História Borboletas (Yoonmin) - Capítulo 78


Escrita por:


Notas do Autor


Oie gente, tudo bem? Pois é! Olha só quem está aqui de novo! Nem dá pra acreditar que tive a cara de pau de voltar depois de MESES desaparecida.

Me perdoem, como sempre. Prometo compensar vocês com um ótimo capítulo e novas fanfics... (é sério)

Boa leitura! ❤️

Capítulo 78 - Felizes para todo sempre


Fanfic / Fanfiction Borboletas (Yoonmin) - Capítulo 78 - Felizes para todo sempre

Aquele lustre nunca se tornou tão sem brilho no momento em que Yoongi entrou. É como se toda a luz do local estivesse agora sendo transmitida por ele, talvez fosse por causa daquele seu enorme sorriso ou então do terno na cor branca que parecia ter sido feito especialmente para ele. 

Por muito tempo estivesse sonhando com esse dia e agora ele havia finalmente chegado, os dias de turbulência tinham terminado e nossa família estava segura, posso dizer que estava no paraíso.

E Yoongi estava lindo, como sempre, não havia nada naquele salão que chamasse mais atenção do que o homem que vinha em minha direção, com suas bochechas coradas e olhos brilhantes. Com o maior sorriso que já tinha visto em seu rosto desde o dia em que nos conhecemos, e saber que ele estava tão feliz quanto eu era a melhor sensação de todas:

— Você está lindo! — Sussurramos ao mesmo tempo.

— Eu me sinto uma batata perto de você, meu amor. Por que não teve pena de mim, hein? — Franzi a testa, fingindo estar bravo — Estou transpirando nesse terno, fiquei umas 5 horas no salão e no final não deu pra chegar nem aos pés do meu noivo.

— Para de ser exagerado, Jimin! Você não tem ideia do quão desconfortável é essa calça pinicando a minha bun–

— Hoje estamos reunidos aqui para celebrar o amor, a união e a história de um casal que passou por muitas dificuldades para estarem juntos. Sei que cada convidado aqui presente viu de perto, pelo menos um pouco, a longa estrada que esses dois percorreram. Todos vocês, nesse dia, são a prova do amor e afeto dos noivos...

A medida em que as palavras eram ditas, meus olhos observavam os semblantes felizes, outras vezes emocionados dos padrinhos no altar. E ver cada um ali era como ter uma parte da nossa história sendo contada, voltas e reviravoltas, choros e sorrisos, gritos e comemorações. Senti que finalmente havia chegado no meu final feliz, mesmo que muitas coisas ainda estivessem muito confusas na minha cabeça.

— Park Jimin e Min Yoongi, vocês dois já foram muitas coisas um do outro, amigos, companheiros, namorados, noivos. Agora, com as palavras que vocês estão prestes a trocar, vocês passarão para a próxima fase. Pois, com estes votos, vocês estarão dizendo ao mundo: “este é meu esposo”. — parou de falar por um momento, pousando seus olhos em mim —  Park Jimin, é de livre e espontânea vontade que você aceita Min Yoongi como o seu legítimo esposo?

— Sim, eu aceito.

— Min Yoongi, é de livre e espontânea vontade que você aceita Park Jimin como o seu legítimo esposo?

— Sim! Eu aceito com todo meu coração. — Os seus olhos brilhavam e não pude deixar de sorrir.

— Assim sendo, por favor, dêem-se as mãos e preparem-se para dar e receber os votos de amor, que estão entre os maiores presentes da vida.

E assim fizemos, segurei as mãos do Min com toda força que pude, como se estivesse dizendo a ele que jamais deixaria elas escaparem novamente. Não iria cometer os mesmos erros jamais e estaria ali para protegê-lo de qualquer coisa que se opusesse a nossa união. Nos viramos para os convidados juntos e logo as portas se abriram, a daminha de honra entrou com as alianças, era realmente uma gracinha. Mas não foi isso que chamou a minha atenção: havia entre os convidados três pessoas que não pude reconhecer, e antes que eu pudesse raciocinar, elas logo se viraram.

— Ei, Jimin! — Yoongi chamou a minha atenção, apontando para a garotinha — As alianças.

— Ah... sim, as alianças, desculpe. — Sorri sem graça, pegando a caixinha e agradecendo a menina.


Terça-feira, às 21h56: 

4 dias antes do casamento

Esperei Yoongi adormecer, me levantei e juntei os restos de pizza do jantar. Desliguei a televisão e fui para a cozinha lavar a louça quando ouvi meu celular tocar, coloquei as coisas na pia e joguei as caixas no lixo, limpei minhas mãos que estavam cheias de óleo e gordura, sentei em uma cadeira qualquer e fui olhar o que era:

Desconhecido

Sou eu.

