História Burning Man - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Sasusaku, Two-shot
Visualizações 1.264
Palavras 3.845
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E como eu disse, aqui está o capítulo e último
Espero que gostem
Obrigada Anylee pela betagem (:

Boa Leitura!

Capítulo 2 - Que Seja Ardente e me dê um Final Feliz


Fanfic / Fanfiction Burning Man - Capítulo 2 - Que Seja Ardente e me dê um Final Feliz

Sasuke tinha retirado sua camisa e agora eu passava minhas mãos pelo seu peito musculoso e tatuado.

— Essa tatuagem me excita — Murmuro sem nenhuma vergonha e ele dá um pequeno sorriso. Ele tinha a tatuagem de um falcão bem na costela.

— Que bom que gostou, pois eu tenho mais de onde essa veio.

Mordo os lábios e volto a atacar sua boca em mais um beijo afoito. Uma de suas mãos aperta o meu seio por cima do pijama e toda a minha pele se arrepiou com o contato. Eu estava sem sutiã, o que melhorava o clima.

— Vamos para o meu quarto — Digo, ofegante. Seus lábios estavam um pouco vermelhos pelos meus beijos e isso o deixava ainda mais sexy.

— Me mostre o caminho, Haruno.

Me levanto do sofá e pego sua mão, o levando para o caminho correto do meu quarto. Deixei que ele entrasse e nem me dei conta que um intruso havia entrado junto antes de fechar a porta.

Sasuke voltou a me beijar e me empurrou em direção à cama. Minhas costas bateram no colchão macio e minha blusa é retirada com rapidez. Meus seios ficaram a sua mercê e ele não fez objeção nenhuma. Sua boca tocou o bico intumescido do meu seio e logo sua língua começou a circular ao redor.

Gemo anestesiada pela boca mágica do Uchiha. Ele sabia bem como dar prazer a uma mulher e eu estava recebendo isso muito bem.

De repente, o momento mágico é interrompido e ele se ergue um pouco, deixando os dois braços um de cada lado da minha cabeça. Agora eu tinha a visão do paraíso bem acima de mim.

— Você é tão linda. Não imagina o quanto eu desejei isso — Sua voz era carregada de malícia.

— Então só realize esse desejo, bombeiro.

— Sakura — Sua voz rouca me chamando era como música para os meus ouvidos —, isso não terá mais volta. Mas, quero que saiba que eu também não estou disposto a parar.

— O que quer dizer com isso?

— Digamos que eu tenho um certo interesse na minha vizinha maluca. E não só sexualmente.

Não consigo formular uma frase de imediato tamanha a minha surpresa. Isso significava que ele gostava de mim?

— Então... Você...

— Eu gosto de você, Sakura — Afirmou e sua voz séria deixava claro que ele não estava brincando. — Por isso não quero que pense que será só sexo e...

Ponho um dedo em seus lábios, não deixando ele terminar a frase. Eu estava feliz, porque era a primeira vez que um homem gostava verdadeiramente de mim. Todos os casos que já tive, nenhum deles quis ter algo comigo por me achar esquisita.

Entretanto, Sasuke não tinha problema com isso. E era essa pequena confirmação que me deixava feliz.

— Não diga mais nada — Cicio, descendo meu dedo pelo seu lábio. — Eu também sinto o mesmo. Mas, podemos deixar a parte romântica um pouco de lado? Eu preciso do seu pau duro e forte dentro de mim.

Sasuke sorriu com as minhas palavras e voltou a beijar meus lábios, só que agora de um jeito mais calmo. Diria até que romântico. Ele desceu os beijos para o pescoço e voltou a beijar e chupar os meus seios, alternando entre um e outro.

Percebo seus beijos descendo pela minha barriga e começo a rir, pois ali eu sentia cócegas. Meu short foi retirado e minha respiração fica ainda mais forte; agora estava apenas de calcinha e Sasuke estava prestes a me fazer um maravilhoso oral.

Ainda bem que estou depilada.

