1. Spirit Fanfics >
  2. Busy >
  3. One step at a time.

História Busy - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


E a sumida voltou ;)

Boa leitura.

Capítulo 18 - One step at a time.


_Autora_

Assim que a tela do notebook tornou-se preta e a mensagem de que a ligação havia se encerrado apareceu, Jaemin respirou fundo e tirou o aparelho de seu colo, colocando-o do outro lado da cama e o mantendo afastado de si. Olhar para aquela chamada encerrada, partia o coração do Na de uma maneira que ele não sabia explicar, a chamada encerrada fazia a ficha cair de que havia acabado de encerrar uma das melhores coisas que já haviam acontecido em sua vida, havia encerrado um relacionamento de meses que tinha ali mais amor do que muitos relacionamentos de anos.

Os olhos de Jaemin encheram-se de lagrimas e um soluço escapou de sua boca assim que as gotas salgadas começaram a rolar novamente por suas bochechas. Foi inevitável não se encolher na cama e abraçar seu próprio corpo ao que chorava e sentia seu peito doer. Não estava arrependido do que havia feito, porém isso não significava que deixava de doer, céus amava Jeno e Renjun como nunca havia amado outro alguém e ter que deixa-los foi a coisa mais difícil que já fez na vida. Doía, doía como o inferno, mas sabia que havia feito o certo, não tinha como manter um relacionamento que era baseado em mentiras e coisas escondidas, mesmo que os amasse, isso não bastava para curar seu coração quebrado.

A vida era assim, havia coisas que nem o amor podia curar e superar. Dizem que quem ama de verdade, consegue perdoar tudo e deixar o amor falar mais alto, mas aquilo não era o que Jaemin acreditava. Para o Na, o amor não devia ser usado para equiparar a besteira dos outros, de tanto usar o amor para perdoar as babaquices alheia, vai chegar uma hora em que não vai restar mais amor nenhum, nem para perdoar e nem para te manter ao lado do outro. O amor devia ser guardado e protegido para que não chegasse ao ponto de ele acabar, Jaemin queria proteger o que sentia pelos ex namorados e não deixar que aquilo morresse, até por que acima de tudo era muito grato por tudo o que Jeno e Renjun o proporcionaram. Podia sim os perdoar e tentar fazer que o namoro desse certo quando eles voltassem da viagem, entretanto nunca conseguiria esquecer o que aconteceu.

Quando tomou a decisão de terminar o namoro com Renjun e Jeno, o Na não pensou que fosse sofrer tanto, imaginou que doeria menos por ser ele próprio a terminar tudo, mas se enganou, pois parecia que doía ainda mais, doía saber que havia colocado um ponto final em uma parte essencial de sua vida. Nesse ponto de tudo, Jaemin se questionou  se não iria se arrepender do que havia feito e a resposta era clara, não iria se arrepender, ou melhor, não podia. Havia colocado um ponto em sua história com Renjun e Jeno e já não podia mudar isto, nem se quisesse, por mais que fosse dolorido, sabia que tinha feito a coisa certa para os três. 

Eventualmente, Jaemin sabia que aquele término aconteceria uma hora ou outra, no fundo sempre tinha tido a sensação de que aquela relação não duraria tanto. Se julgava por ter se deixado levar pelos sentimentos que tinha pelos mais velhos na época em que aceitou namorar os mesmos, talvez se tivesse sido um pouco mais maduro, nada do que ocorreu teria acontecido, hoje não estaria sofrendo e não teria magoado as duas pessoas que mais ama. Mas mesmo com tudo, o Na se orgulhava por não ter prolongado mais as coisas e ter acabado com tudo antes que alguém saísse realmente machucado.

Jaemin estava tão perdido em pensamentos que nem ao menos percebeu quando a porta de seu quarto foi aberta e alguém entrou de forma silenciosa no cômodo. A outra presença apenas foi notada quando o Na ouviu o barulho de algo caindo no chão e logo em seguida um gemido de dor.

- Donghyuck? - Olhou confuso para o amigo, vendo o caído de cara no chão. Não entendia o que o Lee fazia ali, não se lembrava de ter marcado algo com o mesmo. - O que faz aqui? - Levantou-se da cama e ajudou o amigo a se erguer do chão. 

- Nem eu sei bem por que estou aqui. - Coçou a nuca. - Não sei explicar, apenas senti que você precisava de mim, então eu vim pra cá. - Sorriu docemente, vendo o Na fungar e algumas lágrimas ainda escorrerem por suas bochechas. - Acho que eu estava certo, né?

