1. Spirit Fanfics >
  2. Call Out My Name - Sasuhina >
  3. Chapter Two

História Call Out My Name - Sasuhina - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


ENTÃO,NÉ, AMADXS!

Demorei? Sumi como sempre faço?
Mas, voltei com o final do que era para ser a pequena one.

Agradeço grandemente pelos comentários do capítulo anterior, vocês não tem noção do quanto me incentivam!

Espero que apreciem este último capítulo.
Peguem uma pipoquinha, escutem a música que é a trilha sonora da fic e aproveitem!

Quem não segue a bonita aqui no insta, ainda????
Quero vocês lá @ikarostemari

Beijos!

Capítulo 2 - Chapter Two



"Nos encontramos
Eu te ajudei a sair de um lugar destruído
Você me deu conforto
Mas me apaixonar por você foi meu erro
Eu te coloco no topo, eu te coloco no topo
Eu reivindiquei você tão orgulhoso e abertamente
E quando os tempos eram difíceis, quando os tempos eram difíceis
Eu me assegurei de te segurar perto de mim
Então chame meu nome (chame meu nome)
Chame meu nome quando eu te beijo tão gentilmente
Eu quero que você fique (quero que você fique)
Eu quero que você fique, mesmo que você não me queira
Garota, por que você não pode esperar? (por que você não pode esperar, baby?)
Garota, por que você não pode esperar até eu me desapaixonar?
Você não vai chamar o meu nome? (chame meu nome)
Garota, chame meu nome, e eu estarei a caminho e
Eu estarei a ...
 
Eu disse que não sentia nada, amor, mas menti
Eu quase me cortei um pedaço de mim pela sua vida
Acho que eu era apenas mais um pit stop
Até você se decidir...."
Ruel - Call Out My name

 

Seria estranho se a Hinata afirmasse que poderia mesmo estar sentindo algo pelo Uchiha? Não saberia dizer. Há dois dias, tinha ficado toda a madrugada sentada na cozinha do ex-nukenin, conversando sobre trivialidades, enquanto a casa estava rodeada por shinobis que adormeceram e não foram embora. Bem, foram. Pois, em certo momento, Sasuke simplesmente os expulsou e Hinata auxiliou o moreno na arrumação de toda aquela bagunça. E, aquela normalidade era extremamente incomum e impensável!

Quem a escutaria caso contasse que escutou dos lábios do homem que ao menos se importava em comunicar-se com os outros, que ele quando criança, mesmo sem gostar de doces, os comia, só pelo fato da amiga do irmão, Izumi levar para ele. Pelo fato que na visão de Sasuke quando criança, a menina era como uma irmã que ele gostava muito. Como acreditariam nela, caso confidenciasse que Sasuke estava tendo dificuldades para dormir na própria cama, pelo fato de ter lembranças tão vividas do que viveu ali durante a infância ou do jeito que ele aos poucos estava se permitindo seguir tudo o que Itachi prezava.

A achariam completamente louca, caso afirmasse com todas as palavras que o Uchiha era mega organizado e Naruto o irritava por ser tão arruaceiro, sim, Sasuke tinha dito com todas as palavras cabíveis que mataria o Uzumaki se o loiro apenas pensasse em reunir tanta gente em sua casa de novo, oh, sim. Seria loucura se ela o falasse, mas, não faria aquilo. Apenas guardaria em suas memórias o quanto foi especial estar sem as suas tão firmes barreiras, que durante toda uma noite riu das expressões taciturnas de um shinobi altamente temido e que deliciou-se com os raros e pequenos sorriso dados pelo mesmo, aquela era o segredo que guardaria consigo, de tão especial que era. 

- Com os pensamentos longe novamente, Hinata?_Sentado ao lado da perolada, o patriarca Hyuuga questionou. Debilmente, a primogênita o olhou. Estavam naquela posição a horas, em meio a uma reunião, ouvindo cada um dos conselheiros que expunham pautas a serem tratadas e como futura líder, Hinata se localizava ao lado de Hiashi, que a mirava com um olhar questionador, falando baixo o suficiente para que apenas a kunoichi escutasse.

- Onegai, otousã._Simplista a morena respondeu, voltando a olhar para os mais velhos, que falavam sobre como contavam os dias para que ela assumisse. E a kunoichi riria, senão soubesse o quanto aquilo poderia ser contraditória.

- Desde o dia que foi convocada ao distrito Uchiha, você voltou mais dispersa, algo que eu deva saber?_O patriarca indagou buscando algo na feição da perolada, que apenas suspirou e com um pequeno sorriso em sua face, não virou-se para responder-lhe.

- Estou apenas com muitas funções, otousã. Não se preocupe._Cética e singela, Hinata mentiu. Contudo, não mais questionada, sabia que o pai aprovava a forma cada uma de suas decisões e, também, que ele esperava qualquer deslize dela, sim, a Hyugga sabia muito bem. Porém, não se importava verdadeiramente, ou conseguia. Não quando sentia-se tão leve apenas por ter estado na presença do último Uchiha vivo. Sasuke era diferente e ela, se viu ainda mais presa no ex-nukenin.

- Senhorita Hinata._Com a voz macia, um dos conselheiros a chamou e solenemente, a Hyuuga sorriu, totamente atenta. Enquanto todas as vozes cessaram de uma só vez. E, respirando regularmente, a perolada pode perceber que o próprio pai olhou para o homem, mostrando que sabia o que ele perguntaria. Aquela era mais uma das facetas do Clã. A Anbu, observava cada detalhe do homem de expressão franzina, um daqueles que a kunoichi detestava, que a todo momento tentava a desmoralizar em frente aos outros e em nenhum momento ele era repreendido, Hiashi deixava nas mãos da filha para lidar com aquele tipo de pessoa e a mulher tinha noção, que o pai queria testá-la, ver até onde a mesma poderia aguentar e, bom, ainda estava ali, depois de meses permanecia naquele mesmo jogo. Logo, seria a líder do Clã e não haveria nada mais a ser contestado. - Estive conversando com os outros conselheiros e queríamos algumas respostas da senhorita, se não for incomodar._Sútil o homem a questionou.

