História Broken Hearts: A Garota da Rua 34 - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias AOA, TWICE
Personagens Chaeyoung, Chanmi, Choa, Dahyun, Hyejeong, Jihyo, Jimin, Jungyeon, Mina, Mina, Momo, Nayeon, Personagens Originais, Sana, Seolhyun, Tzuyu, Yuna
Tags 2yeon, Aoa, Mimo, Sadah, Twice, Yuri
Visualizações 77
Palavras 1.864
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eaí, Kittens, tudo bom? EU VOLTEEEEI. Sei que demorei pra postar capítulo mas eu to muuuito e empacada com uma coisa na história .-. Eu vou falar mais disso nas notas finais pra quem quiser saber, e na verdade vai ter varias outras coisas lá também. Espero que gostem do cap!

P.S. Muito obrigada pelos 50 favoritos!!! <3

Capítulo 21 - O que fazer


Fanfic / Fanfiction Broken Hearts: A Garota da Rua 34 - Capítulo 21 - O que fazer

[P.O.V. Im Nayeon On]

        - …e então ele irá á ruínas. Alguma pergunta?

        - Pode repetir?

        Eu e Jihyo estávamos no seu quarto, e ela me explicava como ela conseguiria a sua preciosa vingança contra o pai. Honestamente, eu não havia entendido absolutamente nada. Jihyo suspira em desapontamento, me fazendo me sentir um pouco mal; eu odeio quando pessoas se incomodam por minha causa.

        - Realmente não é um plano muito complexo, eu nem tive muito tempo de pensar.

        Ela diz cruzando os braços e desviando o olhar, obviamente chateada. Acho que ela mesma não gostou tanto do seu próprio plano.

        - Jihyo, tem certeza que não quer repensar o plano e fazer tudo isso mais tarde?

        Pergunto meio incerta se ela ia aceitar. Jihyo não gosta de ser contrariada.

 - Não! Nós não temos tempo e eu não sei por quantos dias ele vai ficar aqui! Além disso ele fica querendo me ver e eu não posso só continuar inventando desculpas.

        - Você não quer que essa sua vingança seja perfeita?

        Nem tive que dizer mais nada que Jihyo já bufa e começa a caminhar para a porta do quarto, claramente irritada.

        - Tá. Pode ficar com o quadro.

        Ela diz saindo e batendo a porta do seu próprio quarto. Sim, ela havia trazido um daqueles quadros de anúncio com pins, fotos e uma linha de lã vermelha ligando tudo; acho que ela tem lido quadrinhos demais. Achei que ela ia insistir mais neste plano, mas aparentemente ela também sabe que pode fazer muito melhor do que isso. Bom, agora eu tenho um quadro de anúncios.

        [P.O.V. Im Nayeon Off]

        [P.O.V. Minatozaki Sana On]

        Segunda-feira, já era o terceiro dia que eu não falava com Dahyun, que supostamente é minha namorada. Eu me sinto cada vez mais culpada, mas realmente não sei o que fazer. Não é muito conveniente isso? No dia depois que eu começo a namorar, meu primeiro amor quer voltar comigo. Essas merdas de novela mexicana só acontecem comigo.

        Tzuyu acaba de me mandar uma mensagem dizendo para nós nos encontrarmos no armário depósito no prédio das salas de aula; de algum jeito ela tem a chave para aquela sala, que com certeza seria mais privado que banheiros ou quartos que nossas colegas poderiam entrar em qualquer momento. Eu estou á caminho para encontrá-la agora.

        O dia estava nublado e com vento moderado, parecia prestes a chover, por sorte o prédio não está longe. Os pátios do Internato estavam praticamente cheios, já que haviam muitas garotas saindo da aula e á caminho do almoço. No meio desse monte de gente, eu avistei Dahyun. Ela vestia um moletom enorme e uma calça preta comum, essa roupa só deixava ela parecendo mais baixa e fofa. Eu não conseguiria olha-la na cara, não agora, e nem tenho certeza se algum dia vou conseguir olha-la da mesma forma novamente. Quero dizer, eu traí ela, eu fiquei com outra pessoa e ainda estou ficando; eu sei que acabamos de começar á namorar, mas mesmo assim, se tem algo que eu tenho certeza, é que ela não merece isso.

Eu nunca fui boa em comunicar sentimentos, como eu poderia explicar o que está acontecendo? Tudo isso é demais pra mim agora. Eu tentei apenas colocar o capuz do meu fofinho e grande casaco verde e olhar para o outro lado para passar por ela, mas com a minha má sorte, isso foi falho.

        - Sana?

        Ela diz quando eu estava passando ao seu lado. A sua voz no meio do barulho da multidão soou um tanto baixa, mas entendível. Tentei ignorar e continuei andando, “Não deve ser difícil me esconder entre as pessoas”, pensei, mas eu estava errada.

