1. Spirit Fanfics >
  2. Boyfriends? No, just friends! (Repostagem) >
  3. Melancólico e Determinado

História Boyfriends? No, just friends! (Repostagem) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Músicas do capítulo (disponíveis na playlist, em ordem):

Bloom, Troye Sivan

Mystery Of Love, Sufjan Stevens

Capítulo 5 - Melancólico e Determinado


Yugyeom era alguém que eu pretendia ter ao meu lado por um longo tempo - ouso dizer que para o resto da minha vida -, então o rompimento e, como se não fosse o suficiente, ele ainda ter dito com todas as letras que não me amava mais, foi mais do que o suficiente para me desestruturar emocionalmente.

Meus dois primeiros dias de solteiro foram fatigantes - justamente um fim de semana, cujo na sexta-feira eu ingerira uma quantidade significativa de álcool.

Amanheci febril e com dores musculares. Taehyung presumiu ser por exaustão emocional e me forneceu alguns analgésicos e bastante água.

Durante todo o dia, maratonei filmes besteirol sozinho em meu quarto, levantando-me apenas ao anoitecer para comer a sopa que meu hyung preparara carinhosamente. Ele disse ter ligado para minha mãe e juntos prepararam um ótimo jantar. Estava ótimo.

No domingo, já me sentia mais disposto. Fiz uma longa caminhada antes mesmo do sol nascer, a mixagem de cores no céu era tão lindo que permaneci bons minutos sentado em uma praça, apenas aprrciando-o, enquanto ouvia minhas músicas favoritas em meu headphone.

Taehyung pareceu feliz em me ver de pé tão cedo, mesmo que eu ainda estivesse visivelmente frágil. Nós tomamos café da manhã na varanda, conversando sobre coisas banais e sentindo o calor solar nos aquecer.

Ele parecia querer me deixar o mais tranquilo possível, pois sabia que o trabalho já me estressaria bastante no dia seguinte.

Sempre me senti mal por ser tão sentimental. As pessoas viviam repetindo que homens de verdade nunca se deixam abalar ou choram, eles são sempre fortes. Isso me fazia sentir como se eu não fosse um bom homem.

Felizmente meus pais me ensinaram que está tudo bem não estar bem às vezes.

Eu nunca serei inferior por chorar quando sinto que preciso, ou por me sentir indisposto alguns dias. Sou um humano, não uma máquina.

Embora a sensação de vulnerabilidade não me agrade em nada, eu nunca escondia quando estava mal ou incomodado por algo. Além de que não há vantagem alguma em pôr uma máscara sorridente falsa no rosto, só me esgotaria.

Na segunda-feira, enquanto tomávamos café da manhã no balcão da cozinha, Taehyung notou minha inquietude antes mesmo de eu dizer algo, apenas sorriu e disse que não se incomodaria em dirigir naquele dia.

Ele acomodou-se no banco do motorista, com um um sorriso tão grande que mostrava todos os dentes branquinhos de sua boca.

ㅡ Não fique tenso, Jungkookie, você se sairá bem! ㅡ ele disse, sobre a reunião que eu teria mais tarde.

Meu peito aqueceu com as palavras reconfortante, então o retribuí com um pequeno sorriso e carinhos em sua mão, que descansava em minha coxa.

Liguei o aparelho de som e nossa playlist começara a tocar automaticamente. Grande parte das músicas foram escolhidas por Taehyung e eu sequer sabia a letra, mas não me importava muito. O mais divertido era assistí-lo performar todas elas, como um verdadeiro popstar.

"Bloom", do Troye Sivan, preenchia nossas audições. Os longos dedos do Kim batucavam no volante no mesmo ritmo da canção, enquanto cantarolava baixinho. Ele parecia, de repente, ainda mais bonito e carismático.

Só notei que estava sorrindo como um bobo no momento em que ele se virou para mim, claramente acanhado, e perguntou: ㅡ O que há com você?

