1. Spirit Fanfics >
  2. Brotheragem- Adaptação (Taekook) >
  3. Eu lhe Propondo um Acordo!

História Brotheragem- Adaptação (Taekook) - Capítulo 36


Escrita por:


Notas do Autor


Oii👋

Como ninguém comentou nada no outro cap😑 vou colocar características dos personagens secundários do mesmo jeito
Espero que gostem!

Capítulo 36 - Eu lhe Propondo um Acordo!




Jungkook desperta devagar, sentindo na ponta de seu nariz alguns fios de cabelos roçarem, lhe causando cocegas, foi quando abriu os olhos e viu que Taehyung está o abraçando com força deixando seu corpo totalmente encaixado ao dele, pois o espaço do banco detrás do carro é pequeno. O loiro está com o rosto enfiado em seu peitoral, o moreno sente a respiração de seu amado tocar sua pele nua, ele dorme tranquilamente. Ele sorri de satisfação e alegria ao lembrar que se não tivesse tido coragem de tirar essa pequena pessoa daquela casa os dois não estariam mais juntos, e muito menos, tendo um momento como esse.


Ele se recorda que os dois vão entrar em confusão, pois dormiram fora de casa. Ele olha pela janela o dia lá fora, ainda não está claro o dia. Será o momento perfeito para voltarem, sem ninguém ainda estar acordado. Ele tenta se mover, mas suas costas estão quebradas por dormir em um lugar tão desconfortável e os braços de seu amado que o envolve não o ajuda.


— Tae... – o chama com a voz baixa e macia, não quer acorda-lo de surpresa.


— Hum? – apenas murmura de olhos fechados, ele está lutando com o sono, mas o mesmo prevalece.


— Vamos arrumar mais problemas do que já temos se você não acordar. – sua voz continua calma e doce, ele coloca sua boca ao lado do ouvido do parceiro para dizer tais palavras.


Taehyung abre os olhos e levanta o rosto para ver o dono dessas palavras carinhosas. Ele sorri ao perceber aonde está, o porque e como chegou ali, se arrepia ao lembrar o que fizeram e ao ver como os dois estão, nus, abraçados um com o outro.


— Bom dia, amorzinho. – Jungkook diz, ao ver seu amado abrir os olhos e logo depois da um beijo na testa do sonolento,e quando volta a olha-lo vê que ele sorri atoa. – Tá tão bom assim ficar abraçadinho comigo?


— Não... Tá maravilhoso. – Taehyung responde sendo manhoso, realmente não quer voltar para casa de sua avó e escutar bronca, queria ficar amanhã toda ali sentindo o cheiro do amado, o calor da sua pele e escutar essa voz doce dizendo palavras amorosas... Não, ele poderia ficar ali o dia todo.


Abraça o moreno com mais força e se aproxima mais do rosto dele, olha nos seus olhos, esse rosto que acabara de acordar.


— Bem, eu não vou mentir, eu acho muito gostoso ficar assim, e eu tô amando... mas minhas costas não concordam comigo. – ele ri no final da frase.


Taehyung agora percebe que realmente está judiando do outro o prensando no banco enquanto o abraça para aliviar o frio. Ele o solta repentinamente.


— Desculpa_ – Esquecendo que estava dentro de um carro, o loiro acaba se levanta com tudo, bate a cabeça no teto e senta novamente no banco sentindo dor. – Ai!


Jungkook se senta no banco, rindo ao ver o Kim passar a mão repetidas vezes na testa, o barulho do impacto foi grande.


— Você tá bem? – pergunta pegando na mão do mesmo, afastando e olhando o lugar atingido.


Taehyung abre um sorriso ao ver a preocupação de seu amigo.


— Acho que agora eu acordei de verdade. – Diz rindo e olhando fundo naqueles olhos que de preocupados passam aos mais lindos que já vira na vida.

________

Após vestirem suas roupas sentem que estão suados e o carro ainda tem um cheiro lascivo, deixando uma prova do que os dois aprontaram ali dentro na noite passada. Tae passa para o banco do passageiro, já Jungkook teve que sair carro. Ele para e admira o dia, a brisa fria passa, o sol aparece no horizonte, foi quando ele se lembrou, realmente não sabe como voltar para a casa de Dae, o Kim o deixou tão nervoso com aquelas palavras que ele dirigiu feito um louco até se acalmar, foi quando chegou a essa rua vazia e sem saída.




