História BloodLycan - A Saga dos irmãos Mool - Parte 2 - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 8
Palavras 1.527
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 5 - Flor Dourada


Fanfic / Fanfiction BloodLycan - A Saga dos irmãos Mool - Parte 2 - Capítulo 5 - Flor Dourada


John havia adormecido, não sabia exatamente há quanto tempo, mas seus filhotes acabaram o acordando devido às brincadeiras na toca meio cambaleantes e também sobre o corpo dele, que o utilizavam como um desafio de escalada. John suspirou fundo e observou as duas bolinhas de pelos que já completavam seus 29 dias de vida. Os olhos de Auron eram da cor do mel e os de Noru um azul tão claro, quanto um céu isento de nuvens. Eles cresciam mais rápido que o comum, por terem nascido como lobos e agiam como tal. Acira e John tentavam ensinar algumas palavras, mas apenas emitiam alguns resmungos por ainda serem bebês.
O albino, Auron, ao notar que seu pai o observava correu o mais rápido que pôde em direção à face de John e começou a lambê-lo com alguns choros lupinos e seu irmão, Noru, se juntou aos dois. John retribuíra as lambidas e sabia o que eles queriam dizer.
— Estão com fome, não é? — lambera cada um e em seguida olhara para fora da toca. — Sua mãe está demorando hoje... — continuou observando o ambiente e sentira seus filhotes cambaleantes deitarem entre suas patas dianteiras se aconchegando no imenso pelo e em questões de minutos adormeceram. — “Cadê você Acira?... Espero que esteja tudo bem.” — pensou e deitou a cabeça entre os dois pequeninos, apagando junto a eles.
Em torno de duas horas após terem adormecido, já começara a escurecer e John despertou novamente. Ficou preocupado e se levantou com cuidado, mas acabou acordando os filhotes, que permaneceram deitados ao verem seu pai sair da toca. John encheu os pulmões e soltara um uivo longo e profundo. Para sua surpresa os pequeninos tentaram imitá-lo, soltando uivos desajeitados não tão longo quanto o seu, mas que chamara sua atenção.
Ele foi até os filhotes e os lambeu, em seguida obteve resposta apenas de seu irmão, que chegou até a toca alguns minutos depois junto de Jennifer em sua forma de loba. Jenny conseguira se transformar várias vezes em loba desde o nascimento dos filhotes e também mantinha o controle na maioria das transformações, mas ainda teria muito a aprender.
— Está tudo bem John? — perguntou Allec se aproximando.
— Eles estão bem? — Jennifer perguntou indo em direção aos filhotes, que ao verem-na começaram a abanar as caudas para cumprimentá-la.
— Sim, nós estamos bem... O problema é a Acira, ela saiu faz algumas horas para tomar água e não retornou até agora. — olhou para seus filhotes que brincavam entre as patas de Jennifer e pediu. 
— Vocês poderiam levá-los até a fazenda, por favor? Eu irei procurar pela Acira...
— Sem problemas irmão, mas qualquer coisa nos avise Ok?
— Pode deixar, obrigado.
Jennifer e Allec apenas acenaram positivamente em seguida pegaram os filhotes pelo cangote, que pegos de surpresas não conseguiram reagir e nem se movimentar direito na boca de seus tios. Allec lançara um olhar de “tome cuidado” a John e começou a escalada.
O primeiro local onde John fora era um riacho que ficava próximo da toca, cerca de uns 400 metros de distância. Havia vestígios de Acira, no qual indicava que ela estivera ali, mas o cheiro de outra coisa que também marcara a presença o incomodava, um fedor desconhecido que não fazia ideia de que criatura era, mas que dava um calafrio na espinha. Já escurecia e também havia começado a chover, dificultando o rastro que ela deixara em uma trilha que ia para uma direção oposta à toca.
A chuva atrapalhava o rastro que ficava cada vez mais fraco, mas o que o preocupou foi sentir o cheiro de sangue entre algumas plantas. O coração de John ficou inquieto e também já estava impaciente que começou a chamar por ela. 
— Acira!... Aciraaa! Cadê você? — O rastro dela terminava em um barranco com grandes pedras, e tinha em torno de uns 10 metros de altura. Já havia anoitecido. John parou na ponta do barranco e gritou. — Aciraaaa! — olhou ao redor e para sua surpresa ao olhar para baixo avistou com dificuldade alguma coisa de cor mais clara do que a escuridão, mas a densidade da chuva dificultava sua visão. — Acira? — e deu a volta no barranco descendo por um caminho menos perigoso e correu como um foguete em direção ao que ele havia avistado. Era Acira.
— Acira! — ele gritou conforme se aproximava dela, mas ao chegar bem próximo se surpreendeu e involuntariamente seu corpo começou a tremer. — Amor? — perguntou avaliando seu pulso, mas não escutava os batimentos dela. Ela possuía alguns ferimentos nas costas, patas e havia batido a cabeça em uma pedra. Grande parte da pelagem branca e dourada dela havia ficado vermelha. A vida fora extraída daquele corpo, no qual apenas um cadáver gelado ficara para trás. 
