História Bond - O Elo De Ligação - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Dobby, Draco Malfoy, Harry Potter, Hermione Granger, Pansy Parkinson, Ronald Weasley
Tags Drarry
Visualizações 902
Palavras 5.884
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Magia, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Por: Anna Fugazzi
Tradução para o português: Calíope Amphora

Capítulo 11 - Capitulo 11 - Dia quase perfeito... Potter mamãe?


Dia 24, Quinta, continuação

"Nós deveríamos levantar", disse Malfoy preguiçosamente bastante tempo depois.

Harry refletiu.

"É, provavelmente".

Eles escutaram a chuva por alguns momentos, e então Harry disse. "Eu não sabia que estava chovendo".

"Começou agora pouco".

"Ah".

Houve um longo silêncio.

"É normal ficar tão cansado assim depois de…", Harry finalmente perguntou.

"Sim, às vezes…", Malfoy bocejou.

"Parece que eu poderia dormir por uma semana".

"Isso provavelmente é o feitiço", Malfoy respondeu um tempo depois.

"Mm". Harry pensou um pouco. "Mas por quê? Não faz sentido…", ele bocejou. "O resto, dor quando outras pessoas te tocam, precisar tocar no outro… faz sentido para construir intimidade, mas ficar tão cansado assim depois… em que isso ajuda?"

"Quem sabe?", Malfoy perguntou, a voz sonolenta e despreocupada. "Além do mais, quem jogou a maldição em nós era um idiota, lembra?"

"É verdade".

Harry continuou deitado, ouvindo a chuva e a respiração de Malfoy. Percebeu que, desde que o elo começara, nunca tinha sentido o outro tão em paz quanto agora.

"Bem, eu não vou ficar deitado o dia inteiro", Harry disse, raciocinando que, se eles não saíssem da cama, ficariam lá até a manhã seguinte.

"O que você vai fazer, então?", Malfoy perguntou, sem muito interesse.

"Voar".

E Harry teve o prazer de ver os olhos de Malfoy se arregalarem de surpresa e rosto dele se iluminar com um sorriso genuíno.

ooooooo

"Eu senti falta disso", Malfoy disse enquanto eles aceleravam em direção ao lago, suas palavras quase perdidas no vento.

"Eu também", respondeu Harry, com um nó na garganta. Ele não tinha se permitido pensar em quanto sentira falta até levantar vôo.

"Ali­", Malfoy apontou, "Aquela clareira lá em cima tem uma vista ótima — aqui, me siga", ele fez a volta, e Harry o seguiu, sentindo que Malfoy se enchia de energia pelo prazer de estar no ar de novo, de estar livre.

Eles atingiram o ponto muito mais rápido do que esperavam, e o contornaram.

"Vamos para terra ou continuamos voando?", perguntou Harry.

Malfoy sorriu "Continuamos voando!". Harry se apressou para acompanhá-lo quando ele acelerou.

'Ele é bom', Harry pensou enquanto os dois corriam juntos. Ele voava sem fazer esforço, como se fosse parte do próprio vento — e, através do elo, Harry percebeu que era assim mesmo que Malfoy se sentia. Como se, em cima de uma vassoura, estivesse livre de tudo exceto do vento que batia contra ele.

Liberdade, isso era voar. Eles teriam que vir mais vezes.

"Potter!" Malfoy gritou por entre o vento.

"O quê?"

"Eu vou fazer algumas manobras. Não fique para trás!", Malfoy disse, começando a virar enquanto falava. Harry sorriu e foi atrás, fazendo automaticamente alguns exercícios padrões de Quadribol: mergulhos, giros, cambalhotas, desvios, fintas… tudo mais desafiador pelo fato de que eles tinham que ficar bem próximos um do outro. Era maravilhoso, se exercitar novamente, e com um parceiro à sua altura. Malfoy mantinha o mesmo nível que ele em cada movimento acrobático, e eles estavam se tornando cada vez mais competitivos. Mas era de um jeito saudável — mais 'Olhe o que eu posso fazer' do que 'Olhe como eu sou muito melhor do que você'.

"Malfoy!" Harry gritou depois de um giro.

"O quê?"

"Jogo de apanhadores? Melhor de cinco?"

Malfoy não se deu o trabalho de responder: virou-se imediatamente na direção da escola e foi para o depósito de equipamentos de Quadribol. Harry logo atrás, pairando no ar enquanto Malfoy se lançou para dentro do depósito, pegou a caixa de Quadribol e soltou o Pomo, voltando para a vassoura imediatamente.

Eles esperaram dez segundos, dando ao Pomo uma margem de distância, e então voaram para agarrá-lo.

