1. Spirit Fanfics >
  2. Bruxas >
  3. O Amor corre Perigo

História Bruxas - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, como estão?
Os capítulos são todos postados na sexta, mas as vezes (como hoje), acabo postando antes.

Boa Leitura ❤️

Capítulo 4 - O Amor corre Perigo


Fanfic / Fanfiction Bruxas - Capítulo 4 - O Amor corre Perigo

 

Áster e eu voltamos o quanto antes para dentro de casa e nos certificamos de que portas e janelas estavam trancadas. Tínhamos muito em que pensar e teríamos que fazer isso ainda esta semana, pois nossa estadia aqui dependia disso.

 

Áster sentasse mas logo se levanta, como se levasse um choque e corre do até a janela, gritando para mim.

 

  - O que foi?- Pergunto assustada.

 

  - O que é aquilo?- Questiona ela com a voz agitada e aponta para uma luz no céu.

 

  - Parece... Uma bola de fogo.- Afirmo, logo ficando tão assustada quanto ela.

 

***

 

(Scott)

 

Bufo, colocando os cotovelos sobre a mesa e balançando a cabeça negativamente.

Eu entendia perfeitamente o quão difícil estava sendo para Suho aguentar firme e manter o foco, mas ficar cuspindo bolas de fogo não iria resolver o problema.

 

Lay tentava acalmar o amigo quando Chen veio até mim, puxou uma cadeira e se sentou na minha frente.

Com toda paz do mundo, se pôs a falar.

 

  - A princesa está desaparecida há dias e você é o melhor amigo dela. Por favor Scott, do que mais consegue se lembrar?- Por justamente ser o melhor amigo da princesa, eu passava muito mais tempo dentro do castelo do que fora dele, mas ainda assim ouvia muito sobre o impecável trabalho dos Noturnos. 

 

 Noturno é o nome dado a classe de dragões mais poderosa do mundo bruxo, os quais, geralmente, desenvolvem um trabalho policial e ajudam a população quando crimes mais graves são cometidos. 

Era bastante evidente que com o desaparecimento da princesa, os Noturnos ficariam em maior evidência, especialmente por o líder deles, Suho, ser namorado da garota.

 

  - Eu já disse, Chen...- Estou muito cansado, mas ainda assim me esforço para falar.- Você sabe como a Magnorá é..., Ela ama flores e aprecia o contato com a natureza. Apesar do rei e da rainha serem rígidos com ela, Mag sempre dá um jeitinho de fugir e ir para a cidade ao Sul.- Sorrio ao me lembrar do jeito travesso e fofo de minha melhor amiga. Chen ri baixinho junto de mim.

 

  - Foi numa das escapadas que ela e Suho se conheceram.- Completou ele.

 

  - É, e por muito pouco a rainha não se torna avó.- Rimos um pouco mais alto agora, porém cuidamos para que Suho não nos ouvisse. Ele estava num estado de nervos com o qual não dava para brincar.- Nós estávamos no rio Bijho quando um grupo de homens mascarados nos cercou e nos colocou para dormir. Eu não sou de grande relevância, apenas Magnorá se importa verdadeiramente comigo e por isso aqueles homens me soltaram.- Suspiro pesadamente.- Eu estava vendado e amordaçado e... Magnorá também. Estava preso em uma cadeira longe dela, mas ainda podia ouvi-la chorar.

 

  - Se lembra de sentir algum cheiro ou ouvir algo incomum... Qualquer coisa.- Chen insiste e então dou uma espiada ao redor, me certificando de que Suho não estava por perto.

 

  - Teve um momento que pude ouvir alguns homens conversando e acho que tinha uma mulher com eles...- Chen se interessou e arrastou a cadeira para mais perto da mesa.- Eles pareciam irritados, agitados... Não sei e daí a porta se abriu.- Engulo em seco ao lembrar.- Mag chorava muito e isso porque ouvimos nitidamente um deles falar que ela iria morrer. Então, ao entrarem na sala, um deles foi até ela e...- Fiz uma longa pausa afim de conter as lágrimas.- Ele machucou ela.- Chen também é atingido pelo impacto do ocorrido.- Só me lembro de apagar devido ao que injetaram no meu braço e então acordei na floresta do Osso Quebrado.

 

  - Caramba...- Chen se levanta e o sigo com o olhar.

 

  - Desculpe não dito isso antes mas... Suho é louco por ela, jamais suportaria saber que alguém a machucou.

