1. Spirit Fanfics >
  2. Breathe - Jikook >
  3. Capítulo 14

História Breathe - Jikook - Capítulo 16


Escrita por:


Capítulo 16 - Capítulo 14


Fanfic / Fanfiction Breathe - Jikook - Capítulo 16 - Capítulo 14

Jungkook


Assim que vi aquele bastardo sentado nos degraus eu tive que lutar contra a necessidade de bater sua cara no chão.


— O que diabos ele está fazendo aqui?


Jimin estava tão chocado quanto eu. — Eu não sei por que ele está aqui. MERDA! Minha mãe está aqui também, Kook. Ela vai fazer perguntas sobre o que aconteceu! O que eu vou dizer a ela? — Jimin quase começou a chorar.


Eu não tinha tempo para me preocupar com sua maldita mãe. Eu só queria saber o que esse cretino estava fazendo aqui esperando o meu Jimin... quero dizer... esperando por Jimin.


— Eu vou pegar suas coisas na parte de trás, mas me deixe ajudá-lo a sair da caminhonete. — Eu comecei a dizer, mas Jimin abriu a porta e saiu antes que eu pudesse detê-lo.


— Onde diabos você esteve a noite toda, Jimin. Estive muito preocupado com você! — Jaehyun disse e ficou de pé, começando a caminhar na direção de Jimin. Enfiei a mão no banco de trás e peguei as sacolas e a mochila. Queria tanto dizer para esse babaca não falar com ele assim, mas eu precisava ficar de fora disso ou poderia acabar na cadeia por chutar sua bunda.


— O que você está fazendo aqui? Por que você está esperando na minha varanda? — Jimin ficou olhando para a casa. O que diabos ele estava olhando? Ele estava esperando sua mãe sair? Eu pensei ter visto alguém em uma janela, mas eu desviei o olhar quando o imbecil começou a gritar com Jimin.


— Porra! Eu estive aqui esperando por você. Estava aqui ontem à noite esperando você voltar pra casa, mas você não voltou. Onde você estava Jimin? — Jaehyun disse e se aproximou de Jimin. Eu estava atrás dele, então dei um passo para mais perto dele, o que o parou em seu caminho.


Animal bastardo.


— Eu não sei por que você está aqui Jaehyun e eu não tenho nada a dizer para você. Lamento que você esperou por mim, mas estamos resolvidos. Eu pensei que deixei isso perfeitamente claro ontem, depois que vi você com Chenle. Quanto onde eu estive ... bem não é da sua conta. — Jimin disse com os ombros retos e rígidos. Bom menino. Fique forte... Eu ouvi falhar a sua voz enquanto estava falando, mas eu estava tão orgulhoso dele, porra.


Só então o bastardo riu e olhou para mim. — O que? Você estava fora fodendo com esse cara, porque eu não era bom o suficiente para transar com você, Jimin? — Jaehyun disse para ele.


Eu imediatamente larguei as sacolas de Jimin e a mochila e fui direto para o filho da puta. Eu o tinha jogado contra a casa antes mesmo que ele soubesse o que o atingiu. Usei toda a minha força de vontade para não socar a cara dele por falar com Jimin daquela maneira.


— É melhor pedir desculpas a ele agora seu filho da puta. — Eu disse quando o segurei ainda mais apertado em meu punho. Ouvi Jimin atrás de mim e soltei um suspiro.


— OH MEU DEUS, NÃO! Kook não o machuque! Por favor, apenas deixe ele ir, ele não vale a pena. — Jimin estava tentando com todas as forças puxar o meu braço fora do pescoço de Jaehyun, com a mão esquerda.


— Jimin eu preciso que se afaste. Não vou deixar ele ir, até dizer que está arrependido do que disse a você.  


