História Blue Moon Art School - Interativa - Capítulo 6


Visualizações 54
Palavras 3.409
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ary: Hellooooo, personas. Acharam que dessa vez a gente iria demorar mais de um mês, né?

Gaby: Deixa eu responder por eles, sim;;

Abner: o primeiro capitulo menorzin

Ary: Hahahaha e.e

Gaby: Mais do que isso, provavelmente, Ary

Ary: Com certeza.

Cacaia: e.e é pq eu claramente sou muito presente e não atraso os capítulos u.u

Gaby: você e a Mana

Ary: Kajkajskajskajskajska.

Cacaia: A mana é um caso perdido, eu ainda tenho salvação

Abner: alias se a mana for demitida, estaremos abrindo vagas

Gaby: fala isso nunca, abner tá louco

Ary: A Mana vai matar ele casso isso aconteça e.e

Cacaia: Khkkfkflfj
Capaz da mana vir aqui só pra bater no Abner

Ary: Verdade, maaaas a gente tá aqui agora para postar o capítulo 5 e o primeiro dos menores como o Abner disse.
KSjkjakjskajskajkskjakasjk.

Abner: bom, indo direto ao ponto...
que eu esqueci qual era
boa leitrua

Ary: (-.- ;
Simmm, boa leitura e os personagens novos vão estar no docs mesmo, porque a gente tá com preguiça de editar o jornal ou fazer outro bonitinho!

Cacaia: Boa leitura, que eu vou assistir os vídeos de simulacra que eu deveria ter assistido a um tempo e.e

Gaby: aaaaaaa simm;;
Boa leitura e quem não comentou no outro comente ¬¬

Ary: ATÉ AS NOTAS FINAIS~

Capítulo 6 - 5.0 - Fim de tarde, início de decisões


Fanfic / Fanfiction Blue Moon Art School - Interativa - Capítulo 6 - 5.0 - Fim de tarde, início de decisões

02 de janeiro de 2074 — Blue Moon Art School — Sala dos Líderes — 03:13PM 

O horário de atendimento aos novatos perdidos estava para acabar, e os líderes contavam os segundos até poderem finalmente pegar suas mochilas e irem para casa. Na concepção de Karolyn Bella White, a primeira semana de aula era apenas um treinamento para as que viriam a seguir.

30...

29...

28…

A garota poderia até reclamar do quão trabalhoso é lidar com um clube sozinha e ainda cuidar de um blog profissional, mas, amava a moda, a costura, e enfrentaria tudo para se tornar a estilista famosa que deseja ser. Ela estava sentada de forma esparramada na cadeira giratória, em frente a grande mesa da sala dos líderes, e ao lado de um amigo de longa data, Farid Eze Madzimoyo.

20…

19…

18…

O angolano, por sua vez, revisava a oitava inscrição para seu clube, um dos mais aclamados, o de dança. Olhava a aplicação que segurava com o braço para o alto, enquanto girava na cadeira rotatória. Ele tinha passado as férias estudando diferentes tipos de danças regionais, para que no próximo ano os membros do clube tivessem mais liberdade de escolha. Como o próprio nome entregou, o mesmo era parente do Professor Simba, mais precisamente, o sobrinho.

5…

4…

3…

Por toda a academia, o sinal indicando o fim do primeiro dia de aula foi escoado.

— FINALMENTE LIVRE DESSA TORTURA! — Karol levantou-se da cadeira de forma abrupta, quase derrubando-a junto com o copo de café vazio em cima da mesa.

Assustado com o grito dela, Farid quase cedeu da cadeira e por pouco os seus óculos não quebraram ao cair no chão. Pegando-os, se recompôs e foi deixar a folha de inscrição em cima de uma pilha.

— Mal tivemos aula e é o primeiro dia, garota.

— Shiu, nerd. Essa escola suga toda a minha criatividade com essa correria, eu quero criar os looks para o próximo festival dos clubes, mas nenhuma ideia surgia na minha mente ainda — bufou, além do mais, a garota de cabelos castanhos e esvoaçantes não ia muito bem nas notas e muitas vezes se sentia deslocada com a pressão de BMAS.

