1. Spirit Fanfics >
  2. Bound By Lover-Bughead VL 3 >
  3. --- Bound By Lover --- Capítulo 10

História Bound By Lover-Bughead VL 3 - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura❤

Capítulo 11 - --- Bound By Lover --- Capítulo 10


ELIZABETH 

 Eu peguei a peruca e posicionei na minha cabeça. Demorei alguns minutos para fazer parecer natural.

Eu tinha escolhido um penteado que nunca seria permitida ter porque Jughead nunca concordaria que eu cortasse ou pintasse meu cabelo. A peruca era preta e curta, o segundo aniversário no nosso iate no Mediterrâneo, minha pele estava bronzeada o suficiente para que a cor do cabelo escuro não parecesse artificial, apesar dos meus olhos azuis.

A peruca mudou meu rosto completamente, me fez parecer mais madura, menos doce. Eu havia escolhido jeans pretos apertados com uma camisa listrada preta e branca apertada e tênis branco. Eu não parecia nada comigo mesma. Essa era a aparência de uma estudante universitária e não de uma princesa da máfia. Eu sorri, ridiculamente feliz.

Saí do banheiro e fui para o quarto, onde Jughead estava puxando uma camisa preta sobre o peito.

Jughead parou quando me viu, seus olhos vagando pelo meu corpo.

Eu dei uma rodopiada. 

“E? O que você achou?”

“Isso não é você.” disse ele.

“Eu sei.” Eu sorri. “Ninguém vai me reconhecer assim.”

“Você parece feliz." disse Jughead baixinho enquanto colocava o coldre de arma no peito.

“Eu estou,” eu admiti. Eu finalmente iria para a faculdade. Eu fingiria que era uma mulher normal, não a esposa do Capo. Era estranho que eu estivesse a caminho da faculdade, enquanto Jughead estaria saindo para lidar com quaisquer problemas que a Famiglia estivesse enfrentando.

Ele ainda estava tenso, então me movi em direção a ele e toquei seu peito.

“Tudo ficará bem. Chic estará ao meu lado.”

Jughead assentiu.

 “Ele terá que manter a distância de vez em quando para não atrair atenção. Você deve se misturar.”

“Eu vou,” eu disse.

Jughead tocou minha peruca, seus lábios torcendo.

 “Eu sinto falta do seu cabelo.”

“É só para a faculdade,” assegurei a ele. “Eu estive pensando sobre como garantir que os caras mantenham a distância que você deseja.”

Os olhos de Jughead ficaram atentos.

“Chic poderia fingir ser meu namorado. Ele é apenas dois anos mais velho que eu.”

Jughead não parecia convencido. 

“Como você faria isso?” O ciúme tocou em sua voz.

“Nós poderíamos dar as mãos. Isso seria suficiente porque as pessoas sempre nos verão juntos de qualquer maneira.”

Jughead assentiu.

 “Isso poderia funcionar. E eu confio em Chic com você. Ele será respeitoso.”

Eu ri. 

“Ele vai se recusar a dar as mãos, confie em mim.” Eu parei. “Não fale com ele. Eu quero pegá-lo de surpresa mais tarde.”

Jughead sorriu. 

“Você é uma torturadora. Chic é leal. Ele vai perder a cabeça se você fizer um movimento sobre ele.”

Eu revirei meus olhos. 

“Vou pedir para ele fingir, isso é tudo.” Eu inclinei minha cabeça. “Então, tudo bem se eu segurar a mão de Chic, ou se ele envolver seu braço em volta do meu ombro?” Eu queria ter certeza de que Jughead poderia lidar com isso e não faria a vida de Chic um inferno.

Jughead me beijou possessivamente. 

“Com mais ninguém, não, mas Chic, sim. Ele sabe que você é minha.”

Todos em nosso mundo sabiam que eu era de Jughead.

***

Eu não conseguia parar de olhar para Chic. Ele parecia um estudante universitário de jeans escuro e camisa xadrez. As garotas se jogariam para ele. Ele nos levou em seu próprio carro, um Dodge Charger cinza escuro.

