1. Spirit Fanfics >
  2. Burn >
  3. Tons de azul para Katsuki

História Burn - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus xuxu, perdoem o tamanho dos capítulos e não desistam de mim.
Boa leitura!

Capítulo 3 - Tons de azul para Katsuki


 

Após todas as partidas serem encerradas, o único que acabou machucado foi Midoriya.

Enquanto voltávamos à sala, eu me sentia profundamente preocupada e não era apenas com ele.

Bakugou era um idiota, um ordinário, um mequetrefe egocêntrico do caralho e ninguém discordava. Também não merecia minha atenção e mesmo assim, ver sua aura virada em bagunça me desestabilizava por que simplesmente não combinava com ele.

- Está pensativa. – Todoroki se aproximou e começou a caminhar ao meu lado. Éramos os mais próximos na turma por enquanto.

- Problemas com minha individualidade. – Murmurei não querendo me prolongar no assunto. Eu não falava abertamente sobre a individualidade das auras por que geralmente as pessoas se sentiam com a privacidade invadida, o que não era uma mentira.

- Você foi incrível. – Estaquei no mesmo lugar e senti um calor incomum subir por minhas bochechas.

Oh droga, eu estava... corando?

QUE PORCARIA ERA ESSA?

Ao ver que Todoroki me encarava virei à cara na direção da janela tentando recobrar alguma compostura enquanto fingia analisar severamente alguma coisa.

- Que nada, você também foi muito bem. – Enrolei e quando senti o vermelho diminuir do rosto voltei a andar. Todoroki me analisava daquela sua maneira única e por um momento, me perguntei se seus olhos peculiares também viam além do que os outros podiam enxergar.

Eu esperava que não, por que acabaria passando vergonha.

- Ei Todoroki, Katsumi! – Parei e virei, observando Kirishima que corria para nos alcançar.

- Oi, gato. – Lancei uma piscadinha para Kirishima que fez uma careta. Tinha se tornado uma piada interna nossa depois de fazer a atividade juntos.

Segundo Kirishima ninguém nunca chegou para ele e chamou ele de gato do nada.

O que deveria ser crime, por que ele era.

Caminhamos conversando até a sala, todos pareciam animados demais depois do treinamento. Meus olhos vagaram pela sala em busca de uma certa cabeleira loira e olhos vermelhos, mas ele não estava ali.

- Ele já foi. – Kirishima parou ao meu lado e cruzou os braços me encarando.

- E quem disse que eu estava procurando? – Revirei os olhos e cruzei os braços também. Maldito ruivo que não deixava passar nada.

- Aham, sei. – Ele riu. – Vocês são bem parecidos sabia?

Meus olhos estreitaram.

- Retire o que disse. – Murmurei me aproximando devagar enquanto as sombras se condensavam em minhas palmas. Kirishima deu um passo para trás e bateu na classe.

- Ei, Ei Katsumi, perai.. Você não precisa ser tão radical né? Perai... – Eu estava prestes a ameaça-lo com mais afinco quando Todoroki segurou minha mão e eu girei em sua direção.

- Para quem reclama tanto do Bakugou, você também está esquentadinha. – Ele riu de uma forma contida e meu demônio interior veio à tona.

- MAS QUE CARALHO! COMO VOCÊ OUSA ME COMPARAR AQUELA PESTE? VOCÊ QUER MORRER SHOTO? – E enquanto eu tentava esbofeteá-lo e ele ria segurando meu braço com uma pegada extremamente fria, eu ainda consegui ouvir Kirishima e seus comentários ao fundo.

 - Não disse? Os dois são iguaizinhos.

Arght! Eu vou matar esses desgraçados.

...

Hoje tivemos a escolha para representante da turma. Como a pessoa sensata que sou votei em Todoroki, por ser a pessoa mais neutra da turma tirando o assunto “Endeavor”.

Mas acabou por ser Lida e Momo, o que não era ruim, já que os dois também eram responsáveis.

Na verdade, eu só estava feliz por ninguém ter cogitado aceitar o Bakugou, isso sim.

