História Bogo Sipda | Vhope - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Namgi, Taeseok, Texting, Vhope
Visualizações 477
Palavras 1.380
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora, eu tive que dar uma passadinha lá na ilha dos unicórnios tunados pra escolher um unicórnio novo já que o meu antigo quebrou. Foi uma verdadeira correria.

Capítulo 23 - Esperança - Diálogo 01


Kim Taehyung

“Mal conseguia acreditar no que estava prestes a acontecer. Meu coração só faltava sair pela boca. Hoseok e eu nos veríamos novamente depois de quase um ano longe um do outro, então já era de se imaginar: Eu estava muito feliz naquela tarde. Minha mãe disse que hoje tentaria se reconciliar com meu pai, já que até agora não trocaram uma palavra de amor, então ela o convidou para jantar. Minha mãe sempre foi a única que tomava iniciativa nesse relacionamento, e não foi hoje que ela largou esse costume. Então eu e Hoseok ficaríamos totalmente a sós se não fosse pelos meu irmãos.

Meia hora depois daquela conversa eu ouvi a campainha tocar. Corri para o primeiro andar da casa e parei em frente a minha mãe, que por saber do namoro também estava ansiosa para ver nossa reação depois de tanto tempo separados pela distância. Ela nos apoia totalmente, pois na visão dela eu aparento estar mais feliz depois de ter conhecido o Hoseok.

– Deixa eu só... –Deu uns toques finais em meu cabelo, que estava um pouco desarrumado por ter passado o dia inteiro na cama. –Prontinho! –Cochichou com um sorriso orgulhoso no rosto e então me deu passagem para abrir a porta, logo saindo da sala e indo até a cozinha para dar mais “privacidade” a nós dois.

Respirei fundo, arrumei meu moletom azul pra não parecer arrumadinho demais, contei até três e abri a porta. Tudo o que vi foi um entregador de pizza com um semblante irritado me encarando com uma maquininha de cartão em uma das mãos e duas pizzas em outra.

– Senhora Kim? –Perguntou parecendo totalmente desinteressado na resposta – assim como eu estava totalmente desinteressado naquela pizza idiota. Talvez eu tenha ficado um pouco bravo naquele momento e aquilo tenha sido apenas uma pergunta retórica ou irônica.

– E eu pareço uma mulher pra você? –Bufei. –Mãe, tua pizza chegou. –Gritei e sai em passos firmes até o sofá.

Me joguei ali e fiquei esperando minha mãe pagar e trazer tudo pra dentro. Além das duas pizzas tinham três refrigerantes também, pelo menos ele não deixou o trabalho pela metade.

E foi nesse momento em que eu me perguntei: Quem pede pizza a essa hora da tarde? Ainda eram 17h30m.

– A pizza não é pra mim, querido. É pra você, seus irmãos e o Hoseok. –Me encarou enquanto guardava os refrigerantes na geladeira. Eu não disse por medo de levar uma voadora, mas estava torcendo para que todos caíssem no chão. –Eu e seu pai vamos sair, lembra? Espero que seja responsável o suficiente pra cuidar de você mesmo e dos seus irmãos. Da última vez você deixou tudo pro Jungkook, mesmo ele sendo um pouco mais novo que você.

– Ta bom, mãe. –Revirei os olhos. O Jungkook é meses mais novo que eu e mesmo assim ela insiste em dizer o quanto ele é mais responsável que eu mesmo sendo meu dongsaeng.

Liguei a TV e fui passando de canal em canal na esperança de achar algo que preste, mas não achei nada além de um documentário sobre a transa dos leões. Deve ser por isso que minha mãe não deixa meus irmãos verem “o canal dos animaizinhos”.

Pela segunda vez na tarde aquela campainha havia tocado e então eu me animei novamente. Se dessa vez não fosse o Hoseok eu juro que dava uma voadora em quem quer que seja que estivesse atrás daquela porta.

Andei calmamente até a porta tentando disfarçar meu mau humor com um sorriso – talvez – convincente. Minha mãe debruçou na bancada da cozinha e ficou apenas observando a cena toda. Coloquei a mão na maçaneta, respirei fundo e novamente me certifiquei de que meu moletom não parecesse tão arrumadinho e sim casual, e então finalmente abri a porta.

– Sério, se não for o Hoseok eu...  –Me deparei com um garoto ruivo lindo e sorridente ajoelhado bem a minha frente e paralisei. –Hoseok? –De seu bolso retirou uma caixinha e a abriu, revelando dois anéis de prata.

– Quer namorar comigo? –O ruivo segurou uma de minhas mãos e me encarou com um semblante indescritível.

Eu simplesmente não conseguia falar. Eu estava literalmente petrificado e mudo naquele momento, a única parte do meu corpo que parecia ainda funcional era minha mão, a mesma que Hoseok havia segurado, pois eu apertei a mão dele para ter certeza de que não era tudo um sonho. Eu tremi tanto que poderia me considerar com Mal de Parkinson.