— Nerd é teu rabo. Ainda é o primeiro dia, logo logo a criatividade sai da toca — falou se sentando na cadeira e começando a olhar para cima, sem motivo particular.

— Meu rabo é lindo demais para ser apelidado de nerd, ok? — respondeu ela, atirando-se na cadeira novamente, e de forma despreocupada, colocou seus pés em cima da mesa. — Eu também tive umas ideias para o nome personalizado da minha turma esse ano. A sua já se organizou quanto a isso?

— Não, eu esqueci que isso existia.

— Eu esqueço que você é um nerd de 2050 — resmungou ela.

— Ah, o que a gente tá esperando mesmo?

— A nossa força de vontade para levantar a bunda dessas cadeiras e ir a pé ou de bicicleta para casa — pegou o celular no bolso da jaqueta jeans e abriu a caixa de mensagens do seu blog.

— Eu vou dormir aqui mesmo, foda-se — disse, aproximando-se da mesa.

— Tááá, mas antes disso, vire essa cadeira para aquela janela — apontou para a direção contrária ao Farid. — pegue o meu celularzinho e grave uns storys. O que você acha, amigo, dono do meu coração, pessoa que eu sei que me ama?

— Eu acho que você vai ficar me devendo um bom dinheiro, porque eu não sou empregado. 

— Dinheiro não, mas posso fazer o look para a sua próxima apresentação, pooorém, não poderá ser apenas alguns storys daí, meu caro.

— Eu prefiro só uma comida mesmo. — disse já se levantando e pegando o celular.

— Afis, chatoooo, mas pode ser, menos mal — respondeu, seguindo o garoto e se preparando. — Comece a gravar em 3, 2 e 1… *Hi, guys! Eu sei que passei sumida a manhã inteira, mas como todos devem saber, hoje começou mais um ano letivo de BMAS. Meu querido *friend, Farid, está gravando esses storys para mim...

— Eu — acenou para a o celular, enquanto segurava o mesmo com a outra mão.

— Não mexam com ele pessoal, esse ser aí é sobrinho do senhor Simba! — brincou, mas logo voltou ao foco. — Tá, tá, vira essa câmera que eu preciso dar a minha voltinha e mostrar o look perfeito que eu tô usando hoje, *boy… — virou de costas, deixando amostra o leão pintado com várias cores em degradê na jaqueta dela e os bolsos personalizados com pequenas réplicas de arco-íris. — Essa jaqueta jeans, toda colorida e bandeira LGBT, era bem sem graça, mas minha bela mente teve a brilhante ideia de personalizá-la junto com os bolsos dessa calça, foi bem rápido e fácil, fiz tudo ontem, e hoje mesmo já mostro como fazer para vocês quando chegar em casa...

“Meu braço tá doendo… já sei”, pensou o Madzimoyo mais novo, tendo uma ideia de ouro.

— E então é isso, guys. *Bye, bye! Até depois — piscou para a câmera. 

— … Eu esqueci de apertar pra gravar.

Segundos se passaram e o garoto não obteve resposta. Mas, ganhou de presente um olhar mortífero, e calmamente, tentou criar uma distância segura dela.

— ERA BRINCADEIRA, CALMA. ESPER- 

.

.

.

.

O final dessa tragédia foi censurado por graves cenas de violência.

 

02 de janeiro de 2074 — Austrália — Sydney — Balmain — 04:38PM

Sentado no confortável sofá branco da sala de estar, Pablo observava seu irmão, Victor, descabelando-se preocupado com suas fotos roubadas. Por mais que o de cabelos bicolor tentasse argumentar em cima daquela preocupação, era constantemente ignorado pelo mais novo.

— Mas olhe pelo lado posit… — ao tentar argumentar com o irmão é cortado.

— NÃO TEM LADO POSITIVO! Puta que pariu... — alterou a voz, surpreendendo o irmão, não era o feitio do Victor agir daquela maneira, são poucas as coisas que podem afetá-lo a tal ponto.

— Olha, você é um ótimo fotógrafo, com suas fotos sendo expostas você pode ganhar bastante reconhecimento, porra, entenda que a verdade sempre se revela, apenas espere um pouco e relaxe, vai dar tudo certo — o garoto diz um pouco espantado pela reação anterior, mas deu um sorriso confiante vendo que o menor já não estava tão exaltado.

