História Bound By Duty - Fillie - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


esse capítulo ta bom de mais ein kklkkk


Boa leitura 💖

Capítulo 9 - Capítulo Oito


Finn era um homem muito reservado. Isso é o que todo mundo sempre me disse, e é por isso que eu sabia como era errado violar a sua privacidade. Mas eu precisava ver as coisas que Finn mantinha escondidas atrás da porta que Lizzy me mostrou. Talvez fosse me ajudar  a entendê-lo melhor.

Era início da tarde e Finn tinha saído para uma reunião em um dos cassinos clandestinos. Eu não tinha certeza de quando ele estaria de volta, mas se os últimos dois dias desde a minha tentativa constrangedora de sedução eram qualquer indicação, provavelmente não antes das oito. Havia um silêncio na casa. Hoje era dia da folga de Lizzy, e como de costume Winona estava ocupada na cozinha e me evitando.

Eu girei a maçaneta e entrei no quarto onde Finn mantinha as memórias de sua esposa  morta. As cortinas estavam fechadas, lançando o quarto na escuridão. Eu me atrapalhei com o interruptor de luz, mas quando o pressionei, nada aconteceu. Apertei mais algumas vezes até que decidi que era inútil. Após um momento de hesitação induzida por culpa, eu cuidadosamente fiz meu caminho até a janela e puxei as cortinas. Tossi por causa de uma nuvem de poeira que saiu do tecido pesado, e pisquei contra a luz repentina, meus olhos lacrimejando. Os limpei rapidamente antes que de me atrever a olhar ao redor.

Não havia uma lâmpada pendurada no teto, somente uma sequência de fios abandonados. Não admirava que o interruptor não tivesse funcionado. Partículas de poeira dançavam no ar e um cheiro de mofo penetrou meu nariz.

Uma fina camada de pó estava por todas as superfícies e até mesmo no chão. Meus passos eram claramente visíveis. Resumidamente, o pânico ameaçou me oprimir. Não havia nenhuma maneira que eu pudesse esconder a minha presença no quarto, uma vez que minhas pegadas estavam por todo o chão, mas parecia que ninguém mais tinha posto os pés aqui dentro em muito tempo, nem mesmo Finn, de modo que ele nunca descobriria.

O quarto estava cheio de móveis e caixas de papelão. Havia um guarda-roupa de madeira escura, dois armários e uma cama king size com dossel. Lentamente eu entendi. Esta deve ter sido a suíte principal que Finn e sua esposa haviam compartilhado antes de sua  morte. Pelo menos eu não estava dormindo na mesma cama em que Finn tinha feito amor com.sua falecida esposa. Na ponta dos pés, fui em direção ao guarda-roupa. Eu não tinha certeza de porque estava tentando ser tão silenciosa, mas parecia quase um sacrilégio estar dentro desse quarto. Abri o armário e fui atingida pelo cheio de desuso e roupas velhas. Havia duas dezenas de vestidos pendurados em cabides cor de rosa acolchoados, e iam desde vestidos de baile a bonitos vestidos cocktail, passando por vestidos casuais de verão. Alguns pareciam que poderiam ter feito parte do meu guarda-roupa, mas eles eram muito pequenos para mim.

Eu rocei meus dedos sobre os tecidos. Era estranho pensar que a pessoa que os tinha usado estava muito longe agora, enterrada na terra fria e escura. Com um arrepio, eu fechei a porta e dei um passo atrás, mas minha curiosidade ainda não estava saciada. Abri uma das gavetas do armário ao lado do guarda-roupa e achei roupas íntimas. Rapidamente a fechei. Isso definitivamente era muito pessoal. Eu não podia remexer na lingerie de uma mulher morta, mesmo que pudesse me dizer algo sobre as preferências de Finn. Hesitante, me aproximei da segunda cômoda. Abri a gaveta de cima. Estava vazia, exceto por dois álbuns de fotos. Tive uma sensação de que a gaveta pertenceu a Finn, com as meias e cuecas empilhadas ali há muito tempo atrás. Quando ele mudou de quarto, deixou tudo para trás, até mesmo sua própria cômoda.

