História Butterfly(Taekook) - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, TWICE
Personagens Jennie, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jisoo, Kim Taehyung (V), Lisa, Min Yoongi (Suga), Momo, Park Jimin (Jimin), Rosé
Tags Anna, Baekhyun, Fanfic, Fluffy, Frozen, Jenlisa, Jennie, Jeongguk, Jimin, Jungkook, Kookv, Kristoff, Lisa, Longfic, Love, Poderes, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 90
Palavras 3.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, LGBT, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Yay, eu ja não sei mais o que falar aqui kkkkkkk
Hello, i'm back e com um capítulo muuuuito curioso.
Aparentemente nossa estória está indo bem né? Está tudo na paz, os namoradinhos juntos... :)
Boa leitura hein
>.<

Capítulo 26 - Chapter Twenty-Six


– Não é pelo carinho – o mais velho franziu o cenho – Obrigado por aparecer na minha vida e por não ter desistido de mim – virei levemente minha cabeça para o lado para poder olhar em seus olhos e sorri.

– Se é assim eu também preciso te agradecer por ter aparecido na minha vida – selou nossos lábios.

– Agora que estamos enfim juntos, nada vai nos separar – sorri.

Bom, era o que eu pensava.

.

.

.

[Meses Depois...]

P.O.V. Jeongguk

Acerto mais uma vez o mesmo lugar do tronco a minha frente. Bato várias vezes com o machado até que ele finalmente se parte, caindo no chão. Me organizo e começo a preparar a lenha. 

Estava no jardim do castelo onde tinha algumas árvores, meu novo local onde cortava a lenha. Aceitei vir morar no castelo, mas eu que não ia ficar de perna 'pro ar, ajudar com a lenha é o minimo que posso fazer. Afinal desde que minha família se mudou para o castelo minha vida tem sido maravilhosa. Na verdade, minha vida tem sido maravilhosa desde o momento em que coloquei os olhos em Kim Taehyung.

Tudo bem que eu sofri um pouquinho com a nossa separação, mas a vida é assim, para você finalmente ser feliz precisa passar por muitas dificuldades, para poder merecer.

Comigo não seria diferente.

Todos nós nos mudamos para o castelo. A Lisa ficou radiante porque iria poder passar o dia inteiro ao lado da namorada. Minha mãe só faltou soltar purpurina pelo nariz, era seu sonho conhecer o castelo e agora ela mora nele.

Eu fiquei muito emocionado, não porque iria morar na corte e teria uma vida “boa” em relação ao povo, mas sim porque justo com o meu primeiro namorado, o meu primeiro relacionamento da vida, nós já estávamos morando juntos. E, bom, estávamos felizes. Estamos felizes.

E também tinha o Baekhyun, sim ele se mudou também, meio a contragosto. Ele não queria, dizia que preferia ser um reles plebeu o resto da vida do que conviver comigo e com o Tae ao seu lado, mas nada que Jeon Jisoo não resolvesse.

Hoje estamos todos felizes – menos o Baek, aquele lá vive de cara fechada – e é isso que me preocupa. É a chamada “Regressão à média” que me preocupa. Ela diz que as coisas sempre se equilibram, ou seja, nada dura para sempre, nem tristeza nem felicidade.

Então mesmo se a situação estiver muito ruim, ou muito boa, elas sempre voltam ao meio, sempre vão regredir à media.

Minha vida está com o equilíbrio pendido para o lado bom, mas como tudo é um equilíbrio, tenho medo de acabar pendendo para o lado ruim. Mas não devo pensar nisso, devo ter pensamentos otimistas de que agora minha vida vai andar.

Termino de fazer a lenha e amarro tudo junto, para facilitar a caminhada até o castelo. Me assusto e jogo toda a lenha no chão quando sinto um par de braços envolver a minha cintura.

– Aigoo, mas que susto Taehyung – dou um tapa em seu braço e o castanho ri.

– Desculpa, mas foi muito engraçado – passei a língua pela bochecha.

– Então ta, vamos ver se você vai achar engraçado quando for dormir no sofá da sala – coloquei as mãos na cintura.

