1. Spirit Fanfics >
  2. Blooming Youth >
  3. Mágoas

História Blooming Youth - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoinhas estreladas ^^ ☆*:・゚(Ɔ ˘⌣˘)♥(˘⌣˘ C)☆*:・゚
Cá estamos nós com o segundo capítulo dessa belezura :3
Esse capítulo contém temas pesas como estupro e abuso infantil, creio que coloquei o avido nas tags, mas já estou repetindo aqui caso alguém se sinta desconfortável.
Já me desculpo de antemão por qualquer erro e espero que gostem

Capítulo 2 - Mágoas


Após o constrangedor e intenso encontro com Min Yoongi, Taehyung voltou para a mesa e ficou aguardando junto a Jimin até Seokjin fechar o café e eles irem se encontrar com Namjoon que está em uma reunião na empresa em que trabalha como um dos advogados.

Fora apenas uma hora e poucos minutos de espera, mas para Taehyung pareceram horas intermináveis. O homem de cabelos cor de menta se encontrava a poucos metros de distância de sua mesa, atendendo aos clientes com sua expressão fechada e de forma cordial e vez ou outra os olhos negros encontravam-se com os do mais alto que sentia as bochechas esquentarem e logo desviava o olhar se sentindo extremamente envergonhado por ser pego o observando como um lunático, Jimin ria de suas reações e gozou inúmeras vezes de como o primo assemelha-se a uma criança apaixonada pela primeira vez.

“– Não pareço uma criança e não estou apaixonado. – respondeu constrangido – Eu só o achei muito bonito.”

“– Sei que não está e sinceramente não o culpo por suas reações, Yoongi hyung é um homem muito lindo, uma pena ter esse humor péssimo e ser um porre. – O Park disse risonho, dando uma piscadela para o Min que revirou os olhos e sorriu minimamente.”

Quando finalmente chegara a hora de fechar os funcionários foram despedindo-se dos Kim, Taehyung pôde jurar que sentira o coração perto de lhe deixar o peito quando Yoongi acenara e murmurara um “Até” para si. Por um momento sentira vontade de acompanhar o rapaz de braços tatuados até seu carro negro e ir com ele onde quer que fosse desde que no fim estivesse provando dos lábios róseos finos e tão convidativos...

– Ele é bi. – Jimin dissera repentinamente com o tom jocoso e o olhar divertido focados no primo mais novo que o fitou desacreditado.

– Porque está dizendo isso? Não é porque o achei bonito que tenho algum interesse real nele. – Se esforçara ao máximo para parecer indiferente e não deixar que um sorrisinho de animação se fizesse presente, Jimin jamais o deixaria em paz se demonstrasse ainda mais interesse no homem mais velho de cabelos repicados.

– Taehyung, você é meu melhor amigo, eu te conheço bem o suficiente ‘pra saber que você está interessado no Yoongi hyung. Aproveita que vocês vão trabalhar juntos e converse com ele, sei que ele pode parecer super grosso e agressivo, mas o Yoonie é muito gentil e você é lindo, óbvio que ele vai querer ficar com você.

– A questão não é apenas isso, Jimin-ah, eu... Eu não sei se me sinto pronto para me relacionar de qualquer forma com alguém, seja de forma séria ou não, você sabe o que aconteceu comigo em Daegu e ainda é algo recente demais para mim. – um arrepio e um enjoo se apossaram do mais novo, apenas com a recordação de um dos piores dias de toda a sua vida, todo o nojo e dor gravados de forma tão realista em sua memória que por um instante foi como se tivesse voltado ao ocorrido de meses atrás.

Notando o quanto o amigo parece abalado e desconfortável, o loiro deu um abraço apertado em Taehyung, suas mãos tocando os cabelos castanhos com gentileza na tentativa de passar algum conforto ao primo e afastar todas as lembranças ruins de sua memória. – Tae, me perdoe, eu estava apenas brincando, jamais te magoaria propositalmente, sabe disso, certo?

– Sei que sim, você tem me ajudado muito hyung, não tenho a menor ideia do que faria se não fosse por você. – Sorriu sincero, limpando uma lágrima solitária antes que esta percorresse sua bochecha.

