História By The Way, I Think I Fell in Love - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags 5 Seconds Of Summer, 5sos, Ash, Ashton Irwin, Calum, Calum Hood, Luke, Luke Hemmings, Michael Clifford, Mike
Visualizações 176
Palavras 4.937
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oee ^^

Tudo bem, me desculpem, eu sei que demorei, mas é que quando as minhas aulas voltaram, eu fiquei cheia de coisas pra fazer e acabei me enrolando ^^'

Enfim, aqui estou eu com mais um capítulo escrito com todo o carinho para vocês, espero que gostem u.u

Boa leitura!

Capítulo 3 - I shipp it!


Fanfic / Fanfiction By The Way, I Think I Fell in Love - Capítulo 3 - I shipp it!

- Então, quem fica bem com quem? – Dominic olha de mim para Ellie, ainda com o braço apoiado no ombro da ruiva.

Ellie me olhava com uma cara tipo: “Eu não sei se eu tou com medo de falar para o teu irmão que disse que você ficava bem com um amigo dele, ou se eu desmaio por ele estar tão perto de mim!”.

De repente os anjos tocaram trombetas em meus ouvidos!

- Eu disse que o Luke fica muito bem ao lado da Becky! – falei alto o bastante para que a dita cuja, que estava pendurada no loiro ali perto, ouvisse.

Virei-me apenas pelo prazer de ver a cara desesperada da puta loira. Ele tinha declarado guerra, não é? Tudo bem, eu ia entrar no seu jogo.

Luke me lança um olhar fuzilante, que parecia me perguntar de que lado eu estava, e obviamente, o meu sorriso angelical deve ter lhe respondido. A garota ao lado dele praticamente deu gritinhos, fazendo uma vozinha extremamente irritante. Era bem fácil perceber porque Luke não gostava dela.

- Viu só, já estão até shippando a gente! – ela lhe dá um beijo no rosto, que, sabe-se lá por que, me fez achar ela ainda mais chata – podemos até pensar em um nome para a gente, Lukye.

Não aguentei e comecei a rir exageradamente. Primeiro por causa do apelido esquisito e do bico engraçado que Becky fez ao falar, e depois pela careta meio enjoada do loiro.

- Que tal Beke? – sugeriu Dominic fazendo uma voz fininha, atrás de mim. Isso maninho, ajuda – soa muito fofo! Igual a vocês, Lukye!

- Awwn, eu amei! – Becky não parecia ter percebido o quão ridículo era o seu papel ali.

Luke não parecia ouvir a garota ao seu lado, seus olhos estavam fixos em mim, sua expressão era quase assassina. Comecei a me arrepender de ter me metido nessa maldita “guerra”. Droga, onde eu estava com a cabeça? Eu só podia estar louca!

- Achei que você tava morrendo de fome, Maeve! – Dominic me olhou pelo canto dos olhos, parecia ter pego alguma informação oculta que eu não captei.

- Ahh, sim, eu tava, mas eu já tomei uma Coca e meio que fiquei sem fome! – na verdade meu estômago estava meio embrulhado, estava com um puta medo agora. Algo me dizia que a vingança de Luke viria logo e que seria cruel.

- Nem vem com essa, você vai comer agora, nem que eu tenha que te obrigar! – Domi fez uma cara de autoritário e me puxou pelo braço – você não me fez parar aqui pra pegar só uma Coca.

Alguns minutos depois, eu estava com um enorme hambúrguer em mãos e um Dominic feliz da vida caminhando ao meu lado, Michael apareceu sabe-se lá de onde e saiu arrastando meu irmão com ele. Dei de ombros sem entender direito para onde eles tinham ido e continuei em direção a van. Ia dar uma mordida gigante em meu hambúrguer quando senti que estava sendo observada. Olhei para o lado e encontrei a última pessoa que eu queria ver ali: Luke.

