História By Your Side - Capítulo 2


Escrita por: , JiHEun e QueTopTaeTop

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens D.O, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Tao
Tags _rei_chan, Brotp!jikook, Deuses, Drama, Inspirado Em Várias Obras, Jiheun, Menção Jikook, Menção Kaisoo, Menção Namjin, Menção Yoonseok, Mitologia Inventada, Personagens Originais, Quetoptaetop, Taegi, Taehyung!top, Universo Original, Yaoi, Yoongi!bottom
Visualizações 178
Palavras 2.530
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Crossover, Fantasia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A CHEFIA (vulgo a Ji) DEIXOU EU POSTAAAR

Quem conhece Fernanda sabe que Fernanda é apressada.

EU JURO QUE A INTENÇÃO ERA POSTAR SÓ DUAS SEMANAS DEPOIS, MAS EU NÃO AGUENTO SEGURAR UM CAP POR MUITO TEMPO

Ji tinha me dito pra postar só segunda, mas eu sou apressada A

De qualquer forma, acho que dessa vez o cap 3 vai demorar a sair pq eu vou estar ocupada fazendo o cap 12 pra compensar o cap 2 que foi postado

Aliás, um momento para o meu surto:

TEMOS 41 FAVS DE 88 VISUALIZAÇÕES AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Boa Leitura~

Capítulo 2 - 02.


— Tem algo muito errado comigo! O que era aquela coisa? Como assim "eu consigo te ver"?! KyungSoo!

— Acho bom você se acalmar, TaeHyung. Muito vento pode arrancar uma casa. — Falou JongIn.

— Quê?

— É um ditado de Lon, Tae. Seria algo como... "Qualquer coisa em exagero pode fazer mal". — Explicou KyungSoo.

— Mas...

— Eu irei explicar, se acalme. Tudo tem seu tempo.

— Kyung. — JongIn chamou a atenção do menor. — Tenho que voltar para Lon. Volte o mais rápido que conseguir.

— Você vai ficar bem?

— Sim, tenho Sehun para me ajudar. Tome conta desse humano.

JongIn deu um selinho em KyungSoo e se desfez no ar. O Kim encarava a cena surpreso, sem saber o que dizer.

— Você é gay?

Pergunta errada, TaeHyung. Pensou. Pergunta errada...

— ... É, mais ou menos... Mas alguns deuses não são divididos por sexo. Eles podem ser mulher ou homem. Pode-se dizer que alguns deles têm gênero fluido.

— Deuses? Do que você está falando?

KyungSoo suspirou e pegou JiMin no colo. Lhe fez um breve carinho e então falou:

— Vamos com uma pergunta de cada vez. Pergunte que irei te responder, se possível.

— ... O que JiMin é?

— Um Sting, assim como eu.

— Mas... o que é um...?

— Sting? Foi o nome que os deuses deram a nossa espécie. Somos... Bom, é difícil explicar direitinho, mas podemos virar o que quisermos, até mesmo armas, mas somente uma. Por exemplo: Jimin consegue virar duas facas, mas ele não pode virar uma espada ou o que seja.

— Então... Ele só pode se transformar em facas? Nenhum outro tipo de arma?

— Nenhum.

— No que você pode se transformar?

KyungSoo sorriu sem mostrar os dentes.

— Em um leque.

TaeHyung o olhou confuso.

— Mas...

— Tae, você tem alguma roupa para emprestar?

O mais alto arqueou as sobrancelhas e concordou.

— Separe algumas, por favor?

Concordou mais uma vez, antes de se levantar para ir até seu quarto e tirar de lá algumas roupas. Seus aposentos não eram um cômodo grande, na verdade, ele era um tanto pequeno. Havia uma cama de solteiro embaixo da janela, o guarda roupa era de madeira escura, havia uma estante em uma parede do quarto onde ele colocava os poucos livros que ganhara e gostava de ler de vez em quando, além de ter um criado mudo ao lado da cama com um despertador velho. Voltou para a sala e deu as coisas a KyungSoo e o mesmo saiu com JiMin e as roupas para seu quarto. Depois de um tempo, KyungSoo voltou com outra pessoa ao seu lado. Tinha olhos castanhos, os cabelos em um loiro platinado, era uns centímetros maior que o Do, usava uma de suas blusas junto com um short curto, deixando a mostra as coxas fortes e malhadas. Uma perna estava boa, mas a perna direita tinha um alguns machucados feios.