ㅡ Assim como?

ㅡ Como se fosse Jack olhando para Sally.

ㅡ Porque você está especialmente radiante hoje, hyung. ㅡ respondi. ㅡ E porque não imagino como seria minha vida sem você.

"Mystery Of Love" começou, nos fazendo sorrir para o outro sem dizer uma palavra. Meu coração palpitava em felicidade e satisfação, pois, mesmo mudos, nós sentíamos a reciprocidade de nossos sentimentos.

Taehyung jamais deixaria de me amar.

Eu jamais deixaria de amá-lo.

Meu celular vibrava ao que diversas notificações surgiam na tela. Era Jin-hyung, suas mensagens diziam que estava preocupado e para que eu ligasse assim que possível.

ㅡ Jin-hyung? ㅡ perguntou Taehyung. Afirmei com a cabeça, mostrando-lhe todas as 17 mensagens que acabara de escrever. ㅡ Não estou surpreso, o hyung é assim mesmo.

ㅡ Tão dramático... ㅡ resmunguei, tentando ao máximo doar indiferente sobre o jeito atencioso de Seokjin, mas eu realmente não conseguiria fingir, uma vez que eu adorava ser mimado por meus amigos. ㅡ O Seokjinie-hyung age como se fosse meu pai às vezes.

ㅡ Nós sabemos que você gosta de ser o bebê de seus amigos... ㅡ antes de terminar o que estava dizendo, as sobrancelhas grossas de Taehyung ergueram-se, como se tivesse acabado de lembrar de algo. ㅡ Inclusive, Yoongi-hyung trouxe chocolates para você na noite passada, mas nós acabamos por comer alguns durante nossa conversa. O que restou está na bolsa.

ㅡ Yoongi-hyung? ㅡ um grande sorriso cresceu em meu rosto. Como eu amava chocolate! ㅡ Ele falou sobre o encontro? Estou curioso!

ㅡ Sim, sim. Provavelmente perdi meu parceiro de balada. ㅡ disse, parecendo decepcionado. ㅡ Sequer parecia Min Yoongi. Eu ouvi coisas como: "Taehyung-ah, eu nunca conheci alguém tão inteligente e engraçado. O tempo passou tão rápido, mal posso esperar para vê-lo novamente!". O hyung está caidinho!

ㅡ Esse encontro do hyung, me fez lembrar que Hobi também foi a um esse fim de semana. Enquanto alguns perdem sua alma gêmea, outros encontram, não é?

Enquanto revirava a bolsa de Taehyung, em busca dos meus doces, mas o que meus dedos alcançaram foi uma pequena embalagem de preservativo.

Eu gostaria de ficar surpreso, mas aquilo, de alguma forma, me pareceu tão previsível.

Dei uma risada soprada quando Taehyung puxou o objeto de minhas mãos e guardou, envergonhado. O sorriso acanhado era tão adorável!

ㅡ Não voltará para o jantar hoje?

ㅡ Planejo voltar, isso é só por precaução.

ㅡ Sinceramente, eu gostaria de ser precavido como você. ㅡ disse, deixando a ideia de comer chocolate para lá. Eu poderia procurar mais tarde.

ㅡ Então passe a deixar camisinhas em todos os lugares possíveis. ㅡ brincou. ㅡ Nunca se sabe o que pode acontecer.

ㅡ Eu jamais levaria preservativos para o trabalho.

ㅡ Ah, é? ㅡ Taehyung me olhou, debochado. ㅡ Então você nunca vai transar com os nerds que lá habitam!

ㅡ Como se os hippies que você divide o almoço fossem diferentes, não é, hyung?

O Kim até tentou parecer bravo, mas acabamos rindo de nós mesmo. Era óbvio que eu nunca faria sexo no trabalho, é algo radical demais para mim, um mero rapaz que transara apenas com uma pessoa na vida.

