História Boss - Capítulo 14


Escrita por: e whathenbhd

Postado
Categorias B.I.G (Boys In Groove)
Personagens Benji, Gunmin, Heedo, J-Hoon, Minpyo
Tags Big, Gundo, Gunhee, Gunmin, Heedo, Mindo, Minhee
Visualizações 53
Palavras 1.919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alerta! Conteúdo +18

Capítulo 14 - .


Fanfic / Fanfiction Boss - Capítulo 14 - .

- Então é aqui que você estava. – Yoo observava o local atentamente. Gunmin não conseguiu pronunciar uma palavra sequer. – Previsível. Muito previsível. – direcionou seu olhar ao mais velho, Lee engoliu a seco pela conexão estabelecida. – Ficou bem óbvio que você buscaria colo em seu amiguinho. – sua voz era calma e grave, mas Gunmin sabia que Yoo estaria furioso.

- Kanto é o único que me resta.  – Lee cerrou os olhos devido à dor que lhe incomodava.

- Então esse era o seu plano? – Yoo deu alguns passos em direção ao mais velho. - Fugir de um escândalo com seu professor para morar com seu amigo? – Parou em frente ao outro aguardando uma resposta.

- Eu tinha lhe dito que resolveria, não? Então seja paciente, já estou trabalhando nisso. Em breve esse mal entendido se resolverá.

- Está resolvendo isso de cueca e ressaca? – Gunmin deu de ombros. – Você exala álcool e mal consegue se manter de olhos abertos.

- Isso não é da sua conta.

 

Gunmin virou-se, pronto para abandonar aquela conversa, mas Heedo o impedira, agarrando com força seu pulso e o puxando para que voltassem à se encarar.

 

- Você precisa parar de me tratar como um qualquer e entender que eu estou tentando te ajudar. Por qual outro motivo eu cobriria outro escândalo dentro da companhia? Seria muito mais fácil e cômodo me livrar de você. – Yoo cuspiu a última frase.

- Então o faça. – Gunmin desafiou. – Será um grande favor me livrar desse emprego e principalmente de você. – soltou à força seu braço do aperto em que se encontrava.

 

O clima pesou, Lee sentia-se saturado de tudo que estava acontecendo. O olhar de Yoo queimava enfurecido, refletindo esse calor ao corpo do mais velho. Gunmin impulsivamente se aproximou do outro, como se tivesse perdido a noção do que acontecia.

 

- Você. – Yoo pronunciou – Não sabe o que está fazendo.

- Não mesmo. – ditou encarando seus belos olhos, ainda enraivecidos, apreciando demoradamente o brilho intenso que continham antes de descer seu olhar pelo magnífico rosto em que se encontravam, até alcançar os lábios. – Não mesmo... senhor Yoo.

 

Nada mais precisou ser dito. Heedo entendera o recado subliminar e se aproximou mais ainda, sentindo a respiração quente do outro lhe atingir. Gunmin rapidamente repousou suas mãos na face do outro, aproximando-a para iniciar mais um de seus incríveis beijos. O breve relar dos lábios já causou um arrepio bom por toda sua pele, não durou muito aquele selar, que em pouco se transformou em um batalha de línguas pela dominação. Heedo era possessivo, invasivo, dominante. Gunmin adorava aquilo, a intensidade de seu desejo ficava exposta quando se tocavam.

As mãos do mais velho deslizaram pelo pescoço do outro, alcançando seus fios, invadindo-os. Heedo respondeu ao contato colando o corpo seminu ao seu completamente vestido, trazendo para perto pela cintura, envolvendo-a em um abraço apertado. Gunmin suspirou com o leve roçar do seu corpo ao do herdeiro, sentia-se inebriado, consequência, talvez, do prazer que aquele contato lhe causava, somada aos efeitos remanescentes do álcool. O beijo se tornou mais intenso, assim como a pegada em sua delicada cintura, fazendo Lee agarrar com força os fios entre seus dedos para puxá-los.

Gunmin estava excitado e despudorado, pouco se importando em esfregar sua ereção ao outro, demonstrando completo desejo. Gemeu sem vergonha ao sentir as mãos do outro descerem, apertando com gosto sua bunda, coberta pelo tecido de sua boxer, vendo Heedo quebrar o beijo para sorrir ladinamente. Um tapa foi desferido assustando Lee, rapidamente Yoo selou seus lábios para que não houvessem protestos. Quanto mais Yoo acariciava o local levemente dolorido, mais Gunmin se manifestava em deleite, sentindo seu membro pulsar cobrando atenção. Soltou os fios castanhos do outro para dedilhar os botões da camisa clara que Yoo usava, abrindo, um por um, com cuidado enquanto o outro distribuía selares por seu maxilar.

