1. Spirit Fanfics >
  2. Borboletas Mentecaptas >
  3. Capítulo único.

História Borboletas Mentecaptas - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction Borboletas Mentecaptas - Capítulo 1 - Capítulo único.

Jeongguk tragava o cigarro lentamente em seus lábios, sentia o tabaco adentrando em seus pulmões e saíndo logo em seguida em forma de fumaça, os dedos estavam manchados de cinzas e as unhas pintadas de preto. Ofereceu o restante para Jimin que aspirou levemente e deu tosses seguida de risadas de ambos os garotos.

— E, aí , o que achou de fumar ? — Jeon interrogou enquanto levava o tabaco para sua boca novamente.

— É legalzinho, mas eu prefiro Soju. — Park bufou e voltou a admirar a vista da varanda de sua casa, deu mais um beberico na garrafa de Soju.

Os pais de Jimin haviam saído e só retornariam daqui um dia, o que significava que os rapazes teriam o dia inteiro para fazer coisas que seus pais sofreriam de um infarto fulminante somente de ver. Fizeram uma simples e simbólica lista:

- Fumar e beber;

- Pintar o cabelo;

- Fugir de casa;

- Roubar algo do mercado;

- Fazer uma tatuagem.

A primeira completaram com êxito e estavam como diz o ditado sem sentido: "bêbados como um gambá". A segunda estava no caminho para ser realizada, colocaram um descolorante barato qualquer no cabelo esperando fazer algum efeito afim de pôr azul de metileno nas madeixas. Nem ao menos sabiam conseguiria realizar tudo somente em um dia porém não custava nada tentar, afinal  a claridade da manhã havia acabado de aparecer.

— Minha cabeça tá' queimando, será que é pra' tirar ? — Park coçou sua cabeça coberta por uma sacola. — Você ao menos leu as instruções ?

— E precisava ler? A gente só ia perder o nosso tempo precioso.

— Eu vou tirar esse negócio, não estou afim de perder meu couro cabeludo. — Suplicou encarando-o com os olhos cerrados e retirando o saco de seus cabelos.

Os garotos seguiram quase cambaleando para o banheiro com breves xingamentos de Jimin, que enfiava sua cabeça debaixo do chuveiro seguido de Jungkook. Não havia ficado loiro, estava um laranja claro mas era o suficiente para pintar e pegar alguma cor.

— Eu vou deixar assim mesmo, não quero pintar, vai demorar muito. — Jimin deu um muxoxo e seguiu para a varanda deixando o outro sozinho no banheiro.

— Que seja.

Misturou o azul de metileno com um pouco de condicionador em um pote e depositou nas madeixas, em seguida colocou a mesma sacola na cabeça. Moveu-se em procura de Jimin que a esta altura estava em sua segunda garrafa de Soju, soluçando de tão bêbado e ainda era o começo do dia.

— A gente precisa arrumar as coisas pra' fugir de casa logo. — Jeongguk afirmou ao mesmo tempo que pegava uma mochila velha jogada no canto da casa.

— Pega os negócios aí.

Jeon simplesmente pegou qualquer objeto que achou útil para aquela fuga: 25 mil wons* que o mesmo achou escondido nas coisas de seu pai, chicletes sabor tutti-frutti, três garrafas de Soju, um carregador, duas carteiras de cigarro, um fone, os celulares dos dois, um lápis e claro, a lista. Fechou a mochila rapidamente e seguiu para o banheiro com esperanças que o seu cabelo havia ficado com um tom azulado.

Colocou a cabeça no chuveiro com água fria, em seguida olhou para o espelho com uma feição duvidosa. Dava para o gasto, as madeixas estavam em um azul mediano e falhado mas Jeon não importou-se, ficou mais punk daquele jeito. Deu de ombros e seguiu para a varanda.

Os meninos se entreolharam e fizeram um sinal de afirmação com a cabeça, seguiram para a porta em direção à saída com a mochila já nas costas. Enquanto isso o Park havia de aguentar as zoações contínuas que o outro fazia em seu cabelo alaranjado, chamando-o de "água de salsicha" e outras coisas pejorativas.

— Ok, tudo pronto né? — Jimin fitou por dentro da bolsa e Gguk o assentiu balançando a cabeça. — Então, vamos logo.

O de cabelos laranjas fechou a porta cuidadosamente e foram andando lentamente ouvindo os pássaros na vizinhança que felizmente estava deserta aquela hora, assim nenhum vizinho intrometido iria contar os planos dos garotos para os responsáveis.

Com dois itens da lista completos, o próximo seria: "Roubar algo do mercado". Decidiram ir até o mercado mais próximo que ficava quatro minutos de caminhada, com sorte não seriam pegos e ainda teriam um pouco de comida de graça. Caminhavam em conjunto enquanto entusiasmavam-se e mascavam chicletes sabor tutti-frutti.