E então teríamos treinamento no campo de desastres. Resgate não era lá o meu forte, mas bom, eu precisava aprender né?

Iriamos pegar um ônibus e eu optei por colocar meu traje, assim como a maioria. Até por que futuramente eu o usaria em todas as ocasiões, seria um bom teste.

Entrei e sentei perto de Todoroki, Kirishima sentou no meu outro lado.

Aproveitei a situação para dar uma olhada nas auras por ali. Com o tempo percebi que a maioria de meus colegas mantinha a mesma cor quase sempre.

Lida era sempre envolto pelo roxo, Midoriya por tons claros de verde, Mina por rosa, Momo por azul, Uraraka por amarelo, Kirishima por branco e Bakugou por vermelho.

Encarei Todoroki e então sorri.

Pela primeira vez uma aura com cor bonita o envolvia.

Era um azul bem claro.

- Aconteceu alguma coisa? – Perguntei com um sorriso.

- Eu que pergunto, você me olhou e sorriu de forma estranha.

- Você está com uma cor bonita hoje. – MAS HEIN?! Um segundo depois percebi que ele não entenderia ao que eu estava me referindo e basicamente eu havia dito que ele estava bonito.

Meu cérebro fritou e a vergonha sentou ao meu lado.

Virei o rosto em direção à janela.

- Psiu... – Todoroki me cutucou para voltar à atenção para si e eu o olhei com o canto do olho, me negando a aceitar que a situação ficaria pior que já estava. – Obrigado por notar.

- Ah! Mas a Katsumi também é incrível. – Me sobressaltei quando Kirishima pegou meu ombro e eu demorei um pouco a perceber que o assunto eram individualidades e eu estava sendo o centro de alguma conversa.

- Que? – Olhei ao redor meio confusa.

- Conta pra gente qual é a das sombras, você pode usar elas para resgates né? Eu vi no teste de admissão. – De imediato olhei para Bakugou que virou a cara.

- Hã... Sim! Eu posso concentra-las e molda-las para as mais diversas situações. Podem servir de escudo ou de lança, depende da minha vontade.

E então o foco passou a ser Midoriya que ficou todo sem graça.

- Não é só isso, né? – Me voltei a Todoroki.

- Como assim? – Ele me olhava enigmático.

- Tem mais coisa além das sombras, algo relacionado a cores? Não é a primeira vez que você comenta sobre algo assim de forma aleatória. – Mordi o lábio inferior.

- Eu te conto outra hora. – Olhei pela janela. – Estamos chegando.

- Psiu... – Me chamou a atenção novamente. – Qual cor você vê em mim? – Sorri.

- Um azul acolhedor.

...

E de uma hora para a outra o que era para ser treinamento de resgate se tornou uma briga feia contra a liga dos vilões.

Acabei dispersa, parando na região da zona de colapso junto a Kirishima e Bakugou.

O carma era uma vadia sem piedade.

- Mas que merda... – Falei levantando e olhando ao redor. Os prédios em ruínas pareciam querer ceder ao menor dos movimentos.

- Quem caralhos são esses caras? – Bakugou também estava levantando.

- Não importa, precisamos voltar para onde o professor Aizawa está. – Kirishima disse analisando o terreno também.

- Droga, ele está encrencado lutando contra todos aqueles caras ao mesmo tempo. – Murmurei lembrando da última coisa que vi do campo central da batalha.

Mesmo que Aizawa estivesse apagando suas individualidades, eles eram muitos.

- Vamos sair daqui logo. – Eu disse tomando a frente, ignorando veementemente qualquer coisa que Bakugou tenha dito em seguida e assim que passei da porta, meus reflexos se ativaram.

Meu corpo ganhou vida e se abaixou, desviando de um golpe certeiro na cabeça. O vilão estava a pouco menos de um metro de distancia.

Ainda abaixada, estendi minha perna e então lhe apliquei uma rasteira. Ele caiu de costas no chão e eu levantei de imediato, caminhando até si e acertando um chute em sua têmpora direita, para ter certeza que ele apagaria mesmo.

