História Busca pelo poder - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Elsword
Personagens Aisha, Elsword
Tags Aishaxelsword, Drama, Elsword, Magia
Visualizações 27
Palavras 2.154
Terminada Sim
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Busca pelo poder - Capítulo 1 - Capítulo Único

Em nenhum momento achei que seria assim, sempre pensei que recuperaria meus antigos poderes que tanto me orgulhava, mas pelo visto vejo que não será possível. Não posso simplesmente correr atrás de um objetivo que não conseguirei cumprir, enquanto todos já conseguiram seus poderes, todos já estão com suas específicas classes, eu ainda não sou nada. Estou apenas aqui sendo carregada por eles, não posso permitir isso. Sou a única que ainda não conseguiu a primeira classe, sou a mais fraca. Elswordas vezes me provoca por esse motivo, dizendo que eu continuei sendo a garota irritante de sempre e que nunca iria ficar mais forte, Rena sempre reclama quando ele diz isso, mas ele está certo.

- Aisha, você não vem treinar com a gente? – Falou Elsword virando-se para mim. Elsword estava próximo de virar um grande espadachim e honrar sua família, ele estava conseguindo cumprir seus sonhos.

- Não vou hoje, bem .. não estou me sentindo muito bem. Quem sabe na próxima. – Falei forçando um sorriso, mas acho que eles não acreditaram muito. Todos saíram e agora eu estava sozinha, respirei fundo, é o melhor momento.

Após alguns minutos caminhei em direção a biblioteca central para procurar livros sobre magia, quem sabe acho algo interessante que possa ser o meu novo poder? Li e reli diversos livros a procura de algo interessante, mas não achei nada do qual eu não sabia. Apoiei a cabeça na mesa da biblioteca pensando um pouco em meus amigos, eu estou com eles já faz bastante tempo, e não posso negar que meus sentimentos mudaram bastante por cada um de deles. Levantei-me indo devolver alguns livros a suas estantes quando tropecei em algo.

- A-Ai! Mas o que? – Levantei-me rapidamente, sorte que não havia ninguém lá.

Olhei para o chão procurando onde havia tropeçado e percebi um tipo de caveira no chão. Observei-a tentando descobrir informações, quando toquei na caveira ela girou um pouco e fez um barulho, alcançando meia volta, girei a caveira para que completasse uma volta completa e assim um alçapão apareceu à frente da caveira, assustei-me de inicio.

- Talvez eu devesse dar uma olhada. – Estava curiosa e queria saber o que havia ali.

Desci as escadas e quando cheguei ao final delas avistei várias estantes, com muitos livros. Outra biblioteca? Aproximei-me dos livros, e retirei um de seu lugar começando a folhear. Magia negra. Ouvi diversos alertas para nunca me envolver com magia negra, diziam que magos poderiam ser corrompidos pelas trevas. Todos aqueles livros falam sobre essa misteriosa magia, claro que eu estava curiosa para saber a respeito de como ela é, então por que não ler um pouco? Peguei diversos livros e sentei-me no chão para ler, essa magia é realmente incrível. Olhei de relance para um livro que se destacava dos outros e a curiosidade me dominou. Peguei o livro e olhar algumas páginas, porém não conseguir passar de uma página, algo me impedia e eu não sabia o que. Olhei para a página que tinha a foto de um morcego de pelúcia. Era bem fofo. Abaixo tinha um tipo de nome, que era em outra língua escrita em tipos de desenhos.

- Acho que eu consigo decifrar ... – Falei pensativa concentrando-me nos desenhos. – Ang... Kor? Angkor. – Falei.

Uma energia incrível começou a sair do livro, uma luz rosa iluminou o local totalmente e o desenho que antes estava no livro invocou-se e agora estava em minha frente.

- Obrigada por me despertar. Acho que fazia 300 anos que estava dormindo. – Falou a criaturinha.

- Q-Quem é você? – Falei assustada.

- Sou o lorde das trevas, Angkor. – Falou ele de uma maneira convencida e com orgulho. Fiquei encarando-o com um olhar um pouco tedioso. – O que foi?

- Você não parece nenhum pouco com um lorde das trevas. – Falei, uma nuvem negra surgiu ao redor dele como se tivesse ficado desapontado.

- A minha forma verdadeira é bem mais incrível. – Falou ele, tentando passar um pouco de ânimo.

- Certo, certo. – Falei sem nenhum tipo de interesse.

- Então ...você precisa da minha ajuda, não é mesmo? Precisa de poder. – Falou ele. Ao ouvir aquilo minha concentração voltou a ele rapidamente.

- Como você ... – Parei imediatamente, realmente precisava de poder, precisava de força. -Sim.