Eu podia o ouvir tentando dizer algo, assim deixei afrouxar um pouco. — Eu quero que peça desculpas a ele e, em seguida, diga que você nunca mais vai incomodá-lo novamente ou eu vou ir atrás de você com alguns dos meus amigos e o irmão de Jimin. — Eu disse contra a sua orelha.


— Se você me soltar eu vou lhe dizer... me solte eu mal consigo respirar, cara. — Então empurrei o filho da puta e recuei alguns passos. Eu estava ao lado de Jimin e esperei que o filho da puta recuperasse o fôlego.


— Hum, Jimin eu ... hum, eu não quis dizer o que eu disse, eu sinto muito. Eu não deveria ter falado com você daquele maneira.  


Ele agiu como se tivesse terminando e não ia continuar dizendo que iria deixar ele em paz, então eu dei um passo para perto dele.


— Sim, e eu hum, eu nunca vou incomodá-lo novamente. Eu entendo que não estamos mais juntos. Desculpe-me por te magoar Jimin. Eu realmente sinto. Espero que você acredite em mim. — Jaehyun disse e se abaixou para pegar o seu boné de beisebol que voou quando teve a bunda espremida contra a casa.


Jimin não disse uma palavra enquanto o observava ir embora. Assim que ele entrou em seu carro e foi embora, vi seu corpo inteiro começar a cair. Puta merda! Estendi a mão e agarrei para segurá-lo.


Ele olhou para mim e sorriu. — Obrigado Kook. Você está começando a criar o hábito de vir em meu socorro. — Ele disse com um sorriso fraco. Eu coloquei uma mecha de seu cabelo atrás da orelha, me inclinei, e beijei sua testa e sorri para ele.


Só então eu ouvi a porta da frente da casa de Jimin abrir. Jimin e eu olhamos ao mesmo tempo, Jimin se retirou para fora dos meus braços e começou a subir as escadas. Fui até lá e peguei as sacolas e mochila que tinha deixado cair no chão.


— Hum, Mãe eu já vou entrar, só um segundo. — Jimin se virou para mim e estendeu a mão. — Vou pegar isto de você Kook e obrigado de novo por hoje. Foi um momento maravilhoso. — Jimin deixou um pequeno sorriso, mas fraco vir em seu rosto. Assim quando estava entregando-lhe ouvi uma voz rouca começar a falar.


— Eu sempre soube que você seria um prostituto. Não há outra maneira de você conseguir um homem... Não, você nunca será amado por alguém como aquele menino Jaehyun ou por esse cara bonito. Você deu para este também, seu vadio?  


Todo o corpo de Jimin começou a tremer e eu vi as lágrimas descendo por seu rosto enquanto lentamente fechou os olhos. Era como se ele estivesse tentando bloquear o que este monstro estava dizendo a ele. Eu não podia acreditar que esta era a sua própria mãe, que estava falando com ele desse jeito. Naquele momento, tudo o que eu queria fazer era levar ele para longe dali, de uma mulher que estava causando toda essa dor.


Eu dei um passo para trás longe de Jimin. Virei-me e caminhei até a minha caminhonete e coloquei as sacolas de volta para dentro. Voltei até ele e passei mal olhando para seu rosto perturbado. Sua mãe continuava a xingá-lo, mas eu tentei bloqueá-lo da minha mente e só olhar para o meu doce Jimin.


Eu fui até ele que estava em pé na escada. Ele abriu os olhos e olhou para mim. Levantei minhas mãos e enxuguei as lágrimas. Ele tentou sorrir, mas as lágrimas não paravam. Toda a vida foi drenada aqueles belos olhos.


Puta que Pariu... meu coração nunca doeu tanto na minha maldita vida.


— Você tem uma mala, querido, onde podemos arrumar suas roupas? — Eu perguntei e ouvi a mãe começar a rir. Jimin acenou com a cabeça sim.


— Vamos entrar e arrumar suas coisas, ok? Você pode fazer isso por mim, querido?  