Antes que dessem continuidade ao assunto, Seokjin os chamara para irem logo buscar Namjoon que provavelmente já está à espera deles no escritório. Faz algum tempo desde que o castanho vira o tio e está ansioso em reencontrá-lo, Namjoon sempre foi a pessoa mais inteligente e sensata que conhecera em toda a vida e sempre amou quando este, a tia e Jimin o visitavam.

– Tenho certeza que o appa ainda está trabalhando e se esqueceu totalmente do horário, talvez seja melhor ligarmos para ele antes ou vamos ficar esperando por uns quinze minutos como da última vez. – Jimin disse adentrando seu carro, sua mãe sentou-se no banco ao seu lado e o primo no banco de trás, colocando o cinto e observando atenciosamente a conversa dos Kim a sua frente.

– Seu pai jamais cometeria um erro grave como esse novamente, a não ser que ele queira ouvir mais um sermão de duas horas. Ele sempre reclama que eu nunca checo as mensagens, mas ele é quem sempre está ocupado com todas aquelas leis e etc. – Seokjin revirou os olhos, apesar de saber que seu marido ajuda muitas pessoas com seu trabalho e que Namjoon ama exercer sua profissão, é comum que o trabalho consuma muito do tempo do Kim e o faça esquecer de tudo ao redor. – Eu fui bem clara com ele esta manhã “Eu Jimin e Taehyung vamos busca-lo as 18 horas em ponto, é bom não se atrasar um segundo sequer”.

Jimin riu e continuou a dirigir em direção ao escritório onde o pai trabalha, o clima no carro não poderia estar mais tranquilo, Seokjin conversa animada com o sobrinho, perguntando sobre os familiares e como fora o último ano de Taehyung na escola. Mais do que qualquer um, a Kim sabia bem como sua família era cruel e rígida, escutara por toda a vida o que podia ou não fazer apenas por ser menina e quando chegara a adolescência as coisas foram piorando, recusava-se a arrumar toda a casa e cozinhar sem ajuda alguma para os irmãos preguiçosos e ignorantes, além de brigar praticamente todos os dias com o pai e o avô que criticavam constantemente seu comportamento, mesmo na escola Seokjin não tinha muitos amigos, os garotos tinham um comportamento abusivo e rude, então apenas conversava com algumas meninas. Quando Namjoon entrou na escola, logo tornou-se seu melhor amigo e pouco tempo depois, o moreno se viu apaixonado pela moça dois anos mais velha.

– Eu fico tão feliz de ter junto de mim, meu amor. Eu sei que você passou por coisas difíceis com aquela família, mas lhe prometo que agora as coisas serão diferentes. – Seokjin fitou o sobrinho pelo retrovisor, sorrindo ao notar a expressão alegre e tímida do mais jovem. – Quero celebrar que agora eu tenho meu filhinho perto de mim.

– Assim você vai deixar o Taehyung sem graça, omma. Nós o vimos pela última vez faz três meses, você age como se fossem décadas. – O loiro revirou os olhos, recebendo um olhar atravessado da mais velha.

– Porque para mim pareceram décadas, eu tenho um filho desnaturado e um sobrinho lindo que mal vejo, então é óbvio que para mim tudo parece mais intenso. – Taehyung riu e Jimin encarou a mãe boquiaberto, desacreditado do que a mais velha dissera sobre si.

O resto do caminho fora engraçado devido as discussões bobas entre mãe e filho. Taehyung apenas continuou a observar tudo entre risadas, não sentia tanta alegria há tempos então fora um dia repleto de imensa felicidade para si.

☽✧゚. *・。☆゚. *・。✧゚☾☆ B Y ☆☽゚. *・。☆゚. *・。゚✧☾

Após buscarem Namjoon – que realmente esquecera do compromisso como Jimin dissera – decidiram ir jantar na casa de Jimin. Namjoon dera um abraço apertado no sobrinho e assim como a esposa elogiara o quanto estava belo, além de lhe dar um celular moderno de presente de boas-vindas e dinheiro para que o castanho pudesse usar para comprar roupas ou outra coisa que fosse de sua vontade – Taehyung ficara tímido devido ao valor imenso da quantia que ganhara dos tios, mas antes que sequer pudesse pensar em recusar, Seokjin o olhou de forma furiosa, dizendo que era uma obrigação do Kim aceitar o dinheiro e não aceitaria recusas.