'Regozijante, essa é a palavra', pensou Harry. Habilidade contra habilidade, nada de Balaços, Goles, Batedores, Artilheiros ou Goleiros. Nada além de dois apanhadores testando sua rapidez e suas manobras um contra o outro, atrás do Pomo de Ouro. E lá estava ele, dançando no ar um pouco à frente de Malfoy. Harry mergulhou na direção do pomo enquanto Malfoy acelerava, e quase o derrubou da vassoura. A exclamação de indignação do sonserino ficou perdida no vento, e ele o empurrou para trás. Harry deslizou para baixo, perdendo altitude e tentando desesperadamente ficar em cima da vassoura.

"Droga!" Harry aumentou sua velocidade, tentando alcançar Malfoy, que tinha acelerado muito, rápido o suficiente para superar o Pomo. Ele quase caiu da vassoura quando o alcançou.

O grito de triunfo de Malfoy ecoou pelo ar quando seus dedos se fecharam ao redor do Pomo. Harry ignorou sua própria decepção e fez um movimento curto de cabeça para que Malfoy o soltasse de novo.

E o Pomo estava livre novamente, o céu estava incrivelmente azul e o vento, fresco e puro. E nada mais existia no mundo além de dois apanhadores e um Pomo de Ouro.

ooooooo

"Por deus, eu queria ainda poder jogar", Harry comentou quando finalmente pousaram, ambos exaustos, suados e sem fôlego.

"Eu também", disse Malfoy baixinho, olhando para água.

"É tão bom, não é?"

"Sim".

Harry sentou e olhou para Malfoy, notando que seu humor, que melhorara bastante depois que ele tinha vencido o jogo entre eles, havia desanimado consideravelmente no caminho de volta para o lago.

"O que foi?"

Malfoy balançou a cabeça e sentou ao lado de Harry.

"O que foi?"

"Nada. Eu só queria poder jogar de novo".

"É".

Houve um silêncio, finalmente quebrado por Malfoy. "Eu queria… eu queria que um monte de coisas voltasse a ser como antes".

Harry concordou com a cabeça, olhando para o lago, a sensação de êxtase por voar diminuindo aos poucos.

"Nós deveríamos ter trazido comida", ele percebeu.

"Da próxima vez", Malfoy disse. "Então, vamos voltar?"

"Não, obrigado. Vou ficar por aqui, estou exausto", Harry se deitou de costas, apoiado nos cotovelos, ainda olhando para o lago.

"E o que vamos fazer?"

"O que acha da lista?"

Malfoy começou a reclamar, mas deu de ombros e concordou. "Tudo bem. Você lembra de cabeça de algum dos itens?"

"Er… um era Quadribol­"

"Não, obrigado", disse Malfoy de modo seco, e Harry sentiu que o assunto era um pouco demais para ele.

"Er… acho que um era para nós conversarmos sobre o que pensávamos a respeito de casamento antes do feitiço".

"Sim, tudo bem".

"Então?"

"Então o quê?"

"Você pensava sobre casamento antes?"

"Não, você primeiro", disse Malfoy, deitando de costas e apoiando-se nos cotovelos também.

Harry arrancou um pequeno trevo do chão, pensando. "Não sei. Acho que não pensava nisso, para falar a verdade. Nem sabia se ia viver até me tornar adulto. E ainda não sei".

"Você nunca pensou a respeito?"

"Acho que sim, alguma vez. Acho… acho que eu queria o que os meus pais tinham. Bem, o que me disseram que eles tinham. Você sabe, isso sobre o que você zoa, noções românticas trouxas. Alguém para amar e confiar. Alguém com quem ter filhos. De quem ser amigo".

"Mas você nunca viu nada disso. Você não conheceu seus pais".

"Meus tios pareciam ter um bom casamento. Eles me odiavam, mas pareciam felizes um com o outro, só deus sabe porque".

"Eles te odiavam? Por quê?"

"Meus tios… não importa. Esse é um assunto diferente. Mas eles pareciam se dar bem. Acho que é o tipo de coisa que eu quero".

Malfoy concordou com a cabeça.

"E você? O que você pensava a respeito?"

Malfoy mordeu o lábio por um momento, pensando. "Não muita coisa. Acho… eu me perguntava como a família dela seria. O que minha família iria conquistar por se aliar com a dela. Como nossos filhos seriam. O que eles iriam ter da mãe que poderiam adicionar à linhagem dos Malfoy".

"Que romântico".

Ele deu de ombro. "É só uma aliança política; qualquer coisa além disso é lucro".

"Seus pais não se dão bem?"

Malfoy pareceu confuso pela pergunta. "Não, eles se dão bem. Eles são bem parecidos. É um bom casamento. Eu acho…", ele ficou quieto.

Houve uma longa pausa, durante a qual Harry assistiu a Malfoy refletir. "O que foi?", ele finalmente perguntou.

Malfoy se assustou um pouco, como se tivesse se esquecido que Harry estava lá.