Chic olhou para mim.

 “Vou participar de tantos cursos com você quanto puder. Vamos almoçar juntos e você não vai andar em lugar algum sem mim.”

Suspirei.

 “Sim, eu sei. Estamos praticamente presos pelos quadris.”

Ele estacionou o carro, depois saiu, mas era tarde demais para abrir a porta para mim. 

“Pare com isso,” eu murmurei. “Finja que você é meu namorado e não meu guarda-costas.”

Os olhos de Chic se arregalaram e ele sacudiu a cabeça e deu um respeitoso passo para trás.

Eu estendi minha mão.

 “Eu acho que é a melhor maneira de fazer os homens recuarem, Chic. Você é intimidante. Não seja um covarde,” eu disse provocativamente, balançando meus dedos para ele.

Ele os olhou como se fossem cobras venenosas prestes a atacar.

Decidindo acabar logo com isso, fui até ele antes que ele tivesse a chance de recuar, peguei sua mão e o puxei na minha direção. Pego de surpresa, ele se balançou para frente e se firmou com a mão no meu quadril.

Meu Deus. O olhar em seu rosto me traria muitas horas negras no futuro.

Eu ri e ele retirou a mão como se tivesse sido queimado. 

“Elizabeth,” ele murmurou implorando, puxando a minha mão, mas eu não soltei.

“Acalme-se, Chic. As pessoas ficarão desconfiadas se você se recusar a segurar a mão da sua namorada.”

A raiva encheu seus olhos, e eu me senti culpada por fazê-lo pensar que ele estava fazendo algo que Jughead não aprovaria. Eu soltei a mão dele.

Suspirei.

 “Eu conversei com Jughead sobre isso. Ele acha que é uma boa ideia se você fingir ser meu namorado, então outros homens recuariam.”

A surpresa baniu a raiva. 

“Ele disse isso?”

“Ligue para ele,” eu insisti, e é claro que ele fez. Depois de conseguir a aprovação de Jughead, ele relaxou visivelmente.

“Eu te disse,” eu murmurei.

“Jughead é meu Capo,” disse Chic com firmeza. “Eu não posso ir contra ele, especialmente quando você está envolvida.”

“Eu sei,” eu disse, ficando frustrada. “Estou bem ciente de que sou a posse do seu Capo.”

“Você não é a posse de Jughead. Você é dele.”

Eu não tinha certeza se havia alguma diferença, e ainda não me incomodava muito. Após dois anos de casamento, eu cheguei a um acordo com a possessividade de Jughead. Chic estendeu a mão com um pequeno sorriso. 

“Vamos lá, Betty.”

Lancei lhe um sorriso, decidindo não deixar nada arruinar este dia para mim, e enfiei a mão na sua, depois fomos para as aulas. Mesmo sem meu cabelo loiro, vários caras olhavam para mim. Eu não esperava por isso.

Chic ficou rígido. 

“Se eles soubessem quem você é, não ficariam olhando maliciosamente.”

“Eles não sabem, e é exatamente isso que queremos.” Eu olhei para eles. “Seus olhares mortais vão assustá-los em breve.”

Ele riu. 

“Eu tenho que fazer o que Jughead faria.”

Meu peito se apertou. Às vezes me perguntava como seria se Jughead não fosse quem ele era e se eu não fosse quem eu era. Se fôssemos pessoas normais, poderíamos passear por esses corredores como um casal normal.

Lágrimas arrepiaram meus olhos porque isso nunca iria acontecer. Jughead nunca teve a escolha de ir para a faculdade. Desde o dia do seu nascimento, seu caminho havia sido determinado, um caminho de escuridão, cheio de inimigos até mesmo entre os nossos.

“Você está bem?” Chic perguntou, parando a poucos passos da nossa classe, soltando a minha mão.

Eu balancei a cabeça.

 “Eu gostaria que Jughead pudesse estar aqui.”

“Estamos todos ligados ao caminho ao qual estamos destinados.”

