1. Spirit Fanfics >
  2. Call Me Monster >
  3. Capítulo 6

História Call Me Monster - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Sem mais delongas.. Espero que gostem!!

Capítulo 6 - Capítulo 6


Depois de horas finalmente consegui ver a placa "Bem vindo a GyeoungJu". Eu estava mais perto do que nunca, os quatro dormiam no banco do trem enquanto eu olhava o mundo passando pela janela. Suspirei. Se eu fosse voando seria bem mais rapido. Mas tudo bem. Me contentei e ficar apenas olhando e não sumir de vista. Estava me acostumando com aquelas pessoas ao meu redor.

Olhei bem para os meninos. Chanyeol e BaekHyun estavam de mãos dadas e o pequeno com a cabeça no ombro do loiro. Estavam tão fofos. Acho que eles eram muito amigos. Sehun estava quase babando com a cabeça pra frente e Kai estava dormindo como um anjo do meu lado. Prestei mais atenção nele agora, o maxilar denifido e ao mesmo tempo delicado, seu pescoço que me chamou atenção desde a primeira vez, aquele abdomem então, lembrou de ontem, levantando a blusa do moreno, a delicia que era esse abdomem. 

Voltei para o mundo real quando o trem começou a desacelerar e os meninos começaram a acordar. Olhei para Baek que olhava para minhas pernas, acompanhei o olhar e levava para minha uma ereção. Alguém já tinha me falado porque isso acontecia, mas não lembro, só ignorei e comecei a levantar para pegar as malas que estava guardadas na parte de cima, da bagagem.

Os meninos acordavam aos poucos e iam se levantando também. 

O lugar era bonito. Não era cidade grande como Seoul, era mais uma cidade de interior, tinha muitas arvores e o vento batia forte. Fechei os olhos sentindo apenas o vento se chocando em minha pele coberta pelas roupas que eu estava me acostumando a usar. 

Tive que acelerar o passo quando ouvi pessoas reclamando ao meu redor pedindo passagem, senti Kai me puxar pelo braço, apenas deixei ser levado até sair da multidão. Odeio multidão.

- Que horas são? - Perguntou Chanyeol 

- 12:20 - Respondeu Kai 

Alguma coisa estava errada, eu sentia meu coração apertado como se alguém o tivesse nas mãos. Esse sentimento passou depressa. Porém eu ainda prestava atenção em tudo ao meu redor, alguma coisa me diz que tem algo errado, não sei o que é, não sei o nivel. Será que eu deveria mesmo estar aqui?

Pegamos um tal de ônibus, era bem pequeno comparado ao trem. Apenas segui, calado, aquela sensação ainda não tinha saido da mnha cabeça. "Vai dar tudo certo" eu ficava repetindo pra mim mesmo. 

Não demorou muito para descermos, todos estavam reclamando de fome, inclusive eu. A casa que ficariamos temporariamente era um pouco maior que a do Kai. Tinha uma cozinha, sala, banheiro e três quartos. 

- Certo! Vamos comer algo primeiro depois a gente pensa no que fazer - Disse Baek antes que alguém disesse qualquer outra coisa.

- Comer - Repeti a palavra.. Realmente estava com fome. 

- Isso Kyung! Vamos comer - Baek riu e todos pegaram suas carteiras e saimos para um restaurante próximo. 

O lugar era ótimo, não era chick, também não era muito pobre, era perfeito para comermos a vontade e feliz.

Um homem logo veio com um livrinho cheio de nome de comida, sorri. Cada um escolheu o que queria e chamou o garçom novamente. Cada um fez seu pedido separadamente, Kai pediu pra mim enfatizando que era para vim carne crua. Todos me olharam com nojo, inclusive o garçom, e eu sorri mais uma vez. 

A comida estava ótima, estava tudo perfeito. Todos comeram bastante e, segundo o Chan, nem deu tão caro assim. Após chegarmos em casa todos deitaram onde conseguiram, alguns nos sofas, outros no chão e eu no centro do tapete.. Os meninos começaram a conversar sobre assuntos nostalgicos. 

