1. Spirit Fanfics >
  2. Burguesia fede! >
  3. Capítulo 14

História Burguesia fede! - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Cap será narrado pelo Taehyung, boa leitura meus anjinhos ^^

Capítulo 15 - Capítulo 14


Burguesia Fede!


Ultimamente esse tempo que estou passando com o Yoongi vem sendo bem diferente, digo, não mudou nada entre a gente, mas é estranho que venho me sentido muito nervoso ou até tímido ao lado dele. Suspiro me levantando da cama e coço a minha cabeça, sorrio vendo que meu cabelo está ficando grandinho do jeito que gosto. Bocejo e vou até o banheiro, fico olhando a minha aparência no espelho e rio de nervoso.

Meus pais irão me matar assim que ver a minha pele mais bronzeada... murmuro enquanto lavo o meu rosto tirando a ramela do olho e a baba que escorreu. Enxugo ele e escovo os meus dentes enquanto coço sutilmente minha barriga.

Depois que dou um trato nos meus dentes, tiro a minha roupa e tomo uma ducha para deixar o meu corpo mais desperto. Saio do box já devidamente enrolado na toalha e vou até o guarda-roupa colocando uma calça bege, uma camiseta social larga e minha boina, sorrio me olhando no espelho e passo uma colônia que o Gi me deu que foi de uma barraquinha de rua aqui. Desço as escadas e vou direto para a cozinha, faço meu chá enquanto cantarolo uma música qualquer.

— Sua voz é muito bonita. — Min diz e acabo tomando um susto quase derrubando a bebida quente no meu pé, suspiro colocando a mão no meu peito o olhando indignado e ele ri com o seu sorriso gengival maravilhoso.

— Tá querendo me levar pro céu mais cedo? — brinco e me sento em sua frente bebendo o meu chá, faço uma careta ao sentir o cheiro de café que vem da xícara dele.

— Não, mas como é nosso último dia de férias queria te levar a um lugar especial... — ele diz enquanto termina de tomar a bebida amarga. O olho curioso e ele sorri. — É segredo... Vamos? — pergunta já percebendo que terminei minha deliciosa preciosidade de chá de camomila. Concordo calçando meus chinelos e o abraço pelas costas, virou um costume nosso e amo o abraçar, ele é tão cheiroso e aconchegante que chega a me lembrar do meu ursinho de pelúcia quando dormia com ele, antes do meu pai o queimar é claro.

Apenas o segui enquanto estava prestando atenção na janela curioso, ele esperto pegou o carro do Jungoo emprestado e agora estamos indo ara algum lugar desconhecido, mas pelo menos no carrão do Jeon. Olho para ele que está concentrado olhando a estrada e sorrio.

— Não sabia que dirigia. — digo calmo, ele olha para mim e sorri.

— Eu tirei carta assim que completei a idade, sabe caso alguma criança passasse mal, eu poderia dar uma de piloto de fuga e levar ela para o hospital. — ele diz brincalhão e rio. Rapidamente ele estaciona e desliga o carro sorrindo. — É aqui! — ele diz animado e automaticamente meu riso morre ao ver que é uma festa de crianças.

— E-eu não me dou bem com crianças Gi. — digo e ele me olha de cima para baixo.

— Você sabe sim, só não socializou com alguma, sua infância sempre foi empresa e agência, você merece ser uma criança pelo menos por um dia. — ele diz tocando a minha mão e me olha pidão. — Vamos? — ele me olha e eu suspiro olhando novamente para a frente do salão decorado.

— Tudo bem, vamos. — digo receoso e saio do carro. Olho ao redor e percebo que é até agradável, a frente tem uma decoração bem colorida, mas não de uma forma exagerada, ouço uma música no fundo animada e alegre. Sou surpreendido com o Min segurando a minha mão, ele sorri doce enquanto faz um carinho com o polegar.

— Relaxa, só seja você mesmo, criança não vê o seu dinheiro, só querem um amigo para se divertir. — sorri me puxando. — E também ninguém saberá que esteve aqui. — pisca para mim, concordo me sentindo mais aliviado e entramos no local. Rapidamente fui surpreendido com diversas crianças abraçando as minhas pernas.

— Oi tio! — uma das crianças me diz eufórica e eu sorrio mínimo me agachando até ela.

— Oi princesa. — sorrio, ela ri e tira sua tiara da cabeça e coloca na minha.

— O tio Guinho diz que você é o moço que iria fazer um desenho no meu rosto de presente, você vai fazer tio? — ela pergunta segurando a minha mão e balançando, olho para Yoongi e ele segura o riso apontando para o lugar que tinha várias tintas de rosto, suspiro e sorrio para a criança.