Ignorando meus escrúpulos, eu peguei os dois álbuns e os levei para a cama. Um edredom vermelho escuro estava espalhado sobre ela, e também estava coberto de uma fina camada de poeira. Depois de um olhar ao redor em busca de outra opção, me sentei na borda com os álbuns. O primeiro deles era branco, à exceção da imagem de dois anéis de ouro entrelaçados. Com medo, eu abri o álbum. Um Finn muito mais jovem e uma mulher pequena e jovem, em um vestido de  casamento, estavam na primeira foto. Finn não estava olhando para a câmera. Toda sua
atenção estava voltada para sua noiva, e a adoração claramente visível em seus olhos
aumentou o caroço na minha garganta. Seu jeito frio e sua sofisticação sem emoções estavam ausentes. Talvez porque ele ainda fosse jovem, mas eu tinha a sensação de que tinha mais a ver com a mulher ao seu lado na foto. Era uma foto simples e ainda assim transmitia tudo o que um casamento deve dizer:.amor, dedicação, felicidade. Eu não tinha visto as fotos do nosso casamento ainda, mas eu sabia que não iria.encontrar isso nelas. Eu engoli a emoção.

Olhei as outras fotos, na infantil esperança de encontrar Finn com um olhar tão indiferente quanto o que ele me mostrou. Mas, apesar de sua expressão se tornar mais cautelosa e controlada nas fotos que vinham mais adiante, era difícil não notar os sentimentos que ele tinha por sua esposa. Eles estavam casados há quase 12 anos, mas nunca tiveram filhos. Eu sabia que Iris tinha lutado contra o câncer nos últimos três anos de sua vida, mas me perguntava por que não tinha funcionado até então. Eu nunca tinha visto ela com vontade de engravidar, ou ouvido rumores de um aborto espontâneo. Não que fosse da minha conta.

Talvez eu devesse ver como sorte que Finn não teve filhos com Iris, ou eu os teria aqui para me desprezar também. Odiei a amargura desse pensamento e rapidamente o deixei de lado. Eu não queria ser mesquinha ou ter ciúmes de uma mulher morta. Ela nunca tinha me feito nada e era algo horrível que ela tivesse morrido tão cedo.

Peguei o segundo álbum. Nele, havia algumas fotos que mostravam Iris com uma peruca e sem sobrancelhas. O braço de Finn estava em volta de sua esposa magra e pálida de forma protetora. Tristeza tomou conta de mim. Como era perder alguém que você amava tanto? Eu tinha amado Noah como um amigo, mas não chegava nem perto do que Finn e Iris devem ter tido, e se eu fosse sendo honesta, muitas vezes me ressenti com Noah por me manter em uma gaiola dourada sem amor para que ele pudesse esconder que era gay.

A porta se abriu, me fazendo saltar, e Finn entrou no quarto, sua expressão furiosa. Antes que eu pudesse me mover, ele estava na minha frente puxando o álbum de fotos da minha mão. Ele o atirou na cama, seus olhos queimando dentro de mim. — O que você está fazendo aqui?

Ele agarrou meu braço e me puxou para ficar de pé, nos trazendo tão perto um do outro que nossos lábios estavam quase se tocando.

— Esse quarto não lhe diz respeito.

Eu me contorci. — Finn, você está me machucando.

Ele me soltou, substituindo sua raiva por desaprovação. — Você não devia ter vindo aqui. — Seus olhos correram para o álbum que estava aberto sobre a cama, com a foto dele e de sua esposa doente. Ele deu um passo para trás, e o último traço de sua fúria foi substituída por uma assustadora calma. — Saia.

