1. Spirit Fanfics >
  2. Byakugan Princess and Queen Hyuga >
  3. Primeira Fase - Orgulho

História Byakugan Princess and Queen Hyuga - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Olha só quem retornou com um novo capítulo de Byakugan Princess and Queen Hyūga? Isso mesmo, a tia Moka! Sentiram saudades? 💖

Enfim, esse capítulo promete muito romance e cenas fofinhas, além da exaltação da nossa preciosa hime! Eu sempre deixo mais detalhes no final do capítulo, pois eu sempre tenho a mania de falar mais do que eu deveria, então apenas se divirtam com o novo capítulo! O capítulo anterior foi um Especial, mas agora vamos voltar aos trilhos e continuar com o enredo da fanfic!

Boa leitura! 💖

Capítulo 16 - Primeira Fase - Orgulho


Fanfic / Fanfiction Byakugan Princess and Queen Hyuga - Capítulo 16 - Primeira Fase - Orgulho

O pano molhado deslizava por sua pele lentamente, retirando os resquícios de suor que ainda havia na pele da Hyūga.

Hinata havia acabado de sair do seu treinamento com Sakura para melhorar seu controle de chakra, sendo o primeiro dentre muitos outros treinos que viriam. A perolada jamais pensou que aperfeiçoar seu domínio próprio sob a energia que corria rapidamente por seu corpo fosse algo tão complexo e delicado, principalmente ao se lembrar dos exercícios intensos que a Haruno lhe pediu para fazer. Controle de chakra não era algo que exigia esforço físico, como quando treinou com Guy para abrir os Portões Internos e sempre voltava com os músculos de sua estrutura trêmulos, mas sim, necessitava apenas de concentração e cautela — algo que se provou completamente árduo de se atingir. A primeira dinâmica se mostrou muito mais fatigante do que pensava, pois tratava de manter-se sentada em cima de uma tábua de madeira que ficava acima da água, enquanto equilibrava dois copos preenchidos com um chá relaxante — que Sakura falou ser sua recompensa, caso conseguisse concretizar a tarefa — na ponta dos seus dedos mindinhos por um tempo indeterminado.

Resumidamente: ela teria que concentrar chakra para evitar de que a tábua afundasse com ela junto, ao mesmo tempo que mantia os copos estabilizados, sem sequer mexer ou tremular, por mais de horas consecutivas.

Hinata achou a tarefa um absurdo de impossível, chegando a perguntar se a rosada não estava curtindo com a cara dela, mas quando viu a Haruno fazer essa mesma tarefa com facilidade e praticidade, a Hyūga simplesmente aceitou e encarou o desafio. Para sua sorte, toda vez que ela falhava na "missão", sempre caía dentro d'água, o que já lhe refrescava e tirava um pouco do suor. Além do mais, o recorde máximo de tempo da primogênita de Hiashi nesse treinamento de controle de chakra foi de treze minutos, antes de cair e afundar no lago, enquanto a meta necessária que a rosada estipulou pedia três horas naquela mesma posição.

— Bem, a Sakura disse que era normal falhar no começo, só preciso me acostumar e afinar mais o meu controle de chakra. — Hinata falou para si mesma, olhando para suas próprias mãos, esperando que, em um futuro próximo, fossem as mesmas mãos capazes de salvar quem mais lhe era importante para si.

Olhando para o sol quente que brilhava fortemente sob sua cabeça, a perolada julgou ser umas quatro horas da tarde. Uma das vantagens de treinar com a rosada é que poderia ir embora no horário que quisesse, contanto que sentisse satisfeita com o treino do dia, já que, muitas das vezes, Sakura era chamada por Tsunade ou pelo próprio hospital de Konoha, então nem sempre poderia acompanhar o desenvolvimento da Hyūga pessoalmente — contudo, a Haruno já havia lhe avisado que todo final de semana iria observar a morena com mais cautela, afinal, era os dias mais livres para si, então gostaria de ver progresso. Hinata abriu um sorriso gentil ao lembrar que ela e Sakura se aproximaram bastante nesses últimos dias, se tornando amigas íntimas — do tipo que troca fofocas ou segredos —, diferente de antigamente, onde ambas eram mais "companheiras" do que reais amigas.

De repente, Hinata se lembrou do pequeno cronograma que havia montado para organizar melhor seu tempo, pois havia tanta coisa que queria fazer e pouquíssima organização para cumprir suas vontades. A primeira, claramente, era disponibilizar, pelo menos, quatro horas do seu dia para treinar seu controle de chakra ao lado da rosada, em seguida, iria diretamente para o clã Hyūga para aperfeiçoar uma nova técnica — desta vez, um jutsu feito por ela própria, que envolvia diversas características novas com base no Jūho Sōshiken — e estudar um pouco na biblioteca do seu clã, sempre na procura de mais respostas e conhecimentos sobre o misterioso Juinjutsu imposto sob Hanabi e Neji. Sem sequer perceber, Hinata se tornava mais obcecada pelo selo do clã Hyūga, pois não era possível que não houvesse sequer um livro em Konoha inteira que não sanasse as severas dúvidas que a perolada tinha.

Suspirou, percebendo que seria mais um dia cansativo para sua mente sempre tão cheia de perguntas sem respostas.

— Aquela é a Hinata, Kakashi-sensei?!