– Tae? –Hoseok se levantou com uma expressão claramente confusa estalou os dedos algumas vezes na frente de meus olhos. E foi aí que eu acordei daquele transe e me dei conta do que estava acontecendo ali.

– Eu pensei que você fosse me pedir em casamento! –Gritei com uma voz grossa e séria, mas ainda assim não pude conter meu sorriso de felicidade.

Ele apenas riu um pouco da minha reação e me olhou nos olhos como nunca antes. Assim que retribui aquele olhar, parecia que eu estava vendo uma galáxia bem de perto. Aqueles olhos castanhos sempre me acalmaram em qualquer situação, mas ali pareceu tão diferente. Era um olhar apaixonado, Hoseok me olhava antes apenas para me fazer sorrir quando eu estava triste, e aquele olhar era tão triste quanto o meu quando eu não o tinha por perto.

Mas agora ele me olha do mesmo jeito que eu, com um brilho nos olhos e uma esperança aparente. Isso tudo dedicado unicamente e puramente a mim, com um sentimento tão lindo quanto o amor.

– Eu aceito. –Finalmente dei minha resposta, firmemente e sem hesitar.

O ruivo pegou as duas alianças e colocou a altura de meus olhos. Estava gravada a palavra Hope nelas.

– Não é pelo meu apelido. A palavra que nos une é esperança. –Eu me lembro até agora o sorriso que ele deu naquele momento, foi tão lindo. Podemos dizer que iluminou meu dia. Ele fitou as duas alianças em sua mão, fazendo com que nossos olhares se encontrassem em um ponto exato.

Se eu continuasse ali apenas as encarando, eu certamente iria começar a chorar, alagar minha casa e a rua também – pois ainda estávamos na porta como o casal super organizado que somos – então apenas agi por impulso e o abracei fortemente, desejando nunca mais soltá-lo.

– Porque você ainda não colocou a aliança? –Minha mãe surgiu eufórica atrás de nós batendo palminhas, então eu apenas afundei minha cabeça no ombro de Hoseok pela tamanha vergonha que havia sentido.

– Ele provavelmente não sabe colocar. –Tive minha voz abafada pela camiseta do mais velho, mas mesmo assim minha mãe pôde ouvir claramente, pois um segundo depois ela estava gargalhando, me fazendo sentir mais vergonha ainda.

– Você não me disse que tinha contado pra sua mãe. –Hoseok cochichou no meu ouvido em um tom brincalhão. Me afastei um pouco e não pude evitar algo: encarar seus lábios.

– Vamos entrar ou eu devo pegar as barraquinhas pra vocês ficarem aí fora essa noite? –Minha mãe novamente fez um comentário inconveniente na hora certa. Desviei meu olhar rapidamente para qualquer outra coisa e então vi uma mochila jogada ao fim do degrau da porta ao lado de uma roseira.

– Que que é aquilo ali? –Apontei para a mochila rosa –ênfase no rosa – jogada no chão.”

 

 

 – O que você tem contra a minha mochila cor de rosa, Taehyung? –Hoseok me distraiu pela milésima vez só essa noite e me fez parar de escrever para olhar aquele rostinho lindo e angelical. Eu aparentemente não consigo xingar ele.

– Eu já disse pra parar de me interromper, aigoo. –Franzi as sobrancelhas sem ao menos tirar os olhos de meu diário. Tentei me concentrar novamente e reler os últimos parágrafos escritos ali para enfim continuar a escrever.

– Mas eu quero atenção também. –Cruzou os braços. – Eu já joguei tudo o que dava pra jogar no meu celular e você ainda não acabou de escrever isso. –Mostrou a tela de seu celular cheio de aplicativos inúteis para manter crianças em silêncio.

Suspirei e o fitei por alguns segundos.

– O que você quer fazer então? –Com muita dor no coração eu deixei meu querido diário de lado e finalmente dei a atenção que o ruivo tanto queria. Ele segurou meu queixo e me aproximou de seus lábios.

– Assistir Netflix.

 

[...]


Notas Finais


Eu atualizei o "Webcam 01", ficou bem melhor. Quer dizer, pelo menos eu acho que ficou bem melhor :P

o próximo cap sai amanhã.
não prometo nada.

Eu percebi que eu nunca falo data nenhuma aqui (tirando no primeiro capítulo onde o Tae diz que eles ainda estão em no começo do ano :P). E eu juro que faço isso sem perceber, pois na minha cabeça ta tudo bem organizadinho viu, mas também acho que data, idade e afins não são tão importantes pra textings.

Espero que isso não incomode vocês :(

E quanto ao lemon: Eu prometo que vou me esforçar, ok? brigada de nada
quer dizer, alguém disse lemon? eu não disse nada, vocês estão ouvindo coisas.

♪ Música do Dia: ♪
GOT7 - You Are


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...