Eu não precisava ser mandada duas vezes. Rapidamente corri para o corredor, assustada com a explosão de Fim , mas honestamente mais apavorada com a calma estranha que assumira seu rosto ao final. Finn saiu do quarto e fechou a porta. Ele não olhou para mim novamente. Eu observei suas costas enquanto ele se afastava, descendo as escadas.

Passando os braços em volta de mim, fechei os olhos. Eu não gostava de desistir das coisas. Eu era teimosa, teimosa demais como minha mãe sempre apontou, mas considerei seriamente aceitar que o casamento entre Finn e eu não iria funcionar. Havia um limite de rejeição que eu podia suportar.

***

Nós quase não conversamos durante o jantar, e quando fizemos foi para falar de notícias atuais. Finn não mencionou o que aconteceu, e eu definitivamente também não. Ao final, Winona tirou nossos pratos com um olhar curioso demais em minha direção. — Eu tenho mais trabalho a fazer.

É claro que ele tinha. Eu balancei a cabeça em silêncio e me dirigi para a biblioteca. Se as coisas continuassem a progredir dessa forma eu falaria russo fluente em mais alguns dias, pensei amargamente quando peguei o livro didático. Mas eu não conseguia me concentrar. As letras nadavam diante dos meus olhos até que, finalmente, desisti. Saí da sala e lancei um olhar na direção do escritório de Finn. Não havia qualquer luz saindo por baixo da porta. Talvez ele tivesse ido para a cama?

Eu fui em direção à escada, mas parei quando vi movimento com o canto do olho. A porta da sala estava aberta, me dando uma visão clara do Finn, que estava sentado na grande poltrona em frente à lareira, no escuro, bebendo o que parecia ser uísque. Pensei em ir até ele e pedir desculpas, mas sua expressão me fez desistir. Em vez disso eu calmamente subi as escadas e entrei no quarto.

Sob a corrente de água quente do chuveiro, meus dedos encontraram o caminho entre as minhas pernas outra vez, mas eu não queria isso realmente e acabei abandonando a minha tentativa de encontrar um alívio. Ver essas fotos antigas tinha aberto velhas feridas e criado novas. Elas haviam me lembrado das poucas vezes, no início do nosso casamento, em que Noah tinha trazido seu amante Jack para nossa casa para transar com ele. Era um dos lugares mais seguros para eles se encontrarem, mas, apesar de meus melhores esforços para.levar isso numa boa, eu tinha sofrido por causa da interação de Noah com Jack, por ouvir sobre o amor e o desejo que ele nunca poderia me dar. Vendo Finn com sua esposa hoje, me senti da mesma forma. Eu não tinha lutado contra Jack naquela época, e eu tinha cada vez mais certeza de que eu não tinha a menor chance contra a esposa morta de Finn também.

***

Maddie tinha me aconselhado a deixar Finn sozinho por agora e esperar as coisas melhorarem, e durante a ligação essa até parecia uma solução decente, mas depois de um dia de silêncio esmagador eu não aguentava mais.

Quando eu vi Finn sentado na frente da lareira apagada, naquela noite, bebendo seu uísque, algo estalou em mim. Meu primeiro marido não me queria porque ele preferia os homens, e o segundo, porque ele não podia esquecer uma mulher morta e preferia meditar com um copo de uísque. Eu sabia que Finn tinha transado com outras mulheres depois da morte de sua esposa. Maddie tinha
confirmado que ele havia frequentado o clube de seu marido por um tempo, então por que ele não queria fazer sexo comigo? Talvez alguma coisa em mim repelisse os homens. Essa era a única explicação lógica, e se fosse esse o caso eu precisava saber para parar de desperdiçar meu tempo com esperanças tolas e em planos de sedução ridículos.

Entrei na sala de estar, me certificando que meus saltos fizessem barulho no piso de madeira. Finn manteve seu olhar sobre a lareira apagada. É claro, ele me ignorou. Ele quase sempre ignorava.

Meus braços começaram a tremer da raiva contida. — É verdade que você frequentou o Clube Palermo?

