História Butterflies - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias NU'EST
Personagens Aron, Baekho, Jr, Minhyun, Personagens Originais, Ren
Tags Aromin, Baekmina, Jeongcheol, Jren, Mimo, Minaron, Minren, Minron, Nu'est, Orange Caramel, Pktk, Seventeen, Transexualidade, Twice
Visualizações 72
Palavras 1.770
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Uma atualização rápida destas bicho T^T
Eu nem o que comentar sobre as seguintes palavras que irão ler, só tenho algo a dizer: contém banana. E é inspirado numa realidade. Bem, nem tudo. E foi escrito há meses atrás.

Boa leitura~

Capítulo 30 - Chapter Twenty Nine - Bananas não sairão vencedoras


“Ah! Esta aqui parece fácil!”

Sorri e levantei-me do sofá com cuidado, peguei as minhas malas e levei-as até ao banheiro no corredor para trocar de roupa para uma mais confortável e apanhei o cabelo num coque alto. Ri ao olhar no espelho o meu aspecto desarrumado mas casual ao mesmo tempo, e corri até à cozinha para não ser percebida por Jonghyun que ainda dormia no sofá. Confesso que não tive coragem de o acordar quando vi que havia adormecido deitado no meu ombro durante o filme, e apenas deitei-o delicadamente no sofá e fiquei procurando receitas fáceis de qualquer coisa que eu pudesse cozinhar para fazer-lhe uma surpresa - e aquele bolo de banana parecia ser bem fácil de se preparar, e rápido. Não é como se eu me preocupasse em cozinhar bem ou não para ele, até porque eu não via aquilo como algo pessoal, era mais um agradecimento por ele ter me deixado ficar na sua casa. (“ter me deixado”, porque foi o mesmo que me perguntou se eu gostaria de ficar).

“Muito bem…” - suspirei, começando a olhar para todos os lados naquela cozinha. Onde eu iria achar tudo o que precisava? - “Não deve ser assim tão difícil, todo o mundo guarda as mesmas coisas nos mesmos lugares.” - murmurei, abrindo a geladeira e sorrindo vitoriosa - “Ovos, leite e caramelo liquido já está.”

Abri todos os armário e prateleiras - dando graças por a minha odiada “masculinidade” me abençoar com uma altura favorável, diferente da maioria das garotas que nem chegam ao 1,65 - e recolhi os restantes ingredientes e utensílios. Peguei também um avental com coraçõezinhos vermelhos que eu rezei p’ra ser do Kim Maravilha apenas para mais tarde poder rir da sua cara.

Segui atentamente os primeiros passos da receita - coloquei o caramelo na forma e comecei a preparar a massa, juntando primeiro os ovos com azeite e de seguida, farinha com fermento e açúcar (sim, quase me esqueci do leite, e depois acabei por colocar demais. Ups.)

Estava a cortar a banana em pedaços e cantarolar uma música pop qualquer que me veio à cabeça, quando solto um berro e quase acabo por cortar meu querido dedo quando sinto uma mão apertar a minha coxa direita. Deixo tudo em cima da mesa e pego um pano para limpar as mãos, logo me afastando e agredindo o estúpido pervertido à minha frente.

“Porque. Tu. Fizeste. Isso!” - falava entre um “ataque” e outro, mas a minha vítima apenas ria das minhas bochechas possivelmente, muito coradas - “Não me lembro de te ter dado essa confiança e intimidade!”

“Digo o mesmo… Cheguei a pensar que me irias envenenar.” - a sua voz de estava mais grave que o costume graças a ter acabado de acordar, e poderia ser sexy até, se os seus cabelos negros desarrumados não fossem fofos a meu ver - “Porque tem massa de bolo numa saladeira se vais fazer pudim?”

“Pudim?” - estreitei os olhos e coloco o pano no ombro e ambas as mãos na cintura - “Saladeira?”

Isto” - pega na forma com caramelo - “É para pudim. E caso queiras fazer um bolo, deverias untar a forma toda, não só colocar um pouquinho no fundo.”

