçando meu rosto, os guardas apontaram as lanças pra mim.- Calma, já abaixei... - Me referi as mãos.

- Vá - Serj Mandou e ela foi na frente.

Os guardas a seguiram, esqueceram de pôr osaco na minha cabeça, então olhei todos os lados, o lugar era cheio de quadros nas paredes. Eu tinha memorizado as vezes que virei quando vinha, e sabia que tinha que virar àquele corredor a direita.

- Moço a jaula é pra la... - Lhe disse.

- Cale-se!

- Ignorância - Sussurrei.

Eu passava pelo corredor, e em algumas salas, as pessoas me observavam e isso já estava me incomodando. Tentei me esconder com os braços, mas ainda era vista.

- Aigoo, podem me cobrir? É desconfortável ser vista desnuda.

- Tome isso - O cara me deu o escudo dele, o olhei sem entender. Ele sorriu - Meu nome é MinHyuk.

- Obrigada Minhyuk, você tem um nome bonito! - Sorri de volta, ele era fofo, parecia ser diferente.

Segurei seu escudo em minha frente, me sentindo bem melhor.

Chegamos em outras portas e Kyung abriu a porta, ela pediu que entrasse apenas dois dos homens, MinHyuk entrou junto com outro homem.

- Sente aqui - Devolvi o escudo e sentei na cama, onde ela apontou.

- Por que me trouxe aqui? - Olhei ao redor e tudo parecia luxuoso demais.

- Você precisa de roupas...

- Preciso de roupas não da sua ajuda.

- Filha...

- Não me chame assim. - Encarei as algemas.

- Até quando vai ficar desse jeito!? Eu fiz tudo isso pra te proteger!

- Olhe ao redor, você vive em regalias, você podia muito bem ter voltado pra mim.

- S/n sabe que não é verdade! Eu não podia sair daqui, não tinha como.

- Como pôde? Por quê você beijou ele!? - As lágrimas caíram. - Aquilo apesar de ter sido nojento, foi um ato traidor! E Appa esperando por você todo esse tempo.

- Eu posso explicar... Ele... Esperou?

- Não importa, você não precisa saber dele.

- Omma! - Um garoto um pouco menor que eu entrou na porta correndo e parou ao me ver. - Preciso falar com a senhora... Quem é ela? E porque está sem roupa?

- Seungri querido não é uma boa hora...

Eu arregalei os olhos e encarei todo aquele teatro, mais lágrimas desceram, e eu a olhei incrédula esperando a reação da mesma, ela me encarou e começou a chorar.

- Omma? Foi disso que ele te chamou? - A encarei nervosa, minha voz estava falha. Ela chorava mais e mexia no seu vestido por causa do nervosismo.

- Me perdoa, me perdoa, por favor - Ela se ajoelhou tocando em minhas coxas. - Eu não tive escolha.

- Omma o que está fazendo? - Se aproximou o menino.

- Seung, por favor, espere lá fora. - Ele a obedeceu e saiu.

Coloquei as mãos na testa e me senti devastada. Me encolhi não acreditando que aquilo estava acontecendo, ela tinha um filho com Serj? Era isso mesmo?

- Me dê uma chance de te explicar tudo, por favor. - Pediu me olhando nos olhos - Seus olhos... Estão cinzas.

- Você tinha razão... Eles mudavam de cor a partir dos meus sentimentos... E agora eu sinto desprezo. Eu me sinto... Eu não sei Kyung... Você estragou uma família, eu tinha esperanças de te reencontrar, mas com o tempo, tudo foi ralo abaixo, eu estava feliz com a vida que eu tinha até esse babaca estragar ela de novo, já foi difícil te ver partir, mas isso aqui... Acho que consegue ser pior, eu me sinto traída. Você não pensou em nós? Em como o Appa iria de sentir? Você praticamente deixou ele e fugiu para o Brasil, e agora desde que você foi supostamente sequestrada... - Recebi um tapa no rosto.