– Você não seria capaz... – riu de nervoso.

– Tem certeza? – engoliu em seco.

– Ai meu senhor, seria capaz sim – colocou a mão na boca e arregalou os olhos. Ri de seu medo.

– Eu to brincando com você, seu bobão – me aproximei rindo.

– Você o que? – me olhou abismado – Aish Gukkie, não teve graça – cruzou os braços e fez um biquinho.

– Vem cá amor – me aproximei e o abracei, de inicio ele resistiu um pouco, mas logo passou os braços ao redor de meu corpo.

– Não consigo resistir, aish – ri contra o seu pescoço e deixei um selar na região.

Ficamos em silêncio por um tempo, apenas apreciando a companhia um do outro.

– Gukkie, porque a gente não sai para cavalgar hoje?

– Não vai dar, o meu cavalo está doente, lembra? – o castanho ficou pensativo por um tempo.

– A gente pede o cavalo do Jimin emprestado – gargalhei e levantei a cabeça para olhar em seus olhos.

– Acha mesmo que o Jimin Hyung vai emprestar o bebê dele pra gente? Do jeito que ele cuida daquele bicho... – gargalhamos.

– Eu dou um jeito, sempre consigo convencer aquele baixinho – nos afastamos.

– Então vamos logo, para não sairmos tarde demais – assentiu e me ajudou com a lenha.

[...]

Guardamos a lenha que eu peguei na parte de trás do castelo e depois seguimos rumo ao quarto do príncipe mais velho.

Segui meu namorado pelo corredor até que chegamos ao quarto do outro. Tae bateu na porta várias vezes, mas ninguém veio abrir. O castanho franziu o cenho e abriu a porta, olhamos o quarto todo e não havia ninguém.

– Ele não está aqui, que estranho...

– Podemos perguntar a Rainha aonde ele está, afinal ela é a mãe dele, deve saber – sugeri.

O castanho assentiu e saímos do quarto. Andamos pelo corredor rumo à sala do trono, onde possivelmente a Rainha se encontrava. Chegamos ao local e o castanho empurra a grande porta.

– Anna nós não podemos comprar novos vestidos, se contente com o que tem – a Rainha falou.

– Eu odeio esta situação, não posso nem comprar um simples vestido...

– Que situação? E porque não pode comprar um vestido? – Tae as interrompeu e fez com que as duas levassem um susto.

– N-nada não, é que sua tia não me deixa comprar um vestido, porque... – fez uma pausa.

– Porque...? – o castanho arqueou as sobrancelhas.

– P-porque ela já tem vários – a Rainha respondeu pela princesa – E... mais um seria exagero – sorriu.

– Isso, foi exatamente por isso – a princesa sorriu.

O silêncio preencheu o lugar. A troca de olhares entre os três estava bem intensa, resolvi intervir.

– Vossa Majestade sabe onde está o Jimin? – sorri pequeno.

A atenção de todos foi desviada para mim. Vi o castanho suspirar e peguei em sua mão.

– Primeiro, já falei várias vezes que pode me chamar apenas de Elsa – sorriu.

– Sim, Majestade... quer dizer, Elsa – sorri.

– E sobre o Jimin, ele veio me avisar que estava saindo em um passeio pela cidade. Não me disse exatamente aonde foi, mas parecia estar com pressa – assenti.

– Obrigado Elsa, vamos Tae – puxei o castanho pela mão e saímos da sala do trono.

Fechei a porta e o puxei pelo corredor. Saímos do castelo e o puxei até o haras. O castanho ficou o caminho inteiro calado e pensativo.

Entramos no haras e o fitei curioso.

– Vai me dizer o porquê desse silêncio todo? – continuou pensativo.

– É que elas estavam estranhas... – colocou uma mão em seu queixo –  Minha tia não deixar minha mãe comprar um vestido? Só porque seria exagero? Não faz sentido... – franziu as sobrancelhas.

– Talvez seja só implicância da sua tia ou era apenas impressão sua...

– Não, eu tenho certeza. Ela estavam estranhas – passou a mão na nuca e suspirou – O que me preocupa é que na última vez que elas ficaram estranhas, as notícias seguintes não foram boas...