- Oh, claro, estou sempre dispostas a suprir seus questionamentos._Sucinta e com uma expressão totalmente descontraída, a perolada respondeu. Analisando a forma que o homem de meia idade a mirava, como se fosse inferior, tentando fazer a Hyuuga se encolher diante dele.

Sendo que a filha de Hiashi não poderia se curvar a qualquer outra pessoa, e não seria diante deles. Hinata demorou a aprender, mas, aquele era seu lugar, mesmo que por muito tempo não o quisesse e se achasse ainda mais fraca por não conseguir ferir Hanabi ou Neji. Por ser como a mãe, como todos diziam, que abominava a violência a prezava pela gentileza. Porém, todos os dias a tratavam como fraca, apenas por não responder a tais expectativas, e naquele segundo, tão segura de si, a kunoichi, queria agradecer ao Uzumaki, que mais uma vez se fez tão presente no amadurecimento da mesma. 

- Sabemos que tem sido o braço direito do Hokage atual e provavelmente, julgamos que também será no Nanadaime assim que ele assumir. Estivemos pensando, por ser tão ligada aos assuntos de Konoha, isso de alguma forma... poderia fazê-la negligenciar a próprio Clã, quando sua lealdade se mostra completamente aos governantes da vila..._Com a voz quase em murmurada, o mais velho ralhou. O patriarca a olhava de soslaio, esperando uma resposta. E calmamente, Hinata apoiou os dois braços na mesa, olhando-o diretamente, tinha se preparado para ouvir algo assim, e aquilo, a maneira que ele parecia acusá-la de algo que poderia acontecer futuramente não a assustava. Não mais e orgulhosa, a perolada mordiscou os lábios, expulsando qualquer nervosismo, confiando em si. 

- Creio que esse ponto não precise ser esclarecido. Sou a Anbu de confiança de ambos e a ligação entre Konoha e o Clã. Durante a minha liderança, estaremos novamente colocados como o braço direito de Konoha, somos os shinobis mais bem treinados e organizados, protegemos os nossos e cuidaremos da vila. Minha lealdade é completamente com a minha família, com os Hyuugas. Mas, não muda o fato de sermos ninjas e servimos os Rokudaime e futuramente ao Nanadaime e uma boa relação, nos renderá bons frutos._Rápida a mulher soltou.

- Está nos dizendo que um dos Clãs mais importantes de Konoha, vai se submeter as ordens diretas do Hokage? Então, porque deveria assumir. Se está apenas simplificando as coisas. Em tempos de paz, não precisaremos buscar por aprovação do governante, temos nossas próprias leis._Aspero e direto, o homem retrucou.

- Mais uma vez, creio que esteja enganado. Não há tempos de paz, não verdadeiramente. Konoha ainda precisa ser defendida, independente se não existem ameaças nesse exato momento, não importante quem as governe. Somos um dos Clãs mais fortes, somos a primeira defesa e eu quero estreitar esses laços tão desgastados com o tempo, por sermos orgulhosos demais. Nenhum Hokage, nenhum mesmo interferiu nas leias do Clã e assim permanecerá sob a minha liderança, isso não quer dizer que não passarei cada decisão a eles. Unidos sempre seremos mais forte, e eu aprendi após a morte de Hyuuga Neji, que sempre é tempo de reavermos nossos atos e pontos de vista. O senhor deveria fazer o mesmo, para que possamos ter uma boa convivência. Mais alguma questão?_Olhando-o com seriedade, Hinata absorveu a sensação de contentamento, Hiashi a mirava com admiração. Independente de ser algo que ele gostaria, apenas, pela filha estar sabendo lidar com qualquer situação. E mais uma vez, contendo a emoção, a kunoichi desejou que o primo estivesse observando-a e que estivesse orgulhoso com o seu crescimento. 

- Não, obrigada por me responder, senhorita Hinata._Sentando-se novamente o homem falou.

- Pois bem, a reunião de hoje está encerrada._Sem mais delongas, Hiashi a dispensou, assim como todos os outros. E caminhando apressadamente Hinata rumou ao próprio quarto, rindo sozinha, por ter sentido a presença de Sasuke.

- Sasuke-kun é louco..._Sussurrou, subindo as escadas apressadamente, sem esconder a felicidade em senti-lo ali. Ao entrar no próprio quarto, a mulher olhou para todos os lados e viu na janela um falcão parado com um pequeno pergaminho sob ele, tão imponente quanto Sasuke. - Oi? Posso?_Tímida e caminhando com cuidado até a ave a Hyuuga questionou, sabendo também que Sasuke a observava, a presença astral dele se vazia presente e ainda mais forte. E quando o falcão permitiu que a kunoichi o tocasse, a mullher deu pulos de alegria e corada pela vergonha de ser observada, leu o bilhete e ainda mais nervosa se jogou na cama, iria desmaiar, tinha certeza que sim!

 

" Hyuuga,
Você tem noção do quanto quero aparecer nesse Clã, apenas por você ter sumido mais uma vez?
Saia dos meus pensamentos.
Uchiha Sasuke."

 

Rindo nervosamente, Hinata imaginou quantas vezes aquele homem poderia ter escrito aquilo, pela forma que a caligrafia saiu perfeita, pelo jeito duro e claro que ele expôs o que queria. Sasuke era assim! E aquilo era estranho! Com ela, ele era totalmente transparente, o mesmo Uchiha prepotente, porém, mais humano. E o shinobi parecia querer atormentá-la. Como ficar longe dele? Se Hinata podia senti-lo em qualquer lugar. 

Pulando na cama, com o rosto totalmente vermelho pela vergonha, Hinata viu os olhos do falcão tomarem a feição do sharingan, como se Sasuke estivesse mesmo ali, independente da presença dele pelo jutsu do rinnegan. Sem saber como tinha conseguido aquele tipo de atenção do último Uchiha vivo, a perolada se apressou e jogando-se na cadeira, pois se a escrever, iria respondê-lo a altura. Hinata nunca se sentiu tão ousada, mas, ao terminar de escrever, pensou no que as amigas diriam. Ela nunca teve coragem se simplesmente ser daquela forma com Naruto, desmaiava toda vez que o via e quando demonstrava seu amor, como na luta contra Pain e na guerra, desejava apenas estar ao lado dele e fazendo-o feliz. O Uzumaki nunca a proporcionou um sentimento como aquele, que a fazia suspirar e ficar extasiada. Era tudo diferente, Sasuke a fazia se sentir especial de uma forma enlouquecedora.