Ele acaricia minhas coxas e meus olhos caem nos seus.

— Vou te fazer gozar como nunca, Haruno.

— Apaga todo o meu fogo acumulado, bombeiro.

Com minha confirmação, ele sorriu de lado e retirou lentamente minha calcinha, deixando-me completamente nua. Minha respiração ficou ainda mais forte quando seus lábios beijaram cada um dos meus pés e o Uchiha foi subindo lentamente, me provocando.

Sasuke separou minhas pernas e todo meu corpo tencionou. Gemo baixinho quando ele passa seu dedo na minha intimidade que estava um pouco molhada. Ele passa a língua no dedo e volta a me tocar, agora com mais intensidade.

— Sasuke... — Viro minha cabeça para o lado, respirando mais forte. Sasuke me masturbava usando somente os dedos.

E ainda nem usou a língua, imagine o estrago que ele pode causar.

Sasuke para de me tocar e aproxima o rosto da minha intimidade. Não desvio meu olhar do céu; e quando sua língua toca meu ponto de prazer, volto a deitar minha cabeça no colchão, gemendo.

Os dedos dos meus pés encurvavam a cada sucção de sua língua e minha cabeça remexia na cama e, com todo esse movimento, meus olhos batem em uma figura parada no chão, assistindo como se estivesse de frente com a televisão.

Ali, parado no chão, Lúcifer tinha seu olhar cravado em mim. Volto a gemer mais forte sem tirar minha atenção do gato intruso dentro do quarto e imaginei ele falando e dizendo que eu era suja.

Gato demônio filho da puta!

Lúcifer se quer piscava e aquele olhar era de um perfeito demônio.

— Oh, céus... — Começo a gemer como uma louca, prestes a ter o primeiro orgasmo da noite.

Meu olhar cai em Lúcifer novamente e agora sua cabeça estava virada um pouco para o lado. Fecho os olhos com força, sentindo o clímax vir com grande intensidade.

— LÚCIFER! — Bradei, gozando como nunca antes em minha vida.

Sasuke se ergue molhando os lábios e retira sua calça.

— Agora eu sou um demônio, Haruno? — Provocou, descendo aquela peça e todo o meu corpo vibrou.

Como pode ser tão lindo? Ainda mais usando aquela box, me dando a visão do perfeito volume de Sasuke.

É hoje que vou ser toda arregaçada!

— Um demônio muito gostoso — Me ergo com um olhar malicioso e engatinho para mais perto dele, ficando na altura de seu pau. — Será que sua mangueira é tão grande assim, bombeiro? — Pergunto, passando a mão pelo seu mastro ainda coberto pela cueca.

— Por que você mesma não tira a prova?

Passo a língua pelos meus lábios e retiro aquela peça incomoda. Seu pau pula para fora e todo o meu corpo vibra presenciando aquele órgão sexual bem grosso e com a ponta rosada, onde pequenos fluidos saíam da ponta.

Ele estava tão excitado!

Minha mão segura seu membro e Sasuke tenciona seu corpo quando começo a fazer movimentos de vai e vem, o masturbando. Ergo meu olhar malicioso e aproximo meus lábios da cabeça de seu pau, beijando ao redor e passando a língua por toda a extensão.

— Porra! — Sasuke xinga quando minha boca cobre o seu pau e eu começo a sugar aquele membro como se fosse um picolé.

Sua mão segura meus cabelos com força e seu quadril se move conforme eu o chupava, intercalando entre a boca e mãos, o deixando cada vez mais louco.

— Ah, caralho... — Mais uma vez ele xinga, revirando os olhos de prazer.

Eu estava adorando vê-lo tão entregue.

Mas, antes que ele gozasse, retiro minha boca de seu membro.

— Por que parou, Sakura? — Rosna com raiva, enquanto me afasto apenas um pouco, ficando de quatro.

— Porque eu quero essa mangueira dentro de mim, bombeiro.