- O que está olhando? – parei com a comida a meio caminho da boca. Odiava quando ficavam me olhando comer – não se pode comer em paz mais, não?

Ele desencosta da van e vem em minha direção, assustadoramente serio. Luke sorrindo era irritante e serio era assustador. Mudei o peso do corpo de uma perna para a outra, desconfortável.

- Por que falou aquilo para a Becky? – ele apoia as mãos uma de cada lado da minha cabeça – foi para me provocar? Ou pra deixar bem claro que ainda me odeia, mesmo depois de ter transado comigo?

A suposição dele era tão equivocada que eu comecei a rir.

- Você tá se achando de mais Hemmings! – falei irônica – talvez eu só estivesse tentando te deixar com raiva mesmo.

- Me achando? – ele sorri e se aproxima mais de mim, me fazendo encostar as costas na van. Engoli em seco quando seu rosto ficou a centímetros do meu – eu estou achando que você tá tentando se convencer de que não queria estar no lugar dela.

- Ha-ha! – revirei os olhos – com toda certeza do mundo eu queria estar recebendo uma careta de nojo de um cara, Lukye.

Zoei o “apelido” que Becky havia lhe dado e ele abriu um sorriso diabólico, enquanto deu mais um passo em minha direção, me fazendo recuar na mesma proporção em que ele se aproximava.

- Você tem uma carinha de marrenta, mas desmonta quando eu chego perto – seu nariz estava quase encostando no meu. Meu cérebro gritou “PERIGO” e eu fui me afastar, mas não tinha mais espaço para que eu o fizesse e eu tentei me concentrar em algo que não fosse seus lábios – eu gosto de desafios, sabia Maeve?

Não respondi, apenas estreitei os olhos, tentando não demonstrar o quanto estava incomodada com a sua proximidade repentina.

- Eu tenho uma proposta – ele hesita – tem a ver com a guerra que eu declarei mais cedo.

- Que tipo de proposta? – agora eu fiquei curiosa.

- É uma aposta – levantei as sobrancelhas – quem vencer a guerra tem direito a pedir qualquer coisa do outro.

Pensei por um segundo. Eu podia fazer ele de escravo, podia pedir qualquer coisa para ele, mas pra isso eu teria que vencer a maldita “guerra”.

- Como vamos saber quem ganhou? – perguntei receosa.

- Você tem que me aguentar nessas duas semanas, a pior parte de mim, eu vou te infernizar – ele parece pensar – não precisa aceitar de não quiser Maeve. Mas pense só, você pode me pedir qualquer coisa. Se conseguir me aguentar sem desistir no durante esse tempo.

Mordi o lábio, mas a proposta era boa. Não ia ser tão difícil, ia? Claro que ia. Luke ia me fazer passar pelo inferno na terra.

- Só vale depois que chegarmos na casa – ele acrescenta ao ver o quanto eu estava inclinada a aceitar.

- Feito! – ergui o queixo. Merda. Eu me fodi. Luke ia acabar comigo.

- Ótimo – ele solta um sorriso tão maldoso que me fez gelar, me arrependendo instantaneamente de ter aceitado. Ele se inclina e sussurra em meu ouvido – quando eu ganhar, você vai estar na palma da minha mão Maeve. 

- Se você ganhar, bonitão! – o empurrei – como você mesmo me disse, eu sou bem irritante quando eu quero. E teimosa também.

E entrei na van, comendo meu hambúrguer e pensando em como eu podia fazer Luke se arrepender de ter sugerido a aposta.

***

- Ai Lukye, você tá tão tenso! – Becky passa ambas as mãos pelos ombros do loiro, que se esquiva como se ela estivesse fazendo algo extremamente doloroso. Eu e Mike nos entreolhamos e rimos da situação de seu amigo.

- Becky, me deixa quieto um pouco? – ele força uma expressão fajuta de dor – estou com dor de cabeça, acho que vou sentar lá atrás.

- Eu vou contigo... 