Relendo o que havia escrito, a perolada sorriu, tinha mesmo sido ousada!

 

" Sasuke.
Não deveria ter ideias de vir ao meu Clã, você é um ex-nukenin, mas, ainda não ficou tão louco.
Se preferir posso me ocultar e não terá mais que lidar comigo em seus pensamentos. "

 

Não assinou. E não precisava, prendendo o mesmo no falcão, abraçou a ave junto ao corpo, e a observou partir. Assim, sem ao menos avisar a presença astral do Uchiha desapareceu, deixando-a só. E em um timing* perfeito, a irmã mais nova da perolada invadiu o quarto com um olhar desconfiado.

- One-san, aquele falcão não é o do Uchiha-san?_De braços cruzados a pequena Hyuuga ponderou ao perguntar. Hinata apenas deu de ombros e apontou para que a menina sentasse ao seu lado na cama, Hanabi e conseguia ser a mais perspicaz no Clã sem fazer esforço algum, e Hinata a observou, tão parecida com o patriarca. Ela seria sim uma ótima líder, tinha o pulso firme e  também, era a sombra de Hiashi, a perolada sabia que a gennin entre as duas era a escolha apropriada. Todavia, podia ver claramente que sem aquele fardo, Hanabi sorria mais, tinha mais tempo para desenvolver-se como uma adolescente normal, não como ela e Neji, a mais nova não precisava mais estar em treinos exaustivos até o corpo não aguentar e ao menos, temendo pela própria vida a cada segundo, Hanabi tinha se tornado uma pessoa feliz nos tempos de paz. E, Hinata continuaria zelando por isso. 

- Como sabe?_Sorrindo de lado, ainda corada, a perolada a questionou.

- Eu sei de tudo nessa vila, nissan._Astuta, a mais nova respondeu. - E todos os guardas falaram que viram você no distrito, no dia da festa que eu não fui chamada por ser muito nova. Sei de tudo, onessan._Mordaz, a mais nova continuou.

- Conversarei com o otousã, você tem tido tempo livre demais para tais banalidades. Talvez seja preciso que a enviemos em missões de escolta, com certeza o Rokudaime aprovaria._Fingindo seriedade a mais velha falou, sendo levemente empurrada pela menina, que exasperada mirava a irmã com descrença.

- Você não pode fazer isso comigo! NISSAN, QUER QUE EU SOFRA?_Exageradamente, jogando-se na cama com a mão no peito amais nova questionou. - Eu só queria entender, o bonitão do Uchiha está livre e você não é mais apaixonada pelo Naruto-kun, existem uns rumores....

- Quer mesmo fazer parte da guarda, não é?_sem dar brecha, Hinata perguntou. E veemente, a mais nova negou. - Então saia, não foi nada demais, e eu não quero ouvir mais comentários sobre, tudo bem?

- Se não foi nada demais, onessan, porque o Falcão está voltando?_Correndo para a porta, Hanabi falou alto. - Você está muito vermelha onessan, não desmaie! Nada demais, sei! Estão trocando cartas de amor, eu sabia! Sabia!_Alegremente a garota cantarolava.

- Hanabiiiiii!_Hinata vociferou, fechando a porta e expulsando a irmã, correndo para o Falcão, parou soba a escrivaninha. - Eu poderia ficar com você é tão fofo._Tímida a mulher falou, acariciando a ave mais uma vez. Pegando o pergaminho com uma das mãos, Hinata segurou a respiração, como ele poderia ser tão direto?! E quem Sasuke pensava que era?! Hinata sentia o corpo tremer e aquela palpitação desenfreada, a sensação de estar sendo levada pela avalanche que tinha o nome de Uchiha, se fazia presente.  

 

" Hinata,
Apenas ouse desaparecer, ouse. Você entendeu que não tem permissão para sair dos meus pensamento?"

 

Aquilo era totalmente contraditório a tudo o que havia vivido, Sakura o amando desde a infância, todos idolatrando o Uchiha. Hinata recordava-se de como o via totalmente deslocado e o jeito que sempre era rodeado por belas garotas de cabelos longos, todas tentando agradá-lo. E, também, recordava-se, da maneira em que ela tinha deixado os fios bem curtinhos, para não ser igual as outras, apenas para que Naruto a notasse. Anos depois, lá estava ela, trocando mensagens com um ex-nuketin que buscava a redenção todos os dias, um homem que ao menos era aquilo que todos imaginavam e que aos poucos, a Hyuuga podia conhecer melhor. 

Ao menos parecia certo, antes da guerra, a kunoichi diria com toda a certeza, que nunca poderia gostar de alguém, além do loiro que tanto admirava. Bom, antes... 

Respirando fundo, e afastando as memórias desagradáveis. Sem sorrir, apenas deleitando-se com a gostosa sensação que sentia, Hinata não respondeu ao bilhete, guardando-os embaixo do travesseiro. Ela tinha a intenção de pedir para que a invocação retornasse ao dono. Contudo, olhando para o falcão, percebeu que ele não sairia de seu lado. Sasuke poderia mesmo ser bastante irritante quando queria. 

 

_M_

 

Sasuke não conseguia ao menos deixar de ler os bilhetes enviados pela Hyugga, ela quem tinha escrito a mensagem quando foi feito o pedido para que o mesmo esperasse pela godaime na terra dos samurais. E a ousadia, a forma de falar. Não parecia com a Hinata que Naruto apresentará, nada do que o loiro fala daquela mulher faz jus. 

O Uchiha desde o momento em que conversaram na cozinha, tentava parar de pensar nela, 48h foi tudo o que aguentou, até que enviasse Garuda. E naquele momento, haviam se passado mais dois dias, em que ele mantinha a invocação, pelo fato da kunoichi ter se afeiçoado a ave. Hinata ao menos entendia o qual perigoso poderia ser o seu falcão? 