"Sabe… isso que você quer, você ainda pode ter. Pode encontrar alguém para amar e todas essas besteiras, supondo que ache uma garota tapada o suficiente para gostar de você",

Harry notou que esse insulto não tinha a força atual, como se Malfoy estivesse apenas exercitando as ações hostis. "Você perdeu o direito de chamá-la de esposa. Mas, todo o resto, ainda pode ter". Ele sentou e atirou uma pedrinha no lago. "Eu, não. Não posso me casar com mais ninguém; Estou fora do mercado. Não haverá alianças na minha geração", disse ele amargamente.

"Isso é mesmo tão importante?"

Malfoy revirou os olhos. "Obviamente não para pessoas como você, seus pais ou os idiotas dos Weasleys. Mas, para as famílias tradicionais no mundo bruxo, sim, é muito importante". Ele jogou outra pedra no lago, arremessando-a com mais força do que antes.

Harry ficou de boca fechada, sem querer entrar numa discussão por causa das visões diferentes que eles tinham sobre casamento. "Eu sinto muito", ele disse, simplesmente.

Malfoy deu de ombros e arremessou outra pedra.

"Não faz nenhuma diferença o fato de ser um elo involuntário? Não dá para alguma família ainda querer, não sei, fazer outro tipo de 'aliança' com a sua, mesmo que não dê para chamá-la de casamento?"

"Um elo é um elo, só dá para ter um. Nenhuma boa família iria permitir que a filha se relacione com um homem que não pode sequer dar seu nome para ela".

"Isso não é justo".

"Não, não é nada justo, mas é assim que é. Aconteceu com os Verbindungs, uma família alemã muito tradicional, há uns vinte anos. O herdeiro deles era um idiota que acabou se ligando a uma bruxa irlandesa sem nome nenhum depois de uma bebedeira. Ele tinha dezoito anos. Quando ficou sóbrio, percebeu o que tinha feito, mas ela não quis dissolver o elo. E é assim que ele está até hoje. Ainda efetivamente solteiro, porque eles nem vivem juntos, não têm nada juntos. Mas, enquanto ela estiver viva e ser recusar a dissolver o elo, ele não pode se casar com mais ninguém. Você não faz idéia de quanta influência a família dele perdeu desde então".

"Que pena".

"Se quer saber, meu pai é bem mais esperto do que o sr.Verbindung, e pelo menos o que aconteceu comigo não foi causado por um vergonhoso incidente com bebida. Nós ainda estamos um pouco melhores do que eles. Mas, mesmo assim, não é nada bom".

"Eu imagino que não".

Malfoy observou o lago, arremessando pedras uma após a outra. Harry esperou pacientemente para que ele lidasse com sua frustração. Se perguntando, não pela primeira vez, se ele algum dia entenderia completamente o mundo bruxo. Mesmo depois de sete anos, ainda encontrava diferenças inesperadas, espaços em branco no seu conhecimento sobre os costumes e crenças dos bruxos. Todas as coisas que ele saberia se seus pais estivessem vivos para criá-lo dentro daquele mundo.

Bastante tempo depois, Malfoy finalmente parecia ter se acalmado. "Pelo menos a questão do herdeiro não será um problema", ele disse, resignado, jogando uma última pedra no lado. "Mas eu tenho certeza que você vai ficar impossível quando estiver esperando", ele murmurou.

"Esperando o quê?"

"Crianças".

"O quê?"

"Bem, alguém vai ter que tê-las, Potter", Malfoy disse, sem paciência.

"O quê?", Harry repetiu, sem entender.

"Como você acha que surgem os herdeiros?"

"Para esse tipo de coisa geralmente não é necessário uma mulher?"

"Está vendo alguma mulher aqui? Como é que você acha que casais de homens têm filhos?"

Harry encarou Malfoy, boquiaberto.

"O que foi?", Malfoy perguntou.

"Você está falando sério?", Harry sentou.

"Bem, como é que os trouxas fazem?"

"Eles adotam, ou conseguem uma mulher para carregar a­… você está falando sério?" Harry disse, finalmente saindo do choque.

"Os trouxas não têm gravidez masculina?"

"Não!"

"Meio sexista da parte deles, você não acha?"

"Malfoy, você está brincando, não está?"

"Eu não posso acreditar que você não tinha pensado nisso antes. Seria a primeira coisa com que eu me preocuparia se fosse o cônjuge com o menor status social. Afinal, é ele que tem que carregar a criança se o casamento for entre dois homens­"

"O quê?"

"Credo, Potter, você está ficando meio verde­", e finalmente ocorreu a Harry a idéia de sentir os sentimentos de Malfoy por trás daquelas palavras.

"Seu IDIOTA!", ele gritou, incrédulo, quando Malfoy finalmente começou a rir. "Seu completo IMBECIL!"

Malfoy se dissolveu em uma gargalhada, incapaz de responder.