- Uau Katsumi, você é muito máscula. – Kirishima comentou já surgindo na porta junto a Bakugou, e então eu os vi.

Dezenas de vilões vindos pelas suas costas.

- Atrás de vocês! – Gritei e os dois viraram de imediato, desviando dos primeiros golpes certeiros.

Eles eram muitos, porém eram absurdamente fracos e nós três levamos apenas alguns minutos para derrubar todos.

Ofegante, encarei os outros dois.

- Acabou?

- Espero que sim, esses caras parecem baratas. – Dessa vez precisava concordar com Bakugou.

- Precisamos voltar e ajudar os outros. – Kirishima disse por fim.

- Tsc.. Vão vocês, eu vou atrás daquele portal. – Oh senhor, me de forças para não mandar esse loiro à merda nesse momento, pois não é hora para isso.

Respirei fundo e cruzei os braços.

- Vem cá, querido, não foi atacando ele que essa merda começou?

- Não vai acontecer de novo, tá? – Ele estava puto. – Sem falar que ele é o meio desses caras entrarem e saírem, por isso vou cortar a rota de fuga.

Falando assim até parece sensato, ele só esquece o fato de que nossos professores não estavam conseguindo bater de frente e nós acabamos sugados para o outro lado do centro de treinamento.

Nesse momento senti uma leve oscilação atrás de mim e então virei, para ver um vilão que estava camuflado na parede saltar a fim de me pegar.

Minha mão fechou e minhas sombras o envolveram, derrubando-o no chão.

Encarei o ser e revirei os olhos.

Aquilo era o melhor que tinham?

- Amadores. – Vociferei semicerrando os olhos enquanto minhas sombras o sufocavam.

No mesmo momento no outro lado do cômodo, outro que estava camuflado saltou na direção de Bakugou, mas ele foi mais infeliz que o meu, ganhando uma explosão diretamente na cara.

- Viram? É sobre isso que estou falando, se eles mandaram esses caras fracos para a gente, vocês acham mesmo que os outros não estarão bem? – De todo coração eu odiava admitir, mas ele estava novamente certo.

- Baku... – Kirishima começou a querer argumentar, mas eu o impedi.

- Bakugou está certo.

- O que? Acho que daqui eu não ouvi direito, parece que você disse que eu estava certo? – Oh senhor, tire a vontade que estou de tirar aquele sorriso convencido de sua cara na base do soco nesse momento pois não é hora para isso.

- Cala a boca e não se acostuma seu imbecil. – Revirei os olhos.

- Minha nossa, eu não podia ter caído com alguém que se odiasse menos? – No meio de tudo isso Kirishima se perguntava.

- Tsc... Só se caísse com ela e aquele mané meio a meio que é o único que a suporta.

- A única pessoa insuportável aqui é você. – E toda a calma já era.

Como Bakugou me irritava tanto? Não era natural.

Ele aflorava tudo de pior que tinha em mim! E considerando que eu não tinha lá muitos lados bons...

- Minha nossa, chega vocês! – Kirishima estava com a voz séria e se colocou no meio de nós dois, olhando para Bakugou em seguida. – Se você a odeia é bom parar de ficar prestando tanta atenção nela e no Todoroki. – E então me encarou. – E se você o odeia é bom parar de se preocupar com ele depois da aula.

Touché de Red Riot.

Eu que não abriria mais a minha boca depois de passar essa vergonha.

E pelo jeito nem Bakugou.

Desviei o olhar para a janela, fitando os prédios.

- Tsc, que seja. – Bakugou resmungou e apenas por curiosidade resolvi dar uma checada em sua aura.

Para minha surpresa, ela estava azul.

...

Conseguimos sair da zona de colapso sem muito esforço, eu não entendi se o objetivo da liga dos vilões era de fato apenas nos atrasar sabendo que seriam derrotados ou se eles imaginavam que éramos tão fracos desse jeito, mas no final acabou sendo um ponto a nosso favor.

