História Boy Meets Evil - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Álcool, Angel, Angst, Blood Sweat And Tears, Demon, Drama, Drogas, Fallen Angels!au, Flex, Incube, Long-fic, Lovemullet, Namjin, Prostituição, Songfic, Taekook, Vkook, Vkook Flex
Visualizações 50
Palavras 2.516
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, LGBT, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei rápido, viram só?
Esse capítulo está um pouco parado, mais descontraído. Se preparem, a partir do próximo capítulo a treta/drama reinam

O nome do capítulo é: À primeira vista (eu não sei colocar títulos KKKKKKK)

Boa leitura angels♥

Capítulo 2 - II. At First Sight;


Fanfic / Fanfiction Boy Meets Evil - Capítulo 2 - II. At First Sight;

08 de março de 2018

Sábado

JJK


Acordei aos poucos, quando ousei abrir os olhos, tive a infeliz experiência de sentí-los queimar pelo sol que entrava da janela de cortinas abertas.

— Droga.— resmunguei e sentei na cama, ainda de olhos fechados e sentindo a cabeça latejar pelo álcool da noite passada.

Reabri os olhos receoso, parecendo um vampiro que havia ficado mil anos preso em um mausoléu. Retirei o moletom que vestia por estar sentindo muito calor e me levantei subitamente para pegar uma camiseta no guarda roupa.

— Opaaa.— desequilibrei-me ao sentir tontura e em vez de andar até o guarda roupa, acabei quase me fundindo a ele.

Fechei os olhos momentaneamente, já acostumado aquele mal-estar, que provavelmente fora causado pelo longo tempo sem me alimentar. Quando me recuperei, peguei uma camiseta branca qualquer e fui em direção ao banheiro, a porta que ficava em frente ao quarto. Escovei os dentes e lavei o rosto, já sentindo preguiça ao lembrar que teria de ir ao mercado e consertar o chuveiro também. Ao terminar, fui em direção à cozinha.

— Olha só, o princeso finalmente acordou.— disse minha mãe de costas, lavando a louça.— Mal posso esperar pela sua cara de bunda quando tiver que acordar cedo de novo para ir na faculdade.

A mulher era tão resistente à bebida que não ficava mais de ressaca, habilidade que o Jeon mais novo invejava.

— Eu não conseguia dormir de novo, tive de beber um pouco.— encostei na parede ao lado da pia.— A gente precisa ir no mercado, não tinha...

— Você deve estar ficando cego antes da idade, JeongGuk. Não está vendo a comida ali na mesa? Eu fui no mercado enquanto você tinha seu sono da beleza.— ele olhou para a mesa e viu que realmente haviam compras nela, e um lanche.— Falando nisso, você vai guardar o que está ali em cima também, mas primeiro come o lanche que eu fiz, já que passou da hora do almoço.— ela deu de ombros, agindo como se não fosse nada demais.

— Obrigado.— feliz, deu um beijo na bochecha da mais velha, que para se livrar esfregou um pouco da espuma do detergente em sua bochecha.

Rindo, sentou-se à mesa e começou a comer como se não houvesse amanhã. Bebeu o café amargo que a Jeon fazia quando sabia que estava de ressaca, comeu os dois sanduíches de presunto com queijo e mais um pedaço de bolo de chocolate. Quando me levantei para pegar uma pêra que eu vira na sacola, SoMin percebeu e me olhou horrorizada.

— Meu Deus. Eu criei um porco faminto, como isso é possível?— dei de ombros e mordi a pêra.— Calma criatura, você vai gorfar tudo isso no chão daqui a pouco. Se você continuar comendo desse jeito, não vai arranjar nenhum moço ou moça ricos para casar.— riu nasalmente.

Revirei os olhos diante aquelas palavras e continuei comendo um pouco menos afoito, depois fui guardar as compras na geladeira e nos armários.

— Hoje a noite eu vou ir na feira com o JiMin e dormir no apartamento dele. Você vai ficar bem?— perguntei ao guardar as compras da última sacola.

Eu não sabia como ela havia conseguido trazer tudo aquilo até em casa de moto.

— Vou JeongGuk, se você está insinuando que eu vou sair assim que você estiver fora de casa e ficar chapadona.— ela disse secando as mãos e revirando os olhos, ao desdenhar de minha preocupação.— Hoje eu trabalho, não precisa ficar preocupado.