"Eu não ACREDITO­"

"Não acredito… que você caiu", Malfoy conseguiu dizer entre as risadas. "Ah, Potter, o seu rosto… o que eu não daria pela câmera do Creevey­", Malfoy voltou a gargalhar. O olhar de censura de Harry começou a virar um sorriso tímido, e logo ele estava gargalhando também.

"Sim, tudo bem, eu caí direitinho", ele disse, levantando os braços. "Isso, vamos zoar do idiota que foi criado por trouxas. E eu juro que se contar isso para os seus amigos sonserinos eu faço tentáculos surgirem do seu nariz".

Malfoy concordou com a cabeça, o rosto ainda vermelho e incapaz de falar.

Harry sentou, esperando que o outro se acalmasse e refletindo como era raro ver Malfoy abandonar totalmente sua compostura. Se perguntou se Malfoy já tinha nascido com tantos muros levantados ou se seus pais — provavelmente, seu pai — tinha feito com que o garoto ficasse assim.

"Oh, deus", Malfoy passou a mão pelos olhos. "Não acredito que você caiu nessa", ele balançou a cabeça, ainda rindo.

"E como é que eu ia saber?"

"Poxa, Potter, homens dando à luz?"

"Se há sete anos você me dissesse que pessoas poderiam voar em vassouras, ficar invisíveis ou se transformarem em animais, eu iria te chamar de louco. O que é gravidez masculina comparada a isso?"

"Mas todas essas coisas são úteis, dá para ver por que as pessoas iriam querer algo assim. Mas gravidez masculina? Quem iria querer isso?"

"Se é assim… quem que teria vontade de criar Explosivins, também? E nós dois sabemos que é possível".

"Tem razão".

"Então como é que a paternidade funciona? Eu imagino que você ainda vá ter um herdeiro, certo?"

Malfoy deu de ombros. "Eu provavelmente vou ter filhos com alguma mulher e nomeá-los meus herdeiros, mas eles serão bastardos. Ficarão marcados. E ela também não será de uma boa família".

"Por que não?"

"Nenhuma boa família iria permitir que sua filha tivesse um filho com um homem que não é ligado a ela".

"Isso faria diferença?"

"Em quê?"

"Faria você amar menos seus filhos, o fato de eles não terem o 'pedigree' apropriado?"

"Não sei sobre amá-los menos, mas com certeza os valorizaria menos. Assim como o resto do mundo".

"Você está brincando".

"Não faça perguntas se você não quer ouvir as respostas, Potter", Malfoy disse, e Harry decidiu que era uma boa idéia mudar de assunto.

Eles olharam para o lago por mais alguns minutos, e então Harry olhou para o relógio. "Nós temos que voltar".

Malfoy começou a concordar com a cabeça, mas então olhou para a escola. Harry seguiu seu olhar. Dois grandes grupos de estudantes estavam saindo, um na direção da cabana de Hagrid e outro para o campo de Quadribol.

"Eu não estou com muita vontade de ver ninguém agora, e você?" Malfoy perguntou.

"Não". Harry voltou a deitar apoiado nos cotovelos, virando o rosto para o sol e fechando os olhos. "Não está ruim aqui fora", ele comentou. "Mas eu deveria ter vestido algo mais leve".

"Por quê?"

"Fiquei com calor por causa do exercício, mas o vento está frio demais para ficar só de camiseta. Mas, pensando bem…", ele sentou e tirou o agasalho. "… que se dane o vento".

Ele dobrou o agasalho e o colocou debaixo da cabeça, servindo de travesseiro. Fechou os olhos de novo. "Nem está tão frio".

Houve um longo silêncio, e então Harry sentiu um pouco de desconforto. Abriu os olhos para ver Malfoy observando o lago de um jeito determinado, o rosto meio avermelhado.

"O que foi?"

Malfoy emitiu um 'tsk' de aborrecimento, sem olhar para Harry.

"O que foi?", Harry sentou.

"Oh, por favor, Potter, você não tem a menor noção", Malfoy disse, impaciente.

"Oh". de repente Harry percebeu as emoções de Malfoy e limpou a garganta, se perguntando se colocar o agasalho de novo seria apropriado ou apenas idiota.

"Não se incomode", Malfoy o repreendeu, virando de lado. "Você não é tão irresistível". Ele começou a levantar, e Harry ergueu a mão para pará-lo antes que percebesse o que fazia.

"O que foi?"

"Temos que nos conhecermos melhor, não é?", ele disse. "Nós temos que trabalhar para que eu não fique assustado pelos seus sentimentos", ele hesitou. "Ou pelos meus".

Malfoy estava apenas olhando para ele. Harry respirou fundo e se aproximou um pouco, se lembrando que nada ruim tinha acontecido naquela manhã. E que tinha sido bem prazeroso, na verdade. Meio devastador também, como acontecera na sala de estar de Dumbledore, mas, acima de tudo, bom.