— Quem é esse? — Perguntou, e seu olhar parou na coxa esquerda do estranho. O mesmo sinal de floco de neve em preto.

— Você já sabe meu nome. É Park JiMin, eu só estava em minha forma de gato. — Falou o estranho.

— Por que você tem essa tatuagem?

— Não é uma tatuagem, é mais como se fosse uma identificação.

— Você tem uma, KyungSoo? — Perguntou.

O menor entre eles concordou e abaixou parte de sua blusa, dando uma pequena visão de seu peito que possuía um desenho preto de tornado.

— Obrigado por ter me salvado daquelas crianças, mas acho que eu poderia me virar... — Falou corando um pouco, envergonhado.

Teve que admitir, achou fofo.

— As perguntas, pode continuar. — Disse o Do.

KyungSoo se sentou, junto com JiMin e olharam para o Kim, esperando sua próxima questão. Existia muitas coisas pelo qual TaeHyung poderia perguntar, como por exemplo: o que era aquele monstro, por que as pessoas não conseguem ver eles, mas resolveu perguntar algo que simplesmente foi da boca pra fora:

— Quem é aquele tal de YoonGi?

TaeHyung sentiu uma breve tensão entre eles, notou que estavam olhando para algo atrás de si. Curioso por estarem daquela forma, resolveu ver o que era. YoonGi estava lá, sorrindo em sarcasmo.

— Falando de mim pelas costas? Que feio.

— Hyung, nós... — JiMin se pronunciou, mas foi interrompido pelo cinzento.

— Não podem revelar esse tipo de coisa a um humano. Deveria estar é apagando a memória do mesmo. — Falou, se dirigindo a KyungSoo.

— JongIn me deu permissão para contar a ele, nada das regras foi quebrado.

— Ele é muito mole com você. Esquece de suas responsabilidades, permite que segredos sejam revelados... Francamente, estou começando a achar que meu sobrinho está perdendo o juízo.

— TaeHyung é confiável!

— Espera... Sobrinho? — Perguntou.

JongIn não tinha cara de ser sobrinho de YoonGi. O cinzento era pálido, pequeno e com feições um tanto delicadas, enquanto o outro era moreno, alto e tinha uma aparência mais máscula, por assim dizer.

— É, JongIn é filho do meu irmão, Jin. Pensei que conhecesse a velha história de sempre. — YoonGi arqueou as sobrancelhas.

— Mas... Não existe história nenhuma que cite o JongIn ou esse tal de Jin.

— Humanos e seu raciocínio lento... NamJoon, me dê paciência. — Ele bufou. — KyungSoo. Leve JiMin de volta à Thale. JungKook soube que ele está aqui e se não voltar o quanto antes, Jeon virá até aqui ele mesmo.

— Mas...

— Agora.

KyungSoo bufou antes de virar uma coruja de pelagem escura e de olhos dourados, ele voou para a janela. A coruja piou e fez um movimento com a cabeça, indicando o lado de fora da janela como se dissesse "vamos". JiMin olhou suplicante para YoonGi, que o ignorou estando com o olhar fixo no Kim, e o loiro voltou seu olhar na direção de KyungSoo, virando um rouxinol e assim indo embora com o Do.

— Esse tal de JungKook parece alguém estressado... — Comentou baixinho.

— Ele apenas está nervoso com o sumiço de JiMin, no geral, JungKook é um bom deus. — Falou, se aproximando de TaeHyung. — escute, quando eu estalar os dedos, você vai esquecer tudo o que viu e soube.

Ele estalou os dedos e não aconteceu nada, o Kim o olhou confuso. Era para algo acontecer?

— Eu deveria ter apagado ou algo assim? — Perguntou arqueando as sobrancelhas.

YoonGi se afastou, atordoado. Sua expressão dizia algo como "por que não funcionou?".

— O que você é? — Perguntou incrédulo.

— Um humano.

— Não, humanos não podem ver Stings, Spectruns ou outros seres com tanta facilidade. Você deveria já ter esquecido da minha existência e a dos outros.

— Palpites? Desde que me entendo por gente, eu sou um humano.

— Tsc... Se você é um humano, tenho que te levar ao conselho. Ele irá decidir se você vive ou morre.

— Um momento! Eu quero respostas! — Falou.

