História Brilho - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Killing Stalking
Personagens Oh Sangwoo, Yoon Bum
Tags Amizade, Depressão, Drama, Killing Stalking, Romance, Superação, Universidade, Universo Alternativo
Visualizações 189
Palavras 1.762
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá! Amanhã é feriado então aproveitei o restante do dia para escrever esse pedaço de carinho para vocês <3 Muito obrigada por todos os comentários e favoritos!!
Boa leitura! <3

Capítulo 12 - Extra: Teste


Fanfic / Fanfiction Brilho - Capítulo 12 - Extra: Teste

 (Este extra se passa antes das férias de verão, 15 dias depois da inscrição de Bum na universidade.)

 

 Seungbae reclinou-se na cadeira do trabalho. Estava exausto, e estressado. Chefe Kwak tem pegado pesado desde que Junjae foi para outro distrito. O cara apenas cochilava na cadeira, mas bajulava demais o chefe, coisa que nunca faria.

 

-Ei, Seungbae. Trouxe um café.

 

-Obrigado, Lee.

 

-E então, Bum está fazendo prova psicológica hoje?

 

-Sim, marcaram para quinze dias depois que ele havia se matriculado.

 

-E Sangwoo ainda o ajudando, certo?

 

-Pois é... – tomou um gole do café que o amigo trouxe e reclinou-se na cadeira. – Eu penso se algo pode dar errado nisso.

 

-O que daria errado em adquirir mais conhecimento? – Lee sentou-se em sua cadeira.

 

-Não é isso, é...

 

-Pode parar de viajar na maionese. Deixe seu primo fazer o que bem entende. - Lee deixou de escutá-lo para prestar atenção no computador.

 

-Você sempre me dá conselhos sábios. – revirou os olhos, não aceitando que Lee não o compreendia. E ainda se remoía por ter dito que Bum é seu primo.

 

-Vamos beber saindo daqui, o que acha?

 

-Certo, pode ser.

 

#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*

 

-E então, saí sem pagar a gasolina! Hahahaha!

 

 Gargalhavam e balançavam as garrafas em alegria. Os policiais se reuniram no fim do período para tomarem cervejas em um pub.

 

 E Seungbae não sabia o que fazia ali.

 

-Ora, o pequeno Seungbae está calado hoje. O que houve, meu caro? – um deles passou os braços ao redor do moreno, com o forte cheiro de cerveja.

 

-Nada.

 

-Ora vamos, anime-se! Olhe para essas garçonetes maravilhosas. Poderia ir falar com alguma! Aproveite a idade, porque quando chegar na minha...! – riu e fez os demais rirem. – Olhe para isso! – mostrou a barriga avantajada e redonda. – Elas não querem mais esse corpinho.

 

-Elas querem isso! – um deles levantou a camisa de Seungbae, mostrando seus músculos e abdômen definido.

 

-P-Parem! – ficou sem graça e afastou as mãos dos policiais bêbados, que apenas riram mais. As garçonetes não deixaram passar despercebido, e deram sorrisos para ele.

 

 Mesmo aquela vizinha dele, que trabalhava ali. Soo Yun.

 

 “Ugh. Maldito lugar que vim me meter. Pensei que Lee queria beber só comigo. “

 

 Procurou o amigo pelo bar, já que foi arrastado para cá.

 

 Até o ver... conversando com uma das garçonetes.

 

-Haha! Você é tão divertido... – ela corou, virando-se para a bancada e pegando mais uma bebida para Lee, que estava apoiado em uma parede.

 

-Eu sou, não sou? – ele riu e lançou um sorriso malicioso para a garota loira.

 

 “Que saco. Ele me trouxe só pra cantar as meninas. “

 

 Virou-se para a bancada, pagou suas cervejas, e saiu do bar.

 

 “Merda, bebi apenas duas garrafas e me sinto tonto. Não dá pra dirigir. “

 

 Andou até o carro e entrou, sem liga-lo. Apenas reclinou o banco, e ali repousou.

 

 “Não posso dormir. Preciso voltar para casa, tenho aula importante amanhã. “

 

 Mas o cansaço estava chegando, e começou a carrega-lo para o mundo dos sonhos lentamente, como uma neblina sorrateira e tranquila...

 

 Até alguém bater loucamente no vidro de seu carro.

 

-M-Mas que diabos?! – levantou-se assustado, e deu de cara com um Lee gritando do lado de fora, o mandando abrir a porta. Destrancou o carro, e Lee entrou pelo banco do passageiro.

 

-Ufa! O que deu em você pra sair do pub assim?

 

-Estava cansado, e eles estão bebendo muito.

 

-Oras, estavam se divertindo!

 

-É, você também, pelo visto. – voltou a reclinar o banco, se encostando.

 

-Ah, diz a garota? Ela quem puxou o papo. Mas... ela queria que eu te apresentasse a ela.

 

 Seungbae abriu os olhos, perplexo.

 

-Como assim?

 

-Ah, ela apenas me chamou para conversar e dar risadinhas... mas queria mesmo era conversar com você. – Lee se reclinou no banco do passageiro, colocando os braços para trás. – Quando fui te chamar, você tinha desaparecido.