- Nossa lembra quando a gente trazia as garotas aqui? - Começou Sehun e todos sorriram.

- Tinha uma... Aish.. Como era o nome? - Continuou Kai.

- Ashley - Respondeu Baek 

- Isso.. Ashley... Era estrangeira... Meldels.. 

- Ela não era muito silenciosa - Riu Sehun e todos sorriram e concordaram. 

Kai tirou o sorriso do rosto. 

- Era bom aquela época, em que não nos preocupavamos com nada. 

- É... - Concordou Chanyeol. 

Sehun se levantou de repende e olhou para o menor. 

- Chany nunca pegava nenhuma garota. Eu nunca entendi. Por que? 

- Ah.. Não queria... 

- Sei... - Começou Kai. 

Baek também levantou de repente e quase gritou. 

- TA BOM SEHUN!! Todos já entenderam.. Quer que eu fale? 

- Fala - Dizia Kai sorrindo idiota. 

Baek olhou para Chanyeol e o mesmo sorriu, levantei a cabeça querendo saber do que se tratava. Todos olhavam atentos. Baek suspirou. 

- Eu e Chany estamos namorando. 

E desse momento só se ouviram gritos. Todos os amigos gritaram sorrindo e sairam correndo pulando em cima dos dois coitados que recebiam também travisseiradas. Sorri. Realmente eles eram engraçados. Após minutos finalmente deixaram os dois em paz. 

Decidiram por não fazer nada hoje, Sehun e Kai pesquisaria sobre leões nas redondezas. Chany estava com Baek assistindo algo na TV e eu estava no sofá pensando... O que era estar namorando alguém? Será que era ficar de mão dada igual eles faziam? Então eu namorava o Kai? Por que eles tinham que falar em voz alta para se tornar oficial?

Naquela noite decidiram que eu dormiria com Kai, Baek com Chan e Sehun sozinho, segundo ele era "seu castelo". Após decidir quem tomaria banho no Jokey Po acabei ficando por último e quando sai todos ja se encontravam trancados em seus quartos. Vi Kai novamente de costas para mim. suspirei. 

- Kai... - Chamei. 

- Hmm.. 

Pensei um pouco antes de perguntar. Será que era uma pergunta muito idiota? 

- A gente namora? 

Kai se virou rapidamente e me olhou espantado, oxi, ele se levantou devagar e veio até mim, me abraçando e eu obviamente retribui. O abraço dele é ótimo, me senti protegido de tudo, protegido de Suho, protegido do mundo, eu não queria mais solta-lo. 

- Nós não namorados Kyung - Faloi Kai, Olhei pra ele com ar de curioso, como assim? Ele pareceu entender minha pergunta e continuou. - Quando você namora você assume um relacionamento... Sério... Vocês se beijam... Vocês... Transam... Um relacionamento é o conjunto de três coisas: Amor, confiança e respeito. 

Eu prestava bastante atenção, eu confiava em Kai, tinha respeito por ele... Mas o que seria a terceira coisa? 

- Amor? - Perguntei e Kai sorriu, se aproximou mais colocando a respiração em meu pescoço e senti meu coração acelerar pela primeira vez, arrepiei. 

- Isso ninguém consegue explicar... Você só vai saber quando encontrar - Kai falava muito proximo do meu pescoço, fechei os olhos sentindo seu calor invadindo minha pele. 

Kai se afastou novamente e olhou para minha ereção recém formada e sorriu safado, não entendi e joguei a cabeça pro lado tentando compreender o que aquilo significava. O moreno se aproximou novamente e encostou sua ereção na minha. Gemi em satisfação e me assustei comigo mesmo, fazendo Kai rir da minha inocencia. 

Senti novamente sua respiração em meu rosto mas dessa vez ele não se afastou mas sim se aproximou mais, senti seu labio encostando no meu. Era macio, gostoso, fechei os olhos e precionei mais, querendo mais contato. Aquela sensação era estranha porém prazerosa.

As mãos do Kai foram para minha cintura e as minhas para a sua. O moreno jogou sua cintura pra frente pressionando nossas ereções e gememos em conjunto. 