E quando nos aproximamos da área central, tudo a que minha mente se prendia era a imagem de All Might sendo preso ao chão por algum negocio extremamente grotesco e grande, enquanto ao mesmo tempo Midoriya corria em sua direção sendo parado pelo cara do portal.

- Katsumi, tire o maldito do Deku do caminho. – Bakugou disse e saltou.

De imediato entendi sua mensagem e minha palma abriu.

Eu precisava ter calma e o timing perfeito. Quando minha palma fechou, foi o exato momento em que minhas sombras correram e se grudaram a Midoriya o trazendo direto para mim. Diferente de como foi com Bakugou, dessa vez eu estava preparada e meus braços abriram segurando o corpo de Midoriya e absorvendo o impacto, nos levando apenas alguns metros para trás antes de pararmos.

Ao mesmo tempo, Bakugou chegou e acertou o cara do portal em cheio o levando ao chão e Todoroki surgiu congelando a parte daquele bicho que ainda estava fora do portal.

Kirishima veio logo em seguida.

- Katsumi, Kacchan... Todos... – Midoriya ainda sendo segurado por mim no chão se emocionou ao ver todos ali, talvez por perceber que não estava sozinho, talvez por frustração de não ter ajudado All Might como gostaria.

Aproveitei o momento para analisar as auras no campo de batalha.

As auras dos vilões mais especificamente.

O cara do portal era neutro e o negocio que prendia All Might até então nem aura tinha. Minha preocupação veio mesmo ao encarar o que eu pensava ser o líder.

Amarela e brilhante, um caro indicativo de que alguma carta na manga ele tinha.

Eu precisava avisa-los, mas já era tarde. O negocio que prendia All Might e estava coberto pelo gelo de Todoroki se soltou e então passou a se regenerar, pulando diretamente para cima de Bakugou em seguida.

Eu ouvi meu próprio grito de desespero e em seguida, tanto eu quanto Midoriya voamos longe com a rajada de vento que seguiu o impacto.

No outro lado do campo, meu coração aliviou por ver Bakugou seguro e junto dos outros, mas voltou a apertar por ver que All Might tinha assumido a potencia do golpe para si.

E assim como os demais ali presentes, eu que sempre admirei All Might, naquele dia pude vê-lo lutando para nos proteger.

Com a vitória de All Might sobre o que chamaram de Nomu e a chegada dos outros heróis graças à velocidade de Lida, os vilões precisaram recuar e eu caí exausta no chão.

- Katsumi! – Todoroki se abaixou ao meu lado. – Está bem?

- Muito uso da individualidade, sabe como é. – Comentei e quando ergui minha cabeça, percebi certos olhos rubis analisando de mim para Todoroki com pressa, desviando em seguida.

Todoroki me estendeu a mão, Kirishima se aproximou para auxilia-lo, pois eu me sentia toda pesada e inútil e juntos caminhamos até a saída.

Midoriya havia extrapolado novamente e teria atendimento médico.

Já no lado de fora, mais recuperada e com a chegada da polícia, tudo parecia finalmente se acalmar.

E essa tranquilidade toda no lado de fora, deixava espaço para os pensamentos se agitarem.

Eu tentava, mas não conseguia parar de pensar na aura azul de Bakugou.

Azul era ligado a um sentimento de alegria, satisfação, felicidade. Será que me ver constrangida era o que o deixava feliz? Que problemático e estranho, credo.

Mas eu não duvidava, afinal era de Bakugou que estávamos falando.

Mina, Uraraka e Momo se aproximaram de mim para ver como eu estava e assim passamos a conversar até sermos liberadas e encaminhadas novamente a sala de aula.

A noticia de que o professor Aizawa havia se machucado muito deixou todos meio abalados, então o caminho de volta a escola foi absurdamente silencioso.

Eu caminhava atrás do grupo, meu cenho franzido denunciando que algo estava errado enquanto voltávamos a sala de aula.

- Está com essa cara de novo. – Quando menos percebi, Todoroki estava ao meu lado.

- Às vezes vejo coisas que não quero. – “Não quero” não é bem a verdade.