O sorriso animado de Taehyung transformou-se em uma linha fina, seus olhos pareciam ansiosos. Levei minha mão até seu ombro e apertei, confortando-o.

ㅡ Você se lembra do encontro de Yoongi, então... Hm... ㅡ começou ele, intercalando o olhar entre mim e a estrada. ㅡ Se lembra do que disse sobre querer sair com outras pessoas, certo?

ㅡ Claro.

ㅡ Saiba que achei uma péssima ideia.

ㅡ Por quê?

ㅡ Jungkookie, eu não quero que você se machuque. ㅡ disse ele, firmemente. ㅡ Apenas pense melhor sobre isso, tudo bem?

ㅡ Farei isso.

ㅡ Eu jamais imaginei você fazendo esse isso... ㅡ Taehyung estava nervoso, seus dedos avermelhados apertavam o volante com certa força. ㅡ Sexo casual, quero dizer.

ㅡ Hyung, por que está tão sendo tão cauteloso ao falar sobre sexo? ㅡ pousei minha mão em sua coxa, segurando o riso. ㅡ Fale abertamente. Ao contrário do que pensa, eu não tenho 12 anos.

ㅡ Eu sei como criar o meu filho, ok? ㅡ disse, estacionando o carro à frente do prédio que eu trabalhava. Ele entregou minha bolsa e depositou um beijou em minha testa. ㅡ Me ligue caso precise de algo.

ㅡ Às vezes você age como se fosse mesmo o meu pai, hyung.

ㅡ Seus pais pediram para que eu cuidasse de você, estou fazendo isso. ㅡ concluiu, empurrando-me para fora do carro. ㅡ Não esqueça de almoçar. Nos vemos mais tarde, Kookie!

O carro se afastou na mesma velocidade que um sorriso inocente tomou minha feição. Como alguém conseguia me deixar tão abobado por situações tão simples?

Esse é o efeito de Kim Taehyung.

Passei pelo saguão em silêncio, os olhares curiosos das pessoas faziam-me sentir desconfortável, mas apenas retribuía com breves sorrisos.

A equipe que eu fazia parte era composta por pessoas tranquilas - ou indiferentes, na verdade. Apenas cumpriam suas obrigações, sem preocupar-se com o que acontecia em volta. Além deles, eram apenas indivíduos vazios e - quase sempre - mau-humorados.

Depois de cumprimentar meus colegar e sentar à minha mesa, Park Jimin veio em minha direção, com um sorriso depravado em seus lábios carnudos.

O Park adorava agir como um homem viril e ranzinza, mas todos já notaram que ele era apenas um garoto fofo que gostava de chamar atenção e o apelidaram carinhosamente de Zangado - como o anão da Branca de Neve.

ㅡ Ei, cutie-patootie ㅡ disse ele, debochado. O incoveniente sentou sobre minha mesa e entregou-me um copo grande de chá gelado. ㅡ Você parece péssimo.

ㅡ Obrigado, hyung. ㅡ dei um gole na bebida, encarando um ponto imaginário na tela preta de meu monitor. ㅡ Só de imaginar o seminário que teremos hoje, minha cabeça dói.

ㅡ Certo, eu tenho um plano! ㅡ falou baixinho. ㅡ Primeiro roubaremos o carro de Hoseok-hyung, depois voltamos para Busan e adotamos um pônei!

Perplexo, voltei minha atenção para o rosto entusiasmado do Park. Acabei por soltar uma risada nasal e indaguei: ㅡ Por que um pônei?

ㅡ Porque o Papai Noel nunca me deu um!

ㅡ Céus, hyung! ㅡ dei um soquinho em seu ombro, fazendo-o rir. ㅡ Bem que eu gostaria de executar seu plano.

ㅡ Podemos sair para espairecer qualquer dia. ㅡ ele pulou da mesa e virou-se para mim. ㅡ Podemos convidar aquele garoto alto que nos levou para almoçar semanas atrás.