— Você não está em posição de exigir nada.

— Se vou morrer, quero ao menos entender por qual causa, motivo, razão ou circunstância eu serei morto.

YoonGi suspirou, derrotado.

— Tudo bem, pergunte.

— Espera, eu te convenci tão fácil assim?

— Pergunte de uma vez antes que eu mude de ideia!

— ... Quem é você?

— Vocês humanos costumam me chamar por "Lucxis", mas meu nome é Min YoonGi.

— Lucxis? Mas Lucxis é a deusa da lua e é uma mulher!

— Grande erro comum! — Grunhiu. — Só porque na época eu tinha cabelos longos e feições afeminadas demais!

— E o que era aquela coisa? — Ignorou a última parte da fala do Min, até porque tinha certeza de que se colocassem uma peruca feminina nele ou usasse a maquiagem certa, o mesmo poderia muito bem se passar por mulher, mas não iria comentar sobre, tinha quase que certeza absoluta de que seria decaptado antes de ser julgado.

YoonGi revirou os olhos.

— Por que pergunta coisas na qual já sabe a resposta? Era um Spectrum, entendeu?

— Espera, se você é Lucxis e JongIn é Vind, quem é JungKook?

— More.

— E o tal Jin é Chikyu?

O pálido concordou com a cabeça.

— E NamJoon é Aljana.

— Quem é Sunce?

O platinado pareceu hesitar em responder, mas falou, mesmo que em tom baixo:

— Você não conhece ninguém no qual eu falei... Por que estou te dizendo isso mesmo? — Suspirou. — HoSeok.

TaeHyung iria continuar perguntando a ele, mas foi interrompido por sua mãe que apareceu na sala:

— Filho? Aconteceu alguma coisa? Pensei que estivesse conversando com alguém.

Arqueou as sobrancelhas. Sua mãe não o via?

Olhou para Yoongi, sem saber o que fazer e ele negou com a cabeça. O Kim entendeu que não deveria falar dele para ela.

— Não, não é nada, mãe. Pode voltar a dormir, eu também já vou.

Ela concordou com a cabeça e voltou para os seus aposentos, apenas murmurou para YoonGi:

— Vamos continuar no quarto, será mais seguro e minha mãe não vai pensar que sou louco.

— Eu adoraria que ela achasse que você é louco, seria divertido.

TaeHyung lhe olhou feio, mas o mesmo apenas ignorou e foi para o cômodo que lhe pertencia. Trancada a porta, o moreno se jogou na cama.

— Pode ir me contando tudo o que eu preciso saber ou até onde pode me contar.

O Min suspirou.

— Bem, deixe eu pensar um pouco... Ah, sim. Podemos dizer que somos guardiões, além de deuses. Protegemos tudo o que vive em Midgard e tentamos evitar que guerras aconteçam.

— Midgard?

— É como chamamos o mundo humano.

— Acho que estou entendendo um pouco.

— Isso é bom, assim não preciso explicar as coisas milhares de vezes! — Resmungou. — Somos quase imortais, tirando que podemos morrer em batalha. No entanto, sempre renascemos ou se nossa essência está fraca demais para refazer um corpo, acabamos pegando um humano, ser ou objeto compatível até termos força o suficiente.

— É meio errado usar pessoas desse jeito.

O cinzento revirou os olhos.

— É, pode ser, mas geralmente renascemos instantaneamente mesmo. Isso da essência estar "fraca" é mais em casos realmente extremos. — Deu de ombros. — Eu nunca morri em batalha se quer saber, vocês humanos podem não ter conhecimento, mas eu sou um deus da guerra também. Nenhum de meus amigos ou meu irmão morreu em batalha, apenas Byeol.

— Ele não renasceu?

O menor respirou fundo, como se estivesse tentando parecer forte, mas era visível que estava triste e abatido por estar tocando naquele assunto. Parecia que iria chorar a qualquer momento.

— Byeol não era forte o suficiente como Sunce para derrotar Kurayama. Como deve saber, Sunce e Kurayama eram inimigos naturais. Luz e trevas. Apesar de Byeol também ter sua própria luz, ela não era o suficiente para matar alguém tão forte como Kurayama. Ele teve que se sacrificar, mas quando isso aconteceu as essências de ambos ficaram tão dispersas com aquela luta, mas tão dispersas que não havia mais uma consciência alí.