— Pablo… — resmungou, voltando com a feição calma e a voz baixa. — Eu ainda me surpreendo pelas universidades do mundo inteiro não terem-no procurado pela porra do QI tão baixo.

Pablo esboça indignação, enquanto cruza os braços para o moreno.

— HEY! Caralho mano, eu to tentando ajudar e você vem com esse bullying.

— Querido irmão, entenda uma coisa, eu adoraria ser reconhecido pelas minhas formosas fotos, mas não quero que elas sejam reconhecidas, porque a merda de uma tal de K245 as roubou. Penso eu que isso você consegue processar, certo? 

O de cabelos bicolor revirou os olhos com o comentário de Victor. Se o moreno não fosse seu irmão, Pablo certamente já teria se exaltado cometendo algum deslize.

— Argh, por que você não esquece essa porra por uma noite? Vamos na Nyx Ballad, o lugar é legal e você pode aproveitar para pegar umas ‘minas — o garoto disse esbanjando um sorriso malicioso.

— Tudo bem, Pablo. Você está certo, vou tentar esquecer isso e agir como se fosse a porra do adulto nessa merda como sempre faço... — suspirou derrotado. — Mas eu não vou nessa maldita balada nem fudendo!

— Ah, puta que pariu mano, e você vai fazer o que? Ficar aqui se lamentando? Me poupe, a gente vai nessa merda — o garoto disse levemente exaltado com a teimosia do mais baixo.

— Você esqueceu que não manda em mim? — respondeu de imediato.

— Tá bom, problema é seu, depois não me venha reclamando da porra dessas fotos, porque eu te dei uma “válvula de escape”, mas você quis dar uma de cu doce e negou — o garoto saiu da sala bufando.

Victor apenas revirou os olhos e observou os movimentos do seu irmão. Como se fosse automático, pegou sua câmera e tirou uma foto. Ao notar que a presença dele sumiu de vista, subiu as escadas e caminhou até seu quarto, sua casa naquele momento parecia tão sombria, talvez fosse algo de sua mente, mas no momento, todos seus pensamentos focavam nos planos. Estes que ele prometeu para Pablo que deixaria quieto.

Abriu a porta lentamente, logo trancando-a.  Olhou em volta, a escuridão era iluminada apenas por uma pequena fresta da janela aberta e pelo seu computador.

— Eu já decidi o que vou fazer… K245 será desmascarada por mim — foi até a página do blog e a seguiu, ele teria uma longa tarde de pesquisas pela frente.

 

02 de janeiro de 2074 — Austrália — Sydney — Surry Hills — 07:09PM 

    O sol terminava de se pôr no horizonte e seus últimos e exauridos raios entravam por frestas da janela na cozinha onde era possível visualizar uma alta figura de um e oitenta em frente ao fogão, totalmente concentrada, vez ou outra fechando os olhos para degustar e buscar aperfeiçoar. Tão concentrada estava Primrose que mal percebeu a entrada de um certo homem de cabelos rosáceos que se colocou a sentar no balcão em uma das quatro banquetas pretas de estofado quadrado.

— Hi, Prim! O que está fazendo? — apoiou seu queixo em sua mão e observou-a admirado, os dois irmãos eram como unha e carne. Fora do horário de aula, dificilmente viam os dois separados.

— AH! L-Lewis — a garota tomou um susto com o surgimento repentino e não esperado do rosado que fê-la quase derrubar a colher no chão. — Que susto! Seu f… Filhotinho! — se corrigiu rapidamente. — O que você quer? — perguntou, então, após se recuperar e voltar a cozinhar.

— Ué, quero apenas conversar com minha irmã que gosto tanto… — sorriu divertido. — Eu ia dizer que te amo, mas lembrei que você acha desnecessário dizer a todo momento — resmungou, formando um leve bico nos lábios. — Enfim, o que está fazendo? — foi até a garota, sentindo o leve odor da comida, despertando sua fome.

— A janta, Lew  — Prim respondeu. — E você sabe que eu preciso de total concentração, então não fica me interrompendo — pediu, dando um risinho discreto.