Ele procurou sentir os sentimentos de Malfoy, percebeu excitação e — "Por que você está nervoso?"

"Não estou nervoso", disse Malfoy rapidamente. "Só… eu… eu não sei o que você vai fazer". Ele fechou os olhos assim que falou, envergonhado. "Quer dizer, não… não é que… é que eu fico esperando que você entre em pânico ou algo assim".

"Eu já entrei em pânico?"

"Não, mas­"

"Então não espere que eu entre", Harry disse, um pouco divertido pela apreensão de Malfoy. Engraçado como Malfoy era irritante, mas ficava no controle quando Harry tentava evitá-lo. Entretanto, se fosse Harry quem fizesse qualquer avanço, Malfoy se tornava desconfortável. O grifinório sorriu e se inclinou para perto, passando a mão no braço do sonserino, entrelaçando os dedos dos dois. Malfoy prendeu a respiração e mirou Harry nos olhos.

"Er, Potter… esse lugar não é exatamente privado­"

Mas Harry já tinha decidido que não se importava. Ele se inclinou e beijou Malfoy, que emitiu um som de surpresa antes de corresponder e acariciar a bochecha de Harry com uma mão, o puxando para mais perto com a outra.

Oh, não tinha por que temer isso no final das contas, pensou Harry enquanto o beijo aprofundava e ele começou a mergulhar naquele estado em que não existia mais nada além dos lábios e mãos acariciando um ao outro. Na verdade, ficar daquele jeito com Malfoy era muito mais legal do que fazer qualquer outra coisa com ele. Enquanto eles estavam assim, não tinham que se preocupar com mais nada — famílias, personalidades, escola, qualquer coisa. Tudo desaparecia em meio à excitação e ao prazer físico.

Oh, sim, Harry pensou quando empurrou Malfoy para deitar de costas, tocando seu pescoço com o nariz e sorrindo pelo jeito que as mãos de Malfoy apertaram seu ombro. Longe de ser a pior parte do elo, aquilo estava se tornando a melhor. Malfoy estava certo, no final das contas. Gostar e amar não tinham nada a ver com sexo.

Harry soltou um suspiro quando as mãos de Malfoy mostraram mais urgência, o trazendo para perto, correndo os dedos por seus cabelos, movendo seu rosto firmemente para o lado para que Malfoy pudesse traçar uma linha de beijos pelo seu pescoço até a orelha e… oh, como é que ele tinha vivido sem isso por tanto tempo…

"Potter", Malfoy murmurou alguns minutos depois, quando Harry começou hesitantemente a puxar sua blusa para fora da calça, "Potter, espera", ele sussurrou, segurando as mãos de Harry.

"O que foi?" perguntou Harry, impaciente.

"O que você está fazendo?"

Harry vacilou. "Como assim?"

"O que é isso?"

"Eu acredito que chamam de amasso", disse Harry, um pouco aborrecido. Malfoy rodou os olhos, e Harry refletiu que a irritação em seu rosto seria bem desanimadora se não fosse balanceada pela respiração entrecortada, o rosto avermelhado e os lábios inchados.

"Eu quis dizer, por que nós estamos fazendo isso aqui, agora, onde qualquer um pode nos ver? Por que não no nosso quarto?"

"Acho que ninguém vai olhar para cá", disse ele, voltando para o pescoço de Malfoy. "E mesmo se alguém olhar", adicionou entre os beijos, "nós estamos muito longe para que consigam nos reconhecer­"

"Mesmo?", Malfoy estremeceu um pouco quando a boca de Harry alcançou um ponto particularmente sensível, mas ele continuou, meio ofegante. "Mesmo sem a ajuda de feitiços, dois alunos homens se agarrando — oh — er, se agarrando em plena luz do dia enquanto todo mundo está na aula… você não acha que qualquer um poderia adivinhar que somos nós?"

"E por que isso importa?", Harry enterrou o rosto nos cabelos de Malfoy, sentindo as mãos do outro acariciarem suas costas.

"Por que nós estamos aqui, Potter? Por que não no nosso quarto?"

Harry deu um suspiro pesado e se apoiou nos cotovelos, olhando para Malfoy. "Por que a pergunta?"

"Porque eu estaria muito mais confortável lá. Não quero Colin Creevey e sua maldita câmera nos fotografando à distância".

Harry soltou a respiração pela boca, frustrado. "Colin Creevey não está aqui por perto. Mas, se você está tão nervoso, por que não vamos para lá…", ele apontou para uma pequena elevação no chão, "…fora do campo de visão do castelo".

"E por que nós não vamos para lá…", Malfoy acenou na direção do castelo, "…onde eu não vou ter uma raiz enorme raspando nas minhas costas cada vez que você — oh, er," o loiro se distraiu quando Harry começou a mordiscar sua orelha. "Não, pare", ele se afastou com determinação, limpando a garganta. "Potter, isso é desconfortável".