Uma voz nitidamente escandalosa dominou sua atenção, fazendo o seu coração disparar feito um louco ao perceber que Naruto e seu professor, Kakashi Hatake, se aproximavam da Hyūga. A clássica vermelhidão dominou as bochechas da perolada, principalmente ao observar a feição do Uzumaki sorridente, notando certos arranhões e alguns galhos na roupa do loiro — seu estômago revirou ao achar o rapaz extremamente atraente com os cabelos completamente bagunçados. Era claro que Hinata achava Naruto charmoso, quem não acharia? Um rapaz gentil, de sorriso fácil, cabelo tão sedoso e brilhante quanto a mais fina seda de ouro, olhos azuis tão límpidos e uma personalidade motivadora. Era a combinação perfeita para fazer o coração da primogênita de Hiashi se perder em um mar de sentimentos.

Assim que a dupla dinâmica se aproximou, notou que o Uzumaki demorou um tempo maior para lhe cumprimentar, diferente do seu professor, que fez questão de elogiar a garota logo de cara. Entretanto, mesmo entrando em uma curta conversa cordial com o Hatake, a Hyūga ainda sentia os olhos safiras do seu grande amor em si, começando a pensar que havia algo estranho na sua roupa, como alguma sujeira ou um bichinho que a perolada não conseguiu perceber antemão.

— Naruto, não te ensinaram que não se deve ficar encarando uma dama? — Kakashi indagou, começando a se incomodar com a feição curiosa que seu aluno portava.

— Eu não estou encarando, Kakashi-sensei!!! — de repente, da mesma forma que um relâmpago, as maçãs do rosto do Uzumaki se tornaram vermelhas como um tomate. Ele estava... corando? — Eu não devo ser o único a ter notado que Hinata está diferente, oras!

Ah, então era por isso. Antigamente, a Hyūga utilizava suas roupas de missão para ir treinar — um velho costume seu —, porém, agora que Hanabi havia destruído sua antiga vestimenta e a nova veste já estava em suas mãos, começou a utilizar ela no lugar da antiga. Hinata sabia que muito de seus amigos e companheiros de Academia ainda não haviam vislumbrado a beleza da perolada em sua nova roupa de kunoichi, e era a primeira vez em que o loiro se encontrava com a Hyūga depois da mudança explícita no guarda-roupa dela, então ela compreendia a surpresa — e entendia que o Uzumaki era bastante atrapalhado nas palavras.

— É a minha nova roupa de missão, Naruto-kun. A antiga já não estava mais sendo útil para mim, então decidi pedir uma nova. Hanabi e Kurenai-sensei me ajudaram muito. — ela explicou, olhando para si mesma. Apesar de algumas peças da sua roupa estarem levemente úmidas pela água do lago em que treinava há pouco tempo, era fácil notar que esta vestimenta era muito mais compatível com a estrutura da perolada do que anterior. Hinata ergueu o rosto e abriu um sorriso tímido, encostando seus dedos indicadores um no outro. — O que a-achou?

Os olhos azuis de Naruto novamente analisaram a morena, como se fosse uma espécie de crítico de moda. Em certos segundos, conseguia ver um leve tom rosado dominar as bochechas do Uzumaki, mas, no fim, um sorriso enorme reinou naquela face tão conhecida e admirada pela mulher.

— Está muito bonita, Hinata! Muito mais do que antes! — o loiro disse, soltando leves risinhos enquanto levava ambas as mãos até sua nuca.

— Eu usaria palavras melhores para te elogiar, Hinata, mas acho a mesma coisa que o Naruto. — o Hatake falou baixinho, apenas para a Hyūga lhe escutar. O risinho tímido da garota foi resposta suficiente para o Joūnin, que sorriu por debaixo da máscara. Seus livros até que lhe eram úteis em momentos como aquele, pois aprendia muitas dicas de como uma mulher deve ser tratada: com cortesia e respeito.

— Fico feliz em ter encontrado vocês aqui, estão indo para algum lugar? — a Hyūga indagou, ainda curiosa sobre o motivo de haver tantos resquícios diferentes na vestimenta de Naruto, até mesmo uma folha se fazia presente na cabeça do rapaz.

— Estou fazendo um treinamento para criar uma técnica nova, Hinata! — a alegria com que o Uzumaki falou isso contagiou a morena, que abriu um sorriso ladino. — Eu chamo ela de Rasenchuriken!

— É apenas uma variação do Rasengan, mas vai ser bastante poderosa quando terminarmos de melhorá-la. — Kakashi finalizou a explicação, se alegrando com a animação do aluno em relação aquilo, já que estavam trabalhando nisso fazia algum tempo já, então notar que o loiro não havia desanimado era algo motivador e gratificante. — Mas e você, Hinata? Parece toda encharcada, andou tomando banho em algum lago?

Hinata olhou para si mesma e soltou um muxoxo tímido, misturado com um risinho anasalado: — Faz parte do meu treinamento com a Sakura, ela está me ensinando a controlar melhor meu chakra.

— Ah, faz sentido. Ela contou algo relacionado a isso alguns dias atrás, aliás, ótima escolha de professora. — Kakashi disse, parecendo demonstrar um certo orgulho na voz, afinal, Sakura também era sua preciosa aluna e não havia ninguém melhor em Konoha para ensinar a Hyūga a controlar seu chakra sem desanimar a perolada no processo.

— Você e a Sakura-chan são incríveis, vão conseguir finalizar esse treinamento rapidinho! — e foi com esse comentário final que a dupla de professor e aluno se foi, caminhando para uma direção contrária a da Hyūga após se despedirem dela, que se lembrou dos seus afazeres e começou a correr para chegar o mais rápido possível até o seu próprio clã.

Com sorte, conseguiria adiantar muita coisa.

[...]

O queixo da Hyūga se encontrava apoiado na palma de sua mão, ainda presa na leitura em que fazia. Era o vigésimo livro da sua coleção sobre Juinjutsu e até mesmo Fuinjutsu — estava tão desesperada em busca de respostas que buscava conhecimento até nos mais improváveis livros, mas só o fato de saber que ambos tinham um pequeno "parentesco" já lhe era suficiente.