Sasuke sorrir e em seguida um estalo na minha bunda, enquanto apertava a outra. Gemo manhosa quando Sasuke coloca apenas a pontinha na minha entrada, pincelando com seu membro totalmente excitado.

— Enfia logo, caralho!

E meu pedido foi prontamente atendido. Sasuke se enterra fundo em mim e nós dois gememos com o contato. Escuto um miado e agora Lúcifer estava em cima da minha cama, vendo o Sasuke me foder de quatro.

Gato safado filho da puta!

Sasuke estocava fundo e eu não conseguia manter controle dos meus gemidos sem desviar o olhar do meu gato que assistia a tudo de camarote e deitado na minha cama. Aperto com força os lençóis de minha cama e o orgasmo vem mais forte do que quando o Uchiha me fez um maravilhoso oral.

— Ah...Sasuke... — Digo gemendo.

— Meu pau é melhor que aquele pênis de borracha, Haruno? — Ele perguntou sem parar os movimentos.

— Com certeza! Aquele pênis de borracha nunca chegará aos seus pés.

De repente, Sasuke para e retira seu pau de dentro de mim. Fico confusa com sua atitude, mas ele me coloca de frente, levantando minha perna, pondo-a em seu ombro direito. Mal pude dizer algo quando ele me invade novamente.

— Que bom que está gostando, pois não pretendo parar tão cedo.

O suor já se fazia presente em nossos corpos e o cheiro inundava o quarto. Aquela, definitivamente, estava sendo o melhor sexo de todos. Quem diria que iria conseguir transar com meu vizinho bombeiro bonitão.

E ainda sendo observada pelo meu gato demônio. Acho que devia agradecer à ele, afinal, foi por causa dele que estava aqui tendo o melhor sexo de minha vida.

— Você é muito bom de cama — Pronuncio após um tempo de silêncio.

Minha cabeça estava recostada em seu peito e Sasuke fazia um carinho em minhas costas suadas. Nem sequer fizemos questão de nos levantar após tudo o que fizemos nesse quarto, tendo como testemunha o Lúcifer que agora descansava em sua pequena caminha.

— Sou melhor que o seu pênis de borracha? — Ele perguntou e eu não consigo evitar uma risada.

— Digo e repito, você é mil vezes melhor. Sem sombra de dúvidas.

Sasuke deixa um beijo na minha cabeça e aprecio o carinho. Eu queria poder dizer mais coisas, contudo, não me sentia preparada, apesar dele já deixar claro que sente algo por mim que vai além do sexo.

— Sasuke?

— Huh?

— O que vai ser de nós dois agora? — Questiono em dúvida. — Sabe... Depois de tudo isso...

Ouço ele respirar fundo sem responder de imediato. Meu coração parecia que ia sair pela boca a qualquer momento.

— O que você acha?

Levanto um pouco minha cabeça para olhá-lo e um sorriso de canto permanecia em seu rosto.

— Do que você está falando?

— Será uma péssima hora em te chamar para sair? — Inquiriu, alargando mais o seu sorriso.

E que sorriso!

Não consigo evitar o sorriso bobo em minha face e em resposta, me aproximo dele e beijo seus lábios delicadamente, sendo correspondida da mesma forma.

— Acho que depois de termos feito tudo isso, me chamar pra sair não é mais uma opção.

E minha resposta foi o bastante para ter seus lábios mais uma vez bem colados aos meus, onde logo mais tivemos mais uma rodada de sexo no meu chuveiro, terminando a noite em minha cama bem enrolados.

 

oOo

 

 

— Pink, como foi seu fim de semana?

Estava sentada na minha cadeira, tinha acabado de chegar na empresa e por sorte ainda não tinha visto a megera Terumi no recinto. Eu me sentia leve, como há muito tempo não me sentia, era como se tivessem tirado um peso das minhas costas.

Meu olhar cai em Sai que tinha acabado de chegar e sua pergunta foi mais que o suficiente para que meu sorriso aumentasse em cem vezes.

— Que sorriso é esse, Pink? — Inquiriu, sorrindo malicioso.