"Certo, então", Harry o segurou pelos ombros e rolou, deitando de costas e trazendo Malfoy com ele. Riu pelo grito de susto do outro. "Melhor assim?", ele encarou Malfoy, repentinamente se sentindo desorientado e um pouco constrangido — Malfoy estava por cima, e ele estava deitado de costas, vulnerável, preso pelo peso do tórax do outro. Não era a mesma coisa. Malfoy se afastou, uma expressão de curiosidade no rosto.

"O que foi?"

Harry balançou a cabeça, tentando banir o desconforto. "Nada", ele trouxe Malfoy para perto de novo, e Malfoy respondeu com empolgação durante alguns beijos, mas então rolou para o lado, apoiando-se nos cotovelos.

"Potter. Pare. Você não está aproveitando. Você está ficando tenso, na verdade. E ainda não me respondeu por que nós temos que fazer isso aqui ao invés de­", Malfoy se interrompeu, inclinando a cabeça em curiosidade. "Espera, por que toda a vez que eu menciono o nosso quarto você fica tenso?"

Harry o encarou, considerando a idéia de tentar distraí-lo outra vez. Mas desistiu e se sentou.

"Eu não sei".

Malfoy também sentou, secando a boca e correndo a mão pelo cabelo. Harry abraçou os joelhos, abaixando a cabeça e desejando ter menos sentimentos para entender, porque a já familiar combinação de excitação, impaciência, frustração, medo e vergonha estava ficando cansativa.

"Potter?"

"Eu não sei, está bem?", Harry disse e fechou os olhos.

Malfoy fez um som de desgosto, e Harry percebeu que ele se inclinou para trás. Houve um longo silêncio, até que ele sentiu a mão do loiro em seu braço. Harry foi tomado por uma sensação tranqüilizante, desanuviando suas emoções negativas e as substituindo por uma perspectiva mais clara e calma.

"Se nós estivéssemos no nosso quarto, não haveria nada que nos impedisse de ir longe demais", Harry finalmente disse.

"O quê?"

"Eu… não… quer dizer, isso é bom, mas­", as palavras de Harry começaram a falhar e ele balançou a cabeça em desânimo, sem saber como poderia expressar algo que não estava claro nem na sua própria mente, mesmo ele estando mais calmo.

"Você não quer ir mais longe do que nós fomos essa manhã?", Malfoy disse devagar.

"Não".

"Então por que diabos você simplesmente não me disse isso?"

Harry arqueou os ombros pelo incômodo. "Eu não sei, está bem? Eu não posso… Eu não…"

Malfoy cobriu os olhos com as mãos, respirando fundo algumas vezes. Harry podia perceber claramente que o outro estava exercitanto todo seu auto­ controle para não gritar com ele em frustração.

Finalmente, Malfoy levantou o rosto e encarou Harry.

"Potter. Longe de mim querer te pressionar de qualquer maneira", ele começou em um tom de voz razoavelmente controlado, "mas só quero frisar que, se você não se acertar minimamente consigo mesmo, as coisas vão ficar meio complicadas entre nós". Ele levantou, e Harry tentou lembrar quem o tom cuidadosamente educado de Malfoy lhe lembrava.

"É só uma sugestão. Se você concordar, acho que talvez seja mais prudente se agora nós usarmos nosso tempo livre para nos afastarmos um do outro e praticarmos aqueles exercícios não-verbais para a prova de Feitiços da semana que vem. Porque eu não quero te causar mais desconforto ao te forçar a lidar com assuntos que a maioria das pessoas superou quando tinha 12 ou 13 anos".

Harry estremeceu um pouco quando finalmente identificou com que Malfoy estava parecendo: Lucius Malfoy, com sua educação fria e desdenhosa. Perguntou-se se Malfoy havia escolhido conscientemente imitar o pai ou se havia sido algo natural. E decidiu que não queria descobrir, porque não sabia qual idéia lhe perturbava mais.

Suspirou enquanto observou Malfoy se afastar e começar a procurar no chão objetos para a prática de feitiços, desconfortavelmente consciente que Malfoy estava sendo muito mais adulto e racional do que ele. Já tinha passado da hora de Harry "se acertar" e esclarecer para Malfoy — e para si mesmo — o que passava em sua cabeça. Porque a maneira como ele estava agindo até agora não era justa com nenhum dos dois.

Suspirou de novo. Auto-avaliação. Não era uma prática que ele apreciava. Talvez devesse pensar sobre aquilo mais tarde.

Enquanto isso, ele podia, como Malfoy havia sugerido, aproveitar para praticar para a prova de Feitiços. Convenientemente, o exercício consistia em três jogos de treze feitiços para serem usados em vários objetos comuns: plantas, pedras, terra, insetos e, se eles conseguissem, pequenos animais. Certo. Ele começou a procurar os objetos para o primeiro jogo. Quatro pedras, quatro plantas, quatro insetos, uma lacuna na espera de que algum passarinho ou roedor infeliz aparecesse por perto.