Você

Sim, eu sei. 

Não tem números desconhecidos 

aqui que não sejam você.

Desconhecido

Está tudo bem?

Você

Por aqui sim. 

E você? Onde andou se metendo?

Desconhecido

Está seguro aí?

Estão gostando da casa?

Você

Já faz três meses. 

Até agora não tivemos problema algum.

Recebeu meu convite?

Desconhecido

Recebi.

Você

Perfeito.

Vocês vão, não é?

São importantes para nós.

Desconhecido

Não posso entrar mascarado lá.

Você sabe disso.

Você

Você não precisa mais disso, F.

Está tudo ótimo agora. 

Estamos felizes!

Você também deveria viver normalmente.

Leu as notícias, certo? Tenho certeza que sim.

O Sr Min não pode mais nos perseguir.

Desconhecido

Podem existir outras ameaças.

Você

Piores do que ele? Impossível!

Desconhecido

Como está a Merrie?

Você

Ainda na clínica.

Precisa passar por um longo tratamento...

Toda aquela lavagem cerebral que fizeram nela

afetou bastante todo o sistema nervoso.

Mas não precisa se preocupar, ela só saí de lá com a nossa autorização.

Desconhecido

Ok.

Você precisa dormir.

Boa noite.

Você

Boa noite!

Quero ver vocês no nosso casamento.

Está confirmado, né?

[Visualizado às 22h05]

Suspirei, bloqueando a tela. Eu sabia que ficar insistindo não adiantaria nada, o misterioso F não era do tipo que mudava de idéia facilmente, mesmo se eu pedisse.

Estava tudo bem, mas isso era estranho. Fazia três meses que F não entrava em contato de nenhuma forma, ou mesmo nos encontrávamos. No meio desse sumiço todo o Sr Min foi localizado por um grupo de jovens que reconheceram seu rosto após vê-lo em um anúncio de procurado, ele foi preso. E já na prisão, ao ser questionado sobre estar envolvido com o sumiço de vários cidadões, faleceu antes mesmo de ir para o julgamento. Ninguém encontrou pistas sobre como isso aconteceu, apenas seu corpo e alguns sinais de resistência mas até então nada que levasse a polícia até o responsável. Foi realmente um choque para a cidade, principalmente para Yoongi que dias depois foi chamado à delegacia para prestar depoimento e então assinar alguns papéis no cartório, alegando ser seu filho, o que lhe concedeu o direito a herança.

De todos os meses que tivemos, talvez esses três últimos tenham sido os mais loucos. Não sei se foi pela plena ausência do F e seus agentes, por conta da morte do nosso maior inimigo ou porque Yoongi e eu estávamos finalmente se preparando para o nosso tão sonhado casamento.

(...)

Toda aquela formalidade, promessas, leitura e repetições havia finalmente terminado. Agora eu era oficialmente marido de Min Yoongi e não podia estar mais feliz, ou mais realizado. A melhor parte de toda a cerimônia havia finalmente chegado: o momento da festa, onde todos poderiam se divertir sem se preocupar com a manhã seguinte. 

Senti como se aquilo fosse muito além da comemoração do nosso casamento, era também uma festa para celebrar o início de uma nova página da nossa vida, com preocupações que não passassem de trocar fraldas e acordar no meio da noite para fazer o bebê parar de chorar:

— Agora você pode finalmente parar de chorar né, Jimin?! — Fui surpreendido por Peter, que sorria de orelha a orelha — Você estava bonitão, hein.

— Eu estava bonito ou o Yoongi estava fazendo com que eu parecesse menos...

— Aish! Como você é chato! — O Min logo se juntou a nós — Ah, olá Peter! Você está muito bem nesse terno, sabia?

— Você então, nem preciso dizer!

— Fico feliz de ter você como nosso padrinho. o Jimin não parava de falar o quanto você ficaria bem na roupa que escolhemos.

— Ele é um puxa-saco, isso sim.

— É o que?! — Indaguei.

— Eu concordo.

— Amor??

— Vou deixar vocês aproveitarem. — Peter fez sinal, se afastando — Vou beber alguma coisa.

Nesse momento, Yoongi abriu um sorrisinho e minhas sobrancelhas logo arquearam

— O que foi? Por acaso alguma coisa muito boa aconteceu para o senhor estar com esse sorriso, Min Yoongi?

— Muita coisa, eu diria. — Ele riu, acariciando o meu rosto — Agora finalmente casamos, não consigo nem acreditar!

— Nem eu! Acho que nunca estive tão feliz na minha vida, meu amor. É como realizar um sonho.

— Uhum. E eu tenho mais uma novidade!

— Ah, é? Qual?