Com o dedo indicador, virou a página e retornou sua atenção para o conteúdo a sua frente, que dizia:

"O Hyūga Sōke no Juinjutsu — Selo Amaldiçoado do clã Hyūga —, um selo impiedoso que todos os membros da família principal marcam na família secundária. Seu principal objetivo é selar a capacidade do Byakugan assim que morrerem, impedindo que o inimigo consiga desvendar os mistérios desse poderoso Dōujutsu. O objetivo secundário é dar total controle dos membros que recebem esta marca para a família principal, uma vez que pode ser ativado com um simples selo de mão, que apenas um membro da casa principal conhece".

Hinata bufou, irritada por ler a mesma baboseira repetidamente. Para sua sorte, como Hiashi tirou o título de herdeira do clã quando criança, seu pai jamais lhe ensinou tal selo, mas lembrava-se claramente da posição de mão que o homem de cabelos levemente grisalhos fez na noite em que colocou o selo na testa de Hanabi — e ativou-os na frente de todo o clã. A Hyūga sentia uma amargura sem igual só de pensar que esse Juinjutsu havia sido feito apenas para enfatizar mais que a casa secundária do clã descendente de Kaguya era feito por único motivo: servir a casa principal.

Suspirou, bebericando do chá de hortelã que havia preparado para si e deixado ao lado de sua mesa de estudos, até ouvir um pequeno ruído de madeira estrelando. A perolada rapidamente ativou o Byakugan, temendo que fosse seu pai ou algum membro do conselho, mas soltou todo o ar que prendeu inconscientemente ao perceber que era apenas Neji, que se aproximava com sua clássica postura rígida, que não combinava em nada com o sorriso gentil que o moreno oferecia para a prima.

— Não pensava que te encontraria aqui tão cedo, já que Hanabi me disse que estava treinando com Sakura. — Neji confidenciou, puxando uma cadeira para se sentar mais perto da Hyūga.

— É, ela me deixa sair mais cedo para dar uma estudada. — Hinata respondeu, organizando a mesa tão bagunçada, repleta de livros abertos e alguns empilhados. A perolada percebeu que o olhar de seu primo fixou-se na capa de um dos livros, chamados "Juinjutsu: dos mais simples aos mais difíceis".

A feição antes tão meiga e pacífica se tornou levemente mais séria, fazendo o Hyūga apalpar o livro que Hinata há pouco estava lendo. Por algum motivo, Neji se sentiu aquecido ao saber que, mesmo sendo da casa principal e aquilo não afetando em completamente nada na vida dela, Hinata ainda se esforçava para descobrir a chave que libertaria ele e Hanabi daquele terrível destino que não permitia deixá-los viver suas próprias vidas. Neji sorriu, passando a mão por cima da capa de couro do livro em suas mãos.

— Não pensava que quando dizia "estudar", era pesquisar mais sobre o Juinjutsu do clã Hyūga. — o moreno falou com um pequeno tom de humor na voz, parecendo achar graça, já que pensava que sua prima estaria buscando conhecimento sobre jutsus antigos ou, até mesmo, como criar uma técnica.

Hinata compartilhou do humor do primo.

— Apesar de me sentir realmente atraída pela teoria de algumas aéreas que envolvem ninjas e suas habilidades, tenho certeza que não conseguiria me concentrar sabendo que, em algum lugar dessa biblioteca, a resposta que tanto preciso pode estar bem na minha frente. — Hinata sussurrou, revelando sua frustração pela tonalidade com a qual disse. Neji franziu o cenho, percebendo que a perolada à sua frente estava agoniada com a falta de respostas.

O moreno delicadamente afundou seus dedos nas madeixas macias e azuladas de sua prima, acariciando o topo da cabeça dela, enquanto que com a outra mão puxava-a mais para si, enlaçando a Hyūga em um abraço amoroso e caloroso. Sentiu Hinata se aproximar mais, já que as cadeiras de ambos estavam consideravelmente longe uma das outras, e se sentar no colo do rapaz que, surpreendido, suspirou ao perceber que a garota se aninhava mais em seu peito, afundando o rosto na curvatura de seu pescoço.

Neji sentiu seu corpo entrar em combustão, mas se controlou, pois percebia que a áurea de sua prima estava tão esgotada e cansada que, talvez, para restaurar seu próprio ânimo, ela só precisasse de um abraço ou ombro amigo com quem poderia confiar. O moreno era a prova viva de que os últimos dias de Hinata estavam sendo corriqueiros e movimentados, sempre se encontrando preenchida de deveres ou em missões arriscadas — como quando foi ao resgate do Kazekage ou investigou o Monte Shumisen na procura de algum membro do grupo terrorista mais procurado: Akatsuki.

Fora que, para pesar mais ainda na mente da Hyūga, duas das pessoas mais importantes da sua vida estavam fadadas a serem simples servos, com um selo altamente perigoso marcado na testa de cada um. Encontrar a paz que sua alma tanto clamava parecia ser um feito bastante utópico.

Restava à Neji melhorar, parcialmente, pelo menos, o humor de sua querida prima.

— Eii, Hinata, quer sair um pouco? Sinto falta de quando saíamos para treinar no campo ao lado. — Neji perguntou, inventando uma desculpa esfarrapada para tirar ambos do clã e ter um momento a sós com a morena. Isso seria proveitoso também, pois Hinata conseguiria respirar novos ares e refrescar sua mente tão absorvida pelos problemas.

Assim que vislumbrou a mais bela visão das pérolas da Hyūga em seu colo ganharem um brilho incomum, juntamente do mais doce sorriso, o moreno se animou.

— Estou precisando, Neji-nii-san.