Por vontade própria, a mente de Harry vagou de volta para a noite anterior, no escritório de Dumbledore. Ele tentou firmemente pensar só na tarefa que realizava até perceber que a preparação dos jogos para a prática não exigia concentração total. Talvez lhe fizesse bem ver que pensamentos emergiriam em sua cabeça por vontade própria.

Ele ficara tão assustado na noite anterior, pensou enquanto organizava as quatro pedras em linha no chão. Tão teimosamente resistente à idéia de se aproximar de Malfoy, tão sentido pelo fato de que ele teria que se aproximar do outro eventualmente, fosse por escolha própria ou forçado por alguma poção ou feitiço. E então, de alguma maneira, todo seu medo e resistência tinham sido sobrepostos pelo momento, pela excitação de estar tão perto de Malfoy fazendo o que ele queria há tanto tempo. Na verdade, ele se lembrava vagamente de até ter se perguntado em algum momento por que estava evitando aquilo. E talvez agora fosse uma boa hora para se perguntar de novo.

Então, do que ele tinha medo? Por que ele não queria ir mais longe? Qual exatamente era o problema?

Bem, ele pensou enquanto alinhava o segundo jogo de objetos, no começo do elo ele tinha ficado extremamente nervoso com o pensamento de Malfoy obrigá-lo a fazer algo que ele não quisesse. Malfoy era um típico valentão de colégio¹. Eles se odiavam. Malfoy tinha uma atitude casual a respeito de sexo e havia se resignado a aceitar o elo dos dois como um casamento. No começo, Harry ficara aterrorizado com a idéia de Malfoy simplesmente exigir o que o elo prometia, com ou sem o seu consentimento, só porque ele podia.

Mas não foi isso que aconteceu. Em nenhum momento desde que o elo começou Malfoy tinha feito algo que Harry não quisesse. Como nas três vezes em que eles tinha se envolvido fisicamente: ontem, naquela manhã e há alguns minutos. Todas iniciadas por Harry. Porque, ao contrário do que ele esperava do sonserino, Malfoy havia feito uma promessa e a mantinha, sem pressioná-lo nenhuma vez. Fosse resultado da poção de paciência, da capacidade do elo de fazer Malfoy sentir o que Harry estava sentindo ou simplesmente um lado de Malfoy que Harry não conhecia, ele não o havia pressionado nenhuma vez.

Na verdade, Harry percebeu quando terminava o segundo jogo, ele não tinha mais medo daquilo.

Começou o terceiro jogo.

Ansiedade pelo seu desempenho definitivamente era um problema desde o começo, ele percebeu. Sentira-se nervoso com a idéia de fazer qualquer coisa com Malfoy por causa do desprezo declarado pela inexperiência de Harry e pelo seu longo e glorioso histórico em tirar sarro de tudo o que ele fazia. O grifinório tinha certeza de que Malfoy ficaria completamente blasé em relação a tudo que eles fizessem e riria de Harry o tempo todo, o fazendo sentir idiota e infantil.

E, novamente, estava errado. Malfoy, mesmo com toda sua experiência, havia se mostrado hesitante, quase tímido, toda vez que eles faziam algo remotamente íntimo. Tanto na noite anterior quanto naquela manhã, Harry havia sentido através do elo como Malfoy estava praticamente fora de controle de tanta excitação. Se isso era decorrente das habilidades do grifinório ou da mágica do elo, não importava. Malfoy não estava blasé e nem reclamava, nem mesmo mentalmente, pela inexperiência de Harry. Na verdade, o próprio sonserino parecia um pouco chocado em como suas reações o tinham devastado completamente.

E também tinha o que Malfoy fizera com ele, como ele beijara e tocara Harry de maneira enlouquecedora, e o quanto Harry queria mais, mais perto, mais forte… não fora algo casual para nenhum dos dois. Tinha sido incrivelmente bom, e o grifinório tinha que manter isso em mente. Oh, céus. Harry limpou a garganta e também tentou limpar sua mente para se livrar da inconveniente excitação que aquela lembrança havia causado.

'Concentre-se no trabalho', disse a si mesmo firmemente. Já tinha separado todos os objetos para o terceiro jogo, mas precisava organizá-los.

Então, se medo pela pressão e pelo desempenho não eram mais problemas, o que podia ser? Havia, é claro, o probleminha pelo fato de que não era assim que ele queria perder sua virgindade. Afinal, a primeira vez de uma pessoa deveria ser prazerosa e com alguém que realmente se importasse.

