1. Spirit Fanfics >
  2. Bughead: Onde tudo começou >
  3. Shadow Lake part. 3

História Bughead: Onde tudo começou - Capítulo 30


Escrita por:


Notas do Autor


Capítulo novo!!
Espero que gostem, boa leitura!

Sinopse: Veronica se vê em maus lençóis quando precisa explicar a Betty, Jughead e Sweet Pea o motivo de suas ações e acaba sem querer esclarecendo alguns mistérios sobre Charles.

Capítulo 30 - Shadow Lake part. 3


Fanfic / Fanfiction Bughead: Onde tudo começou - Capítulo 30 - Shadow Lake part. 3

O silencio se instala na sala depois da última fala de Veronica, ela pareceu procurar palavras, mas sem sucesso em encontrá-las conseguiu apenas abrir a boca e gesticular algo com as mãos, no entanto nenhum som passava pela sua garganta.

Betty: “- Deus! Eu não consigo ficar olhando pra você muito mais, pra mim chega.” Fala quebrando o silêncio e se levantando rápido.

Veronica: “- Betty, cala a boca por favor e deixa eu explicar, espera! Aonde você vai?” Indo atrás dela e puxando seu braço.

Betty: “- Pra casa! Não vou ficar aqui.” Puxando seu braço de volta para si bruscamente.

Veronica: “- De jeito nenhum! Você tem noção de quão perigosa é essa estrada de noite? Ainda mais de moto.” Mostrando preocupação genuína.

Betty: “- Não tão perigoso quanto deixar os Lodges sozinhos na cidade por mais um dia.” Ela retruca deixando os três na sala sem resposta, principalmente Veronica.

Sweet: “- Ei, gente... Não vamos tomar decisões precipitadas aqui...” tentava ao máximo apaziguar a tensão imensa no cômodo. Havia se aproximado bastante de Veronica nos últimos dias e pensava que ela teria uma explicação razoável para tudo aquilo.

Jughead: “- Caralho Veronica, eu realmente estava começando a confiar em você.” Pondo-se ao lado de Betty em direção as escadas. Sweet percebe que V estremece ao Jug terminar a frase.

Betty: “- Esquece Jughead, é Riverdale!” Com a voz pesada que transparecia tristeza e rancor.

Veronica: “- VOCÊ ME PEDIU PRA GANHAR A CONFIANÇA DELE, B!” Sua voz saiu muito mais alta do que queria, mesmo com o nó enorme que se formara na garganta dela.

Betty hesita em continuar subindo os degraus e se vira novamente em direção a Veronica.

“- Não tinha outro jeito de conseguir... pra provar que eu estava do lado dele...” ela continua. “- Eu juro, que não tô do lado dele, mas pra fazer ele acreditar nisso eu precisei ‘trair’ você e Jughead. Por favor... em nome da nossa amizade... acredita em mim.” Implora e Betty suspira longamente, divida.

Veronica mantém os olhos fixos aos dela, aguardando resposta.

Betty: “- Eu quero acreditar em você V... Mas eu não confio nos Lodge, sem ofensa.”

Veronica: “- Não ofende, é a mais pura verdade.” Suspira dando de ombros. “- Em hipótese alguma confie em um Lodge... a não ser que seja família. Eu posso ser uma Lodge por sangue, mas eles não são minha família, é você B... eu não sou como eles, nem quero, você é uma irmã pra mim e eu te amo. Só concordei com essa história toda de infiltrada porque eles machucaram você. O que só provou pra mim o que eu já sabia a tempos, os Lodge não tem escrúpulos.” Seu tom ganhava desdém cada vez que se referia a Hiram ou Hermione.

*Veronica’s P.O.V*

A declaração que havia feito era sincera. Desde que cheguei a Riverdale, no primeiro ano do ensino médio e Betty fora escolhida para me dar o tour de boas-vindas nunca mais nos desgrudamos. Bom, apenas uma vez na verdade, por um momento de insanidade passional minha, que me fez ter atitudes das quais eu não me orgulho nenhum pouco. Ela tem sido a minha confidente pra todas as horas, sempre que eu precisei ela estava lá por mim, o que me faz pensar no quão horrível foi ter planejado pegar o homem dela no baile Blossom, me repugno só de lembrar. Felizmente eu voltei à mim antes de fazer algo que provavelmente me arrependeria muito depois, parte disso se deve a Jughead, que fez com que eu repensasse as minhas ações (inclusive, uma das razões pela qual shippo imensamente Bughead, Betty sempre teve um bom gosto pra garotos, mas dessa vez ela se superou, devo admitir Kkkkk. E de bônus ainda me fez conhecer Sweet Pea, que é um anjo na terra, que homem meus amigos! Que homem). Desde então, dia após dia, tento me redimir com ela. Só espero que ela acredite que só ajudei meu pai pela porra de um “bem maior”.

Levou um tempo considerável até ela tirar aquela cara de desprezo e começar a olhar pra mim como uma amiga de novo. Tive que contar tudo o que fiz detalhe por detalhe, inclusive da reunião com alguns dos membros da máfia, eu estava dentro, com certeza. Mas conseguir informações relevantes ainda vai demorar, até porque não posso ser recém chegada e já sair perguntando sobre tudo e todos, seria muito óbvio que algo estava errado. Felizmente Betty concorda comigo, mas ainda sinto que ela não confia em mim totalmente, mas eu vou recuperar a confiança dela, isso é fato. Entretanto, eu tinha uma informação realmente relevante, do interesse certo de Betty e Jughead, me perguntava se era o momento certo de falar sobre, mas percebi que esse tipo de conversa não tem momento certo. Fomos para a mesa de jantar pra conversar melhor.