Carregando-o de um lado para o outro, chamando por apelidos, até mesmo Naruto o questionou diversas vezes o motivos de Hinata estar com uma invocação dele. Por sorte, Kakashi havia retornado, e mesmo que tivesse de estar com Naruto todos os dias, o mantinha quieto. Não queria falar sobre isso. Ainda mais quando ouvia a forma doce em que o loiro se referia a Hyuuga, deixando-o com raiva, por vezes pensou que poderia estar com ciúmes. Mas, o quanto estava ficando humanizado para sentir tais sentimentos? 

A kunoichi era uma incógnita. Hinata era o próprio mistério. Sasuke poderia olhar nos olhos dela e se perder naquela imensidão perolada, da mesma maneira, que poderia correr para ainda mais longe, só de visualizar o sorriso doce e toda a gentileza que a mulher exalava. Simplesmente não conseguia tirar de seus pensamentos, o jeito que ela ficou feliz ao ler o que ele escreverá, pulando como uma menina e mais vermelha que um tomate. Sendo a Hyuuga que ele enfim conhecia. Todavia, sem desmaiar. 

Nervosamente, o Uchiha colocou-se ao lado da janela do Hokage, olhando em direção ao distrito. Sentindo Hinata lá, assim com Garuda. Tinha se convencido que aquilo era mais que obsessão, que o jeito que ela o atraía, era incomum e não deveria ser alimentado. Ao menos queria sentir aquilo, o ex-nuketin entendia que era uma pessoa que conseguia destruir as outras sem muito esforço. E não queria magoar aquela mulher, não poderia. Quando aos poucos, ela parecia cuidar da própria dor. Sozinha, sem pedir ajuda a ninguém. Ela seguia a conselho do mesmo. O shinobi só queria não pensar nela, porém, era quase impossível e aquilo o deixava irado, uma mulher nunca o tinha fascinado. Todavia, a kunoichi, que chegou depois de tudo. Durante sua própria dor, acabou acendendo no Uchiha algo que ele não achava que sentiria. Não mesmo. Precisava tirar a prova, queria vê-la, necessitava estar adiante daqueles olhos perolados.

- Se eu não te conhecesse bem, diria que está com pressa para ir há algum lugar._O Hokage indagou, chamando a atenção do Uzumaki que o olhou com um olhar de recriminação.

- Se ele sair, eu vou junto, não aguento mais ficar nessa sala! Nem a Hina me prendia assim!_Exasperado o Uzumaki afirmou.

- Voltarei logo._Sério, o Uchiha falou em direção ao ex-mentor.

- Não precisa se apressar, are._Kakashi respondeu para o aluno, que assentiu. Sasuke não sabia como, mas, o Hatake sempre o compreendia, antes mesmo dele entender-se. O Hatake tinha feito o que podia por ele e esse era um dos motivos do Uchiha continuar ali, Naruto assumiria e ele faria valer a pena o desejo do irmão. Serviria a Konoha por cada um dos dias, também, pelas pessoas que o amam. - Os boatos estão correndo..._E sem deixar que o mais velho concluísse o pensamento, desapareceu sob os olhos atentos de ambos. 

Reaparecendo no telhado da casa principal, tendo uma privilegiada visão da Hyuuga deitada no grande jardim do distrito Uchiha, ao lado dos órfãos, que também brincavam com Garuda e conversavam animadamente com a mulher. Sasuke tinha total entendimento de que a kunoichi sabia de sua presença, mesmo sem procurá-lo. Contudo, ele preferiu ficar diante, admirando-a tão entrosada com as crianças. A forma que Hinata sorria, o jeito que ela era querida ali, o deixou embasbacado. E o shinobi sentiu algo aquecer em seu coração, tão terno que repudiou-se por sentir-se assim. Tão verdadeiro, que imaginou como seria se nunca tivesse saído de Konoha. 

Observando a gentileza da mulher, ao conversar com os tutores das crianças, que agradeciam por ela ser tão presente, por doar seus bens... ele podia ler os lábios de cada um deles. Nada fazia jus a Hinata. Sasuke ponderou, teria um dia a enxergado caso as coisas não fossem daquela forma? Sem a guerra, sem o luto da mulher, sem toda aquela carga que ele carregava consigo? Não saberia dizer. Apenas tinha certeza, que algo ou alguém os levou a se encontrarem. 

Sem ao menos deixar nada transparecer em seu rosto, o Uchiha continuou a analisando, corada e tímida, enquanto, desta vez, de maneira quase indiscreta o mirava e sorria singelamente. Deixando-o desconcertado. Hinata é realmente o tipo de mulher que agradaria Mikoto, e se encaixaria bem ao Clã, nos velhos tempos. Fugaku tinha se casado com Mikoto, por ela ser o seu equilibríio, a única que o conhecia verdadeiramente. Itachi amou Izumi na adolescência pelo mesmo motivo, talvez, os homens Uchihas apenas se interessassem por kunoichis que poderiam vê-los atrávez de qualquer barreira e, Sasuke podia confirmar, que era daquela maneira que a Hyuuga o via. 

Segurando o impulso mais sombrio de mergulhar nas lembranças de tudo o que perderá, ainda de pé no telhado, sendo também observado pelos outros, que já tinham se acostumado com a presença do ex-nukenin. O moreno fechou os olhos violentamente, ignorando sua própria mente, detestando o martilho, punindo as memórias. A dor era latente, latejada em cada um de seus passos, por toda a vida, foi guiado pelo próprio passado. E, apenas, por imaginar como seria... não queria a dor, não a queria para si. Conseguiria driblar-la. Continuaria lutando contra aquilo em cada um dos dias. Todavia, não mais ficaria a merce daquele sofrimento e ódio. Não quando Hinata o encarava, com um olhar de quem ainda estaria ali, a perolada o mirava com tanta firmeza, que Sasuke mais uma vez... 

Se viu perdido. 

Perdidamente fascinado por ela.

