1. Spirit Fanfics >
  2. Boku no hero Academia - À Beira da Loucura >
  3. Festival Explosivo

História Boku no hero Academia - À Beira da Loucura - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - Festival Explosivo


Fanfic / Fanfiction Boku no hero Academia - À Beira da Loucura - Capítulo 13 - Festival Explosivo

Arredores de Tóquio.

Laboratório 

 

Mina estava deitada no sofá fazendo pequenas tranças nos seus próprios cabelos e Dabi estava sentado no chão ao lado com a cabeça encostada de olhos fechados. Ambos estavam curtindo um rock pesado que tocava. 

 

-Dabi?

 

-Hmmm.?

 

-Estou entediada. Faça alguma coisa. 

 

-....

 

Sendo ignorada, a rosada pergunta novamente com uma voz melosa:

 

 - Dabi? 

 

-Quer que eu faça o que? 

 

-Use a sua imaginação…

 

-Hmm….não tenho interesse em você, vadiazinha rosa. 

 

-Ah, qual é? Tenho que aproveitar enquanto aquela psicopata está fora pra ter você pra mim. Você sempre me fazia sentir especial. Tenho saudades.

 

-Me deixa em paz. - respondeu ele seco, mas a rosada veio em sua direção -  Saia de cima de mim, cadela no cio. Acabou!

 

-Só acaba quando eu digo que acabou, seu renegado pé no cú. 

 

Dabi, fixou o olhar na garota que apertava seus os dentes de raiva e então cedeu à sedução, deixando que ela se sentasse em cima dele, colocou carinhosamente os cabelos da garota para trás das orelhas juntando seus lábios aos dela. 

 

Apertando sua mão na nuca da rosada, ele comprime mais os corpos de ambos começando a trocar salivas em um beijo profundo e erótico. Mina começou a descer suas mãos chegando ao peitoral do garoto fazendo carinhos com pequenos arranhões. 

 

A respiração do garoto começou a se elevar. 

 

Gentilmente ele se desconectou dos lábios carnudos da rosada e partiu em direção ao pescoço da garota que começou a soltar uns gemidos suaves. Em meio ao calor do momento Mina sussurrou soltando uma risadinha - Isso…. assim….. aaaaan quero ver você fazer melhor do que ele.

 

Mais que depressa, Dabi pega pelo pescoço da garota e a levanta sufocando. Seus olhos agora eram de ódio e as marcas queimadas e costuradas no seu rosto e pescoço começaram a queimar. Chamas azuis brotaram da sua mão livre e com a outra, apertou ainda mais o pescoço da garota a deixando sem ar.

 

-Não fale daquele infeliz na minha frente sua Vadia! Eu poderia acabar com a sua mísera vida agora mesmo, mas não to afim inventar uma desculpa pro mestre de como você surtou de repente e se mutilou por ciúmes de “Hana Shield”! - e jogando ela contra a parede do outro lado da sala, faz sua última ameaça - Só porque você sabe do meu passado, não pense que somos próximos. Fica ligada SUA Cobaia inútil!

 

Quase saindo do local, Dabi dá de cara com o médico gordo baixinho que acabou de chegar afobado.

 

-Finalmente consegui.

 

-hmmm? Conseguiu o que? 

 

-Aquele corpo que veio da ilha está finalmente está respondendo aos órgãos implantados. Ele foi muito danificado. Todos com exceção de um. - o homem portava um jaleco branco, começou a tirar suas luvas sujas de sangue e levantou a voz fuzilando Dabi que o ignorou e estava indo embora - Eiiii, seu incompetente to falando com você. 

 

-Vai a merda! - respondeu o garoto dando a volta no homem para sair do local. 

 

Agarrando ele pelo braço, o Dr. diz - Não me dê as costas seu idiota. Eu não te falei que eu precisava de órgãos femininos de porte adulto? - ficando mais irritado, continua - você me trouxe a poha de um órgão de uma criança de 8 anos! 

 

-Ela tinha 10.