- Não! – ele a corta imediatamente e ela senta de volta, um tanto sem graça. Ele olha para Calum pelo canto dos olhos e tenta consertar, me fazendo entender o porquê de ele não ter falado nada grosseiro para ela. Era por causa do amigo – eu só quero ficar quieto um pouco, ok?

Rebecca se empolgou instantemente, sorriu e se empertigou toda. Ela ficava até fofinha assim. Mas Luke não parecia concordar, pois fez uma careta antes de seguir para o banco atrás de mim. Ouvi quando ele reorganizou as mochilas que os outros garotos haviam jogado lá antes e senti seus pés se apoiarem no encosto do meu banco.

 Virei para trás e ele só sorriu e deu de ombros, ignorando meu olhar assassino.

- Vocês ainda vão acabar casando – Ash ri ao ver minha cara emburrada.

- Eu estou tentando convencer ela de que está completamente apaixonada por mim, mas ela é um minion teimoso! – o loiro bagunça meus cabelos e dou um tapa em sua mão que provavelmente deixara o contorno dos meus dedos em sua pele – Ai! Você é nanica, mas nada indefesa, peste!

Ele puxa a mão rapidamente, examinando a marca avermelhada que a tomava agora.

- Fiz dois anos de jiu-jitsu! – falei tranquilamente – ninguém mexe comigo e sai impune!

- Maeve? – Cal me sussurra – você fez três meses de jiu-jitsu depois desistiu por que tinha que ficar duas horas a mais na escola depois da aula.

- Eu sei, mas a puta loira não precisa saber disso – pisquei para ele, que sorriu. Ahh, como eu adorava Calum, fazia tanto tempo que eu não o via que tinha me esquecido o quanto ele era legal! 

- Hey, o que vocês dois estão de sorrisinhos aí? – Mike faz um escândalo - não estraguem meu shipp! Lumae é muito melhor que Beke ou Calmae!

Ele sussurrou a última parte e eu corei. Que droga, ele fica insinuando que eu estou de rolo com seus amigos. O pior é que o shipp dele já tinha acontecido, só que ele não sabia. E Deus, ele nunca ia saber disso, ou ia me estressar com isso pro resto da vida.

- Não existe Lumae – cruzei os braços e olhei para o chão tentando mandar uma mensagem mental para minhas hemácias, implorando que elas parassem de se concentrar nas minhas bochechas. Óbvio que eu falhei.

- Ahh qual é, Maeve, admite, vocês iam ficar bonitinhos juntos – Mike faz uma voz extremamente fina e todo mundo ri, exceto Becky, que me lançou um olhar que era para ser intimidador, mas me pareceu só muito engraçado.

- Ninguém fica bonitinho – Dominic imitou a voz de Michael ao falar a palavra bonitinho – com a minha irmã!

- Ih, cara a tua irmã não vai ser inocente pra sempre! – Ashton ri – ainda mais que ela é a maior gata...

Corei com a observação dele. Não me achava horrorosa, mas também não era lá isso tudo. 

- Tira o olho! – meu irmão grita, mas eu sabia que, ele estava brincando, pois ele riu junto com todos.

Nesse momento meu celular vibrou:

~Ele pensa que a irmãzinha é inocente? Awwn que fofo *-*

Era um número desconhecido, mas foto de perfil do whatsapp o entregava.

~Como conseguiu meu número, peste?

~É fácil arrancar informações de uma garota bêbada kk

~Idiota e.e

~Um idiota com quem você já ficou, aliás, você tem umas curvas bem gostosas por baixo dessas camisetas...

~Vai se FODER Hemmings!

~Quer mesmo que eu responda quem eu quero que venha comigo?

Suspirei para controlar a vontade de me virar e socar a cara da puta loira e bloqueei o celular, mas quando olhei para o lado percebi que Calum me observava atentamente.