Um grupo de garotos da minha idade passou e um deles se virou e sorriu para mim. Surpresa disparou através de mim em seu flerte óbvio.

“Tudo bem. Eu não gosto disso.” Chic rosnou.

“Então mostre a eles que eu sou sua namorada. Confie em mim, eles vão recuar se você olhar para eles. Eles estão cheios de si mesmos, mas qualquer um com olhos em suas cabeças pode dizer que você não é um homem com quem se deve mexer.”

Chic hesitou.

“Como você me trataria se eu fosse sua namorada?”

Ele franziu a testa.

“Sem beijar,” acrescentei rapidamente, ruborizando.

“Confie em mim, Betty, eu nunca sonharia em beijar você. Você é como minha irmãzinha.”

Eu sorri, porque Chic era como um irmão mais velho que eu nunca tive.

Ele se aproximou e circulou minha cintura com o braço, a palma da mão descansando levemente no meu quadril. Eu fiquei tensa com a proximidade desconhecida.

Chic me olhou, murmurando: “Está tudo bem?”

“Sim. Eu só não estou acostumada a estar tão perto de ninguém além de Jughead,” eu admiti, envergonhada.

Ele assentiu. 

“Eu sei. Você está pronta para entrar?”

Respirei fundo e, juntos, entramos na minha primeira aula como estudante universitária e, como eu havia previsto, os rapazes recuaram no momento em que me viram com Chic.

***

Eu estava tonta quando estávamos voltando para casa. Eu mal podia esperar para contar a Jughead sobre o meu dia. Pela primeira vez, eu tinha mais a dizer do que apenas sobre minhas aventuras de compras ou sobre o livro que estava lendo.

O telefone de Chic tocou e ele deu uma olhada na tela. 

“Jughead,” disse ele.

Eu virei, curiosa.

Chic assentiu. 

“Pode deixar. Sim, tudo correu bem.”

“O que ele queria?”

“Ele ainda está na South Side Serpents. Ele quer que eu leve você até lá porque ele quer levá-la para treinar quando ele terminar.”

Meus olhos se arregalaram. Fazia muito tempo desde que Jughead e eu havíamos praticado, mas eu, indo para a faculdade, obviamente o fiz reconsiderar. Era incomum que Jughead tivesse dito a Chic para me levar para a South Side Serpents. Eu tirei minha peruca e alisei meu cabelo. Estava mais selvagem que o habitual.

Depois de pegar roupas de ginástica, fomos para a South Side Serpents e Chic estacionou o carro bem em frente à entrada. Desta vez ele foi rápido o suficiente para abrir a minha porta, e eu dei a ele uma olhada antes de me dirigir para a entrada. Era fim da tarde, então o clube ainda não estava aberto, mas o segurança guardava a porta mesmo assim. Seu rosto escuro registrou surpresa quando ele me viu, especialmente vestida de jeans e tênis. Essa não era a minha roupa habitual. Ele não comentou, no entanto.

Entramos no clube, passamos pelo bengaleiro e depois fomos para a área principal. Azul, branco e preto eram as cores dominantes. O balcão do bar parecia ter sido esculpido em água congelada, um azul fluorescente pálido.

“Isso é novo,” eu disse, surpresa.

“Jughead o renovou recentemente. Para ficar no topo, precisamos manter nossos clubes atualizados.” Meus olhos foram atraídos para as plataformas com postes no meio. 

“E as dançarinas de pole são uma obrigação para isso?”

Chic deu de ombros.

 “Elas levam a multidão ao delírio.”

Jughead não havia mencionado que ele havia reformado seu clube. Eu gostaria que ele compartilhasse mais de sua vida diária comigo. Eu teria que falar com ele sobre isso, fazê-lo ver que para nós sermos parceiros, ele teria que me envolver mais, e não me proteger de tudo relacionado à Famiglia.

Talvez ele me convidando fosse um começo.

Chic levou-me para a parte de trás da South Side Serpents, onde várias salas particulares estavam localizadas e depois para uma espécie de escritório.