Hinata se ergueu rapidamente, sentindo o rubor intenso dominar sua feição ao perceber a cena íntima em que se encontravam anteriormente. Como ela havia sido tão imprudente e agido sem pensar assim? Havia se aconchegado no peito do moreno de uma maneira tão pessoal, mas não conseguiu evitar ao sentir o afago carinhoso do rapaz na sua cabeça — isso era carência ou saudade? Afinal, fazia mais de semanas em que não tinha algum contato realmente próximo do primo, sendo que ele era uma parte importante de si. Adorava perceber que as cútis claras do rapaz robusto ficavam mais suaves ao dirigir a palavra para ela, ou quando ambos treinavam juntos e ele sempre se prontificava para ajudá-la a levantar, mas isso era apenas uma lembrança distante que não se repetia com tanta frequência. Bem no fundo, o afeto que Neji sempre entregou de bandeja para ela fazia falta e, naquele exato momento, apenas se rendeu para aquela vontade súbita de estar mais próxima do primo.

Hinata se sentiu mais envergonhada ainda ao perceber que sua face tímida e envergonhada foi o motivo do sorriso alinhado e perfeito de Neji. O moreno adorava testemunhar a face de sua prima ficar vermelha, ainda mais quando o motivo de tal rubor era ele.

Não demorou muito para que a dupla Hyūga saísse da biblioteca e andasse em direção ao famigerado campo de treinamento, um lugar precioso para ambos os perolados. Era um dos poucos ambientes em que Hinata e Neji conseguiam conversar entre si sem que o mais velho fosse alvo de julgamento, afinal, a intimidade que os dois compartilhavam entre si era anormal para o clã Hyūga, pois havia toda aquela picuinha que separava a casa principal da secundária, mas ao lado da primogênita de Hiashi, Neji não precisava se importar com isso.

Quando estavam a sós, ele não precisava usar o sufixo "sama" para se referir a ela, porém usava mesmo assim, não apenas por respeito, mas por admiração. Hinata era um lampejo inabalável e esplêndido, que fornecia esperança de um futuro melhor — um no qual Neji era acolhido pelo calor fascinante dos braços de sua prima, lhe abrindo portas para libertá-lo das amarras do destino imposto à ele.

Hinata era sua luz, querendo ou não.

— Não me diga que até hoje você não usou sua nova roupa de missão, Hina. — Neji indagou em meio a um riso divertido.

— É claro que já usei! Estava usando ele hoje mesmo, mas como molhei a roupa inteira durante o treino, coloquei-o para lavar e secar. Vou ter que me acostumar a usar roupas mais simples para treinar e deixar minha nova vestimenta de missão apenas quando tiver tarefas importantes. — Hinata resmungou, inflando suas bochechas ao ouvir a gargalhada de seu primo dominar sua audição. Era tão bom ver Neji com um humor tão esvoaçante, ao contrário de sua feição séria e fechada que demonstrava para outros membros do clã, com exceção de Hinata e Hanabi, que sempre tratou com afeto e carinho.

— Não acho a ideia ruim, é bem prática, na verdade. Aliás, já tem ideia de quando vai ser sua próxima missão?

— Não sei, Neji-nii-san, é bem provável que eu ainda fique por mais uns três dias inativa, só para seguir certinho as recomendações dos médicos, mas Kurenai me falou que ela e o restante do time estão fazendo missões leves por enquanto, vão voltar a pegar missões mais árduas assim que eu voltar para o time. — Hinata afirmou, abrindo um sorriso ladino ao lembrar que Shino havia lhe dito que, sem ela, metade do poder do time despencava, já que a Hyūga era, praticamente, o às do grupo com o maior poder ofensivo até o momento.

O sorriso de sua prima não passou despercebido por Neji, que também acompanhou o gesto discreto e levantou o canto de sua boca. Apesar de se sentir distante da Hyūga nos últimos dias, o moreno sabia que o crescimento e desenvolvimento de Hinata já estava em outros níveis — tanto em questão de habilidades quanto sua própria mentalidade —, corroborando uma nova perolada que fazia o mais velho sentir orgulho, muito mais do que sentia antes. O jeito de andar, falar e até mesmo de gesticular haviam mudado, revelando ao mundo uma nova mulher que transmitia ainda mais bondade e gentileza, apesar de estar construindo um arsenal capaz de destruir um esquadrão ANBU inteiro sozinha.

Afinal, para Hinata, simpatia jamais foi sinal de fraqueza.

— O jeito que você cresceu rapidamente me assusta, ao mesmo tempo que me deixa orgulhoso, Hinata. — Neji confidenciou, parando sua caminhada ao perceber que já haviam chegado ao destino final. O vento estava calmo naquele dia, balançando levemente as madeixas cumpridas e macias do moreno, dando um ar angelical ao rapaz que mantia seu olhar fixo no chão, reflexivo. — Acho que a nova "você" sempre esteve aí dentro, só precisava de uma chance para sair e se aventurar pelo mundo à fora.

Foi então que Hinata sentiu as mesmas borboletas no estômago revirarem por dentro, principalmente ao se ver encantada pela paz que as pérolas tão belas de seu primo transmitiam. Ela conseguia vislumbrar um carinho desmedido ali, além de uma esperança enraizada bem profundamente na alma do rapaz, que sabia ter entregado seu futuro para as mãos mais delicadas e certas daquele mundo. Foi então que o coração da primogênita de Hiashi disparou ao ver que a distância que existia entre os dois foi diminuindo, até o homem colocar o dedo indicador abaixo do queixo da mulher, fazendo-a olhar para cima — já que o moreno era relativamente maior que ela.

