História Bom dia - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chen, Suho
Tags Pwp, Suchen, Suho!powerbottom
Visualizações 463
Palavras 1.631
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, LGBT, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - .capítulo único


Aquela era uma manhã meio diferente das outras. Suho tinha acordado naturalmente antes do namorado e tinha tido uma ideia que, em sua própria cabeça, era meio maluca e meio brilhante, mas que certamente seria aprazível a ambos os envolvidos. Decidido, foi ao banheiro, saindo da cama sem fazer muito barulho e sem se mexer demais. Fez o que era necessário lá de acordo com seu plano e voltou apenas de cueca para o lado do namorado, no colchão. Retirou a colcha que o cobria de cima de si com delicadeza para não acordá-lo antes da hora e sorriu ao notar que no moletom dele uma ereção estava muito bem marcada. 

Virou-se e deitou em cima de si em seguida, se aproveitando do fato de ser levinho. Jongdae inconscientemente agarrou a cintura do namorado, murmurando algo incompreensível, ainda dormindo. Suho, em seguida, passou a desferir beijinhos pelo rosto do namorado e pelo vão que existia dentre seu pescoço e clavícula, o que fez ele despertar ligeiramente, lhe olhar, e depois voltar a cair com a cabeça no travesseiro.

“Acorda, dorminhoco…” Junmyeon pediu, mas só recebeu um "fica quieto, Suho!" em troca, enquanto o namorado tentava voltar a dormir. “Ei, acorda…” pediu de novo, risonho e insistente, o que fez ele revirar os olhos ao abri-los e encarar o mais velho, esperando uma explicação do porquê de ter sido acordado. “Estava sonhando com o que...?” Suho perguntou, como quem não queria nada.

“Com... nada.” Jongdae desconversou, não mirando o namorado nos olhos.

“Ah, é? Então isso aqui não é nada?” Junmyeon sorrateiramente deslizou a mão pelo tronco dele, em seguida chegando ao volume que se formava no moletom. Passou a mão por cima da região, esfregando com certa força ali com a palma, o que fez Jongdae resmungar algo incompreensível e franzir o cenho.

Suho soltou um risinho e passou a esfregar a mão ali com ritmo, vendo aparecer uma mancha na parte onde supôs que ficava a cabeça do pênis alheio. Jongdae estava tão excitado com aquilo e com o sonho que tivera que expelia pré-gozo aos baldes, e Junmyeon viu naquilo uma oportunidade de ouro.

Ainda com os os olhos felinos e curiosos sobre si, Suho se pôs dentre as pernas dele, afastando-as uma da outra pelas coxas e percebeu que, mesmo que estivesse quieto, Chen estava tenso. Desceu a calça moletom cinza com calma, com ele o observando atônito.

“O que você pensa que está fazendo, Kim Junmyeon?” ele lhe perguntou, meio mau-humorado (típico dele ao acordar) e talvez um pouco incrédulo com a situação.

“Te dando bom dia e te levando o café da manhã na cama.” o outro respondeu, cínico. Jongdae compreendeu tudo rapidamente em seguida.


Bom, quase tudo.




***



Jongdae arfou e depois gemeu arrastado, excitado, quando sentiu a língua aveludada do namorado percorrer todas as veias sobressaltadas do seu pênis e depois engolir toda a extensão, até onde conseguia. O calor e a umidade da boca dele eram sempre bem vindos e se tornaram ainda mais depois de acordar de um sonho erótico com o pau completamente duro, de tão prazeroso que tinha sido. Junmyeon ergueu o olhar e teria sorrido se não estivesse com a boca tão preenchida. Era muito gostoso ver o namorado, sempre tão autoritário e mandão, se contorcendo e gemendo de tesão. Ele ficava realmente adorável vulnerável daquele jeito. 

Suho sabia que iria sofrer na mão dele depois, que ele lhe castigaria por tomar as rédeas de tudo e não lhe deixar controlar a situação, mas valeria a pena se fosse para fazê-lo engolir seu orgulho.

O mais velho começou então, em seguida, os tão apreciados e necessários para Jongdae movimentos de vai e vem com a boca, respirando pelo nariz e enfiando aquele cacete duro até bem próximo da garganta. Por Jongdae, teria ido mais fundo, mas algumas chupadas foram o suficiente para que Suho parasse com aquilo.

“Junmyeon, porra.” Chen rosnou meio descontente com aquilo. Queria mais.

“Calma, amor.” Junmyeon sorriu, cínico, se afastando do membro teso. Tirou então por completo a calça do pijama e a samba-canção que Jongdae vestia no momento, as jogando em qualquer canto pelo quarto e o mais novo lhe fitava meio curioso.

“O que você vai fazer, Junmyeon?” o mais novo questionou com um semblante sério, típico daquela personalidade autoritária, dura e desconfiada que possuía.

“Simples, amor...” o outro respondeu sorrindo, paciente, enquanto tirava calmamente sua própria cueca boxer vermelha, sob os olhares atentos e famintos de Jongdae. “... antes de você acordar, eu me preparei para te receber. Eu estava planejando fazer algo legal hoje para você e pensei ‘por que não logo depois dele acordar?’” e virou de costas para ele na cama, mostrando seu buraquinho depilado e uma parte da bunda melados por lubrificante, depois de afastar as bandas bem devagarzinho e deixá-la completamente à mostra. “Então, eu vou sentar em você até a gente gozar.” explicou.