 

 Seungbae ficou em silêncio. Ficou parado o tempo todo no bar sem interagir muito, e não observava ninguém em particular.

 

-Mas acho que ela queria algo a mais do que conversar, huh? Haha! – Lee olhou o amigo, sorrindo. – Eu já lhe disse diversas vezes, precisa sair com mais garotas, Seungbae.

 

-Não, obrigado. De dor de cabeça, basta minha vida.

 

-Ora, vamos! Eu sei que uma garota vai te fazer ficar mel-

 

-Lee, não! -se levantou bruscamente, agitando as mãos. - Eu não quero ninguém, ta?

 

-... ninguém?

 

 Bufou.

 

-Não. – Deitou-se de novo, jogando as costas no banco. – Eu quero me formar. É isso o que quero. Então, preciso dormir. – fechou os olhos.

 

 Lee olhou o amigo, pensativo. E Seungbae notou que era observado, mas não deu importância.

 

-Tudo bem, boa noite. – Lee aconchegou-se no banco, se fazendo confortável.

 

 Seungbae o olhou estranho.

 

-Como assim, boa noite? Vai ficar aí?

 

-Sim, ué. Não vou te deixar sozinho aqui.

 

-E seu carro?

 

-Ah, o deixei em casa hoje, não se preocupe. Agora vamos dormir, certo? – Lee sorriu para ele, e virou-se para cochilar no banco.

 

 Seungbae encarava o amigo, surpreso. Sério? Sério mesmo que ele dormiria aqui?

 

 Bem, dane-se. Já que é assim, então que durma. Irá dormir também.

 

 ...

 

 ...

 

 ...

 

 “Não... não dá pra dormir. “

 

 Está tentando. Está mesmo.

 

 Mas...

 

 A respiração de Lee... tranquila ao seu lado.

 

 “Não consigo. “

 

 Abriu os olhos lentamente, não sabe quanto tempo ficou com eles fechados para tentar dormir. O peito de Lee subindo e descendo, correspondendo à respiração calma e pesada que saía. Dormia profundamente, devia ter bebido uma boa quantidade de álcool.

 

 Sem saber o que estava fazendo, Seungbae ergueu uma mão até o rosto do amigo, o acarinhando. Olhou sereno, e sentia-se satisfeito por estar passando por um momento assim, que mesmo estranho, lhe trazia felicidade. Lee confiava o suficiente nele para baixar a guarda assim.

 

 Desde que se conheceram, Lee sempre demonstrou coleguismo. O ajudava, o defendia, nunca o deixava sozinho ou o causou problemas. E sempre que levava advertências de Kwak, Lee o incentivava a não se reprimir. Sem falar que o acoberta quando inventa de investigar casos que não lhe dizem respeito.

 

 “É mais forte que eu. Não consigo deixar pessoas desesperadas sem resposta. “

 

 Perdeu seu pai e nunca obteve ajuda da justiça. Por isso, tornou-se policial.

 

 E Lee apareceu.

 

 Sem perceber, abaixou a mão e deixou-se ser levado pelo sono que vinha, depois de pensar na vida.

 

 -Seungbae...

 

 Respirava pesadamente, os lábios abertos tremiam em excitação pelo corpo exposto à frente.

 

 Um corpo desejoso... esbelto.

 

-Seungbae...

 

-Estou aqui.

 

 Passava as mãos com vontade sobre o corpo moreno nu, e os dedos viajavam pelo peito que subia e descia em busca de ar para encher os pulmões.

 

 Mas o corpo estava oh, tão desesperado para ser tocado. E não com um simples toque.

 

 Desceu o rosto, lambendo a barriga que se contorcia com o toque. Segurou os quadris, e beijou a coxa esquerda, com leves mordiscadas, ouvindo os gemidos. E como se sentisse o gosto, lambeu os lábios, subindo o rosto, pronto para fornecer qualquer prazer que aquela pessoa desejava no momento.

 

-Seungbae...

 

-Lee...

 

 Pressionou os quadris naquele que tanto o chamava, se deliciando nos gemidos que saíam da boc-

 

-Ah!

 

 Levantou-se bruscamente, e as costas logo reclamaram de dor. Jogou-se no banco novamente, massageando a lombar.

 

-Merda...!

 

 Olhou para os lados, sentindo-se perdido. Lee dormia ao seu lado, com o corpo desengonçado no banco. Olhou o relógio: quatro horas da manhã.

 

 “Ótimo. Dormi no carro. E ainda sonhei... isso. “

 

 Ligou o carro, ajustou o banco, e começou a dirigir até a casa de Lee.

 

 “Melhor deixa-lo em casa. Vai acordar completamente torto, espero que consiga ir para a aula de hoje. “

 

 Dirigiu com calma, prestando atenção na via. Ou pelo menos tentando.

 

 “Não é a primeira vez que sonho isso, mas... precisava ser no carro? “

 

 Dirigiu com calma, prestando atenção na via. E não na excitação em suas calças.

 

 “... merda. “

 

#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#

 

-Lee... Lee?

 

-Uh... – Lee remexeu-se no banco do passageiro, virando o rosto para Seungbae, mas sem acordar.