Oh, Neji jamais conseguiria ver uma visão tão magnífica quanto aquela, com aqueles olhos tão esbranquiçados quanto a neve e uma feição tão mega e avermelhada quanto a de Hinata. A Hyūga era perfeita sem sequer tentar, e isso parecia tirar qualquer tipo de hesitação que havia do peito do moreno em questão de segundos.

O perolado se pôs a quebrar o que restava da longitude entre os dois, depositando um selinho cheio de amabilidade na testa da garota de cabelos levemente azulados, que tornou-se ainda mais vermelha do que antemão. Neji sorriu, se divertindo com a cena.

— Vamos, antes de começarmos a treinar, quero que me mostre suas novas habilidades, Hina. — o Hyūga falou, soltando uma risada ao ver que sua prima ainda continuava paralisada depois de toda aquela tensão climática que rolou. Até mesmo Neji estava impressionado consigo mesmo pela ousadia — já que nunca passou dos abraços —, mas queria manter as coisas assim por enquanto: na perfeita paz, sem nada para estragar a tarde que tem tudo para ser a das mais encantadoras da sua semana.

Assim que a Hyūga balançou a cabeça afirmativamente, o moreno foi em direção a um banco de madeira que havia ali próximo, se sentando confortavelmente no objeto rústico, observando sua prima ir diretamente para o centro do campo. Hinata ainda estava absorta pelos seus sentimentos que, recentemente, entraram em uma completa euforia que mal soube suportar ou controlar, temendo que fosse desmaiar naquele exato momento em que Neji se aproximou, mas, para sua sorte, se manteve sã.

"Se concentre, Hinata! Mostre para o seu primo o que vem treinando e aperfeiçoando esse tempo todinho!", seu subconsciente declarou, obrigando-a a respirar profundamente e amenizar o turbilhão de emoções que havia dentro de si. Quando abriu seus olhos, sentiu que já estava em equilíbrio.

— Como você sabe, na última missão que tive com o Time Kurenai, um chakra estranho apareceu em meu corpo e tive muitos problemas com ele, pois é como se fosse uma energia viva que ganhasse vontade própria, clamando para entrar em batalha. Quando tentei usar o Jūho Shōshiken sob efeito do chakra roxo, quase perdi o controle do jutsu e, como você sabe, eu poderia até mesmo ter me ferido por conta disso. — Hinata começou e, rapidamente, assim que olhou para suas mãos, o enorme molde dos Leões Gêmeos feitos de chakra apareceram com uma facilidade sem igual. — Andei treinando bastante e já posso dizer que me tornei apta para ativar e desativar o Jūho Shōshiken no momento em que eu quiser, sem ter que fazer um grande esforço ou enorme concentração para tal.

O olhar admirado de Neji fez com que um sorriso tímido nascesse nos lábios de Hinata.

— É algo louvável, Hinata. Além de ser uma das únicas do clã a dominar essa técnica, praticamente se tornou mestre nela. Esse jutsu exige uma concentração enorme, então é incrível que você consiga ativar essa habilidade sem sequer fazer um grande esforço. — Neji comentou, cruzando os braços e mostrando seu sorriso ladino. Lembrava-se claramente da época em que estava ajudando sua prima a controlar essa habilidade, recordando-se perfeitamente da dificuldade que ela tinha em formar os simples rostos dos leões, sendo que, agora, já poderia ser considerada uma mestre em tal idoneidade.

— Vou sentir ainda mais praticidade quando finalizar meu treinamento com Sakura, além de me sentir mais confiante caso esse chakra roxo venha aparecer novamente. — Hinata terminou a primeira parte da sua explicação, desativando o Jūho Shōshiken de ambas as mãos. — Bom, também posso dizer que consegui dominar alguns Portões Internos, já que, na minha última luta, eles me salvaram. Consegui chegar até 128 palmas duas vezes no mesmo dia com o chakra interno liberado, não posso abandonar a minha melhor carta. — Hinata vislumbrou a carranca se formar na face de seu primo, resultando em várias gargalhadas ao reconhecer a preocupação do rapaz. — Eu sei, tudo bem, vou usar os Portões Internos apenas em casos realmente urgentes e não vou exagerar tanto como na última vez.

— Acho bom, não quero ter que te visitar em um hospital de novo. — a voz grossa do homem saiu bastante séria, mas Hinata conseguia ver completamente a apreensão do rapaz sobre tal habilidade, então preferiu passar segurança sobre tal inquietação através da sua fala.

— E, por último, a minha Kuchiyose! Ele se chama Isamu e é uma espécie de leão ninja, Neji-nii-san! — Hinata exclamou, andando uns dois passos para atrás antes de usar seu dedo mais afiado para fazer um pequeno corte no seu polegar, observando o pequeno filete de sangue escorrer pela sua mão. Antes mesmo que o sangue começasse a coagular, a Hyūga colocou a palma no chão e gritou: — Kuchiyose no Jutsu!

Uma enorme fumaça branca se ergueu, fazendo com que ambos os membros do clã descendente de Kaguya Ōtsutsuki ficassem sem perceber a magia que acontecia por detrás. Quando a nuvem finalmente se dissipou, um enorme animal apareceu, porém, distinto de quando Hinata e Isamu se conheceram. Desta vez, o gigantesco felino que, anteriormente, possuía o tamanho de um prédio, estava da mesma altura de um simples leão selvagem, alcançando a cintura de sua invocadora — apesar de sua pelagem continuar obscura e negra como a noite, com uma leve aparência de ser macia como um algodão. As pérolas da Hyūga se arregalaram, lembrando claramente que, da última vez que invocou o leão, estava em um lugar afastado de Konoha e o felino estava muito maior do que agora.