Uma coisa que a mulher prezava, era ficar sóbria pelo menos durante o trabalho. 

— Tudo bem então, vou consertar o chuveiro antes que eu desista. Vi que a senhora comprou um novo.

— Eu sou eficiente, diferente de certos JeongGuk's por aí.— alfinetou.

Fui procurar o registro de água no quintal e desliguei, para que não fizesse um aguaceiro quando eu fosse tirar o chuveiro do lugar.



                                                        |Ω|



Um dilúvio e um tombo no banheiro depois, o novo chuveiro estava instalado. Eu tinha desligado o registro, mas a caixa da água ainda estava cheia e eu acabei ficando ensopado do mesmo jeito. Aproveitei para já tomar banho antes de sair.

Escolhi uma calça jeans de lavagem clara rasgada no joelho, não muito colada, uma camisa branca quase transparente e uma camisa social azul clara grande por cima. Para finalizar, coloquei Vans brancos, penteei meus cabelos avermelhados dividindo sutilmente e passei perfume. Ao ir para a sala e olhar o relógio acima da televisão, bufei ao ver que ainda eram cinco horas.

— Nossa. Você vai ir na feira com o JiMin ou pedí-lo em casamento?— perguntou SoMin, já arrumada para o trabalho, ao desgrudar os olhos da televisão e me analisar.

— Você sabe que eu gosto de me arrumar bem.— joguei-me ao seu lado no sofá e dei risada ao ver o filme que ela havia colocado.

— Deixa de ser implicante, Titanic é uma das melhores obras cinematográficas da humanidade.— ela estava concentrada na parte em que o Jack ia ver os "bambambam" da sociedade no jantar, junto com a Rose.

Uma hora depois, ela levantou, se espreguiçou e pegou a bolsa.

— Cheguei à conclusão de que nós somos esses caras.— se referiu aos músicos do filme.

— Como assim?

— Olha lá, tá' na cara! O navio afundando e eles lá tocando violino.— gargalhei e ao passar por mim ela bagunçou meu cabelo, que eu tanto tinha me dedicado a arrumar.— Tchau pirralho.

—Tchau. Bom trabalho, tome cuidado.

— Eu sempre tomo.— ela respondeu e fechou a porta.

Aqueles momentos tranquilos e divertidos entre nós eram tão raros. Não que nos odiássemos, mas a convivência de duas pessoas ressentidas podia ser muito difícil e às vezes o melhor a se fazer era se afastar, para que não houvessem mais tantas brigas e palavras cortantes. Eu sentia vontade de congelar momentos como aquele, pois não sabia até quando a calmaria com SoMin duraria.

 Uma hora depois o filme já havia acabado há tempos e eu estava vagando em pensamentos olhando para o teto, quando me lembrei de JiMin. Olhei para o visor do celular constatando que já eram sete horas e nada dele. Saí de casa e tranquei a porta, resolvi também ligar para ver o que havia acontecido.

— Hey praga, onde você tá'?— sentei-me na varandinha de madeira que havia na frente de casa.

Eu tô' chegando criatura. Não tenho um cavalo branco para te buscar não, estou indo a pé mesmo.— JiMin respondeu impaciente e ofegante.

— Acho bom chegar logo, você com esse celular de última geração é um prato cheio para os ladrões aqui do bairro.— ri nasalmente.

Eu te odeio.— desligou na minha cara.

Em menos de dez minutos o baixinho de cabelos acinzentados estava em frente à minha casa, puto da cara.

— Vamos logo que está escuro e eu não quero ser assaltado.— tranquei o portão e ele agarrou meu braço, já nos colocando a caminhar.

— Ei, mais respeito. Eu posso zoar porque moro aqui.



                                                                |Ω|


Depois de quarenta minutos caminhando, chegamos na feira. JiMin e eu combinamos de comprar comida no trailer de um cara alto muito bonito, cuja barraca cada dia tinha culinária de um país diferente e também vendia soju.

— Hm...Hoje é dia de qual país?— perguntei ao moço alto de cabelos rosados.

— Hoje é do Brasil.— ele respondeu com um sorriso pequeno nos lábios fartos.

— E o que você nos sugere?— totalmente indiscreto JiMin debruçou-se sobre o balcão do trailer, levantando as sombrancelhas sugestivamente.