Perdido em suas próprias convicções...

Perdido por por Hinata...

Totalmente por ela.

 

_M_

 

 A estranha sensação se fazia presente. Despedindo-se de todos, Hinata ao menos se surpreendeu por ter ao seu lado, o Uchiha, que imponente se colocou ao lado da mesma. A perolada conseguia sentir a confusão do homem. Aquele conflito interno... ele podia ser tão transparente. Mesmo assim, não perguntou apenas continuou a caminhar de volta para o Clã. Tinha tirado o dia para estar junto aos órfãos, aquilo a fazia ficar em paz e com tantas responsabilidades e pensamentos que a corroíam, a kunoichi necessitava sempre de uma dose de esperança que as crianças lhe davam.

- Seu silêncio me incomoda._Sasuke indagou. Sem olhá-la, o bater das asas de Garuda eram o único som entre ambos. Os habitantes da vila, os observavam com atenção, aquela realmente era uma cena incomum. Que para Hinata que percebia o choque de todos, se encolheu, não por vergonha. Mas, pela atenção que recebiam. - Tsc._Sasuke grunhiu como se ela estivesse repreendendo-a. 

- Tão emburrado._Audaciosa e ganhando coragem, perante ao olhar que o Uchiha lançou, Hinata ergueu a cabeça diante de todos, e marotamente sorriu. Era estranho a forma que sabiam o que um ou o outro sentia.

- Não se encolha diante deles. Os Hyuugas não perdoaram se o fizer perante eles._Duro o Uchiha afirmou. E a perolada apenas revirou os olhos, e ergueu o braço direito, indicando para que a ave pousasse.

- Viu como seu mestre sente minha falta, Garu-chan?_Em provocação, a perolada destilou e a ave que tanto parecia com o Uchiha, lhe lançou um olhar que Hinata entendeu que era repreensão. - Nem você me apoia.

- Sabe que ele é um falcão de batalhas sangrentas e me ajudou a matar Danzou, não é?_Direto e seco, o Uchiha questionou-a.

- Eu ignoro o passado sombrio do Garu-chan. E ele fez para te proteger, então, é um herói._Desviando do que realmente queriam dizer um ao outro, Hinata soltou após um suspiro. Estavam chegando ao Clã Hyuuga.

- Você ignora totalmente o perigo, Hyuuga._Como se para si, o homem confessou.

- Deve ser pelo nosso convívio._Mordaz, a perolada retrucou. E, o ex-nukenin, parando subitamente. Hiperventilou. Tinha aguentado até ali, mas, a forma que ela mudará ao tê-lo no lado e as provocações. Tinha prometido a si, não demorar ao retornar, achando  que seria rápido. Lutando consigo, o homem a puxou contra um beco qualquer, pegando a mulher de surpresa, encostou-a contra a parede fria. Absorvendo a sensação de ver a mulher tão inquietada e sob expectativa. Ele estava cometendo uma loucura. Porém, arcaria com qualquer consequência. 

- Não consigo mais ficar um dia longe de você, decore isto. Pois, não voltarei a repetir._Roucamente o homem explicitou, segurando-a firmemente pela cintura. Reivindicando Hinata como sua, a queria e aquele impulso de tocá-la, parecia gritar na mente do shinobi.

- Sa-su-ke, oh..._Pausadamente da Hyuuga murmurou, sentindo-se queimar, pela aproximação, pelo palpitar em seu peito, pela respiração entrecortada, não sabeia dizer. Mas, aquela ação a tinha desarmado, Garuda desapareceu no segundo que Sasuke a agarrou, estava sozinha, sob as garras do ex-nukenin, e não tinha medo. Também, não queria que ele a soltasse.

- Seu cheiro, a forma que é prepotente em nossas trocas de mensagens, seus atos, tudo fica marcado em mim. Sua distância e essa negação, tudo em você tem me atraído, Hinata. Eu não sei lidar com isso, eu nunca amei ninguém ou desejei. Eu só quis minha vingança, e nunca quis nada com tanto fervor, agora, estou aqui me contento, para não te beijar, porque é o que mais desejo nesse momento._Firme e imponente, sem delongas, o Uchiha sussurrou. observando-a ainda mais vermelha, buscando ar, mordendo os lábios com forças...

Hinata não sabia o que dizer, não quando o último Uchiha vivo deixava tão claro seu interesse, ela ao menos conseguia se livrar das investidas de Naruto, e agora, era colocada literalmente contra a parede. O corpo da kunoichi fervilhava, queimava com a brasa mais forte, deixando-a tonta, não conseguia responder, não diante dos olhos ônix. Ao menos se permitiu gesticular algo coerente, Hinata sentia-se amolecer, e aos poucos, fora perdendo a consciência, e a última coisa que pode ver foi a incredulidade na expressão do Uchiha, e como se só naquele momento pudesse ser feliz, Hinata o sentiu abraçá-la, então... não temeu a escuridão que se sucedeu.

 

_M_

 

Caminhando em direção ao centro de treinamento Anbu, Sasuke quase agradeceu ao Uzumaki por ter sido liberado mais cedo. Queria vê-la, desejava terminar o que havia começado no momento em que a mulher tinha desmaiado. Hinata literalmente desmaiou e como na infância, o Uchiha ficou sem ação, então... ela também sentia algo. 

Sem ser impedido de entrar, o moreno observou cada um dos ex-colegas de turma sentados em volta de Hinata e dois Anbus que ele não conhecia. Todos atentos e aos murmúrios, apostando na Hyuuga. Yamato, o líder do esquadrão o saudou a distância, e encostando-se na parede o Uchiha a analisou vivamente, ela conseguia ser ainda mais graciosa ao derrubar tais homens, lutando bravamente e sem um pingo de temor. Vestindo apenas a calça e o colete do uniforme, a mulher carregava consigo duas kunais, que revesava junto ao taijutsu herdado de sua linhagem. Os pelos do ex-nukenin se arrepiaram quando, imobilizando o mais alto dos Anbus, Hinata com a mão livre, cravou uma das kunais no braço do outro shinobi que cambaleou, que naquele milésimo de segundo, as ônix negras do moreno, encontraram as pérolas tão brilhantes da mulher, que sorriu ladino, em desafio... Hinata, iria mesmo deixá-lo louco.