 

-Ainda continua sendo uma criança. Não estava desenvolvido seu imbecil. - soltando Dabi e indo até o balcão pegou um drink e suspira - Seu desgraçado que mata crianças. Vá pegar outro agora! E adulto! E aproveita e me traga mais sangue, o mestre vai precisar de mais duas bolsas hoje.

 

-Nem fudendo que vou.

 

-Ah, você vai sim. - Disse o Dr. fuzilando Dabi.

 

-V-o-c-ê não manda em MIM!

 

-Eu não, mas “Ele” sim. - chegando bem perto da cara do garoto, o ameaça novamente - Não se esqueça de que fui eu que te consertei e posso te fazer desaparecer do mesmo jeito com muita facilidade, ou esqueceu que se não fosse por mim você não estaria vivo? 

 

Dabi olhou fundo naqueles olhos negros e podia ver o rosto do médico sorrindo.

 

-Se mexe idiota, vai logo…..- Com raiva ainda encarando o garoto, disse o Dr. que estava quase perdendo a compostura quando foi interrompido por um recém chegado.

 

-Eu vou doutor.

 

-Spinner! Você voltou - Mina foi a primeira a falar surpresa por vê-lo, afinal Spinner estava a mais ou menos seis a sete meses fora do país fazendo sei lá o que. - Ué, veio sozinho?

 

-Sim, voltei um dia mais cedo - respondeu Spinner. Ele estava uns arranhões pela cara e suas roupas estavam rasgadas.

 

-Bem vindo de volta - disse Mr. Compress aparecendo na sala também de jaleco branco - Até que enfim alguém competente apareceu.

 

- Ótimo, hoje a cidade está em festa por todos o lados você vai curtir. - lançando um olhar feio para Dabi, o Dr. continuou - Mas sugiro que vista uma roupa mais adequada para se misturar ou vai espantar sua presa antes de conseguir tocar nela.

 

-Então, estou liberado Dr.? - perguntou Spinner tirando uma faca toda trabalhada do bolso e dando um sorriso enorme no rosto. 

 

-Liberado…e... não me interessa o que você vai fazer lá fora, só me traga a porcaria do órgão fresco. Aliás Nomu estava morrendo de saudades de você. 

 

-Hmm! Aquele animal ainda tá vivo.. - Se virando para sair, Spinner para na porta e disse olhando para todos - digam para o mestre que eu mandei um oi.


 

****

 

Dormitório Heights Alliance

 

Todos estavam ansiosos para o festival na noite de hoje. Cada um estava em seu quarto se arrumando. As garotas fizeram um mutirão no quarto da Momo para se ajudarem com os penteados de cabelo. Uraraka era a única que não estava ali. Estava aproveitando os minutos que restavam antes das 18h para descansar, afinal ficaria de patrulha no festival com Midoriya e Iida a pedido do professor. 

 

Não que ela não tenha gostado de ser escolhida para uma tarefa tão importante, mas queria lá no fundo curtir o festival. Era um evento único que os estudantes podiam aproveitar de curtir com os amigos e ir acompanhado dos crushes. Todos aguardavam os fogos do final do evento para se declararem. Era um momento mágico.

 

-Toru, você tem mesmo o dom para os coques de cabelo, está maravilhoso. - Disse Momo se levantando e se admirando no enorme espelho preso na parede rosa do quarto. - Obrigada.

 

-De nada Momo-chan, ficou muito bem em você, tranças presas em coques. - A garota invisível a elogia.

 

-Ficou lindo mesmo e o seu Kimono, uau Yaoyorozu-san tá querendo impressionar quem? - Pergunta Kendo da classe B que também estava ali se arrumando.

 

Ficando corada Momo nega com a cabeça tentando disfarçar.

 

-Até parece Kendo-san, só estou querendo aproveitar a oportunidade ao máximo, não é sempre que podemos nos arrumar não é garotas. 