Notei um detalhe que JiMin ainda não havia notado; uma aliança no dedo anelar direito do cara. Cutuquei o Park nas costelas e sinalizei discretamente com o olhar em direção à aliança. O acinzentado olhou aquilo com uma expressão envergonhada e arrumou sua postura.

— Recomendo pastéis, também uma porção de mandioca frita e brigadeiros de sobremesa.

— Bom, nós queremos duas garrafas de soju. Eu não entendi metade do que você falou, mas confio nas suas sugestões, é...?— disse JiMin já recuperado da tentativa de sedução falha.

— SeokJin.— ele sorriu mais abertamente.— Sintam-se à vontade, em quinze minutos já vai estar tudo pronto.

Nos afastamos um pouco do trailer em busca das mesas de pedra espalhadas pela praça.

— Que desperdício, ele é muito bonito pra ser de uma pessoa só!— comentou JiMin, sobre SeokJin ser comprometido.

Eu apenas ri da frustração do mais velho, mas parei ao olhar para trás e ver duas beldades que haviam acabado de chegar ao trailer do de mechas rosadas. Eram dois homens muito belos, praticamente angelicais. Um era alto, talvez um pouco maior do que eu, era loiro e tinha um corte de cabelo Mullet (Quem diabos fica bem com corte Mullet??). O outro era talvez uns cinco centímetros mais baixo e tinha cabelos negros, sua pele conseguia ser ainda mais pálida do que a minha. Esse não me atraíra tanto quanto o loiro, mas também era um pecado em forma de gente.

— Porra JiMin, olha lá! Só tem carne de primeira aqui hoje.— ele olhou na direção em que eu estava olhando e faltou suas orbes caírem da cara, de tanto que ele arregalou os olhos.

— Droga, eu acabei de planejar meu futuro com aquele moreno ali. É isso, vou ser um médico bem sucedido, com um marido top model e irei adotar três lindas crianças.— o Park parecia literalmente apaixonado pelo desconhecido.

— O moreno é baixinho demais. Aquele loiro ali, ele sim, deve ser modelo.— como se soubesse que estávamos falando deles, o loiro olhou para trás e me encarou.

Senti que ele estava querendo descobrir todos os segredos da minha alma, fiquei apreensivo com a sensação ruim que aquele olhar me passava. Cerrei meus olhos e lhe devolvi a encarada, em desafio. A sensação ruim logo parou, e ele me olhou surpreso. Ele segurou o braço do amigo e sussurrou algo no ouvido dele, que também olhou para mim, boquiaberto, porém pude perceber que ele logo passou à analisar JiMin.

— Tá' bom professor Xavier, qual de vocês dois venceu essa guerra mental bizarra?— o acinzentado me perguntou, ao notar nossas encaradas.

— Sei lá. Só vamos ficar longe deles, não gostei da encarada que o loirinho me deu, parecia que queria ler minha mente.— dei de ombros.— Não olha agora, mas o seu senpai tá' te analisando friamente, de cima a baixo.

— Droga! Você me fala uma coisa dessa e me pede para não olhar?— ele me deu um tapa no braço e me puxou para sentarmos mais ou menos a uns cinco metros do trailer.

Voltei meus olhos para o loiro novamente, mas esse não mais me olhava, parecendo prestar atenção na conversa que o moreno tinha com SeokJin.



                                |Ω|


Três horas depois JiMin e eu já estávamos na quarta garrafa de Soju cada, e já havíamos acabado de comer os deliciosos pratos brasileiros de SeokJin. A bebida se tornara ainda mais amarga depois de termos comido o brigadeiro, porém não era de todo ruim.

— O cara tentou me beijar à força, acredita? Eu fiquei tão emputecido que quase enfiei minha mão na cara dele.— contava para JiMin sobre meu último cliente enquanto abria a quinta garrafa de Soju.

Ele pareceu tão surpreso por um momento que quase engasgou com a bebida que tomava.

— Que merda JeongGuk! Só me diz o nome desse cara, uns mafiosos que vão sempre lá na boate me devem um favor e eu posso pedir pra eles ma...

— Calma JiMin, já passou! Não precisa pedir pra' apagarem o cara só porque ele tentou me beijar. Tiveram caras que já fizeram bem pior, você sabe.

— É...Sabe do que eu me lembrei agora?— levantei a sombrancelha inquisidor.— Da vez que eu conheci você e sua mãe.