- Você pode seguir o caminho da magia negra. Faremos um pacto e seremos aliados, talvez amigos em breve, te darei todo poder, ensinamentos sobre a magia e você poderá se tornar uma realeza das trevas, em troca você terá que cumprir alguns deveres.

Eu não tinha muita escolha no momento, claro que os conselhos para nunca se misturar com as trevas ainda estavam em minha mente, sabia que não era o caminho certo. Mas não tinha escolha, eu tinha que aceitar essa oportunidade, uma chance não aparece de uma hora pra outra.

- Que tipo de deveres? – Falei interessada.

- Primeiro, terá que carregar a minha imagem materializada. Segundo, usar as roupas que eu fizer para suas classes. É até bem simples. – Eu realmente não achei nada complicado de se fazer.

- Bom, eu aceito.

Uma grande energia de cor rosa começou a me rodear, fechei os olhos e quando os abri vi que estava diferente, meu cabelo agora estava solto, batia até meus ombros praticamente. Minhas roupas estavam praticamente normais, com cor roxa e também tinha uma certa caveira. Eu até tinha gostado do novo estilo.

- Pacto concluído! Será bom trabalhar com você, Aisha.

Após aquilo tudo mudou, me senti mais forte, e realmente estava mais forte. O poder das trevas é incrível, eu não peso mais meu time. Sinto me digna de permanecer no Grupo de busca de El. Mas claro, muitas coisas mudaram, notei muita diferença em minha personalidade, acho que estou mais convencida e um pouco brincalhona, mas não tem problema desde que eu seja forte, apenas preciso de força. Batalhas e mais batalhas agora haviam virado tédio para mim, já que não precisava me esforçar muito. Mas claro... Houve uma batalha diferente. Eu já havia percebido algumas vezes em que meu poder não estava forte suficiente para continuar com a primeira classe, não foi só eu que percebi isso, todos estão com seus poderes mais fracos. É complicado lidar com inimigos desse nível, mesmo assim fomos a uma batalha, que parecia ser apenas mais uma diante de todas, mas vejo que estava enganada. Nossas forças não foi capaz de derrotar os nossos inimigos, os demônios. Todos estavam esgotados, sem nenhuma energia se quer, Elsword havia acabado de cair, eu estava cansada, mas conseguia me manter em pé. Quando vi uma lâmina prestes a atacar Elsword, meu coração parou por um momento. Não posso negar que recentemente, ou não tão recentemente, eu comecei a nutrir sentimentos por ele, sentimentos além da amizade.

- Não! – Gritei, mesmo sabendo que não adiantaria em nada.

Ouvi Angkor falar dentro de minha mente, e imediatamente me desliguei desse mundo para conversar com ele.

- Aisha, seu poder atual não é suficiente para protegê-los. – Falou Angkor, percebi que ele estava com medo de eu fazer algo sem pensar.

- Eu sei, Angkor... Por isso preciso de mais poder. – Falei para ele, com um tom de ordem.

- Aisha, você sabe que alcançamos o limite de poder da primeira classe. – Falou, um pouco desapontado com ele mesmo.

- Tem alguma maneira de eu conseguir mais poder? Tem que ter. A segunda classe! – Falei, ele pareceu surpreso.

- Você tem certeza que quer a segunda classe?

- Eu vim até aqui pra isso. Não posso desistir agora. –Falei.

- Aisha ... Eu não te contei uma coisa. Quando um mago evolui sua magia para a segunda classe, mas uma condição é feita. Você não vai poder amar.

Meu corpo gelou.

- C-Como assim? Vou perder minhas memórias? – Falei

- Não, continuará com seus mesmos sentimentos, continuará com as mesmas lembranças. Porém, não poderá expressa-los. Caso o contrário, você irá sofrer. – Falou ele, tristemente.

- De qualquer maneira irei sofrer não é? – Falei, ele entendeu o que quis dizer.

- Esse é o lado ruim de ser um aprendiz de magia negra, o sofrimento e a dor. Nem todos aguentam. – Falou.

Por um momento me arrependi de ter aceitado a magia negra, mas isso saiu da minha mente facilmente. Não podia fraquejar, já tinha chegado aqui, se vou continuar sofrendo não importa.  Eu tenho que conseguir poder para salva-los, isso é o que importa.

- Eu aceito a segunda classe. Não importa a força dessa dor e quanto eu irei sofrer. – Falei.

Despertei na realidade enquanto uma aura rosa me rodeava brilhantemente, quando a transformação acabou usava um top rosa e uma saia roxa, meu cabelo dividido em duas partes em um penteado.

- Aisha. Eu te nomeio agora como, a Princesa das trevas. – Falou Angkor.