 

As meninas presentes abriram um sorriso concordando, presentes estavam quase todas da classe A, Kendo e Pony da classe B. Jiro que também não estava ali apareceu afobada na porta naquele momento.

 

-Heey Momo-chan.

 

-Jiro-chan onde você estava? Arrumei o Kimono que você queria roxo e preto brilhante, você vai arrasar com ele. Só precisamos ver o que você vai fazer no seu cabelo.

 

-Preciso falar com você. - Jiro estava sem ar e vermelha.

 

-Mas agora? Estamos ficando sem tempo para-

 

-Agora….vamos lá fora.

 

-Ok. - Desistindo e vendo que a amiga estava séria, Momo saiu do quarto acompanhando ela. As garotas nem perceberam elas saindo. Estavam tagarelando sobre assuntos de garotas e escutando Spice girls em um som bem alto.



 

-O que foi Jiro-chan…..Jiro-chan?

 

Parando no próximo corredor virando a esquina quase perto das escadas, a garota de cabelos roxos parou se encostando na parede bem corada. Ela não sabia como começar.

 

-Ei, fala comigo, você está muito estranha.

 

-Momo, você gosta de alguém?

 

-Que pergunta é essa Jiro, e-eu…

 

-Eu não sei se fiz a coisa certa porq-

 

-Sim eu gosto de alguém, mas…

-..porque o Denki se declarou pra mim e eu aceitei.

 

Falando juntas, Momo assusta quando percebeu o que escutou da garota.

 

-O quê? 

 

-Ele acabou de se declarar pra mim e me convidou pra ir no festival com ele.

 

-Isso é incrivel Jiro. Parabéns. Vocês combinam muito.

 

-Você acha?

 

-Claro.

 

-Então você não achou estranho...eu e o Denki…

 

-Claro que não. Agora é mais um motivo de você ir se arrumar. Eu vou pegar um copo de água e já te encontro no quarto. Só sugiro não contar agora pras garotas se não elas vão fazer um auê.

 

-Nem pensar, só você sabendo pra mim é o suficiente.

 

Vendo a garota se distanciar voltando para o quarto com um sorriso na cara, Yaoyorozu se encosta na pilastra tampando seu rosto. 

 

-EI?

 

-Então você estava escutando seu enxerido? - Momo descobre seu rosto e olha nos olhos do ruivo. 

 

Na sua frente muito bem arrumado e bem cheiroso estava Kirishima, com seus cabelos para trás com gel e seu Kimono da cor vinho com detalhes pretos que fazia seu cabelo vermelho se destacar ainda mais e brilhar por causas das luzes do ambiente.

 

-Então você gosta de alguém? Quando pretende contar a ele? 

 

-Quando você criar coragem e contar também. 

 

-Você sabe Momo que o meu caso é bem mais delicado que o seu.

 

-Kirishima pare com isso. Bakugo pode ser esquentado na maioria das vezes, mas você é um amigo muito importante pra ele. 

 

-Esse é o problema. Eu quero ser mais que um amigo. Não sei se o que sentimos é o mesmo sentimento. - Passando a mão arrumando o pouco de cabelo que tinha caído nos olhos ele continua. - Se for pra gente ficar estranho pro resto da vida, prefiro guardar esse sentimento só pra mim.

 

-E só você sofrer com isso? Não é justo.

 

-E o que é justo nessa vida?

 

-Hoje não é dia de pensar nisso.. então porque-

 

-Errado Momo, hoje era o dia perfeito para isso. O Denki conseguiu. Fico feliz por ele.

 

-Tá legal. - Cruzando os braços e olhando para o ruivo, ela pergunta em uma voz suave. -  Quer ir ao festival comigo? 

 

Kirishima somente a encarou.

 

-Eu combino com a Jiro e com o Denki. A gente podia ir em grupo para comemorar o namoro deles, já que teoricamente somente eu sei que os dois estão juntos.

 

-....pode ser…

 

Abrindo um sorriso, a garota da criação diz enquanto se afasta.

 

-Então tá combinado, vou voltar para terminar de ajudar as garotas e te encontro no salão principal.



