História Boys Like Boys - VKook - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Black Pink, CL (Chaelin Lee), EXO, SHINee, UP10TION
Personagens Baekhyun, Chanyeol, G-Dragon, Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jonghyun Kim, Jungkook, Lee Chaelin "CL", Minho Choi, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, Sunyoul, T.O.P, Taemin Lee, V
Tags Abo, Alfa! Jungkook, Homossexualidade, Hoseok, Jimin, Jin!fem, Kooktae, Kookv, Namjin, Omega!taehyung, Taekook, Vkook, Yoongi, Yoonseok
Visualizações 758
Palavras 1.227
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HELLO
Pessoas
eu chorei muito hoje
se preparem
e leiam escutando I Know
bjs
Boa leitura.

PS: tem troca de pov no começo de novo e no finzinho do cap.

Capítulo 29 - Imóvel.


Fanfic / Fanfiction Boys Like Boys - VKook - Capítulo 29 - Imóvel.

Capítulo vinte e nove - imóvel. 

29/03/2003 Estados Unidos - Washington.

Jeongguk ainda estava tentando digerir tudo aquilo. Ele e o garoto à sua frente eram irmãos, assim como o outro era irmão de Jimin. Sua cabeça estava à mil.

Houve um breve momento no qual os dois se falaram com ainda um pouco de vergonha e certamente um pouco de graça, já que à poucos minutos atrás um era quase completamente alheio ao outro.

Aquilo era muita loucura para ambas as mentes ali.

Mas foi pouco o tempo que Jeongguk se preocupou com isso. Tinha algo mais importante à fazer.

-Onde está Taehyung? -Ele se apressou para Chanyeol.

-Ele teve uma complicação por conta de uma pneumonia, está praticamente em coma... –Começou, logo sendo interrompido novamente.

-O que? Onde ele está?

-Jeongguk ele está no quarto... Mas... JEON!

O garoto saiu as pressas, rezando para que se lembrasse de onde aquele quarto ficava. Afinal, o propósito dele estava morrendo? Era desesperador pra ele.

Não poderia perdê-lo, não poderia deixa-lo novamente. Fora um tolo e queria consertar aquilo.

O que mais lhe doía, era saber que o fato de seu amor estar praticamente em coma em uma cama, era sua culpa. Culpa de suas palavras mal pensadas, seu ato mal pensado de ir embora, e sua irresponsabilidade por não ter voltado logo. A culpa era sua.

Não queria perder o que mais amava no mundo. E aquilo doía muito mais do que a dor que ele sentia quando fora embora.

Fora a corrida mais longa de sua vida, fora o caminho mais torturante também. Nem se deu tempo de respirar direito quando chegou à porta do quarto. Porta que curiosamente estava entreaberta.

Olhou para dentro, e por segundos viu o garoto, Baekhyun dando um selinho demorado na boca do garoto Taehyung. Que estava desacordado. Encheu seus punhos e teve de respirar muito fundo para não enfiar os mesmos no rosto do garoto.

Ajeitou sua postura quando a porta se abriu por completo, revelando Baek. O garoto se assustou ao ver a figura mais alta do que si, observando-o com ódio.

-Você de novo? -Baekhyun perguntou fechando a porta atrás de si e olhando nos olhos do outro. -Estamos bem sem você. Ele está bem sem você. Agora eu cuido dele. E você. Vá. Em. Bora.

-Se ele está tão feliz e bem assim com você, acho que não precisaria esperar até que ele desmaiasse para poder beija-lo. Eu vou entrar. E acho bom que você, vá. Em. Bora. -O Jeon imitou a última fala do outro, ainda com ódio no olhar, porém com a voz serena. Estava por um tris de esmurra-lo até que suas mãos perdessem a força.

-Eu vou Jeongguk. Mas eu te garanto, que quando ele mandar você embora, e ficar comigo, eu não irei me surpreender. -O garoto de cabelos castanho claros disse, andando de costas.

-Já foi embora Byun? -Jeongguk disse em tom de ameaça. E nem esperou para ver o outro sumir do corredor para entrar no quarto.

Eu poderia dizer simplesmente que ele se espantou, mas aconteceu algo muito mais sério em seu inconsciente. Seus músculos todos se contraíram por um segundo e seu mundo pareceu parar diante da figura, imóvel.

Kim Taehyung estava morto.