Finn fez uma careta. Ele rodou o uísque dentro do copo, não olhando para cima. — Ele pertence à Família, mas isso foi muito tempo antes do nosso casamento.

Maddie tinha dito o mesmo, mas seu tom casual e linguagem corporal não se alteraram. Ele agiu como se nada disso me dissesse respeito.

Uma raiva queimou pelas minhas veias. Eu podia sentir meu temperamento estourando para fora da gaiola, mas estava muito abalada para segurá-lo. — Então você não se importa de ter a companhia de prostitutas, mas não é capaz de tirar a virgindade da sua própria mulher?

Isso chamou a atenção dele e agora eu queria que não tivesse feito isso. Seus olhos castanhos.se ergueram. Eu gostaria de poder enfiar as palavras de volta em minha boca, desejei que ele voltasse o olhar para o seu uísque. Talvez tenha até mesmo havido um lampejo de confusão em rosto por um milésimo de segundo antes de a máscara de calma escorregar em seu rosto outra vez.

Me virei sem dizer uma palavra, chocada com o que eu disse, aterrorizada com as consequências que meu desabafo poderia trazer para mim. O tilintar de um copo de vidro sendo apoiado no mogno soou atrás de mim, seguido pelo ranger da poltrona. Minha garganta fechou, um frio encheu meu peito. Meus dedos agarraram o corrimão enquanto eu fazia o caminho para o andar de cima. Seus passos me seguiram, calmos e medidos. Eu suprimi o desejo de olhar para trás ou até mesmo correr. Finn não podia ver como eu estava abalada. O que eu ia fazer?

Ele exigiria respostas. Respostas que eu não poderia dar a ele, porque prometi nunca contar a ninguém. Mas Finn era o The Boss. Ninguém nunca chegou a essa posição sem saber como extorquir informações. Ele não ia me torturar, ou mesmo levantar a mão para mim. Mas eu tinha certeza que ele não precisaria.

Eu escorreguei para o quarto, mas parei em frente à janela com vista para o pátio da casa. Não havia lugar para onde correr. A cama era visível pelo canto do meu olho. Fechei os olhos quando ouvi Finn entrar no quarto e fechar a porta atrás de si. Sua forma alta apareceu atrás de mim no reflexo da janela. Baixei o olhar para os meus dedos, que estavam traçando o mármore frio do parapeito da janela. Às vezes eu sentia como se pudesse lidar com tudo, como se eu fosse a mulher sofisticada e controlada que Finn provavelmente queria, mas.nesse momento eu me sentia como uma garota estúpida.

— Virgindade? — disse ele sem um pingo de emoção. Um dom de todos os homens da Família. Se você cresce com violência e morte, você aprende a selar seu coração para o  mundo. Por que eles não ensinavam a mesma coisa para as mulheres da Família? — Você e Noah foram casados por quatro anos.

Eu não me virei, nem sequer me atrevi a respirar. Como eu pude deixar isso escapar? Meu erro poderia arruinar a reputação de Noah e a minha, por concordar com seu plano. Ser gay era um crime punível dentro da máfia, e eu tinha praticamente ajudado Noah a cometê-lo. Concentrei-me em respirar, na sensação do mármore contra meus dedos, nas árvores se curvando ao vento lá fora.

— Millie. — Desta vez um leve toque de tensão pesou em sua palavra.

— Eu não deveria ter dito nada, — eu sussurrei. — Foi apenas uma figura de linguagem. Eu não quis dizer isso no sentido literal. — Eu era uma boa mentirosa porque não tive escolha, tive que me tornar uma. — Como você disse, Noah e eu fomos casados por quatro anos. É claro que eu não sou virgem.

Sua mão tocou meu quadril e eu praticamente dei um passo para frente, colidindo com o peitoril da janela. Eu engasguei com dor, e então mordi o lábio para engolir o som. Eu tive saudades do toque de Finn durante dias, e agora que ele me tocou, desejei que ele voltasse a me ignorar.