– Ei – me aproximei e segurei seu rosto com as duas mãos – Não vamos pensar no pior, deixa de paranoia. Esquece isso e vamos apenas nos divertir, huh? – pressionei nossos lábios num selinho demorado. Me afastei e sorri.

– Você tem razão, vamos cavalgar – se afastou e foi preparar os cavalos.

– Mas eu vou com qual cavalo? – questionei lembrando que Jimin não estava presente, então não poderia emprestar.

– Vai com o meu – colocou a sela em seu cavalo.

– Mas e você?

– Vou com o meu

– Vamos nós dois no seu cavalo? – me aproximei quando o castanho me chamou.

– Exatamente, agora vem que eu vou te ajudar a subir.

Segurei em seus ombros e peguei impulso para subir e tive apoio do castanho, que segurou com firmeza em minha cintura. Comigo já em cima do cavalo, o mais velho puxou as rédeas e nos levou até o lado de fora do haras.

Largou as cordas e pegou impulso, subindo no cavalo. Me abraçou por trás e segurou novamente as rédeas, bateu com os pés na traseira do bicho, o fazendo andar.

[Dias Depois...]

P.O.V. Taehyung

Caminho pelos corredores calmamente, rumo à cozinha do castelo. Digamos que um certo estômago está com fome e precisa urgentemente de comida, saiba que não é o meu.

Jeongguk concluiu que por eu ser seu namorado tenho a obrigação de alimenta-lo, mereço. Ele está com fome e pediu que eu pegasse alguma coisa para ele comer na cozinha. Como sou um ótimo namorado, estou fazendo o que ele pediu.

Paro no corredor quando vejo uma movimentação no pátio do castelo. Curioso como sou, fui ver o que estava acontecendo. Saio pela porta do castelo e vejo vários funcionários do mesmo saindo pelos portões com carroças carregando suas malas.

Fico sem reação. Porque os funcionários estão indo embora?

– Sr.Kwan! Espera! – avistei um dos meus guardas de maior confiança e o chamei.

Ao ouvir o meu chamado, prontamente ele se virou e fez uma reverência.

– O que deseja Alteza?

– Só desejo entender o que está acontecendo. Porque estão todos indo embora? – o senhor suspirou.

– Não são todos, apenas alguns.

– Certo, mas porque esses alguns estão indo embora? – insisti.

O mais velho pensou um pouco. Coçou a nuca e me fitou.

– A Rainha pediu que caso alguém perguntasse, nós disséssemos que estamos saindo de férias.

– Mas não é verdade, certo? – o outro assentiu – Então me diga qual é a verdade.

– Alteza, eu não posso desobedecer a uma ordem da Rainha...

– Não se preocupe, nada irá acontecer. Pode me contar – sorri pequeno.

O homem ponderou durante um tempo, mas logo suspirou.

– A Rainha disse apenas que era um corte de gastos – franzi o cenho – Agora eu preciso ir, com sua licença – fez uma reverência e foi embora.

Mas porque danado minha tia está fazendo um corte de gastos?

[Dias Depois...]

P.O.V. Jeongguk

– Tchau, já volto – dou um selinho em meu namorado e saio do castelo.

Atravesso com calma o pátio do castelo e logo passo pelos portões do mesmo. A comida na cozinha está acabando, então me ofereci para vir até a feira para comprar o que estava faltando.

Não faço ideia de como que a comida da cozinha já está acabando, porque só faz alguns dias que a Rainha pediu que um dos nossos cozinheiros repusesse o nosso estoque de comida. Só posso pensar que este cozinheiro comprou pouca comida e ficou com o resto do dinheiro para si.

Então decidi vir eu mesmo comprar tudo, assim posso garantir que tudo será devidamente comprado.

Depois de andar um pouco, vejo que finalmente cheguei à feira. Mas a situação que meus olhos veem é terrível. Várias barracas estão vazias sem nenhum tipo de produto disponível para as compras. Feirantes desesperados correndo atrás de pessoas tentando vender seu produto.