— Vai ser muito foda. — Jeon exclamou enquanto chutava pedrinhas soltas no chão.

— Punks por pelo menos um dia. — Park deu mais uma risada e avistou o supermercado. — Alí, vamos entrar!

Adentraram no local com sorrisos de lado no rosto segurando-se para não terem uma crise de risos a qualquer momento. Jeongguk vestia um casaco grande ideal para furtar pequenos objetos, um pouco suspeito mas era o que havia disponível naquele momento.

Separaram-se um para cada área do supermercado, se entreolharam com um esforço enorme para não gargalhar. Jeon pegou um pacote de pockys, mountain dew e batatinhas. Estava tudo indo como esperado, Park saiu de lá com uma barra de chocolate e alguns doces porém quando o de cabelos azuis pôs o seu pé para fora foi impedido por uma voz grossa e assustadora.

— Posso saber o quê o rapazinho pretende fazer?

Arregalou os olhos e o segurança pegou em seu ombro com uma expressão raivosa na face, Jeon amaldiçoou-o de todos os nomes mais feios em sua mente porém de sua boca não saia uma única palavra sequer e foi levado para uma sala pequena e suja com algemas em suas mãos e com receio de ser preso.

— Moleque'. — O guarda quase gritou para si. — Tira a merda do casaco.

O garoto retirou o casaco com uma cara de assustado e repentinamente caiu guloseimas no chão, o guarda aumentou a sua entonação furiosa. Gguk tinha a singela impressão que a qualquer momento ele o esganaria somente com a visão, o homem anotou algo em um caderno e pegou os produtos no chão.

— S-senhor, me desculpa. — Gaguejava com dificuldade e nervosismo, já pensava na mil e uma possibilidades do que poderia acontecer se fosse preso.

— Escuta aqui, seu moleque' asqueroso! — O segurança gritou porém logo abaixou o tom de voz para a surpresa do assustado em sua frente. — Você não vai ser preso, porém está permanentemente proíbido de voltar para este recinto novamente, entendeu? Se eu ver você aqui algum dia, irá pagar atrás das grades.

— Sim, senhor. — Assentiu com um grande alívio em si, pegou seu casaco e apressou seus passos até à escapatória da sala.

Ao sair avistou o garoto de cabelos laranjas e casaco de couro preto nervoso  no lado de fora andando desengonçado em círculos e roendo as próprias unhas, deu uma leve risada do nervosismo do outro e pegou um chocolate escondido  no caixa quando o guarda virou-se para o lado. Passou até a saída sem olhar para trás, Gguk saiu rapidamente dando um susto em Park.

— Caralho, Kook! O quê aconteceu? — O garoto fazia uma expressão de espanto genuína enquanto sacodia o amigo. — Vamos sair logo!

— Quase me fodi mas vida que segue, temos que continuar essa merda. — Ambos correram daquele local enquanto pegavam barras de chocolate na bolsa.

Após mais um item completo com sucesso e quase ferrando vidas, o próximo item era "Fazer uma tatuagem." e para completar isto iriam pegar emprestado/roubar temporariamente o carro do pai de Jeon escondido, a sua moradia estava próxima daquele local. Deslocaram-se ligeiramente ainda com uma grande adrenalina em si devido ao furto de chocolates e pequenos doces, conversando sobre coisas bobas e irrelevantes e claro, zoando um ao outro. Após vagarem durante alguns minutos, avistaram a casa do mais novo.

— Eu vou entrar na garagem, vê se meu pai não aparece aí. — Murmurou Jungkook enquanto pegava o molho de chaves em seu bolso tentando ao máximo não fazer barulho.

Abriu lentamente o portão da garagem com nervosismo e deu passos lentos e arrastados até o carro, clicou no botão das chaves e as portas foram abertas.

— Entra, entra.

Jeon suando de nervosismo para não emitir nenhum mínimo som girou a chave na entrada e ágilmente ligou o automóvel, fechou o portão e sem pensar duas vezes retiraram-se da garagem com uma alegria descarada na faces cínicas.

Talvez o pai tenha percebido ou escutado algo mas somente saberão informações disso quando voltarem e se voltarem, por enquanto pensavam em divertir-se enquanto há tempo e completar a lista. O shopping parecia a melhor opção para se fazer a tatuagem, era perto e com a nova promoção de uma tatuagem simples por 13 mil wons seria possível conseguir pelo menos uma razoávelmente agradável.