 

Fazendo um aceno com a cabeça, Kirishima não tinha pra onde ir, já estava arrumado e seu humor estava pra baixo, então ele seguiu em direção as escadas. Ia tirar um cochilo no sofá para esperar Momo. 

 

No meio das escadas ele passa por Todoroki. 

 

-E ai? Chegando agora do conselho? 

 

-O diretor resolveu me encher de trabalhos justo hoje. Foi difícil terminar, estou cansado.

 

-Então você nem pretende ir ao festival Todoroki? 

 

-Vou saber depois de um banho. Você vai? 

 

-Sim….com a Momo. 

 

-hmmm. Você a convidou? 

 

-Sim. - Kirishima mentiu. Não podia deixar o meio a meio saber que ela que tinha o convidado.

 

-Porque o interesse? Cortei sua fila? 

 

-Até parece. Pode ficar com ela pra você. 

 

-Argh. Pensei que se importasse com ela.

 

-E me importo. 

 

-Então porque age assim?

 

-Para proteger quem é importante para nós, a distância é sempre o melhor caminho. - Todoroki estava sério, mas com uma cara de triste. - Faça ela se divertir por mim.

 

Kirishima ficou sem palavras. Sentiu que não era aquilo que o meio a meio queria ter dito. Aquelas palavras foram cortantes, frias e cruéis.



 

Todoroki entrou no seu quarto e se jogou na cama. Quase nunca ia pros dormitórios. Na maioria das vezes ficava em casa a pedido do seu pai, mas sempre gostava de as vezes vir para os quartos do colégio.

 

Gostava de pensar e ficar sozinho e em casa não tinha essa privacidade. Ali mantinha coisas que não gostava que seus pais ou irmãos vissem. Objetos que seu pai confiscaria, como o livro surrado que tinha trazido consigo do orfanato há anos.

 

Todoroki se levantou e foi até a prateleira do lado do armário, pegou o livro infantil que no passado lia para uma garota assustada que não sabia ler. 

 

Hana.

 

O garoto estava com sentimentos não compreendidos presos em seu peito.

 

Shoto estava confuso sobre o que sentia e agora que sabia que a loira tinha dupla personalidade, estava se sentido ainda mais perdido.

 

Melissa Shield. Ele havia conhecido ela na Expo. Uma garota alegre e decidida. Midoriya havia ficado muito amigo dela naquele evento.

 

Mas o que ele martelava na sua cabeça era, há quanto tempo elas dividiam essas personalidades? E como, se ele conheceu Melissa há poucos meses na Ilha? Aquela que conheceu no orfanato era Hana ou Melissa? 

 

Abraçando aquele livro, permaneceu ali em pé parado com os olhos tristes.

 

-Acho que preciso sair um pouco. - Guardou o livro, pegou uma toalha e tomou um banho rápido. Ele precisava respirar ar puro. Ver pessoas. Esquecer do passado e dos problemas. Aliviar sua mente.

 

****


 

Noite do Festival

Centro de Tóquio


 

A noite estava quente e agradável. Vários estudantes usavam kimonos e havia muitos casais nas ruas. As barraquinhas de lanches e brincadeiras estavam cheias. No parque, muitas famílias sentadas sem grupos com as suas crianças que corriam brincando entre si.

 

Spinner e Dabi tinham acabado de chegar em frente ao templo do lado da entrada do festival. Ambos estavam com disfarces que Mina tinha escolhido. 

 

Ficaram ali parados aguardando, pois tinha mais companhia à chegar. 

 

Olhando as pessoas no festival, Dabi estava distraído.

 

-Vou dar uma volta. - Disse para Spinner que acenou positivo com a cabeça.

 

-Ok. - Respondendo e vendo o garoto se distanciar, Spinner pega seu celular e franze a testa para a mensagem que tinha acabado de receber. - Tsc. Então você veio mesmo … perfeito, você vai adorar ….. hoje será explosivo e sangrento como você adora.