Seokjin e Jimin fizeram a parte mais difícil do preparo do jantar, enquanto Taehyung e Namjoon, que praticamente não possuem habilidades na cozinha, se limitaram a cortar os legumes e descascar cebolas. Em pouco tempos os quatro já estavam reunidos na cozinha comendo animados e conversando, pela primeira vez em muito tempo o acastanhado finalmente sentiu-se com uma família de verdade, onde havia amor e cumplicidade entre as pessoas e não palavras julgadoras ou olhares de deboche.

– Taehyung-ah, tem algo que eu e sua tia gostaríamos de conversar com você. – Namjoon disse de repente, sua expressão se tornou séria, totalmente oposta ao sorriso relaxado de outrora.

– Sobre o que querem conversar, tio? Eu fiz algo errado? – perguntou assustado, sem entender a mudança repentina no clima entre todos ali, até mesmo sua tia esboçou um semblante sério, fitando o acastanhado. – Vocês querem que eu fique em outro lugar?

– Óbvio que não, meu amor todos nós estamos muito felizes em tê-lo conosco, você pode ficar o quanto quiser que não estará incomodando ninguém, pode ter certeza disso. – A Kim se levantou de seu assento e caminhou até o sobrinho lhe tocando o ombro de forma gentil.

– Então, sobre o que querem conversar? – perguntou curioso.

Namjooon suspirou, o assunto que queria trazer à tona não era nada difícil de falar e tinha medo de como o sobrinho reagiria, mas era necessário que conversassem sobre, por mais delicado e desagradável que fosse.

– Meu amor, nós... Nós sabemos o que Woonsyuk, tem feito a você... – a tia o encarou, os olhos tornando-se marejados e a voz saindo falha, o aperto no ombro do mais jovem intensificou-se e a Kim desviou os olhos dos de Taehyung.

Kim Woonsyuk, seu tio 32 anos mais velho e também a razão de seus pesadelos frequentes.

Taehyund ficara mudo por alguns instantes e apenas a menção do nome de seu tio fora o suficiente para que uma mistura de sensações de nojo, raiva, dor e culpa tomassem conta de si. Sabe bem a que a tia se refere já que tudo o que Woonsyuk o fizera ao longo dos anos ainda está bem vívido em sua memória, cada um dos xingamentos, dos deboches e dos toques bruscos que lhe causavam tanto nojo, tanta dor...

Apenas uma pessoa em todo o mundo sabia do que acontecia com Taehyung, o Kim confiou apenas em uma pessoa para contar o seu mais obscuro segredo, jamais em toda a vida compartilhara com mais alguém o que ocorrera, jamais. – Como pôde, Jimin hyung? Como pôde me trair assim? – murmurou, desacreditado de que Jimin pudesse tê-lo traído após prometer que nunca contaria o que havia acontecido.

– Tae, não fique com raiva, por favor. Quando você me contou que Woonsyuk te violentou e que estava te agredindo eu...

– Você não tinha o direito! Sabia que não queria que ninguém soubesse e ainda assim contou a eles! – se levantou e encarou Jimin com ódio, com lágrimas grossas lhe escorrendo pelo rosto.

Jimin sentiu um nó na garganta, não queria ter traído a confiança de Taehyung, ele sempre fora seu melhor amigo, mas quando este contou a ele que era violentado pelo tio desde bem pequeno, não pôde ficar em silêncio, contou aos pais e pedira ajuda para tirar Taehyung de Daegu o mais rápido possível. – Não pude permitir que aquele porco continuasse a tocar em você e te usar como se você fosse propriedade dele, Taehyung, não podia!

-Entendo que esteja aborrecido Taehyung-ah, mas nós queremos te ajudar, Woonsyuk não pode sair impune após o que fez com você, aquele maldito deve pagar pelos crimes dele e apodrecer na cadeia. – Namjoon disse sério, apenas mencionar o cunhado sendo o suficiente para lhe causar asco e repulsa imensos, se pudesse, iria até Daegu surra-lo até que este ficasse inconsciente, gostaria de arrancar os dentes de Woonsyuk com um alicate um por um.

Taehyung apenas continuou a chorar, a culpa e nojo tão imensos que não fora capaz sequer de formular uma resposta. Já pode imaginar o que a família e todos diriam caso soubessem, diriam que estava inventando coisas, que queria chamar a atenção do tio, que o provocara, que sempre fora um viadinho exibido... Não queria nada daquilo, não fora sua culpa.