Fiquei sem entender o que estava acontecendo. Fui então até a barraca da família do Namjoon.

– Joonie Hyung, o que está acontecendo aqui? – perguntei ao mais velho que apenas suspirou.

– Desde que você se mudou para o castelo as coisas por aqui mudaram completamente – colocou mais uma caixa com apenas duas hortaliças em cima da mesinha.

– O que mudou?

– O comércio parou de andar. Nenhum reino vizinho está querendo nos vender a mercadoria. Os comerciantes estão ficando desesperados para vender algo, porque o dinheiro está acabando – arregalei os olhos.

– Como assim ninguém está comprando nada? – perguntei abismado – Esse povo come o que em casa então? Pedra?

– Eles estão sem poder comprar Jeongguk

– Ta, mas por quê?

– Porque o dinheiro não está entrando em Arendelle, Jeongguk.

– Como não? – deu de ombros – Os outros reinos próximos não estão comprando nada?

– Nadica de nada

– Mas por quê? – deu de ombros – Ta, eles não estão comprando, mas e o povo de Arendelle? Não compra nada? Eu ainda não entendi.

– Se nós não comercializamos com os reinos vizinhos, não entra dinheiro. Se não entra dinheiro, não temos como produzir o nosso próprio material. Se não temos como produzir o nosso próprio material, não ganhamos dinheiro. E se não ganhamos dinheiro, não podemos comprar nada – finalizou e suspirou – É uma situação bem complicada, sabe Jeongguk.

Não respondo nada e fico olhando para o chão com um olhar vazio. Não faz o menor sentido o comercio de Arendelle ter caído tanto. Os reinos vizinhos implicavam com Arendelle por causa das habilidades da Rainha, mas nunca chegaram a cortar o comércio por causa disso. Se o fizessem também sairiam prejudicados.

Então esse corte repentino não faz sentido.

– A comida em nossas casas também está acabando – Namjoon me tirou de meus pensamentos – O lugar onde poderíamos plantar nossa própria comida fica na floresta e como você sabe...

– A floresta é do reino de Goryeo – o mais velho assentiu.

– Nós podíamos morar la e também usufruir da floresta porque tínhamos permissão do Rei Jeonhyun, mas agora ele acabou com isso. Ninguém de Arendelle pode passar para o lado de lá – se sentou em uma das caixas.

– Hyung, mas porque o Rei de Goryeo proibiu a nossa passagem?

– Ninguém sabe Jeongguk, é um mistério – assenti.

– Deixe-me raciocinar aqui. Se não querem nos vender comida e também não podemos fazer a nossa própria... – pensei um pouco e arregalei os olhos – Logo ficaremos sem ter o que comer!

– Exatamente... – ficamos em silêncio.

– Hyung eu vou indo – o mais velho assentiu. Acenei e fui andando a passos rápidos até o castelo.

Eu preciso falar com Taehyung.

[...]

Entro no castelo a passos rápidos e vou em busca do quarto de meu namorado. Porém paro ao escutar um barulho de algo caindo no quarto de minha mãe. Me apresso para conferir o que aconteceu.

– O que aconteceu? – empurro a porta e vejo minha mãe no chão.

– Nada não meu filho – ajudei a mais velha a se levantar – Obrigada. Eu apenas escorreguei neste tapete, foi besteira – se abaixou e pegou a caixinha que estava no chão.

– O que tem nessa caixa?

– Nada demais, apenas... Ei! – peguei o objeto de sua mão e o abri.

– De onde vieram todas essas moedas de ouro? – arregalei os olhos.

– Eu não sei...

– Mãe!

– Eu realmente não sei Jeongguk! – se alterou.

Olhei para a mais velha buscando uma boa explicação para aquilo. Ela suspirou.

– Eu estava aqui no meu quarto quando um homem apareceu aqui na minha porta e me entregou esta caixa. Perguntei quem tinha mandando, mas ele me ignorou e foi embora – assenti.

– E quem era esse homem? Como ele entrou aqui? Seria algum soldado? – disparei uma série de perguntas.

– Qual parte do “Eu não sei” você não entendeu? – bufou.