- Já chega. Todos liberados, e Hinata, o que eu disse sobre feri-los?_O líder do pelotão ralhou e inocentemente a mulher deu de ombros.

- Onegan, Yamato-san!_A kunoichi respondeu e antes que Sasuke pensasse em se aproximar, a mulher foi rodeada por cada um dos amigos, e de longe, ele continuou observando-a, tão entretida.

- O que faz aqui, Sasuke-kun. Não me diga que se juntou a ralé de Konoha?_Ino, que o viu de longe gritou, chamando a atenção para ele, e rapidamente todos os que estiveram na festa, o saudaram.

Ponderando se responderia ou não, descruzando os braços. Quase em um ato animalesco, Sasuke caminhou em direção a eles. Não por querer conversar. Porém, não tinha gostado do jeito que as mãos da Hyuuga estava entrelaçada ao do Inuzuka, o sarnento...

- Apenas, vim buscá-la. Vamos, Hinata?_Cruel e demarcando seu território, Sasuke ousou, beijando a mulher na bochecha, encostando os lábios molhados na pele de porcelana da kunoichi que tremeu, corada pela ação, e pelo tom de voz atenuada do homem. Como em um pequeno aviso, o Uchiha virou-se para o Inuzuka. - Solte-a agora._Ordenou sem paciência e cada um daqueles que viam a cena, seguraram a respiração. A violência e possessividade do homem era claramente expressiva, ninguém conseguia entender o que acontecia ali. 

- Vamos, até mais minna, Kiba-kun._Petrificada, como os outros, a kunoichi se despediu, caminhando para fora e sendo seguida pelo homem. O que ele tinha feito? Em um dia queria beijá-la e no outro a colocava em uma situação como aquela? Sasuke ao menos entendia a patente da mulher naquele lugar? A ação a deixou completamente sem palavras, tudo era uma completa loucura quando se tratara daquele Uchiha instável. Batendo pesadamente o pé contra o chão, cansada pelo esforço da luta, Hinata queria gritar. Ele não podia simplesmente fazer algo assim na frente de todos. Não podia! Quem ele pensava que era? QUEM? - Enlouqueceu, Uchiha?_Deixando a hostilidade explicita, tremendo porque apenas ele a fazia exaltar-se. Um dom dado apenas para atormentá-la ainda mais.

- Hm?_Parando na frente da mulher, o shinobi indagou, gostando da forma que ela exalava o quanto queria matá-lo. E Sasuke não diria que ela poderia conseguir. Mas, que o deixaria em um estado crítico caso realmente quisesse. 

- Você vai pedir desculpas ao Kiba-kun!_Afoita a mulher mandou.

- Tsc. Sarnento._Resmungando, o homem ralhou.

- E eu não quero saber de desculpinhas, vai pedir sim!_Ainda exaltada a mulher retrucou, diante da indiferença tão clara do Uchiha. Sem se dar conta, que ao menos tinha corado ou de estar tão próxima do shinobi, que a encarava de cima a baixo. - E não me olhe assim!

- De que jeito?_Mudando drasticamente de assunto, Sasuke perguntou malicioso. Quase rindo da expressão que se apossou da kunoichi, a forma que se envergonhava, dava todo o incentivo que ele precisava para ficar a centímetros da mesma. - Sempre que eu tentar algo, irá desmaiar? 

- Espero que não._Hinata murmurou com verdade e aquilo pareceu agradar o Uchiha.

- O que quer fazer? Eu realmente vim buscá-la._Afastando-se subitamente, o moreno perguntou. Desejava avidamente passar  o tempo livre que tinha ao lado da perolada.

- Não tem nada que eu possa dizer que vá te impedir de me levar a algum lugar, não é?_Dramaticamente, com as mãos jogadas ao lado do corpo, a kunoichi o perguntou. Sem conseguir entender aquela dinâmica entre ambos. Ao menos queria. Não mais, estava apenas deixando acontecer....

- Não._Certeiro o Uchiha ralhou.

- Entendo. então iremos comer dangos!_Abrindo um sorriso genuíno, sabendo que a carranca de Sasuke era pelo motivo dele odiar doces. A mulher o segurou pela mão, sentindo o calor do homem, arrastando-o consigo até a loja de doces. Ciente de que eram observados. Porém, naquele momento, só conseguia rir da fase do ex-nukenin.

- Eu não vou comer isso._Sucinto o moreno gesticulou ao dizer, quando tinha ficado tão fraco, para que uma simples mulher risse dele de maneira tão deliberada? Se bem, que Hinata não era uma simples mulher.

- Vai sim._Fazendo os pedidos,  a mulher pegou dois, e direcionou um olhar tão inocente e suplicante, que mesmo odiando, Sasuke os comeu. - Gostoso, Sasuke-kun?_Debochando, a perolada perguntou, puxando mais uma vez para o lado de fora.

- Você me paga._O moreno sibilou, entrelaçando os dedos aos delas. Que corou com a ação, sem soltá-lo e sem precisar dizer nada ambos caminharam juntos até o Clã Hyuuga. Sasuke entendia que aquilo era a forma deles demonstrarem que estariam ao lado um do outro, e um pouco antes de chegarem aos portões. O Uchiha a abraçou. Não poderia mudar o passo e ao menos tinha certeza de um futuro entre ambos. Mas, naquele presente. observando os lábios tão rosados da kunoichi e o olhar terno que ela lhe lançava... tudo ficará em segundo plano.

- Não irei desmaiar._Hinata murmurou, como uma permissão. E, sem mais esperar. Sasuke a beijou. Apreciando o gosto da descoberta, do jeito que aos poucos encontravam o próprio ritmo,  pela forma molhada que ambos os lábios pareciam se conhecer tão bem...

Apertando-a ainda mais contra o próprio corpo, Sasuke a ouvir arfar. Agarrando-lhe os cabelos, reivindicando-o como seu, mordiscando os lábios do homem, explorando-o atentamente, beijando-o com ardor. E mesmo sem querer se separar, o possuidor do rinnegan o fez. 