O mais velho abriu a boca, colocando a lingua dentro da minha e eu fiz o mesmo, aprofundando assim o ósculo. Então isso era um beijo? Era bom, muito bom. Fui mais rapido o fazendo perder o ritmo da respiração, assim como eu. Infelizmente Kai precisou de oxigênio e eu o olhava querendo mais, aproveitei que ele estava sem blusa e me aproximei, passando a lingua por todo seu abdomên o ouvindo gemer ainda mais segurando meu cabelo. Era melhor do que eu imaginava, ele era quente e cada vez esquentava mais, e eu me aproveitava da situação e lambia ele todo de uma forma que ele estava adorando. 

Aquele penis pulsando estava me matando, eu precisava dele, por algum motivo eu queria lamber ele também, deve ser pelo meu instinto animal, será que seria estranho?. Abaixei sua calça e ele seu membro quase pulou no meu rosto. Nossa babei. Era lindo, quase brilhava pra mim, e assim eu passei minha lingua por toda sua extenção o fazendo gemer alto demais, é... Acho que fiz o certo então, então continuei fazendo varias e varias vezes até que ele disse com dificuldade. 

- C-ol-oc-ca  d-dentr-ro. 

E assim acatei, colocando-o dentro da minha boca e chupando. Ele bambeou a perna e foi andando para tras até sentar na cama. Tornando mais facil para mim e para ele. Chupei com vontade, era delicioso, era perfeito. 

- AAAAH CARALHO!! E-Eu... 

Não conseguiu terminar a frase e soltou algum tipo de liquido dentro da minha boca. Eu engoli e dei uma última lambida em seu abdomen antes de voltar para seu corpo e beija-lo mais uma vez. Só que agora com paciencia. O coração de Kai estava muito acelerado, poderia ouvi-lo a quilômetros de distância. 

Kai apenas jogou seu corpo pra trás, se deitando ainda com seus pés para fora da cama. Eu subi na cama deitei do seu lado como um cachorrinho. 

O moreno sorriu, mais para si mesmo do que para mim. 

- Caralho! Foi o melhor boquete da minha vida... Puta que pariu! Tem certeza que nunca fez isso antes? 

Sorri com seu comentario e assenti. Sua respiração começava a normalizar. Ele abraçou minha cabeça com o pouco de força que tinha e eu sorri. Kai me deixava feliz. 

 

Todos acordaram cedo para começar a procura. Começamos pelo zoologico que tinna na região.. Vai que eles forão capturados também e trazidos para cá. Os meninos se dividiram para pagar meu ingresso. Adentramos o local... Tinha muitos animais... Que ridiculo! Os humanos precisavam dessa brutalidade pra conseguir ver um simples animal? Era de tanta necessidade assim? Kai sentiu meu desconforto com aquele lugar e apressou todos para chegarem logo aos leões.

- Os animais aqui são bem tratados, recebem banho, comida e tratamento ideal para não se sentirem presos. - Baek falou. 

- Eles estão melhores que eu - Completou Chany. 

Sorri tentando parecer tranquilo com aquilo. Porém eu sabia que mesmo assim estava errado, minha mãe adorava cacar, ela não gostaria que trouxessem comida pra ela. 

Tentava não pensar nisso e só seguir. As crianças viam os animais admiradas, o quao grande eles eram.

Andamos em torno de 20min e finalmente chegamos aos Leões. Era o que mais estava cheio. Todos queriam ver o leão. Kai disse para eu não usar minhas habilidades em público, poderia chamar muita atenção e as pessoas ficariam com medo. Sofri um pouco mas consegui ver. Um Leão e uma Leoa. Mas não era quem eu queria. Eu não os reconhecia. Entristeci. 

- Calma... Esse foi só o primeiro lugar - Kai Sorriu tentando me reconfortar. 

Assim seguimos para um tour especial dentro do próprio zoologico, para ver animais de perto, poder passar a mão. No anuncio dizia ter animais selvagens. Eu queria ver.

E lá vamos nós no segundo passeio. Entramos em um carro mais parecido com uma jaula. O lugar realmente era grande e possuia varios animais, dessa vez, soltos. Fiquei mais aliviado.... Mas não teve leões na viagem. 