Lembrei-me vagamente do incidente com roofie. Jughead e Archie estavam ambos empoleirados na beira da mesa, conversando profundamente. Jughead olhou na minha direção quando entrei, seus olhos se demorando no meu cabelo, e um olhar de satisfação passou pelo seu rosto.

“Ronnie tem perguntado sobre você,” disse Archie em saudação. A culpa apertou meu estômago ao manter meu segredo na faculdade, mas Jughead insistiu para que nós envolvêssemos o menor número possível de pessoas pelo maior tempo possível. Ela iria descobrir em breve, é claro, porque geralmente passávamos todos os dias juntos.

“Ele sabe,” disse Jughead.

“Você percebe que o momento em que Veronica descobrir que você está indo para a faculdade, ela vai querer isso também,” Archie murmurou.

Eu dei de ombros.

 “Então deixe-a ir.” Jughead me enviou um olhar de advertência. Eu sabia que ele ainda não confiava em Veronica, mas esse era o problema dele.

“Como foi?” Jughead perguntou enquanto caminhava em minha direção e me puxou contra ele para um beijo possessivo. Seus olhos foram atraídos para Chic, não para mim.

“Tudo correu bem,” eu disse. “Chic era o namorado perfeito.”

Jughead riu.

“Betty pelo menos o pagou?” Archie perguntou com um sorriso.

Chic riu.

Jughead sorriu, então ele baixou seu olhar dominante para mim. Minha, foi o que seus olhos disseram.

***

Chic se juntou a Jughead e a mim na academia, mas alguns outros soldados também estavam lá quando entramos no antigo armazém.

Antes de me juntar a Jughead no ringue, Chic sussurrou.

 “Use sua velocidade. Jughead nunca será capaz de se mover tão rápido quanto você com seu pequeno corpo.

Eu enviei-lhe um sorriso antes de entrar no ringue. Jughead não se incomodou com uma camisa desta vez e estava apenas vestindo shorts de luta. Meus olhos percorreram seu tanquinho, seus peitorais, seus ombros largos. Olhando para ele, eu poderia pensar em muitas coisas que eu preferiria estar fazendo do que lutar. O sorriso de resposta de Jughead deixou claro que ele sabia exatamente o que eu estava pensando.

Mesmo minha velocidade não foi suficiente para enganar Jughead. Ele parecia adivinhar cada movimento meu, e quando eu caí de costas pelo o que parecia a centésima vez com ele agachado sobre mim, soltei um suspiro exasperado. Os olhos de Jughead eram dominantes, mas suaves enquanto olhavam para mim.

Então eu ouvi um dos garotos adolescentes, que estava fazendo supino, dizendo algo como que ele não se importaria de lutar comigo, e meu corpo ficou tenso com a expressão de Jughead.

Ele se levantou e me puxou com ele.

Era como se um interruptor tivesse sido ligado enquanto ele enfrentava o grupo de três garotos. Eles tinham talvez dezesseis ou dezessete anos, e seus rostos brilhavam de medo no momento em que perceberam que Jughead os ouvira.

Eu toquei o pulso de Jughead levemente.

 “Jug, eles são meninos.”

Seus olhos se fixaram nos meninos, me ignorando. 

“Eles são meus soldados.”

Chic se moveu em direção ao ringue e separou as cordas para mim.

“Vamos lá, Elizabeth.” Eu deixei ele me ajudar a sair do ringue de boxe.

Jughead fez sinal para os meninos se aproximarem. 

“Mostre-me suas tatuagens,” ele ordenou.

Um após o outro, os meninos puxaram suas camisas por cima de suas cabeças, revelando a tatuagem da Famiglia sobre seus corações. Eles eram mais musculosos do que eu pensava.

Jughead apontou para o mais alto, e o garoto não hesitou em subir no ringue, embora parecesse que iria se molhar. Ele era alto, mas só alcançou o nariz de Jughead.

“Ele não vai machucá-los, certo?” Eu perguntei a Chic, que tinha os braços cruzados sobre o peito musculoso e estava assistindo sem piedade.

