História Boku no Hero Academia (BHA) ~ Gosto de vocÊ ❤(em manutençao) - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Dabi, Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Enji Todoroki (Endeavor), Fumikage Tokoyami, Fuyumi Todoroki, Izuku Midoriya (Deku), Katsuki Bakugou, Kyoka Jiro, Mashirao Ojiro, Mei Hatsume, Mina Ashido, Momo Yaoyorozu, Naomasa Tsukauchi, Neito Monoma, Ochako Uraraka (Uravity), Personagens Originais, Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Tenya Iida, Toga Himiko, Tomura Shigaraki, Toru Hagakure, Toshinori Yagi (All Might), Tsuyu Asui, Yuga Aoyama
Tags Boku No Hero Academia
Visualizações 114
Palavras 2.207
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meus amores, desculpem a demora, tive um grande problema com a capa, fiquei dias procurando uma arte perfeita e depois que achei pensei o que poderia fazer com ela, eu iria por os protagonistas desse cap nela mas no final foi melhor manter o mistério.
Espero que gostem kissus boa leitura!
Ah! Obrigada pelos favoritos e comentários isso me ajuda muito! 💖

Capítulo 42 - Morreu com a verdade


Fanfic / Fanfiction Boku no Hero Academia (BHA) ~ Gosto de vocÊ ❤(em manutençao) - Capítulo 42 - Morreu com a verdade

All Might visitava a casa de Inko. Como Aoi hana foi passear pela cidade com Shina então eles iriam demorar mas um pouco.

- Midoriya não sabe que estamos juntos, agora que o pai dele está vindo. Não sei se vai conseguir digerir tudo isso - Disse Inko em pé na sala.

- Você está fazendo aquela cara de novo - Diz Toshinori (allmight) a encara do sofa da sala.

- E que outra cara eu devo fazer? Não posso me dar ao luxo e deixar meu filho a deriva.

- Acho que você precisa de um pouco de amor, está muito tensa – Ele a abraçou por trás – Vamos tomar uma ducha juntos como nos velhos tempos – Ele a beijava no pescoço. Ela se soutou dele e foi se sentar no sofa.

- As coisas sempre começaram assim e terminavam na sua casa comigo arrumando as ataduras. Não posso fazer mas isso como antes, eu sou mãe, e no momento não preciso de um marido e sim de um amigo.

- Entendo – Diz cabisbaixo e sentaram no sofa ao lado dela – Descanse um pouco. E não se preocupe, estarei de olho no jovem Midoriya pra você.

- Você sabe que ele não é a sua responsabilidade.

- Tarde de mas, Já estou com muito afeto. Ele é como um filho que nunca tive – Ela o olha com um breve sorriso nos olhos - Ate mais – Diz saindo pela porta com um leve sorriso. Ela olha pro relógio bem distante de sua mente.

- Mae, chegamos – Diz Hana entrando com Shina após 1h que All might esteve com Izuko.

Nota: Nesse cap Shina esta totalmente humano, agora ele pode controlar sua transformaçao.

- Hana você sabe que não pode ficar por ai. Mesmo com Shina ao seu lado não é o suficiente.

- Há mãe, fiquei tantos anos longe daqui, eu fui passear para rever as coisas da cidade e aproveitar pra mostrar tudo pro Shina.

- Você sabe que eu tenho medo. Alguma coisa pode acontecer e eu não estarei lá para ajudar. E onde está o Midoriya?

- Fique tranquila – Ela da uma piscadela – Aproposito, Midoriya me contou que vai chegar mais tarde hoje, disse que depois da aula ia na casa de um amigo. Droga, esse garoto tá fazendo tudo que vem na telha..

- Hana, fique em casa com seus colegas do zôo que eu já vou sair - Diz Inko pegando um casaco e a bolsa.

- Comequeé? O-onde você vai?

- Visitar uma amiga – Diz ela pondo o casaco.

- Há essa hora? He-Hey! – Inko fecha a porta por traz sem dar resposta pra Hana.

- Sua mãe tem cenouras? – Diz Shina olhando a geladeira despreocupado. Ela solta o ar desistente.

Para onde a senhora Inko está indo a essa hora? Quem é essa "amiga"?

Batidas na porta

- Você chegou, pode entrar - Uma albina abre a porta para recebela. 

- Não vim pegar muito de seu tempo Rei – Inko diz para a albina.

- Não se preocupe, meu marido está cuidando das coisas do trabalho, só chega mas tarde. Fiquei muito surpresa quando recebi sua ligação. Do que se trata?

- Bom.. Primeiramente peço desculpas por vir a este horário. E eu vim porque nosso legado precisa ter um fim..

Ambas estavam estáticas na sala da casa tradicionalmente japonesa dos Todorokis encarando o delicioso chá.

- Isso que acabou de me dizer é assustador Inko-chan. Como Yaoyorozu luxúria pode estar viva?

- Não sei como Rei , mas eu a vi no carro outro dia quando fui ao mercado.