— Aquela viagem que você queria fazer... — Ele se encheu de orgulho — Eu consegui arrumar pra essa semana!

— Céus! — Falei alto o suficiente para chamar atenção de todo mundo — Isso é sério?

— Sim, é sim. — Yoongi riu alto — Mas deixa pra comemorar depois, viu? Ainda precisamos procurar por um hotel, fazer as malas...

— Eu te amo, Mim Yoongi! — Depositei um beijo em sua testa, envolvendo-o em um abraço — Sei que é bem aleatório mas eu te amo muito. Você me faz a pessoa mais feliz do mundo! Tive sorte de encontrar um homem tão perfeito-lindo-maravilhoso-gostoso e—

— Ok, ok. Eu já entendi! — Ele riu nervoso — Eu também amo você, tá legal? Você é tudo que eu mais amo nesse mundo! Nós somos o melhor casal que já existiu, está me ouvindo?

— Parabéns aos noivos! — Um homem alto se aproximou com uma câmera nas mãos — Que tal uma foto perto da mesa do bolo antes de começarmos a verdadeira festa?

— Vamos, amor?

— Vamos sim! — Sorri simpático e segurei as mãos do Min, nos posicionando na frente da mesa. 


Quarta-feira, às 12h16: 

3 dias antes do casamento

Estava voltando para casa quando senti o meu celular vibrar. Segurava um pacote com alguns pães e rosquinhas que Yoongi havia pedido mais cedo, tinha acabado de sair da padaria. Esperei o farol abrir e fui para o outro lado, onde me acomodei num banco de praça para atender. Não me surpreenderia ver na tela a palavra "desconhecido" se F não tivesse sem fazer contato por cerca de três meses e depois sumir

— Olá, F! Sim, estamos bem e eu estou fora de casa porque fui comprar pão. Mais alguma coisa?

Não é o F! Sou eu, Jimin. — Reconheci a voz feminina, era a agente.

— Ah, nossa! Eu quase não me lembrava da sua voz. Como estão as coisas por aí?

O mesmo de sempre, eu diria. Já almoçou?

— Na verdade eu acordei um pouco tarde hoje então vou tomar café da manhã ainda. Por quê?

Vamos nos encontrar, preciso conversar com você sobre algumas coisas.

— Bom, tudo bem. Yoongi deve ter ido dormir de novo então não vai reclamar caso eu demore muito para voltar.

Perfeito. Vamos nos encontrar agora mesmo no número 234.

— É aquela lanchonete azul que abriu a pouco tempo? Um lugar público?

Sim, isso mesmo.

— Eu não acho que vão deixar você entrar lá de máscara, sabe... 

Não sou eu que vou te encontrar. Mas sim a minha agente!

— Sua agente? Você tem uma agente?

Só peço que não corra. É um assunto sério, e pode ser estranho mas você precisa acreditar no que ela disser.

— O que? Mas por que eu iria correr?

[Chamada encerrada]

— Aish, eu odeio tanto essa mania deles de me deixar no vácuo toda hora! — Murmurei, guardando o celular no bolso — Hmm... Número 234, acho que é na próxima rua...

Levei um pouco menos de vinte minutos para chegar ao restaurante. Logo me lembrei de que não perguntei a agente de F como a agente dela era, o que com certeza poderia dificultar o nosso encontro. Até pensei em retornar a ligação, mas era o número era privado e eu não tinha como ligar

— Jimin?

Antes que eu resolvesse ir embora, ouvi alguém me chamar pelo nome, rapidamente me virei e logo avistei uma garota sentada em uma das mesas no fundo, acenando. Suspirei aliviado e guardei o celular, indo em sua direção 

— Olha, eu já estava indo embora! A agente não me disse como você era ou...

— Mas já nos conhecemos. Por que ela teria o trabalho de te dizer?

Fiquei em silêncio assim que olhei para o seu rosto, logo meu semblante ficou sério e pensei em ir embora naquele mesmo instante

— Só pode ser piada! — Dei as costas e ela logo se levantou.

— Calma! Eu sei que pode ser estranho, mas é por isso que nós precisamos conversar.

— Não vou cair nas suas armadilhas de novo, Amy. Você não tem vergonha, não? Sumiu por todo esse tempo para agora infernizar a minha vida?

— Jimin, eu posso explicar. É sério! Eu não sou a vilã que você estava pensando todo esse tempo!

— Eu vou embora. Por favor, continue longe da gente. Você nos trouxe muitos problemas... 

— Me escuta, Jimin, por favor. — ela falou num tom sério, tocando levemente meu ombro — Eu posso provar!

— Provar o que? Como? Vai me dizer que agora você é uma nova pessoa e está do nosso lado? Não vou acreditar nessa, Amy, a Merrie fez a mesma coisa e você não faz ideia do que aconteceu!