ㅡ Nós não conversamos mais, na verdade.

ㅡ Oh... ㅡ murmurou o Park, com as mãos posicionadas na cintura. ㅡ Eu concordo, ele era bonito demais, deve ser irritante.

Por mais que Jimin tentasse parecer confiante, suas bochechas e orelhas vermelhas transpareciam desconforto. Tanto que ele simplesmente deu as costas e foi para seu lugar, marchando.

Bem, se consegui deixar Park Jimin embaraçado, então a situação era mesmo desagradável.

E se tornou ainda mais quando vi a foto que estava na área de trabalho de meu computador. Eu e meu - agora - ex-namorado, juntos, na casa de praia de meus pais, no dia que o apresentei para eles.

Estávamos à beira do mar, assando marshmallows na fogueira, sorrindo. Mamãe disse que eu estava mais feliz do que nunca.

Realmente, estava.

Porque aquela também fora a noite em que dissemos "eu amo você" para o outro, havendo a lua como a única expectadora de nossas juras apaixonados. Foi, com certeza, um dos melhores dias da minha vida que, agora, parecia mais um devaneio criado por mim, do que uma situação fatídica.

Por outro lado, eu não me sentia mal por sentir saudades de Yuggie. No fundo eu sabia que, o irritante mesmo, era meu ego ferido, este que me fazia sentir péssimo por ser tão egoísta.

Não foi de todo mal, no fim das contas. Agora eu sabia que sobreviveria após uma rejeição, mesmo odiando sentí-la.

O "não" era bem menos assustador.

Eu pude enxergar isso no momento em que mudei a foto para uma em que Taehyung e eu estávamos nos mudando para a casa nova, no primeiro dia. Mesmo em meio à bagunça, estávamos tão eufóricos que pedimos para o corretor de imóveis nos fotografar.

Era uma de minhas fotos favoritas com o hyung. Ele me abraçou pelas costas e apoiou seu queixo em meu ombro enquanto dava um de seus maiores sorrisos.

Ao relembrar de que ainda estava no trabalho, com um sorriso idiota no rosto, avistei Hoseok-hyung, ou melhor, ouvi sua gargalhada estrondosa se aproximar. Era como se um ciclone estivesse ali.

ㅡ Você. Na minha sala. ㅡ foi o que ele disse, apontando diretamente para mim, antes de roubar meu de chá e prosseguir seu caminho.

Certo, ou eu seria demitido, ou ele só queria contar que transou com o cara que levou para jantar.

Que não seja nenhuma das duas opções, caso contrário terei uma síncope invejosa... Digo, nervosa!

Entrei na sala bem decorada do hyung logo atrás dele. O Jung estava sentado em uma de suas poltronas de couro, degustando o meu chá sem a menor preocupação.

ㅡ Hobi-hyung ㅡ eu disse, juntando-me a ele. ㅡ Aconteceu alguma coisa?

ㅡ Não sei. ㅡ dizia, pousando o celular sobre a mesinha que nos separava. ㅡ Aconteceu?

ㅡ Você já sabe, não sabe?

ㅡ Taehyungie me pediu para não tocar no nome de Yugyeom. ㅡ ele mordia o lábio inferior, aparentemente apreensivo. ㅡ Presumi que brigaram ou algo assim.

ㅡ Ah, hyung... ㅡ tentei soar o mais manhoso possível para que ele viesse me abraçar, e foi realmente o que Hoseok fez. ㅡ Ele chutou minha bunda com tanta força, que vou demorar um bom tempo para sentar sem sentir dor novamente.

ㅡ O que diabos está dizendo, pirralho? ㅡ riu, encarando-me com seus olhinhos arregalados. ㅡ Essa frase poderia ser usada em vários contextos diferentes.

ㅡ Hyung, você entendeu muito bem o que eu quis dizer.