- É impossível, nós recebemos a notícia do acidente de carro dela a 15 anos atrás. E presenciamos o acidente, não tinha como ela sobreviver. Mesmo assim, ela conseguiu e foi para a Rússia se tratar. Nós fomos no seu funeral, você, Mitsuki, a senpai e eu. Você viu como ela estava.

- Será que alguém roubou a identidade dela? - Diz a Verdeado com a mao no queicho.

- Como assim?

- Alguém deve estar usando o nome dela para algum propósito. Eu sei que não tenho provas mas. Vi muitos relatos de pessoas que podem assumir a forma de outras pessoas. Nossos filhos já se envolveram com esse vilões.

- O que você está pensando?

- Eu posso estar errada mas, conheço uma pessoa que pode nos ajudar.

- Você não está falando da.. - Diz a branquela arqueando a sobrancelha.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

- Então depois de longos anos, vocês retornam aqui. Acho que vocês não me odeiam o suficiente para virem juntas – Diz uma platinada sentada atrás da grande mesa de vidro. O escritório era muito maior do que as meninas imaginaram. Tudo era de ar empresarial, sua sala parecia ser decorada por designers de interior. Lindo de se ver, pareciam que estavam no futuro.

- Faz tempo mesmo que não nos vemos Bakugou Mitsuki.

- Haaa meninas que saudade!! – Ela sai de trás da mesa envolvendo as meninas num abraço apertado – Essa vida de mãe está acabando com vocês, minha nossa Inko você está tão doce e fofa! E Rei, parece mas calma.

~[placa de gorducha] Jogou na minha cara que sou gorda – Pensa Inko com uma tremedeira na sobrancelha.

~[placa de psicopata] Realmente anos internada num hospício me deixou calma. Ela continua sendo a nossa amiga deselegante – Pensa a albina com um sorriso e uma gota na cabeça.

- Você está ótima como sempre Mitsuki chan – Diz Inko.

- Obrigada, acabei de voltar num retiro de spar. Sentem-se por favor - Ela volta a se sentar atrás da mesa de vidro - Me digam do que vieram tratar.

- Bom.. Achamos meio bobo mas, acreditamos que a luxúria está morta – A platinada as olha sem piscar. Respira fundo e quebra o silêncio com uma exagerada gargalhada.

- Eu sempre a admirei por ela ser uma mulher tão incrível e perfeita, andando por todos os lugares empunhando sua beleza como uma espada e fazendo todos os homens caírem a seus pés. Eu também me espelho muito nela meninas, embora ela ter mudado um bocado. Inko e Rei se entreolham.

- O que estamos tentando dizer, é que ela realmente está morta! Veja! – Diz Rei mas séria.

- Pegamos essas fotos da Internet, elas não são do nosso país e sim da Rússia. Essa mulher é exatamente igual a Yaoyorozu e ela não reconheceu a mim quando fui ao mercado! – Diz Inko.

- Eu acreditei que vocês tivessem vindo para me ver. Mas vieram só para falar essas bobagens e desonrar o nome dela?!!

- Nós também a amávamos como uma irmã, nunca a desonraríamos, e se alguém está fazendo isso é essa pessoa se fazendo no lugar dela – Diz Inko.

- Okey. Já cheguei no limite. As duas podem se retirar.

- O que? Você vai ignorar isso? Veja as fotos – a albina já estava ficando exaltada.

- Porque vou acreditar em você Todoroki? Esteve por anos se tratando numa clínica psiquiátrica! E você Inko? Sem um marido e anda vendo coisas?

- Tudo bem você achar que tudo isso é bobagem. Eu entendo. Mesmo assim, porque achamos que você nos ajudaria a descobrir isso? Nós queremos tirar essa historia a limpo e honrar o nome da nossa melhor amiga. Por isto que estamos aqui para pedir sua ajuda. Mas tá parecendo que você já cortou os laços com ela no dia que ela morreu – A sala ficou em silêncio - Vamos Rei..- Elas dirigiram a porta.

- Okey – Elas viram para a platinada - Temos que voltar ao túmulo dela – Diz uma Mitsuki com o olhar totalmente sombrio e penetrante. As meninas engoliram a seco – Esperem um momento – Ela pegou o telefone. Cancele meu último compromisso vou sair mas cedo – Desligou a linha e ligou para outro número – Prepare o carro estou descendo – Ela desliga o telefone e pega a bolça – Vamos meninas – Elas sorriem e a acompanha.

No caminho Mitsuki comprou uma pá e foram para o cemitério.

- Então. Nossos filhos estão na U.A, e na mesma classe. Isso é maravilhoso! – Fala Inko

- Isso é bem similar – A platinada olhava distraída para a janela.

- Lembra a nós, será que são amigos? – Fala Rei.

- Deveríamos marcar um encontro, o que vocês acham? Seria maravilhoso! – Diz Mitsuki.

- Senhora. Nós chegamos – Diz o motorista com o vidro baixo. O trio sai do carro a procura do túmulo, o motorista as acompanha segurando a pá.

- Ir no cemitério a noite é assustador demais!! – Diz inko-chan.

- Esse lugar é muito grande, como vamos achar nesse breu? – Elas pegam os celulares.

- Hum.. É.. O Midoriya me ensinou uma vez mas não me lembro como por na lanterna..