— Imaginei que seria assim. —  Logo uma voz masculina surgiu, o que me deixou surpreso. — Não sei se fico aliviado por você não ser mais facilmente convencido ou surpreso pela Amy ter feito um papel tão bom como vilã.

— F?!

— Ainda bem que você chegou! — A garota deu um suspiro, sorrindo logo em seguida.

— Vamos, Jimin. Você já pode se sentar. — O mais velho fez sinal e puxou uma cadeira para que eu me sentasse — Eu sei que você está surpreso e com certeza tem uma porção de perguntas para fazer mas preciso que antes de fazer vários questionamentos, escute tudo o que eu tenho pra falar. 

— Eu já não estou entendendo mais nada! Por que não me disse antes que a Amy era uma das suas agentes? — Indaguei, levemente alterado — Ou isso é uma piada? Você por acaso apagou a memória dela e agora temos uma nova Amy?

— Ah sim, é isso mesmo. — Ela revirou os olhos e suspirou — Nós trabalhamos da mesma forma que o Senhor Min trabalha, apagando a memória de várias pessoas para termos elas ao nosso lado.

— Primeiro: ela não é minha agente. — disse F, sentando ao meu lado — Mas isso não faz diferença agora, precisamos conversar antes que eles pensem que eu estou fazendo você de refém.

— É, acho que qualquer um pensaria que você é um assaltante. — Murmurei, rindo — Por acaso você já viu o rosto dele, Amy?

— Já vi sim. Mas faz tanto tempo que eu nem me lembro mais! 

— Espera. Vocês dois se conhecem a quanto tempo?

— Uns seis anos, eu acho. — F deu de ombros e pegou o cardápio — Isso não vem ao caso.

— O que? Seis anos?

— Yoongi ainda era um adolescente viciado em chocolate e emburrado — Ela riu — Você lembra, F?

Nesse momento ele ficou em silêncio e ela se calou rapidamente, parando de sorrir. 

— Bom... podem então me explicar tudo?

— A Amy vai te explicar. — O mais velho logo se levantou — Eu preciso fazer algumas coisas, vê se não demora muito, Amy!

— Pode deixar.

— Espera! Mas qual o sentido daquele lance de seduzir a Amy e trazer pro nosso lado? — Indaguei.

— Ah, eu só estava blefando. — Ele riu antes de ir embora e Amy voltou sua atenção para mim.

— Estranho, não é? Pensei que demoraria mais para finalmente me revelar.

— Eu nunca pensei que em plena quarta-feira estaria numa lanchonete conversando com você.

— Imagino! — Ela sorriu — Foram longos meses, não? Nem acredito que finalmente está tudo bem de verdade.

— Vamos direito ao assunto? Não estou muito familiarizado com você de forma positiva, sabe? Me desculpa mas é muito estranho isso do nada.

— Tudo bem, tudo bem. — Ela se ajeitou e deu um suspiro, unindo suas mãos — Eu gostaria de não ter passado uma imagem tão ruim para você. Sei que fiz muita coisa ruim na sua vida, mas juro que cada passo meu foi muito bem pensado. Era necessário, eu precisava atrair qualquer pessoa que estivesse com a intenção de machucar vocês. Por isso precisava deixar meu ódio muito óbvio, apesar de nunca ter feito sentido.

— Sim, em momento algum fez.

— Mas deu certo! Consegui fazer com que você me odiasse, também pude atrair aqueles garotos que tentaram machucar vocês e saber de alguns planos do Sr. Min!

— Isso é sério?

— Seríssimo. — Ela estendeu o dedo mindinho e sorriu — Eu juro por tudo que é mais sagrado.

— Mas e quanto ao professor? Ele também faz parte da equipe de agentes de vocês? E aquele outro que era bonzinho! O que fizeram com ele? Quantos anos você tem afinal?

— Céus! Mas quantas perguntas! Bem que o F avisou que você é um tagarela.

— O que? Ele disse isso?

— Não, o professor não é nosso aliado. — Seu semblante se tornou sério — Na verdade ele é nada mais nada menos que o amante da mãe do Yoongi.

— Hm?

— Sim. Ele já te disse isso, não é? O professor não gosta do Yoongi porque ele sempre foi o motivo da mãe dele não abandonar a família para ficar com o professor. Ela na verdade é uma pessoa muito boa, Jimin, mas muito submissa. A única coisa que ela se manteve firme foi em não se separar do marido até que o filho tivesse idade suficiente para ter uma vida sozinho.

— Mas...? Se ela ficaria com o professor assim que o Yoongi saísse de casa, por que ele foi um dos primeiros a se opor ao nosso relacionamento? Desde o início queríamos viver sozinhos, juntos!