ㅡ Certo, querido, vou te dizer a minha humilde opinião sobre isso. ㅡ o moreno passou os braços sobre meus ombros e conectou nossos olhos. ㅡ Se eu fosse você, eu sentaria mesmo com dor.

ㅡ Oh, hyung! ㅡ nós rimos alto, provavelmente as pessoas do outro lado da porta ouviram, mas Hoseok não se importou. Ele era o chefe, afinal. ㅡ É um bom conselho.

ㅡ O que aconteceu entre vocês?

ㅡ Ele... ㅡ engoli em seco, levando meus olhos para outro ponto da sala, envergonhado. ㅡ Bem, ele se apaixonou por uma moça.

ㅡ E-Ele te traiu? ㅡ Hoseok se levantou, aparentemente indignado. Suas mãos escondiam sua boca e os olhos estavam bem abertos.

ㅡ Tecnicamente, não. Mas eu disse a ele que se apaixonar por outro alguém, estando comprometimento, é traição para mim. ㅡ suspirei, cansado daquele assunto. ㅡ Talvez pior do que se ele tivesse apenas dormido com alguém, sem sentimentos envolvidos.

ㅡ Oh, querido... ㅡ o Jung parecia sentir muito por mim, até mesmo deu tapinhas em meu ombro. ㅡ Tente ser mais positivo, aproveite esse momento intensamente. Se for para vocês ficarem juntos, vocês vão.

ㅡ Aí está o problema, hyung! ㅡ minha voz saiu um pouco mais aguda e alta do que o usual, o Jung assustou-se com minha histeria, me fazendo rir no meio da frase. ㅡ Você sabe que eu sou ridiculamente cafona.

ㅡ Acredite, não é o fim do mundo. Você vai superar isso, tudo bem?

ㅡ Sabe, hyung, de repente fiquei curioso... ㅡ murmurei, brincando com meus dedos sobre o braço da poltrona. ㅡ Você e Taehyung costumam falar muito sobre mim?

ㅡ Oras, claro que sim! ㅡ sarcástico - e levemente irritado -, Hoseok me deu as costas e sentou-se à mesa. ㅡ Nós não temos nenhum outro assunto em comum que não seja você, ou como tornar seu dia melhor, garoto ingrato!

Hoseok, um; Jungkook, zero.

ㅡ Eu sou mesmo sortudo!

ㅡ Não, você é o meu carma.

Me levantei, rindo da carranca emburrada que Hoseok pusera no rosto, e deixei um selar em sua testa.

As notificações que chegaram no celular dele o fizeram sorrir grandemente, como de esperasse por elas todo aquele tempo.

ㅡ Você não vai trabalhar, pirralho? ㅡ resmungou ele, sem tirar os olhos do smartphone. ㅡ Eu preciso fazer uma ligação.

ㅡ Você não vai dizer como foi o encontro?

ㅡ Achei que não perguntaria nunca! ㅡ empolgado, o Jung voltou sua atenção para mim - ou quase isso, pois parecia perdido como um bobo apaixonado. ㅡ Ele é brilhante, até seu sarcasmo é inteligente!

ㅡ E vocês se beijaram?

ㅡ Bem, ainda não. ㅡ Hoseok parecia um pouco decepcionado com aquele pequeno fato, mas logo seus olhos voltaram a brilhar. ㅡ Ele foi tão gentil, não pareceu parecia incomodado por isso.

ㅡ Ah, hyung, como ele é? Ele é bonito?

ㅡ Céus, ele é lindo! Tem olhos de gato e sua altura encaixa perfeitamente com a minha! ㅡ ele falava tão apaixonadamente, como se estivesse encontrado sua alma gêmea. ㅡ A personalizada só o torna mais atraente. Ele me lembra muito o Taehyungie.

Esta informação me fez ficar atento. Hoseok e o Kim se dão super bem desde sempre, não demorou muito para que se aproximassem.

Eu sentia que cedo ou tarde aconteceria algo, especialmente pelo lado do Jung, que parecia nutrir sentimentos e expectativas românticos.