Meu doce e inocente Jimin estava ali quebrado. Como pode uma mãe falar tais coisas odiosas e tão dolorosas ao seu próprio filho?


Jimin e eu viramos em direção a casa. Só então sua mãe entrou na nossa frente.


— Você não pode levá-lo para longe daqui. Ele tem que ficar comigo ele não pode me deixar. — A mãe de Jimin disse em sua voz arrastada de bêbada. — Ele tem que ficar comigo. Ele não vai a lugar nenhum com você para que ele possa ser o seu vadio.  


Eu respirei fundo e olhei bem para ela. — Você realmente acha que eu vou o deixar ficar aqui com você o maltratando? Eu sugiro que saia da frente Senhora. Você não quer que eu chame a polícia agora, quer?  


A mãe de Jimin olhou para mim com um olhar atordoado no rosto, saiu do caminho e eu levei Jimin para a casa.


— Mostre-me onde é seu quarto querido. 


Jimin foi até seu quarto, mas parou em um armário do corredor. Ele abriu a porta e eu vi uma mala no topo da prateleira. Eu subi e tirei-a, juntamente com outro saco e depois entrei com Jimin em seu quarto. Fechei a porta apenas para não ouvir sua mãe gritando.


— Não haverá nada disso na minha casa, seu puto sujo! Embale as suas coisas e dê o fora da minha casa. Você não serve para nada, seu cachorro, vadio.


Eu vi quando Jimin deslizou por sua porta e atingiu o chão chorando. Todo o meu corpo começou a tremer. Fechei os punhos juntos tentando controlar a raiva que crescia dentro mim. As emoções que eu estava tendo eram confusas como o inferno e me assustaram. Deus eu estava sendo dilacerado vendo esse lindo menino desmoronar. Eu só queria dar uma surra em alguém. Respirei profundamente para me acalmar. Eu sabia o que tinha que fazer. Agora só precisava fazer isso.


Peguei meu celular e enviei uma mensagem para Chanyeol . Será que ele sabia como sua mãe tratava Jimin? Certamente não... se ele soubesse, teria o levado para longe há muito tempo. Não havia nenhuma maneira dele ter o deixado ficar aqui se tivesse conhecimento que sua mãe ainda abusava verbalmente do Jimin.


— Jimin, onde está seu celular?


Jimin colocou a mão no bolso de trás e puxou-o para fora e mal me entregou deixou a mão cair ao chão. Merda! Foi a mão machucada. Quebrada... meu doce menino estava desistindo. Porra gostaria de poder apenas tirar a dor dele.


Eu deslizei para o chão ao lado dele e comecei a procurar o número de Baek e mandei uma mensagem, deixei o telefone no chão, peguei Jimin e o coloquei sentado no meu colo.


Eu não sei quanto tempo ficamos assim, enquanto ele apenas chorou nos meus braços. Ele finalmente parou de chorar e olhou para mim. Aqueles belos olhos que estão vermelhos, inchados e tão triste. Eu fiz uma promessa a mim mesmo, Faria o que fosse preciso para sempre proteger e cuidar dele. Sempre .....


— Você tem que parar de fazer isso. — Jimin sussurrou.


— Fazer o que, querido? — Eu perguntei a ele e olhei em seus olhos.


Jimin colocou sua testa contra a minha e pensei que ia morrer ali mesmo. — Parar de vir em meu socorro, vou esperar por isso a partir de agora. — Ele disse com um riso leve.


— Jimin querido, eu sempre vou te salvar. Para o resto de nossas vidas... eu nunca vou deixar ninguém te machucar novamente. — Eu disse e senti meu coração bater ainda mais rápido.


Levantei me certificando que não iria o deixar cair. Aproximei-me e o coloquei em sua cama. Abri a mala e comecei a tirar as roupas de seu armário e colocá-las na mala. Estava começando a ficar um pouco assustado porque Jimin não estava se movendo. Ele apenas olhava para o chão. MERDA! Onde diabos estava Chanyeol?