Embora… pensando bem, isso não seria um problema se ele estivesse com qualquer outra pessoa que não Malfoy. Não era como se Harry quisesse perder a virgindade com o amor da sua vida. Suas fantasias eram basicamente as mesmas de qualquer adolescente. Algumas vezes, ele estava apaixonado pela garota, e ela por ele. Em outras, eles tinham acabado de se conhecer — o que as revistas 'Bruxinha Safada' de Seamus chamavam de fantasias com "a bela forasteira na Floreios e Borrões". Outras vezes, ela era uma amiga ou conhecida — por exemplo, Parvati Patil ou Susan Bones — que, por algum milagre inesperado, acabava sendo mais.

Era hora de encarar a realidade. Ele não iria realizar nenhuma das fantasias românticas. E nem a do Floreios e Borrões. E, quanto a uma amiga que se tornava amante… bem, substitua a palavra "amiga" por "inimigo" e era isso que aconteceria. Era melhor aceitar e se conformar ao invés de tentar fingir que não havia esperanças de que acontecesse algo diferente esse tempo todo.

Harry encarou inexpressivamente os seus três jogos de objeto.

Quanto ao probleminha de Malfoy ser um garoto… ele lera o livro que Pomfrey dera a eles nos primeiros dias do elo, fazendo caretas de nojo ao ver o material mais gráfico, certo de que nunca iria querer fazer nada do que estava descrito lá. Agora… ele estava começando a ficar interessado. Mas e se ele se empolgasse e aceitasse, e então se machucasse?

E, se fosse o contrário, se Malfoy por algum milagre consentisse a deixar Harry… — e se ele machucasse Malfoy? Deixando de lado como ele se sentiria péssimo por isso, como é que ele podia acreditar que Malfoy não iria azará-lo cruelmente em vingança?

Ele respirou fundo, se obrigando a conferir os três jogos de objetos e a pensar nos feitiços que tinha que lançar. Não que ele pudesse se concentrar o suficiente para lançar qualquer um deles agora.

Eles teriam que se acertar de algum jeito. O livro trazia várias sugestões do que fazer para deixar as coisas mais fáceis, e Harry considerou que deveria dar uma olhada nele de novo, e dessa vez realmente ler e não só passar o olho em desgosto.

O que levava a sua última objeção, ele pensou enquanto olhava para Malfoy. O que ele dissera para Ron, que estava com medo de se apegar. Que valia agora mais do que nunca. O fato era que eles tinham passado do ódio mortal à aceitação conformada a… Harry não tinham nem uma palavra para definir o que sentia por Malfoy agora, mas era tão diferente de ódio que o deixava nervoso. Não ficaria milhões de vezes pior depois que eles fizessem sexo? Não havia como resolver isso. A única coisa que ele poderia fazer a respeito era ignorar completamente. Viver em uma bolha onde os dois fingiam que Voldemort e Lucius Malfoy e tudo o que eles representavam simplesmente não existia. Porque, como Ron tinha dito, não havia razão para se preocupar com aquilo naquele momento.

A única coisa em que ele precisava se concentrar era em não deixar suas próprias inseguranças e medos boicotarem os "progressos" no maldito elo. Esposito estava certa; aquilo era sério, e ele não tinha o direito de agir como uma criança imatura e causar a ele e a Malfoy mais problemas do que já tinham.

Harry limpou a garganta, e Malfoy desviou o rosto do terceiro jogo de objetos que ele encantava.

"Os feitiços estão indo bem?", Harry perguntou.

"Estou acabando o terceiro jogo", Malfoy disse distraidamente, repetindo um feitiço que não tinha ido bem e balançando a cabeça de satisfação quando o pedregulho para o qual ele apontava passou de amarelo neon para um verde brilhante. "Você se acertou?"

Harry respirou fundo. "Um pouco, sim".

"E?"

Harry limpou a garganta. "Eu não quero voltar para o nosso quarto. Estou tranqüilo com o que a gente fez até agora, mas, se nós formos para lá, eu vou querer levar as coisas mais longe e não acho que estou pronto. E… eu pensei no motivo disso e vou tentar lidar com ele. E…", ele limpou a garganta de novo, preparando-se para a pior parte. "E me desculpe".

Malfoy levantou as sobrancelhas, mas apenas concordou com a cabeça. "Certo, então. Desculpas aceitas".

"Então… por que a gente não fica aqui mais um pouco. Eu preciso praticar meus feitiços".

"É quase hora do almoço".

Harry estava quase sugerindo que eles fossem ao Grande Salão para almoçar, mas teve uma idéia melhor. Os adultos não disseram que eles deveriam se isolar completamente, mas não podia negar que estar perto de qualquer pessoa, amigo ou não, ao lado de Malfoy era estressante. "Por que a gente não pega comida com os elfos e volta para cá?"

"Um piquenique?", Malfoy perguntou. "Que curioso".

Harry deu de ombros. "Está um dia bonito. A gente também pode trazer alguns livros e a lista".

"Sim, tudo bem".

ooooooo



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...