E assim foi nosso dia. Indo em todos os lugares que Sehun havia pesquisado para encontrar os leões corretos. Já era quase 13hrs. Eu já estava quase desistindo, eles não estavam ali. Mas os meninos estavam tão empolgados que não consegui dizer. Eu caminhava cabisbaixo. Eram muitos da espécie.. Mas não os que eu queria.

Estavamos dentro de um outro carro passando pelo meio da savana aberta. Ouvi um barulho estranho. Parece que ninguém havia ouvido. Fiquei na minha porém atento a qualquer movimento. Kai percebeu que eu estava em alerta e cutucou os outros.  Senti algo estranho em mim. Eu precisava saber o que era. 

Coloquei a mão na janela e uivei.. Alto.. Todos olharam pra mim como se fosse louco, mas não me importava. Meu uivo não era igual ao dos lobos normais. É algo que só eu fazia, meu pai odiava quando eu fazia isso e me batia quando eu o fazia. Mas eu não ligava, era minha marca.

Uivei mais uma vez... E de novo.. E de novo... O motorista parou o carro e perguntou oq caralhos eu estava fazendo. 

Passou alguns pooucos segundos e o primeiro rugido surgiu... Arrepiei, lacrimejei, uma lagrima saiu dos meus olhos. Kai, Baek, Segun e Chan sorriam pra mim. 

Dentre as arvores surgiram três leões e uma leõa... Eram... Meus irmãos... Eram eles... 

Tirei a camiseta e Rugi alto, todos dentro do carro tamparam os ouvidos e eu pulei pela janela correndo rapido em direção a eles com as quatro patas enquanto eles corriam para a minha. Quando estavamos perto eu parei, eles pararam.. Eles estavam grandes, Meus 3 irmãos tinham Juba. Eles já eram adultos, assim como eu. Olhei pra trás e os três meninos corriam em minha direção. 

Olhei para o mais velho novamente e me aproximei. O outro fez o mesmo e nos abraçamos... Abraco de leão, esfregavamos as cabeças e o corpo um nos outros... Fiz isso com todos. Saudade deles. 

Os meninos finalmente nos alcançaram e minha irmã grunhiu feroz. 

Grunhi junto. Mostrando pra eles que os humanos estavam comigo. Ela pareceu não gostar mas ignorou-os.

- Caralho... - Disse Chan, eu sentia o medo dele.

E eu estava feliz. Olhei em volta procurando por mamãe. Olhei pra eles e grunhi perguntando. Todos abaixaram as cabeças... Era isso então... Era essa a sensação? Meus pais haviam ido embora.. Falecidos.. Minha mãe... Aguentei tanta coisa por ela, e ela nem estava aqui.

Chorei... Minhas lagrimas desciam nervosas. Ela havia me deixado. Me coloquei abaixo do meu irmão e chorei mais, o mesmo raspava sua cabeça em meu corpo.

Então a leõa me chamou e deu meia volta, todos a seguiram assim como eu, Kai, Baek, Chan e Sehun um pouco mais atras. Olhei para trás e o carro de turistas havia ido embora, eles nem ligaram pra nós, deveriam estar assustados. 

Andamos em torno de 30min até chegar ao que seria a toca, entrei. E dentro tinha a coisa mais fofa do mundo. Filhotes, em torno de oito. Olhei o mais velho e ele grunhiu dizendo que eram seus sucessores. Sorri, alguma noticia boa. Cheguei perto e peguei um no colo e dei para Kai segurar, o mesmo ficou maravilhado. leões filhotes não possuem senso de defesa, eles são apenas grandes cachorros. Sorri. Era uma cena ótima. 

Meu irmão mais novo me cheirou. Ele havia que eu havia mudado, e eu confirmei. Rugi em resposta.

- Kyung... - Começou Baek e eu olhei pra ele assim como os outros leões. - Agora que você encontrou sua familia... Acho que deveriamos ir... - Baek falou triste e assim que terminou todos abaixaram suas cabeças. Assim como eu. Era otimo encontrar minha familia, ser livre, poder correr de novo. Mas eu não queria deixa-los. Será que eles não poderiam ficar comigo? 