“Vejam só, Kim Jonghyun homem de família e pasteleiro de renome internacional!” - usei o meu melhor tom de sarcasmo e ironia e voltei a cortar as bananas. Ele olhava para mim curioso quando descasquei uma parcialmente e a levei à boca. Encarei-o, lá estava aquele sorrisinho de lado, e dei uma mordida exageradamente forte e agressiva na fruta que fez a sua expressão mudar para uma de dor.

“Minha santa deusa das bananas.” - ele murmurou e engoliu em seco. Foi a minha vez de sorrir, Minki 1, Jonghyun 0.

“Falando muito a sério, eu vou dar aqui um jeito.” - dito isto começou a ajudar-me a terminar a sobremesa e depois colocou-a por mim no forno. Eu quase literalmente me joguei no chão e ele sentou-se à minha frente.

Havia farinha no chão e no avental que eu usava, onde alguns dos corações vermelhos estavam com manchas brancas. Não tive tempo de processar quando senti o outro aproxima-se e deixar um pequeno selar na minha bochecha afastando-se de seguida novamente. Olhei-o com a maior cara de espanto e ele apenas apontou para baixo, e então eu pude ler escrito “Kiss the Cooker” num dos coraçõezinhos. Ri, mesmo que não devesse porque parecia que tinha gostado e eu não queria mostrar isso, e depois eu mesma dei um beijinho na bochecha do mais velho, que sorriu bobo e levou uma mão ao meu rosto, colocando uma mecha caída do coque atrás da orelha.

“Posso saber o porquê daquele assédio sexual mal chegaste aqui?”

“Posso saber o porquê de estares vestida dessa forma na casa alheia? Esse short é tão curto que quase dá p’ra ver a calcinh-”

“Ei! Que disse que eu uso calcinha?” - perguntei com os olhos arregalados.

“Tu neste momento, eu chutei. Até porque naquela noite que dormimos na rua, dava para ver a box nas pernas quando o short subiu um pouco. E agora não se vê.” - ele desceu o olhar para a minha coxa e passou a mão pela minha perna, mas eu rapidamente dei um tapa na sua mão para que a tirasse dali - “Calma aí, garota.”

“Seu tarado! Mais um toque desses e eu saio a correr daqui para fora! E nunca mais te falo!”

“Ei ei, calma Minkie… Desculpa?”

“Tudo bem.” - suspirei e dei de ombros, aceitando a sua ajuda para me levantar. Tirei o avental e o deixei ali mesmo, ele que limpasse, e invés de ir ele para a sala segui para o seu quarto no início do corredor do andar de cima.

“O que vais fazer?” - perguntou, indo atrás de mim, mas eu tranquei a porta antes do mesmo entrar. - “Trocar de roupa? Podes tomar banho se quiseres. Tem toalhas lavadas no banheiro, eu vou preparar o jantar.”

Ouvi os seus passos se afastarem e peguei tudo para ir tomar um banho. Como Jonghyun era o único que utilizava aquele banheiro, estranhei encontrar um shampoo feminino com cheiro de morango no meio daquelas embalagens de shampoo masculino. Aquilo era para mim? Estava nova, ele havia mesmo comprado de propósito. Ri, ao ver que também havia um creme para cabelos escuros pintados não perderem a intensidade e brilho da cor. Calculou cada passo meu, foi?

Despi-me e deixei a roupa num montinho para depois levar e lavar na minha própria casa mesmo. Liguei o registro e entrei quando a água atingiu uma temperatura amena mas fresca, pois mesmo sendo de noite, estava calor. Tomei meu duche rapidamente para não parecer que me estava a aproveitar da sua oferecida de bom grado boa vontade, e enrolei-me na toalha de seguida. E adivinhem? Só aí reparei que havia duas escovas de dentes ali. E uma era nova e rosa - que é a minha cor favorita, demasiada coincidência.

“Eu vou matar aquele rapaz.” - sussurrei, e saí para me vestir.

