História Brothers - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Asui Tsuyu, Bakugo Katsuki, Hizashi Yamada (Present Mic), Iida Tenya, Midoriya Izuku, Mineta Minoru, Personagens Originais, Shouta Aizawa, Todoroki Shouto, Uraraka Ochako, Yagi "All Might" Toshinori
Tags Dabi, Izuku, Kirikami, Shouto, Tododeku, Villainleague
Visualizações 230
Palavras 2.783
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Shounen, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Half Mine Half Your


Fanfic / Fanfiction Brothers - Capítulo 5 - Half Mine Half Your

[O brilho é baixo e está escurecendo. / E o silêncio está tocando. / E eu quase posso sentir sua respiração. / Quase posso sentir o resto. / A noite é jovem e estamos vivendo. / Mãos se movem, movimento constante. / E o tempo passa devagar. / Sinto que estamos mais perto. / Mais perto, sim. / De pé no olho do furacão. / Meus olhos começam a rolar para a curva de seus lábios. / E o centro de eclipse na escuridão total. / Eu, eu alcanço e toco.]

(Troye Sivan — Touch)




















Será que é tarde demais pra desmarcar? pensou Midoriya, no dia seguinte, faltando cerca de uma hora e meia para o encontro com Todoroki. Estaria mentindo se dissesse que o esverdeado não estava nervoso; não, Midoriya estava surtando em antecipação, a começar pela crise de garota que estava tendo naquele momento. Estava parado na frente do armário usando apenas uma boxer azul e meias, sem saber o que raios iria vestir. Uma camiseta do All Might? Uma camisa de botões? Uma de mangas longas, já que iriam para um lugar que fazia frio? Jeans? Bermuda? Shorts? O uniforme de educação física? Ou da escola? O de herói? Tudo bem, Izuku! Não surte! Respire fundo... Isso. Agora, pense! O que você pode vestir que não pareça infantil, fora de moda, ridículo ou cafona demais? refletiu enquanto olhava para as roupas. Depois de mais alguns minutos de debate interno e resmungos, escolheu uma camiseta branca, um jeans beje claro e um moletom de capuz preto escrito (claro) All Might na frente em letras garrafais de um amarelo intenso. Milagrosamente, ao invés dos costumeiros tênis vermelhos, pôs um par de coturnos da mesma cor. Catou o celular e os fones de ouvido, assim como a carteira e as chaves do quarto, pondo tudo nos bolsos da calça. Bagunçou um pouco mais os fios verdes antes de sair.

uou... Onde você vai todo emperiquitado assim, Midoriya?

— ah, Cero-kun. Vou dar uma saída.

— quem é a sortuda? Uraraka? Tsuyu? Ou é aquela veterana do Big Trio?

— n... Não! Nenhuma delas!

— é alguém que eu conheço?

— talvez... Ah, o elevador! Até mais, Cero-kun! — disse o esverdeado, entrando na caixa de metal como se sua vida dependesse daquilo, o que de certa forma era verdade. Jesus... Se fosse obrigado a responder qualquer pergunta a mais não sabia se explodiria de vergonha ou se envolveria a cabeça de Cero no próprio celofane.

Apoiou-se na parede dos fundos do elevador e respirou fundo enquanto colocava os fones de ouvido. Não podia ter um ataque de ansiedade ainda, tinha que pelo menos ver Todoroki por uns minutos antes de infartar.

Só esperava não estar ridículo demais naquelas roupas.












Já Shouto, dava graças a Deus por ser conhecido dos donos do ringue; graças a isso tinha um bom desconto na entrada e qualquer coisa que ele e o acompanhante consumissem lá dentro seria de graça. De acordo com o relógio, tinha mais uma hora e dez minutos para sair, então ainda tinha uma margem de tempo para a procrastinação da escolha de roupas. Queria impressionar Izuku, mas ao mesmo tempo não queria acabar se vestindo de uma maneira formal demais ou despojada demais e depois ficar com cara de idiota. Ainda bem que existia uma pessoa chamada Yaoyorozu Momo na vida de Shouto.


TODO_SHOU: ME AJUDA. EU NÃO SEI OQ VESTIR (T—T)


YAOYO_MO: não surta. Onde vcs vão?

TODO_SHOU: na boate dos gêmeos. Só q vamos no horário da Yuuna.

YAOYO_MO: VC TÁ LOUCO?!

TODO_SHOU: ainda não. Izuku não sabe patinar. E o horário da Yuuna é o mais tranquilo.

YAOYO_MO: se vc quer impressionar o Midoriya, antes de escolher oq vestir escolha direito oq vão fazer. Vcs vão no horário da Yuuna, mas vão ficar pro do Yuuri.

TODO_SHOU: agora é VC q tá louca. Vc sabe como é o horário dele. Izuku não iria gostar.