- Fica.. - Disse. 

- Não podemos - Respondeu Kai.. Esse não é nosso habitat. 

E mais uma lagrima escapou de mim. 

- Não acho seguro para nenhum de nós ficarmos aqui. Nem mesmo você Kyung - Começou Sehun, Sehun era o mais inteligente de todos, parei para prestar atenção. - Você foi sequestrado, não? Você fugiu. - Assenti - E se essas pessoas que te sequestraram estiverem atrás de você? Você não acha que aqui seria o primeiro lugar que eles procurariam?

Pensei... É verdade eu estando aqui posso causar dano a minha familia? Olhei para meus irmãos, entre grunhidos e barulhos perguntando se eles haviam visto mais daqueles helecópteros que me pegaram. Eles responderam que sim, as vezes veem passar, mas nunca fizeram mal a eles ou aos filhotes. Mas eles tinham medo, eu sentia. Eles não era filhotes quando aconteceu, eles lembram. Suspirei. Se eu ficar eles vão me achar e vão machuca-los.

Puta que pariu! Até de longe eles continuam estragando minha vida. Até quando eu fugo eles continuam me impedindo de ver minha familia.

Grunhi nervoso, quase como um rugido. Esses filhos da puta vão pagar caro. 

- Eu vou matar todos - Falei decidido. 

Kai e os meninos arregalaram os olhos, como assim? Os leões rugiram em resposta. Estava nervoso. Queria matar alguém, qualquer coisa. Sai correndo da toca em uma velocidade que nem os leões conseguiram me acompanhar. Subi em uma arvore e fiquei, chorei. Eu só queria ficar em paz. Mas eu iria dar vingança a minha mãe. Eu ia matar Suho.

 

O sol estava se pondo quando saimos da toca. Me despedi dos meus irmãos e dos filhotes. Sai do lugar, vendo meus irmãos ficarem pra trás. Fizemos o caminho de volta até onde o carro havia nos deixado.

- Afinal... - Começou Sehun a falar.. A primeira palavra depois de muito tempo. - O que aconteceu?

- Mamãe.. Morreu - Eu disse e as lagrimas insistiam em cair, mas eu não iria deixar - Assim como meu pai...

- E quem eram aqueles? - Perguntou Kai.

- Irmãos. 

- Sabe.. Tem alguma coisa ai que não esta bem.. Normalmente os machos do bando lutam entre si até a morte para pegar a liderança, mas o seu não.. Seu grupo tem 3 leões machos. Por que? 

Expliquei pra eles o que minha irmã me explicou. Eles tentaram, mas meus irmão mais velho é muito forte. Não foi uma luta até a morte, mas foi o suficiente pra eles quebrarem seu orgulho e o deixarem como lider.

Passei o resto do caminho até a cidade explicando tudo o que vivi e contando histórias, sobre antes e depois de ser sequestrado, do meu pai pegando eu e meus irmãos no ninho das hienas uma vez, de eu voando entre os pássaros, minha irmã e eu gostavamos de brincar de lutinha e eu sempre acabava machucando ela sem querer... Minha mãe que dormia comigo nos dias frios. Não eram frases perfeitas mas eles conseguiam me entender, eu estava pegando o jeito da fala.

Demorou, sinceramente, os meninos não aguentavam mais andar. Estavamos andando a 4 horas quando finalmente chegamos na cidade. Pegamos um ônibus e descemos onde seria proximo da casa. A tensão no ar era presente. Eu estava triste.. E bravo ao mesmo tempo. A tristeza pela minha mãe, bravo pelo Suho. Meus irmãos ficariam melhores sem mim, mesmo.

Entrei na casa e fui tomar banho. Parece que havia me acostumado com aquela vida, afinal.  Eu já estava decidido. Eu mataria aquele desgraçado. 


Notas Finais


YAAY Acharam os irmãos...
Mas a mãe... Ain mó dozinha!!

Agora KyungSoo ficou pistola kkk

Vamos ver oq vai acontecer... =D

Bjos

Não esquece os comentários please


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...