- Quem é o ser que está te fazendo mudar de humor tão subitamente? – ele levanta uma sobrancelha, parecendo curioso.

- Ninguém – tentei sorrir para ele.

Meu celular vibrou, mas ignorei. Menos de um minuto depois, outra mensagem chegou. E mais outra. E muitas mais.

- Uau, esse ninguém é muito insistente – Cal ri e bagunça meu cabelo, que já estava bagunçado por conta do vento que entrava pelas janelas abertas da van, então nem me importei.

Dei de ombros me concentrei na música que estava tocando, era Better of Dead do Sleeping With Sirens. Era uma das minhas preferidas da banda e logo comecei a cantar junto, primeiro baixinho, mas comecei a aumentar o tom quando mais gente se juntou a mim e só me dei conta de que estava praticamente gritando a letra, quando Dominic fez escândalo no banco da frente.

- CALEM A BOCA, CARALHO! – ele estaciona em frente a uma casa azul e pequena e eu me perguntei o que estávamos fazendo ali. A casa de praia do nosso pai era enorme, até onde eu sabia. Uma mulher de uns 40 anos sai na frente da casa assim que me irmão buzina – Olá! Eu sou Dominic Armstrong e eu...

O tom de Dominic muda drasticamente ao falar com ela e ele mostra a suas covinhas para mulher com simpatia, mas ela pousa os olhos no braço tatuado apoiado na janela e faz uma careta de desaprovação.

- Você é o filho do Dr. Armstrong? – ela interrompe, ignorando completamente o cumprimento animado dele. Tinha um forte sotaque mexicano – ele me avisou que viria buscar a chave da casa de praia.

Dominic pareceu tremendamente sem graça pelo modo frio que ela o estava tratando. Meu irmão, apesar da aparência rebelde, era muito educado e gentil, e ficava indignado quando alguém era grosseiro com ele.

- É, bem, eu sou – Domi olha para o chão, desconfortável, mexendo nos cabelos que escapavam do boné – você poderia nos entregar a chave, por favor?

Ela nem esperou ele terminar de falar e já gritou muito alto em espanhol: 

- Melinda, traiga la llave de la casa del doctor Armstrong! – pelo pouco da língua que eu conhecia, eu consegui entender parcialmente. Uma garota morena de cabelos bem longos, lisos e negros apareceu ali, correndo com uma chave pendurada em um chaveiro de peixe feito de madeira em mãos.

- Aquí madre – a mãe faz um sinal com a cabeça para que ela entregue a chave para Dominic - La llave patrón. Aproveche su estancia en la casa. Lo preparamos todo ayer para ustedes.

Ela parecia muito mais educada que mãe, e isso fez Domi recuperar a pose de sempre.

- Gracias! – sorri e a garota fica toda tímida. Vi Ellie lançar um olhar firme para a garota e ri internamente. Domi não estava flertando, eu tinha certeza, estava só sendo educado, mas minha amiga não sabia disso - Le advertiremos cuando se vaya, y traemos la llave de vuelta.

Tanto Eleanor quanto a garota, que eu presumi se chamar Melinda, olharam surpresas para meu irmão. Nenhuma das duas esperava que ele soubesse falar espanhol fluente. A ruiva estava morrendo de ciúmes, era bem óbvio e ficou ainda mais claro quando ela estendeu a mão deliberadamente e brincou com uma mecha de cabelo dele, como se estivesse tentando demonstrar que eles tinham alguma intimidade. Eu estava rindo litros por dentro, mas me limitava a morder a parte de dentro das bochechas para me conter.

Melinda interpreta o sinal de Ellie corretamente e desvia o olhar, apenas assentindo.

Dominic não pareceu se incomodar com o toque da minha amiga, agiu como se fosse habitual. Ahh meu Deus, eu queria tanto que eles dessem certo! Seria a primeira namorada de Domi de quem eu realmente gostaria.

O carro foi ligado novamente e as paisagens tornavam-se cada vez mais praianas, até que, após uma curva, pudemos finalmente ver o mar.