O carro aumentou a velocidade e estavam na estrada, os cabelos dos garotos voavam e a sensação de liberdade extravasa no clima. Jeongguk acendeu um cigarro e pós-sê a dirigir perigosamente somente com uma mão, as unhas de Jimin pintadas de vermelho seguravam o Malboro, mesmo tossindo permanecia tragando apenas por sentir-se livre de tudo e que poderia fazer qualquer coisa e ao mesmo tempo dava pequenos goles em uma garrafa de Soju.

— Você fica tão lindo sorrindo. — Jeongguk lambeu os lábios com um cigarro no canto da boca e uma expressão boba no rosto.

— Isso é tão gay. — Deu uma olhadela no amigo que gargalhava. — Num sentido bom.

— Gay sempre há um sentido bom.

— Jungkook... — O de cabelos laranjas segurava o riso e bebeu o restante da garrafa de Soju para aumentar os ânimos.

A entrada do shopping já era visível após alguns minutos de estrada e estacionaram em uma parte qualquer da avenida, adentraram o recinto contemplando de lado para cada loja aleatória e procurando a que fazia tatuagens. Falavam besteiras o tempo todo de tão bêbados que estavam, as outras pessoas presentes os espiavam com uma cara julgadora mas os mesmos não ligavam afinal "punks" não ligam para julgamentos de estranhos.

Depois de alguns passos a loja de tatuagens e piercings estava logo à frente e sem pensar muito entraram, era mais escondido do que as outras lojas e tocava alguma música qualquer de rock, havia desenhos de tatuagens por toda a parede e alguns piercings à mostra na bancada.

— Olá, no que estão interessados ? — Uma mulher simpática perguntou para ambos.

— Tatuagens, aquelas simplinhas. — O mais novo falou notando os desenhos pendurados.

— Ok, entrem naquela sala. — Apontou para um quarto, a porta tinha um papel escrito "Não entre sem permissão."

O de cabelos laranjas adentrou na sala primeiro e admirou os desenhos na parede, o tatuador que ilustrava algo em um folha olhou-o após a virar sua cadeira para frente e interrogou:

— Então, o que vai querer?

Pensou, mas a sua mente afetada pelo consumo exarcebado de álcool não o deixava refletir direito e talvez arrependeria-se depois porém as recordações dos acontecimentos deste dia inesquecível sempre serão boas, não é ? Então ele simplesmente deu um foda-se para o bom senso de sóbrio e seguiu seus instintos de beberrão.

— Eu quero tatuar "J.J" no pulso. — Encarou seu próprio pulso ainda com dúvida do que viria a fazer.

— J.J? Como assim? — Jeon arqueou as sombrancelhas em direção ao amigo que o suplicou com um olhar irônico.

— Jimin e Jungkook.

O de cabelos laranjas deu um sorrisinho que impossilitava a visão de seus olhos de tão apertados que ficaram.

— Cara. — O outro garoto o olhou sério e depois riu. — Isso é tão gay, em todos os sentidos possíveis.

— E você, garoto? O quê vai querer ? — O tatuador perguntou.

— O mesmo que ele.

Jeon sentou-se na cadeira fitando Jimin enquanto o mesmo preparava-se para ser tatuado. Os dois são amigos desde a infância e então o único amigo do mais novo que sempre foi tímido, sentia-se patético por ter somente um amigo porém é como ditado clichê e sua mãe sempre diz: "É melhor ter um amigo fiel do que várias amizades falsas", contudo e todavia ele sentia algo diferente pelo amigo desde sempre e desde todas as primaveras desde que se olharam pela primeira vez.

Não sabia o que era direito o que sentia por Park, parecia que era anestesiado por morfina e mil borboletas bêbadas voavam no seu estômago, toda vez que o amigo sorria uma borboleta dessas morria de tanto amor. Anestesiado de paixão pelas madeixas recém-laranjas e pernas bambas pelo sorriso de orelha-a-orelha que tampava os olhos pequenos do mais velho. Ah, Jungkook sentia-se mais patético e meloso do que nunca por dentro.

Foi retirado de seus devaneios iludidos e apaixonantes por um gemido de dor de Jimin que recebia mini agulhadas no pulso, Jeon aproximou-se dele e segurou sua pequena mão que o retribuiu com um sorriso esforçado, em alguns minutos a tatuagem estava pronta e o plástico já havia sido colocado.

— Agora é sua vez, Kook. — Bagunçou os cabelos do mesmo com a outra mão. — Vê se é mais corajoso que eu.

Jimin não parava de encarar seu pulso recém-tatuado com olhos maravilhados, Gguk apoiou-se na cadeira e estendeu o pulso para frente, tentava não demonstrar dor diante ao amigo porém segurava a sua mão na dele tão forte que estava claro que morria de dor. A tatuagem finalizou-se depois de algum tempo e ambas tatuagens estavam prontas. Os olhos maravilhados encaravam os pulsos uns dos outros.

— Não acredito que fiz isso. — Falaram quase em uníssono.

