História Bring me to life - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Boyxboy, Depression, Friendship, Larry, Niall, Overcoming, Panicsíndrome, Truelove, Ziam
Visualizações 344
Palavras 3.473
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Será que Louis surta ou vai nos surpreender?
Leiam e descubram...


**notei os comentários caindo...
Estão deixando de gostar da história? Estou falhando em algum ponto?
Continuem comentando para deixar essa autora inspirada, mesmo que tenham alguma reclamação.

Capítulo 16 - Can i have your permission?


Fanfic / Fanfiction Bring me to life - Capítulo 16 - Can i have your permission?

 

Eu quero te ver correr pra onde você quiser

Nunca deixe que a escuridão te segure

Sem medo de se perder

Eu quero te ver voar muito além do sol

Tudo com o que você sonhar

Rezo para que aconteça

Mas se você cair direto no fundo

E você não pode voltar para onde você começou

Em qualquer lugar, a qualquer hora,

Você tem que saber que por você eu vou lutar!

 

Louis estava sentado na sacada de seu quarto, fumando. Havia prometido ao marido que ia parar. Sabia que isso fazia mal a sua saúde, assim como fazia mal a Harry, que tinha crises de asma, às vezes.

Mas para Louis, era algo que precisava naquele momento. Era uma válvula de escape ruim para sua ansiedade.

E porque Louis estava ansioso?

Pequenas coisas que iam se acumulando...

Estar dividindo sua vida com Harry há tantos anos, havia ajudado a aguçar sua percepção do que acontece ao redor. Era conhecido por seu temperamento explosivo e admitia que surtava, por coisas desnecessárias, muitas vezes. Mas, assim como seu marido tinha sempre um olhar mais sensível e observador sobre as coisas, Louis estava aprendendo a observar com mais calma, antes de surtar.

E o que vinha observando ultimamente o enchia de preocupação. Havia começado a notar a clara aproximação de Zayn e Liam. Ouviu sem querer, pedaços de uma conversa entre o moreno e seu marido, em que Zayn admitia sentir coisas inexplicáveis por Liam.

E Louis tinha que admitir que Liam está mudando. E sabia que essa mudança ocorreu depois da convivência com Zayn.

Se Louis queria surtar e mandar Liam se afastar de seu garoto? O tempo todo!

Isso seria justo com os dois? Provavelmente não!

E que direito Louis tinha para escolher quem Zayn deveria amar? Nenhum!

Zayn merecia conhecer o amor. Merecia ser amado de forma incondicional. Merecia saber o quanto ele é precioso. Merecia ser cuidado e protegido.

Liam também deveria saber, o quanto nos tornamos  pessoas melhores, quando amamos de verdade, sem qualquer interesse envolvido nisso. Precisa conhecer as coisas boas da vida e descobrir que essas coisas não custam nada. As melhores coisas na verdade, são de graça. Basta abrir o coração e aceita-las.

Mas e se Liam machucasse Zayn de alguma forma? Mesmo que o faça sem planejar. Mesmo que o faça apenas porque não sabe como amar?

Louis o mataria!

Harry esconderia o corpo!!

Louis sorriu com isso, quase sem perceber. Devia estar bravo com Harry, porque sabia que seu doce marido estava acobertando o inusitado casal. E Harry era capaz de ler os sinais com mais precisão. Então confiava que não permitiria nada que machucasse Zayn. Harry também o amava como se fosse um filho.

__ Um milhão por seus pensamentos...

Sentiu braços carinhosos envolvendo sua cintura e a voz rouca sendo sussurrada bem próxima à sua orelha.

__ Estou fumando, amor. – disse sentindo-se culpado.

__ Eu notei e sabe o que penso disso.

__ Desculpa. – jogou a cigarro e voltou-se para o marido, ainda com cara de culpado – sei que isso te faz mal.

__ O que me faz mal e assistir você se matando por vontade própria, cada vez que fuma essa porcaria. – disse meio bravo, antes de voltar a sorrir – mas não posso mandar na sua vida. Apenas lembre que se morrer jovem, vai deixar esse maridão aqui lindo e gostoso e carente.

__ Está me ameaçando senhor Tomlinson-Styles? – passou o braço pelo pescoço do marido, quase se pendurando nele – como resolveria seu problema de carência?

__ Posso pensar em uma maneira...ou duas...

__ Corto seu pau antes de morrer, seu abusado!

__ Quer aproveitar mais desse corpinho aqui? – Perguntou sapeca e Louis assentiu rindo – então pare de fumar, para ter folego para nossa diversão!