Era lindo, sem dúvidas. A areia clara contrastava em algumas partes com o rochedo cor de carvão, as ondas disputando espaço com as pedras.

- Wow! – sussurrei quase sem perceber. Senti uma respiração quente em minha nuca e nem precisei me virar para saber quem era.

- É muito feio não responder os outros sabia? – me virei para ele. Eu não conseguia ficar de mau humor com aquela vista maravilhosa – vem aqui comigo?

- Por que eu iria? – levantei a sobrancelha.

- Porque se você não vir, eu não vou te contar o que eu quero, e você vai ter que aguentar a curiosidade – filho da puta. Ele tocou no meu ponto fraco.

Me amaldiçoando mentalmente, me levantei com a desculpa de que ia pegar alguma coisa na minha mala e me sentei ao lado de Luke.

- Tudo bem, o que quer? – olhei para o loiro, tentando disfarçar a curiosidade.

- Nada – seu sorriso era como o de uma criança que tinha aprontado – só queria que você viesse aqui pra eu te irritar mesmo.

Ele gira o lip ring no canto da boca com a língua e eu me esqueço de que eu não devia encarar sua boca. Por que uma puta loira como ele tinha que ser tão... sexy? Argh! Que ódio!

- Maeve? – ele chama minha atenção – sei que minha boca é muito beijável, mas você pode ao menos se concentrar no que eu estou tentando te falar?

- Hãm?! – pisquei antes do meu olhar encontrar o seu e corei – eu tou concentrada.

- Deu pra perceber – ironiza – tem uma coisa que ficou no meu carro e eu lembrei só agora de te devolver.

Ele tira do bolso um par de brincos presos em um guardanapo, fazendo com que eu me lembrasse de como eles foram parar ali: durante a festa de formatura, os brincos começaram a me dar alergia e eu os prendi no guardanapo para não perder.

- Se você não tivesse falado eu não ia dar falta – peguei os brincos e guardei no meu bolso.

- Uau, eu podia ter vendo suas joias na internet e você nem ia ficar sabendo, sou muito idiota mesmo – o loiro revira os olhos.

- Podia até tentar – fiz uma pausa – mas são bijuteria, você não ia conseguir muito por eles, pode ter certeza.

- Oh, fui enganado! – faz uma cara de falsa surpresa.

Eu ri, mas hesitei antes de falar com ele de novo.

- Por que está sendo legal comigo? – ele estava perto de mais, então aproveitei a deixa e me afastei um pouco – quer dizer, e a aposta?

- Ela só vai começar quando a gente pisar na casa – ele sorri sem mostrar os dentes – e eu estou sendo legal porque você vai ter que ter algum incentivo para desistir e se render.

- Isso não vai acontecer – revirei os olhos.

- Vai sim – ele tinha um olhar divertido no rosto – na verdade eu já tou até pensando o que vou te pedir, quando eu ganhar.

Ele me lança um sorriso sugestivo e fico meio receosa. Eu tinha me ferrado. De verdade. Ele ia fazer dessas duas semanas as piores da minha vida, mas, por outro lado, eu não ia me render facilmente.

- Você não vai ganhar – falei, mas não conseguia convencer nem a mim mesma disso.

- É o que veremos – Luke ia falar mais alguma coisa, mas Dominic anunciou que tínhamos chegado e abriu o portão eletrônico com o controle preso junto com chaves, enquanto eu disputei com Luke rapidamente pelo lugar na janela para ver a casa melhor. Eu nunca tinha vindo aqui, desde que minha mãe foi embora, meu pai mantinha a casa alugada para não precisar vir, ele nunca superara a separação e aquela casa o fazia lembrar-se dela.