        - Sana por favor...

        Tentei me afastar o mais rápido possível, mas as pessoas na verdade mais atrapalharam do que ajudaram, já que o caminho estrava sendo bloqueado muitas vezes. Dahyun me alcança, sinto sua mão no meu pulso.

        - Nós precisamos conversar.

        Ela fala com uma cara séria e um tanto preocupada quando eu á dirijo meu olhar. Paro e a encaro, sem falar nada, apenas parada ali com uma cara triste esperando minha namorada se pronunciar, se é que eu ainda posso chama-la assim.

        - O que que tá acontecendo? Por favor, fale comigo. Eu fiz alguma coisa? Eu-eu não sei o que fazer. Você tem me evitado por três dias. Por favor, me responde; talvez eu possa ajudar...

        A cada palavra, parece que a sua voz e expressão se entristeciam. Ela está realmente preocupada comigo; é claro que está, eu não poderia esperar nada menos de uma pessoa caridosa como Kim Dahyun. Seria tudo mais fácil se ela gritasse, se ela brigasse; mas não, ela tinha que ser uma pessoa muito melhor do que eu. E eu tinha que ser um desastre.

        - Por favor... Fale alguma coisa.

        Ela diz devagar e com uma voz praticamente depressiva, enquanto movia sua mão do meu pulso á minha mão, a segurando gentilmente.

        - Desculpa Dahyun... Eu não acho que você possa me ajudar. Me desculpa.

        Eu digo sussurrando, de um modo que só podia ser ouvido por uma distancia muito curta, enquanto largava sua mão, logo me afastando e retomando meu caminho. O barulho das pessoas parecia aumentar, e eu andava olhando para baixo, ponderando no que eu estou fazendo, e o que eu iria fazer.

Eu sentia o meu estomago se revirando e um peso nos meus ombros. Eu nunca lidei bem com culpa, não com esse tipo de culpa; o tipo que você sabe que você é a vilã, o tipo que fica preso na sua mente por dias, meses, ou até anos.

        - Então nós terminamos?

        Mal consigo ouvi-la, mas ela com certeza queria que eu ouvisse, já que praticamente gritou isso; não de um jeito agressivo, mas do jeito que você sente pena. A sua fala atraiu alguns olhares intrometidos, mas nenhum deles importava. Eu não sei, eu realmente não sei, Dahyun.

 

        [...]

 

      Para chegar no local aonde Tzuyu falou, é preciso passar pela sala de dança, e passar por um pequeno corredor com salas para funcionários da escola. Indo para o armário de depósito, vejo Kwon Mina, mas não digo nada, tenho outras coisas invadindo a minha mente no momento.

        Ao chegar na pequena sala ocupada por caixas com materiais escolares e prateleiras, que estava aberta como Tzuyu disse, logo fecho a porta atrás de mim, e sou rapidamente atacada por Tzuyu.

         - Oi linda.

        Ela fala com uma voz levemente animada e carinhosa ao me prensar na parede e me beijar gentilmente. Mesmo após todo esse tempo, eu ainda me impressiono em como os seus olhos brilham.

        - Tzuyu eu...

        Tento falar algo quando separamos o beijo, eu realmente acho que não posso continuar assim, eu tenho que fazer algo.

        - Nós realmente temos que falar agora?

        Ela diz soltando um breve riso e dirigindo os lábios ao meu pescoço, me fazendo suspirar pesadamente. Mesmo se tentar, com certeza não conseguirei falar agora, Tzuyu sabe cada ponto fraco meu; é praticamente impossível manter a cabeça focada. Ela logo enfia a mão dentro da minha saia, indo direto ao assunto. Nesse quesito ela só enrola quando quer me fazer pedir.

        Quando já estávamos... Vamos dizer, um pouco mais “fundo na ação”, a porta se abriu. Son Chaeyoung estava do outro lado.

        [P.O.V. Minatozaki Sana Off]

        [P.O.V. Son Chaeyoung On]

        Mas que ótima maneira de começar o dia; uma traição. Tzuyu e Sana estavam fodendo no armário de depósito. Porque eu não estou surpresa?

        Tzuyu tira as suas mãos de Sana (que anteriormente fazia sons nada discretos) e me olha com os olhos bem abertos (porém calmos) e mãos para frente tentando me acalmar.

        - Chae, me escuta, eu posso explicar...

        - Não não, podem continuar, parece que eu estou atrapalhando vocês.

        Falo de um modo como se o que eu estivesse dizendo fosse óbvio.

        - Ah, e porque não fica com isso? Pode vender e comprar um pra próxima garota.