 

Em meio ao festival da primavera, Todoroki andava pela multidão observando os estudantes que ali estavam. Ele estava sentindo uma dor muito forte no peito. 

 

Não conseguia tirar da cabeça o tinha ouvido na sala do diretor. 

 

Do desespero da garota.. 

 

Das lágrimas que ela derramou. 

 

E se sentiu inútil. 

 

Parando perto de uma pilastra entre as barraquinhas de takoyaki e de yakisoba, olhou para baixo e apertou seu peito querendo arrancá-lo.

 

-Aaann. Dói. Foi isso que estava sentindo…..- Respirou fundo - Não, tenho certeza que era muito mais forte que isso... - Serrando os dentes, sentiu uma vontade enorme de vê-la e a tê-la em seus braços. - Hana…..

 

-Olá...Shoto. 

 

Um garoto de cabelos pretos com rosto desfigurado, aparentemente costurado, estava brincando com chamas azuis nas pontas dos seus dedos parado em frente à Todoroki. 

 

O meio a meio tentou contornar, mas Dabi enfiou as mãos nos bolsos e parou bem em frente a ele impedindo a passagem e o encarava o com um pequeno sorriso de canto. 

 

- Você me parece triste. Você não pode ser assim. Não em público. Sorria.

 

-Tsc. Quem é você?

 

-Isso machuca sabia? Mas você não tem culpa, era muito jovem para se lembrar. E também quando fui expulso você ainda estava naquele orfanato, porém nos encontramos em um campo de treinamento uns meses atrás não se lembra? - tirando as mãos dos bolsos e colocando para trás ajudando a se apoiar na pilastra do lado da barraquinha de takoyaki, continuou - Ei, Shoto, já conseguiu corresponder às expectativas dele? hmm Cicatriz maneira. Também tenho várias. 

 

Colocando automaticamente a mão a cicatriz de queimadura em seu olho esquerdo, Todoroki fica irritado.

 

- Você…...o que ….

 

-Todoroki-kun!!!!!!

 

Cortando a atenção do garoto que reagiu ao chamado do seu nome, ele se vira e vê a loira vindo em sua direção. 

 

“Hana…..” 

 

Voltando seu olhar para frente, percebeu que Dabi já tinha sumido. 

 

-.... ãaah? Onde ???



 

-Todoroki-kun? Está tudo bem?

 

-Hana, o que faz aqui? Essa é a nossa noite de folga. Você devia estar descansando… “Ainda mais depois de como você estava na sala do diretor, você deveria mesmo é estar dormindo…” - pensou.

 

-Desculpe, mas eu tava curiosa para saber como era um festival de cidade grande. Dê onde eu venho não tenho isso-…..- seu sorriso murchou quando fitou o garoto que estava com a cara fechada a encarando. - ….ah…tudo bem...ok.. eu já tava voltando...então….

 

-Ok. 

 

-Então, ok. A gente se vê, vou voltar imediatam-

 

-Ok,..... eu te mostro o festival. 

 

Hana sentiu sua bochecha arder e seu peito acelerar. 

 

Conseguindo finalmente dar um sorriso, responde. 

 

-Sério? Aaaah obrigada, conto com você. 





 

*******



 

-Hey, Dabi, que disfarce hilário esse? Aposto que foi a vadia rosa que escolheu.

 

-Tsc, Quando chegou? Porque demorou tanto? 

 

-Vá a merda. Estou aqui não estou. E porque esse sorriso?

 

-Não é da sua conta.

 

-UUuui, garoto frio. Literalmente. E aí, onde está minha querida Ha-chan?

 

-Paciência sua psicopata.

 

-Aah, qual é Dabi-kun?

 

-Não era nem pra você estar aqui. Você devia ter ido direto pro laboratório.

 

-Você sabe que eu não ia ficar quieta lá e eu estava por perto. Depois que o Spinner me mandou mensagem, eu precisava participar disso, afinal sou louca por uma ação. 