— Você sabe o quão homofóbico o Sr. Min era, não é? Acha mesmo que ele aceitaria a sexualidade do filho na maior tranquilidade? Ele com certeza iria tirar todo o direito que ele tinha de herança e a mãe do Yoongi obviamente ficou preocupada com o futuro do filho já que ele poderia acabar não conseguindo ter um sustento por ser muito novo.

— Isso faz sentindo... mas é muito confuso!

— Eu sei, Jimin. Parece até que estamos dentro de um filme ou um livro, não é?

— Mas e a sua relação com o professor? Vocês não são pai e filha?

— Não sou filha de sangue dele, sou adotada. 

— Ah...

— Ele me usou pra tentar seduzir um de vocês dois e acabar com o romance, assim o Yoongi teria o direito pela herança sem problema algum. O divórcio iria acontecer com o tempo e tudo estaria bem.

— O que?!

— Sim, Jimin. É exatamente isso que você está ouvindo, desde que ele e a mãe do Min começaram a ter um caso, ele parou de pensar na própria família. Eu deixei de ser uma filha importante para ele e virei uma espécie de estratégia.

— Isso parece tão triste. Me sinto mal por ter te odiado esse tempo todo...

— Não se preocupe com isso, só mostra que o plano do F deu certo. Usamos isso como um meio de persuadi-lo, simplesmente consegui colocar na palma da minha mão todos os inimigos.

— E quanto a Merrie? Você não falou sobre o outro professor também.

— O outro professor era apenas um professor mesmo. Ele não tinha nenhuma intenção ruim, muito pelo contrário, gostava muito de vocês dois.

— Ele está bem?

— Está sim. Foi sequestrado na época e ficou um tanto traumatizado, acabou mudamos de cidade. Já a Merrie... bom, é uma longa história.

— Eu tenho tempo ainda. Pode me contar.

— Nunca notou personalidades diferentes nela? Talvez algo parecido com uma bipolaridade, não sei.

— Alguns dias ela parecia realmente estranha, odiou o Yoongi no início, nos tornamos amigos mas depois ela fez o que fez. Até hoje não entendo. Mas de qualquer forma, nos conhecemos a muito tempo! Desde criancinhas, eu diria.

— Pode ser um pouco louco o que vou contar agora mas...

— Mas?

— Merrie não é uma pessoa só. Ou melhor, ela não é a Merrie que você conhece desde criança.

— Ok, agora eu fiquei realmente confuso. 

— Merrie era sua antiga amiga até o momento em que mudou de cidade. Lembra?

— Sim, eu lembro que teve uma época onde ela realmente mudou de cidade, mas foram só por uns oito meses. Ela vinha visitar eu e Peter nos finais de semana.

— Notou algo estranho naquela época?

— Não que eu me lembre.

— Merrie passou por uma porção de coisas, mais precisamente testes perigosos...

— Testes perigosos?

— Os pais da Merrie foram algumas das vítimas do Sr. Min, lembra daquela fábrica, não é? E a Merrie também era uma das vítimas, mas acabou resistindo aos testes que eles faziam.

— Mas que tipo de teste era esse?

— Clonagem.

— Clonagem?

— Mais precisamente a idéia do Sr. Min era ser mais poderoso do que a própria ciência. Ele prometeu uma porção de coisas para várias famílias em troca de usar seus corpos como cobaias para "pequenos testes", quando na verdade era apenas loucura. 

— Quer dizer então que a Merrie é um clone? 

— A mãe da Merrie sempre quis ter gêmeas e fez uma porção de tratamentos para isso, no fim ela conseguiu mas acabou perdendo um dos bebês. O Sr Min sabia disso e usou como estratégia para atraí-la, por isso a Merrie simplesmente "mudava de cidade" por vários meses pelo menos uma vez ao ano. Ela na verdade ia para essa suposta fábrica do Sr. Min para passar por uma sessão de testes, na intenção de ter uma cópia exatamente igual a ela.

— Isso é loucura!

— Alguns sonhos levam a loucura, Jimin. E por isso a Merrie se tornou uma das maiores aliadas do Senhor Min. Criou raiva do Yoongi porque ele se tornou mais próximo de você do que dela, em momento algum contou para você mas estava sendo monitorada e recebendo ordens do Sr. Min a todo instante! Ela pensou que fazendo o que ele mandava, teria tudo o que queria. Na época em que ele deixou de ser "louca", na verdade estava apenas querendo se aproximar para então recolher informações. É triste dizer isso mas em momento algum a Merrie foi uma amiga de verdade. Ela se deixou levar pelos sonhos, o que a tornou uma doida que só pensa em si mesma. Quando isso já estava fora do controle, tive que me infiltrar no colégio como uma estudante que te odeia, assim poderia ver tudo de perto e evitar uma atitude drástica dela. Confesso que Merrie fingiu tão bem quanto eu!