Andaram até a recepção enquanto encaravam-se num momento feliz e um pouco constrangedor, Jeon retirou 25 mil wons da mochila e entregou para a moça em sua frente. Seguiram para a saída e não tiravam os olhares das tatuagens um segundo sequer, somente o futuro deixaria claro se irão se arrepender ou não.

— A gente fez isso mesmo? — O de cabelos azuis exclamou com um olhar arregalado e animado. — Tipo, não é uma alucinação?

— Acho que sim. — Em meio as risadas, o outro murmurou.

— Somos os caras mais punks de toda Busan.

— Com certeza.

Estava quase anoitecendo e a lista de afazeres malucos estava finalmente completa, então poderiam fazer o quiser o resto do dia. Voltar para casa decididamente não era uma opção, então somente saíram daquela shopping e partiram sem rumo nas estradas de Busan com o carro roubado/emprestado do patriarca do mais novo.

— Pra' onde a gente vai agora ? — Ajustando o retrovisor, Jungkook interrogou-o.

— Tem uma lagoa aqui perto, o que acha?

— Aquela que a gente sempre vai? — Suplicou entregando um pacote de Skittles para o garoto que assentiu a pergunta com a cabeça.

Os ânimos de ambos se acalmaram mais, o dia havia sido eletrizante e frenético. Os dois meninos já cansados agora decidiram fazer qualquer coisa enquanto acendiam mais um cigarro da segunda carteira em mãos.

A lagoa já era vista daquela distância e iam em direção da mesma sem falar nenhuma palavra, Jimin estava sonolento e quase dormia porém despertou-se alguns minutos depois ao ouvir o carro parar.

— Jimin! — Sacudiu o mais velho. — Chegamos, acorda!

— Tô' indo! Calma.

Saíram do carro e fecharam a porta, observaram ao seu redor e perceberam que o céu estava em um degradê de azul com laranja e poucas nuvens pairavam a vista. Andaram até uma pedra grande escorregadia que ficava em frente ao lago, a água não era das mais limpas e havia alguns peixes pulando de vez em quando.

Os sons de pássaros e água criava um ambiente confortante, visitavam este local específico desde que eram crianças e aquela pedra que agora estavam sentados foi ponto de muitas brincadeiras infantis dos garotos. Era totalmente coberto por plantas e flores, borboletas azuis e laranjas voavam á todo instante.

— Eu não me lembrava de aqui ser tão lindo.

— Nem eu. — Jimin concordou enquanto encostava sua mão na de Jeon.

Os dedos pintados de esmalte se entrelaçavam em harmonia, o rapaz de cabelos alaranjados posicionou sua cabeça no ombro do mais novo que sentiu seu coração acelerar e de novo as borboletas bêbadas no seu estômago começavam a voar desajeitadamente. Sua barriga revirava a cada olhar retribuído.

Park virou seu rosto ao lado do de Jeongguk, os narizes encostavam-se e a respiração de ambos estava pesada. Um selar breve de lábios foi formado, talvez fosse a bebida ou talvez o amor aflorado que deixou transparecer. Era um ósculo desajeitado que acabou com uma batida de dentes, Jeon exclamou um "Aí." Exibia uma expressão totalmente reta porém por dentro mil e um sentimentos de paixão nauseantes em seu estômago surgiam ao mesmo tempo.

— Esse foi o melhor dia da minha vida. — O mais velho murmurou quase que inaudível conjunto de uma cara felizarda.

— Um dia louco.

Jeongguk mostrava uma entonação de choque para Park que começou a rir, não entendia o motivo da risada mas às vezes não precisava de um motivo claro para rir somente da felicidade em si. Outro selar foi demonstrado em forma de um selinho tímido porém apaixonado, ambos sentiam-se as pessoas mais melosas do planeta Terra.

— Jeon, você promete me amar para sempre ? — O mais velho deu um muxoxo com os lábios e fitou o garoto ao seu lado.

— Sim. — Assentiu com uma cara boba em si.

— Isso é tão gay.

Gargalharam exageradamente e seguiram para mais um selar de lábios demorado, o sol já não estava presente e que a única fonte de iluminação era a lua, ambos olhavam gracejados para sua beleza. No final de tudo eram  dois metidos á punks radicais apaixonados numa pedra escorregadia de frente à um lago de limpeza duvidosa, que na verdade eram somente duas borboletas mentecaptas e desengonçadas.


Notas Finais


Então, chegou ao final! Muito obrigada a todos que chegaram até aqui e espero do fundo meu coração que tenham pelo menos gostado um pouquinho, qualquer erro ou crítica construtiva podem apontar nos comentários.

(Todos os personagens são maiores de idade na história.)

*25 mil wons = aproximadamente 100 reais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...