“Eles são seus soldados.”

Como se isso respondesse a minha pergunta.

 “Eles são meninos.”

“Eles deixaram de ser meninos quando foram introduzidos na Famiglia.”

“Você queria lutar,” disse Jughead friamente. “Agora me enfrente, Joaquim.”

O menino hesitou apenas um segundo antes de atacar. Jughead evitou o ataque, agarrou o garoto e atirou-o nas cordas. Joaquim tentou evitar sua queda, mas jughead lhe deu um soco nas costelas. O menino caiu de joelhos com um suspiro de dor, mas Jughead não concedia piedade. Ele agarrou o garoto pela garganta e lhe deu um soco no estômago. Joaquim caiu de joelhos, ofegando. Jughead ficou atrás do garoto e passou o braço em volta de sua garganta com um olhar que me fez arrepiar. Eu vacilei quando ele intensificou seu aperto até a cabeça do garoto ficar vermelha. Chic segurou meu pulso porque eu fiz um movimento para interferir. Ele ia matar o menino?

Jughead recuou, relaxando e Joaquim caiu para a frente, tossindo. Por vários momentos, ele ficou esparramado no chão do ringue, então Jughead estendeu a mão e Joaquim pegou. Jughead puxou-o de pé e soltou-o. O garoto saiu do ringue. Jughead apontou para o próximo garoto. 

“Nico.”

O menino baixou a cabeça e subiu no ringue. Eu me virei e voltei para o vestiário. Jughead tinha que se certificar de que seus soldados o respeitassem, mas era difícil vê-lo assim. Eles eram meninos. Eu não era ingênua, sabia que meninos em nosso mundo eram criados desde cedo para serem durões. Eles tinham que ser para se tornarem Homens Feitos, mas não pude deixar de pensar se Jughead seria assim com um filho. Meu pai sempre foi duro com Sweet, e eu duvidava que isso tivesse mudado desde que me mudei para Nova York.

Tomei um banho rápido, sempre desconfortável no vestiário, porque eu sabia que estava bloqueando para todos os outros, desde que eu estivesse dentro. Eu puxei minhas roupas quando a porta se abriu. Eu não tive que olhar para cima para saber quem era. Quando levantei os olhos, Jughead ficou em pé à minha frente, com o peito coberto de suor e sangue, mas sua expressão perdera a brutalidade. Eu subi no banco de madeira entre nós para ficarmos ao mesmo nível dos olhos.

O olhar de Jughead cintilou com perguntas. Eu tracei meus dedos de sua têmpora em sua bochecha até sua garganta. Em um segundo o monstro, e no próximo um marido amoroso. Eu nunca entenderia Jughead.

Ele tocou minha cintura.

 “Eles precisavam aprender uma lição. Eles são jovens, mas isso não os impedirá de serem mortos.”

Eu não disse nada e as sobrancelhas de Jughead se juntaram.

 “Betty?”

“Eu não consigo parar de pensar como você vai tratar um filho um dia.”

Ele ficou rígido. 

“Eu não quero filhos.”

Meus olhos se arregalaram. Nós nunca falamos sobre ter filhos. Eu apenas assumi os teríamos eventualmente - afinal, Jughead precisava de um herdeiro.

Ele balançou sua cabeça.

 “Agora,” ele emendou. “Ou nos próximos dez anos.”

Dez anos? Eu teria trinta anos, ainda não seria velha, mas achei que poderíamos começar uma família mais cedo do que isso. 

“Ah” foi tudo que eu consegui.

Jughead procurou meus olhos. 

“Você quer filhos antes disso?”

“Bem, não imediatamente, mas talvez daqui a cinco anos?”

Ele não disse nada e eu decidi não insistir no assunto agora. Ainda poderíamos discutir o assunto quando chegasse a hora certa.


Notas Finais


Jughead não quer ter filhos....

Nós próximos capitulos vai ter um novo casal, quem vocês acham que vai ser? Eles vão causar bastante caos

Com amor, Sah ♡_♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...