— Hinata-sama, algum problema? — a voz cordial do animal assustou Neji, que apenas observava o recém-invocado bicho com perplexidade. Nem mesmo Akamaru, o Ninken de Kiba, falava, imagina um leão?!

— Isamu, pensava que você viria muito maior, do mesmo tamanho de quando nos conhecemos. — Hinata revelou sua dúvida, observando o felino se sentar sob as duas patas traseiras e observar o lugar em que foi invocado. Pelo visto, não havia nenhum perigo.

— Desculpa, não consegui lhe explicar direito da última vez em que nos vimos, Hinata-sama. Agora que me tornei sua Kuchiyose, lhe devo mais informações sobre como funcionará nosso relacionamento. — Isamu iniciou, mostrando certo ânimo em seus olhos da mesma cor da neve. — Meu tamanho sempre irá variar de acordo com a quantidade de chakra que você usar quando for me invocar. Se utilizar grandes quantias, posso vir do tamanho de uma Bijū, mas só sua reserva de chakra não iria conseguir, então não recomendo que tente, pode enfraquecê-la caso esteja em batalha. Contudo, caso use uma quantidade mediana, posso vir dessa altura, parecida com a de um felino selvagem.

Hinata abriu um sorriso radiante para Isamu e para seu primo, que apenas observava a pequena interação entre o invocado e o invocador.

— Tudo bem, faz sentido. Eu também gostaria que me explicasse algumas coisas, lembra? Você me disse que iria sanar outras dúvidas sobre esse aparelho em minha mão e outros detalhes. — a Hyūga estendeu sua palma dominante em direção ao animal, que pareceu analisar o modo que aquele item precioso no formato de um losango fixou-se bem centralmente na mão de sua portadora.

— Bom, muitas das virtudes do Tesouro Sagrado de Hiruko serão revelados no futuro, no meio de suas batalhas, já que meu antigo mestre pouco me falou sobre tal, mas eu já te expliquei uma das funções do aparelho da última vez que nos encontramos, Hinata-sama. — Isamu comentou, falando honestamente para a Hyūga na sua fronte. Apesar de ser uma das criações mais sofisticadas e bem feitas de Hiruko, pouco o leão sabia dos outros experimentos em que o ex-mestre trabalhava, descobrindo certos detalhes quando se atentava ou bancava o curioso, mas fora isso, seu conhecimento era escasso, principalmente em relação ao artefato incrustado na mão de sua atual invocadora, pois era a mais bem e perfeita criação técnica de Hiruko, sendo também a mais misteriosa.

Isamu sabia de outros detalhes sobre o artefato também, mas preferia revelar isso com o passar do tempo para Hinata — e com a evolução do relacionamento dos dois. O felino tinha seus próprios motivos para se ver encantado pela bondade da Hyūga, além da intensa curiosidade sobre como aquela humana, em específico, convivía ou enxergava o mundo. O leão, bem no fundo, se sentia feliz de ter encontrado alguém tão gentil, que não encarava-o com medo e tratava ele com respeito e cortesia, como se fossem iguais.

Neji que, até então, se manteve sentado, sempre analisando e observando as pequenas interações, se aproximou de sua prima e apalpou a mão dominante da garota, dedilhando o pequeno aparelho metálico que se encontrava centralmente na palma da perolada. Hinata não havia lhe mostrado tal artefato, então era algo novo e que causava certa preocupação no Hyūga.

— Dói? Além do mais, qual é a função desse aparelho, Hinata? — o moreno perguntou, sentindo o olhar do leão fixar em si assim que se aproximou da prima. Não se importou nenhum pouco, pois sua propriedade era apenas a mulher de cabelos azulados.

— Apenas incomoda, Neji-nii-san, já que não estou acostumada com ele ainda. — a Hyūga respondeu, soltando um risinho anasalado ao abrir e fechar e fechar a mão. — A função desse aparelho é sugar chakra e convertê-lo para minha própria reserva de energia. Ele funcionará assim que eu encostar o aparelho na superfície de algo, mas ainda preciso treinar mais o modo de ativação dele. 


— Sugar chakra?! — Neji indagou em meio a uma exclamação espalhafatosa, impressionado com tal afirmação. — Isso significa... Que você jamais irá sofrer com falta de energia, já que vai conseguir roubar chakra dos seus adversários e converter para sua própria reserva... Isso é incrível, Hinata!!!

As bochechas da Hyūga ruborizaram. Ainda não estava acostumada com tantos elogios seguidos, principalmente de Neji.

— Não é? Posso utilizar chakra sem me preocupar de agora adiante. Estou até mesmo planejando utilizar ele no meu novo jutsu que estou criando, só preciso entender mais o mecanismo dele e juntá-lo ao Jūho Sōshiken. — Hinata explicou, abrindo um enorme sorriso animado e entusiasmado com tais informações. Era gratificante sentir que todo seu esforço e motivação para se tornar mais forte estavam dando frutos maravilhosos, tornando perceptível para qualquer um que vislumbrasse a nova perolada.

— Quem é ele, Hinata-sama? — Isamu indagou, observando a dupla Hyūga em uma pequena interação animada. O leão pôde notar que os olhos do rapaz eram idênticos ao de sua mestra, devem ter algum parentesco distante, pois era a única coisa de semelhante entre os dois.

— Ele é o Neji, Isamu, meu primo. Não se preocupe, ele é muito gentil e alguém importante para mim, não é ninguém perigoso. — Hinata explicou, fazendo um pequeno afago no topo da cabeça do felino, que pareceu soltar um estrépito parecido com um ronronar ao sentir o carinho de sua mestra.