— Acho melhor abrir esse carro e deixar ele arejar um pouco, não sei se esse cheiro é nosso ou do carro. – Taehyung fala se encostando no banco, sente receio em entregar o carro para dono e ele perceber o que fizeram.


— Deve ser os dois, mas pra que abrir o carro?! – Jeon olha para o menor com um sorriso travesso, quer provoca-lo. – Seria uma ótima vingança se o Jin ficasse sabendo que a gente fez amor dentro do carro dele novinho.


— Ta maluco Kook! – Taehyung da um soco no braço de seu amado com força, Jeon resmunga algumas palavras e faz bico enquanto coloca o cinto. – Tomara que eles ainda estejam dormindo quando a gente chegar, vai ser mais fácil explicar as coisas... eu acho...


O garoto realmente está preocupado com o que vão dar de desculpa, não quer entrar na mira de SeokJin de novo. As coisas estão indo bem depois que o Tirano deu liberdade a eles e parou de obriga-los a fazer coisas. Jungkook olha esse rosto preocupado e abre um sorriso, liga o carro e resolve ser sincero.


— A gente poderia chegar cedo... se eu soubesse aonde a gente tá. – ele diz tirando o carro da vaga que estava estacionado e dando meia volta na rua sem saída.


— Pera?! Não me diga que nós estamos perdidos. – ele diz irritado enquanto olha seu amigo dirigindo com calma olhando as placas nas ruas.


Jung consente com a cabeça, oque fez o outro fica cada vez mais sério, o motorista quer se aproveitar disso.


— Ah, e a gasolina tá acabando. – diz e olha para o lado, ver aquele rosto assumir uma expressão de espanto fez ele dar risada e se entregar. – Eu tô brincando!


— Besta! – fala e franze a testa, mas logo relaxa e ri junto, e abre todas as janelas do carro com o controle do painel.


Só de estarem assim os dois já estão bem, juntos já é o suficiente para começarem o dia felizes.


Não demorou tanto tempo assim para Jungkook finalmente se achar, tanto que eles acabaram chegando cedo em casa.


— Acho que eles ainda estão dormindo, sorte nossa. – O moreno diz após estacionar e desligar o carro.


Taehyung olha para dentro da casa, não quer entrar, é como se a realidade pesasse a partir do momento que ele pisasse o pé lá dentro. Ele suspira alto e o motorista o nota.


— A gente pode... sei lá, passar o dia fora... De qualquer forma vamos levar bronca mesmo. – Jungkook sente seu coração apertar, sabe que seu amado está com medo, ele quer passar sua confiança e coragem para o mais velho, mas ele sabe que não é algo tão fácil. – Nos podemos comer fora, e andar por ai. Eu ainda tô com o cartão da Dae_


— Não, nos só vamos piorar as coisas se fizermos isso. – ele olha Jungkook com um sorriso singelo, ele quer acreditar que isso pode dar certo, mesmo com as coisas que vão enfrentar. – Fala de novo pra mim o que você me disse ontem.


Pede com carinho e Jung sorri de alegria com o pedido.


— Okay... – ele se aproxima do loiro enquanto diz as palavras. – Taehyung, eu quero cuidar de você, proteger você, porque... – ele termina sua aproximação quando chega ao ouvido do passageiro e sussurra cheio de amor. – Eu te amo.


O coração do garoto bate acelerado demais para se controlar ou pensar que, talvez, alguém pudessem os verem. Ele puxou Jeon para um beijo desesperado e apaixonado, como se fosse o último, apesar de não ser, ele sentia como se fosse. Ele precisa desses lábios, lembrar deles, da respiração dele roçando sua pele, daquelas mãos macias tocando sua bochecha e cintura, puxando ele para mais perto... pois algo o diz que isso não vai ser pra sempre.

_________

Sook não conseguiu dormir durante toda a noite e torceu para os meninos chegarem cedo de “aonde eles foram”. Ela ficou a madrugada toda na poltrona do lado da janela da sala esperando o carro chegar. Ela realmente não quer se ferrar juntos com eles, se ela deu uma desculpa, os dois vão ter que dar a mesma, só precisa avisa-los disso.


Quando eles finalmente chegaram Sook estava quase dormindo de verdade com a cabeça encostada na janela, mas quando ouviu o carro chegar ela simplesmente despertou de uma vez, em pulo levantou da poltrona e logo viu pela janela o carro.