Veronica: “- Tem mais uma coisa... eu acho que você vai gostar de saber. Na verdade, vocês dois.” Ela e Jug arqueiam as sobrancelhas, tão sincronizados que chega a ser cômico. “- Lembra de um dos líderes dos Canibais? Malachai?”

Jughead: “- Acredite, é bem impossível de esquecer.”

Betty: “- É... por falar nisso, nos achamos Charles, com tudo o que aconteceu mal nos falamos depois do sequestro por isso não te falei antes.”

Veronica: “- AAI MEU DEUS B! Isso é maravilhoso!!” exclama entusiasmada, mas logo adota uma expressão confusa. “- Mas o que tem haver com o líder dos canibais?” questiona.

Betty: “- Então... é ele.” A expressão dela se contrai.

Veronica: “- Nããão! Mentira!” Desacreditada.

Jughead: “- Gostaríamos que fosse, mas... tudo indica que é ele mesmo.”

Veronica: “- Bom... a notícia não deixa de ser boa então.” Parece falar consigo mesma, causando mais olhares confusos e curiosos de Jughead e Betty. “- Meu pai tem alguma coisa contra Charles, aparentemente ele recusou várias vezes trabalhar pra ele, os dois se conhecem desde o tempo que ele vivia no orfanato, naquela época papai já testava drogas por lá. Segundo o próprio Hiram, os canibais não eram tão violentos, estavam por muito tempo só traficando nas docas, sem chamar muita atenção ou machucar ninguém. Mas como ele queria o caos no lado sul pra poder comprar praticamente tudo lá por um preço muito mais barato, precisava da selvageria da parte deles, se fosse preciso até incitar uma guerra entre os seus Serpentes do Sul e pra isso ele descobriu o ponto fraco dele, é por isso que ele obedece meu pai. Não porque ele é mal, cruel ou violento por natureza. Mas sim porque está sendo chantageado.” Ela termina.

Betty vai para trás encostando as costas na guarda da cadeira e solta um suspiro encarando Jug com certa preocupação, ele tinha os mesmos olhos.

Jug: “- E se ele foi atrás de você no hospital tiver haver com essa chantagem?”

Betty: “- Acha que ele queria me avisar de alguma coisa? Várias vezes ele falou que não era tão mal quanto todos pensavam... E se estava tentando falar sobre a chantagem mas não teve coragem? Jug ele pode estar em real perigo... e eu mandei ele pra longe.” Ela passava os dedos pela raiz de seus cabelos quase a ponto de arrancá-los.

Veronica: “- Eu não sei exatamente o que papai tem contra o seu irmão Betty, mas com certeza é algo sério.”

Betty: “- Quando estávamos no hospital, ele tinha uma urgência em falar com a minha mãe... e ele disse que realmente sentia muito por tudo que tinha feito... parando pra pensar agora, parecia que estava se despedindo...” se levantou da cadeira e andava pela cozinha ansiosamente. Jughead se levanta e acaricia de maneira firme seus ombros.

Jug: “- Ei, ei... olha pra mim.” Levando a mão ao queixo dela e guiando seu olhar ao dele. “- Nós achamos ele uma vez, nós vamos achar de novo.”

Betty: “- Não vai precisar... ele me deu um numero pra contato.”

Jug: “-Ele fez o quê?” Dando um passo pra trás.

Betty: “- Me deu um número pra...” Jug a interrompe.

Jug: “- E por que você não me contou?” lhe encarando com os olhos semicerrados.

Betty: “- Eu ia... juro, quando voltássemos de Shadow Lake eu contaria tudo pra minha mãe. E se ela quisesse eu faria contato com ele.” Jug assente com a cabeça.

Sweet Pea: “- Eu tenho um recado pra você, do FP.” Entregando um envelope a Jug. Que tira uma pequena carta e lê atentamente encostado na bancada da cozinha.

Jug: “- Merda... parece que você não vai precisar ligar.” Ele passa por Betty e diz entregando o bilhete na mão dela. “- Lê a última frase.” Ela corre os olhos pelas inúmeras frases de FP e começa a ler o último parágrafo. Sentiu seu coração bater na boca do estômago quando lê: “ Charles esteve aqui.”

Betty: “- Ele não esperou! Por que ele não esperou?” Jogando o papel bruscamente na mesa. “- Você acha que ele está planejando fugir?” Diz confusa andando praticamente em círculos.

Jug: “- Seja lá o que Hiram tem contra o Malachai, ele não parece querer deixar assuntos pendentes em Riverdale... Ele ter procurado você tão rápido foi o primeiro sinal, não ter esperado pra encontrar com Alice e meu pai mostrou a pressa com que ele queria encontrá-los... O que nos leva?” Questiona retoricamente.

Betty: “- Você é o último...” Ela sorri como quem acaba de ter uma ideia. "Você é o último assunto pendente." 

Jug: “- Liga pra ele.” Sorri da mesma maneira.

~Fim do Capítulo.~


Notas Finais


Cada vez mais difícil saber em que lado a Vee está!
Esses dois riem na cara do perigo chamando Charles kkkkkkkk
Espero que tenham gostado!
Não esqueçam do favorito ❤❤ e daquele comentário que eu amo tanto kkkkk
Prometo que volto logo!
Bjo bjo 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...