 

  - Você fez bem, Scott.- Chen e eu ficamos em silêncio até que Kyungsoo entrou na sala.

 

  - Pensei que o interrogatório já tivesse terminado.- Diz ele secamente. Chen concorda com a mão e me faz sinal para sair. Assim o faço.

 Me levanto e caminho até a porta, cumprimento Kyungsoo e dali vou até o corredor.

Desço três lances de escada e me vejo na sala triangular onde me despeço de Kai e Jimin.

 

Os dois me olham até que eu saia do seu campo de visão.

 

  - Dragões...- Penso alto.  No caminho me atrevo a olhar pela janela e agradeço por estar muito perto da saída. Eu estava dentro do castelo situado no topo da montanha da Caveira, nada menos do que no ninho dos dragões Noturnos. A morada deles ficava o mais longe possível da cidade, a quilômetros de distância. Era necessário atravessar longas e perigosas florestas e rios para então chegar ao Templo de Fogo no qual somente um nobre poderia passar.

  

Noturnos são quentes e tudo ao seu redor pega fogo.

As paredes do castelo tem quase quarenta graus, o vulcão próximo dali libera uma terrível lava que certa o castelo por completo. Sem contar as criaturas.

Caveiras caminham por todo o lugar, dentro e fora do castelo, da montanha e do Templo. Pegam fogo toda vez que um intruso aparece e o matam logo em seguida.

 

Por ironia, no momento em que pensei nas caveiras, uma delas veio até mim após atravessar o corredor e me ver ali.

A criatura era da mesma altura que eu e possuía uma espada na mão direita.

Permaneci calmo e na minha rota rumo a saída. A coisa parou na minha frente e deu uma longa fungada, deixando-me passar em seguida. 

 

Eu possuía o cheiro dos nobres. O perfume da princesa estava impregnado em minhas roupas, sendo assim eu era intocável.

 

Cheguei, finalmente,na Sala do Trono e vi Suho chorando incansavelmente.

Suspirei e fui até ele, mantendo uma certa distância, é claro.

 

  - Estou indo embora. Caso precise de mim, sabe onde me encontrar.- Sou frio, mas havia sinceridade e empatia na minha voz.

 

  - Obrigado Scott.- Suho permanece se cabeça baixa, seus olhos estavam cobertos de dor e raiva, algo incomum para ele, sempre tão feliz e doce.

 

  - Você a terá novamente.- Ele ergue o rosto para mim como quem esperava por palavras de apoio e só então consigo ver com maior clareza o quão destruído ele está.- Não é tão simples separar um casal como vocês. Seu amor por ela supera qualquer barreira... Você conseguirá salvá-la.- Suho soluça e então se levanta.

 

  - Diga-me Scott, uma última vez... Ela estava machucada?- Puts, não queria ter que mentir para um dragão, mas era necessário.

 

  - Não. Ela chorava pelo medo da situação, mas ninguém encostou nela.- Só o fato de saber que sua amada estava com medo e chorando já foi o bastante para detonar o resto de força de Suho. Eu não poderia lhe contar mais do que isso.

  Ele volta a se sentar em seu majestoso trono e eu me despeço silenciosamente, agora saindo de dentro do castelo.

 

O ar frio da noite em contraste com o calor sufocante do castelo me faz espirrar. Meu corpo tentava manter o equilíbrio e eu a sanidade.

Eu não conseguia entender o porquê do sequestro ou a necessidade de matar Magnorá. Era tudo tão estranho e difícil de se acreditar...

 

Ao deixar o Templo de Fogo para trás e adentrar na floresta, ouço Chanyeol me chamar e vir até mim. Uma vez montado no cavalo cedido pela guarda das Caveiras, observo a floresta negra que logo adentraria rumo a minha casa.

 

  - O que deseja?- Pergunto a Chanyeol assim que este chega até mim.

 

  - Hoje mais cedo, Jin e Suga foram até a cidade ao Sul e encontraram no mercado duas garotas estranhas. Poderia procurar por elas?

 

  - Claro. Como elas são?

 

  - Elas tem a mesma altura. Uma tem cabelos negros, lisos e curtos, já a outra tem cabelos castanhos. Um homem disse que vendeu maçãs a elas depois que fizeram um empréstimo. Segundo boatos de moradores de uma vila, elas moram na casa de Jasminy Montgomery.- Arregalo os olhos e Chanyeol sorri cinicamente em resposta.