Finn estava me olhando pelo vidro da janela. — Vire-se, — disse ele em voz baixa. Eu.nem sequer hesitei. Sua voz, mesmo sem ameaça e perigo, trazia muita autoridade para eu. resistir. Fiquei imóvel quando o encarei. Eu me concentrei nos botões de sua camisa branca. Seus olhos viam dentro de mim. Cada músculo do meu corpo estava tenso como uma corda de arco. Ele colocou um dedo debaixo do meu queixo e levantou, obrigando-me a encontrar seus olhos. Novamente o toque. Por que ele tinha que me tocar agora, quando antes tinha mantido tanta distância entre nós?

Engoli em seco. Seja forte, Millie. O desejo de um homem morto é sagrado. Não.quebre sua promessa. E não era apenas Noah que eu estava protegendo. Eu vivi uma mentira, fui tão boa mentirosa para Finn desde o nosso primeiro encontro que o levei a acreditar em uma coisa enquanto a verdade era outra. Eu gostaria que houvesse emoção no rosto de Finn, mesmo que fosse raiva; eu poderia ter lidado com isso, mas ele permaneceu inalterado. Sempre um homem de gelo.

— Então suas palavras lá embaixo foram só para me provocar? — ele parecia calmo e  curioso, mas eu não me deixei enganar. Eu tinha toda a sua atenção.

Eu não podia dizer nada. A maneira como ele falou isso fez parecer realmente muito ruim. O que ele estava pensando? Eu gostaria de ter o menor indício de se ele estava de bom ou mau humor.

Ele não vai te machucar,Millie. Ele não tinha feito nada para mim até agora, mas não tínhamos exatamente interagido muito nesses poucos dias do nosso casamento. E dois dias atrás ele tinha sido assustador como o inferno quando me encontrou com os álbuns de fotos.

A tensão foi demais e uma lágrima deslizou pelo meu rosto, seguindo seu caminho até o dedo de Finn, que ainda estava empurrando meu queixo para cima. Ele franziu a testa, me soltando. Eu imediatamente afastei meu olhar dele e dei um passo para trás.

— Por que você está chorando?

— Porque você me assusta! — eu explodi.

— Até hoje você nunca pareceu ter medo de mim. — Ele estava certo. Exceto por algumas breves ocasiões, eu realmente não tinha estado com medo dele, mas quando se tratava de um homem como ele, eu sabia que deveria ter.

— Então talvez eu seja uma boa atriz.

— Você não tem nenhuma razão para ter medo de mim, Millie, — disse ele calmamente. — O que você está escondendo?

— Nada, — eu disse rapidamente.

Ele fechou levemente os dedos em torno de meu pulso. — Você está mentindo sobre algo. E como seu marido, eu quero saber o que é.

Minha ira despertou. Desta vez foi mais rápida do que a cautela. — Você quer dizer como o Chefe, porque até agora você não tem exatamente agido como meu marido.

Ele inclinou a cabeça, examinando cada centímetro do meu rosto. — Por que você ainda seria virgem?

— Eu disse que não sou! — eu disse desesperadamente, tentando escapar, mas ele.apertou mais os dedos, apenas o suficiente para que eu não pudesse escapar. Ele me puxou contra ele, meu peito pressionado contra o seu. O ar deixou meus pulmões rapidamente quando.olhei para ele. Meu coração batia forte em meu peito, minhas têmporas, minhas veias. E ele.sentiu. Foi por isso que ele estava segurando meu pulso.

— Então, — ele disse em um tom curioso. — E se eu a levasse em direção a nossa cama agora, — ele deu um passo, forçando-me mais perto da enorme cama de dossel. — E a fizesse minha, eu não iria descobrir que você mentiu para mim?