Isso de alguma forma me incomodou muito.

Eu fiz Taehyung prometer que não daria qualquer esperança para o hyung, nem mesmo de um único beijo, pois o clima entre nós ficaria estranho demais.

ㅡ Taehy? ㅡ eu ri, tentando amenizar a situação. ㅡ Por que isso seria bom?

ㅡ Sei bem o que está insinuando ㅡ retrucou ele, as sobrancelhas franzidas transpareciam indignação. ㅡ E a resposta é não. Eu não estou a procura de um clone do seu melhor amigo intocável.

ㅡ Melhor mesmo.

Hoseok parecia farto, então passar a ignorar minha presença e questionar qualquer coisa que eu dissesse da maneira mais irritante possível.

Bufando, voltei para meu lugar e comecei meu trabalho, desta vez, de verdade.

Após uma reunião entediante de pouco mais de 1h30, enfim pude respirar e, literalmente, me esconder na sala de descanso da empresa.

Havia várias latas de energético ao meu lado, juntamente de uma cartela de calmantes que fora necessária para que eu não pulasse da janela durante o seminário interminável que estava.

Enquanto assistia alguns episódios de Rick and Morty, deitado entre várias almofadas fedidas, Jin-hyung me ligou, furioso.

"Jungkook-ah, você acredita que o Namjoon contestou sobre o fim de Game Of Thrones? Eu, definitivamente, não quero me casar com um idiota que gostou daquela porcaria!", ele esbravejava ao telefone. Em contrapartida, eu conseguia ouvir Namjoon-hyung tentar se justificar, igualmente desequilibrado.

Eu não tenho um minuto de paz.

Dei um longo suspiro, afirmando que o final fora, de fato, horrível e encerrei a chamada.

Após longos e tediosos minutos encarando o papel de parede velho do cômodo em que eu estava, vários pensamentos emergiram-me.

Talvez eu realmente devesse aproveitar um pouco da minha juventude.

Especialmente porque minha maior preocupação era a falta que eu sentia de fazer sexo, nada além disso.

Eu realmente queria voltar à ativa, mas, no fundo, eu também sabia que seria um pouco difícil, considerando minha timidez. Apenas a disposição não seria o suficiente, eu precisaria de um pequeno empurrãozinho.

Ou melhor, eu precisaria de pessoas experientes, vulgo Kim Taehyung e Jung Hoseok.

Me levantei em um pulo, determinado a reconhecer os prazeres que uma vida de solteiro poderia me proporcionar, e saí da pequena sala.

Ninguém pareceu notar meu atrevimento em voltar quase 1h depois de dizer que iria ao banheiros, como se nada tivesse acontecido. O único par de olhos atentos que acompanhavam meus passos eram os de Park Jimin.

Claro, esse garoto é obcecado por mim.

Tentei ignorá-lo e continuar meu caminho até a sala do Jung, todavia ele veio até mim, com um sorriso maligno como o do próprio diabo.

ㅡ É muito bom ser amigo do chefe, não é? ㅡ foi o que ele disse, ácido.

ㅡ E você está com inveja. ㅡ tentei respondê-lo no mesmo tom, mas era realmente difícil chegar ao seu nível. Eu parecia apenas patético, não grosseiro. ㅡ E-Ele sabe que acabei perdendo a hora, tudo bem?

ㅡ Claro que sabe, Jungkookie. Você poderia atear fogo no prédio, Hoseok-hyung entenderia. ㅡ as mãos minúsculas do Park alertavam meu ombro, enquanto um sorriso de falsa empatia brincava em seus lábios. ㅡ Que inveja!

ㅡ Hyung, desde quando você é tão obcecado por mim? ㅡ indaguei, revirando os olhos. ㅡ Está apaixonado ou o quê?

O Park arregalou os pequenos olhos e engasgou com o ar. Deixá-lo envergonhado me deu uma estranha sensação de poder, não pude evitar o sorriso satisfeito que cresceu em meus lábios.