__ Eu vou tentar, prometo.

__ Ok, agora me conte o que te levou a fumar hoje. – Harry acariciou o rosto dele – sei que faz isso quando está ansioso. Posso ajudar de alguma forma?

Louis se perdeu um pouco nos olhos do marido. Mordeu os lábios, pensando se contava a ele que já sabia sobre Liam e Zayn. Ainda queria bater nele por lhe esconder tal fato, mas o amava por isso, sabendo que estava apenas querendo proteger Zayn.

__ Estou preocupado com Zayn...

__ Por quê? Aconteceu algo que eu não saiba?

__ Me diz você. – saiu dos braços do amigo, que o olhou desconfiado.

__ Não entendi.

__ Amor, sabe que é um péssimo mentiroso, não sabe? – Louis se jogou na cama deles, recostando-se na cabeceira.

__ E sobre o que acha que estou mentindo? – Harry tinha um olhar culpado quando sentou na ponta oposta da cama, ficando frente a frente com o marido.

__ Eu vejo a aproximação entre Liam e Zayn. – disse vendo Harry desviar os olhos – e sei que sabe sobre isso.

__ E o quanto está bravo comigo? – fez bico.

__ Honestamente? Não estou bravo. – Louis disse e Harry o encarou, confuso – eu lembro de minhas próprias palavras, quando disse ao nosso garoto que suas escolhas seriam sempre respeitadas.  Se isso me assusta? Muito! Porque é do Liam que estamos falando aqui.

__ Ele mudou, amor. – Harry tentou.

__ Eu sei. Posso ver isso também. Mas ainda tenho medo que ele machuque nosso garoto. – Louis se aconchegou ao peito do marido, que veio para seu lado – eu sei que não posso impedir. Zayn é adulto e tem o direito de escolher, mas é tão difícil soltá-lo, entende?

__ Lou... – Harry beijou os cabelos de seu pequeno – juro que achei que ia surtar. [Louis riu contra seu peito]. Estamos fazendo o melhor que podemos, amor. Somos pais de primeira viagem e nosso garoto já chegou com uma longa bagagem de dor e abandono. Entendo o seu medo que ele se machuque mais uma vez. Entendo o medo de deixa-lo ir, porque em algum momento, vai viver a própria vida e nos deixar. Eu me sinto da mesma forma. Você me fez amá-lo. Mas pense que se ele for capaz de seguir a vida sem medo, já teremos cumprido nosso papel aqui. Talvez Liam seja exatamente o que Zayn precisa em sua vida. E talvez Zayn seja aquilo que sempre faltou na vida de Liam.

__ Acredita mesmo nisso? – Louis o encarou, com olhos preocupados.

__ Eu acredito que o amor pode fazer milagres. – Harry sorriu e se inclinou para beijar aqueles lábios que ele tanto amava.

__ Já disse que te amo?

__ Hoje não! – Harry sorriu grande.

Louis o beijou, escolhendo mostrar ao invés de dizer.

 

****

__ Tudo bem, amigão? – Louis notou quando Zayn travou diante da porta da ONG.

__ Isso é enorme! – disse olhando ao redor.

__ Às vezes, parece pequeno demais para tanta coisa que precisamos fazer aqui. – Louis resmungou quase pra si mesmo – pronto para entrar?

__ E se eu não conseguir?

__ Peço para te levarem em casa. – Louis prometeu – não é obrigado a nada.

__ Vai ficar tudo bem, amigão – agora era Harry que passava os braços pelo ombro do moreno – vai adorar esse lugar e vai descobrir que o ranzinza ali é mesmo um anjo disfarçado.

__ Eu ouvi isso, Hazz! – Louis reclamou, fazendo bico. – não sou ranzinza!

Harry e Zayn trocaram um olhar cumplice e então riram alto. Louis encarou os dois, com o cenho cerrado, com aqueles olhinhos azuis brilhando em ameaça. Os dois riram mais ainda, porque de ameaçador, Louis não tinha nada.

Essa pequena interação serviu para deixar Zayn mais relaxado. Sabia que aqueles dois não o deixariam em um ambiente que fosse desconfortável. Harry e Louis sempre o protegeriam e o manteria seguro.

 

****

Zayn ficou o dia todo na ONG, seguindo os passos de Louis. O que ele fazia ali era mesmo incrível.

Harry se foi perto da hora do almoço, pois tinha consultas que não podia desmarcar.

Louis decidiu introduzir o moreno aos poucos, sendo assim, o deixou na ala reservada para as crianças. Zayn hesitou a principio, porque sentia uma estranha dor no peito. Uma espécie de dejavu quando via aquelas crianças assustadas e se encolhendo ao menor movimento perto delas. As pessoas destinadas àquela ala, moviam-se por ali com cuidado e sem movimento bruscos. Eram pessoas treinadas a lidar com esse tipo de situação.