O Na apenas assentiu e se apressou em ir até o amigo e se enfiar no meio dos braços do mesmo, recebendo um abraço apertado e quentinho de Donghyuck. Com a cabeça apoiada no ombro do melhor amigo, Jaemin se permitiu chorar e receber um cafuné em seus cabelos enquanto ouvia o Lee sussurrar repetidas vezes em seu ouvido que estava tudo bem e que estava ali com ele. Jaemin não podia negar que se sentia estupidamente bem nos braços do mais velho, não conseguia entender como um simples abraço ou até mesmo simples palavras dele o deixavam mais calmo e melhor, se sentia incrivelmente seguro estando com Donghyuck, talvez fosse os tantos anos de amizade que tinham e o grande carinho que tinha por ele.

- Não sei o que houve, mas estou aqui com você. - O Lee murmurou baixinho enquanto passava uma de suas mãos pelos cabelos loiros do mais novo. - Lembra do que eu prometi? - Perguntou baixinho rente ao ouvido do outro, vendo-o balançar a cabeça devagar em concordância. - "Vou estar sempre aqui quando você precisar, até mesmo quando precisar de ajuda para enfrentar os monstros dos seus sonhos."

O Na soltou um riso baixinho e ergueu o rosto para deixar um beijinho na bochecha de Donghyuck e o encarar.

- Obrigada. - Fungou e viu o amigo sorrir ao que levava as mãos até suas bochechas para secar as lágrimas que ainda restavam ali.

- Bem melhor assim. - Donghyuck comentou após ter o rosto de Jaemin sem nenhum resquício de lágrima. - Agora, quer me contar o que aconteceu para você estar assim? 

Com um suspiro audível, Jaemin pegou na mão do Lee e o puxou para se sentar consigo na cama e assim conseguirem conversar direito. Jaemin abria a boca diversas vezes, mas não conseguia falar que tinha terminado com Renjun e Jeno, a frase estava entalada em sua garganta e tinha medo de falar em voz alta e então a ficha cair de que havia feito de fato aquilo. Talvez não estivesse pronto para enfrentar aquilo de cara, entretanto ao se lembrar que tinha Donghyuck ali consigo, acabava sentindo-se mais seguro para lidar com a situação. O Lee o passava uma paz e uma segurança que jamais havia sentido com ninguém, chegava a julgar que o melhor amigo era seu porto seguro, agora talvez o único.

- E-eu...- Murmurou enquanto ainda segurava a mão do melhor amigo e brincava com os dedinhos do mesmo. Respirando fundo e mantendo a calma, Jaemin olhou para o amigo e falou. - Eu terminei com o Jeno e o Renjun.

- Você fez o que? - Donghyuck gritou e Jaemin pulou em cima do amigo para tampar a boca do mesmo, seus pais estavam em casa e não queria que eles ficassem sabendo do término ainda.

- Fala baixo. - Susurrou ao que implorava pelo olhar para que o amigo falasse mais baixo. - Meus pais não sabem ainda. - Destampou a boca do outro, vendo que ele lhe encarava surpreso.

- Jaemin, você... - O garoto franziu o cenho e logo arregalou os olhos. - Meu deus, você terminou com os estrupícios. 

- Ei. - Reprendeu o amigo pelo "apelido". - Não fale assim deles.

- É a força do hábito. - Se justificou e logo uma carranca adornou seu rosto. - Mas não é como se eu estivesse mentindo, eles só pisaram na bola com você e eu tô no meu direito de melhor amigo para xingar eles.

- Eu sei, só não acho que seja hora de xingar alguém. - Suspirou.

- Tá bom. - Donghyuck se deu por vencido e relaxou a expressão ao olhar para o Na e sorrir fraco. - Você está bem? Digo, com o término, sabe?

- Eu não sei. - Respondeu sincero ao que sentia algumas lágrimas teimosas ainda escorrerem por sua bochecha. - Eu sei que fiz a coisa certa, mas ainda dói. 

- Você os ama, é normal se sentir mal. Eles fizeram parte de momentos importantes da sua vida, muita das coisas eram eles que estavam do seu lado. Digamos que eles foram bem essenciais na sua vida. - Fez aspas com os dedos. - Talvez demore um pouco, ainda é bem recente, mas você vai aprender a lidar com isso. 

- Acho que as coisas não vão ser iguais a antes. - Jaemin comentou. - Tô com uma sensação de que tudo vai mudar. Não quero que voltemos a ser estranhos igual quando não nos falávamos.