— Ahhhh, mas eu quero também saber como foi seu primeiro dia em BMAS. Novidades? — perguntou, voltando a se sentar nas banquetas. 

— Mas não podia esperar não? — deu mais uma risada com a ansiedade do irmão a ponto de interromper seu momento sagrado.

— Como eu poderia esperar para saber como foi o dia da minha irmãzinha querida? 

— É só um pouquinho, estou quase acabando — pediu, concentrada, com uma pontadinha de irritação, mas sabia o quanto o irmão queria saber e conversar sobre isso, mas também sabia que ele iria respeitar.

— Ok, ok. Eu vou ler algumas críticas do meu novo livro, enquanto tento não avançar nessa comida que está com um cheiro delicioso — riu, pegando o celular.

Não demorou muito para Primrose acabar de cozinhar e, antes de chamar os outros para comer, se juntou a Lewis na mesa.

— Viu, nem demorou! — ofereceu um sorrisinho leve para o mais baixo. — Então, o que você queria falar? — questionou.

— Como foi a aula? — perguntou, com uma gota na cabeça, a memória de sua irmã se comparava com a de um peixe de aquário e a paciência dele com a de uma tartaruga.

— Bem, foi o de sempre e como veterana eu tive que ajudar alguns novatos — deu um sorrisinho, Prim poderia parecer um tantinho ameaçadora, mas gostava de ajudar, principalmente pessoas fofas, como esse ano estava repleto. — Eu acabei trombando em uma garotinha muito lindinha de cabelos loiros. Ela usava uma fita azul no cabelo... eh, qual era o nome dela mesmo? — A May Robin tentou se lembrar. 

— Hahaha, eu acho que é melhor você nem perder tempo tentando se lembrar, Prim.

— Ei! O-o que você tá insinuando? — Prim procurava um por quê, às vezes ela podia ser um pouco lerda.

— Que sua cabecinha tem memória muito curta — deu um peteleco na testa dela. — Mas então, continue a me contar as novidades.

— E-ei, eu não sou esquecida não, seu, seu… GOIABA! — Prim bufou, corando um pouco com o fato de não conseguir lembrar o nome da garota. — Bem, de resto, foram apresentações normais, a líder do clube de música deixou ainda mais restrito, encontrei umas pessoas que já estudavam lá, elas são muito interessantes, Lew, se você estudasse em BMAS ia ter um montão de ideias pros seus livros, alé-

Antes que Prim pudesse continuar contando, uma figurinha loira chegou em disparada na cozinha. Acertando o pé na quina da bancada.

— AI, AI, MANGA — gritou Chiara ao sentir o choque dolorido. Prim e Lewis abafaram risadas. — Lewis! Prim! Vamos fazer um desfile, vamos, vamos, vamos!! — pediu a garota, massageando o pé dolorido, um tanto ansiosa, adorava quando Lewis fazia estilos incríveis e ela se sentia uma estrela no desfile.

— Chiara — Prim, preocupada, se aproximou da menor, olhando se não havia machucado muito. — Você tem que ter mais cuidado, sua doida — deu uma risadinha.

— Mas eu queria muito, muito, muitããão fazer o desfile, por isso eu vim correndo — se justificou. — Né, Lewis? Você quer fazer novos looks pra mim, né? — encarou o mais velho com os olhos reluzindo.

— Claro que sim! Vou te deixar chiquérrima, vamos… — segurou a mão da pequena e se direcionou para fora da cozinha.

— Não! — exclamou Prim, antes que os dois se afundassem no mundo de “designer de moda e modelo” e só fossem comer horas depois. — Vocês tem que comer pra ficarem fortes e aguentar a noite de estréia da grande modelo Chiara, o que acham? — sorriu gentilmente, oferecendo e brincando com a modelagem da menor.

— Tá bom, tá bom. Vamos comer primeiro o jantar delicioso que a Prim fez, e depois vamos nos montar! — voltou correndo, com a mais nova tentando acompanhá-lo.

— Certo, só vou pegar o Micah e o Dorean e vamos comer, vão se sentando aí — avisou, saindo do cômodo.

