História Blue Phoenix - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Demônio, Fênix, Iris, Mago, Vampiro
Visualizações 18
Palavras 1.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sci-Fi, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


mais um capituloooo uhrum kkk
(tarde porem esta aqui :p )
perdoem meus erros...
bjuss e BOA LEITURA
S2

Capítulo 3 - A breath of life - past III


Fanfic / Fanfiction Blue Phoenix - Capítulo 3 - A breath of life - past III

Assim que Sayuri cai no chão o guarda retira a sua espada que estava atravessada na mesma, ainda não satisfeito achando que a mesma poderia retornar a vida decapita Sayuri sem nenhum remorso e arrependimento, logo depois chutando a sua cabeça para longe do corpo.

- Você era tão linda... e isso me faz lembrar daquele dia inesquecível, ouvir os seus gritos de dor e sofrimento me deixavam bastante excitados, pena que você conseguiu escapar daquela vez, mas agora... minha adorável sayu... vou guardar sua cabeça como mais um dos meus troféus. - diz o guarda com um sorriso de lado tirando o elmo de sua cabeça deixando os seus longos fios pretos caírem sobre o ombro e ainda parado olhando a cabeça da mesma rolar até bater numa árvore, onde o mesmo se aproxima e pega a mesma segurando pelo cabelo loiro e comprido de Sayuri, sustentando na sua frente olhando para o rosto pálido da falecida. - hahahaha... mais uma pra minha coleção. Ah! sayu não se preocupe eu volto para pegar o seu corpo, eu ainda quero brincar com ele... heheh. - diz com um riso de orelha a orelha colando a cabeça da mesma em um saco que estava escondido dentro da sua bolsa de flechas, depois colocando em suas costas novamente e logo seguindo o caminho indo atrás da serva.

Não demora muito para o guarda alcançar a serva que tinha parado e encostando em uma árvore tentando recuperar o fôlego, mas assim que a mesma percebe a sua aproximação volta a correr desesperadamente e uma coisa ela sabia que para o guarda ter conseguido chegar até ela algum de muito grave teria acontecido com Sayuri e disso ela estava certa. Em um momento enquanto corria a mesma tropeça em uma raiz de árvore e vai ao chão com o impacto do pé preso e tentando proteger a pequena que ainda estava em seus braços da queda porém sem muito efeito, as duas caem de lado e o rosto da pequena é arranhado por um galho cheio de espinhos fazendo um leve corte no seu rosto onde quando a mesma sente começa a chorar desesperadamente, a serva se levanta rapidamente e começa a tentar acalmar Íris, mas sem muito sucesso, com essa pequena distração da serva o guarda acaba conseguindo se aproximava rapidamente para perto das duas que estavam viradas de costa para o mesmo, em um movimento rápido tirou a sua espada do descanso de sua cintura e apontou diretamente para o pescoço da serva que logo sentiu a ponta fria da espada em sua nuca e ficou completamente imóvel. Logo o som de algum sendo perfurado e caindo rapidamente no chão foi escutado em meio ao silêncio da noite, ao se virar ainda um pouco imóvel a serva perceber o corpo do guarda caído de bruços no chão com uma flecha cravada em sua cabeça e junto do corpo estava um saco aberto com alguns fios dourados saindo do mesmo, com uma curiosidade a serva se aproxima do saco abrindo completamente e tirando o que estava nele e ao perceber do que se encontrava na mesma, entra em desespero jogando o que havia pego da sacola para longe e dando alguns passos para trás não acreditando no que havia pego, a cabeça de Sayuri, nisso um som de folhas e galhos quebrando começa a ecoar na floresta.

- Q-Quem... está aí? - diz olhando para todos os lados segurando forte a pequena que estava em seus braços agora já mais calma.

O som continuava e cada vez mais próximo da serva, um vento forte e gelado começa a se formar no local levantando as folhas do chão, passos começam a ser escutados pela mesma que olhava desesperadamente ao redor procurando por algo ou alguém, quando alguém aparece entre as árvores em meio a escuridão da floresta segurando um arco na mão direita pronta para atirar e sendo aos poucos iluminada pela a única luz daquele lugar, a lua. Ela tinha um lindo e curto cabelo vermelho e olhos roxos, usava um tipo de quimono e brincos de penas amarelas e olhava a serva com um olhar maligno e ameaçador pronta para atirar na mesma.

- NÃO! Por favor! Não! Preciso cuidar dessa criança, eu sou apenas uma camponesa sem dinheiro algum... - diz dando alguns passos novamente para trás e tropeçou no corpo do guarda logo caindo de costa no chão.

- Eu não ligo para o que você faz ou deixa de fazer... estou com fome e você e seu amiguinho morto ali vão ser meu jantar... - diz se aproximando ainda com uma expressão séria sem tirar o olho da serva.

- O-o que você é?! - diz tentando esconder Íris nos seus braços.

- Meu nome é  Azuma, Hamada Azuma. Eu sou uma human-demon. - diz com um tom forte e confiante ficando na frente da serva que ainda se encontrava no chão.

- Human... demon... - diz perplexa não acreditando e com um medo cada vez maior, pois sentia que essa conversa não iria dar em algum nada bom. - Por favor, me mate, mas... não mate essa criança ela não tem culpa da perversidade do mundo. - diz a serva já em prantos.

- Eu não mato crianças, não se preocupe... - diz pegando a recém-nascida dos braços da serva e olhando pra a pequena que dá um lindo sorriso e a mesma retribui sem perceber muito, mas logo volta a ficar séria e coloca a pequena no chão em um canto da floresta e volta a sua atenção a serva que lhe observava com um semblante agora sereno. - Agora é a sua hora. Últimas palavras? - diz já mirando com o arco na cabeça da serva esperando a mesma dizer alguma coisa.

- Espero que cuide bem dela, ela é muito preciosa e rara. - diz com algumas lágrimas caindo no seu rosto e fechando os olhos.

Um som de flecha sendo atirada ecoou pela floresta, fazendo pássaros saírem voando assustados, uma poça de sangue se formou ao redor da serva que agora estava morta com uma flecha atravessando o seu pescoço e sangue ainda jorrando da mesma por causa da profundidade do ferimento. Logo em seguida Azuma retirar as flechas cravadas nos dois e joga de lado, pega a recém-nascida novamente amarrando a mesma ao redor do seu corpo com os panos que a pequena estava estava usando, deixando ela bem presa ao seu corpo facilitando para a mesma ter as duas mãos livres e assim conseguir levar os dois cadáveres.

- eu vou cuidar de você... Íris.  diz olhando para a pequena que agora já estava dormindo em seu colo. 

E assim ela se foi seguindo andando com arco nas costas, Íris amarrada no seu peito e arrastando os dois cadáveres que graças a sua força sobre-humana permitia que fizesse tal coisa sem dificuldade nenhuma


Notas Finais


desculpem se ficou muito pesado, tava meio sad hj kkk
obrigado por lerem e estarem acompanhando a minha fanfic <3
quarta tem capitulo novo sem falta.
bjuuss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...