Obviamente ele ganhou o lugar e eu praticamente me pendurei em suas costas para ver também. A casa tinha dois andares e era enorme, as paredes de tijolos brutos davam um ar rústico que me agradou, mas o que eu mais gostei foi a enorme piscina no jardim, que, assim como a casa, era cercado por muros de tijolos, seguidos de uma grade de metal escuro, assim como os portões. Dominic entrou na garagem e foi outra disputa, dessa vez para ver quem ia descer primeiro.

No empurra-empurra eu me vi saindo aos tropeços e quase caí em cima de Ashton, que foi gentil o bastante para me segurar e perguntar se eu estava bem. Agradeci a ele e virei-me ao ouvir meu nome ser chamado.

- Pensa rápido Maeve! – Domi joga as chaves para mim, que me atrapalhei toda, mas as peguei e fiquei me sentindo muito ninja por isso. Geralmente elas ou cairiam ou me acertariam bem no meio da cara. É, eu era meio descoordenada.

Entendi o recado e fui destrancar as portas.

A casa era ainda mais bonita e aconchegante por dentro, a sala grande com TV e (eu amei isso) um karaokê e um sofá em L bem grande. As paredes eram brancas e simples, mas de bom gosto, assim como a mobília e o resto da casa.

Imediatamente fui subindo para o segundo andar, onde ficavam os quartos, para poder escolher o meu. Havia seis quartos, cada um tinha duas camas, o que significava que eu ia dividir com a Ellie, então já fui empurrando minha mala pra cima da cama e me adonando do local, abrindo a mala e procurando um prendedor de cabelos, o calor por ali era bem comum.

Ouvi alguém entrar e pensei ser a ruiva e não me importei muito, até ouvir um pigarro baixo.

- Domi! – me virei surpresa para ele – o que você veio fazer aqui?

- Nossa, que receptiva a minha irmãzinha – revira os olhos – quero saber o que tá rolando entre você e o Luke.

Gelei, e a minha cara deve ter me entregado na hora, porque Dominic estreitou os olhos para mim. Por que eu fiquei tão nervosa? Simples, o que estava rolando era que eu tinha ficado com o amigo dele. Pior, eu tinha perdido a virgindade com amigo dele. Eu não conseguia mentir para Domi, nunca consegui. Ele me conhecia bem demais.

- Nada – desviei o olhar de volta para a mala – o que te faz pensar que tá rolando alguma coisa?

- Talvez o fato dele ter ficado te secando desde que apareceu lá em casa hoje de manhã? – ironiza – e o fato de vocês terem se alfinetado o caminho todo? Ah, e não se esqueça da sua cara de desespero agora a pouco.

Engoli em seco e tentei manter a calma, enquanto Dominic mirava em mim um olhar inquisidor, mas a informação de que Luke ficara me “secando” me deixou... curiosa. Por que diabos ele faria algo assim? 

Bem, não importava naquele momento. Eu tinha que pensar em alguma coisa para falar para o meu irmão. Pelo visto eu demorei de mais para responder, pois Domi respirou fundo e sentou em minha cama.

- Olha Mae, eu sei que não é da minha conta, e eu nunca te falaria nada se não achasse realmente necessário – ele tira o boné e passa as mãos pelos cabelos, sinal de que estava nervoso – bom, você sabe que eu não sou de me importar muito com quem você se... interessa, mas... Maeve, o Luke não é um cara do tipo que se limita a uma garota só. Se vocês estão se pegando, tudo bem, só não deixe ele te usar, ok?

Senti um desconforto enorme, principalmente por que eu vi nas palavras dele um fundo de verdade, como se ele soubesse que tinha realmente rolado algo entre mim e o loiro. 

- Eu... – hesitei, pois estava prestes a contar para Domi sobre a noite da formatura. Sim, eu ia contar para meu irmão. Exagero? Talvez, mas ele sempre sabia tudo sobre mim e eu sabia tudo sobre ele. Era muito difícil esconder o quer que fosse dele, afinal ele me contava praticamente tudo, desde o que estava estudando em matemática até as meninas que ele ficava, e eu era exatamente assim também. A falta de nossos pais acabou nos aproximando muito, era como se ele fosse minha única família – Não estou com o Luke.