- O que está insinuando? Que eu fingi ser sequestrada? Que eu quis te abandonar? Isso é o cúmulo S/n! - Aumentou a voz, quase gritando - Eu nunca te deixaria, nunca deixaria você e seu pai. Você acha que eu quis essa vida!? Veja só o que está falando! - Segurou meu rosto de cada lado, falando mais calma - Eu nunca esqueci vocês... Mas, as circunstâncias não deixaram que eu saísse daqui, eu sei que pareço diferente e no seu ponto de vista eu faria o mesmo. Depois que ele soube do seu nascimento, quando ele começou a nos perseguir, ele percebeu que... era uma chance pra ele.. - Disse um pouco triste - Eu fui forçada a muita coisa, mas consegui a confiança dele - Sussurrou essa parte - Eu quero sua confiança também, eu ainda sou aquela Omma que cuidava muito de você! Eu fiz tudo por você S/n - Chorou mais e beijou minha bochecha. - Pode me perdoar?

- E os pais de Mark? - A olhei - Mark me disse que você ajudou ele... O Serj

- Infelizmente sim, mas não tive escolha, ele iria mata-los se eu não ajudasse.

- Eles estão bem?

- Sim, foram só experimentos, sofreram pouco. - Pôs uma mecha de meu cabelo para trás.

- Eu sei que só queria cuidar de mim, mas eu também sofri sem você, eu te perdôo - Ela sorriu - Mas qualquer passo infalso, eu não deixarei levar.

- Obrigada filha, eu te entendo, tentarei ser melhor pra você tá? - Deixou algumas lágrimas caírem e eu a acompanhei - Eu te amo muito S/n, saiba que você foi um fruto de amor.

- Senti sua falta Omma - Nos abraçamos. - Explique esse filho...

- Aigoo, não deixa passar uma não é!? - Rimos pouco - Bem... Ele não foi fruto amoroso como você, assim que fui capturada, Serj se aproveitou de mim, como as outras mulheres também, mas eu fui a preferida porque era uma feiticeira muito forte, e... Acabei sendo fértil também, no começo eu fiquei depressiva, eu pensei em me matar, mas a criança não tinha culpa, então cuidem bem dela, me lembrei dos momentos com você... Ele me lembra você - Sorri fraco - Tentei desvia-lo dos caminhos maus, mas ele tem sangue de demônio... Ainda assim consegue ser bom, com a minha ajuda.

- Que bom que conseguiu se superar - A abraçei novamente.

- Venha, vou te vestir, e... Quer conhece-lo?

- Conhecer? Bem... Não seria ruim - Sorri sem mostrar os dentes.

- Aigoo, Ótimo, não gostos e desavenças! - A vi feliz e sorri com isso.

- LuHan nunca desistiu... De te reencontrar.

- Oh! Como ele está? - Sorriu - Ele é como um filho... Muito bom menino. O conheci na vinda pra cá, quando eu andava la fora, acabei colocando-o no mundo prisão, ele era um dos que se sentiam culpados pela morte de alguém, acabou definhando aqui.

- Ele me contou sobre isso.

- É, ele não merecia... Então o prendi, para que tivesse mais tempo, e ele ainda me parecia vivo o bastante, o escolhi e mandei que fosse seu protetor, ele ficou mais feliz.

- Conseguimos salva-lo... Está na terra dos vivos.

- Isso é muito bom! Então foi você quem abriu o portal! Sua sapeca! - Rimos.

- Claro, na intenção de salvar ele e resgatar você.

- Seu pai deve estar muito preocupado, e sem saber o que fazer! - Ela riu - Ele sempre foi um idiota.

- Sempre agitado e desastrado.

- Grita! - Rimos juntas.

- Com certeza!

- Venha, a água não é tão boa, por isso junto poções e perfumes - Disse ela preparando meu banho.

- Obrigada - Entrei na banheira hesitante

- Está boa? - Assenti - Ótimo, vou achar uma roupa e chamar Seungri e explicar tudo pra ele.