— Esses filhos da mãe! – ela murmura brava, mas logo lembra que prometeu não brigar com os dois e nem deixar eles saber que ela tem conhecimento sobre o relacionamento deles.


Ela sai pela porta da sala, e começa a andar em direção ao carro em passos pesados, mas... para ao ver o beijo lascivo e apaixonado dos dois primos. Sua boca se abre de emoção e seu coração pula dentro do peito, ela está prestes a gritar. Ver a foto do casal deixou ela surpresa, mas a fixa não havia caído ainda... Até agora... perante essa cena romântica e emocionante, um sorriso abre em seu rosto, ela quer correr abraçar os dois e parabeniza-los, mas lembra do que prometera mais uma vez, se abaixa rapidamente e se escondendo atrás do muro baixo da varanda.


— Se controla menina! Se controla! – dá a ordem a si mesma e levanta a cabeça para olhar novamente a cena linda e vivaz a sua frente. – Mano do céu, eles são o casal mais lindo que já vi!


O sorriso dela não cabe no rosto, está tão feliz que podia sair gritando pelo mundo a fora o que fez. Logo vê os dois se separarem, percebe que ambos estão sem fôlego.


— Caralho, mano! Eles devem ter pegado fogo a noite toda e ainda continuam! – ela começa a rir da sua própria frase, seus olhos cheios de brilho. – Se continuar assim vou juntar todos os meninos da minha escola!

_____________

— Você quer me deixar sem fôlego logo de manhã? – Jungkook pergunta ao separar os seus lábios, sua voz afetada pela respiração pesada, ele morde seu lábio inferior e abre os olhos, vê o loiro o olhar terno e tímido enquanto acena a cabeça em concordância.


Ele deixou o moreno atiçado, tanto que ele quer mais, fica incapaz de sair da linha de atração do outro, seus rostos tão perto. Jungkook questiona o que é isso que o puxa tanto, o que é isso que o deixa tão balançado e seduzido... Só pode ser amor.


— Vamos. – Taehyung acorda seu amado do feitiço de surpresa, seus olhos brilham e um sorriso cobre seu rosto ao ver o motorista resmungando com um bico fingido em seus lábios. – Sério, temos que levar essa bronca logo.


O menor ri tirando o cinto, foi quando viu a silhueta de uma pequena mocinha conhecida se aproximar do carro. Sook para enfrente a janela aberta do passageiro e se inclina para ver os dois jovens dentro do automóvel, ela tem uma expressão séria no rosto.


— Não quero saber aonde foram, nem o que vocês estavam fazendo. – ela fala sendo firme e direta, sabe que é mentira, mas a esse ponto ela já sabe que os dois passaram a noite se divertindo como um casal, e disso ela não tem dúvida. – Eu só preciso que vocês sabiam que salvei a pele de vocês de novo. Então gravem o que eu vou dizer...


Ela para e olha para os dois jovens que ainda estão mudos a olhando como se estivessem sidos pegos no flagra.


— Eu falei pra gravarem! – ela dá um susto nos dois trocando o tão de sua voz repentinamente, ela está se divertindo com a situação, os dois jovens acordam do susto e fixam o olhar nela. – Prestem atenção, vocês vão dizer que foram no condomínio levar essa copia da chave pro sindico...


Ela joga a chave que acabara de pegar no bolso no colo de Taehyung.


— Porque o idiota perdeu a chave ontem e os encanadores deixaram a porta do apartamento aberta, logo vocês foram lá porque eu pedi pra vocês irem, porque eu não queria incomodar meu pai no dia do aniversário dele. Ai, vocês viram que tava tarde e resolveram dormir lá mesmo... Ouviram?! – ela ainda esta com autoridade na voz.


Os dois concordam com a cabeça ainda confusos com o que escutaram. A menina olha para a dobra do pescoço do Kim, e vê um chupão avermelhado recente meio tampado pela camisa de botão que não está totalmente abotoada, deixando um decote em cima do seu peitoral. Ela queria gritar, ou pior, berrar ao ver isso, mas se controla e volta ao seu raciocínio.


— Okay, vamos entrar e tirar essas roupas, tomar um banho mocinhos, pois eles não vão acreditar que dormiram no apartamento se virem vocês com as mesmas roupas de ontem! – bate no cabo do carro, se levanta e dá um passo para ir embora.


