História Budo x Ayano - O meu pequeno monstro - Capítulo 114


Escrita por:

Postado
Categorias Yandere Simulator
Personagens Ayano Aishi, Budo Masuta, Info-chan, Megami Saikou, Midori Gurin, Osana Najimi, Personagens Originais, Taro Yamada, Yui Rio
Tags Ayando, Ayano Aishi, Budano, Budo Masuta, Budo X Ayano, Little-chan, Meu Pequeno Monstro, Yandere Sim, Yandere Simulator, Yanderesim, Yansim
Visualizações 175
Palavras 2.575
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, pessoalzinho... Eu tô triste e feliz em dizer que esse é o último cap da mpm, mas o meu textinho vai estar nas notas finais, bjus

Capítulo 114 - O Final Feliz (só que não) de um trouxa


Fanfic / Fanfiction Budo x Ayano - O meu pequeno monstro - Capítulo 114 - O Final Feliz (só que não) de um trouxa

*quebra de tempo*

Eu nunca senti tanta saudade da minha humilde casa, era tão incrível a sensação de estar em frente a ela… mas só tinha um problema. Eu não sabia onde estavam as chaves, geralmente elas ficavam no meu armário.

E ao lembrar do meu armário, lembrei de Akademi e do meu clube.

Malditos ninjas invisíveis cortadores de cebolas!

Provavelmente eles devem ter medo de mim agora. Sem o presidente do clube, ele fecharia. Então, devem ter fechado o clube… Merda. Ou então a Mina Rai tomou a minha posição e agora é a presidenta do clube.

Provável.

Mas enfim, em vez de procurar minhas chaves que provavelmente estavam no jardim ou debaixo do tapete, resolvi usar minha técnica mestre para entrar em casas cuja porta não estava aberta, que vou ensinar agorinha:

1- pegue uma pedra;

2- Taque na sua janela;

3- Entre na sua casa.

Viu como é fácil?

Só aí que eu percebi que não estava sozinho naquela casa; Minha mãe apareceu do nada e conseguiu me imobilizar.

Ah, você deve estar pensando “Ué, mas ela não reconhece o próprio filho?”, mas só pra constar, eu ainda usava roupas de prisioneiro. E eu estava sujo, tinha rolado na lama antes de entrar.

Por que eu fiz isso? Me deixa ser criança, porra!

- Budo? - minha mãe indagou. - É você mesmo?

- Não, eu sou um holograma do clone do Budo Masuta - respondi. - O que você tá fazendo aqui?

- Limpando sua casa, já que o senhor foi preso e deixou sua casa uma bagunça.

- Você sabia?

Ela revirou os olhos.

- Óbvio, eu sei de tudo. - bradou. - Um número estranho aí me mandou uma mensagem avisando que você foi preso. E você vai me dizer porque.

Número estranho? Tem dedo de Info-Chan.

- Resumindo tudo, me passaram a perna.

- NÃO RESUMA TANTO ASSIM!

- Tá, foi a Ayano.

- EU SABIA! EU SABIA QUE ESSA FILHA DE UMA RYOBA NÃO PRESTAVA! EU AVISEI, MAS VOCÊ ME OUVIU?

- Tá, tá, tá! Eu já entendi! - gritei em resposta. - Queria ficar um pouco em casa, mas parece que com você aqui é impossível.

Eu queria sair de casa, mas não queria ao mesmo tempo. Então decidi ficar em casa, mas longe da minha mãe.

Subi em direção  ao meu quarto, mas parei no meio do caminho para voltar à cozinha para pegar um pote de sorvete - graças a alguém lá em cima, minha mãe comprou - e então fui para o meu quarto.

Eu pude ver uma surpresa…

Instalaram um ar condicionado no meu quarto! Minha prece foi atendida, eu ouvi um “aleluia”?

(Talvez eu nem esteja com calor, mas eu sou exagerado, me deixa!)

Fechei as cortinas, tranquei a porta, apaguei a luz e me taquei na cama pra comer sorvete.

Estava quase nevando ali no quarto, mas eu não ligo.

Eu iria finalmente ver o último capítulo de Coração Indomável!

Mas eu já estava desatualizado sobre o que aconteceu nos capítulos anteriores, então eu decidi pesquisar na internet.

Mensagem on

Mensagem de “Ayaninha<3”

A: ei

Mensagem off

Bem na hora em que eu ia relaxar, mas parece que um trouxa não tem esses momentos.

Aliás, eu tenho que trocar o nome do contato dela.

Mensagem on

B: Q é?

B: Eu tava tentando ver novela aq

A: ngm liga pras suas novelas

B: Fala logo oq vc quer!