- Omma! - A chamei.

- Sim? - Sorriu. Lhe mostrei as algemas - Ah! Perdoe-me, não reparei - Passou suas mãos e as mesmas destrancaram.

- Obrigada.

- MinHyuk! Fique de guarda aqui - Chamou - Desculpe tenho que fazer isso.

- Sem problemas - Sorri sem mostrar os dentes.

MinHyuk ficou de costas pra mim e eu comecei a me banhar, meus pensamentos me perguntavam se eu fiz a escolha certa, seu eu fiz as ações corretamente... Mesmo que algo aconteça agora, não será de todo mal. Pelo menos descobri que a magia funciona fora da jaula. Usei a mesma, fazendo uma bolha d'água, sorri satisfeita,

"O problema é como usarei para fugir"

Sim, eu pensava em fugir, mas algo me dizia para ficar, um lado de mim chamava pela minha mãe, outro lado chamava pelo meu pai, ambos não confiavam em ambos.

Ficar seria a melhor opção... Pois, não sei como fugir e não tem como, aqui dentro é muito bem armado, então vou apenas estudar tudo e esperar pelo pior.

- MinHyuk! - Chamei.

- Sim? - Ele olhou pra mim e se virou rapidamente - Oh Perdão!

- Ah... Tudo bem.

- O que deseja? - Disse de costas.

- Só queria saber se podemos ser amigos, você parece diferente...

- O que me entregou? - Riu.

- Você me ajudou e você é um elfo.

- Uau... Muito bom - Sorriu - Você conseguesentir não é?

- Aham...

- Aish é tão difícil fazer papel de mau.

- Por que decidiu ser guarda?

- Não sou eu quem decido as coisas aqui... Elfos são fiéis para as pessoas que têm de melhor pra oferecer.

- Desculpe mas... Serj não tem nada de bom.

- Ele protege minha família lá fora... Fui trazido pro purgatório antes da morte me alcançar, igual a muitas pessoas aqui.

- Serj não para de fazer as pessoas sofrerem. Covarde.

- Tá no sangue...

- Mas vocês são em maior número, já pensaram em uma possível rebelião?

- Já aconteceu isso, o Tankian acabou com todos eles, e todos que cooperaram. Caçou um a um.

- Ele é forte. Qual o poder dele necessariamente?

- Tudo relacionado a destruição, mas não tão forte quanto um Anjo caído, você sabe que ele foi criado não é?

- Sei, pelos pais...

- É, ele apenas consegue imitar os poderes de um Anjo caído.

- Interessante, não sabia dessa parte.

- Vamos parar de conversar sobre isso... As paredes têm ouvidos!

- Claro.

Me enxuguei e esperei por Omma, conversei mais um pouco com MinHyuk, e descobri que ele tinha de família, além dos pais, 2 irmãos Kihyun e HyungWon todos vivos. Ele e a mãe eram os unicos sobrenaturais vivos na família, MinHyuk puxado da avó materna que também era elfa e a mãe era bruxa. Apesar de MinHyuk ser diferente, a familia ama e aceita ele, e sabem tudo sobre o mundo das trevas, principalmente sua mãe, que como bruxa mexe com magia negra.

- Sua família é incrível. - Lhe disse sorrindo.

- A sua é complicada. - Rimos.

- E seu pai e irmãos? O que eles acham?

- São de boa, Kihyun já pensou em ser vampiro! Mas Omma não deixou disse que não era pra estragar sua vida desse jeito...

- Uou pesado.

- Ah não... Não foi um comentário negativo, ela diz no caso de entrar em conflito e se envolver com gente errada.

- Entendo.

Omma chegou e me entregou a roupa, seu semblante estava calmo, MinHyuk saiu e eu me vesti, era uma calça pouco folgada e blusa bufante... Bem roupas antigas... Já vi que Serj nunca vai mudar, ele ainda vive no feudalismo.

Saí e ela me olhou sorrindo. Caminhei até ela e ela me fez sentar na penteadeira. Encarei a mesma, observando uma escova de cabelo, e eu a reconheci, era minha quando criança.