- Ha-ha – Dominic debocha – não tenta esconder essas coisas de mim. Eu sei que tem coisa aí. Desde domingo de manhã, quando você e a Ellie estavam conversando no seu quarto e você ficou com aquele papo furado de estarem conversando “coisas de mulher” – fez as aspas no ar – eu tou desconfiado disso. Você não me engana Maeve.

Confesso que eu já estava meio que desesperada pensando numa resposta para dar a ele. Foi nesse momento que, pela segunda vez no dia, os anjinhos resolveram me ajudar e tocaram suas trombetas para mim.

- É por causa de uma aposta que a gente fez – falei, num impulso.

- Que tipo de aposta você faria com o Luke? – ele ainda parecia meio desconfiado.

- Hoje mais cedo ele meio que declarou guerra contra mim – Domi arregala os olhos – ele disse que quem ganhasse a guerra ia poder pedir qualquer coisa pro outro.

Meu irmão não se contém e começa a rir tanto que eu fico impaciente.

- E eu achando que você ia se foder por acabar gostando dele – Dominic põe as mãos na barriga depois do ataque de riso – você vai se foder de um jeito bem pior, maninha.

- Cala a boca Dominic! – cruzei os braços irritada e virei a cara – você nem pra me dizer que não ia deixar ele me infernizar!

- Você apostou porque quis – dá de ombros – desculpe duvidar de você Maeve. Eu achei que você estava me escondendo algo hoje.

Fiquei sem ação por uns bons minutos, a culpa me corroendo, até que assenti apenas e ele sorriu.

- De qualquer jeito, a Ellie tem razão sabia? – isso me fez o encarar, curiosa – se o Luke não fosse um galinha, até eu shipparia vocês.

- Vou estragar seu shipp – revirei os olhos, ainda tentando me recuperar da mudança de foco da conversa e do fato do meu plano não o ter enganado – eu não quero nada com ele.

- Ah, qual é, Maeve, nem uns amassos? – o olhei, mais surpresa do que jamais ficara antes – o que? Eu sei que meninas também ficam com os caras sem compromisso, sabe, só diversão.

- Achei que fosse um irmão super protetor – desviei da pergunta – pra onde foi o “tira o olho” que você falou pro Ash mais cedo?

- E eu sou protetor, mas o que o Ashton disse me fez pensar – Domi desvia o olhar parecendo sem graça – você está com 17 anos e nunca namorou! Que tipo de menina de 17 nunca namorou? Sei que você já beijou uns caras, mas nunca me disse que estava realmente gostando de alguém.

Eu estava boba com o rumo que a conversa havia tomado. Domi estava se preocupando com o fato de eu nunca ter namorado? Ele não era assim.

- De qualquer forma, eu não quero que você pense que é errado você namorar, Mae! – ele continua, após ver que eu não falaria – eu me preocupo contigo, mas a vida ainda é sua.

- Não se preocupe com isso Domi – abracei meu irmão com força, queria tanto contar para ele o que houve entre mim e Luke, mas eu sabia que isso ferraria o loiro e, bem, e eu não queria que isso acontecesse. Estragar a amizade do meu irmão não estava nos meus planos – nunca me importei com a sua mania de proteção. Na verdade, eu até gosto de saber que você se preocupa comigo.

Ele ri e me abraça de volta.

- Hey, promete que se você pegar o Luke vai me contar? – Dominic se afasta – quero saber o que acontece na sua vida, Mae, nossa família não é a mais estruturada, se nem eu estiver do seu lado, quem vai estar? Juro que não vou quebrar a cara dele.

Revirei os olhos para esconder meu nervosismo, mas assenti. Só assim ele iria me deixar em paz mesmo, mas não mudava o fato de que eu estava incrivelmente culpada por estar quebrando minha promessa antes mesmo de fazê-la.