— Se ele é importante para você, é importante para mim também, Hinata-sama. — Isamu afirmou, abaixando a cabeça levemente para o rapaz ao lado em sinal de respeito. No contrato entre os dois, sua invocadora deixou claro que a segurança de sua família era mais importante que a dela própria, pedindo para o felino não hesitar em salvar uma garota chamada Hanabi e um homem de nome Neji, mesmo que a vida da própria perolada estivesse em jogo também.

— Vou demorar a me acostumar com você, Isamu, mas se você também protege Hinata, tem meu respeito. — Neji balançou a cabeça, abrindo um sorriso ladino para o animal, que soltou um barulho afirmativo para o homem.

— Ótimo! Isamu, o que acha de explorar o lugar? Eu e Neji vamos treinar um pouco, vai ficar tudo bem. Qualquer coisa, pode se deitar de baixo de uma árvore também. — Hinata falou, observando o felino andar até perto de um arbusto e se estirar ali, cruzando as patas da frente enquanto mantia-se com a postura ereta. — Aliás, eu já disse para parar de usar o "sama" quando se referir a mim, pode me chamar só de Hinata.

— Recuso, Hinata-sama. — o leão continuou negando, ainda com sua expressão séria, que arrancou uma gargalhada de ambos os Hyūga.

— Ele parece com você no começo, Neji-nii-san. — Hinata falou, se lembrando de quando a perolada insistia que o rapaz não precisava usar o sufixo de extremo respeito para se referir a ela quando crianças.

— Não posso negar. — o moreno concordou, abrindo um sorriso enorme para sua prima antes de ir para o meio do campo, pronto para começar uma batalha que ele sabia ser árdua.

[...]

O corpo de Hinata estava trêmulo como muito tempo não esteve, porém, diferentemente de antes, a Hyūga não estava triste ou desanimada, mas sim, alegre e risonha. Treinou com seu primo até a lua se mostrar no horizonte e ambos os perolados desistirem de lutar um com o outro, afinal, passaram mais de horas usando as técnicas do clã Hyūga — Neji lhe fez prometer que não usaria nenhuma das habilidades novas, pois o rapaz não teria a mínima chance contra ela caso fizesse uso.

— Sinceramente, faz bastante tempo que não luto contra ninguém que me faça realmente ficar tão cansado e destruído como hoje, Hinata-sama. — Neji confidenciou, gargalhando ao ver a expressão empolgada da prima. Como já estavam dentro do clã Hyūga, o rapaz voltou a utilizar o sufixo "sama", só para manter as aparências, já que a intimidade que havia entre os dois não necessitava de tanta formalidade.

— Sério? Me sinto extremamente lisonjeada em ter sido uma oponente digna para o grande gênio do clã Hyūga! — a perolada falou, revelando sua tonalidade humorada e brincalhona junto de seu sorriso sapeca que ia de orelha à orelha.

— Para com isso, já perdi esse título há muito tempo depois que começaram a aparecer novos prodígios. — Neji empurrou a prima com os ombros, quase fazendo-a cair para o outro lado, enquanto direcionava à ela uma piscadela singela. Com esse gesto, o moreno tecnicamente havia deixado implícito que os novos "prodígios" de quem se referiu na sua fala era a própria Hyūga.

— Ninguém jamais irá lhe substituir, Neji. Para mim, sempre será um gênio. — Hinata consolou o primo, fazendo um pequeno carinho no ombro do rapaz antes de parar. Estava na frente de seu quarto, então o pequeno passeio e troca de brincadeiras íntimas entre os dois perolados findava ali. Hinata ficou um pouco triste ao pensar nesse fato.

— Contanto que eu continue a ser o seu gênio, não me importo com o que me chamam. — o sorriso banhado em afabilidade e elegância foi direcionado à Hinata, que sentiu todo o sangue de sua face esquentar e borbulhar.

De novo. De novo. De novo.

Tudo estava acontecendo da mesma forma que na floresta, com todo aquele reviver de emoções e sentimentos. A conexão de pérolas que acontecia era anormal, e o sorriso amoroso que apenas Neji sabia formar em seus lábios era encantador. Hinata se viu hipnotizada por aquela mistura de beleza com traços tão agressivos e exóticos, que tornavam a face de seu primo tão angelical quanto a de um guerreiro de histórias encantadas com príncipes e princesas.

— Venha cá. — o Hyūga gesticulou com uma das mãos para que a mulher de cabelos azulados se aproximasse, tendo seu pedido sendo atendido. Neji colocou ambas as mãos ao redor do rosto da mais nova, acariciando levemente as bochechas de Hinata com os polegares, enquanto aproximava seus lábios da testa da Hyūga.

"Tão próximo...", o moreno pensou, observando que sua prima havia fechado os olhos com a repentina aproximação. As orbes do rapaz desceram até os lábios convidativos da mulher à sua frente, fazendo-o descer seu rosto, alçando a altura da boca da garota que, com a demora, abriu os olhos e encarou as pérolas nubladas com hesitação e tentação de Neji. Era como se ele estivesse pedindo permissão para o que ia fazer naquele instante, esperando a resposta de Hinata que, com o coração em disparada e a vontade crescente de experimentar novas afeições, apenas fechou os olhos e permitiu-se sentir a maciez dos lábios prensados do moreno contra os seus.

Era um selinho repleto de doçura e romance.

— O que está acontecendo aqui?! — a voz de Hiashi apareceu como um trovão em meio a calmaria que havia se instalado no clã Hyūga.

Hinata e Neji saltaram com o susto, olhando com medo e apreensão para o líder do clã que estava acompanhado de outros dois membros do conselho. O Byakugan de Hiashi parecia fervilhar de indignação com aquela cena. 

Notas Finais


E então? Gostaram? Odiaram? Me digam aí nos comentários!