- Você guardou? - Peguntei pegando o item.

- Claro, sempre carreguei comigo, tinha que ter uma lembrança de sua infância.

Sorri acariciando o item, ela arrumou meu cabelo, como estava antes, um rabo de cavalo. Foi até sua cômoda e pegou um anel e colocou em meu dedo.

- Era do seu pai... Aceite como presente de 18 anos - Sorriu.

- Obrigada - Sorri doce - Não precisava..

- Precisava sim, passei tanto tempo longe de você. Venha conhecer Seungri.

- Sim.

- Seungri! - O Chamou.

- Estou aqui! - O garoto disse, vindo até nós.

- Essa é S/n, sua meia irmã. - Omma disse sorrindo.

- Olá Seungri!

- Olá! Ela vai morar aqui? - Perguntou a Omma.

- Não, amanhã já estará partindo...

- Que pena... Queria te conhecer melhor.

- Eu também...

- Kyung! - Serj entrou batendo a porta - Já chega! Leve-a para baixo. Ja lhe dei tempo demais.

- Serj! Espere, por favor, foram 8 anos. Ela não pode dormir aqui em cima comigo?

- Nem pensar mulher! Se despeça logo, já sabe o que ocorrerá amanhã.

- Serj por favor.

- Você sempre soube o que ia acontecer, te dei tempo demais pra desapegar. Levem-na pra baixo.

- Sim Senhor - Me seguraram e fomos direto para o calabouço.

Apesar de ter memorizado os caminhos, não teria como fugir, minha magia funcionava, mas o problema estava lá fora.

Me prenderam junto ao Mark, o abracei, ele ainda estava trêmulo.

- Conversei com meu Appa!

- Isso é ótimo - Sorri.

- Omma está viva... Mas está doente, ele disse qye está cuidando dela. Encontrou sua mãe?

- Sim, eu a perdoei, ela explicou tudo que tinha acontecido. Ela tem um filho com ele Mark, disse que foi abusada...

- E eu não duvido, aquele homem é terrível! Tenho dó de sua mãe, ela se tornou uma pessoa tão frágil.

- Pois é. E a propósito, ele não fez lavagem cerebral nela, ela sabe o que faz...

- Que bom! Eu tinha perdido a confiança em sua Mãe, mas pra onde você for eu vou.

Sorri.

S/n Off

Jin On

- Impossível - Disse Luhan - Por mais brisado que eu esteja, não consigo dormir. Como você tá dormindo?

- Eu não estou, estou sonhado acordado. - Lhe disse.

- Me ensina?

- Claro, apenas deite e mergulhe em sua mente, esqueça o que há ao redor.

- Incrível Jin.

- Pois é.

Ouvimos alguém abrir a porta, nos despertando de nossos sonhos.

- Hyung-ah eu to muito bebado - Jungkook chegou mais perto.

- Eu tentei controlar Jin eu juro - Namjoon se defendeu.

- Vai deitar Jungkook, anda! - Ordenei e o mesmo foi. - Ta vendo Namjoon porque não deixo a casa nas suas mãos, você ainda diz que tem tudo sob controle.

- Vou deitar também sabe.

- Vai mesmo.

- Cheguei! - Taehyung entrou com o resto do povo.

- A festa ta acabando - Chanyeol disse.

- É, uma hora acaba. Vão dormir vocês, amanhã é o dia.

- Todos estamos prontos Hyung. - Jungkook disse com a voz embargada

- Seja o que for, o que der e vier... - Taehyung completou, os dois faziam drama

- Parem de babaquice vocês, vão dormir.

- Correção: Descansar.

- Tanto faz, com tanto que fiquem quietos. Amanhã teremos um dia longo.

"Até demais..."


Notas Finais


Sei que tem um ar sarcástico em todo esse drama, perdoem-me.
Mas eu não sei trabalhar com seriedade.
Aproveitem
Beijão! Até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...