A: c pode vir aki na minha casa?

A: preciso da sua ajuda

B: Avai te catar! Me chama só pra pedir ajuda?

B: eu queria que fosse outra coisa  (essa mensagem foi apagada)

A: porra seu troxa

B: :’)

A: vem logo pora

B: N tô afim

A: eu vou aí te buscar

B: Vem então (͡° ͜ʖ ͡°)

A: vou levar a polícia tb

B: NN, É BRINCADEIRA K7

A: se eu for aí eu vou te dar um tapa

B: Ja tô acostumado mesmo;-;

A: ngm liga

B: oxe;-;

B: Vc vem mesmo?

B: socoro

B: Kouhai vem na minha casa, voumorrer

B: Ayano?

B: .

B: .

B: .

(Ver mais 79 mensagens…)

B: CARALHO C TÁ VINDO MESMO EU TO TE VENDO DA JANELA

B: ME RESPONDE PORA

B: a vc n tá com o celular

B: q lekau

B: TOMARA QUE VC NAO ESTEJA BRIGANDO COM A MINHA MÃE

B: (mensagem de áudio…) VAI TOMAR NO CU, NÃO ME RESPONDE PQ?

B: Aeh, vc nao sta com o celular

B: Pq eu tô mandando mensagem mesmo?

Mensagem off

Ah, legal. A Ayano vai voltar para casa e vai ser recebida com exatamente 386 mensagens.

Logo que eu deixei meu celular, a Ayano bateu na porta. Eu já ia abrir, mas tinha que vestir minha camisa primeiro.

É que eu queria morrer de hipotermia.   

- Oi, quanto tempo, amiguinha - disse com sarcasmo.

Ayano nem me respondeu, só me deu um tapa.

- Eu avisei. - disse. - Agora vem, eu estou te obrigando - Ayano me puxou pela orelha, literalmente me arrastando.

- Ai, ai! Ain, Ayano, parah!

- Vai se foder. - respondeu ela.

Quando vi, Ayano já tinha me arrastado para a rua, e estávamos na frente de uma casa meio grande, com piscina nos fundos, e tals.

Do lado de fora eu ouvia uma voz escandalosa beem familiar, gritando tão alto que podia ouvir do outro lado do mundo.

- ELA VAI CHEGAR, E VOCÊ VAI CONTINUAR JOGADA NESSE SOFÁ COMENDO BESTEIRA? - gritava a voz. - LEVANTA DAÍ, SUA BAKA! VOCÊ JÁ TÁ GORDA!

A voz gritante, os xingamentos e as brigas… “Baka”? Só tinha uma pessoa que eu conhecia que diz isso, era quase que impossível de não reconhecer.

- Para de gritar - Ayano falou, meio alto, enquanto tocava a campainha. - A vizinhança já deve estar de saco cheio da sua voz estridente.

- Ayano? - a suposta voz estridente apareceu na porta, e era exatamente quem eu estava pensando: a ruiva de voz irritante. - Aah, finalmente! A Yui já tava engordando como se não houvesse amanhã, e nem começou a festinha - Osana olhou pra mim. - Você trouxe o assassino?

- EU NÃO MATEI O TARO!

E, ao falar desse assunto, eu queria saber o porquê da Osana já estar fazendo festa sendo que não tem mais de 3 semanas que o Taro morreu. Imaginei que ela estaria em depressão, mas pelo visto é uma daquelas que dizem: “sacode a poeira e dá a volta por cima”.

- Pfft. Seria bem mais legal se só tivesse a gente, mas fazer o quê? O pessoal vai chegar daqui a pouco.

Hm?

- Você não contou pro seu namoradinho? - Osana indagou enquanto empurrava Ayano e eu para dentro da casa, onde pude ter a visão da Info-Chan jogada no sofá, comendo e vendo o episódio final de Coração Indomável. Automaticamente eu me sentei no chão, sem nem falar com ela, para ver também. Não trocamos uma palavra, mas pelo menos ela compartilhou as Ruffles. Esse é o melhor tipo de amizade, recomendo.

Budo Masuta off 

Osana Najimi on 

- E então, Ayano? - indaguei, enquanto olhava na cara dela. - Me atualiza sobre a morte do Taro, porque eu não entendi porra nenhuma. Primeiro disseram que foi o Budo, aí te prenderam também, e o diretor e a conselheira fizeram questão de esconderem de todo mundo.

Ela pareceu meio triste. Não. Ela não parece nada. Ayano só abaixou a cabeça.

- Acontece que fui eu que matei - aquilo não era um choque, eu sabia que Ayano tinha essas ideias yanderes meio malucas, mas por que raios ela matou o garoto que ela gostava? Eu tava até tentando me afastar dele para essa baka pegar logo, mas parece que era muuuito difícil.

