História Busan - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias B.A.P, Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Seventeen
Personagens Baekhyun, BamBam, Bang Yongguk, Chanyeol, Chen, D.O, Daehyun, Himchan, Hong Jisoo "Joshua", Jackson, JB, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jeon Wonwoo, Jinyoung, Jongup, Jung Hoseok (J-Hope), Junghan "Jeonghan", Kai, Kim Mingyu, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lee Chan "Dino", Lee Seokmin "DK", Lu Han, Mark, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Sehun, Suho, Tao, Wen Junhui "JUN", Xiumin, Xu Ming Hao "THE8", Youngjae, Youngjae, Yugyeom, Zelo
Tags 2jae, Chanbaek, Chicagofire, Chicagomed, Chicagopd, Drama, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Markson, Mistério, Namjin, Policial, Romance, Sulay, Taoris, Vhope, Xiuchen
Visualizações 184
Palavras 2.183
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, LGBT, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Depois de WaF, agora essa!

Capítulo 26 - Chapter 24 - My Boyfriend


Depois daquela conversa envolvendo ele e Namjoon sobre o misterioso ‘cidadão’ que os deixou com a pulga atras da orelha, Jaebum saiu do café e deu um passeio pela praia para relaxar. Estava de noite, mas ele estava bem.

Andava nas proximidades para não sair de perto de seu carro, andava calmo e com as mãos nos bolsos, pensando. Ele sabia de uma coisa, que essa ‘pessoa’ que Namjoon lhe falou, era a mesma pessoa que os levou no esconderijo do Stalker.

Como ele sabia? Eles também queriam saber.

Pensar demais nisso dava dor de cabeça.

- Luhan não foi o bastante? – Uma voz fala com ele. Jaebum se vira para encontrar um dos bombeiros do Busan Fire atras dele. – O mesmo pode acontecer com você.

- Eu estou bem, Chanyeol.

O ruivo sorri e chega perto dele. – Ainda me preocupo. Sabe, naquele dia tiveram sorte do Kris ter ido atras de vocês.

- Eu sei. – Disse se virando pra ele. – Mas aqui é uma região bem movimentada durante dia, e por isso é bem monitorada. Ninguém teria coragem de cometer um crime por aqui.

- Parece entender dessas coisas.

- Eu tenho acesso às fichas. – Abre um sorriso. – Mas e você, achei que estivesse com Baekhyun.

- Fiquei com ele no escritório na parte da manhã, eu precisei fazer uma inspeção de segurança em uma casa. Estava fora do regulamento.

- Parece ter uma vida agitada.

- Eu tenho. – Se senta no muro atras dele. – Todo dia eu ouço alguma coisa, ser bombeiro não é apenas apagar o fogo. O Med atende as pessoas, mas quem precisa tirá-las dos lugares, somos nós.

Jaebum se senta no outro muro. – Deve ter visto de tudo.

- Eu vi. Desde pessoas com ferimentos graves até pessoas que não conseguiram sobreviver.

- Deve ser horrível.

- É mais do que imagina. – Chanyeol suspira e olha para o céu estrelado. – Não tens medo de andar sozinho? Têm pessoas atras de você.

- Eu tenho. – Olha para o céu. – Mas eu sei que tem coisa que eu preciso fazer. Eu quero me manter seguro, mas ser cuidadoso não é sinônimo de covardia. Eu tenho medo de andar sozinho, mas, não posso-me esconder.

- E não está sendo descuidado andando sozinho?

- O medo é o que nos mantém seguros. Meu medo é grande por isso ando perto dessas regiões monitoradas, e essa é apenas uma das vezes que eu saio a noite sozinho. – Olha para ele. – Mas e você?

- Gosto de caminhar sozinho. Pelo menos é bom para pensar um pouco.

- E no que tem que pensar?

- Nada demais. – Abre um leve sorriso. – Mas o som do mar me acalma, me ajuda a esquecer o estresse.

Jaebum fica em silêncio um instante, ele tem apreço pelos bombeiros já que foram eles que os tiraram de dentro do carro naquele acidente. Entende como deve ser, viver na adrenalina e ter que tomar decisões rápidas, é a vida de uma pessoa em risco. Não devia ser fácil.

- Você e sua equipe. – Ele começa e olha para o mais alto. – Sempre que nos vemos, vocês estão ou sorrindo ou felizes juntos, por quê?

- E precisa perguntar? – Chanyeol diz e Jaebum olha curioso. – Pode ser um trabalho estressante, saímos feridos e machucados quase sempre, mas nos sentimos bem quando estamos juntos. Pelo menos para pessoas que não têm mais a família por perto.

- Você não tem?

- Não. Meus pais devem estar nos Estados Unidos agora, me apoiaram até os 18 anos e depois decidiram se preocupar mais consigo mesmos. Nem assumido para eles, eu sou.

- E você não mantém contato?

Dá os ombros. – Se eles não me ligam, por quê eu deveria ir atras de quem não vai atras de mim? Mesmo que as vezes eu converse com minha mãe, meu pai é um caso diferente.