- Hm, você não desmaiou..._Murmurando próximo a boca da kunoichi, Sasuke falou. Ela ainda tremia pela vergonha, não saberia dizer. Porém, ao vê-la sorrir tão expressiva, Sasuke fez o mesmo. Sorriu para a mulher que sem se despedir, correu para a próprio Clã. E o Uchiha desapareceu diante dos olhos dos guardas, que viam a futura líder saltitar de alegria. Eles tinham mesmo ultrapassado um limite.

 

_M_

 

Levemente distraído naquela noite, Sasuke se permitira reviver cada lembrança daqueles dois meses, desde que havia beijado Hinata. Sentado na cadeira do Hokage, com as pernas em cima da mesa, o Uchiha fingia atenção ao monólogo de Naruto que andava de um lado para o outro na sala, mais uma vez o Rokudaime tinha se ausentado. E, mesmo que o ex-nukenin quisesse não se apegar a aquela informação. Sentia que tinha algo perigoso e importante acontecendo. Porém, ficou sob a ordem de vigiar o Uzumaki e como foi solicitado, continuou ali. 

Era quase impossível para o homem esconder o prazer em seu rosto ao recorda-se da maneira tímida e voraz da Hyuuga, que agora, já o esperava no treino e sempre parecia ficar brava quando em um ataque de ciúmes, Sasuke ameaçava os outros Anbus. Ela também parecia mais confortável em estar no distrito, não apenas para estar com os órfãos. Mas, com ele. Hinata tinha involuntariamente, tomado a cozinha da casa principal como dela, brigando constantemente por que o Uchiha não tinha nenhum senso de organização.

Em cada um dos dias, eles tinham uma rotina. Sasuke a acompanhava para todos os lugares, e Hinata muitas das vezes, escapava a noite para que ficassem conversando fora dos portões Hyuuga. Sabiam muito bem os riscos e que eram vigiados pelo patriarca e líder do Clã. Contudo, o mais velho nunca se intrometeu e ao menos Kakashi parecia falar alguma coisa, todos comentavam. Entretanto, os dois tinham um acordo mútuo de viver um dia de cada vez. 

Por estes fato, quando Sasuke percebeu que Naruto desta vez, tinha se calado e parecia realmente tomar coragem para lhe questionar algo. Um assunto pendente e que o Uchiha sabia que uma hora chegaria o momento para que conversassem. Ele apenas se levantou e indicou que o melhor amigo voltasse ao seu lugar e encostou-se na parede, sendo indiferente ao olhar que recebeu, este que se repetia muitas vezes quando o assunto era ela. 

- Diga, dobe._Direto e sem motivos para enrolar, o shinobi indagou, sem expressão.

- É verdade mesmo, não é, teme. Você e a Hina-chan..._Com a pose ereta e a fase séria, o futuro governante de Konoha parafraseou.

- Estamos juntos._Seco e sem rodeiros, o moreno afirmou. Podia ver claramente a mudança em ambos. O amadurecimento e toda a carga que levavam consigo, os fez chegar até aquele instante e Sasuke não conseguia deixar de surpreender em como tudo havia mudado drasticamente na vida dos dois. 

- Então, ela escolheu você..._Quase como um sussuro, o loiro respondeu, sem parar de encarar o portador do rinnegan. - Porque ela?_Naruto questionou sucinto.

- Por que ela é muito mais do que mereço, dobe. Hinata é muito mais do que eu poderia imaginar e desejar._O ex-nukenin falou verdadeiramente. Não queria magoar o Uzumaki, mas, não mentiria sobre nada. Tinham superado aquilo, ele sempre falaria o que tivesse que falar para Naruto, sem fingimentos. - Ela é importante._Reafirmou e o homem em sua frente apenas assentiu em concordância.

- Pelo menos consigo entender o motivo de você ter sido o escolhido, nunca pensei que te ouviria falar algo assim._Com um pequeno sorriso o Naruto explicitou, guardando para si o sentimento ruim que crescia em seu peito. Tinha retribuído ao que Hinata sentia tarde demais, e ele compreendia que ela e Sasuke tinham se encontrado em algum momento e a felicidade de ambos, era nítida, para quem quisesse ver. Ele, também sabia, que eram duas pessoas priorizariam sempre aos outros e por isso, falou a única coisa que veio em mente. - Cuide dela, não a magoe, ela é especial demais e rara. E você, apenas, aproveite cada instante com ela, teme. Ambos merecem isso.

- Dobe, ela pediu para te dizer, que vocês faram dar certo, não sei o que quer dizer. Mas, esse é o recado._Sasuke cuspiu as palavras com sinceridade. Agradecendo mentalmente, por ter sido como Hinata premeditou, tudo tinha corrido bem, Naruto os aceitou. E pela expressão alegre do loiro, ele estava mais que feliz com aquelas palavras.

- Faremos sim, realmente faremos._Esbanjando um grande sorriso, o Uzumaki recordou-se da promessa dela e da Hyuuga, estariam juntos e fariam dar certo. -  É, Teme, a garota pode até ser sua, mas... é comigo que ela come rámem todos os dias._Desafiador e quebrando o clima pesado da conversa, o loiro provocou.

- Ao menos se tornou Hokage e já quer perder a vida._Incrédulo e escondendo o sentimento de pose, Sasuke retrucou.

- Como se pudesse fazer isso, você se rendeu antes e agora, caso eu te bata, fará novamente, teme!_Ainda mais corajoso, o Uzumaki falou, diante do roxo do rinnegan que brilhava e o sharingan aparecia tão imponente quanto o portador deles. 

- Dobe!_Como um aviso Sasuke indagou.

- Mas, o que, que?_Sem bater na porta, a médica ninja, acompanhada da Anbu, exclamou olhando para os dois amigos. - VOCÊS VÃO MESMO TENTAR SE MATAR, DE NOVO? EU NÃO POSSO PASSAR POR ISSO DE NOVO! SEUS IRRESPONSÁVEIS!_Sem aviso algum, a Haruno socou a parede e da mesma maneira que o sharingan do Uchiha desapareceu, Naruto tremia. Enquanto, Hinata dava pequenas risadas.