 

-Tsc...ótimo… então apenas me siga e me obedeça…. e coloca esse capuz Toga. - disse Dabi colocando a força o capuz na cabeça da garota escondendo seu rosto - Vamos, já que está aqui, hora de trabalhar.

 

-Hai.




 

*****




 

Do outro lado do parque, havia muitas barraquinhas de doces. Morango com chocolate, maça do amor com calda de açúcar vermelho, cocadas branquinhas e queimadas entre muitos outros. 

 

Uraraka olhava com firmeza e com a sua saliva escorrendo desejou algo doce. 

 

-Ei, podemos parar pra comer? 

 

-Uraraka-san, estamos no meio da patrulha. Quem sabe mais tarde. 

 

-Por favor Iida-kun. Eu compro pra comer depois. Por favor. Vai acabar tudo. 

 

-Iida-kun, não vai fazer mal a ninguém pararmos por cinco minutos. 

 

-Midoriya-kun, você também……



 

-Yo Midoriya!

 

-Momo-chan, Kirishima-kun! - disse o esverdeado parando na frente dos dois.

 

-Uraraka-san, de patrulha hoje? - Momo pergunta se dirigindo a garota da gravidade.

 

-Aham.

 

-Bom, Srs, heróis, contamos com a segurança de vocês. - com um sorriso disse Kirishima para Iida, Uraraka e Midoriya.

 

-Deixa com a gente. - os três respondem firmes.

 

-Ochaco, quando acaba seu turno? 

 

-Não sei Momo-chan. Como somos só nós três patrulhando, não nos deram horário para término. 

 

-Entendi, estamos indo nos encontrar com a Jiro e o Denki. 

 

-O Denki finalmente criou coragem pra se declarar pra ela, e adivinha só Midoriya, ela aceitou. - Disse Kirishima empolgado.

 

-Ooooh - Uraraka e Midoriya respondem juntos. 

 

-Pra você ver né. Estamos indo comemorar. - completou o ruivo.

 

-Vocês deveriam é estar descansando pra um bom dia de trabalho amanhã. 

 

-Sempre estragando a alegria dos outros hein Iida-kun. Mas pode deixa que eu me encarrego da Momo ir pra casa direitinho. - Brincou Kirishima.

 

-Quer dizer que a comemoração de agora …. é um….. - tropeçando nas palavras, Uraraka mal conseguia continuar. - Um encontro de casais…. 

 

-Casais? - Surpresos, a garota criação e o ruivo dizem juntos.

 

-Ahn? Desculpa, vocês não….. - totalmente sem jeito o esverdeado pergunta.

 

-...?

-...?

 

-Momo e Kirishima? Isso é sério.? - Iida pergunta ficando com as bochechas.

 

-Claro que não. 

 

-Não estamos juntos.

 

“Mas naquele dia eles estavam…” Uraraka pensou ficando constrangida.

 

-Midoriya. - fazendo um joia pro esverdeado Kirishima diz - Você consegue cara, se é que você me entende. 

 

-...?

 

Vendo os dois se afastarem, Deku estava tentando entender o que o amigo tinha deixado no ar.

 

-Midoriya-kun, Uraraka-san, vocês não estão levando o trabalho de hoje à sério. - acenando com os braços feito um robô, Iida fala.

 

-Claro que estamos. 

-Claro que estamos.

 

-Uraraka-san, eu vi você dançando e curtindo o show na barraquinha lá trás. 

 

-Âh, eu estava me a-alongando, nunca se sabe quando a gente tem que fazer uma perseguição né Deku-kun.

 

-E você Midoriya-kun. 

 

-AH, o que eu fiz? 

 

-Eu vi você olhando os artesanatos lá trás. Você não tem furos nas orelhas.

 

-Ma-as e-eu não estava olhando pra m-mim….

 

-Então….aqueles brincos também não combinam com a sua mãe. 

 

-AAAhH…. - tampando a boca do representante, Izuku vira pra garota - Uraraka-san, vamos parar um pouco, você pode ir comprar um doce, se quiser.