- O Shouto me disse que era pra ir num negócio, a eu não lembro também..

- Estou com duas velinhas – Kacchan, chega nelas para ajudá-las – Vai nas configurações, acha a lanterna.

- Configurações? - Inko-chan.

- É naquele parafuso – Kacchan.

- Há - Izu-chan.

- É mesmo – Rei-chan. Com todas as luzes acesas elas continuam andando até finalmente achar.

Aqui jás Yaoyorozu Luxuria

Esposa, mãe e amiga espetacular

1984-2003

- O-o t-tumulo dela... Tá aqui - Izu-chan estava tão assustada que não conseguia controlar as tremedeiras.

- Porque eles deixariam o túmulo dela por tanto tempo, se ela anda por aí?– Diz a albina com a mão no queixo. Isso subiu um arrepio grotesco nelas.

- Hora da verdade meninas. Tomara que o corpo dela não esteja aí porque se não, vou ficar zangada com vocês o resto da vida – Kacchan ameaça as duas. Ela estala os dedos e o motorista começa a cavar. Uma hora depois, ele desenterra completamente o caixão, as meninas se levantam dos túmulos onde estavam sentadas.

- Prontas? – Kacchan

- Prontas! – Falam em conjunto. Elas tiram a tampa do caixão com cuidado e depois de removido contemplaram a enorme caixa.

- O-o-o c-corpo d-dela... – Fuyumi segura Inko para não desmaiar.

- MAS QUE BRINCADEIRA É ESSA!!?? - Mitsuki tampa o nariz horrorizada.

- O corpo dela, está ai? - O fedor era muito forte, e o corpo já estava em um nível avançado de decomposição – Mas o que explica as aparições dela? - Pergunta Rei-cham

- Vocês estavam erradas! Agora vamos embora daqui!! – Mitsuki já queria invocar Satanás.

- Senhoras tem alguma coisa no caixão – Diz o motorista observando com o pulso no nariz. Ele se debruça para pegar uma caixa preta bem difícil de enxergar. Ele a mostra a elas.

- O que será que tem aí dentro? - Diz a albina.

- Vamos abrir - Diz a esverdeada morrendo de medo. O motorista abre, dentro dela tinha um caderno parecido como um diário, documentos, um pendrive, uma foto de Momo e seu pai e alguma coisa embrulhada num pano.

- Esses são os documentos de uma escola que fica na Rússia – Mitsuki.

- O que será esse negócio embrulhado? – Fuyumi. Elas abrem e revelam um pedaço de osso. A albina deixa cair no chão horrorizada.

- O que significa tudo isso?! – Inko continuou vendo a caixa e descobriu um fundo falço.

- Meninas tem mais! – ela puxa um papel – É uma carta.

Esta caixa são todas as provas e relatos que entrego em minha defeza

- É a letra dela – Diz a albina.

– O que mas está escrito? – diz Inko.

Todos os documentos presentes nesta caixa comprovam os dias que passei antes de minha morte, não sei o que virá futuramente, mas suplico que façam a justiça.

Meu depoimento está neste diário, e no pendrive o que aconteceu comigo e a maior parte dos dados da escola na Rússia ao qual fui vítima de meu sócio em um grande golpe, além da tortura, ameaças e outros.

Manti em segredo tudo que tive que fazer, me afastei de minha filha sem vela crescer para protegê-la, e de meu marido também. Quem encontrar está caixa por favor levea para

- Pra quem? - Diz Mitsuki.

- Não dá pra ler o nome está apagado..  - Diz A Verdeada. Todos ficaram em silêncio. As meninas não perceberam que estavam chorando.

- Manfred, feche o caixão.

- Sim senhora – Ele ficou surpreso, pela primeira vez a poderosa platinada falou seu nome. A coisa estava seria demais.

- Espere – Diz ela tirando um perfume de sua bolsa – Ela merece voltar a descansar com um perfume da Gucci, ela sempre andava cheirosa... – Diz ela borrifando o perfume no cadáver e não se importava com as lagrimas. Ele pega a tampa.

- Espera – Diz Rei pegando as rosas que trouxe e as pondo no túmulo – Ela sempre amou rosas – Pós entre as mãos. O motorista olhou para Inko que cantava a música favorita da amiga. Luxira disse uma vez que amava ouvir Inko cantar. As meninas se despediram mais uma vez da amiga.

Após ser reenterrada, as meninas levaram com elas a caixa de luxúria para descobrir mais sobre o que tinha lá.

- Vamos investigar isso juntas e descobrir o que ouve com nossa amiga. Venham na minha casa amanhã – Diz Inko com a caixa. As meninas concordam.

Inko chegou em casa e as coisas por lá estavam bem estáticas, Hana tinha contado que duas vilans invadiram o quarto de Midoriya, sorte que dois heróis estavam por perto e a janela ficou com um buraco mas todos estavam bem.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, desculpem a demora!
Esses ultimos caps aconteceu tudo no mesmo dia espero que nao tenham se confundido, se isso aconteceu pfv me avisem pra eu concertar! Bjsss comentem! Até a próxima 😘 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...