— E assim surgiram as estrelas e os humanos.

O outro concordou.

— O último presente que Byeol me deu.

— ... Mas... Se Sunce era o único que podia pôr um fim em Kurayama, por que ele...?

— Isso não é da sua conta.

TaeHyung queria retrucar, queria mesmo, mas o Min parecia tão abatido e triste com o assunto que resolveu não insistir.

— Você tem um Sting? — Perguntou

YoonGi mordeu o lábio inferior e desviou o olhar.

— Isso também não lhe interessa, mas não. Eu não tenho. É uma longa história, não estou afim de contá-la e acho que muito menos vou chegar a te contar. É um assunto delicado, então não insista.

Concordou com a cabeça, fechou os olhos e suspirou. Era coisa demais para digerir de uma só vez. Abriu os olhos e se sentou, YoonGi ainda estava em seu quarto. Ele olhava para a bagunça em seu aposento com um olhar de reprovação.

— Você não deveria ter ido embora? — Perguntou o Kim.

— Está me expulsando? — Olhou pra ele, raivoso.

— Não! Quer dizer, eu achei que você iria procurar Spectruns ou o que fosse!

— Não fale como se soubesse o que eu faço, você não manda em mim! — Falou, cruzando os braços e desviando o olhar.

— Tá, mas se não vai embora, o que você vai fazer aqui?

— Depende. Que horas são?

— Horas? — Perguntou.

— Sim, aquela medida de tempo que os humanos usam, idiota. — Disse, revirando os olhos.

TaeHyung começou a procurar nas suas coisas pelo seu celular. No meio desse processo, ele bagunçou seu quarto mais do que já estava antes, até achar seu telefone.

— Hã... São... — Falou, ligando o aparelho eletrônico. — 06:05 da...

— SEIS E CINCO?! DROGA, O SOL JÁ VAI NA...

Antes que Yoongi terminasse de falar, o mesmo apagou.

Literalmente.

O pálido desmaiou e agora estava dormindo, estando largado no chão. A respiração estava calma e ele parecia estar tranquilo, bem diferente de momentos atrás, mas não parecia ter morrido ou algo assim.

Parece um anjo quando está dormindo. Pensou o moreno.

TaeHyung achou maldade deixá-lo no chão, então o pegou em seus braços, em estilo de noiva, para o colocar em sua cama. YoonGi era realmente leve, parecia que não estava carregando nada em seus braços, sem contar a sua pele fria e branca. Se ele não estivesse respirando, o Kim poderia jurar que ele estava morto.

O colocou em sua cama e olhou pela janela de seu quarto, o sol estava começando a subir no céu.

— É, parece que Sunce resolveu dar as caras. — Falou em tom de brincadeira.

O mais alto bocejou, tecnicamente havia virado a noite acordado.

Olhou para Yoongi. Agora se perguntava: o que eu vou fazer com esse deus, deusa, que seja desmaiado na minha cama?

Uma ideia surgiu em sua cabeça.

Ele tinha o número de YiFan para tirar suas dúvidas com relação a sua matéria, poderia marcar com ele para conversar e o mesmo lhe dizer o que fazer.

Pegou o celular e ligou para o seu professor, na terceira ligação que YiFan atendeu.

— Alô? — Falou com voz grave e ouviu um resmungo do outro lado da linha.

— YiFan? Sou eu, Kim Taehyung. Atrapalho?

— Não, está tudo bem, aconteceu alguma coisa? — Alguém falou do outro lado da linha. — Por favor, Tao! Estou no telefone!

— Eu acho que liguei em um mau momento.

— Não, não. Pode falar. O que aconteceu?

— Bom... Hipoteticamente, o que você faria se um cara aparecesse no seu quarto, falasse que é um deus e que os "humanos" o chamam de Lucxis, do nada desmaiasse e estivesse dormindo que nem uma pedra na sua cama?

Houve um silêncio do outro lado da linha. TaeHyung pensou que a chamada tivesse terminado, mas quando verificou, o contador continuava rodando.

— Precisamos falar sobre isso pessoalmente.


Notas Finais


Cap mais explicativo mesmo, como eu disse, só apartir do 4 que o bagulho fica legal :')

Espero que tenham gostado!

Nos vemos no próximo cap!

Kissus de açúcar! ( ˘ ³˘)❤

Fui~

~foge pras montanhas~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...