        Arranco o colar que Tzuyu havia me dado e jogo-o no chão perto da mesma. Dou um breve sorriso irônico que é logo substituído por uma cara de bunda, então me viro e começo a caminhar pelo estreito corredor onde ficava o depósito.

Sou pega de surpresa por Tzuyu, que vem atrás de mim e segura meus pulsos fortemente, me prendendo na parede com meus braços para cima. Ela me beija literalmente contra a minha vontade, coisa que faz o ato ficar completamente desajeitado e desconfortável. Eu não vejo nenhum cenário onde fazer isso pode ajudar em algo. Eu me sentia horrível, eu tentava me soltar, balançando meus pulsos, e movendo minha cabeça, procurando afastar os meus lábios dos dela, mas ela era incrivelmente forte. Foi um dos momentos mais assustadores da minha vida, eu não sabia se ela tentaria fazer mais do que isso, e nem se eu conseguiria escapar se ela decidisse que sim. Acho que eu realmente só acredito ao ver, nunca pensei que Tzuyu assediaria alguém assim. Agora eu entendo, Dahyun, você estava certa.

 Com uma boa quantidade de determinação, misturado com o impulso pelo medo do momento, dou um chute consideravelmente forte em sua perna esquerda, o que a faz separar o “beijo” por causa da dor, e me dar uma brecha para libertar um de meus braços que estavam sendo segurados por Tzuyu, que rapidamente eu uso para dar um tapa na face da morena. Ela se afasta e me olha com seriedade, do mesmo jeito que eu á olho, mas o meu olhar contém um imenso ódio recém-adquirido. É incrível como nossos sentimentos por alguém podem mudar tão rapidamente.

- Nunca me toque novamente.

        Digo lentamente, deixando claro cada palavra. Sim, por um segundo eu acreditei, por um segundo eu caí em qualquer feitiço que Chou lançou, sim, por um segundo eu fui completamente ignorante. Mas agora já deu. Quem diria que uma hora atrás eu achei que ela algum dia se importou ao menos um pouco comigo.

        Enquanto me afastava de Tzuyu e deixava o pequeno corredor, percebi uma coisa, Sana e Dahyun não estavam namorando?

        - Ela estava ali?

        Ouço uma voz falar comigo antes de eu deixar o prédio, era Kwon Mina, foi ela que me disse que tinha visto Tzuyu entrar naquela sala pouco tempo atrás.

        - Sim.

        Digo sem olhar para ela e mantendo minha cara de raiva. Mas antes de sair, me viro para Kwon e pergunto:

        - Por acaso você sabe se Minatozaki Sana e Kim Dahyun estão namorando?

        - Ah, eu acho que elas estão.

        Ela fala um pouco confusa com a pergunta.

        - Tem certeza que elas não terminaram?

        - Hã, eu acho que não...?

        Saio imediatamente do lugar, e á caminho dos dormitórios enquanto pegava meu celular.

        [Mensagens On]

        Eu: Dahyun, eu preciso falar com você imediatamente

        Eu: Eu sei que pisei na bola, mas sério, eu preciso falar contigo

        Dahyuny: Qq ouve? A piranha te largou?

        Eu: Sim, mas não é sobre isso. É sobre Sana.

        Dahyuny: Tá. Me encontra na frente dos dormitórios

        Dahyuny: Ela tá bem?

        [Mensagens Off]

        Eu espero que sim, Dahyun. Eu realmente espero que sim.

        [P.O.V. Son Chaeyoung Off] 


Notas Finais


Eaí, kittens gostaram? Espero que sim. Foi um pouquinho pesado o P.O.V. da Chae. °*°

Ta, agora sobre esse intervalo entre as postagens, a verdade é: Eu não sei o que fazer sobre a vingança da Jihyo. Planejei muito mal, eu sei, ksks. Eu realmente pensei em coisas pra escrever nesse assunto, mas nada parecia bom... Entãããõ, vou pedir ajuda de vocês. Qualquer ideia por aí que vocês tiverem, coloca nos comentários, tenho certeza que alguns de vocês aí tem bastante criatividade, e podem ter a ideia de vocês aqui nessa história (com os devidos créditos claro). Se vocês gostarem de alguma ideia aí nos comentários, responde o comentário com "Esse" ou algo assim. Por favor, ajudaria muito saber o que vocês querem, então comenta aí <3

E pra quem tá pedindo mais do shipp MiMo, não se preocupa, próximo capítulo tem ksks.

P.S.Eu to pensando em mudar a fic pra maior de 18, porque eu acho que eu fiquei muito restrita na parte que a Tzuyu e a Sana estão no armário, e daí eu provavelmente rescreveria aquela parte. Mas não sei, o que vocês acham?

Um beijo no coração, da Supper Kitten!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...