Suspirei encantada, encostando as costas na cadeira, voltando a lembrar da noite mágica que tive com o Sasuke. Quem diria que ele seria tão bom de cama.

E um tremendo de um gostoso!

Depois de todo aquele sexo, Sasuke passou o final de semana inteiro comigo e ainda me levou para jantar no sábado, com direito a um passeio pela cidade e mais tarde estarmos aos beijos em seu quarto. Com toda certeza esse foi o melhor fim de semana de todos.

— Se eu te contar você não vai acreditar.

— Espoca logo esse segredo, Pink!

— Eu transei com o meu vizinho — Sussurrei e Sai arregalou seus olhos, pondo a mão em sua boca.

— Não acredito! — Exclamou e deu a volta na mesa, pegando outra cadeira, ficando próximo de mim. — Você finalmente limpou a teia da sua bacurinha?

— Fiz a limpo completa, meu bem.

Com o Sai eu não conseguia ser santa. Eu contava todos os meus segredos para ele, até dos mais íntimos.

— Me conta tudo, sua vadia!

Mordi os lábios e olhei em volta, certificando se a megera estava por perto. Com tudo conferido, voltei meu olhar para Sai e as cenas da noite em que ele me fez sua vieram como se fosse em um filme.

Eu tinha gravado cada detalhe, cada toque, cada músculo.

Nada ficou para trás.

Já ia começar a contar quando a voz da última pessoa que eu queria ouvir, invade no local.

— Sakura — A megera me chama e Sai se ajeita em sua cadeira. —, conferi seu relatório e devo dizer que nada daquilo me agradou. O público quer noticias boas e não textos românticos como você descreveu.

Aperto o punho na mesa com raiva. Eu demorei quase uma semana inteira para escrever todo aquele texto, pondo palavras a nível profissional e essa megera tem a audácia em dizer que não a agradou?

— Mas era sobre a paz mundial, como a senhora quer que eu escreva algo que não seja cativante aos olhos do público?

Àquela altura uma grande parte dos funcionários escutava atentamente nossa pequena discussão.

— O público quer saber de tragédias, senhorita Haruno — Retruca. — Sabe quantas pessoas vão ler aquele pequeno artigo sobre paz mundial? Ninguém!

— Então eu tenho que escrever sobre mortes?

— Não nesse contexto, queridinha — Sua voz era carregada de sarcasmo. — Apenas trate de escrever sobre assuntos que realmente interessam ao público e sua passagem para ser promovida será adiada — Sorriu sínica e se virou para ir embora.

No entanto, minha cota de megera havia se esgotado. Levantei com fúria, batendo as duas mãos na mesa, atraindo sua atenção.

— Eu já agüentei muito sapo de você, sua megera descarada!

Os funcionários se impressionaram com minhas palavras e Mei arregalou seus olhos.

— Como se atreve a falar assim comigo? Eu sou sua chefa!

— Ex-chefa! — Me exalto. — A partir de hoje eu não trabalho mais para você, sua puta rodada. EU ME DEMITO!

A cena seguinte foram as palmas de todos — muito mais de Sai —, os funcionários da editora. Alguns assobiavam e outros gritavam que eu era maravilhosa e dona da porra toda.

Me senti emocionada.

— Pegue suas coisas e dê o fora, Senhorita Haruno — A megera disse e seu olhar era assassino. Se ela tivesse alguma arma em mãos, não hesitaria em me dar um tiro aqui mesmo.

— Com prazer — Digo e não poderia estar mais feliz.

Saí daquela editora de cabeça erguida, levando comigo a caixa com todos os meus pertences — pertences esses que já fizeram parte da editora. Essa foi a segunda coisa mais feliz que recebi em menos de uma semana e minha demissão foi apenas um bônus.

Ser demitida não foi muito agradável no começo. Por vezes eu chorava sozinha em meu quarto com medo de passar fome e deixar o meu gato também com fome.