Os dois meninos se olharam confusos, captaram o que a mais nova disse e realmente gravaram, mas ela está agindo estranho e os dois realmente acham que ela os viram aos beijos.


Sook está pronta para dar o segundo passo em direção a casa, foi quando ela disse “Foda-se” a tudo que tinha prometido noite passada. Se vira e se inclina de novo pendurando os braços na porta do carro folgadamente.


— Só mais uma coisinha, se vocês realmente pretendem levar isso as escondidas acho melhor começarem a tomar mais cuidado... – ela pensa em se levantar novamente e quase faz, mas se lembra de algo. – E Tae, por favor, use camisa de gola alta por um tempo, tá?!


Ela finalmente segue seu caminho para a entrada da casa saltitando de felicidade, deixando os dois jovens pasmos, mas de repente Jung começa a rir.


— Você está rindo do que?! – o loiro fala irritado.


— A Soo sabe sobre a gente, e sabe o que a gente fez ontem! – ele continua rindo.


O passageiro finalmente entende o que a menor quis dizer em sua última frase, ele vira o retrovisor para si e olha seu pescoço. A obra prima que seu amante fez ontem a noite sendo exibida como um troféu em seu pescoço, isso o deixa com raiva.


— Seu corno desgraçado! Olha o que você fez! – ele fala batendo no ombro de seu amado que antes dele dar o segundo tapa segurou seu pulso não o deixando concluir o ato de agressão.


— Você não pode me culpar, afinal, foi você que acabou de me beijar e me provocar com tanto desejo... Se você não tivesse me beijado a Soo não teria visto... Quem é culpado agora, ein?! – ele fala com um sorriso travesso no rosto, o que deixou o garoto mais irritado.


Mas de certa forma, essa irritação é comum, pois Jeon sempre o provoca. Percebe que não importa, sempre será ele o provocado no final, seu amado tem o poder de o irritar de uma maneira incrivelmente besta, tanto que nem consegue leva-lo a sério.


Os dois saem do carro e entram na casa, o loiro já sente desanimo ao lembrar da cena infeliz da festa ao entrar na sala, mas logo percebe a mão de seu amante se entrelaçar na sua em um gesto de carinho e reconforto, o peso em suas costas virou uma pena quando sentiu essas mãos quentes tocarem as suas.


Logo os dois fazem oque foi mandado, pegam suas roupas cautelosamente no quarto aonde o Tirano está dormindo. Tomam um banho, que demorou mais do que o previsto, pois Jungkook fez questão de se enfiar debaixo d’agua junto com seu amado fazendo o processo de limpeza de ambos atrasar, pois o mesmo se divertiu provocando seu amado novamente, dando lhe beijos, agarrando-o e o lavando com suas próprias mãos.


Após o banho perceberam que Sook finalmente fora dormir, a mesma está cansada demais para espionar o casal. Eles não tem medo dela, afinal, a mais nova se mostrou muito animada e um tanto quanto eufórica com o relacionamento dos dois. Preparam o café da manhã juntos, felizes por simplesmente estarem unidos fazendo o que sempre fazem.


SeokJin foi o primeiro a levantar, ele está de bom humor, tanto que até esquecera que os dois meninos não dormiram em casa. Os três interagem e se comunicam alegremente, Taehyung sorri ao perceber que “pai e filho” estão se dando tão bem, sente medo, mas mesmo assim se preenche de felicidade.


Nabi e Dae foram as próximas a descerem as escadas, porém abriram um berreiro, interrogando os dois meninos, os enchendo de perguntas. Os dois se saíram melhor do que Sook podia imaginar, todos acreditaram. Mas a dona da casa não esta contente com isso, só deles estarem juntos rindo, felizes, já sente nojo e revolta.


Todos tomam café juntos a mesa, Sook fora deixada de fora, pois ela realmente está cansada.


— Jungkook, eu estava pensando em eu e você fazer o almoço hoje. – Nabi faz a proposta a seu neto que sorri de alegria e logo aceita. – Um domingo em família é ótimo, não acha Jin... Você podia ajudar a gente?!


O Tirano sorri falso, o sorriso mais sem graça do mundo nasce em seu rosto deixando claro que não quer participar, não por causa de Jeon, já esquecera sua rixa infantil com ele a anos, a causa é a própria dona da ideia.