- Nana, é quase impossível que as coisas não mudem, vocês terminaram um namoro de quase um ano, claramente as coisas iram mudar. - O Lee falou sério e logo sorriu brincalhão para o amigo. - Mas pensa, quem precisa de Lee Jeno e Huang Renjun quando se tem Lee Donghyuck consigo? - Jaemin riu e deu um tapa no amigo. - É sério, você tem a mim, sempre vou estar aqui.

- Obrigada, Hyuck. - Sorriu e se jogou novamente em cima do amigo, dessa vez para o abraçar.

O Lee apenas deu risada da atitude do amigo e retribuiu o abraço, apertando o mesmo contra si. Se tinha algo na qual o mais velho nunca abriria mão, essa coisa era abraçar Jaemin, amava a forma como o amigo escondia o rosto em seu pescoço e passava os braços por seu ombro, o apertando bem forte e calorosamente, tal feito fazia com que o Lee se sentisse extremamente bem e era como se algo dentro de si se completasse. Uma coisa era inegável, Jaemin e Donghyuck se amavam e a amizade de ambos era colada acima de qualquer coisa, sempre.

- Agora eu não quero mais te ver chorando, eu sei que você está triste, mas enquanto eu estiver aqui, não quero ver uma lágrima sequer em teu rosto. - Donghyuck falou no ouvido do melhor amigo e afastou o corpo do outro do seu para conseguir olhar nos olhos nos olhos do mesmo. - Um garoto lindo desses chorando por dois babacas, que desperdício. - Brincou e passou as mãos pelas bochechas úmidas do garoto a sua frente, tirando todos e quaisquer resquícios de choro dali. - Vamos levantar dessa cama e fazer alguma coisa, sei que tá tarde mas aposto que o Jisung e o Chenle não vão se importar de virem até aqui e seus pais também não vão brigar se a gente dormir aqui, certo?

- Meus pais tem coisas mais importantes para se importarem do que os amigos do filho deles. - Jaemin falou com pesar. 

- Ei, nada de se entristecer, tô aqui contigo. - Deu um fraco soco no braço do Na, vendo-o sorrir pequeno. - Vá lavar o rosto, eu vou ligar para os meninos.

Jaemin apenas concordou com o Lee e se levantou da cama enquanto o amigo pegava o celular para ligar para os mais novos. Ao que entrava no banheiro de seu quarto, o Na conseguiu ouvir o melhor amigo inquirir Jisung e Chenle para o que ele nomeou de "Festa do pijama para um Na de coração partido.", deixando também avisando que eles deveriam passar no mercado e comprar besteiras para comerem durante a noite e madrugada. Foi inevitável não sorrir com o que o amigo falou, sentia-se sortudo demais por ter Donghyuck em sua vida, Chenle e Jisung também, eram os melhores amigos que ele poderia ter e era extremamente grato por eles.

Assim que lavou o rosto, Jaemin encarou-se no espelho e notou como tinha olheiras fundas e escuras abaixo dos olhos, além de seu rosto que estava inchado e vermelho pelo recente choro. Não queria ficar chorando por algo que ele mesmo havia feito, porém sabia que era inevitável não ficar mal, havia acabado de terminar um namoro com as duas pessoas mais importantes de sua vida e a tristeza era o efeito colateral disso. 

No fundo, Jaemin até mesmo se culpava pelo que tinha feito, mas ao mesmo tempo se julgava por sentir aquilo, estava se sentindo aliviado e com um peso a menos nas costas, entretanto saber que era o único a se sentir assim o fazia se sentir culpado por fazer Jeno e Renjun sofrer, mas também tinha aquela vozinha lá no fundo que o fazia se lembrar de que os mais velhos haviam o feito sofrer igualmente por um bom tempo. Não era vingança o que estava fazendo, nunca nem ao menos se passou pela sua cabeça que devia fazer o Lee e o Huang sofrerem igual fizeram contigo, tudo o que havia feito foi pensando pela primeira vez em si mesmo e em como isso seria o melhor para todos, especialmente para os ex namorados, se tivesse de fato se vingando dos garotos, não estaria se sentindo culpado por ter terminado o namoro e os feito chorar. 