Então eu o ouvi.


— Que merda que você fez com ele? — Chanyeol estava gritando com sua mãe.


— Eu não sei o que você está falando. Esse putinho passou a noite toda dormindo por aí e então voltou aqui para a minha casa e fez uma cena para o bairro inteiro ver. Foi nojento. — A mãe de Jimin disse enquanto eles caminhavam pelo corredor para o quarto de Jimin.


— Cale-se! Apenas cale a boca agora! O que diabos está errado com você? É do seu filho que está falando. Ele não é nada como você, e nem pense em chamálo de prostituto de novo. Ele está te deixando mãe e você nunca vai ver qualquer um de nós de novo. Você me entende? Isso significa que o dinheiro não virá mais de mim. Sem mais ajuda. Meu deus... Se eu descobrir que você o tratou como merda esse tempo todo... você vai estar nas ruas. Eu pago esta casa .Tenho certeza que foi colocada em meu nome. Você não terá nada! Você me entende? NADA!  


Só então a porta do quarto de Jimin abriu e Chanyeol olhou para mim e depois para baixo para seu irmão que ainda estava sentado em sua cama, mas agora ele estava chorando de novo. Eu nunca vi o olhar de Chanyeol tão devastado antes. Já sabia que estava se culpando. Chanyeol daria a própria vida pelo seu irmão. Eu podia ver isso em seus olhos... ele estava sofrendo.


Chanyeol se aproximou de Jimin e caiu de joelhos. Jimin imediatamente colocou os braços ao redor de seu pescoço e apenas chorou histericamente. Deus, como eu gostaria de poder fazê-lo se sentir seguro assim. Só então eu ouvi Baek. Olhei para cima e ele estava de pé na porta. — Filha da puta... — ele disse e olhou para Jimin desmoronando nos braços de seu irmão.


Ele olhou para mim e tentou me dar um pequeno sorriso. Eu apenas olhei para a mala e para ele. Ele assentiu com a cabeça e fez que sim para mim. A próxima coisa que eu sabia era que tinha arrumando a roupa de Jimin e peguei os pertences que pensei que Jimin gostaria de ter.


Eu só fiquei lá. Eu não tinha ideia do que fazer. O que eu poderia fazer para ajudá-lo com essa dor? Chanyeol levantou-se e sentou-se ao lado de Jimin que ainda estava chorando. Ele colocou seu braço ao redor dele e só ficava repetindo... — Shhh! Vai ficar tudo bem querido .... tudo vai ficar bem.


Chanyeol olhou para mim e me deu um olhar que claramente disse obrigado. Balancei a cabeça de volta dando o meu reconhecimento a ele. Uma vez que Jimin se acalmou e parou de chorar um pouco Chanyeol começou a falar com ele.


— Jimin, querido, você vai ficar na casa de Baek, até resolvermos tudo isso. Preciso correr de volta ao trabalho antes que sintam a minha falta. Baek vai te levar para casa, Ok? Está bem Jimin? — Chanyeol disse e olhou para Baek que agora estava ali com a mala de Jimin e outra bolsa pequena. Baek deu um sorriso e parecia que Chanyeol não conseguia tirar os olhos dele. Ele parecia estar perdido no sorriso de Baek. Algo que eu sabia muito bem o que era depois de passar um tempo com Jimin hoje.


Chanyeol estava fodido... como eu estava.


Jimin começou a falar e tirou Chanyeol para fora de seus pensamentos.


— Hum .... tenho certeza de que será ótimo, mas Kook pode me dar uma carona eté a casa de Baek. Eu preciso falar com ele. Quero dizer, se está tudo bem com você Kook? — Jimin disse e olhou para mim.


Puta merda, o olhar no seu rosto quase me fez cair. Ele queria a mim não... Baek ou Chanyeol... ele realmente queria estar comigo.


— É claro que está tudo certo querido, qualquer coisa por você. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...