A conversa de Blue Moon ficaria para beeeeem depois.
 

02 de janeiro de 2074 — Austrália — Sydney — Rozelle — 08:30PM

Era uma noite estrelada, onde dentro do quarto uma brisa fresca fazia os cabelos de uma certa loira se moverem leve e repetidamente. Alice tinha os headphones cobrindo as pequenas orelhas enquanto tentava se concentrar no livro de biologia. Embriologia era difícil, coisas como acelomados, pseudocelomados e celomados a confundiam, ainda mais com Yu Jin como professor, ele era uma pessoa legal, mas ela tinha uma dificuldade absurda de seguir a linha de pensamento do homem.

Resumindo: Alice odiava biologia. Biologia odiava Alice. Ela havia se conformado que nada mudaria isso.

Tudo a minha volta são rostos familiares

Lugares desgastados

Rostos desgastados

Claro e cedo para suas corridas diárias

Indo a lugar nenhum

A loira murmurava partes da música enquanto tentava se concentrar. Mesmo que música a ajudasse a estudar, nada podia a fazer entender aqueles enigmas biológicos da vida, estava ficando frustrada já.

Eu acho meio engraçado

Eu acho meio triste

Os sonhos nos quais estou morrendo

São os melhores que já tive

Eu acho difícil te dizer

Eu acho difícil de aceitar

Quando as pessoas andam em círculos

É muito, muito

Mundo louco

— ALICE! — os fones foram abruptamente retirados de sua cabeça e a garota — que agora mantinha os olhos fechados, viajando em seu próprio mundo, já bem longe da biologia — tomou um susto, vendo Stephanie encarando-a de forma repreensiva. — Quantas vezes eu já falei pra não colocar esse fone tão alto? Eu estou te chamando há eras pra jantar — esbravejou, vendo a irmã mais nova levantar.

— Tô indo, Steph, calma — suspirou. — O mundo não vai acabar. E devolve o fone aqui, por favor — pediu e a mais velha a entregou o objeto.

— Te espero lá embaixo, já tá todo mundo na mesa, se você levar mais de cinco minutos pra descer, vou mandar o Lian vir te buscar à força — avisou a morena mais alta.

— Mas eu não ‘tô com fome — respondeu, consternada.

— Mas você vai comer, querendo e não. Estamos lá embaixo te esperando — alertou novamente.

— Tá, tá — o suspiro derrotado que Alice soltou fez Stephanie sorrir vitoriosa.

Depois de se vestir propriamente, Alice, da forma mais preguiçosa possível, desceu as escadas em direção a sala de jantar. Ela não gostava nem um pouco de jantares em família, todo mundo reunido, perguntando sobre a vida pessoal e tentando ultrapassar alguns limites que eram estabelecidos e que não podiam ser quebrados. Era uma perda de tempo que a deixava desconfortável, afinal, não se chamava espaço pessoal à toa, mas Abbie estava lá, tinha que fazer um esforço, talvez levar eles a falar da quase suspensão de Lian, ou de matérias inúteis, talvez sobre o trabalho de Stephanie também.

“Vai dar tudo certo.”, pensou, respirando fundo, enquanto entrava no cômodo.

Sentou-se na mesa entre Aisha e Nathan, de frente para Abbie, enquanto uma loira baixinha e um moreno alto traziam a comida.

— Graças a Deus o tio Dave veio fazer a comida, ele é o melhor cozinheiro do mundo e a Steph sempre queima tudo — comentou Aisha, fazendo alguns soltarem algumas risadinhas e Stephanie praguejar.

Dave, Diana e Julie participavam do jantar em família, faziam questão de se reunir, no mínimo, uma vez ao mês para confraternizações como essa.

— Uh — Alice procurou certa pessoa, não encontrando o rosto, se colocou a falar. — Ela não vem… de novo? — perguntou, fazendo o clima ficar um tanto quanto pesado.

— Emergência n- — antes que Diana pudesse continuar, Alice a cortou, completando.

— Emergência no trabalho. Devem ter pago uma grana pra ela posar seminua e ela aceitou — mal humorada, a garota se movia inquietamente na cadeira.

— Não seja assim, Alice — pediu Abbie.