Jaebum fica em silêncio agora, não queria lembrar da história dele. Já que, sua relação familiar nunca foi das melhores. Odiava lembrar de seu passado antes de entrar para a academia de polícia com 19-20 anos.

- Tudo bem? – Chanyeol estala os dedos em sua frente.

- Estou sim. – Diz depois de sacudir a cabeça. – Apenas um pouco pensativo. Preciso ir. – Desce do muro.

- Te vejo por ai, quem sabe podemos conversar mais. – Sorri e os dois trocam um bater de mãos.

- Beleza. Até depois.

Chanyeol vai para seu carro e Jaebum para o dele, pegou o caminho mais calmo, eram 21:00 quando chegou em casa, e quando entrou levou uma surpresa, um cheiro delicioso de comida, e junto ao delicioso cheiro, uma melodia suave e cantada por uma voz de anjo.

Quando foi na cozinha, se deparou com uma coisa.

Uma cabeleira castanha clara vestindo um calção suplex que acabava nas coxas e uma camisa que reconheceu ser sua, ficava grande nessa pessoinha. A voz de Youngjae era música para os ouvidos de Jaebum, parecia uma voz de anjo.

Sorriu de lado e tirou a gravata, entrando na cozinha em silêncio e passando os braços na cintura do menor, que pula no susto.

- Hyung não faz isso! – Dá um leve grito e Jaebum dá risada.

- Não sabia que sabia cozinhar. – Ela para as panelas no fogão. – Que cheiro bom.

- Eu moro sozinho então, tenho que saber. – Sorri e vira a cabeça para trás, encontrando os lábios de Jaebum e dando um beijo neles. – Hoje é minha folga, pensei em aparecer por aqui fazer algo para você.

Jaebum se sentiu nas nuvens. Sorriu e enterrou um beijo no pescoço do mais novo, Youngjae riu sentindo cócegas ali. Jaebum sorriu ainda mais e subiu os beijos pelo pescoço dele até chegar em seu rosto. Deixando beijinhos nas bochechas, no nariz, no queixo, em todo o rosto dele.

- Hyung faz cócegas. – Sorri e fica na ponta dos pés para beija-lo de novo. Jaebum não perde tempo e abraça as costas do mais novo, trazendo-o para mais perto de si, o beijo dos dois ficava cada vez mais quente, mas tiveram que se parar quando Youngjae disse ter que terminar o jantar.

Jaebum sorri e arruma a mesa, pegando dois pratos enquanto Youngjae colocava as porções na mesa.

Im se sentiu no céu, a comida estava ótima. Não resistiu em pegar outro prato, e depois mais um. Até se sentir de estômago cheio.

- Não sabia que comia tanto. – Choi dá uma risada como levava os pratos á pia.

- Normalmente não, mas eu precisei. Estava muito bom!

Sentindo-se orgulhoso do próprio trabalho, Youngjae leva todas as coisas na mesa à pia e começa a lavar a louça.

- Não quer que eu lave? – Jaebum vem atras dele.

- Não, deixa que eu faço. – Sorri para seu hyung. – Você deve estar cansado, vá tomar um banho e me espere lá em cima.

Um sorriso brotou nos lábios dele. – Oh? E o que vamos fazer?

O sorriso que ele deu foi o mesmo que surgiu no rosto do mais novo, que pega seu colarinho e puxa ele para mais um selar rápido. – Sabe do que eu falo. Vá e me espere, okay?

Por quê reclamar? Jaebum não viu motivo nisso.

Subiu para seu quarto e se enfiou debaixo do chuveiro, sentindo a água quente e o vapor da água entrar em suas narinas, deixou a água cair sobre alguns pequenos cortes em seus ombros, consequência de uma sessão de interrogatório que o seu suspeito resolveu reagir.

Mas ele não durou muito.

Olhava para seus dedos, as dobras estavam vermelhas e um pouco cortadas, droga... Ele precisava dar um tempo. Quanto mais ele se entregava para isso, mais machucado ele ficava. Estava acabando com ele.

Saiu do banho com apenas uma toalha na cintura e uma nos ombros para secar seus cabelos. Soltando um suspiro cansado ele entra no quarto e percebe a luz acesa. Sua curiosidade falou alto e ele entrou no cômodo.

Seu rosto ficou vermelho como nunca tinha ficado quando colocou os olhos na imagem á sai frente. Uma figura apenas de cueca box e uma camisa de seda 3 números maior. Cabelos bagunçados e lábios brilhando como o leve lipstick que havia passado.

Choi se vira para ele e tem a mesma reação, seu rosto e fica extremamente vermelho, as pontas das orelhas também, mas não conseguia tirar os olhos do corpo de Jaebum.

Magro e com leves músculos no abdômen, braços fortes e ombros mais largos, seu cabelo estava para tras e isso o deixava ainda mais ‘irresistível de olhar’, ainda mais por estar apenas de toalha.