— Absorver tudo isso é... muito complicado.

— Me desculpe, eu acho que não deveria ter dito tudo isso de uma vez.

— Minha vida foi uma mentira! Céus! Agora eu entendo o motivo da Merrie estar morando sozinha. O Sr. Min concedeu um lugar para ela ficar e apagou da memória o fato dos pais dela terem sido mortos por ele.

— Exatamente.

— Ele era pior do que eu imaginava, Amy!

(...)

Não tinha como nosso dia ser melhor. Tudo estava saindo melhor do que o planejado, aquele era realmente o nosso dia. Chegava até a soar estranho já que nossos planos eram sempre arruinados por algo como sequestros ou ameaças. Mas agora não era momento de pensar nisso, precisámos aproveitar o nosso final feliz porque ele seria para sempre

— Amy! — Yoongi fez sinal, tentando fugir do fotógrafo que já estava a horas tirando milhares de fotos, eu não aguentava mais sorrir.

— É, acho que está bom por enquanto. — Sorri sem graça e agradeci a ele, seguindo o Min.

— Jimin! Meus parabéns, vocês dois estão tão lindos! 

— Você está ótima, Amy! Aliás, não me leve a mal mas esse loiro combina bem mais com você.

— Sim, sim. Eu penso o mesmo. Estava louca para tirar aquele ruivo! Céus, só o F para ter essas idéias estúpidas.

— Vocês dois falam tanto desse, F que eu fico com vontade de conhecê-lo.

— Figo o mesmo — Murmurei — Falei com ele a vida toda mas não faço a menor ideia de quem é.

— Isso é sério? Pensei que você estivesse só fazendo uma piada quando me contou.

— A Amy sabe quem é. — Reclamei — Mas ela não me diz de jeito nenhum! Já ofereci até dinheiro.

— Não sou a Amy esnobe que você conhece, tá legal? Eu tenho amor a minha vida! E com certeza o F me mataria se eu dissesse.

— Talvez ele revele algum dia, não é? Vamos ter paciência... — Comentou Yoongi.

— Dizer isso é fácil. Não foi você que ficou mais de vinte anos se comunicando com ele!

— Parabéns aos noivos! — alguns convidados se aproximaram, nos cumprimentando mais uma vez. Esses eram provavelmente os milésimos abraços que estávamos dando naquela festa, sem contar as fotos e perguntas, não tínhamos tempo nem para comer.

— Boa sorte aí! — Amy riu, se afastando e logo Yoongi e eu voltamos para a posição noivos sofridos.


Sábado, às 15h03:

19 horas após o casamento

Estávamos nos preparando para uma viagem de duas semanas. Apesar do cansaço da festa na noite anterior que terminou apenas de madrugada, a nossa animação era grande. Ou melhor, Yoongi estava tão feliz que acabou me contagiando

— Amor! Vai lá pegar as roupas do varal antes que chova, por favor. Pode deixar que eu termino de arrumar as malas.

— Tem certeza de que pode fazer isso sozinho? E se você esquecer de colocar alguma coisa?

— É mais chance de você esquecer do que eu! Aliás, se precisarmos de algo é só comprar na hora, Jimin!

— Ah, é verdade! Tinha me esquecido que você é um burguês safado.

— Cala essa boca e vai logo pegar suas cuecas do varal. Pelo amor de Deus, eu já não te disse pra pôr aquilo na secadora? — Reclamou, olhando pela janela com a testa franzida.

— Você sabe quanto custa uma daquelas?!

— Sim, é claro que sei. Fui eu quem comprou! Mas você não precisa ficar exibindo as suas cuecas para os vizinhos, né!

— Como você é chato! — Fiz cara feia, pegando um cesto para juntar as roupas enquanto Yoongi se preocupava em dobrar as coisas e colocar na mala. 

Sem muito cuidado, coloquei o cesto no chão e fui chutando devagar para o lado enquanto colocava as roupas dentro dele. A rua estava mais silenciosa que o normal, o que era a parte boa de morar ali. Não tinha vizinhos chatos ou interessados na nossa vida, o ambiente era seguro e aconchegante, perfeito para os futuros filhos que nós teríamos

— Prontinho amor, já terminei. Foi bem rápido, na verdade. Acho que vou aproveitar para tomar um banho antes de sairmos, o que acha? Posso encher a banheira pra gente! — Sugeri, sem receber resposta alguma — Amor? 

Entrei no quarto onde conversamos antes mas notei que ele não estava lá. Comecei a sentir uma certa preocupação — força do hábito — e passei a procurar por toda a casa, de forma assustada.