Louis ficou observando pelo vidro da sala, esperando que Zayn se integrasse e se aproximasse das pessoas. Então o viu pegar algumas folhas de papel e canetas coloridas, indo sentar-se perto de duas crianças que estava em um canto isolado. Eram duas das crianças resgatadas no Haiti. Uma delas sofria abuso do próprio pai e a outra vivia nas ruas. Ambas tinham a mesma dificuldade de Zayn em se aproximar demais das pessoas e não aceitavam nenhum tipo de toque.

Foi uma insanidade as tentativas de dar-lhes banho ou alimentar. Sempre acabavam gritando e esperneando quando alguém invadia seu espaço pessoal. Não falavam uma palavra sequer em inglês. Louis até havia tentado o francês, que era um dos idiomas falado naquele país, mas não obteve resposta. Nem mesmo espanhol havia funcionado. Como ninguém ali entendia nada do dialeto créole que alguns haitianos falavam, até aquele momento, as tentativas de comunicação tinham sido falhas.

Mas Zayn parecia ter encontrado uma forma diferente de se comunicar. As crianças o olharam em silencio, quando ele começou a desenhar algo em uma das folhas. O papel foi estendido para elas, que olharam aquilo sem entender muito bem, mas não se afastaram e também não começaram a gritar.

O desenho era apenas um coração de braços abertos.

Nada aconteceu. As crianças não se moveram.

Zayn levantou-se devagar, deixando os papéis e canetas coloridas para trás, de propósito.

Louis, atrás do vidro, trocou um olhar com seu assistente, quando perceberam que as duas crianças agora estavam usando as canetas coloridas e rabiscando as folhas deixadas para trás. Zayn havia criado um canal de comunicação com elas, sem dizer uma única palavra!

No fim daquele dia, descobriram que a menina, que era abusada pelo próprio pai, tinha 6 anos e falava um pouco de francês, meio embolado com espanhol. Era pequena demais para pronunciar as palavras com firmeza, mas permitiu que lhe dessem banho sem gritar. Entregou um desenho com um coração rusticamente pintado para um surpreso Zayn. Que retribuiu o carinho deixando um beijo suave em sua testa.

O menino tinha entre 7 ou 8 anos, não conseguiram ter certeza. Parecia entender inglês quando falavam com ele, mas não disse nenhuma palavra. Ainda era arredio e ainda esperneou quando tentaram lhe dar banho. Era uma criança branca, talvez filho de descendentes de europeus. O que era um contraste com as peles escuras das demais crianças ali. Os olhos azuis dele deixavam Zayn inquieto. Talvez porque lembrava outra criança que ele conheceu nessa mesma idade. E também porque o menino parecia ser um guerreiro que se virava sozinho nas ruas pobres do Haiti. Como ele havia parado nessa situação, ninguém sabia.

Louis observava aquilo também de maneira inquieta. Talvez porque sentisse o mesmo dejavu de Zayn. O menino arisco talvez se assemelhasse a ele mesmo, no tom de pele e cor dos olhos, mas tinha o espirito corajoso de Zayn. E a menina, de alguma forma, parecia confiar apenas naquele garoto. Era como se a história deles estivesse se repetindo ali naquelas crianças, que pareciam tão opostas em tudo, mas mesmo assim, desenvolveram um tipo de laço protetor.

 

****

 

O pesadelo foi pior nessa noite.

Harry, como sempre, foi o primeiro a levantar e correr para o quarto do moreno, enquanto Louis ainda estava atordoado de sono. Era frustrante não encontrar uma maneira de parar com os pesadelos que o faziam sofrer tanto.

Encontrou o marido, embalando Zayn em seus braços, como se fosse um bebê assustado. Acariciava suas costas e ficava repetindo que tudo ficaria bem e que ele estava seguro.

O ritual do chocolate quente com torradas seguiu sua tradição. Zayn parecia mais calmo, mas ainda envergonhado por sempre acordar os dois com seus gritos.

__ Eu queria arrancar isso daqui de dentro. – disse batendo na própria cabeça. – dói tanto...

__ Não faça isso. – Louis segurou as mãos dele, sentindo seu peito doer com o desespero que via naqueles olhos âmbar – vamos dar um jeito nisso. Confia em mim?

__ Com toda minha vida, Lou. – disse quando Louis o envolveu em um abraço carinhoso.

 

Aonde você quer ir?