Os dois explodiram em gargalhadas altas, quase se contorcendo de tanto rir.

— Ah, droga! Parece que foi uns dez anos atrás, mas fazem só dois anos!— limpei as lágrimas do canto dos olhos.

— Sim! Você estava voltando pra' casa com as compras e viu sua mãe totalmente bêbada no meio da rua. Era você ajudar ela ou levar as compras e eu me ofereci para ajudar à levá-la. SoMin me deu um tapão na orelha quando percebeu que um desconhecido estava carregando ela. Fiquei com o ouvido zunindo por dias, depois daquilo.

Nós demos risada novamente da situação que na época parecera tão desesperadora. Sem contar que nós já estávamos muito bêbados e aquilo parecia ainda mais engraçado. De repente as caixas de som que haviam espalhadas pela praça começaram a tocar Rainism, do rapper Rain.

— PORRA JEON, ESSA É A SUA MÚSICA! DANÇA, DANÇA!— JiMin berrou, mal se importando por ainda estarem a alguns metros dali aqueles dois caras e SeokJin, que já tinha fechado seu trailer e estava sentado conversando com eles.


Como eu estava sem filtro nenhum e quase sem consciência dos meus atos, levantei do banco de pedra e comecei à cantar e dançar ali mesmo e JiMin também entrou naquela loucura.

— I'm gonna be a bad boy, I'm gotta be a bad boy, I'm gonna be a bad bad boy, I'm gotta be a bad boy.— cantei sensualmente e comecei a fazer a coreografia, que eu conhecia decor.

O Park fazia a segunda voz usando seu celular de microfone imaginário.

— I make it rainism the rainism. Neon ije ppajyeo beoryeosseo.I'm gonna be crazy now yes crazy now. Neon ije beoseonal su eobseo.— o de cabelos acinzentados havia até jogado uma bengala imaginária para mim.

Quando chegou a parte da coreografia em que os dançarinos de apoio fingiam empurrar o dançarino principal para o chão, JiMin assumiu esse papel e eu dei aquelas abaixadas quase estilo Matrix. Quando ele viu que eu ia me desequilibrar e realmente cair, me puxou pela camisa como se fizesse parte da dança. Pude ver que ele se controlou para não ter um ataque de risos do meu deslize. Arrumei minha postura e continuei cantando, como se não tivesse quase caído de cabeça no chão.

—Put your hands up. This is JT camp.— na hora em que a música acabava e se ouvia um tiro e se passava a mão pelo pescoço, inconscientemente eu procurei o loiro ao fazer aquele gesto nem ligando sobre o quanto aquilo era indiscreto. Vi ele me dar um sorriso quase imperceptível, seu amigo dar um soquinho em seu braço sorridente e SeokJin bater palmas animado com aquele pequeno show.

— Nós arrebentamos, gostoso! — JiMin me deu um tapa na bunda e um selinho.

Ri pois aquele comportamento era normal quando o acinzentado estava bêbado, ele ficava muito tarado. Quando olhei para o loiro novamente ele estava com a expressão fechada e o olhar distante.

— Vamos embora Chim?— perguntei, de repente ficando desconfortável com a expressão de desgosto do desconhecido, como se eu o tivesse decepcionado.

— Okay, acho que já deu. Eu tô' tão bêbado, só quero a minha cama.

Como já havíamos pagado a conta, apenas acenamos para SeokJin e fomos embora. Olhei para o loiro mas uma vez, mas ele estava muito ocupado rindo de algo que o moreno havia resmungado.

O caminho para o apartamento de JiMin durara um pouco mais de cinco minutos, porém durante o percurso tive a sensação de estar sendo observado. Ouvi barulho de asas e olhei assustado para trás, não encontrando nada. O Park aparentemente não havia escutado nada e eu ignorei o que ouvira, pensando apenas se tratar de uma alucinação de bêbado.





 







Notas Finais


E aí, gostaram?
Betei o capítulo, mas me perdoem qualquer erro

EU SIMPLESMENTE AMO RAINISM AAAAAHHH
As duas versões

Pra quem quiser ver/rever o vídeo de Rainism versão JK:

https://youtu.be/8WOxFTrFw70

Essa interação VKook*moon face*

O próximo capítulo tá muito tenso KKKKKKK trago logo também, se tudo der certo

FuuuuuuiCHU
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...