Primeiro: sim, o treinamento da Hinata com a Sakura será muito bom para a nossa Hyūga, pois controle de chakra é algo praticamente fundamental no mundo shinobi, fora que tenho planos para alimentar mais a relação "SakuHina", e isso tudo terá um motivo futuro — em parte é pq eu realmente amo as duas e só quero criar mais cenas delas. 💖

Segundo: Naruto achando a nossa hime linda é a minha religião! Nosso ninja cabeça-oca é muito abestado, principalmente na época do Shippūden, mas até mesmo ele foi capaz de notar o quão bela Hinata ficou com essa nova roupa. 💕

Aliás, o próximo arco que está por vir irá nos levar até o Sasuke, assim como eu já mencionei, porém, ainda há o arco em que o Time Asuma ganha destaque contra Hidan e Kakuzu — o mesmo em que Naruto aprende a usar o Ransenchuriken. Eu não achei que iria ser produtivo para a Hinata colocar ela nesse arco para lutar contra esses dois Akatsuki, então decidi levar ela para outra rota diferente (que será explicada de pouco a pouco), então eu só deixei implícito aí que Naruto e Kakashi estão treinando e tudo mais.

E sim, eu estava MORRENDO de saudade de escrever "NejiHina", pois todas as cenas em que Neji aparecia eram muito vagas e mal conseguia escrever direito uma cena descente para ele e Hinata. Esse capítulo foi dedicado EXCLUSIVAMENTE para o casal, que possuí um espaço muito precioso no meu coração. Para mim, Neji tem toda essa pegada de apaixonado pela Hinata, mas é uma relação bastante complicada devido esse esquema de casa secundária e a principal. Mas enfim, a nossa Hyūga quase teve seus lábios roubados por Kiba, mas quem deu o primeiro selinho da Hinata foi o próprio Neji — eu não considero selinho um beijo, se virem aí KKKKK

Continuando, muita gente tava sentindo saudades do Isamu, e aqui está: um trecho do capítulo feito exatamente para explicar mais a relação dele com a Hinata. Eu admito que o Isamu é uma incógnita até para mim, pois quando eu estava incrementando ele na estória, eu só havia deixado algo muito vago para ele e decidi ir arrumando isso de acordo com o desenrolar da fanfic, mas meus planos para o leão continuam sendo bastante interessantes. Vocês gostaram da personalidade do Isamu agora que ele e Hinata estão em um contrato de invocação? Ele é todo respeitoso e tem uma pegada de "encantado e curioso" com a nossa perolada, prometo explorar mais isso KKKKK Pensem no Isamu e na relação dele com a Hinata igual a da Sumire x Nue em Boruto, tanto é que esse negócio do tamanho do Isamu foi inspirado no Nue do primeiro arco do anime.

E o que acharam das habilidades novas da Hinata? Eu já tava devendo uma explicação melhor para vocês sobre o que era aquele aparelho no centro da mão da nossa Hyūga — imaginem ele como uma espécie de Karma, estilo a do Boruto e do Kawaki, só que a diferença é que não é um selo, mas sim, um aparelho metálico mesmo. E sim, É ALGO INCRÍVEL! Se Hinata misturar essa habilidade do aparelhinho (que suga chakra e transforma pra reserva dela própria) com o Jūho Shōshiken, ela praticamente terá chakra infinitamente! É literalmente ela encostar no alvo e o chakra já estará lá! 💖

Me fizeram duas perguntas na MP e eu achei muito interessante, então decidi trazer as respostas até mesmo aqui. A primeira pergunta é se algum personagem da história irá morrer (como Neji) e sim, eu já decidi quem irá falecer e tenho certeza que ninguém irá me perdoar por fazer isso, mas fiquem tranquilos, POR ENQUANTO, ninguém com um real peso na estória irá bater as botas, mas quando chegar a Segunda Fase da fanfic, eu já não posso garantir muita coisa. A segunda pergunta era sobre quais arcos estão por vir antes da Primeira Fase acabar, e são: o próximo arco de investigação, já que a notícia de que Sasuke irá matar Itachi irá repercutir, e o Time Kakashi e o Time Kurenai irão tomar as rédeas da situação; em seguida, o arco de Pain (vocês já devem ter uma ideia do que vai acontecer); o arco da Reunião dos Kages (para mim, vai ser o arco mais complicado de se fazer, mas fé) e depois, o último arco da fanfic, que vai seguir uma rota independente do mangá.

Em toda a fanfic, o arco em que Pain chega em Konoha é o meu FAVORITO, já digo! 💖

Aliás, se algo na fanfic não tiver ficado muito bem explicado ou ficarem curiosos sobre algo futuro da fic, eu sempre estarei tentando explicar da melhor maneira através dos comentários e das MP's, viu? 💕

Eiii (juro que é a última coisa), vocês estão gostando do modo como a fanfic está desenrolando e sendo escrita? Eu estava olhando e percebi que antes mesmo da estória chegar ao capítulo 30, nós já batemos 55.000 mil palavras! Então eu fui parar para pensar e fiquei em dúvida se vocês gostam do formato da estória, pq a maioria dos capítulos estão passando de 4K de palavras, as vezes eu descrevo demais algo e esqueço de outras. Qualquer coisa, eu reduzo os acontecimentos em cada capítulo para deixar ele menor e mais fácil de se ler também, pois sei que ler capítulos de mais de 5K deve ser difícil KKKK

Spoilers do próximo capítulo: uma luta fervorosa entre pai e filha! Diferente da última vez, Hinata já não é a mesma kunoichi que foi derrotada na frente de todos do clã, mas será que é possível mostrar para seu pai essa evolução?

Sim, vou fazer vocês pegarem mais ódio de Hiashi, odeio ele com todo o meu coração :D

Até a próxima, meus beibis! 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...