Fiquei a frente de Elsword bloqueando o demônio que estava com a lâmina, jogando a lágrima do abismo no mesmo, após o demônio virar cinzas concentrei-me nos outros, e logo então todos desapareceram.

- Vai ficar ai deitado até quando? Você realmente precisa de proteção, não é mesmo, bebê? – Falei a Elsword com um tom provocativo, força da magia negra. Teria que agir assim a partir de hoje? Bom, que seja.

- Aisha? – Falou Elsword surpreso.

- Não, bobinho, a sua vó. Levante logo. – Falei rindo, mas com o mesmo tom provocativo, ajudei-o a levantar.

Após a batalha, todos conseguiram suas segundas classes, já fazia um mês que após aquilo. Sempre estava um pouco mais distante deles, acho que é para não fazê-los sofrer. Fui ao meu local de costume, na floresta, perto ao rio. Todas as noites eu ia ali silenciosamente, pensava um pouco e tentava-me tranquilizar, também aproveitava para conversar melhor com o Angkor.

- Então é aqui que você vem toda noite? – Falou uma voz conhecida. Elsword.

- Ah, sim. – Falei um pouco nervosa. Havia me acostumado com a solidão do local, por isso fiquei um pouco surpresa.

- Você está bem? – Falou Elsword preocupado. – Você sempre fica tão sozinha.

- Claro que estou bem. – Falei um pouco grossa, acho que ele acabou se magoando com isso, abaixei a cabeça discretamente. – Desculpa.

Ele me olhou surpreso e sorriu. Continuei olhando para o chão, me sentia mal por aquilo. Tentei ao máximo desviar o olhar, porém, Elsword levantou meu queixo para que eu olhasse em seus olhos. Corei imediatamente.

- O-O que você está fazendo? – Falei envergonhada, tentei manter minha voz firme, mas, não consegui. Ele riu da minha tentativa falha. Fiquei irritada com esse ato.

- Eu tenho uma coisa para te dizer. – Ele falou, enquanto olhava nos meus olhos.

- Certo, fale rapidamente. Estou ocupada. – Olhei para o horizonte.

- É um pouco complicado de falar sobre esse assunto, mas tentarei ser o mais breve possível. – Falou enquanto olhava para o chão. Meu coração estava acelerado. – Eu gosto de você, Aisha.

Aquela frase girava na minha cabeça. Eu gosto de você. Meu coração acelerou e minha respiração descontrolou-se. Uma mistura de sentimentos rodeavam dentro de mim. Sempre esperei o dia que eu ouviria aquilo. Aguardei ansiosamente e ensaiei a resposta diversas vezes: Eu também te amo. Mas eu sabia que aquela resposta jamais poderia ser dita. Caso eu pronuncie essas quatro palavras, tanto eu quanto Elsword iremos sofrer. Não posso permitir isso. Logo toda aquela emoção e alegria dentro de mim sumiu, restando apenas o vazio. 

- Gostar de mim? Você tá brincando, né? Eu não sinto nada por você, Elsword. Apenas somos conhecidos. - Falei de maneira rude enquanto olhava para o chão. Cada palavra era como uma facada, doía tanto. - Nós nunca poderíamos ficar juntos. 

Ouvi um múrmuro, uma tentativa de falar qualquer coisa. Silêncio. O meu coração havia se quebrado, eu tentava engolir as lágrimas. Aquelas palavras foram duras de serem faladas, e eu tinha completa compreensão de que foram difíceis de serem ouvidas. Olhei brevemente para Elsword, sua expressão demonstrava incredulidade. Senti o frio e a vontade de chorar tornando-se mais forte. 

- Eu já imaginava isso, mas não precisava falar daquele jeito. Por que você sempre tem que agir assim, tratando as pessoas como se fossem nada? - Ele falava enquanto as lágrimas caíam. - Agora eu que não quero nada com você. Estou indo. 

Quando percebi que ele estava longe, comecei a chorar. Lágrimas silenciosas, mas machucavam horrivelmente. Sofrer desse jeito foi escolha minha, não é? Eu já sabia que isso aconteceria, por que estou tão mal assim? Perguntava enquanto olhava para as estrelas, mas não havia resposta. Angkor apareceu do meu lado, ele sabia o que eu estava passando, consequentemente permaneceu em silêncio. 

- Não era algo que eu poderia evitar, certo? - Falei, enquanto olhava as estrelas. - Mas mesmo assim, não importa o tamanho da dor que terei que aguentar, continuarei amando-o. 

As lágrimas caíam no meu rosto. Um sorriso apareceu surpreendendo-me. Um vento leve passada por ali, enquanto meus pensamentos estavam perdidos em dores futuras. 


Notas Finais


Ficou um pouco triste...
~desculpinha por isso
Espero que tenham gostado! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...