 

-Sério? Valeu Deku-kun.

 

Vendo a garota sair, o esverdeado vira para o garoto. -Ii-i-ida!!!!! Quer acabar comigo? 

 

-Não entendi. - fazendo cara de sério, ele abaixa e olha de um lado para o outro e sussurra - Sua mãe está por perto? 

 

-O QUÊ? 

 

-AaaaaaaH! Desculpa Midoriya-kun, foi insensível da minha parte. Desculpa por ser tão lerdo. - fazendo várias reverências, Iida tenta se desculpar. 

 

-Escuta. Para. Tudo bem. - disse Izuku fazendo gestos para que ele parasse - Iida, IIDA!!!!, você já foi mais inteligente. - gritou o garoto pegando a caixinha cor de rosa bebê no bolso sorrindo. - É que, e-eu decidi que vou...que eu vou me declarar. …...Não! ….E-eu preciso me declarar. - guardando novamente no bolso, ele se espanta com o representante em lágrimas. 

 

-oooown Midoriyaaaa!!!!!!

 

-Iida-k-uun? Ei, ei, porque você…. 

 

-Seu amor maternal é tão lindo Midoriya-kun, você tem meu total respeito. 

 

-Argh! AAH, já chega …”acho que foi demais pro Iida entender...”



 

-Ei, meninos, pra vocês - Uraraka tinha voltando e com as mãos estendidas, entregou um bombom para cada um dos meninos. - A moça da barraca disse que esse chocolate aquece os corações. 

 

Sorrindo para eles, os olhos verdes esmeralda de Izuku tremeram ao ver o semblante da garota brilhar. Como ele amava ela. Midoriya corou e colocou a sua mão no seu bolso onde encontrava-se o par de brincos que havia comprado para fazer o pedido quando foi interrompido por uma explosão que veio de trás da garota a sua frente. 


 

Com a força da explosão, barracas e comidas voaram em uma velocidade muito forte e absurda. O poste do outro lado da calçada entortou e antes de cair sobre duas senhoras, Iida mais que depressa ativando seu poder para chegar antes segurando o ferro que quase acertos as duas. 

 

-Reprico Burst!

 

-Corram pro abrigo, agora. - gritou Uraraka assumindo seu posto de herói de suporte. 

 

A garota da gravidade passou pelos escombros tocando nos pedaços de asfalto que tinham caído liberando a passagem para fuga.

 

O esverdeado olhando toda aquela confusão, tentou se acalmar. Quando estava saindo para ir procurar para onde tinham ido Momo e Kirishima, Uraraka pergunta:

 

- Ei, Deku-kun, onde você vai? Precisamos voltar e chamar suporte. - Vendo que as pessoas já haviam se afastado, ela liberou os escombros que estavam flutuando - Liberar! …..- e olhando pro esverdeado que não havia escutado, ela grita - Deku-kun!!?

 

-Eu ficarei bem Uraraka-san, tirem todos daqui. - Respondendo aos gritos para a garota do outro lado da calçada, Midoriya fecha os punhos ativando seu poder mostrando a ela que estava tudo bem. 

 

Ela acenou com um sim e sorriu.

 

Midoriya vendo aquele sorriso lhe transmitindo coragem, ia gritar até mais tarde, quando notou que a cortina de fumaça atrás dela ficou densa e escura. 


           -“não, não, não!” ……. URARAKA-SAN!


Notas Finais


Oi pessoal.

Maaz demorei pra postar.
O capítulo já estava escrito, mas fiquei tão inspirada nesses fds que aumentei ele.
Espero que estejam gostando.
=*

Músicas de inspirações:
No Glory | Skan & Krale
https://www.youtube.com/watch?v=Tc-XxqEyolU

i Ris | Re:Call
https://www.youtube.com/watch?v=blD1-ekFg9U

Música do quarto das garotas:
Spice Girls | Wannabe
https://www.youtube.com/watch?v=gJLIiF15wjQ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...