1. Spirit Fanfics >
  2. Borusara - Nossa história de amor >
  3. O Reencontro

História Borusara - Nossa história de amor - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Olá leitores.
Primeiro queria me desculpar, não encontrei uma capa que se encaixe com esse capítulo, então deixei essa provisoriamente, até achar uma.
Me desculpe os erros de português e boa leitura.

Capítulo 3 - O Reencontro


Fanfic / Fanfiction Borusara - Nossa história de amor - Capítulo 3 - O Reencontro

Sarada on

- Senhores passageiros em instantes chegaremos a Konoha. – ouço uma voz vindo do avião.

Dentro de alguns minutos o avião aterrissa no aeroporto de Konoha, as pessoas começam a sair do avião, eu faço o mesmo. Ao sair pela porta vejo meus pais abraçados me esperando, dou um sorriso ao vê-los depois de tanto tempo, vou em direção a eles.

- Tadaima. – digo olhando pra eles.

- SARADAA. – minha mãe corre eufórica me abraçando.

- Ma-mãe es-está me deixando se-sem ar. – digo e a mesma se afasta.

- Me desculpe meu amor, está tão linda. – ela diz sorrindo.

- Minha princesa, que bom te ver novamente. – meu pai diz e toca na minha testa igual meu tio Itachi faz.

- Vamos pra casa, precisamos comemorar sua volta. – diz minha mãe sorridente.

(...)

Chegamos em casa, meus pais tinham ido ao mercado mais cedo para comprar os ingredientes para preparar onigiri, tipicamente conhecido como bolinho de arroz, é a comida preferida do meu pai, sempre quando estávamos juntos, fazíamos isso em família. Os ingredientes estavam na mesa, abrimos as sacolas e começamos a prepara-los, minha mãe colocou a panela no fogo para cozinhar o arroz, após isso, temperamos e começamos a moldar o arroz em formato de bolinhos e envolvê-los em folhas de nori. Finalizamos arrumando a mesa e sentamos para almoçar.

- Itadakimasu. – dissemos em uníssono com as mãos juntas e iniciamos a refeição.

- O que está achando de Konoha? – minha mãe se pronunciou após dar uma mordida no bolinho.

- Pra ser sincera, pelo pouco que vi agora, mudou bastante. – digo e mordo também um pedaço.

- E seu tio cuidou bem de você? – meu pai diz após tomar um gole de suco.

- Ele e a tia Izumi foram como pais pra mim.

- Que bom.

- Sarada eu já realizei sua matricula em Konoha School. – diz minha mãe.

- E quando eu começo? – pergunto curiosa, estou com muita vontade de ver meus amigos.

- Semana que vem, aliás, comprei um vestido pra você usar hoje.

- Pra quê? – pergunto franzindo o cenho.

- Vai ter uma recepção hoje à noite promovida pelo Naruto, esse ano ele vai se candidatar para o governo de Konoha, o atual governador Kakashi está se aposentando, eu e Sakuke confimamos nossa presença para apoia-lo.

- Entendi.

Sarada off

Boruto on

Sinto meu corpo ser sacudido por alguém e uma voz começa a ficar cada vez mais nítida em meus ouvidos.

- ONII-CHAN ACORDA LOGO. – ela diz reconheço que é a voz da Hima.

- Hima não esta vendo que estou dormindo. – digo me virando ao contrário ficando de costa pra ela e fecho os olhos novamente.

- Bora logo já esta tarde, você tem que se arrumar para recepção do papai.

- Eu não quero ir. – digo e sinto as cobertas serem puxadas – HIMA.

- Só vou sair daqui quando você levantar dessa cama.

- O que você fez com a minha irmã fofa e gentil?

- Ela cresceu e você deveria fazer o mesmo.

- Que horas são?

- São 18:00 e a recepção começa as 20:00.

Bufo em resposta e levanto ficando sentado na cama e me espreguiçando, Hima sai do meu quarto, minha cabeça ainda estava latejando e meu corpo está dolorido da confusão da noite anterior. Pego meu celular e olho as mensagens e vejo uma de Sumire perguntando o que tinha acontecido, eu respondo explicando o ocorrido, mas que estava tudo bem.

Vou para o banheiro e tomo um banho demorado, saio com uma toalha na minha cintura e fico de frente para o espelho observando meu corpo, eu havia crescido, meus cabelos ficaram maiores, porém ainda rebeldes, olhos tão azuis quanto meu pai, meu corpo estava definido abandonando aquela fisionomia esquelético de criança, isso foi resultado dos treinos que tive pro time. Levanto e olho a costa da minha mão e vejo a tatuagem com um circulo e algumas linhas curvadas.