Eu não queria nada além de que ele finalmente me levasse para a cama, e agora que ele usava isso como uma ameaça para descobrir a verdade, eu gostaria de nunca ter querido nada com ele em primeiro lugar. Será que ele achava que eu nunca tinha dormido com um homem?

Eu só tinha falado com poucas mulheres sobre suas experiências, e eu não sabia se os homens podiam sentir se uma mulher era virgem.

— Não, porque você não vai me levar para a cama agora.

— Eu não vou? — ele levantou uma sobrancelha escura.

— Não, porque você não iria me tomar contra a minha vontade. Você desaprova o estupro. — As palavras que Maddie tinha usado antes soavam estranhas saindo dos meus lábios, porque isso seria nem mesmo contra a minha vontade. Eu tinha me jogado em cima de Finn por vários dias; ele sabia que eu o queria. Ainda o queria, apesar de tudo. Meu corpo estava praticamente vibrando com saudades de seu toque.

Ele riu. Eu nunca tinha o ouvido rir. Parecia vazio. — Isso é o que você ouviu?

— Sim, — eu disse com mais firmeza. — Você deu aos seus homens ordens diretas, e se não fossem obedecidas você castraria qualquer um que usasse estupro como forma de  vingança ou tortura.

— Eu fiz isso. Acho que uma mulher nunca deve ter de se submeter a qualquer pessoa que não seja seu marido. Mas você é minha mulher.

— Mesmo assim. — Minhas palavras foram um sussurro, cheias de incertezas.

Ele acenou com a cabeça uma vez. — Sim, mesmo assim. — Ele soltou meu pulso. Um alívio me inundou. — Agora eu quero que você me diga a verdade. Eu sempre vou tratá-la com respeito, mas espero o mesmo de você. Eu não tolero mentiras. E, eventualmente, vamos dormir juntos, e então, Millie , eu vou saber a verdade.

— Quando nós vamos dormir juntos como marido e mulher, e não apenas um ao lado do outro? Será que isso nunca vai acontecer? — eu rebati. Minha boca estúpida, sempre correndo solta.

Sua expressão piscava com algo que eu não podia definir. — A verdade, — disse ele simplesmente, mas com autoridade. — E lembre-se, eventualmente eu vou saber.

Abaixei meu rosto. Será que a verdade pioraria as coisas entre Finn e eu? Com certeza seria muito pior se ele descobrisse que eu tinha abertamente mentido para ele sobre ter.consumado o meu casamento.

— Millie, — Finn disse laconicamente.

— O que eu disse na sala de estar era a verdade. — Fiquei aliviada e aterrorizada quando as palavras saíram da minha boca. Quanto tempo mais eu poderia ter mantido a
mentira, de qualquer maneira?

Finn assentiu, um olhar estranho em seu rosto. — Isso é o que eu pensava, mas agora
eu pergunto por quê?

— Por que é algo tão surpreendente Noah não me querer? Talvez ele não me achasse  atraente. Você, obviamente, não me acha, ou não iria ficar quase todas as noites em seu escritório e de costas para mim. Nós dois sabemos que, se você me quisesse, se você me achasse desejável, eu teria perdido a minha virgindade na nossa noite de núpcias.

— Eu pensei que nós tínhamos concordado com o fato de que eu não iria te forçar, — disse ele. Eu procurei seus olhos porque não tinha havido um traço de raiva em sua voz.

— Mas você não teria que me forçar. Você é o meu marido e eu quero estar com você. — Um calor inundou meu rosto. — Eu.praticamente me joguei em você esses dias, mas você nem percebeu o meu corpo. Se você me achasse atraente, teria algum tipo de reação. Eu acho.que eu tenho a sorte de sempre acabar com maridos que me acham repulsiva.

— Você não é repulsiva para mim, — disse ele com firmeza. — Confie em mim, eu te acho atraente.