 

- Você não tem ideia do que faz comigo. – sussurrou em seu ouvido.

 

Sua destra segurou uma de suas mãos, aproximando-a de sua ereção coberta pela calça social que usava, fazendo-a apertá-la; rosnou baixo em seu ouvido pelo contato. Lee tinha os batimentos acelerados pelo contato tão íntimo com o herdeiro, mas não hesitou em acariciar mais uma vez o membro desperto em sua mão. Heedo tomou seus lábios, agressivo como nunca, subindo sua destra para os fios desalinhados do mais velho, mordendo a boca do outro enquanto seus fios eram puxados tão fortemente que o faziam inclinar sua cabeça para trás; Gunmin gemia arrastado pela dor e prazer do momento.

Heedo os fez caminhar, desengonçadamente, até que o braço do sofá os barrassem de prosseguir. Forçou Gunmin a sentar-se ali para admirá-lo enquanto terminaria o serviço que o mais novo começara, lentamente desabotoou os poucos botões que restavam fazendo o tecido escorregar por seus ombros; Lee apreciava a visão de seu abdômen definido, mordendo os lábios inchados em deleite. Heedo aproveitou a situação para se acariciar mais uma vez sobre o tecido, gemendo suave, antes de direcionar seus dígitos ao botão da calça; ansiava por Gunmin mas também queria tortura-lo, como fazia consigo. Abriu o botão, direcionando sua atenção ao pequeno zíper, puxando-o para baixo mas não retirando por completo a calça, deixando à mostra sua roupa intima escura.

 

- Eu quero você de joelhos. Bem aqui. – apontou para o pequeno espaço que existia entre seus corpos.

 

Num piscar de olhos, lá estava Lee Gunmin, ajoelhado, com o olhar direcionado ao rosto acima de si, sem hesitar. Lambeu os lábios em aprovação à visão privilegiada que tinha no momento de todo o físico bem desenhado que o herdeiro escondia, hesitou antes de descer seu olhar pela abdômen exposto, parando-o na roupa íntima à mostra.

 

- O que está esperando? – ditou impaciente.

 

Gunmin abaixou ambas as peças liberando o membro necessitado de sua prisão, timidamente tocou-o, ouvindo um suspiro sôfrego em resposta, iniciou lentamente uma masturbação, observando o pré-gozo lubrificar a cabeça. Era sua primeira vez, sentiu-se inseguro, porém curioso; gostaria de prosseguir com aquilo, contudo não se sentia totalmente confiante, muito menos preparado para tal.

 

- Gunmin... eu... cansei de esperar. – Yoo ditou com dificuldade, agarrando o cabelo do mais velho para que abocanhasse seu membro.

 

Gunmin hesitou com a aproximação repentina do membro ao seu rosto, sua ereção tocou superficialmente seus lábios fechados, lambuzando-os com sua lubrificação.

 

- Abre logo essa boca, cacete! – Yoo ordenou fazendo os pelos de sua nuca se arrepiarem.

 

Obedeceu-o de prontidão, engasgando com o súbito preenchimento de toda sua cavidade; tossiu brevemente assim que Heedo se retirou para novamente introduzir-se em sua boca. Devagar e compassadamente, Yoo o invadia incialmente, gemendo agraciado pelo prazer que o outro o propiciava; assim que Gunmin ousou movimentar sua língua para provocar-lhe mais, seus movimentos aumentaram de intensidade e velocidade, por fim, Gunmin tinha sua boca completamente abusada por Heedo, que gemia descontrolado.

 

- Eu vou... – tentou notificar o outro assim que suas pernas fraquejaram, mas não houve tempo para tal.

 

Gunmin sugou-o com vontade e Heedo não resistiu, desfazendo-se por completo na boa do outro, que mal conseguia engolir tudo aquilo; Yoo soltou os fios completamente bagunçados do outro respirando pesadamente. Estendeu as mãos para ajudar o outro à se levantar; não perdeu tempo em beijar-lhe afoito, inserindo seus dedos pelo elástico de sua roupa íntima para retirá-la. Gunmin gemeu surpreso ao sentir o leve resvalar da pele quente de Yoo em sua ereção tão sensível.

 

- Vire-se. – Yoo disso ofegante. – Agora.