Ignorei o mal humor de minha mãe e observei melhor o conteúdo da caixa.

– Tem muito dinheiro aqui... – fechei a caixa e olhei para o chão. Vi uma coisa que não tinha notado antes – Que carta é essa aí no chão? – minha progenitora arregalou os olhos e pegou de imediato a carta.

– N-não é uma carta, é um simples papel informando a quantia que tem na caixa – semicerrei os olhos e ela sorriu amarelo.

– Mãe...

– É sério Jeongguk, se não acredita o problema é seu. Não lhe devo satisfações – puxou a caixa da minha mão e a guardou junto com o tal papel.

– Nossa, para que esta grosseria toda? – a mais velha revirou os olhos – Está bem, eu vou indo. Preciso falar com o Tae – ela assentiu.

Movi meus pés em direção à porta, mas parei antes de atravessa-la.

– Mãe – ela olhou em minha direção – Se estiver acontecendo alguma coisa, pode me contar. Sabe disso, né?

– Sei sim, não se preocupe. Não está acontecendo nada – assenti e saí do quarto.

Tem alguma coisa errada aí, não é paranoia da minha cabeça. Ou será que é?

[...]

– Hyung? Voltei – entro fecho a porta do quarto.

– Mas já? Pensei que fosse demorar para comprar tudo – veio ao meu encontro e me deu um selar rápido.

– Na verdade eu não comprei nada

– Porque não?

– Porque não tinha nada para comprar – o mais velho arregalou os olhos.

– O que?!

– Senta aqui que eu vou te explicar melhor – me sentei na cama sendo acompanhado pelo outro.

– Me explica o que está acontecendo

– O comércio de Arendelle com os outros reinos caiu e o comércio de dentro do reino também. De repente os reinos vizinhos pararam de querer comercializar com o nosso reino – arregalou os olhos.

– Mas por quê? – franziu o cenho – Não faz o menor sentido.

– Exatamente, não faz sentido, porque aparentemente não há um motivo – ficou pensativo.

– Pelo menos os feirantes tem um lugar para poder fazer o próprio produto, assim essa queda do comércio não vai nos prejudicar tanto – neguei com a cabeça – O que?

– Os feirantes não têm onde produzir a própria mercadoria – franziu o cenho.

– Como não? E a floresta?

– Essa é a pior parte. O Rei de Goryeo proibiu a entrada do nosso povo na floresta – arregalou os olhos.

– Ele fez o que?! Porque ele fez isso? – dei de ombros indicando que não sabia.

Riu soprado e se levantou da cama. Andou de um lado para o outro enquanto mordia a unha de sua mão.

– Quem ele pensa que é para fazer isso? Um Rei? – riu debochado – Que eu saiba um Rei zela pelo bem de seu povo e mesmo que o povo de Arendelle não seja o seu, um Rei de verdade não ligaria para isso, afinal todos são pessoas e merecem se alimentar e se sustentar – o mais velho estava se irritando, suas veias estavam a mostra e o sorriso aborrecido não saia de seu rosto.

– Hyung se acalme, sente aqui, por favor – mas o outro não me ouviu e continuou a andar de um lado para o outro.

– Eu vou tirar satisfações com ele, vou acabar com a raça daquele crápula, eu... – me levantei e segurei em seu braço.

– Você não vai fazer nada, está me entendendo – tentou falar algo, mas eu não deixei – Não se rebaixe ao nível desse homem, se ele não é um Rei de verdade mostre a ele como é ser. Seja um Rei Taehyung.

– Mas eu ainda sou o príncipe, não fui coroado ainda...

– E desde quando a merda de uma coroa diz se você é um Rei ou não? Tae aquele homem tem uma coroa e não é um bom Rei, já você não tem uma coroa, mas tem tudo para ser um ótimo Rei. Um Monarca justo, honrado e que zela pelo bem de seu povo – segurei em seu rosto – Não vá fazer nada contra aquele homem. Você é o príncipe herdeiro do trono, o futuro Rei de Arendelle, então aja como tal – o olhei seriamente e aguardei uma resposta.

O mais velho passou um tempo fitando meus olhos de perto e parecia estar pensando no que fazer.