— Ela nunca vem, eu não deveria estar surpresa. — um silêncio constrangedor se instalou na mesa.

— Coitada, vai perder a comida maravilhosa do tio Dave. Da última vez que ela veio quem cozinhou foi a Steph, ela deve ter ficado com medo de sair daqui com intoxicação alimentar — Lian brincou, quebrando o gelo.

E funcionou, a família voltou a conversar normalmente, Alice se mantinha um pouco mais na sua, mas todos interagiam um pouco e ela não estava excluída disso, até que, algo chamou sua atenção.

— Steph, você que trabalha na Adams Technology já sabe se os irmãos voltaram? Eles ainda não vieram pra escola, já estão acumulando faltas e perdendo a semana de avisos, vão estar perdidos quando chegarem — comentou Diana.

— Tia Dya, você acha que eu vou saber dessas coisas? Eu não sou lá da área dos privilegiados da AT — repreendeu-a pela curiosidade e usou a abreviação para “Adams Technology” já que era muito grande para ser falado o tempo todo.

— Todo mundo sabe que você é a rainha da fofoca, Stephye — brincou Abbie, provocando a morena. Quando eram mais novas, Stephanie sabia das coisas antes delas acontecerem.

— Urgh, tá, talvez eu saiba — um sorriso vitorioso iluminou o rosto de Abbie. — Eles voltam essa semana ainda, não sei o dia específico, mas pelo que minhas fontes me disseram, algo na viagem de negócios foi meio conturbada — suspirou Stephanie.

— Eles provavelmente vão causar um escândalo quando voltarem — Dave comentou, comendo.

— Claro, eles são os “famosos irmãos Adams” — replicou Lian.

Com uma tosse um tanto forçada, Diana interrompeu eles, antes que o assunto fosse parar em um lugar… desagradável.

— E como foram suas primeiras experiências em BMAS, Lilice? — perguntou a loira mais velha, entendendo o que Diana estava fazendo.

“Não, não, não, não, não.”

— AH! A Lice se inscreveu para o clube de música! — Lian chamou a atenção para o fato.

— Sério? Que legal, Lice! — Aisha comentou.

— Eh… sim, mas não disseram qual música vamos ter que apresentar ainda — disse Alice, um pouco mais baixo que de costume.

— Temos certeza que você vai se sair muito bem, pequena — afirmou Dave. — Todos nós vamos estar torcendo por ti, afinal.

— Mas a Hanya tem pego pesado com os novatos, você vai ter que se esforçar, maninha — Lian lembrou. — Nada de moleza só porque você canta bem naturalmente.

— Ah… sim…

E cada vez mais as palmas da mão de Alice ardiam com as unhas fincadas ali e ela se encolhia na cadeira. Será que eles não entendiam que ter que cobrir tantas expectativas era… complicado?

 

**¨&*6()*¨%$¨# — ??????????? — ._.,-.,764378 — !#@!#!&¨% — ?-?§?__?

Estava escuro, nada podia ser visto ao certo, imagens embaçadas. Silêncio. Silêncio. Silêncio. Silê-

O toque de um celular. A luz da tela podia mostrar o nome…

Número restrito.

— ... — uma respiração pesada era escutada.

— … — nada fora dito.

— … — a respiração parou. 

O silêncio reinou novamente.

— A noite brilha quando a lua sangra — a voz rouca e assombrosa sussurrou do outro lado da linha.

pi. pi. pi. pi. Fim da ligação.

Estaria silencioso, se não fossem pelos passos fundos.

— AHHHHHHHHHHH! — estridente, ecoou.

Estava escuro…


Notas Finais


Ary: VOLTAMOOOS.

Cacaia: E.E we return

Ary: Que menina bilíngue.

Cacaia: Mesécraru

Gaby: Yayyy;; capítulo mais curto e menos maçante, espero que tenham gostado :3

Ary: Siemmmm.

Cacaia: Verdadie, assim é maix rápido e as pessoas ficam sem nos odiar (eu espero)

Ary: KSkajksjaksjakjsk, eu também.

Gaby: Do jeito que a gente demorou no outro;; acúmulo de ódio não deve ter passado.