 

Seu tom de voz enlouqueceu Gunmin, que virou-se sem questionar, sendo inclinado até que seu rosto estivesse apoiado no duro estofado. Não conseguia ver o que o outro tramava, sentiu as mãos espalmadas em suas costas deslizarem até seus glúteos, apertando-os com força. Gunmin gemeu ao ser pressionado contra o sofá, fazendo com que sua ereção roçasse no estofado; sentiu um tapa ser desferido, deixando sua nadega dolorida, protestou tentando se levantar, mas fora impedido pelo corpo que se deitara em cima de si.

 

- Shhhhh, eu não vou machucar você. – Yoo sussurrou em seu ouvido, lambendo seu lóbulo em seguida.

 

Só a respiração em sua nuca já lhe arrepiava o corpo por inteiro e quanto Heedo simulou uma estocada Gunmin gemeu em excitação. Sua nuca era castigada enquanto as ondulações em seu quadril continuavam; Yoo mordiscou seus ombros antes de distribuir selares por toda a extensão de sua espinha. Não negou sua vontade de morder e abusar dos glúteos tão empinados à sua frente, marcando-os. Quando Gunmin tentou protestar pela dor da mordida, tudo que saiu de sua garganta fora um gemido delicioso; Heedo aplacava suas dores com prazer, por isso, quando mordeu-o doloridamente, buscou rapidamente excitá-lo, lambendo com destreza o pequeno orifício à sua frente.

Gunmin não conseguiria descrever a sensação com palavras, sentiu vergonha por ter o herdeiro ali, entre suas pernas, o acariciando tão intimamente, mas era tão prazeroso que não se importava. Gemeu sôfrego quando sentiu o outro lhe invadir com sua língua, tão úmida, levando-o à beira da insanidade; remexeu os quadris instintivamente, buscando mais daquele contato.

Externou sua insatisfação quando as carícias cessaram, dando lugar à um calafrio quando sentiu sua entrada sendo pincelada pelo membro rijo do outro. Mordeu o lábios inferior enquanto o outro lentamente se forçava pra dentro de si, com dificuldade; parecia rasgar-lhe o couro, uma dor aguda tomava conta de si enquanto o outro parecia apreciar o ato, gemendo em comento deleite.

 

- Tão... apertado. – pronunciou ofegante.

 

Gunmin cravou as unhas no sofá tentando dissipar a dor que ainda estava presente, o outro se movia minimamente mas ainda assim era doloroso, pelo menos para o mais velho. Com o tempo a dor diminuíra e Gunmin começava a gemer em agrado; Heedo desceu sua destra ao membro prensado do mais velho, acariciando-o, para auxiliar em sua distração da dor. Em pouco tempo já começava a se movimentar mais rápido, arrancando gemidos de delírio de ambos. Acariciou as costas do outro até alcançar seus ombros, onde segurou com ambas as mãos para conseguir o apoio que precisava para intensificar as estocadas.

O barulho dos corpos se chocando com frequência somado ao prazer crescente de Gunmin, nublavam a mente do mais velho, que não continha um gemido sequer; a fricção em seu membro causada pelo atrito completava o mix de feelings. Lee arranhava o estofado, estragando-o com suas unhas finas. Quando Heedo agarrou sua nuca e estocou com ainda mais força, Gunmin acreditou ver estrelas, tanto prazer contido em apenas um movimento parecia transbordá-lo. Sentiu suas pernas fraquejarem e percebeu que seu ápice não demoraria à chegar.

 

- Vou fazê-lo meu. Lee Gunmin.

 

Bastaram essas poucas palavras para que Gunmin se desfizesse sobre o estofado, sujando-o com seu orgasmo, enquanto Yoo permanecia frenético em suas estocadas.

 

- Heedo... – Lee gemeu arrastado seu nome em êxtase.

 

O outro não tardou em se desfazer em seu interior, gemendo desumanamente com seu segundo orgasmo. Gunmin continuou ali, empinado, sem forças para se mexer, desfrutando os vestígios de seu ápice. Heedo se afastou, auxiliando o mais velho a se levantar; sabia que o outro estaria dolorido, por isto, envolveu sua cintura para ajudar na caminhada até o banheiro desconhecido.

Durante o banho algumas carícias foram trocadas, mas nada intenso, Gunmin não parecia ter forças para permanecer acordado por muito tempo; Heedo ajudou-o a se vestir e deitar na cama, Lee preferiu ficar de bruços devido à dor. Yoo distribuiu selares por seu rosto, permanecendo deitado ao seu lado até que adormecesse.

 

- Eu sou completamente seu... Yoo Heedo. – balbuciou estas palavras antes de adormecer profundamente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...