– Você tem razão – assenti e me afastei – Mas o que eu devo fazer?

– Eu que te pergunto – colocou a mão no queixo e ficou pensativo – O que você deve fazer?

– E-eu não sei Jeongguk...

– Hyung o que você deve fazer? – me aproximei.

– Eu não sei, eu não sei...

– Taehyung eu vou te perguntar mais uma vez, o que você deve fazer? – me aproximei ainda mais, ficando a dois passos do outro.

– E-eu não sei Jeongguk

– Pensa Taehyung! – gritei fazendo com que o outro gritasse também.

– Eu estou pensando caramba!

– Não, você está pensando como um garotinho assustado que está com medo de não ser capaz. Não seja esse garoto, pense como a droga de um Rei! – recuou e se encostou na parede – Pense e me diga, o que você deve fazer?

– E-eu...

– Kim Taehyung me diga, o que um Rei deveria fazer! – me alterei e me aproximei mais.

O castanho me olhou com os olhos arregalados, provavelmente porque eu estava mais sério do que o normal. Desviou o olhar para o chão e fechou os olhos, respirou fundo e começou a pensar.

Fiquei parado esperando sua reação, esta não tardou a chegar.

– Um Rei averiguaria com cuidado a situação, para que não houvesse nenhum erro. Um Rei faria uma reunião e discutiria primeiramente o que todos sabem, depois faria um debate sobre o que fazer. Por fim, decidiria o que seria feito e colocaria em prática – abriu os olhos e vi que os mesmos estavam brilhando – Um Rei focaria em solucionar os problemas que o povo enfrenta e trabalharia em lhes dar melhores condições de vida, deixando as futilidades de lado – passou a língua umedecendo os lábios – Um Rei faria isso e como eu sou o futuro Rei, farei também.

Sorri e me joguei em seus braços, o abraçando com força. O castanho apoiou sua cabeça em meu ombro e deixou as lágrimas caírem em abundância. Acariciei seus fios castanhos e sorri na curvatura de seu pescoço.

– Pode não ser oficial, mas você já é um Rei meu amor.

[...]

P.O.V. Taehyung

Empurro a porta da sala do trono e entro no local tendo Jeongguk ao meu lado. Automaticamente tenho a atenção das duas mulheres que antes conversavam com seus maridos.

Andamos com pressa até próximo ao trono, onde estavam todos os presentes. Fiz uma reverência juntamente com o moreno.

– Mãe nós faremos uma reunião agora, então eu quero que você chame o Yoongi e o Jimin,  chame também o chefe da guarda-real e que ele venha com o capitão do exército – falei seriamente e com firmeza na voz.

– E porque eu faria isso?

– Porque eu como futuro Rei de Arendelle estou mandando – as duas mulheres arregalaram os olhos com a minha ousadia – Se vocês não estão fazendo nada, eu vou fazer.

– Fazendo nada sobre o que exatamente? – minha tia arqueou as sobrancelhas.

– O povo está sofrendo com a fome e não têm dinheiro para comprar nada. E as duas nobres aí ficam jogando conversa fora enquanto o reino está um caos lá fora – controlei o meu nível de voz e passei a língua sobre os lábios – Então eu estou dizendo, providencie esta reunião agora e isto não foi um pedido, foi uma ordem.

A Rainha me olhou com os olhos semicerrados e esbanjando irritação, mas eu não recuei em meus movimentos. Então ela assentiu.

– Guardas! – dois apareceram do meu lado e fizeram a reverência, em momento algum foi quebrada a nossa troca de olhares – Providencie esta reunião que o príncipe está ordenando.


Notas Finais


Uiui hein, que será que vai acontecer? Qual o motivo dessa queda no comércio? Porque Goryeo proibiu a passagem para a floresta? Que moedas são essas que a Jisoo recebeu? E a carta? Valha são muitos questionamentos kskskskksks
Queria dizer que AMO Teen Wolf, melhor série ever. Levarei pra vida esse negócio de Regressão à media.
Bom, ja soltei a bomba agora vou embora ksks
Até segundaaa
>.<


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...