John estremeceu ao sentir o corpo gélido e enrijecido, pois devia fazer algumas horas em que ela já estava morta. John sem saber como reagir gritou e rosnou muito alto, e suas lágrimas se misturaram com a chuva. Abraçou o corpo e encostou sua cabeça ao dela e sussurrou chorando. 
— Meu amor... Eu sinto muito... Não pude protegê-la...
Allec e Jennifer estavam em forma humana e haviam alimentado os sobrinhos com leite bovino, que adormeceram no enorme sofá. Ambos ouviram quase que imperceptível um uivo de lamentação muito distante dali. Os dois se entreolharam e observaram os pequeninos, mas que ainda permaneciam inconscientes perdidos em seus sonhos.
— Aconteceu alguma coisa Al...
— Irei até ele Jenny, tome conta dos dois, por favor...
— Claro Al, tome cuidado! — lhe dera um beijo e Allec sairá às pressas.
Alguns minutos correndo para a toca, o cheiro de John encontrava-se próximo. Quando o avistou ele carregava Acira nos braços, mas Allec se apavorou, ao sentir o cheiro que Acira emanava. O cheiro da morte. Os únicos batimentos que ele conseguia ouvir eram o seu e o de seu irmão. Ficou sobre as duas patas e abaixou suas orelhas ao se aproximar de John, que permanecia com uma expressão descrente do que acontecia, porém triste e com um olhar vazio.
— Sinto muito... — Allec dissera e deixou escapar algumas lágrimas. — Quer que o ajude a carregá-la? 
— Não precisa, eu mesmo a levo... — disse passando por Allec, que o seguiu sem dizer mais nada.
Eles levaram o corpo dela para o celeiro, para que os filhotes não a vissem naquele estado. Jenny cochilava no sofá de olho nos pequeninos, mas já sabia que eles haviam voltado, pois sentira o cheiro de todos, mas não tinha ideia do que havia acontecido.
— O que aconteceu com ela John? — Allec perguntou ainda soluçando e chorando segurando a pata direita dela.
— Alguém a assassinou Al... — disse apertando os punhos, mas não chorava mais. — E quando eu descobrir quem foi, irei dilacerá-lo e picá-lo em mil pedaços! — John mostrou os locais dos ferimentos a Allec e continuou. 
— Veja isto, são marcas de garras, porém um pouco diferentes das nossas... Quando fui procurá-la, eu senti um cheiro estranho da criatura que deve ter feito isso a ela... Assim que clarear irei atrás dos rastros e...
— Não faça nada precipitado, lembre-se que você tem dois filhotes que precisam de você, eu e Jenny também precisamos...
John o encarou por um instante e voltou a olhar o cadáver.
— Não consigo acreditar que ela se foi Al...
Allec correu até seu irmão e o surpreendeu com um abraço. Há muito tempo não o abraçava daquele jeito, mas sentiu que ele precisava e nada disse. John ficou sem reação, mas retribuiu o abraço.
— Sinto muito John... Mas lembre-se que você não está sozinho! Quero ajudá-lo na busca do assassino.
— Obrigado irmão...  
Daí em diante eles permaneceram em silêncio. Encontraram um pano no celeiro e a cobriram. Ainda chovia muito.
Jennifer despertara do cochilo com o barulho da porta de entrada e levantou imediatamente ao ver os machos ainda em forma de lobos. Os filhotes também haviam despertado. Ao avistarem o pai que se aproximava, tentaram ver alguma saída do sofá para correr em direção a ele, mas era muito alto e começaram a choramingar. John os pegou, mas os manteve longe de seu corpo, por estar molhado e apenas disse com um breve olhar a Jennifer.
— Obrigado por cuidar deles...
— Não é nada... Onde está a Acira? — ela perguntou encarando os dois em busca de respostas, mas John apenas desviou o olhar e foi em direção as escadas que direcionava aos quartos, ficando em silêncio.
Allec esperou até que John subisse para dizer.
— Acira está morta Jenny... Ela foi assassinada! — ele disse com dificuldade em segurar as lágrimas.
— Como é que é? Você está brincado certo? — perguntou Jennifer que também deixara algumas lágrimas escaparem contra sua vontade.
Ele apenas acenou negativamente, pois não conseguira dizer mais nada e a puxou para seus braços.
John havia colocado os filhotes na enorme cama e fora para o banheiro se enxugar. Os pequeninos sentiam um cheiro fraco de sua mãe naquele chão macio e instintivamente começaram a uivar desajeitados do lado da cama em que Acira dormia, como se eles já soubessem que sua mãe não mais retornaria. Surpreso, John saiu do banheiro, se aproximou dos filhotes e também começara uivar. Allec e Jennifer ao escutarem o lamento, se juntaram ao coro fúnebre uivante.


Notas Finais


E aí, está gostando da história? =)
Convido-o(a) a deixar um comentário! ^w^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...