- Você é realmente uma maluca! - gritei com ela. - Como pôde fazer uma coisa tão bárbara dessas?

- Ele sabia de tudo - Ayano respondeu desanimada. - Não teria como me amar, portanto, Taro tinha se tornado apenas uma pessoa que podia me denunciar pra polícia, mais uma pessoa que me odiava. - deu de ombros. - Mas… Eu me arrependo profundamente. Acabei na prisão, de um jeito ou de outro. Se ele estivesse vivo, ao menos…  Eu teria um jeito de prendê-lo ou coisa assim, mas eu me precipitei. E agora, tem esse idiota do Masuta.

- Ele parece gostar de você. - respondi.

- Eu não ligo. Eu queria que o Taro gostasse de mim. Não ele. O Masuta era só uma ajuda, uma coisa que no final eu poderia descartar… - ela virou para mim, me olhando nos olhos, e chegou perto com um sorriso cínico. - Assim como você.

A partir daí, eu não me lembrava de mais nada. Eu só senti uma pontada no pescoço, e tudo em volta se escurecia lentamente, e a luz começava a virar um borrão. Eu não tinha morrido. Virei-me com dificuldade para Ayano, que segurava algo parecido com uma seringa. Meus olhos pesavam, e meu corpo já parecia parar de me obedecer.

E tudo começou a escurecer mais, a luz começou a falhar, junto com meus batimentos cardíacos, que deram uma freiada…

- Eu não vou falhar em te eliminar de novo. - foi a última coisa que consegui ouvir.

Osana Najimi off 

Ayano Aishi on 

Coloquei Osana em sua própria cama, como se estivesse dormindo antes da festa.

Explorei a casa para encontrar algum lugar onde eu podia deixar a adormecida - tranquilizante de cervo - e eu encontrei, em seu quarto, um tipo de caixa que era transparente e que combinava perfeitamente com o tamanho da Osana, incrível.

Agora, eu precisava da ajuda de Budo. Eu me precipitei, devia ter deixado a Osana acordada pra caso as pessoas chegassem para a “festa de fim das aulas”. Tinha certeza que ninguém iria gostar de ver os dois ex-presidiários de Akademi, então resolvi só me esconder na festa, e arrastar o Budo junto, o que não seria tão difícil. Mas, para me esconder, eu teria que pedir para Info-Chan me ajudar nessa. Afinal, as pessoas tinham que ser cumprimentadas.

Na sala, eu conseguia ouvir um choro. Obviamente, era do Budo.

- Eu mal consigo acreditar que Coração Indomável acabou! - ele choramingou, jogando praticamente o pacote de Ruffles inteiro na boca.

- Verdade! - Info-Chan engoliu mais comida e falou. - Eu não esperava, acho que vou chorar também!

-  Ei, vocês dois. Preciso da ajuda de vocês - revirei os olhos e desliguei a televisão.

- NÃO! - Budo reclamou, mas eu não sabia o porquê dele querer ver os créditos.

- Minha ajuda não é de graça… - Yui Rio lixou as unhas. - E você sabe o que eu quero.

- Tá, tá, tá, tanto faz. Eu preciso que você dê as boas-vindas para os convidados da festa, enquanto eu e Budo vamos fazer uma coisinha com a Osana adormecida…

- Tudo bem, mas eu vou te cobrar depois - Info-Chan me fitou e olhou a janela. - Melhor vocês irem logo, já tem gente chegando.

Olhei para Budo - que não entendia nada - e o puxei pra dentro do quarto da Osana, e mostrei a adormecida.

- Não quero fazê-la sangrar ou coisa assim - bufei. - É melhor eliminá-la sem isso… E eu já sei como - olhei para a piscina da janela do quarto da Osana.

- Err… Ayano… eu não quero me meter nisso de novo. - Budo tentou gentilmente recusar.

- Você não tem que querer! - rosnei. - Afinal, você me ama ou não?

Eu peguei exatamente no ponto fraco dele.

- A-amo! - ele tentou se explicar. - Mas isso aí não é certo. A Osana tem uma família que se preocupa com ela, eu tenho pena.

- E quem liga? Vamos logo. - entreguei a caixa a ele. - Você leva isso.

Tentei passar pelo caminho mais curto, a cozinha, mas já estava repleto de gente ali.

Plano B.

Mensagem on 

A: info, junta as pessoas na cozinha e nn me pergunte nada

I-C:   tá

Mensagem off 

Nos escondemos e esperamos as pessoas irem para a cozinha. Quando todos estavam por lá, arrastei Budo até o lado de  fora da casa, e damos a volta até chegar na piscina. Ali perto tinha uma casinha.