Não saber interpretar que é o “x” da questão.

Todoroki parou de andar e segurou meu pulso, me fazendo parar também.

- Você disse que ia me contar. – Sua aura estava oscilando em tons de lilás.

- Está curioso. – Ele assentiu e eu sorri. – Bom, como posso dizer? – Olhei para os lados e não me preocupando em matar algum tempo me aproximei da janela no corredor.

O pôr-do-sol estava chegando.

- Eu consigo ver a cor da aura das pessoas ao meu redor. – Ele parou ao meu lado. – E consigo interpretar suas emoções me baseando nisso.

Um sorriso mínimo abriu no canto de sua boca.

- Você é interessante. – Encarei a janela a minha frente tentando não parecer ridícula ao ficar vermelha com palavras tão simples. – Você não falou isso para mais ninguém, quer que eu guarde segredo, certo?

Concordei em um aceno positivo com a cabeça.

- Essa individualidade não é muito útil em combate, por mais que consiga ver as intenções do inimigo como foi com o líder da liga dos vilões, não consegui reagir rápido o suficiente. – Suspirei. – Fora isso, a maioria dos vilões tem auras neutras, como minha mãe, de quem herdei esse dom sempre diz. – Encarei Todoroki. – E as pessoas sentem sua privacidade invadida quando descobrem, por que elas podem esconder seus sentimentos em baixo de uma máscara, mas sua aura nunca mente. Eu sempre era deixada de lado na minha antiga escola.

Todoroki virou e ficou de frente para mim, colocando uma mexa de meu cabelo atrás da minha orelha.

- Vou guardar seu segredo, eu prometo. – Ele sorriu. – Obrigado por confia-lo a mim.

...

Morta de vergonha.

Era assim que me sentia enquanto ia para casa naquele dia.

- Está tudo bem Katsumi? Está vermelha desde que voltou a sala com Todoroki. – Eu queria pegar a Uraraka pelos cabelos.

- Por que não estaria? Que inferno, tá tudo ótimo. – Apressei o passo indo na frente do grupo.

Eu não sabia explicar o que era aquele desconforto todo que eu sentia, a única sensação nítida que tinha é que queria enfiar a cara em um buraco por parecer tão patética e sem reação.

- Ei, gata, espera ai... – Puta merda, é o Kirishima e o Bakugou.

Minha vida nunca coopera.

Tudo bem, tudo bem... Respirei fundo e parei, esperando que se aproximassem.

- Vamos juntos até a estação. – Kirishima disse todo alegre enquanto tanto eu, quanto Bakugou éramos um posso sem fundo do mais profundo silencio.

Eu estava muito ocupada divagando por coisas estupidas, Bakugou parecia fazer o mesmo.

Kirishima depois de um tempo percebeu e ficou quieto e assim seguimos.

- Bom, é o meu ponto. Até amanhã gente! Não se matem no meio do caminho. – Virei meu rosto apenas para encará-lo deixando meu ódio evidente e Bakugou fez o mesmo.

Ao perceber nossas reações tão semelhantes voltei meu olhar à frente e fechei ainda mais a cara, continuando a andar.

Bakugou também caminhava ao meu lado com o cenho franzido.

Por algum milagre, creio que ambos estávamos sem energia para uma nova discussão, por isso prosseguimos em silêncio.

Eu estava tão distraída que quase perdi meu ponto e parei de súbito na frente de minha estação. Se Bakugou ligou ou não, eu nunca iria saber, por que ele apenas continuou caminhando.

Desviei meu olhar ao chão e mordi o lábio inferior, inquieta, mas não resisti à vontade de subir meu olhar e encarar o loiro que estava alguns metros longe. Quem sabe ele não esperava, mas quando minha cabeça ergueu, peguei seu movimento rápido que desviava o seu olhar do meu.

E pela primeira vez desde que nos conhecemos, a cor de sua aura estava... triste. 

 


Notas Finais


Já temos #teamBakugou ai?
Por enquanto #teamTodoroki vem liderando hein.

Até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...