YAOYO_MO: vc não sabe se ele vai ou não. Eu já fui nesse horário com a Kyo. É magnífico.

TODO_SHOU: é... Yuuna comentou algo sobre encontrar seu sutiã numa das salas privadas quando foram limpar lá.

YAOYO_MO: EU NÃO ACREDITO QUE VC SABE DISSO! vou deixar pra matar a Yuuna depois, primeiro temos q t vestir. Coloque a camisa de botão preta. E não esqueça de arregaçar as mangas e deixar dois botões abertos.

TODO_SHOU: ok. E a calça?

YAOYO_MO: A jeans skinni rasgada e sapatos sociais. Nem muito badboy, nem muito garoto de família.

TODO_SHOU: valeu Momo.

YAOYO_MO: vai lá e arrasa, Shou. E usem camisinha!

TODO_SHOU: não vou nem te responder, sua doida. Até mais.

YAOYO_MO: (~*3*)~ good Luck







E se ele não estiver lá? E se ele acabou tendo outro compromisso? E se... Todoroki teve a linha de pensamentos interrompida quando ergueu os olhos para o portão de saída da escola. Midoriya estava lá, recostado no muro, usando fones de ouvido enquanto mexia no celular. E havia ficado muito bonito naquele jeans. Shouto se aproximou com cuidado, procurando chamar a atenção de Izuku ao invés de chegar do nada e acabar por assustar o esverdeado.

— Midoriya? — o esverdeado piscou e ergueu os olhos para o meio ruivo, analisando-o rapidamente antes de sorrir e retirar os fones das orelhas. — estou atrasado?

— Ko... Kombawa, Todoroki-kun. Não, eu... Eu que cheguei bem mais cedo mesmo. Vo... Você está bonito.

— arigato. Você também está. — foi um deleite para os olhos heterocromicos o rubor suave que tomou conta das faces de Midoriya, que ficou ainda mais bonito com vergonha de um elogio. — está tudo bem em irmos?

— cla... Claro! Nee, Todoroki-kun...

Assim que Izuku iniciou a conversa — coisa que, se tratando do esverdeado, era um milagre —, a caminhada até a estação foi até que rápida. Após as roletas, já na plataforma, Izuku ofereceu para Shouto uma das pontas dos fones, coisa que o meio ruivo aceitou de bom grado. De primeira não entendeu a letra, mas então reconheceu como sendo inglês.

— que banda é essa?

— na verdade, é uma cantora. A individualidade dela é parecida com a do President Mic, mas num nível bem mais baixo. Gostou?

— sim. Qual o nome dela?

— a cantora chama-se Halsey e a música é Gasoline. Eu particularmente gosto dela porque me lembra um pouco de você, Todoroki-kun. Deve ser a parte que diz bom, meu coração é de ouro e minhas mãos estão frias.

eu diria que seria mais parecido comigo se o verso fosse bom, meu coração é de ouro e minha mão direita está fria.

verdade. — disse Izuku, rindo. Não demorou muito para o trem parar na frente da dupla, e Shouto devolver sua ponta do fone. Assim que embarcaram e acharam um lugar para sentar, Izuku devolveu-lhe a parte do dispositivo. — vamos ver se você gosta dessa aqui também.

— ainda é Halsey?

— sim. Colors.

Izuku deu play e logo no primeiro verso Shouto foi meio que tomado por uma lembrança embaçada — um garoto ruivo, de uns doze ou treze anos, sentado na cama ao lado do pequeno Shouto, que tinha um curativo sobre o olho esquerdo. O garoto havia dito que ficaria com o pequeno até o mesmo dormir, e que o amava muito. No dia seguinte, não havia nem mesmo rastro do garoto na casa.

— Todoroki-kun? Tudo bem?

— ah... Sim. Só... Só me lembrei de umas coisas. Você tem outras músicas da Halsey?

— sim. — disse o esverdeado, que sabiamente decidiu não insistir no assunto da lembrança, por mais curioso que estivesse; uma das qualidades de Izuku era saber respeitar o espaço dos outros. — nessa ela fez uma parceria com uma banda... Cain... Fain...

— The Chainsmokers?

— isso! Faz uns dois anos que eles lançaram Closer, mas ela ainda faz bastante sucesso. — disse Izuku, sacudindo um joelho no ritmo da canção. A batida, apesar de ser um tanto aguda e repetitiva, não era tão ruim, além da letra falar bastante de coisas que Shouto tinha vontade de fazer com o garoto ao lado. Izuku então recolheu o fone  quando o maquinista anunciou que estavam se apoximendo da estação centrar. — acho que estamos chegando.

— verdade. Vamos? — disse Shouto, levantando primeiro e logo estendendo a mão a Midoriya, que surpreendentemente aceitou.

— hai.