— É, se a senhora quer que esse domingo em família seja realmente agradável te aconselho a permanecer bem longe de mim. – ele resmunga entre os dentes, Dae quer repreende-lo, mas não consegue pois Taehyung e Jungkook começam a rir da sinceridade do Tirano deixando a cena mais leve.


Foi quando achou o momento propício para começar seus planos...


— Já que o Jungkook e a Nabi vão cozinhar, que tal Taehyung, você me levar para um compromisso que eu tenho hoje? – ela pergunta com a voz leve, um pedido que foi aceito com a mesma facilidade que o primeiro.

_______________

Taehyung está sentado no banco do motorista esperando sua avó, a mesma demora demais para sair de casa. Ele olha pelo retrovisor a marca que Jungkook deixou nele, sorri atoa, realmente gosta dela, pois ela o lembra da noite mais inesquecível da sua vida e realmente torce para ter mais como essa.


Ele esconde ela debaixo da gola da jaqueta quando ouve o barulho da porta do passageiro abrir, isso lhe deu um pequeno susto e logo Dae já esta sentada no banco colocando o cinto de segurança.


— Para onde vamos?! – ele pergunta sorrindo.


A velha sente a alegria do neto de longe e já sabe porque. Retribui o sorriso e lhe dá um papel com o endereço.


— Vamos pra casa da dona Lee, ela me chamou para ver o netinho dela que acabou de nascer. – ela diz alegre. – Não se preocupe eu falo o caminho para você se nos perdemos.


Taehyung da uma prevê olhada no endereço e percebe que conhece o local, é fácil de chegar.

____________

Chegando o garoto estaciona o carro na entrada da casa de Lee, os dois passaram a viagem toda quietos, mas agora Dae percebe que é o momento ideal para começar uma boa conversa.


— Taehyung, você ama o Jungkook? – pergunta sendo direta, mas ao mesmo tempo natural como se fosse qualquer coisa perguntar isso.


O motorista fica surpreso com o questionamento, mas resolve responde-la sem medo.


— Amo.


— Quanto? – firme, nem olha para o neto mas já percebe que o surpreendera novamente.


— Hum... Muito. – ele pensa um pouco, mas prefere ser sincero, realmente não sabe da onde brotou essa conversa.


— Então até aonde você iria por esse amor? – ainda não olha para o mais novo.


O Kim fica mudo, não sabe o que responder, esta confuso com tal pergunta.


— Até aonde você achou que esse relacionamento torpe iria?! – ela finalmente olha para ele, vê aqueles olhos perdidos a olhando. – Eu aceitaria qualquer homem, qualquer um! Existem um milhão a sua espera lá fora, porque justamente o único que não podia. Tudo, menos o Jungkook. Como você acha que_


— Menos o Jungkook?! – Taehyung a olha com raiva, ele sabe a verdadeira face dela, não tem que ser bonzinho.


“Ela já sabe, ótimo! Não tenho medo dela!”


— Ah, o Jungkook é único, pois ele é seu neto legítimo! Como poderia ser infectado pelo Taehyung, como poderia ser gay! – ele a enfrenta, sabe que ele sempre foi desprezado por não ser o neto de sangue dela, e sempre viu a diferença de tratamento que ela dava a ele e a Jeon.


— Sua anta! Vocês são primos!!! – ela joga as palavras alto mostrando a ele o óbvio.


— NÃO! Nós não somos primos, e você sabe muito bem disso! – ele fala com raiva, ela não vai usar essa desculpa ridícula com ele.


Taehyung chegou a conclusão que vai enfrenta-la. Dae vê o jovem e essa postura forte, percebe que persuadi-lo ou manipula-lo não vai dar certo... Então vai mostrar a ele o verdadeiro lado dela.


— Ah! É mesmo, vocês não são... Aecha não é minha filha... Então, você vai contar a ela?! Contar que ela na verdade é filha de uma prostituta com um Drag Queen que teve a capacidade de dar a própria filha para a amante só para seguir a carreira que ele tanto queria fazendo shows noturnos... E que a mãe dela morreu de desgosto por ter perdido o bebezinho lindo dela... – ela faz um ar dramático falso e cômico contando a verdade que até agora seu neto não sabia, vê os olhos dele começarem a marejar, ela ri, como ele é pode ser tão ingênuo quanto a mãe, ela para suas risadas e continua suas palavras. – Vai ter coragem de contar?!... Até porque você não tem provas de tal coisa, vai ser sua palavra contra a minha.