Devo ter parecido em dúvida, porque ele fechou a distância entre nós. — Eu acho. Não
duvide de minhas palavras. Sempre que eu pego um vislumbre da pele branca cremosa de suas coxas, — ele traçou minha coxa, através da fenda da camisola. Eu tive que abafar um suspiro, surpresa com sua repentina proximidade. Arrepios eclodiram por todo o meu corpo. — Ou quando eu vejo o contorno de seus seios através das pequenas camisolas que você usa para dormir, — ele passou o dedo suavemente sobre a borda rendada de minha camisola, logo acima dos meus seios. — Eu quero te jogar na nossa cama e me enterrar em você. — Ele deixou cair sua mão, parando de me tocar.

Meus olhos se arregalaram. — Você quer? Então por que...

Ele me cortou com um dedo contra os meus lábios. — É a minha vez de fazer perguntas e você vai prometer não mentir. — Eu olhei para ele, balançando a cabeça. Ele tinha dito a verdade? Será que ele me queria?

— Por que Noah não dormia com você? — perguntou Finn, ainda de pé tão perto que seu calor inundou o meu corpo. Eu mal podia me concentrar.

— Eu prometi não contar a ninguém, nunca.

— Noah está morto, — disse Finn. Ele não parecia arrependido. — Eu sou o seu marido agora e sua promessa para comigo é mais importante.

Desviei o olhar. Ele estava certo, mas eu tinha levado a verdade comigo por tanto tempo que tinha quase se tornado uma parte de mim. Finn provavelmente descobriria isso eventualmente.

— Millie ?

— Noah era gay, — eu soltei. Finalmente, o fardo da mentira de Noah não estava.mais sobre os meus ombros. Me senti livre.

Finn pareceu atordoado por um momento. — Eu nunca suspeitei de nada. Você tem certeza?

Revirei os olhos. — Ele levou seu amante para casa algumas vezes.

— Por que ele não dormiu com você pelo menos para procriar? Isso teria afastado
possíveis suspeitas.

Eu hesitei. — Eu não acho que teria funcionado. Você sabe... — Fiz um gesto na direção geral da virilha de Finn.

— Ele era infértil?

Eu bufei. — Não, ele mencionou uma vez que não conseguia ter ereção com mulheres. — As palavras correram para fora de mim.

— Quem era o seu amante? — ele perguntou casualmente, mas eu sabia que não podia confiar em seu desinteresse. Seus olhos me deram uma dica de sua ansiedade por obter uma resposta minha. Eu tinha a sensação de que ele estava tentando usar o meu estado emocional contra mim, mas eu não ia abrir a guarda tão facilmente.

Balancei minha cabeça. Jack ainda estava vivo e não era um membro da Família. Se Finn descobrisse que Noah tinha saído com um estranho... Eu não queria nem considerar as consequências. Ele não iria parar até que encontrasse a pessoa e eu sabia exatamente o que iria acontecer com Jack.

— Eu não posso te dizer. Por favor, não me faça dizer.

Finn tocou meus braços sem fazer pressão. — Se for alguém da Família eu preciso saber, e se não for... A Família vem em primeiro lugar. Eu preciso proteger todos aqueles que depositam sua confiança em mim.

Ele iria matar Jack, e talvez até mesmo torturá-lo para ter certeza de que ele desse os nomes de todas as pessoas que sabiam sobre Noah. Eu não seria capaz de viver comigo mesma se isso acontecesse. Eu queria fechar os olhos para evitar o olhar penetrante de Finn, mas sabia que era má ideia. — Não posso dizer..Eu não vou contar. Sinto muito Finn, não importa o que você faça, eu não vou te dar um nome.

Raiva passou pelo rosto de Finn, mais feroz do que antes. Esta era uma fúria real e pela primeira vez foi dirigida a mim. O que Maddie tinha dito? Finn não tolerava desobediência. — Você vive uma vida protegida, Millie. Já ouvi homens fortes me dizendo o mesmo e, ao final, todos eles contam seus segredos.