Talvez eu esteja certo.

ㅡ Você enlouqueceu? ㅡ disse ele, após recuperar sua pose inabalável. ㅡ Eu só disse o que todos pensam.

ㅡ Todos? Eu sou tão importante assim para você, hyung? ㅡ levei minha mão ao peito, fingindo estar lisonjeado. ㅡ Me ligue caso queira marcar um encontro, aproveite enquanto estou solteiro.

Ouvi Jimin praguejar, mas eu já estava longe para respondê-lo. Fechei a porta atrás de mim e dei de cara com Hoseok-hyung, sentado com os pés sobre a mesa, sorrindo ao falar no telefone.

Ele realmente parecia aqueles homens bem sucedidos e sexy dos livros de romance. E, pensando bem, talvez fosse mesmo um daqueles.

ㅡ Você de novo? ㅡ disse, ainda sorridente, depois de encerrar a chamada. ㅡ Pode dizer, nada me incomoda depois da notícia maravilhosa que acabei de receber.

ㅡ Você está muito bonito, hyung. ㅡ eu disse casualmente. ㅡ Quer sair comigo hoje à noite?

Não obtive resposta, ele abria e fechava repetidas vezes, mas nada saía além de murmúrios desconexos.

ㅡ Nós poderíamos ir a um bar, não acha? ㅡ insisti, sentando-me junto a ele. ㅡ Não?

ㅡ C-Como amigos? ㅡ conseguiu, finalmente, concluir uma frase gaga. Suas bochechas e orelhas estavam vermelhas como brasa, até sua voz abaixara o tom.

ㅡ Claro, hyung! ㅡ proferi, explodindo em gargalhadas. ㅡ Achou que eu estava te convidando para jantar romântico?

ㅡ Estou feliz que eu tenha entendido errado! ㅡ exclama e pega uma revista para abanar o próprio rosto. ㅡ Você me assustou, moleque!

ㅡ Eu seria rejeitado? ㅡ perguntei, sentido. ㅡ Você partiria meu coração, hyung?

ㅡ Sem ofensas, Jungkook-ah, mas você não faz o meu tipo.

ㅡ O quê? Por quê? ㅡ minha voz estava vagamente aguda, como todas as vezes em que me sinto contrariado. ㅡ E-Eu não sou tão ruim!

ㅡ Sim, querido, você é ótimo! ㅡ disse ele, tentando segurar um sorriso misto de pena e deboche que insistia em crescer em seus lábios. ㅡ Mas, convenhamos, você é bem marrento. Eu gosto de pessoas mais... tranquilas.

ㅡ Eu não sou marrento!

ㅡ Como ia dizendo ㅡ Hoseok decidiu simplesmente mudar o foco de nossa discussão, parecia cansado demais para alimentar qualquer conflito entre nós. ㅡ Onde pretende ir em plena segunda-feira?

ㅡ Itaewon, claro!

ㅡ Nosso Jungkookie está tão determinado! ㅡ apertou minhas bochechas. ㅡ Estou ansioso para ver quanto tempo sua paciência durará.

ㅡ Até eu estar satisfeito. ㅡ me senti envergonhado por minhas palavras, principalmente quando o Jung passa a rir de mim. ㅡ Hyung!

ㅡ Desculpe! Acontece que não estou acostumado com sua nova personalidade garanhão, oras!

ㅡ Você e Taehyung estão me subestimando! ㅡ esbravejei, chateado. ㅡ Eu só preciso de uma ajudinha.

ㅡ Você precisa de um curso.

ㅡ Você me odeia, é isso?

ㅡ Sinto muito se a verdade não te agrada. ㅡ resmungou, guardando seus pertences na bolsa. ㅡ Sabe, eu não queria perguntar para não te deixar ainda mais neurótico, mas estou curioso. Taehyung também vai?