— Min Yoongi? Está me ouvindo? — gritei — O que aconteceu? Você está bem? Onde você está?

Levei um bom tempo para então avistá-lo nos fundos da casa. Um homem de costas conversando consigo enquanto seus olhos pareciam assustados, como quem estivesse recebendo alguma ameaça

— Merda! Era só o que me faltava. — Senti uma raiva tomar conta do meu corpo, desci até a cozinha e procurei por uma faca. Não hesitei em pegar a maior que encontrei e rapidamente corri para onde o mais velho estava, aos nervos, mas fui surpreendido ao ver que os dois se abraçavam. Yoongi chorava como uma crianca.

— J-Jiminnie! — Ele gritou assim que me viu e rapidamente correu para os meus braços.

— O que aconteceu? — Perguntei confuso, na esperança de receber alguma resposta do estranho que estava na nossa casa. — Você está bem, meu amor?

— Sim, estou. — Disse em meio aos soluços, estava gelado e pálido, como quem tivesse acabado de tomar um susto — Eu só... Eu...

— Calma, respira fundo! Está tudo bem, meu bebê — O abracei forte e voltei os olhos para o rapaz ainda de costas — Ei! O que está fazendo aqui? Quem é você, hein? Sabia que é errado invadir a propriedade dos outros? Vou chamar a polícia!

— Não, amor. Você não precisa!

— Me desculpa, Park. Não era a minha intenção assustar você... — O rapaz finalmente abriu a boca, coçando a nuca de forma envergonhada. 

Fiquei em silêncio, ainda com Yoongi em meus braços e olhos fixos no estranho diante de mim

— Park? Só tem uma pessoa que me chama de Park. Quem é você e o que está fazendo dentro da minha casa?

Ele não respondeu, apenas respirou fundo e afastou a mão da nuca, revelando a tatuagem familiar de coelho que já havia visto algum tempo atrás.

— É um prazer te conhecer, Jimin. — Disse ao mesmo tempo em que de virou. Sorria de forma bem nervosa e pude notar que seu sorriso era quadrado.

— Você...?

— É realmente estranho falar com você dessa maneira, não consigo ser sério como de costume porque agora você já sabe quem eu sou.

— F?! — Por um momento senti como se meu coração fosse parar, estava chocado — Você é o F de verdade ou faz parte de mais uma brincadeira?

— Ah, nossa. Você se tornou realmente muito desconfiado, Jimin, mas isso é bom. Assim o Yoongi fica bem seguro, certo?

— Você conhece ele, amor?

— Sim. — Ele assentiu — Ele sempre foi muito próximo de mim, amor. Desde pequeno ele me levava para passear ou para comprar um presente, foi uma das poucas pessoas boas que conheci na minha infância.

— Eu não sabia. — Senti meus olhos arderem.

— Meu nome é Kim Taehyung. — Ele estendeu a mão — Na verdade, eu fui próximo do Yoongi por um bom tempo e por isso conhecia bastante sobre ele.

— Mas... Você era próximo da família ou algo assim? Eu só estou curioso mesmo, é realmente um pouco chocante tudo isso.

— Ele estava noivo do meu irmão, Jimin.

Engoli em seco, aquilo era mais chocante do que eu esperava.

— O-O que?

— O irmão do Yoongi era alguém realmente maravilhoso. — Um sorriso triste surgiu no seu rosto, estava abraçando o próprio corpo — Ele era tão alegre e incrível. Eu nunca conheci ou amei tanto alguém como ele.

Yoongi afundou o rosto no meu peito e eu o abracei com mais força, tentando acalmá-lo.

— A verdade é que quando perdi ele, prometi que cuidaria de Yoongi. Foi o que ele me pediu e por isso eu estive todo esse tempo dedicando minha vida por isso. Olhar para Yoongi é como ver a pessoa que eu mais amei nesse mundo e então meu maior desejo é vê-lo feliz. Resolvi não mostrar quem eu era esse tempo todo porque não queria que existisse algum tipo de conexão entre nós três já que não sabia se sairia vivo dessa. 

Aquelas palavras foram o suficiente para que eu caísse nas lágrimas juntamente com Yoongi. Não esperava descobrir a identidade de F logo agora e muito menos toda a história por trás disso.

— Quando eu disse que o Sr. Min tirou tudo de mim é porque ele me fez perder a única coisa que me importava nesse mundo, o irmão de Yoongi. Eu senti uma enorme culpa durante muito tempo porque ele poderia estar aqui se não fosse pelo que eu sentia por ele...

— Tae! Não fala assim, por favor.