- Seria melhor se a Osana estivesse acordada… - olhei para a casinha, provavelmente o lugar onde pessoas trocavam de roupa para ir na piscina. - Vamos nos esconder ali, até a Osana acordar.

Budo não tinha escolha, portanto concordou.

Ayano Aishi off 

Budo Masuta on 

*quebra de tempo*

A “festa” já estava acabando, por incrível que pareça. E Osana não estava acordando. Ayano queria a todo custo que ela estivesse acordada, pra “sofrer mais”.

Que desumano, mas eu já deveria esperar isso vindo da Ayano.

As pessoas já estavam saindo da piscina, e o Sol tornava a crescer em direção ao horizonte, fazendo o céu atingir tonalidades alaranjadas. Tinha que ser o dia da morte de Osana Najimi.

O olhar da Ayano se prendia em uma corda e uma pedra.

- Você não vai fazer isso que eu estou pensando, né?

Ayano nem me ouviu, ela só enfiou a cara da Osana na piscina, fazendo-a acordar.

- Acorda, vadia. - Ayano gritou meio que sussurrando. (????)

- Ayano, você não vai…

- Amarra essa corda no pescoço da Osana. - ela ordenou, enquanto pegava o outro lado da corda e amarrava em uma pedra.

Hesitando, eu amarrei a corda no pescoço da Osana, que mesmo acordada, parecia estar no mundo da Lua.

- Agora - Ayano olhou para mim. - Joga ‘ela’ na piscina… Finalmente você vai ter o que merece, Cenoura Najimi.

- Desculpe… - sussurrei para Osana, enquanto jogava a pedra na piscina, e em seguida, a própria Osana.

Ayano pareceu satisfeita. Sorriu para mim, e eu senti meu rosto queimar. Aquela maldita sensação.

Ela olhou para a Osana no fundo da piscina, que já estava ficando sem ar.

- Vamos embora. - Ayano falou, enquanto segurava em minha mão e me puxava pra longe. - A Info-Chan falou que vai se livrar do corpo pra mim.

Ela tá segurando a minha mão…

*quebra de tempo*

- Ela chegou a falar o nome do Taro? - perguntei, tentando quebrar o gelo quando chegamos na casa dela.

- Uhum…

- Você parece estar pensando nele, a julgar pela sua cara olhando o pôr do Sol.

- Eu me precipitei, Budo. - ela me olhou com aqueles olhinhos vazios que me encantavam dia após dia. - Eu não devia ter matado sem pensar.

- Só agora você entende isso? Mas, como diz uma filósofa que gosto muito: “A vida não é mil maravilhas… pessoas mentem, escondem coisas da gente (...)/ mas não é motivo para ficarmos com cara de cu encarando o pôr do Sol pensando que a nossa vida é ruim (...)”.

- É…

- E como diria a mesma filósofa, “então por que você tá encarando o pôr do Sol com cara de cu”? Vai estudar, menina!

Ela riu. E só aí percebi que eu a encarava com cara de bobo, me peguei pensando em como ela ficava fofa desse ângulo…

Porra, como é ruim  (bom) estar apaixonado…

Não resisti, eu a puxei pra perto de mim e a abracei.

- Eu sinto saudade do meu Senpai...

- Bem… O Taro não está aqui… mas... eu... posso ser seu Senpai, também.

Ayano riu, e me deu um beijo na bochecha.

- Bobo. - sussurrou em meu ouvido. - Até amanhã, namorado.

Ela entrou em casa, mas eu fiquei exatamente no mesmo lugar, quase que paralisado. Ela tem um poder sobre mim, e sabe disso. Parece que gosta de me provocar… mas, quer saber? Eu não ligo em ser o trouxa que gosta de correr atrás dela, se ela ao menos me tratar bem, quem liga se eu sou um trouxa?

Pessoas fazem qualquer coisa por amor, mesmo se esse seu amor for um monstro.

O meu pequeno monstro.

Happy End  (?)


Notas Finais


Oii pessoinhas do meu kokoro
Esse cap foi um pouco (sei) maior doq eu esperava, mas taí um maiorzinho pra vcs *-*
É, esse é o fim da fanfic, sinto muito em dizer isso..
Meio clichê? Muito clichê. Mas foi oq eu consegui pensar... <^^
Mas Letícia, e a segunda temporada, porra?
Eu vou conversar com o meu beta reader sobre a segunda temp, já já deve estar aí *-*
Agradecimentos: @_StarDiazz_ @M_Jones @timtim1964
E a todos os q acompanharam até aqui*-*
Bjus, amo vcs *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...