Vou para o guarda roupa e vejo o smoking para a recepção de hoje “Eu posso até ir nessa festa, mas meu pai vai se arrepender” penso sorrindo maliciosamente. Ao invés disso, visto uma camisa cor branca, jaqueta de couro preta, calça jeans preta e sapato de couro tipo bota, e como acessório meu colar de parafuso.

Desço as escadas rumo à sala e vejo meus pais e minha irmã. Meu pai estava com camisa social branca, terno preto e usando uma gravata de cor laranja, calça preta e sapatos sociais, minha mãe estava com um vestido longo cor azul escuro, seus cabelos soltos e uma maquiagem leve e minha irmã estava com vestido amarelo rodado com uma maquiagem leve no mesmo tom que minha mãe.

- Estou pronto. – digo chamando a atenção de todos.

- Bolt? – diz minha mãe com os olhos arregalados.

- Boruto que roupa é essa? – diz meu pai em um tom sério.

- A roupa da recepção. – digo rindo baixo - Acho que não vai dar tempo de ir trocar de roupa, melhor em ficar em casa. – digo e me viro de costas para sair.

- Nem pensar, você vai assim mesmo. – diz meu pai e bufo em resposta.

(...)

Saímos da limusine cor branca de frente para um tapete vermelho para entrar ao prédio, estava cheio de fotógrafos tirando fotos na entrada, não suporto essas pessoas, umas das piores partes de ser uma figura pública é não ter privacidade. Entramos no salão que era enorme com muitas pessoas da mais alta classe conversando amistosamente e tomando seus drinks, todas bem arrumadas e elegantes.

Meu pai estava com a mão direita na cintura da minha mãe a trazendo para mais perto de si e a mesma toda vermelha com a aproximação, eu reviro os olhos, Hima estava segurando a mão dela do outro lado, e eu estava um pouco afastado do meu pai, mas andando ao seu lado, sim aos olhos dos outros nos éramos a família perfeita.

Começamos a cumprimentar diversas pessoas que nos paravam e a maioria delas nunca tinha visto na vida, essa recepção era a pior de todas. Por sorte vejo Shikadai e Inojin juntos conversando enquanto tomavam uma taça de champanhe, sai da direção do meu pai indo na intenção de ir até eles.

- Aonde você vai? – ele perguntar percebendo que estava me afastando.

- Vou conversar com meus amigos, até isso não posso?

- Não demore, ainda temos mais pessoas para cumprimentar.

- Não esquenta. – digo e vou em direção a eles.

Estavam formais a caráter do evento, quando vou me aproximando eles percebem minha presença.

- Que roupa é essa Boruto? – diz Shikadai me analisando de baixo para cima.

- Estou bonito eu sei. – digo rindo baixo.

- Não pra esse evento. – diz Inojin e toma um gole do seu drink.

Neste instante passa um garçom com uma bandeja de coquetéis na sua mão e eu pego um taça e tomo um gole degustando o champanhe que passa pela minha garganta.

- E ai como foi com seus pais? – pergunto.

- Meu pai me deixou de castigo por um bom tempo. – Inojin diz suspirando.

- Nem me fale sobre isso. – Shikadai diz e percebo uma marca de mão vermelha no seu rosto. – Nunca mais me convide pra nenhum tipo de festa.

- Foi mal. – digo sorrindo sem graça.

A recepção prossegue com o meu pai que pega o microfone e agradece a presença de todos e inicia seu discurso prendendo a atenção dos presentes. Eu estava entediado com tudo aquilo, a única coisa boa aqui era a bebida.

- Que tal a gente fugir daqui? – proponho a eles.

- Nem vem, ontem já foi o suficiente. – diz Shikadai.

- To fora. – diz Inojin concordado com ele.

- BORUTO. – ouça meu pai me chamar. “Que droga” penso e vou em direção a ele, eu vou dar um jeito de fugir daqui ou vou enlouquecer.

Boruto off

Sarada on

Estou no meu quarto deitada lendo um livro que ganhei de presente da tia Izumi, está chegando a hora de me arrumar para a recepção do senhor Naruto, “Será que o Boruto está la?” penso, não vou negar que estou curiosa pra saber como ele está, são 5 anos que não o vejo, será que ele mudou ou continua o mesmo baka de sempre. Levanto-me da cama e vou tomar um banho e me arrumar.

Minha mãe adentra ao quarto e começamos a nos arrumar enquanto conversamos, ela vesti um vestido longo preto com uma fenda deixando a mostra uma de suas pernas e com decote em forma de V, saltos agulha de cor prata e como acessório um colar de esmeraldas em seu pescoço combinando com seus olhos esmeraldinos.

Eu por outro lado estou com um vestido vermelho vinho colado até a cintura e solto em direção aos meus joelhos, como acessório uma pulseira delicada com emblema do clã Uchiha e salto agulha preto aberto na frente com uma tira cobrindo os dedos e preso no tornozelo. Minha mãe está finalizando minha maquiagem.