ㅡ Provavelmente, por quê?

ㅡ Ele poderia te ensinar a como flertar. ㅡ disse ele, sem olhar em meus olhos. ㅡ Ou talvez você enxergue que ele é a pessoa certa que tanto procura...

ㅡ Fingirei que não disse isso.

ㅡ Todos nós já sabemos, mas se gostam de brincar de temos-uma-relação-platônica, é um direito de vocês.

Deixei Hoseok e suas teorias da conspiração sozinhos, eu não havia argumentos e também queria pegar minhas coisas para ir embora.

Ele era apenas mais uma das pessoas que insinuavam coisas sobre mim e Taehyung. Não há o que fazer, que pensem o que quiserem.

Eu nunca estragaria uma amizade perfeita como Sana e Tzuyu.

Taehyung é lindo, gentil e amoroso, mas o vejo como família. Sei que não funcionaríamos como um casal, nem se tentássemos muito.

Ao terminar de guardar minhas coisas, o Jung apareceu, quieto, segurando sua tote bag com ambas as mãos. Seus olhos me encaravam cautelosamente, como se procurasse sinais de irritação.

ㅡ Não me olhe assim, hyung. ㅡ eu disse, cedendo à chantagem emocional. ㅡ Você sabe que tenho uma queda por homens fofos.

ㅡ Ah, obrigado, querido, apenas se lembre de dizer isso bem mais alto. O sexto andar não conseguiu te ouvir.

ㅡ Desculpe. ㅡ murmurei dessa vez, sendo levado às escadarias por ele. ㅡ Você sabe o que é um elevador?

ㅡ Você sabe que eu detesto essas caixas de metal. ㅡ respondeu ele, já a descer os primeiros degraus. ㅡ Temos algum clube em mente para hoje?

ㅡ Certamente o Looking Star, eu adoro aquele lugar.

ㅡ Ótimo campo de treino.

ㅡ E desde quando você entende algo sobre essas coisas? ㅡ indaguei, debochado. ㅡ Eu o conheço há tempos e só agora você está saindo com um anônimo que, muito provavelmente, só existe na sua cabeça.

ㅡ Você é tão chato, pirralho. ㅡ praguejava ele, como se fosse me empurrar da escada em algum momento. ㅡ Você o conhecerá no momento certo.

ㅡ Espero estar vivo até lá.

ㅡ Sinceramente, eu não sei como Taehyung te suporta. ㅡ ele começou a se afastar, envergonhado.

ㅡ Passe lá em casa com seu carro importado, hyung! ㅡ gritei, mas Hoseok já estava longe. ㅡ Eu quero chegar lá na sua BMW!


Notas Finais


Olá, queridos! Todos bem, saudáveis?

Primeiramente eu gostaria de pedir desculpas por demorar quase dois meses para postar um capítulo sem nada muito especial, eu realmente sinto muito :(

Esse é mais para vocês entenderem como o Kookie está se sentindo e como é sua relação agridoce com outros personagens, como eles vivem diariamente.

Pegaram quem é o encontro do Hobi?

Park Jimin é tão implicante com o nosso menino Jeon, serase tem um motivo específico?

Hmmmm, teorias?

Eu criei uma tag para que vocês tenham pequenos spoilers, eu vou tentar postar um a cada 15 dias caso eu não finalize o capítulo nesse tempo.

Se vocês digitarem #BFNJF no twitter, saberão qual é o título do próximo capítulo e vou estar respondendo todos vocês por lá, tudo bem?

Também estou pensando em transformar a fic em uma au no twt, como se fosse as redes sociais dos personagens, o que acham??? Me digam, por favoooooor!

E por último, mas não menos importante, eu postei uma sadfic taekook recém-nascida, podem checar caso se interessem. Eu vou amar ter vocês por lá também haha!

Link de Auri Pueris:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/auri-pueris-18335971

Até a próxima atualização, adoro vocês!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...