 

-Vamos, acorde seu idiota. Está em casa.

 

 Sem resposta.

 

 “Imbecil. “

 

 Agitou o braço do amigo, que apenas o ignorou. Suspirou. Como pode alguém dormir assim, tão profundamente? E com o rosto tão pacífico...

 

 ...

 

 Sacou o celular, e começou a tirar fotos do amigo babão.

 

 “Ele vai ficar uma fera... mas é o preço por dormir no meu carro.“ Seungbae se divertia com as fotos. Com certeza iria tirar vantagem quando Lee acordasse, talvez pagar três garrafas de cerveja no próximo pub que irem.

 

 Olhou as fotos, estavam ótimas.

 

 Na verdade, estavam...

 

 Olhou o amigo.

 

 Lee dormia profundamente. Sente que nunca o agradeceu completamente, mesmo com o amigo sempre se arriscando tanto por ele. Às vezes não se acha merecedor de tal amizade. Será que um dia seria como Lee, ajudaria alguém como é ajudado? Mesmo com Bum hospedado em sua casa, sente que não faz mais do que sua obrigação como amigo de alguém que conheceu por acaso em um dos piores momentos de sua vida, num simples café.

 

 E se Bum não tivesse lhe dado uma pontada de esperança... não voltaria para Seoul. Não teria voltado a estudar, e nem estaria trabalhando.

 

 Ou conheceria Lee.

 

 “Engraçado como as coisas são... não é? “

 

 Sorriu para o dorminhoco. Se aproximou lentamente de Lee, e lhe beijou a bochecha levemente, sem querer acordá-lo.

 

 “Obrigado, idiota bêbado. “

 

 Recostou-se novamente no carro, não se incomodando em acordar o outro novamente. Uma noite no carro não é ruim, certo? É só acordar assim que seu celular tocar.

 

#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#

 

-MINHAS COSTAS DOEM!

 

-Deixe de reclamar, você quem não quis acordar!

 

-Podia ter me carregado para dentro de casa!

 

-Te carregar? Sabe o quão pesado é?

 

-Eu estava em estado de meditação, meu corpo estava leve!

 

-Você estava bêbado!

 

-Não estava! Bebi pouco!

 

-Há! Diz quem acordou se sentindo um lixo por dor nas costas e na cabeça.

 

-Seu carro que tem o banco muito duro!

 

-Duro?! Saiba que dormi muito bem!

 

 Bum e Sangwoo olhavam ao longe a discussão de Seungbae e Lee, no meio do Campus da universidade. As pessoas olhavam assustadas para a cena.

 

-Eles... estão agitados, não? – Sangwoo observava incerto a discussão dos dois.

 

-Eu prefiro não perguntar o que houve noite passada. – Bum começou a andar até a biblioteca, não se importando com a discussão dos dois. – Seungbae chegou em casa faminto e comeu a janta fria às cinco horas madrugada.

 

-Janta às cinco da madrugada?!

 

-Janta às cinco da madrugada.

 

 Em pouco tempo, Bum aprendeu a não questionar Seungbae sobre suas atividades noturnas. É melhor focar no Suneung.

 

#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#*#


Notas Finais


Essa extra é dedicado especialmente à Mika, criadora de "Destinados...?" por mencionar minha fanfic em um de seus capítulos. Mas não posso deixar de dedicá-lo a todos que favoritaram e comentaram minha fafic até então! Fica aqui meu muito obrigada a todos! Eu deixei aqui um mini lemon/lime para saciar a sede enquanto SangBum não vem mwahahaha <3 Meu polegar está horrível ainda, então perdoem qualquer erro de digitação que deixei passar - geralmente escrevo em um dia e reviso no outro, para depois publicar. MAS FIQUEI ANSIOSA.

Desculpe se você shippa Seungbae com outro personagem, mas na comic depois de ler a parte em que o chefe Kwak liga para Lee e diz que "ele chama Seungbae pelo primeiro nome e o acoberta nos casos", meu sensor shippeiro ativou e não consigo fazer outro ship além de SeungxLee <3

Eu vejo o Seungbae como um personagem dedicado, ansioso e inconsequente. Eu quis deixar bem claro a personalidade dele na minha fanfic, e por mais que eu tenha vontade de estrangulá-lo por ser tão ingênuo e colocar emoções à frente de fatos, eu o compreendo. Já o Sangwoo e o Bum eu precisei adequá-los ao que preciso, então quis moldar suas personalidades com o decorrer dos capítulos.

A minha fanfic tem uma pauta fixa de depressão e estados psicológicos. Mesmo que setembro amarelo se foi, outubro rosa passou e estamos no novembro azul, independente da cor e do mês, a prevenção ao suicídio é um assunto que precisa ser falado. Compartilhem solidariedade!

Novamente, meu muito obrigada por todo o carinho, leitura, dedicação (colocaram créditos no celular para ler minha fanfic! Prova de amor <3) e tempo que tiveram e tem com minha história, eu não esperava isso! Esse extra me alegrou <3

Críticas, sugestões e opiniões são bem-vindas! Até sábado que vem com novo capítulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...