Não soltaram as mãos até a entrada do prédio onde ficava o tal ringue; estava confortável dequele jeito. Mas acabaram tendo que se separar quando chegaram a bilheteria — Shouto compraria as pulseiras e Izuku iria ao banheiro. O bicolor então prometeu que esperaria o menor na frente do balcão onde pegariam os patins e os outros equipamentos de segurança, que era praticamente na frente do corredor repartido que levava aos sanitários. Mal se recostou na parede ao lado e quase foi derrubado por um abraço com cheiro de algodão doce e pirulitos.

— SHOOOUUU-KUUUUN! QUE SAUDADE QUE EU TAVA DE VOCÊ! — berrou a garota, Tanikaze Yuuna, que havia agarrado-se com tanta força ao pescoço do meio ruivo que estava a lhe bloquear as vias respiratórias. Como se o cabelo carvão repleto de mechas cor de rosa não estivesse fazendo o serviço.

— Yu... Yuuna... Eu não consigo... Respirar...

— oh, desculpe! Mas que eu estava com taaaanta saudade de você, que não aguentei! Tive que vir te apertar um pouco!

— hai... Cadê o Yuuri?

— você sabe como é o Eros do meu irmão. Funciona melhor a noite.

— etto... Todoroki-kun?

— Midoriya! — disse Shouto, visivelmente feliz com a volta do menor. Pegou-lhe pela mão e o puxou mais para perto, coisa que fez Yuuna se afastar alguns passos. — Yuuna, esse é Midoriya Izuku. Midoriya, essa é uma velha amiga minha, Tanikaze Yuuna.

— mu... Muito prazer, Tanikaze-san.

A garota de olhos azul coral olhou Izuku, para logo depois olhar para Shouto e voltar o olhar para Izuku. Nem bem cinco segundos depois, saltou sobre o esverdeado, que acabou com a cara enfiada nos seios avantajados cobertos por tecido semitransparente e pedraria de Yuuna, que era praticamente da altura de Yaoyorozu.

meu Deus do céu! Você é tão fofinho que dá vontade de morder! — gritou ela, apertando o quase desfalecido Midoriya ainda mais contra os "melões". — finalmente você encontrou alguém, Shou-kun! Sempre achei que ficaria sozinho e a Deus dará!

— oe! Primeiro de tudo, pare de sufocar o Izuku! E depois, como assim a Deus dará?

— desculpa, Izu-chan. — disse a garota, soltando o esverdeado atônito e ajeitando-lhe as roupas amassadas. — você é totalmente fechado, Shou. Como raios eu não ia pensar que não ficaria sozinho?

— Midoriya e eu somos só amigos.

— guardem minhas palavras, serão só por enquanto. Pelo menos, é o que o meu Ágape diz.

Ágape? — perguntou Izuku, saindo do estado catatônico graças a seu interesse em quirks.

— minha quirk. Ela me permite sentir e aflorar os sentimentos de amor fraternal, materno e paterno, e medir o nível de amor entre amigos e irmãos. Como eu posso dizer... É difícil definir o que é a minha quirk, pois o amor tem várias formas. Vocês dois, por exemplo. Mais um pouco e estarão na área da quirk do Yuuri. Eros é... Bem, se ficarem até o horário dele, vão ver como a Eros funciona. E agora, o mais importante! — disse Tanikaze, mudando bruscamente de assunto. — vamos equipar vocês e pôr na pista! Izu-chan, você tem que ver a boate no meu horário, é a coisa mais linda! Aposto que vai adorar!









O estilo de decoração que Yuuna empregava era um tanto quanto... Rosa e tons pastéis demais. Claro, o local era gigantesco, e tinha até mesmo um restaurante e alguns serviços de fast food ao redor da pista, assim como bares e balcões de bebidas fechados e quase totalmente camuflados em meio ao cetim e renda dos festões. A iluminação era ampla e limpa, fornecida pelas lâmpadas industriais no teto assim como a natural vinda dos vidros das três clarabóias quase três andares acima das cabeças de Izuku e Shouto, e a pista do tamanho de meio campo de futebol estava repleta de casais normais e homoafetivos com filhos de todas as idades, além de casais de namorados e até mesmo idosos. Ao redor e atrás da mesa do DJ, telões passando clipes musicais enquanto as caixas de som espalhadas por todo o local faziam o serviço de espalhar a sonoridade de um jeito bem uniforme.

— esse lugar é... Uau. — disse Izuku, agarrado ao braço de Shouto para não cair.

— eu acho rosa demais.

— vai se ferrar, Shou-kun. — disse Yuuna, socando de leve o braço esquerdo do bicolor. — bem meninos... Aproveitem a pista e comam alguma coisa. Se tiverem algum problema, é só chamar!

E logo a garota se afastou, a pedraria do collant brilhando sob as luzes enquanto ela patinava maravilhosamente para longe, deixando o pobre e desequilibrado Izuku com um pouco de inveja.