Eu adoraria te levar lá

Queria poder fazer o caminho mais fácil

Queria que a vida fosse justa

Não quero te ver chorar

Mesmo quando chove

E eu espero que você não se esqueça disso

Você nasceu para coisas melhores!

 

__ Escuta Zee... – Harry sentou-se à frente dele, que ainda estava preso no abraço de Louis – eu não sei exatamente o que causa seus pesadelos. Eu sei que tem um a bagagem grande e de coisas que nem se lembra direito. Não me entenda mal por dizer isso, mas talvez precise de um tratamento especializado. Talvez um Psiquiatra.

__ Harry! – havia acusação nos olhos de Louis.

__ É para o bem dele, Lou. – Harry pareceu se justificar – eu tenho feito o que posso, com os conhecimentos que tenho, mas...meu laço afetivo com ele, pode nublar meu julgamento. Pode atrapalhar ao invés de ajudar.

__ O que está dizendo? – Louis não gostou disso.

__ Zayn precisa de suas memórias de volta. Todas elas! – disse sério e viu quando o moreno estremeceu nos braços de seu marido – não vou mentir e dizer que será fácil trazer isso de volta. Vai te machucar tudo outra vez. Mas precisa enfrentar isso ou jamais vai seguir em frente. Jamais vai poder viver no meio das pessoas sem medo. Entende isso?

__ S-Sim... – Zayn murmurou.

__ Apenas não esqueça que sempre estaremos aqui por você, não importa o que aconteça. – Harry prometeu e Louis assentiu – não faremos nada sem sua permissão. Mas se quiser fazer esse tratamento, eu conheço bons profissionais. A escolha é sua, Zee.

__ Eu quero melhorar. – disse ainda meio inseguro, olhando os dois – mas tenho medo do que minhas memórias podem trazer. Tenho medo que sintam repulsa de mim, quando souberem tudo o que fiz e vivi antes de aparecer aqui.

__ Não diga bobagens, menino! – Louis o repreendeu de forma carinhosa, embora as lágrimas ameaçassem despontar em seus olhos – nada vai mudar a maneira como amamos você. E sabemos que enfrentou coisas que nenhum ser humano deveria suportar.

__ Vamos enfrentar isso, juntos, Zee. – Harry envolveu os dois em um carinhoso abraço – como a família que somos!

__ Eu amo vocês. – Zayn murmurou, meio sufocado entre os corpos de seus pais de coração – obrigado por tudo.

__ Também amamos você. – Louis beijou sua testa com carinho e depois os lábios de Harry – amo vocês dois!

Zayn foi para seu quarto algum tempo depois e viu o dia amanhecer, estando sentado no parapeito de sua janela.

Louis e Harry não foram capazes de dormir também. Conversaram até o sol entrar pela janela e os deixar saber que já era dia. Ambos estavam preocupados, mas sabiam que era a melhor coisa a ser feita.

 

Se você um dia cair direto para o fundo

E não conseguir voltar para onde você começou

Sem força para resistir

Eu vou alcançar sua mão

Quando a situação ficar difícil

Bem quando estiver doendo

Eu estarei lá para aliviar seu fardo

Em qualquer lugar, a qualquer hora,

Você tem que saber que por você eu vou lutar!!

 

****

Liam olhava ansiosa para a porta do restaurante. As mãos suavam e seu coração estava inquieto. Não melhorou em nada quando viu Louis passar pela porta e acenar pra ele.

__ Desculpa o atraso. – Louis o abraçou rapidamente – precisei deixar Zayn com Hazz, antes de vir te encontrar. Disse que era importante.

O empresário quase riu da maneira como Louis se referia a Zayn. Como se ele fosse um garotinho indefeso, que precisava ser deixado aos cuidados do outro pai. Isso por si só era uma demonstração firme do quanto Louis o amava e o quanto se preocupava com ele. O que só tornava a situação de Liam ali, mais complicada e desconfortável.

Era assustador que, aos 30 anos, se sentisse tão nervoso e amedrontado ao encarar um pai. Nunca antes precisou pedir permissão a ninguém para ter quem desejava ter. Nunca antes quis pedir permissão. Apenas deixava claro seu desejo e tomava a pessoa para si. Sem grandes complicações na maioria das vezes.

Mas agora, tudo era diferente!

Zayn era diferente de tudo o que já experimentou em sua vida. Era diferente de tudo que já desejou na vida. Queria fazer tudo direito com ele, porque era o que o doce e lindo moreno merecia. Não lutaria mais contra seus sentimentos, que já tinha se tornado incontroláveis. E para começar a fazer isso certo, sabia que precisava da permissão de Louis, para estar perto de Zayn.