“Porra, você não existe.” grunhiu Jongdae, que não ficou nenhum pouco insatisfeito ou irritado com aquilo. Quando fez menção de se aproximar para tocá-lo, entretanto, Suho o afastou, o empurrando para de deitar novamente na cama.

“... mas, se quiser o meu bom dia, vai ser do meu jeito. Agora eu que mando, Kim Jongdae. Você só sente. Eu faço tudo e você só geme.” ordenou, sério, e Chen rosnou novamente, meio puto, mas ainda sim, excitado para um caralho. Decidiu entrar no joguinho dele e ficou quieto, por enquanto. Estava duro de qualquer forma, não é? Teria que ceder se não quisesse ficar só na mão depois.

Sem mais demora, Suho rastejou bem lentamente pela cama até sentar bem em cima do pau do namorado, mas sem penetrar, todavia. Por um tempo, ficou apenas arrastando o meio das bandas da bunda por ali, observando a expressão de Jongdae ficar cada vez mais fechada e sua respiração cada vez mais pesada. Ele tinha as mãos em sua cintura, apertando com força, dava para notar que se controlava para não jogar o outro Kim na cama e fodê-lo com força até ele pedir perdão por ter lhe provocado tanto. Mas sentia que, se o fizesse, o namorado perderia toda a vontade de fazer sexo.

“Suho.... já pode parar de provocar e ir pros finalmente.” pediu, entredentes, necessitado e um pouco irritado, além de ansioso. O pau latejava incessante, louco para foder o buraquinho melado.

“Acho que não, amor.” Junmyeon sorriu arteiro, mostrando todos os dentes perfeitos para o namorado que tinha um bico enorme no rosto e as sobrancelhas franzidas. Rebolou mais uma vez, dessa vez mais rápido, o pau do namorado resvalando perigosamente próximo da entradinha que contraía ao mínimo de contato. Jongdae revirou os olhos de prazer, involuntário. Da glande inchada já saía uma boa quantidade de líquido pré-seminal, que ajudava ainda mais nos movimentos.

“Hoje você acordou com a corda toda, hein? Você vai ver só mais tarde quando eu chegar do....” Chen até tentou ameaçar, mas antes que concluísse, Suho pegou seu membro pela base e se ajeitou em cima, sentando com força, penetrando tudo de uma vez. “Caralho, porra!” Jongdae xingou e enfiou as unhas na pele da cintura do namorado, involuntário, que soltou um gemidinho de prazer com a sensação de preenchimento dentro da bunda. Espalmou as mãos no peitoral do outro, para ter algum apoio, e quando começou os movimentos de subida e descida no cacete dele, acabou por arranhar um pouco da pele daquela região e por consequência os mamilos dele.

Jongdae ia morrer de tesão. Caralho. Era gostoso demais ter o namorado (que por sinal também era um gostoso) rebolando e quicando no seu pau. A entradinha dele, mesmo com a preparação, continuava bem apertadinha e praticamente o esmagava. Céus!

Além de tudo, ele ainda descontava o próprio prazer arranhando seus mamilos, que por sinal eram bastante sensíveis. Era muito pra aguentar; delicioso além da conta.

“Gostoso, amor?” Suho provocou, sorrindo de canto com a expressão de prazer que Jongdae fazia, enquanto rebolava cada vez mais ritmado e profundo nele, as vezes encontrando a própria próstata por acidente e ronronando de puro prazer nesses momentos. “G-Gostou do meu b-bom dia?”

“Você é todo gostoso e rebola no meu pau mais gostoso ainda. Era isso que queria ouvir?” Chen retrucou, rouco. Isso foi o suficiente para Suho se dar por satisfeito. Tinha acabado com todo o orgulho de macho alfa do namorado. “Sim, gostei, hm... do teu bom dia.”

“Era e-exatamente o-o que eu queria ouvir." o outro respondeu sincero e aumentou a velocidade com que se empalava, sorrindo. O pau grosso judiava da entradinha conforme saía e voltava para ela, e para Junmyeon, tudo estava uma maravilha também.

Jongdae começou a transpirar e a grunhir com cada vez mais frequência, e, em determinado momento, quando ele jogou a cabeça para trás no travesseiro, Suho soube que ele estava perto.

“G-Goza dentro de mim, a-amor. Goza bem forte e me dá bom dia também.” Suho incentivou, choramingando manhoso, e aquilo só serviu de combustível para que Chen erguesse o quadril e penetrasse com mais força, rapidez e vontade no interior quentinho e úmido do namorado, enquanto ele mesmo quicava e a bunda dele ia de encontro com o pau pulsante, em uma sincronia impudica e deliciosa.

Em meio a um gemido incontrolado e arrastado, Jongdae se desfez no interior do namorado, que por si só se contorceu e sofreu espasmos de tesão ao sentir o líquido espesso, quentinho e tão bem conhecido lhe preenchendo.

“Bom dia, amor.” Jongdae  desejou ao namorado, sorrindo sarcástico, depois de se liberar por completo; e aquilo só serviu de combustível para que Suho cavalgasse ainda mais, até que também não aguentasse e se desfizesse, melando o próprio abdômen e o do outro.

“Nada como sexo matinal, não é?” Junmyeon riu.

“Nada como ter um namorado para te acordar dessa forma.” Jongdae corrigiu. Talvez ter Suho o dominando, de certa forma, não fosse tão ruim quanto pensava que poderia vir a ser.














Notas Finais


amei demais essa personalidade meio ranzinza do chen, ai papai


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...