- Não pudemos conversar no almoço, como você está se sentido? – ela pergunta e entendo que ela se referia ao Kagura.

- Estou bem. – digo em reposta.

- Filha não precisa se fazer de forte, pode me falar.

- Eu admito que no início não foi fácil, pensar em tudo que eu passei com ele foi apenas uma ilusão.

- Eu queria ter estado ao seu lado nesse momento.

- Eu sei mãe, mas tive o apoio da tia Izumi, na verdade vejo isso como aprendizado.

- Aprendizado?

- Nem todo mundo tem direito de viver um amor como o seu e do papai. Eu decidir mudar, não foi ficar mais chorando, não deixarei que ninguém brinque mais com meus sentimentos.

- Sarada não diga isso, todo mundo tem direito de viver um amor. Eu entendo que no começo não seja fácil, mas com certeza você vai encontrar alguém como eu encontrei seu pai.

Ouço batidas na porta e meu pai adentra no meu quarto, ele está com uma camisa social azul, terno preto e usando uma gravata de cor preta, calça e sapatos sociais.

- Estamos atrasados. – meu pai diz e aos nos ver arregala os olhos.

- O que achou? – minha mãe pergunta.

- Estão lindas. – ele diz dando um sorriso discreto - Vamos?

- Vamos. – eu minha mãe dissemos em uníssono.

(...)

Entramos no salão da recepção, tinha muitas pessoas, era uma área bem grande, algumas pessoas nos pararam para cumprimentar, visto que a família Uchiha era muito conhecida na cidade de Konoha. Infelizmente pelo atraso perdemos o discurso do senhor Naruto, prosseguimos procurando até encontra-lo.

- TEMER, Sakura-chan. – Senhor Naruto é o primeiro a se pronunciar e dar abraço na minha mãe e cumprimenta meu pai com um aperto de mãos, o mesmo franzi o cenho por causa do apelido.

- Me desculpe não chegarmos a tempo para o discurso. – diz minha mãe.

- O importante é que estão aqui. – a senhora Uzumaki responde.

- Vocês se lembram da Sarada. – minha mãe diz e eles direcionam seus olhares sobre mim me analisando.

- Claro que lembro você está mais linda Sarada, por sorte puxou sua mãe. – senhor Naruto diz rindo e recebe um olhar mortal do meu pai.

- Muito obrigada senhor Naruto. – respondo.

- Me chame apenas de Naruto.

- Que bom te ver novamente Sara. – se pronuncia Himawari.

- Sim, você cresceu muito, não posso mais te chamar de baixinha. – digo sorrindo.

- Cadê o seu filho? – meu pai pergunta, realmente não vi ele desde que chegamos.

- Ah ele está ... – ele olha e não vê. – Ele deveria estar aqui. – ele responde com a mão atrás da cabeça rindo sem graça.

(...)

Depois de continuar a cumprimentar várias pessoas, decido tomar um ar de toda aquela agitação, vou para uma sacada que dá de vista para cidade, ao contrário de Suna, Konoha era bem mais moderna, tinha mais prédios, era mais tecnológica. Fecho meus olhos sentindo a brisa do vento batendo em rosto, nem sei quanto tempo estou assim, mas decido sair e voltar à recepção.

Viro-me rapidamente e vou em direção à saída quando de repente sinto meu corpo se chocar com alguém, tenho certeza que a queda era inevitável, fecho meus olhos esperando o impacto, quando sinto braços fortes circularem minha cintura e me puxar com força. Quando abro meus olhos para ver a pessoa que acabei de esbarrar levo um susto.

- Bo-Boruto? – digo surpresa, ele estava uns 20cm mais alto que eu, seus cabelos maiores e dourados, olhos encantadores e profundos como o mar.

- Sa-Sarada? – ele diz também tão surpreso quanto eu.

- Tcs... olha pra onde anda da próxima vez. – respondo ríspida.

- Digo o mesmo pra você, continua irritante como sempre. - quando ele diz isso sinto vontade de soca-lo fortemente.

- Eu n... – sou interrompida quando Boruto me puxa rapidamente para uma área escondida.

Nossos corpos estão colados, sinto meu coração pular numa batida com essa aproximação e um calor invadir meu corpo, comecei a respirar de forma descompensada, em resposta tentei me soltar, mas ele intensificou o aperto em minha cintura impedindo que eu fugisse, tentei gritar, mas ele tapa minha boca.

Continua


Notas Finais


A tatuagem do Boruto é aquela do karma pra quem ficou perdido.
O que acharam desse capítulo? Estão gostando da reescrita?
O próximo será focado na escola. Qual esporte vocês acham melhor para esse história?
Como sempre deixo um agradecimento especial a @Yanca_kerolaine que sempre me ajuda e me salva ❤.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...