O meu pijama era composto por uma calça e blusinha de alças, calcei os meus chinelos de quarto e penteei os meus cabelos que, acreditem ou não, estavam super cheirosos e macios. E eu bem sei que o desgraçado gosta de me fazer cafuné e ficar a mexer nos meus fios a toda a hora. Havia também um hidratante labial com uma leve coloração vermelha e aroma a cereja sobre a cómoda, que eu ignorei de primeira, mas voltei atrás para colocar, vistos que me agradava estar a ser tratada daquela forma.

“Seja bem vinda, princesa.” - falou e faz uma vénia, pude ver que também tinha vestido o seu pijama e tomado banho, no possível banheiro do quarto dos seus pais.

“Como se faz para tomar banho e fazer o jantar ao mesmo tempo?” - perguntei com uma sobrancelha arqueada e me sentei à mesa.

“Não fiz, eu apenas encomendei e coloquei em em pratos para parecer mais bonito.” - o seu leve sorriso de orgulho perante aquela situação chegava a ser engraçado - “Senta-te. Como será que estão Aron e Minhyun, neste momento?”

“A transar como coelhos no cio, calculo.” - ele soltou uma risada escandalosa - “Ou apenas aproveitando o tempo juntos. Sei l-”

“Assistindo a filmes no sofá, cozinhando juntos e tendo jantares românticos? - entrecortou a minha fala para dizerr obviamente tudo aquilo que nós tínhamos feito e eu neguei com a cabeça, que idiota… - “Estou feliz por eles… E por nós.”

“Por nós? Como assim?”

“Por termos conseguido juntá-los! E o Baekho e a Mina?! Quem diria, não é…”

“Pois, quem diria.” - mordi o lábio inferior voltando a comer. Jonghyun olhou-me curioso mas nada disse, continuando a refeição em silêncio.



“Trouxeste roupa para quantos dias?” - perguntou, enquanto colocava a loiça suja na pia e eu terminava a minha fatia de bolo.

“Não sei quanto tempo posso ficar.” - dei de ombros, e aproximei-me de onde o mesmo estava, deixando ali o prato e o garfinho -”Imagino que por ti, ficaria aqui a vivee… Vistos que te deste ao trabalho de comprar-me até uma escova de dentes sendo que eu trouxe a minha de casa. Para não falar de tudo o resto.”

“Eu quero que te sintas em casa. E vais dizer que não sou bom com os hóspedes? Com a hóspede Choi Minki em particular.”

“És ótimo.” - coloquei-me de frente para si assim que o mesmo acabou o que fazia, e afundei lentamente o indicador na sua bochecha fofinha. E o biquinho que o mesmo fez - junto com aquele pijama com estampa do Bulbasaur - fazia-me querer abraçá-lo. Mas há vontades que têm de se conter.

“Porque estás a olhar assim para mim?” - perguntou, puxando-me de modo a que os nossos corpos estivessem mais perto - “Cheiras bem… Estás a usar o presente que deixei sobre a cómoda.” - comentou surpreso enquanto encarava incessantemente os meus lábios.

“É… Obrigado.” - tentei afastá-lo pelos ombros mas o maior abraçou a minha cintura e deixou um beijinho na minha bochecha (o que começava a ser algo cada vez menos estranho a cada vez mais acolhedor.) - “Eu acho que devíamos dormir, não? Onde eu durmo?”

“No meu quarto, na minha cama.” - disse, como se parecesse algo totalmente normal - “Não comigo lá, doida. Eu posso ficar no quarto dos meus pais.” - estava pronta para argumentar em como é errado ele doar o seu quarto quando o mesmo me impede com o indicador sobre os meus lábios - “Eu insisto.”

“Eu não quero.”

“Não perguntei.” - deu de ombros e afastou-se, subindo escada a cima e sumindo no corredor.


Oh, a estadia na casa de Kim Jonghyun seria uma aventura.


Notas Finais


Perdoem o Jonghyun ser meio idiota, ele é mesmo assim, pervertido idiota. Mas ele é fofinho também.

O próximo capítulo vai ser... Muito especial. Aguardem.

Obrigado pelos 140 favoritos :'3
Kissus~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...