— Ele recusou tomar conta daquela maldita fábrica do pai dele, por não ser algo legalizado. Nisso o pai dele surtou e começou a fazer umas porção de  experiências terríveis naquele lugar. Pra completar a desgraça, ele descobriu o nosso relacionamento e as coisas pioraram ainda mais quando ele soube que nós queríamos nos casar. 

— Aquele monstro! — Yoongi gritou.

— Amor, calma...

— Jeon sabia que o pai dele era louco então começou a se preparar para o pior. Não podia colocar a verdade sobre o pai na mídia então criou uma porção de pistas no quarto de Yoongi, deu a ele um diário e criou uma espécie de códigos, entre eles o que eu usava como nome: F.

— Mas por que F?

— Tem uma série de coisas. Mas se você olhar no alfabeto, da letra F até a J são cinco letras, o que revela um dos números que viviam aparecendo nas sequências. Da letra K até a P são seis números e essa letra é o início da palavra perfeição, o que já nos aponta o próximo número da sequência que é sete.

— Isso é muito... complexo. Eu nunca que iria pensar em algo assim! Você é um gênio, Kim!

— Não sou eu mas sim ele. — Apontou para o Min, com um sorriso — Foi ele quem criou uma lógica super bem feita depois que seu irmão sumiu e umas coisas estranhas apareceram em seu quarto, Yoongi foi raciocinando tudo e anotou essas coisas naquele diário. 

— Quer dizer então que a resposta estava na minha cara todo esse tempo? 

— Bom, sim.

— Meu Deus! Como eu sou burro!

— De qualquer forma, vou aproveitar para te apresentar os meus agentes. — Disse de forma tímida, apontando para algo atrás de mim.

— Você deixou o portão todo escancarado! Aí depois sou eu que preciso ficar vigiando vocês dois, fala sério! — Logo avistei a garota que outrora usava uma máscara, como F. Estava acompanha de mais outro garoto, provavelmente o segundo agente.

— Céus! Você é idêntica a Merrie.

— Para de me comprar com ela, pelo amor de Deus. Já disse que eu sou legal demais para você me chamar assim.

— Essa é a Sun Jung e ele o Do Hyun. 

— É um prazer... ver vocês sem máscara.

— Eu sou linda, não é? Fala sério! Por essa você não esperava!

— Como você é convencida... — O Kim franziu a testa, balançando a cabeça — Enfim, eles faziam parte de um grupo de amigos que incluía eu e Jeon, depois de tudo o que aconteceu eles então se ofereceram pra me ajudar.

— Conhecemos a Amy quando ela estudava no mesmo colégio que o nosso, realmente já faz muito tempo! Yoongi não conhecia ela direito então foi até mais fácil para fazer todo o plano.

— Inacreditável! Esse tempo todo eu pensava numa porção de pessoas aleatórias mas na verdade vocês estavam mais perto do que nunca!

Os três sorriram, assentindo. Eu ainda estava surpreso em finalmente saber a identidade de todos mas também animado.

— Acho que isso merece uma comemoração, não acham? — Yoongi então se manisfestou, com um sorriso enorme enquanto enxugava as lágrimas — É um reencontro e tanto!

— Mas a gente acabou de sair de uma festa.

— Apoio! — Taehyung foi o primeiro a levantar a mão, parecia animado — Toda essa conversa me deu uma fome que só!

— Olha, digo o mesmo... — Sun Jung também levantou a mão e logo depois Do Hyun.

— Você vai ou não, amor?

— Se tiver um suco bem gelado, eu aceito! Mas e a viagem?

— Nós podemos pegar o outro voô, certo?

— Tudo bem, tudo bem. — Revirei os olhos, com um sorriso bobo — Mas antes disso... — esperei que todos olhassem para mim — Sun Jung, você é ou não a irmã da Merrie?

— Hmmm, não sei. Use sua imaginação!

Fiz bico, indignado enquanto todos riam e se dirigiam para dentro da casa. 

Por fim, agora posso dizer: 

E fomos todos, felizes para sempre. 


Notas Finais


Agradeço a cada um que acompanhou essa fanfic até aqui. Foi um imenso prazer escrevê-la, ter a companhia e comentários de todos vocês.

Infelizmente tudo chega a um fim, mas claro, nada disso é um adeus. Ainda tenho "Time Lapse" que está longe de chegar ao fim, novas longfics sendo desenvolvidas desde já para que não haja o risco de tanto tempo sem atualizar, como aconteceu com "Borboletas". Aliás, confesso que era pra ter mais capítulos, acontece que meu tempo está ficando cada vez mais reduzido e eu não quero passar mais meses demorando para atualizar, espero que entendam.

Amo muito todos vocês, estarei guardando cada um no meu coração. Espero vê-los nas minhas próximas fanfics!

Muito obrigada por tudo 🥰
Nos vemos numa próxima aventura!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...