A escolha ainda seria de Zayn no final de tudo. Sempre seria a escolha dele. Liam respeitaria isso sempre. Mas achava que Louis precisava saber que Zayn não era apenas mais um pra ele. Seu desejo não era apenas carnal e egoísta como sempre foi em seus casos anteriores. Suas intenções eram reais e as melhores possíveis. Daria o mundo a Zayn, se ele lhe pedisse tal coisa, porque de repente, aquele moreno havia se tornado a melhor coisa em seu mundo.

__ E então? Vai me dizer do que se trata? – Louis o olhava com curiosidade e Liam soube que esteve divagando mais uma vez. – você está bem?

__ Acho que estou apaixonado. – disse em meio a um suspiro e viu Louis sorrir.

Porra! Ele sorriu!

Não gritou.

Não surtou.

Não parecia bravo ou surpreso.

Apenas sorriu...

__ Eu sei Liam.

__ Sabe? – disse com medo – como sabe?

__ Não sou cego seu idiota! – disse simplesmente – você não passa mais tanto tempo enfiado naquele escritório. Começou a usar jeans e camiseta com mais frequência. Você sorri com mais facilidade e eu já achava que você havia esquecido como fazer isso, porque sua seriedade era algo assustador. Você comeu em uma barraquinha de lanche na rua!!! E eu vejo como olha Zayn...você o quer, mas não o tomou ainda.

Liam estava de boca aberta, literalmente. Não era um homem que se intimidava facilmente, mas Louis o deixou desconcertado com uma facilidade assustadora.

__ E porque ainda não tentou me matar, se sabe que eu o quero? – perguntou temendo a resposta.

__ Justamente por todas as mudanças citadas antes. – Louis riu – e algumas aconteceram na minha casa também. Ouso dizer que o sentimento é reciproco. Ainda vou matar você se machucá-lo de alguma forma, mas a escolha é do Zayn. Eu quero trancá-lo em uma redoma protetora, porque ele já sofreu demais, mas eu sei que não tenho esse direito. Desejo apenas que meu garoto seja feliz e que você seja digno desse amor que despertou nele.

__ Farei o melhor que eu puder. Eu juro, Lou. – Liam disse mais tranquilo – eu entendi sua necessidade de protegê-lo e eu quero fazer isso também. Sei que não sou bom nessa coisa de amar. Eu nunca vivi isso antes, mas não vou decepcionar nenhum de vocês. Especialmente meu lindo moreno!

__ Seu é o caralho! – Louis apontou o dedo acusatório para Liam, que se retraiu – nunca se atreva a esquecer que Zayn é humano e não uma boneca inflável para enfiar seu pau quando quiser. Não vou poder impedir que o leve pra cama, porque sei que ele deseja isso. Mas quando ele disser “não”, você para! Isso ficou claro?

__ Cristalino. – Liam assentiu – eu sei que ele sempre foi forçado e eu jamais faria isso. Não vou tocá-lo ou tentar levá-lo pra minha cama, enquanto ele não me permitir fazer isso. Tem minha palavra de honra!

__ Se tem amor na sua vida, vai ser exatamente assim.

__ Não faço por você e sim por ele! – Liam fez careta.

__ Idiota! – Louis riu atrás do cardápio.

Fizeram seus pedidos e conversaram sobre a evolução de Zayn. Os pesadelos continuavam. Teve até algumas crises de ansiedade, mesmo acordado, depois de dias inteiros lidando com  os refugiados na ONG.

Liam contou sobre o surto que presenciou dias atrás na casa deles e Louis ficou furioso por ninguém ter contado sobre isso antes. Mas se acalmou quando soube que nem mesmo Harry sabia. E Zayn havia pedido que não contassem aos pais.

 Surtou de novo quando soube do beijo no terraço e quis socar Liam pela cara presunçosa que fez, quando disse que a iniciativa tinha partido de Zayn.

Liam ganhou permissão para “cortejar” Zayn e ouviu muitas piadinhas pelo termo arcaico. Louis o acusou de estar sem namorar a tantos anos que nem sabia os termos usados na atualidade. Os dois riram muito disso.

As coisas ficariam bem...talvez!

 

 

Em qualquer lugar, a qualquer hora,

Você tem que saber que por você eu vou lutar


Notas Finais


Musica do capitulo: I'll fight by Dayghtry
https://www.youtube.com/watch?v=DGXdG_sRn5U

Espero que ainda esteja no caminho certo com essa história e estou aberta a sugestões .
Aguardando os comentários de sempre.
Love always


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...