Ary: Really e.e

Cacaia: Verdadie, mas é muito amor no corazaum, mas tem uma fic que eu acompanho desde de 2017 que non posta a dois anos T^T

Gaby: Misericórdia

Ary: KSJakjskajskajskjak, tem fics que eu acompanho assim também e.e

Cacaia: Muito triste; a pessoa falou q ia voltar a escrever, to esperando até hoji

Gaby: Bien, a gente não pode enrolar muito aqui pra deixar eles sanarem as necessidades do Abner de comentários

Ary: MAS PARA TUDO QUE TEMOS QUESTS... Eu esqueci de lembrar vocês sobre essas pesguntas (-.- ;

Cacaia: Ahn verdade (claramente eu sabia da existência disso ae)

Ary: PRIMEIRA, QUAL É O BAIRRO QUE SEUS BEBÊS MORAM? Coloquem no tópico moradia da ficha de vocês, por favore ¬¬
E segundaaaa, kdjckfjkdfjkdjk.
Alguém quer falar ae?

Cacaia: Non, to beim aquie

Gaby: Tururu
Yooo quero

Ary: Vá em frenty enton u.u

Abner: eu tava comendo

Ary: Nós percebemos a sua ausência.
Não mendigou comentários ainda.

Cacaia: e.e comendo uque?

Abner: sorvete

Cacaia: #recalquedevocê

Gaby: As salinhas dos personagens têm nomes personalizamos escolhidos pelos alunos nelas presentes, e por isso, vamos deixar uma listinha das salas em que cada personagem está e vamos fazer uma votação;; mas se esse método não der certo e empatar, acho que podemos fazer uma guerra de autores né? U.u

Cacaia: Obiviu

Ary: Nousan, que coisa linda.

Gaby: :3

Cacaia: :)

Ary: Vocês vão poder dar ideias de nomes e debaterem nos comentários, como, por exemplo... "Sala 2A - Cocada Rosa".
A listinha estará aqui embaixo junto com os *
MAS É ISSO, ENTON ATÉ O PRÓXIMO CAPÍTULO!

Abner: eu acho que vou fazer batata frita

Ary: (-.- ;

Gaby: Até~

Abner: Arriverderci

Cacaia: Vai lá, eu creio em ti Abner

----------------------------------------------------
Palavras em outra língua que apresentam *
*Hi, guys - Olá, rapazes/Olá, pessoas.
*Boy - Garoto.
*Bye, bye - Tchau, tchau.
----------------------------------------------------
Listinha das salas. Explicando melhor agora, nós decidimos fazer a primeira interação nos comentários com vocês, por conta disso, irão poder dar ideias, votar e debater sobre os nomes personalizados de cada sala de BMAS, lembrando que é apenas para quem tem aluno, mas caso outros quererem opinar a favor de alguma, o debate está sempre em aberto.

1A
Allen Zycle Erhardt
Andrea Giovanni Rosario
Beatrice King Kidman
Cairu Kxame Chevalier
Gillian Powell Hughes

1B
Mariane Parker Evans
Victor Gonzalez Tassone
Victor Weasley

1C
Alice Rachel Foster Ella Zoe Ivy Connor Harley Abe Nova
Taida Tsuyoi

2A
Hanya James Arthur
Kelly O’Neil McAneny Misaki
Samuel Shinwa
Sasha Ivanov Marka
Pablo Gonzalez Tassone
Tristan Adams

2B
Dimitri Czar
Elizabeth Moore
Emmi Kally Alyssa Elspeth
Luke Nigel Brooks
Mikaela Vinter
Primrose May Robin
Tyler Adams

3A
Akemi O’Neil McAneny Misaki
Jack Lam
Kiyomi Nakamura
Lian Foster Ella
Matthew Beilke Fissher crown
Noah Soren A. Hagebak
Rose Li Smith
Farid Eze Madzimoyo
Karolyn Bella White
----------------------------------------------
PERGUNTANDO AGORA DE NOVO POR CAUSA DOS PREGUIÇOSOS.
Em qual bairro de Sydney os personagens de vocês moram? Alguns não colocaram nas fichas, então pedimos que coloquem no tópico "Moradia."


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...