— Vou fazer sim. — bagunço levemente seus cabelos e a seguro pela mão indo até o lugar de tintura. Me sento na cadeirinha e ela se senta na minha frente, pego os pincéis e olho para as tintas. — Que desenho você vai querer?

— Uma borboleta com flores e um ursinho! — ela diz animada, sorrio concordando e ajeito o seu cabelo para não ficar sujo com a tinta. Começo pensando em como faria tudo isso em seu rostinho, sorrio começando a desenho entretido enquanto algumas criancinhas ficam olhando.

Ouço algumas risadas, vejo Yoongi brincando com as outras crianças e sorrio voltando a pintar o rosto da princesa. Ela cutuca minha coxa e me chama para mais perto, sem entender paro de pintar seu rosto e me inclino para ouvir.

— Tio, você gosta do tio Guinho? — me pergunta e eu me engasgo tossindo e rindo.

— Não princesa, somos muito amigos. — sorrio e ela faz bico. Enquanto ela fica emburrada termino a obra de arte e sorrio animado e orgulhoso. — Terminei!

Ela pega o espelho e se olha sorrindo muito feliz, ela me abraça e sai correndo com as outras crianças brincar. Fico limpando os pincéis e me assusto ao perceber que alguém sentou na minha frente, quando olho sorrio vendo que é o Min.

— Quero um desenho também tio Taetae! — ele imita as crianças e eu rio.

— O que você vai querer? — pergunto me virando para ele.

— Um palhaço, para representar aquilo que eu sou. — ele diz e eu rio concordando, pego o pincel e começo a fazer um desenho nele. — Você é bom nisso, por que não começa a fazer a faculdade de artes que você tanto quis? — suspiro o olhando e sorrio mínimo.

Meus pais iriam me matar tio Guinho. — resmungo terminando e fazer a pintura no rosto dele, ele sorri olhando o seu reflexo e beijando a ponta do meu nariz.

— E até quando irá viver por eles e não para si Tae? — ele pergunta e se levanta indo brincar com as crianças. Fico olhando ele ir e suspiro sentindo minhas mãos levemente suarem, bufo expulsando meus pensamentos e me levanto indo até lá e brincando com a criançada.

[...]

Depois de brincar praticamente duas horas inteiras, gemo sentindo dor nas pernas e paro descansando. Olho para Yoongi que está desfalecendo quase mas que continua mantendo seu sorriso brincando com a garotada e rio, haja energia. Vejo a pequena pestinha vir até mim com um pedaço de bolo e ela ri sapeca.

— Vamos adoçar a brincadeira tio! — a olho sem entender até ver ela pegar o bolo e jogar em mim. Fico vendo a minha roupa toda melecada e cheirando a chantilly, sorrio competitivo e pego um brigadeiro jogando nela, e assim todos começaram uma guerra de sobras que já estavam criando moscas nas mesas. Sou surpreendido pelo Min pegar em meu pulso e sair me puxando para baixo da mesa se protegendo, e rio de seus resmungos falando que se cair chantilly em seu cabelo ele vai fazer o sermão da montanha.

[...]

Depois de estarmos praticamente cobertos de bolo, salgadinhos e suco, a moça ofereceu uma muda de roupa do seu marido e filho para Yoongi e para mim. Na verdade agora estou tomando um banho para tirar tudo o que ficou no meu corpo e cabelo, com os olhos fechados ouço passos e quase caio do box quando Yoongi entra.

— Calma, não sou o tinhoso. — ele ri e entra no box compartilhando o banho. Não é como se não fossemos acostumados a isto, visto que até dedar ele em uma praia já dedei, então um banho não é um bico de sete cabeças.

— Ei... Obrigado por hoje... Foi bom ter sido uma criança por um dia. — sorrio me virando para ele, ele sorri e faz um singelo carinho em meu rosto.

— Fico orgulhoso de você e você deveria fazer artes, nem que for escondido dos seus pais. — ele me aconselha, rio baixinho concordando e fixo meu olhar em seu rosto perfeitamente branco e macio. Ele acompanha o olhar inda mantendo seu polegar fazendo um leve cafuné em meu rosto, suspiro por fim cedendo a tentação de sentir seus lábios macios e começo um ósculo lento o abraçando.

Ele me acompanha enquanto faz um cafuné em minha nuca e o prenso levemente na parede do banheiro sentindo a água bater em nossos corpos. Até que uma amizade assim não faz mal a ninguém.


Notas Finais


Esse cap foi mais como uma transição pro pau começar a torrar, bjs te ate quarta com mais att


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...