Sasuke sempre estava lá para me apoiar e garantia que eu não passaria fome, se eu aceitasse morar junto dele. É claro que a proposta era tentadora, mas eu não queria abusar e preferia me fazer de difícil.

Após quase cinco meses procurando um novo emprego, eis que a oportunidade aparece quando me chamam para participar de uma editora de revista — o Icha-cha. Naquela noite, na casa de Sasuke — já que a minha haviam cortado a luz por conta que eu não tinha pago —, eu pulei de felicidade.

E ainda comemoramos em sua cama em uma rodada bem ardente de sexo.

Sasuke era mais quente do que eu imaginava.

Com meu novo emprego, tudo voltou ao normal, até a minha antiga casa. Meu chefe era um homem muito gentil e também bastante tarado em alguns momentos. Jiraya era o seu nome.

Vez ou outra ele me dava dicas sobre o kama sutra e eu anotava todas as posições possíveis para praticar com meu namorado bombeiro.

Isso mesmo, namorado!

Sasuke me pediu em namoro depois de muito eu me fazer de difícil. Coitado, o bichinho já estava quase rastejando por atenção, mas então decidir lhe dar uma chance e eu não pude ficar mais feliz.

Obviamente ainda tinha meu orgulho e não abria mão de vender minha casa para morar com meu vizinho/namorado. E mesmo sendo orgulhosa, estamos há três anos juntos e nunca brigamos.

Muita mentira!

Houve algumas desavenças, mas nada que nós dois não déssemos um jeito.

— Será que dá pra você parar de se mexer? — Sai reclamava comigo, enquanto tentava retocar minha maquiagem.

Sai também deixou a editora de Mei meses após minha demissão e se apaixonou pela maquiagem, mostrando que tem muito talento. Inclusive, nesse exato momento ele está me maquiando para eu poder me apresentar em um programa de TV.

A editora Icha-Icha foi um sucesso após minha chegada. Minhas palavras sempre cativavam o público feminino, fazendo com que nossa editora subisse ao topo.

— Eu estou tentando falar com meu namorado, mas ele não me responde — Bufo, pondo o celular em cima da mesinha.

Justo hoje que é um dia tão importante. Estava pretendendo fazer uma surpresa com uma novidade que descobri recentemente e agora ele some do mapa.

— Vai ver ele está salvando vidas. Você não deixa esse homem em paz!

— Hoje ele não trabalha. Sasuke me disse isso ontem. Então porque ele não me atende ou responde minhas mensagens?

Um medo se apossou do meu corpo. Será que estou sendo tão irritante como ele diz e agora fugiu com outra mulher?

— Se você não ficar quieta, vai ficar igual uma bruxa em rede nacional. Você quer isso?

— Não — Choramingo, ficando quieta. — Mas eu quero que meu namorado me veja. Hoje é um dia tão importante. Eu pretendo contar...

— O celular dele deve estar descarregado, Pink — Ele fala e o olho pelo espelho. — Com certeza ele já deve estar na platéia apenas para te ver e aí ele vai saber da sua descoberta — Piscou o olho e aquilo me fez ficar mais calma.

— Espero que você esteja certo.

Apesar de imaginar mil e uma coisas, em Sai eu conseguia acreditar.

Com tudo pronto, fui encaminhada ao setor onde aconteciam as filmagens. Procurei o Sasuke na platéia e não consegui identificá-lo devido ao grande número de pessoas presentes.

— Olá, senhorita Haruno, ou devo dizer, Cherry?!

A apresentadora do programa estendeu sua mão e eu a apertei, sorrindo.

— Prefiro só Sakura — Digo, um pouco nervosa.

— Me chamo Ino Yamanaka e devo dizer que adorei seu artigo sobre a beleza da mulher. Foi por causa desse motivo que voltei a comprar revistas — Ela sorriu, ao passo que me sentava na poltrona.

— Puxa, estou sem palavras.

— Não se preocupe, querida. Talvez fique sem palavras daqui a pouco — Ela sorriu e eu franzi a testa não entendendo sua resposta.