O jeito fofo de Youngjae fez Jaebum sorrir. – Que fofo. – Se aproxima. – Parece que gosta do que vê.

- Você também. – Sorri e apoia o queixo no peito do mais velho, sorrindo os dois se beijam novamente. Era a primeira vez que ambos se viam dessa forma, e isso os levou a saber mais sobre um ao outro.

Quando Youngjae passa os braços por trás de Jaebum, ele sentiu algo. – Hyung? O que é isso? – Se afastam, e Youngjae arregala os olhos para o que tinha ali. Algo que ele não tinha visto ou prestado atenção quando o viu sem camisa pela primeira vez.

As cicatrizes dele.

- Amor, isso... Bem... – Jaebum não sabia por onde começar a explicar, já Choi estava em choque.

Como ele não tinha visto antes? Uma grande cicatriz meio branca na lateral do tronco de Jaebum, começava no quadril e subia até a lateral da costela, fora os vários cortes ainda cicatrizados que tinham em suas costas.

- Por quê não me disse isso antes? – Youngjae dizia com preocupação em sua voz. A marca em sai pele feita pelo queimado naquele dia no incêndio não estava mais em sua pele, mas Choi não sabia sobre aquela gigante em sua lateral.

Soltando um suspiro, ele faz o mais velho sentar na cama. – A onde vai?

- Pegar uma coisa. – Vai até sua bolsa (na verdade grande o bastante como uma mala) e tira dois cremes, um branco e outro verde. – Fique de bruços na cama, vou passar isso nas suas costas.

Jaebum obedeceu e deixou de barriga pra baixo, enquanto Youngjae senta em cima da sua bunda. Aquela posição era um tanto ‘erótica’, ainda mais pelos dois estarem semi nus, mas não era hora pra isso.

Choi pega o creme azul e passa nos cortes nas costas de Jaebum, que geme o sentir o creme gelado contra sua pele, Youngjae faz movimentos circulares para espalhar melhor e ser absorvido pela pele, ele não sabia que Jaebum era tão machucado assim...

Aquilo o magoou. Por ele não ter percebido antes.

- Agora fique de lado. – Diz se levantando dali, e agora pega o verde e passa na cicatriz na lateral de seu tronco.

Após terminarem, Jae entrega-lhe uma pomada para passar em seus dedos. Agora, Choi se senta na beirada da cama ao lado de Im, e deita a cabeça em seu ombro.

Jaebum sorri e pega a mão do mais novo, beijando a mesma. – Hey, calma. Eu estou bem.

- Não é só isso, Bummie. – Ele afasta a cabeça de seu ombro e se inclina para selar seus lábios novamente. – É só que... Eu sei que você é policial, que está sempre encarando esse tipo de problema mas, eu só quero se cuide mais, que descanse. Não quero te ver indo pro hospital.

Jaebum abaixa a cabeça, era exatamente isso que ele estava conversando com Joshua no dia que prenderam o Stalker.

O Min lhe disse para se cuidar mais, que era novo demais para ir todo os dias pra casa com algum machucado. Não precisava de marcas demais na pele. O mais velho lhe disse que já teve que lidar com isso com Yoongi, e que afasta-lo por um tempo do perigo fora a melhor coisa que já fez.

Pensando nisso, ele abraça Youngjae e o puxa para deitar consigo.

- Hyung? – Jae passa a mão pelo rosto dele. – Está bem?

- Estou, estou melhor agora. – Sorri doce como passava os dedos pelo rosto do pequeno. – Tens razão, Jae. Eu preciso descansar um pouco. Não posso continuar assim.

- Agora quem se sente melhor sou eu. – Sorri fofo. – Não gosto de ver as pessoas que amo machucadas, ainda mais você hyung.

- Você é muito fofo. – Sorri e se levanta para apagar as luzes do quarto, voltando a se deitar com Choi ao seu lado.

Jae sorri e abraça o mais velho, deitando a cabeça em seu peito. – Eu te amo, Bummie. – Disse como um suspiro, até que sente algo gelado em seu anelar direito. Abriu os olhos e viu um anel dourado em seu dedo.

- Também te amo, Jae. – Sorriu e puxou o menos para mais perto de si. – Por isso eu quero te manter comigo, assim todos podem saber que pertencemos um ao outro. – Disse e termina com um beijo na testa do garoto. – Quer namorar comigo?

- Quero sim. – Disse com um enorme sorriso em seus lábios, subindo em cima de Jaebum para beija-lo novamente.

- Te amo pequeno, durma bem.

- Também te amo, hyung.

 


Notas Finais


**Vamos lembrar que o Jae também tem uma cicatriz no braço esquerdo.***

Seguinte meu povo, nos dias que eu postar Busan, NÃO TEM WE ARE FURIOUS. PORQUE SENÃO O PSICOLÓGICO DE VOCÊS NÃO AGUENTA. LÁ ELES ESTÃO TRISTES E TRETADOS E AQUI TÃO DE BOA KSKSKSKKS

E dá menos trabalho. Bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...