— está com fome? Mi... Izuku?

— u... Um pouco... Shoucchan.

— então vamos comer! — disse o garoto, sorrindo mais aberto do que nunca. Izuku ficou admirando os dentes brancos e perfeitamente alinhados de Shouto, assim como aquele par incrivelmente fofo de covinhas. — ah é... Como eu sou amigo pessoal dos gêmeos, tudo o que nós consumirmos aqui dentro é de graça. Então... Pode escolher qualquer coisa que quiser.

— mas isso não vai atrapalhar os lucros deles?

— olha a quantidade de gente aqui e me diz se isso não é lucro pra caramba.

— verdade. Acho que... Aquilo ali é comida mexicana?!

— você quer comer um taco? Essa pergunta ficou estranha né?

— um pouco. — riu Izuku, escorregando um pouco mas logo sendo equilibrado por Shouto. — acho que é mais seguro para todo mundo se eu ficar bem parado  você só ir me puxando.

— mas assim você nunca vai aprender a patinar.

— antes eu nunca aprender a patinar do que bater com a cabeça no chão. Vamos, a guacamole tá me chamando!

— certo, certo. — disse Todoroki, rindo. Então aquele era o Midoriya com fome?

Após se empanturrarem de nachos, quase morrerem com a pimenta dos tacos e se deliciarem com os doces típicos, Shouto conseguiu a façanha de convencer Izuku a tentar patinar mais uma vez. Após algumas tentativas que resultaram em quedas, esbarrões e uma interferência de Yuuna para ajustar a postura do esverdeado, os autofalantes anunciaram que Yuuna iria subir a área do DJ para cantar uma música antes que o horário diurno do ringue encerrasse e os clientes noturnos começassem a entrar.

eu queria dizer que essa música é para uma dupla de amigos meus, que estão aqui hoje. Meninos, essa é pra vocês! — disse Yuuna, gloriosamente brilhante na frente da mesa do DJ, o collant vermelho e rosa estilo lolita sendo destacado pelas luzes do entardecer. — I keep my ears to the ground. My eyes wild shut...

— vamos para a beirada. — disse Shouto, auxiliando Izuku no caminho.

— por que?

— você já vai ver. Por enquanto, aproveite o presente daquela maluca. São raras as vezes que a Yuuna sobe lá pra cantar.

— oh. Ela é muito boa.

— é... Essa é uma composição do Yuuri. Se na voz dela essa música já é meio... Sexy, imagine na voz de Yuuri. As garotas piram.

— é algo a ver com a quirk dele?

— mais ou menos. Ao contrário da Ágape, que é o amor puro, sentimental, o Eros... É o amor sexual. Digamos que daqui a uns... Vinte minutos após a saída de toda essa gente, você vai conhecer o maior afrodisíaco ambulante que já pisou no Japão.

— uou. Ele é tão poderoso assim?

— você já vai ver. — só espero que ficar aqui no horário do Yuuri não de encrenca, pensou Shouto, enquanto assistiam Yuuna finalizar a apresentação.

A última pessoa do horário diurno deixou o ringue e passou pelas portas duplas de vai e vem que levava aos guarda volumes e ao balcão dos patins exatamente as seis da tarde. Ficaram Izuku, Shouto e mais uns quarenta ou cinquenta adolescentes e adultos, todos, assim como Shouto, esperando por algo. Os olhos esmeraldinos procuraram por Yuuna, mas a garota havia sumido em algum momento. E então, o sol se pôs de vez, e as luzes se apagaram, dando lugar a mais completa escuridão. Um holofote se acendeu e iluminou um rapaz na mesa do DJ. Ele possuía cabelos pretos com pontas azuis, e olhos de um vermelho acastanhado magnífico. Usava uma regata preta daquelas de academia, e da onde estava Izuku não conseguia ver bem se usava uma calça jeans ou uma de collant. Os braços tinham tatuagens dos cotovelos para cima, e as mãos eram protegidas por luvas de couro sem os dedos. Ele também usava headphones com um microfone acoplado.

— senhoras e senhores, sejam bem vindos ao horário noturno da LOVEonICE. Me chamo Tanikaze Yuuri, e serei seu DJ hoje. É com a mais pura sinceridade que peço a vocês que... Aproveitem o Eros desta noite.

E então as luzes negras se acenderam.


Notas Finais


Detalhe técnico: a música que a Yuuna canta é Listen, da Claire Guerreso, que apareceu aleatoriamente no meu Spotify kkkkkkkkkk e antes que eu me esqueça, a LOVEonICE da noite é exatamente como a capa do capítulo.

E então? Gostaram? Odiaram? Amaram os personagens originais? Deixem aí nos comentários! Tem vergonha de comentar em público? Manda no PV que eu respondo tudo bonitinho!

BJOS da Mo-chan 😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...