Taehyung não sabe o que dizer, ele prende o choro, não existem palavras, ele está em choque, totalmente paralisado com a revelação. Dae quer ter certeza que esse moleque não vai estragar seus planos.


— Vai agir como o certinho e contar a verdade de novo?! – ela finge um bico em seus lábios com sua voz saindo meramente melodramática sendo obviamente e propositadamente falsa. – Pensa comigo, você contou a verdade uma vez e o resultado foi a separação de um casal feliz, um trauma na vida do seu primo e o aborto de uma criança... Isso me faz pensar: O que será que vai acontecer dessa vez se você resolver abrir essa sua boquinha?!


Uma lágrima finalmente sai do rosto do garoto e logo outra vem, seus lábios e punhos estão serrados escutando tantas ameaças. Seu coração está sendo pisado, dilacerado, sua coragem foi embora... Nem as juras de amor de Jeon o dão animo, na verdade, elas significam nada perante essas acusações.


— Se você não percebeu ainda, o verdadeiro motivo pra vocês estarem aqui, nesse castigo idiota, é pra finalmente juntar pai e filho! – ela respira fundo, se ela não tivesse mandado trazer Taehyung também nessa viagem nunca precisaria falar isso. – Já pensou quando o Jungkook ficar sabendo que o garoto que ele ama, além de mentir pra ele durante anos, ainda teve coragem de mete-lo em um incesto. Pense no ódio e revolta que ele vai ficar de você, por ser traído pela única pessoa no mundo que ele confiava fielmente... Ah, se ele não voltar a ter aqueles surtos constantes de raiva que ele tinha quando mais jovem... Ah! E você é o culpado disso.


Ela finalmente o atingiu em cheio, as lágrimas saem dos olhos dele sem parar. O loiro se convence que não pode contra isso, há um mostro a sua frente e ele não pode contra ela.


— Ah, não chore meu amor. – ela enxuga as lágrimas dos olhos do mais novo que não faz nada para impedi-la. – Sua vovó só está mostrando a você que esse relacionamento é insano e sujo. Não duvido que você ame ele, mas esses sentimentos tem que ser reprimidos, entendeu?!


Ela fala forçando uma voz doce, tira as mãos das bochechas de seu neto e as posicionam em cima das mãos do mesmo, as pegam com carinho.


— Por isso lhe proponho um acordo! – fala com um falso sorriso. – Você vai termina com Jungkook esse relacionamento pecaminoso... Dá qualquer desculpa pra ele, eu sei que você é bom nisso, afinal, é meu neto! Vai pra casa do seu pai em Yanggu passar umas semanas lá, porque seu pai está morrendo de saudades de você... Ai, quando Jungkook ficar sabendo que o SeokJin é o pai dele, você não vai ter o traído. Eu vou te inocentar, vai ser como se você também não soubesse... Ou... Você pode ficar, continuar com esse relacionamento hediondo e me enfrentar...


Ela olha para ele atentamente com um sorriso em seu rosto, não existe um jeito de saber o que o seu neto está pensando, pois a expressão no rosto dele é indecifrável.


Taehyung está se sentindo vazio e desolado... Não existe o que responder, não existe o que pensar, aqueles olhos estão mudos. Dae suspira em frustração, ele sabia que o coração de seu neto não aguentaria tanto.


— Vamos fazer o seguinte, eu te dou até hoje a noite para você pensa... Ai, você me dá sua resposta. Okay?! – ela larga as mãos dele e abre a porta do carro.


Ele vê sua avó sair e bater o porta. Ela para na entrada da casa e se recompõe, aperta a companhia e é logo recebida com um enorme abraçado, junto com um sorriso caloroso. Entra na casa e se esquece da crueldade que acabara de fazer com seu neto.



Já Taehyung...





Se esvaziou de todo o que sentia, não há amor, alegria e nem coragem, a única coisa que sobrou foi medo, culpa e...bem lá no fundo.. se apossando de todo seu corpo... alma e espírito... algo profundo e forte... sendo incapaz de cessar suas lágrimas desesperadoras...








Tristeza...


Notas Finais


Vou Atualizar só pro final de semana

Deixei a lição acumular e tomei no cu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...