- Maeve você não vai acreditar... – Eleanor entra no quarto fazendo um escândalo, como sempre, mas para ao perceber Dominic ali – A-ah! Oi Domi... eu não sabia que você tava aqui, achei que você tava ajudando a organizar as coisas que a gente trouxe.

Sorri sem graça e meu irmão retribui, e eu fico só olhando com cara de “se peguem logo!”.

- Tudo bem, eu já tou indo fazer isso, acho que vocês vão ter muito “assunto de mulher” pra conversar – ri e se levanta – até mais Mae, Ellie.

Ele vai até o corredor, mas volta quase imediatamente.

- Eu já ia esquecer, a gente vai descer pra praia logo mais, fiquem prontas.

Praia. A gente ia até o mar. Ou melhor, eles iam. Eu ia ficar mofando em casa, jamais poderia usar um biquíni com todas aquelas marcas, e se eu não usasse, provavelmente iriam me perguntar o porquê. Meu ódio por Luke estava crescendo cada vez mais.

- O que vai dizer para o Domi? – Eleanor põe a mala em cima da outra cama e me encara.

- Domi? – ri – estão tão íntimos assim?

- Ah, ele me chamou no chat do facebook, sabe? – ela corou – na segunda de manhã. Queria saber se eu ia vir mesmo, eu disse que não tinha certeza, minha mãe estava em dúvida. Aí a gente começou a conversar e eu pedi o número dele, com a desculpa que ia ser mais fácil ligar no outro dia.

- E como foi que você não me contou isso?! – quase gritei.

- Achei que ele mesmo te contaria – Ellie dá de ombros, se defendendo – vocês contam tudo um pro outro. Mas isso não vem ao caso, agora. O que vai dizer para ele, de qualquer jeito?

- Vou no óbvio – desisti de ser criativa após alguns segundos pensando – vou dizer que estou cansada.

- Dominic não vai cair nessa – minha amiga declara o óbvio.

Com toda certeza, meu irmão não iria cair em uma mentira tão deslavada quanto essa, ele sabia o quanto eu amava o mar.

- Vou pensar em algo, mas agora vou descer ajudar os outros a arrumarem a bagunça que deve estar lá embaixo.

- Ok, eu já vou ajudar também – ela grita para mim, que já estava no corredor.

Quando estava no último degrau da escada, apenas senti quando alguém chegou por trás de mim e em seguida o líquido escorrendo em meus cabelos e para a minha roupa. A princípio, pensei ser água, mas era espesso de mais e estranhamente engordurado.

- HEMMINGS, SEU DESGRAÇADO, VOCÊ JOGOU ÓLEO DE COZINHA EM MIM?! – berrei, furiosa! Porra, como eu ia tirar essa merda do meu cabelo?! E das minhas roupas?! E do chão?!

- Que os jogos comecem, Maeve! – ele me lança um sorriso maldoso e eu tenho a perfeita noção do que seria os próximos dias.


Notas Finais


Now this is waaaaar!!!! ~ptv fellings hahahah~

Ahhhh tem uma coisa que eu preciso falar aqui, o nome desse capítulo eu tirei de uma paródia que eu não sei se vocês viram ou não, mas né kkk O link pra quem quiser ver https://www.youtube.com/watch?v=XoBndr31aDs

A partir de hoje, sempre que eu citar uma música no capítulo, vou colocar o link pra vocês escutarem (se quiserem, claro)

Better off dead https://www.youtube.com/watch?v=bIH25CP2wc4

Eu não escolhi essa música por acaso, segundo alguns sites por aí, SWS é uma das bandas favoritas dos meninos, eu tou tentando escolher bandas que eles assumidamente gostam para colocar aqui u.u

Enfim, me perdoem mais uma vez por ter demorado, prometo tentar postar logo o próximo ^^

Bjins <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...