Antes que eu dissesse alguma coisa, o diretor disse que iria começar e engoli em seco, tentando não suar diante das câmeras.

— Olá, e bem-vindos a mais um encontro com as estrelas do momento. Meu nome é Ino Yamanaka e nosso programa está começando! — Ela iniciou o programa mostrando aquele belo sorriso colgate para as câmeras. — Hoje temos uma convidada especial, a queridinha das revistas femininas. Quero que vocês conheçam Sakura Haruno, ou como a conhecem, Cherry!

A câmera focou em mim e escutei palmas do público mais atrás. Dei um tchauzinho para a câmera, sorrindo que nem uma idiota. Eu estava tão nervosa que sentia que poderia vomitar a qualquer momento.

Mas não seria uma boa hora para enjôos matinais. Não agora.

— Hoje nosso programa começará de uma forma diferente — A loira pronunciou e parei de sorrir. Isso não estava no roteiro. — Recebemos a ligação de um telespectador muito importante e ele queria mostrar algo de muito valioso para a nossa querida Cherry.

Ino sorriu e eu fiquei parada ali sem ter o que fazer. O que está acontecendo? Ela não ia fazer perguntas sobre meu artigo na revista? Minhas mãos começaram a tremer ao passo que uma música romântica começou a tocar no programa.

— O que está acontecendo? — Sussurrei bem baixinho para a Yamanaka, mas ela fez questão de me ignorar.

Não acredito que vou ser humilhada em rede nacional. Será que dá tempo de correr?

Estava prestes a fazer isso quando, no meio do público, um canhão de luz focou em uma pessoa que descia a pequena escada. Meu corpo inteiro congelou, pois quem descia majestosamente e usando aquele uniforme de bombeiro que sempre me excitava era o próprio Sasuke.

Ele caminhava na minha direção mostrando aquele lindo sorriso de canto. Que audácia, agora todos vão ver a beleza estonteante do meu namorado. Tenho que escondê-lo para as abutres não caírem em cima.

— Sakura — Ele me chamou e meu ventre formigou com aquela voz rouca.

— Sasuke? O que está acontecendo? Por que você não está sentado no seu banco? — Minhas mãos e pés tremiam e eu sentia que poderia vomitar a qualquer momento.

Agora não, enjôos matinais. Pensava.

Sasuke se ajoelha no meio de todos ali e meu coração bateu ainda mais forte. Será que é o que estou pensando?

Do seu bolso, ele retira uma caixinha de veludo e lágrimas se formaram pelas minhas orbes, não conseguindo evitá-las de derramarem e borrarem minha maquiagem.

— Você aceita se casar comigo?

As lágrimas não paravam de cair e o público ao fundo gritava aceita, e é obvio que não iria recusar. Me levantei sorrindo como uma boba e o abracei com força, beijando seus lábios em seguida.

— Claro que aceito, meu bombeiro — Sussurrei apenas para ele que voltou a beijar meus lábios.

Nos separamos ouvindo as palmas e Sasuke põe o anel em meu dedo.

— Surpresa — Murmura.

— Realmente foi uma grande surpresa — Digo e me afasto um pouco. — Porém, você não é o único que gosta de fazer surpresas.

Ponho a mão na minha barriga, mostrando para ele que agora não éramos só nós dois, pois um pedacinho de nós crescia em meu ventre.

— Parabéns, papai! — Pronuncio.

Devo dizer que meu conto de fadas finalmente tinha acabado, no entanto, virei motivo de piada no mundo depois que vomitei no programa ao vivo. Contudo, minha vida não poderia estar melhor depois que passamos a ser uma família.

Eu, Sasuke e nosso filho ou filha.

E claro, com Lúcifer, como nosso demônio de estimação.

 

 

FIM.

Ou quem sabe o começo da minha história.

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


E então?
Final bonitinho, né?
Comentem, se quiserem. Adoro ler as opiniões de vocês *-*
Beijos e obrigada por lerem Burning Man (:


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...