Ainda que a respiração fizesse seu tórax se mover, o coração batesse e o sangue quente ainda corresse pelas veias, aquele não era o seu Kim. Desacordado, magro, cheio de olheiras e os cabelos secos fizeram com que o Jeon quase não o reconhecesse.

A culpa e o arrependimento bateram em sí de uma forma que ele simplesmente se permitiu desabar silenciosa e internamente.

Ele se aproximou juntando todos os seus poucos resquícios de força, sentindo tudo dentro de si tremer. Queria estar no lugar do outro, sentir o que ele sentia ou poder pelo menos tirá-lo daquela coisa horrível.

Mas em seu coração, sentiu que deveria dizer. Dizer tudo o que precisava.

-Tae... Amor eu tenho tanto pra te falar, tanto pra... Eu nem sei por onde começar... Sei que provavelmente você nem vai me ouvir agora, mas eu quero realmente te pedir perdão por tudo. Amor não foi culpa sua, o nosso bebê ter... Você sabe –Ele suspirou, sentindo seus olhos embaçarem-. Eu sei que dói, porque doeu em mim também. Eu fui um tolo ao dizer tudo aquilo pra você e fui um tolo ao te deixar. Você me deu algo pra lutar, me deu um propósito e um motivo pra viver, e eu simplesmente te deixei... Não sabe o quanto eu me odeio por isso – Não se segurou, começou a deixar que as lágrimas começassem a cair-. Você é a pessoa perfeita pra mim, exatamente por não ser perfeito. Sei que te machuquei e que provavelmente você não irá querer olhar na minha cara quando acordar, por isso não vou te desrespeitar te beijando... Como aquele retardado do Byun acabou de fazer... Mas eu vou tomar a liberdade de dizer que te amo, o que não é nada mais do que à verdade. Me perdoa por ter virado meu pai e por tudo o que eu fiz. E mesmo que você não queira mais olhar na minha cara, eu vou te esperar aqui, sem forçar a barra e sem socar o Baek. Quando você se sentir bem o suficiente pra falar comigo de novo, eu vou estar aqui pra você. Porque independente de qualquer coisa, eu sei que meu lugar é exatamente onde você estiver. Então...Melhore tudo bem? Não se prejudique assim, não faça com você o que eu estava fazendo comigo. Fique saudável novamente, pra ser aquele Taehyung que eu tanto sinto falta. Eu... Acho que é isso. Obrigado por tudo, meu amor... Eu... Vou embora, pra algum lugar onde me aceitem aqui.

-Sei que você me ama, garoto, assim como eu te amo, por esses meses, muito obrigado por estar ao meu lado. –Eu disse, sentindo de repente as lágrimas saírem. Ele havia voltado e dito tudo aquilo que eu queria dizer. Ele havia voltado e trazido consigo aquela partezinha de mim, aquela que faltava.

Eu havia ouvido cada palavra e cada coisinha desde que ele entrara no quarto. E agradecia de forma imensurável pelo remédio me proporcionar pausas de tempo nas quais eu ficava consciente.

Cada palavrinha dele fez com que eu me esquentasse de dentro pra fora, eu poderia jurar que não sabia o que estava voltando a acontecer comigo. Mas a saudade que eu sentia dele era tão grande quanto a dor que eu passara a sentir em meu corpo.

-Tae? –Ele se virou com o rosto iluminado.

-Eu. –Sorri fraco, ainda sentindo as lágrimas descerem. Minha voz estava embargada.

-Como você se sente pequeno? Quer que eu chame alguém? –Ele aproximou-se novamente, colocando a mão em minha testa.

-Quem eu queria que fosse chamado já está aqui. –Levantei minha mão e a levei até seu rosto, acariciando levemente a bochecha dele.

-Mas eu...

-Eu te perdoo... Com uma condição. –Funguei.

-Pode dizer amor... –Ele estava iluminado.

-Você tem que me perdoar também... –Pedi simplista.

-Pelo o que? –Ele juntou as sobrancelhas em interrogação.

-Por ter dito aquelas coisas antes pra você. Por tudo, amor... Eu só... Não sei o que aconteceu. –Minhas bochechas esquentarem.

-Tudo bem, eu te perdoo, garoto. –Nossas testas encostaram.

Eu o beijei novamente, depois de semanas.

Feliz novamente, eu estava feliz.

 


Notas Finais


Obrigada por chegar até aqui, agradeço muito por tudo <3
Até a próxima meus amores!
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...