— Então faça o que você tem que fazer, — eu rebati, me afastando. — Corte os dedos dos meus pés. Me bata, me queime, me corte, mas eu prefiro morrer a ser responsável pela morte de um homem inocente.

— Então ele é de fora.

Eu olhei para ele boquiaberta. Isso é o que ele conseguiu tirar da minha explosão? Deus, ele era bom nisso. Ele não tinha sequer tocado em um fio de cabelo na minha cabeça e já tinha.obtido informações de mim. — Eu não disse isso.

Mas já era tarde demais. Finn sorriu. — Você não precisa. — Seu olhar era mordaz e ardente. Ele parecia um caçador. — Se Noah levou seu amante em casa eu suponho que  você o conheça e pode descrevê-lo para mim.

Eu apertei meus lábios, encarando-o. Nem em um milhão de anos que eu iria lhe dizer o que ele queria saber. Eu já tinha falado demais. Eu teria que ser mais esperta no futuro.

Finn se aproximou novamente. Ele tocou meus quadris e, apesar de tudo, o simples toque enviou labaredas de fogo pela minha barriga. Eu o queria, talvez mais do que nunca. O que deixa homens perigosos tão irresistíveis?

— Você não é leal a mim? — ele murmurou. — Você não acha que me deve a verdade?.Você não acha que esse é seu dever? Não só porque eu sou o chefe da Outfit, mas porque eu sou seu marido.

— E você me deve uma noite de núpcias decente. Como meu marido, deveria ser o seu dever cuidar das minhas necessidades. Suponho que ambos terão que conviver com a decepção.

Sua máscara rachou. Sem aviso, ele me agarrou e me virou, por isso fiquei pressionada contra seu peito.

— Eu sou um caçador paciente, Millie, — Finn disse em uma voz baixa que eu.podia sentir por todo o caminho até o meu núcleo. — Você vai me dizer o que eu quero saber, eventualmente. — Sua mão deslizou pelo lado da minha coxa, demorando-se ali por um
momento, me fazendo segurar minha respiração em antecipação e confusão. Ele empurrou a minha camisola enquanto acariciava seu caminho até a minha calcinha. Eu tremi e me pressionei ainda mais contra seu peito. O tecido liso de sua camisa sussurrava com o contato. Era um som estranhamente erótico. Finn colocou um dedo dentro do tecido rendado da calcinha e escovou minhas dobras. Eu ofeguei, já molhada e dolorida por sua proximidade. Eu
não tinha certeza do porquê de repente ele estar me tocando ou o que o tinha levado a mudar de ideia, mas eu não me importava desde que ele continuasse me tocando. Ele mergulhou os dedos entre os meus lábios inferiores e sua respiração se aprofundou. — Você quer isso?

— Sim, — eu assobiei, esfregando-me descaradamente contra a mão dele, mas o outro braço veio na minha cintura e me segurou firme. — Eu quero você, Finn.

— Me diga o que eu quero saber. — Ele me acariciou com os dedos lentamente, de um
lado para o outro. O assalto sensual me fez respirar pesadamente. Eu já estava tão perto. Meu corpo tinha esperado muito tempo por isso. Minhas pernas começaram a tremer e eu joguei minha cabeça para trás, contra os ombros de Finn. — Você não me quer? — eu suspirei, em vez de dizer o que ele queria ouvir. Seu dedo roçou meu clitóris como se em resposta, e eu dei um pequeno grito quando o êxtase explodiu através de mim. O braço de Finn em volta da minha cintura me manteve de pé, forte e inflexível, enquanto eu tremia sob meu orgasmo.

— Eu quero. Esse é o problema, — ele rosnou.

De repente ele me soltou e deu um passo atrás. Segurei o peitoril da janela para me impedir de cair no chão. Eu me virei, meu pulso ainda latejando em minhas veias, mas Finn já estava em seu caminho para fora do quarto.

O que tinha acontecido?


Notas Finais


CARAI MEU IRMÃO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...