 

  - Elas são bruxas então?

 

  - Provavelmente, além de possíveis parentes de Jasminy, do contrário... Como atravessariam o portal?- Concordo. 

  Então descendentes de Anny Clivy estavam no mundo bruxo justamente quando a princesa é sequestrada... Isso não poderia ser obra do acaso.

 

Guio o cavalo por entre as árvores até o local dito por Chanyeol e penso em como tudo isso estivesse conectado.

 

***

 

(Áster)

 

Fecho a geladeira e coloco a mão na cintura.

 

  - Prontinho!- Lisy coloca o pote na pia e sorri alegremente ao concluir o feitiço de proteção, assim ninguém poderia invadir nossa casa.

 

  - Temos comida por alguns dias e bastante dinheiro. Está de noite... Vamos dormir.- A garota concorda indo até o banheiro se lavar e eu vou até o quarto. Decidimos ficar cada uma em uma cama de solteiro no mesmo quarto... Só por precaução.

 Tivemos um dia longo e cheio de aventuras, precisávamos de descanso.

 

Assim que termino o banho vou até o quarto e vejo Lisy olhando por um espaço pequeno na cortina.

 

  - O que foi?- Pergunto curiosa.

 

  - Hum... Tem alguém lá fora.- Meu coração dispara e olho pela mesma abertura que ela. Era um garoto talvez com a mesma idade que nós. Ele vestia roupas de couro e veludo chiques... 

 

  - Parece um príncipe ou algo do tipo.- Fechamos a cortina.- Seja o que for, ignore. Pode ser perigoso.- Lisy concorda. Vamos nos deitar após ter certeza de que as trancas estavam boas e o feitiço de proteção bem feito.

 Tudo era tão estranho... Mas no momento precisávamos apenas de uma boa noite de sono.

 

Durante a noite meu sono que era para ser tranquilo foi atormentado com imagens sem nexo e Anny Clivy implorando para que o colar fosse devolvido a ela. Eu sabia que sua alma não estava fazendo contato, pois nitidamente aquelas coisas eram fruto de minha imaginação atordoada pelos últimos acontecimentos.

Acordei quando já era de madrugada e vi Lisy dormindo tranquilamente na cama ao lado. Lancei a ela um sorriso por pelo menos uma de nós estar conseguindo dormir como deveria.

 

Permaneci deitada até que os ponteiros indicassem quatro e meia da manhã e então me levantei. Fui até a sala e tive por relance a impressão de que alguém tentara romper o feitiço de proteção que mantinha a casa segura. A pessoa ou seja lá quem for, por pouco não obteve sucesso e isso me deixou preocupada.

 

Quem ou o quê poderia ser tão forte ao ponto de quase romper tal feitiço.

 

Certamente não era uma criatura citada nos livros e muito menos outra bruxa. O feitiço de proteção é muito poderoso e único de cada bruxa.

Passei algum tempo reforçando o feitiço e concertando onde antes fora afetado. 

Me sentei na poltrona da sala e ali fiquei pensando sobre tudo que acontecera. Meus poderes fora de controle, o ritual, a conversa com Anny... Tudo parecia um sonho, um sonho muito louco.

 

  - Bom dia.- Despertei de repente, me dando conta de que voltara a dormir. Lisy sentou-se no sofá grande com uma xícara entre as mãos.- Acordou cedo...

 

  - Não dormi muito bem. Alguém tentou romper o feitiço... E quase conseguiu.- Lisy dá um pulo e um pouco de chá cai no sofá devido o impacto. 

  

  - Foi aquele garoto! Tenho certeza!- Disse ela agitada, andando de um lado para outro.- Porque ele faria isso? Será que o encapuzado que vimos na vila era ele?- Congelo.

 

  - É provável... Não?- Lisy volta para o sofá.

 

  - Precisamos fazer algo.

 

  - Tipo o quê?!

 

  - Esse lugar deve ter polícia ou algo assim, você é parente de Anny... Pode dar queixa do roubo e assim...- A interrompo.

 

  - E ficar ainda mais em evidência? Precisamos ficar o mais longe possível dos holofotes, Lisy. Não conhecemos este mundo... E pelo que já deu para perceber...- Aponto para o feitiço.- Não somos assim tão fortes quanto as pessoas daqui.

 

  - O que fazemos então?

 

  - Vamos até o túmulo de Anny e ver se encontramos algo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado e não deixem de comentar...

Bjos ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...