Como sua mãe sempre o dizia, tinha um coração bom demais e sempre pensava nos outros antes de si mesmo, por isso acabavam fazendo o que bem entendessem de si, ainda era jovem e de certa forma ingênuo, por isso Renjun sempre teve em si a visão de uma criança que precisava ser protegida. Vendo agora tudo com mais clareza, Jaemin tinha cada vez mais certeza que fez o certo em terminar o namoro, não estava pronto para um relacionamento ainda, e por mais que gostasse de Jeno e Renjun, não podia ficar com eles.

Sentado na cama do melhor amigo, Donghyuck reparava na demora do mesmo em voltar do banheiro, sabia que ele não demoraria tanto para apenas lavar o rosto, a menos que tivesse voltado a chorar e não quisesse sair do outro cômodo, afinal sabia que brigaria consigo se estivesse chorando novamente. Determinado a saber o por que da demora do Na, Donghyuck levantou-se da cama e caminhou devagar até o lugar onde o outro estava, abrindo a porta e encontrando o amigo se encarando com uma expressão tristonha no rosto. Podia muito bem chegar gritando e mandando o amigo colocar um sorriso naquele rosto bonito, mas dentro de si algo o alertava que não era daquilo que Jaemin precisava, não era do Donghyuck brincalhão e sim do seu melhor amigo, aquele que sempre estaria ali por si, aquele na qual compartilhava todos os seus segredos e frustações.

Donghyuck sabia que Jaemin havia o visto chegando no banheiro pelo canto do olho, e mesmo tendo sido notado antes do que gostaria, isso não o impediu de ir até o amigo e o abraçar por trás, apoiando o queixo no ombro do mesmo e apertando o corpo magro contra o seu. Viu pelo reflexo do espelho quando o Na sorriu e levou as próprias mãos até as suas que estavam entrelaçadas na cintura alheia, segurando-as com carinho e aproveitando do abraço que compartilhavam. Um beijinho foi depositado no pescoço desnudo do mais novo e Donghyuck sorriu ao ver a pele do amigo se arrepiar com o toque.

- Se o Mark nos visse agora, ele surtaria de ciúmes. - Jaemin comentou e riu ao imaginar o canadense tendo uma crise de ciúmes por causa da sua aproximação com Hyuck. 

- Como se eu ligasse para os surtos do Mark. - Deu de ombros e apertou mais o Na, ouvindo-o rir.

- Você brinca com o perigo. - Olhou para o rosto do melhor amigo sobre o reflexo do espelho.

- Eu gosto do que é perigoso. - Piscou um dos olhos para Jaemin.

- Bobo. - Desviou o olhar e encarou suas mãos junto as de Donghyuck.  - Falou com os meninos?

- Chenle não vai poder vir, ele brigou com os pais e tá proibido de sair. - Contou e suspirou. - Acho que os pais dele falaram sobre quererem voltar para a China de novo e sabemos como o Lele não gosta nem de pensar sobre isso, ele não quer deixar o Jisung para trás.

- Ele não falou para o Sung sobre isso, né? - Viu o Lee concordar. - Ainda acho que ele devia contar para o Jisung sobre a possibilidade dele ter que voltar para a China, o Sung tem o direito de saber. 

- Chenle tá fazendo igual o Jeno e o Renjun. - Comentou sem querer e viu o Na abaixar a cabeça triste, se arrependendo no mesmo instante pelo o que havia dito. - Desculpa.

- Tá tudo bem, você está certo. - Suspirou. - Chenle ta fazendo com o Jisung o mesmo que fizeram comigo, porém nós temos a chance de evitar que ele faça uma merda grande e magoe o nosso pequeno gafanhoto.

- Conversamos com o Chenle na escola, no momento vamos evitar de falar sobre isso com o Sung. - Falou. - Ele ta vindo pra cá e vai trazer filmes para assistirmos enquanto comemos besteira.

- Você sabe que ele vai trazer Harry Potter pra gente assistir de novo, né? 

- Dá última vez você fez todo mundo assistir Barbie, Jaemin. - Retrucou rindo. - Deixa o garoto.

- Barbie é legal, poxa. - Um bico se formou em seus lábios e ele tentou se soltar de Donghyuck, mas tudo o que conseguiu foi um beliscão na cintura. - Isso dói, inferno.

- Não ligo. - Ignorou o resmungo do Na e deitou a bochecha no ombro do mesmo. - Vamos voltar para o quarto, esse banheiro é frio.

Ainda abraçados, Jaemin e Donghyuck saíram do cômodo e voltaram para o quarto, ficando parados no meio do quarto parecendo duas baratas tontas.

- Deveríamos esperar o Jisung lá em baixo, não vamos ouvir a campainha daqui de cima. - Jaemin ponderou. - Meus pais devem estar no escritório trabalhando, não quero atrapalhar.