– Eu não quero nada disso, quero que esqueçam de tudo isso, que ajam como se não soubessem! Sei muito bem como tudo isso vai terminar. – Correra da cozinha, indo até seu quarto ainda em meio ao choro copioso e ao chegar, sentou-se no chão puxando suas madeixas castanhas de forma brusca, tentando fazer com que dor física diminuísse a dor das lembranças sórdidas de seu tio.

Está, acima de tudo, com ódio, ódio de suas lembranças, dos tios, de Jimin, mas, principalmente, com ódio de si mesmo. Em sua mente, a culpa de que tudo o que ocorrera era sua, que merecera o que aconteceu por ser uma aberração, como o próprio pai lhe dissera inúmeras vezes.

“Você não gosta de ser uma bichinha, Taehy-ah? É disso que bichas gostam”

 

A voz do homem asqueroso vívida em sua memória não o ajuda a raciocinar devidamente e apenas o deixa ainda mais desesperado e sem saber como reagir. Além do asco e desespero. O pandemônio em sua mente é tamanho que mal notara a tia chorosa aproximando-se lentamente de si e sentando-se ao seu lado, apenas reparou na presença desta quando os braços finos circundaram seu torso e o calor do corpo entrou em contato com o seu.

-E-eu... E-eu não tive culpa... – murmurou em meio as lágrimas, sua voz soando tão dolorosa que Seokjin tivera de se segurar para não chorar ainda mais, seu objetivo é consolar o sobrinho e não terá êxito nesta tarefa se se deixar levar pela angústia de sua criança nesse estado. – Eu não queria, titia, não queria.

– Eu sei que não, meu amor, nada do que aconteceu foi sua culpa, nada. Você é a vítima aqui, Taehyung-ah não deve achar que nada aquilo foi culpa sua, porque não foi, meu irmão é um monstro e o único culpado disso tudo, me ouviu bem? – acariciou os cabelos claros e beijou-lhe o topo da cabeça, segurando as lágrimas e abraçando Taehyung mais forte ao ouvi-lo soluçar.

Seokjin sentia-se culpada, imensamente culpada, sempre soube que o irmão era um troglodita em todos os aspectos possíveis, mas jamais cogitou que ele pudesse ser capaz de algo tão atroz quanto abusar de Taehyung. Assim que tivesse oportunidade iria até Daegu acertar as contas com Woonsyuk, ele pagaria por tudo.

– Por favor, não fique magoado com Jimin, ele estava transtornado e parecia extremamente aborrecido com algo, então eu o atormentei até que ele me contasse, ele não tem culpa alguma, apenas queria ajuda-lo. – gentilmente tocou a bochecha acobreada do mais novo, ainda o abraçando com doçura.

– Sei disso, mas ainda assim, me sinto tão envergonhado. Eu poderia ter evitado, poderia ter contado mais cedo. – Taehyung correspondeu ao abraço da Kim já sentindo-se mais calmo.

– Querido, não pode ficar pensando esse tipo de coisa. Nada do que aconteceu é culpa sua, não pode continuar se martirizando dessa forma, meu amor. – Murmurou gentil, notando o mais novo assentir e aninhar-se ainda mais em si.

Passaram mais alguns minutos, ainda abraçado enquanto Namjoon e Jimin aguardavam impacientes na sala torcendo para que tudo ficasse bem. Quando Taehyung sentiu-se melhor, fora até a sala sorrindo envergonhado ao receber abraços afobados do primo e do tio que murmuraram inúmeras desculpas e o apertaram com força.

Após uma longa e difícil conversa onde Taehyung contara com um pouco mais de detalhes sobre o que ocorrera em Daegu, desde o primeiro abusa até o incidente de semanas atrás. Por insistência sua, os tios decidiram não recorrer a medidas judiciais, mas lhe garantiam que se não fosse através da cadeia, fariam Woonsyuk pagar de alguma outra forma, pois não merecia sair impune.

Jimin e seus tios insistiram que Taehyung passasse a fazer terapia para que assim pudesse superar todo o passado doloroso, mas este não se sentia apto a conversar com mais ninguém sobre o ocorrido, então apenas prometera pensar sobre.

No fim, agradecia a Jimin por ter contado, sabia que fora para ajuda-lo e sentia-se agradecido com a ajuda que vinha recebendo de sua verdadeira família.

 Não sabe o que seria de si se não os tivesse em sua vida.