- Não acho que atender uma porta vá atrapalhar.

- Mesmo assim, quero evitar. 

- Está bem. - Soltou o mais novo. - Vamos descer.

Jaemin acompanhou o Lee pra fora do quarto e ambos desceram as escadas para o andar de baixo. Donghyuck foi direto para a cozinha e o Na se ocupou em ligar a televisão e colocar uma série para ele e o amigo assistirem enquanto esperavam pelo Park. 

Na cozinha, Donghyuck abria o congelador da geladeira e pegava o pote de sorvete que ele próprio havia trazido para a casa dos Na e deixado ali para os casos que ele considerava de emergência, ou seja, os dias em que ele sabia que Jaemin estava triste e precisava de uma boa dose de algo doce e gelado. Após pegar duas colheres e o pote de sorvete de iorgute, cujo qual era o favorito seu e de Jaemin, voltou para a sala e jogou-se no sofá, vendo o amigo sentar-se ao seu lado e dar play na série que já era bem conhecida por si.

- Reign, de novo? - Perguntou ao ver a abertura da série.

- Você sabe que eu tenho um fraco pelo Francis. - Pegou uma das colheres da mão do Lee.

- E você sabe que ele morre, né? - Abriu o pote de sorvete e olhou para Jaemin, este que o olhava com fogo nos olhos.

- Cala a sua boca, ele morreu com honra. - Puxou o pote de sorvete da mão do amigo. - Seu insensível.

- Se você diz. - Riu e pegou um pouco de sorvete do pote. - Mas eu ainda acho...- Foi cortado pelo mais novo que jogou uma almofada em si.

- Assiste e fica quieto, Donghyuck.

O Lee apenas riu e obedeceu ao que lhe foi mandado. Por mais que Donghyuck já estivesse de saco cheio de assistir a bendita série sobre Mary Stuart, a garota que com apenas algumas semanas de vida foi coroada rainha da Escócia e que viveu anos num mosteiro até ser mandada para se casar com o principe da França, a assistia apenas por ter a simples satisfação de ver e ouvir as reações do Na ao assistir. Era deveras satisfatório e engraçado ver Jaemin assistindo a série, gostava de apreciar as diversas emoções que um simples episódio trazia para o garoto, ia desde raiva até uma crise de choro por causa de uma cena triste. Talvez Donghyuck nunca admitisse, mas ele sempre fazia as vontades de Jaemin, as vezes era algo que nem ele mesmo percebia, mas os sinais estavam ali. 

Os garotos haviam assistido quase dois episódios completos da série quando ouviram a campainha da casa do Na tocar. Jaemin foi rápido em ir até a porta e abrir a mesma, dando de cara com um Jisung cheio de sacolas nas mãos e uma mochila enorme nas costas.

- Você veio dormir aqui ou tá de mudança? - Donghyuck brincou atrás de Jaemin.

- Alguém me ajuda aqui, tá pesado. - O Park resmungou ao que tentava ajeitar as sacolas nas mãos.

- Calma ai. - Jaemin pegou algumas sacolas da mão do mais novo e se virou para Donghyuck. - Pega o resto das coisas e trás pra cozinha.

Com um revirar de olhos Donghyuck fez o que foi pedido, pegando o resto das sacolas e indo atrás do Na.

- Fecha a porta, Jisung. - Gritou para o mais novo enquanto ia para o outro cômodo da casa.

Já o Park entrou dentro da casa e fechou a porta como foi pedido, aproveitou para trancar também, afinal nunca se sabe quando alguém resolve invadir sua casa, lhe fazer de refém e roubar tudo. Sim, Jisung era bem paranóico. Após tirar a mochila das costas e a deixar em cima do sofá, o mais novo foi até a cozinha, vendo os amigos tirando todos os salgadinhos, chocolates e sucos das sacolas. 

- Acho que você exagerou. - Donghyuck falou após ver que o Park entrou no recinto. 

- Comida nunca é demais. - Deu de ombros.

- Cada um escolhe o que vai querer e ai levamos lá pra cima. - Jaemin opinou. - Trouxe os filmes, Jisung?

- Estão na minha mochila. 

- Ótimo, então vamos começar a nossa Festa do Pijama Para Um Na de Coração Partido. - Donghyuck sorriu e pegou um dos salgadinhos e uma barra de chocolate, os abraçando contra o peito. - Let's go.


Notas Finais


Então, o que acharam??

Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...