☽✧゚. *・。☆゚. *・。✧゚☾☆ B Y ☆☽゚. *・。☆゚. *・。゚✧☾

Os dias se passaram de forma rápida e logo chegara o primeiro dia de trabalho de Taehyung. Ele não se sentia nervoso em trabalhar já que trabalhara em um pequeno mercado em Daegu, além de saber que sua tia teria paciência para ajuda-lo caso tivesse alguma dúvida, a razão de seu nervosismo trata-se de seu colega de trabalho de olhos escuros e cabelo menta, Min Yoongi.

– Eu daria tudo ‘pra te ver babando no Yoongi hyung hoje, uma pena eu ter aula. – Jimin murmurou rindo, enquanto dirigia até a cafeteria de sua mãe. Está levando Taehyung já que fica no caminho de sua faculdade e não lhe custaria nada.

Taehyung cruzou os braços e deu língua ao loiro, já farto das piadinhas deste sobre sua quedinha inexistente pelo homem tatuado mais velho. Mal trocara uma frase completa com o Min, de onde Jimin tirou que tinha uma quedinha pelo mesmo? Apenas o achou bonito horas!

– Deixa de ser bobo, não vou babar em ninguém, minha única preocupação vai ser servir as mesas e não confundir os pedidos dos clientes.

– TaeTae, você é meu melhor amigo, te conheço bem o suficiente ‘pra saber que você está mentindo feio agora. Eu sei que você achou o Yoongi hyung o maior gato, não negue.

Desistindo de tentar enganar o primo o Kim finalmente assumiu que realmente se sente imensamente nervoso com a ideia de encontrar o homem bonito que lhe chamou tanto a atenção. Jimin lhe desejou boa sorte e voltou a lhe lembrar da bissexualidade de Yoongi antes de ir embora, lhe fazendo rir enquanto adentra o café elegante.

– Bom dia. – Ao ouvir a voz grossa e rouca, foi impossível não arregalar os olhos e encarar o homem sentando em uma das mesas tomando um café quente. – Chegou cedo, geralmente eu sou o único aqui até as 07 da manhã.

– E-eu, é... Decidi vir mais cedo para... – Céus, mal consegue formular uma frase completa, de certo o Min deve acha-lo uma criança assustada – Decidi vir mais cedo para pode ter tempo de me organizar, estou nervoso com a ideia de trabalhar em um lugar tão elegante.

O mais velho sorriu mínimo ao notar o nervosismo do castanho e depositou a caneca com o líquido fumegante sobre a mesa, encarando o Kim de forma divertida.

– Você se acostuma rápido, as vezes vem alguns riquinhos esnobes que ficam me encarando com uma cara de bunda, mas no geral, aqui é um lugar tranquilo de trabalhar. – Cruzou os braços atrás da cabeça, arrepiando ainda mais os fios esverdeados desalinhados. – Você vai se sair bem, parece ser um moleque esperto, além de ser lindo, as pessoas vão gostar de você com toda a certeza.

As bochechas de Taehyung ficaram levemente coradas com o elogio e ele sorriu tímido sem saber ao certo o que responder. Ele ficara junto a Yoongi o ajudando a organizar algumas coisas antes que os outros funcionários chegassem e conversara um pouco com o mais velho.

Logo o café abriu e começara aos poucos a lotar, Taehyung atendera os clientes com gentileza e não tivera muitos problemas. Muitas vezes se pegou olhando discretamente Yoongi concentrado em seus afazeres, mas nunca durava muito já que não demorava mais que alguns segundos para que alguém o chamasse.

Na mente de Taehyung apenas uma frase ecoava sempre que era pego por algum colega de trabalho encarando Yoongi.

“Maldito homem, porque tinha que ter aquele olhar tão intenso?”

 


Notas Finais


E foi isso, pessoal
A partir do próximo capítulo o Yoongi, assim como os outros personagens irão aparecer mais e as coisas entre o casal principal finalmente irão florescer
Nesse capítulo descobrimos um pouco mais sobre o Taehyung e também dos motivos que o levou a sair de Daegu
Peço desculpa por qualquer erro :'v
Beijem minhas bolas de pano, comentem e tchal
Beijinhos da Orbit 🌏🌟🌈⭐💫
☽◯☾ .*:゚(`・ω・´)ゝ゚:*. ☽◯☾


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...