- Se acalme, Sakura-chan, eles são assim mesmo._Ainda rindo a Hyuuga falou, desviando o olhar entre os dois homens, e com um pequeno aceno, o Uzumaki mostrou que tudo estava bem, um alívio para Hinata.

- Eles não conseguem fazer nada sem nós duas, esses bakas!_A rosada chiou com falsa agressividade. - Se ajeitem, iremos comer alguma coisa, e eu não quero ouvir reclamações._Rápida e pegando os homens desprevenidos, Sakura continuou.

- Vocês duas alegram o meu dia! Obrigado por me salvarem, Hina-chan, Sakura-chan!_Correndo para a segurança das kunoichis, o futuro Hokage disse com sinceridade.

- Ele terminou tudo por aqui, Sasuke-kun?_Hinata perguntou, olhando para o moreno que ao menos tinha se movido, apenas a observava de longe, e a atenção se voltou para o shinobi, que parecia sorrir involuntariamente para a mulher, talvez, ele nem percebesse.

- Sim. Terminou._Sem ao menos respirar, diante da visão da Hyuuga, com o uniforme jounnin, o Uchiha respondeu. Era tão nítido o quando ele era louco pela Hyuuga, era como se toda a vez que a visse, a mulher ficasse ainda mais linda e o sentimento que ele não mais tentava conter, crescia a cada dia.

- Então, podemos ir. Vamos, Sasuke?_Firme e sendo também observada pela rosada e por Naruto, apenas com uma leve coloração no rosto, Hinata o chamou. E se aproximando calmamente, o ex-nukenin, uniu as mãos as da mulher e ambos seguiram na frente, sorrindo um para o outro e alheios a tudo.

Sakura apenas encarou o Uzumaki que retribuiu com os olhos arregalados. Ambos não tinham palavras para descrever a cena. Porém, depois de tudo o que tinham passado, aqueles dois mereciam a felicidade, todos mereciam, afinal de contas. Aquele era um bom começo, uma nova história era criada, e os dois tinham certeza, que daquele segundo em diante, buscariam os próprios caminhos. Como o casal a frente tinha feito e seriam de alguma forma felizes. Realmente seriam.

- Andem logo!_Sasuke ralhou para os dois amigos, que se aproximaram cautelosos. O Uchiha, conseguiu ver nos olhos dos dois, que eles também queriam que desse certo, e aquilo foi mais um incentivo para o homem se permitir, entregar-se ainda mais para aquela kunoichi tão intrigante.

 

_M_

 

 Hinata revirava-se na cama, o dia em que se tornaria líder do Clã Hyuuga, um dos mais fortes e orgulhosos do mundo ninja, estava chegando. E naquela noite, jogada entre os lençóis, Hinata não tinha conseguido dormir, e no exato segundo em que sentiu uma presença na janela de seu quarto, segurou a kunai que guardava em baixo do travesseiro com firmeza. Levantando-se e caminhando sutilmente até a janela, e nada a surpreendeu mais, que um Anbu, desconhecido para ela. Totalmente vestido para a batalha, esperando que ela se desarmasse. 

- O Hokage está te convocando. Agora._Foi a única coisa que o shinobi disse ao desaparecer diante dos olhos da perolada. E com um mal pressentimento, a mulher se vestiu, e antes de sair, encarou o próprio reflexo no espelho, então, colocou a máscara de tigre e seguiu para o prédio principal.

A Hyuuga caminhou sem pressa, em meio a noite de Konoha. Independe do que a esperava na sala, a perolada entendia que era algo extremamente importante e crucial. Apenas tinha sentido essa urgência, quando se jogou na frente de pain, por Naruto e também, quando fora convocada para a Guerra. aquele pressentimento de que alguma coisa não estava certa e ela deveria estar diante de mais um desafio. Sem intenção, ao perceber, a kunoichi temeu.

Procurando por Sasuke, o rastreou em caso e pela leveza do chakra, estava completamente inconsciente, assim como o Uzumaki e todas as pessoas que Hinata amava. pelo menos ser uma kunoichi sensorial, lhe dava aquele tipo de certeza. Todos estavam a salvo, e apenas ela andava em direção ao que quer que fosse.

Ao adentrar o prédio, a mulher respirou fundo, enquanto pesadamente pisava sobre o chão. Poderia ser instintivo o que sentia. Porém, ela sentiu cada uma das espinhas se contraírem ao ver o líder do Anbu, Yamato, indicando que ela entrasse na sala do governante e pela expressão exausta e urgente do Rokudaime, tudo pareceu ser ainda pior do que ela poderia imaginar. 

- Desculpem-me pela demora, onegai._Com a voz baixa, a mulher falou, por baixo da máscara. A sala naquele segundo, consistia no líder Anbu e o Hokage, no lado de fora, uma pelotão de ninjas que ela sabia que faziam parte de outras vilas. Respirando ainda mais fundo, a mulher, os encarou, temendo pelo o que escutaria.

- Are, Hinata._Kakashi começou, com a voz exaurida. - Sei que notou que tem algo errado._O homem salientou, sem desvios desnecessários, assim, notou Hinata, como Sasuke o fazia. - Te convoquei, pois preciso contar, are, te passar informações do que tenho investigado há alguns meses...

- Por isso, tem se ausentado tanto._A kunoichi o interrompeu repentinamente, constatando um fato.

- Exatamente._Mantendo a voz controlada, o Hatake afirmou. - Quero que entenda, seu atual relacionamento com Sasuke, me fez pensar em não contar-lhe isto. É um segredo da aliança, algo que pode mudar o destino de cada uma das pessoas que salvamos na guerra e o dele. Preciso, que voê tenha em mente que te chamei, apenas você. Porque confio nas suas habilidades sensoriais, e pelo fato de que em alguns dias, será a líder dos Hyuugas, e em um voto de confiança em você. A convoquei. Não pode falar sobre isto para ningué, independente do que escutar, are. Muito menos para Sasuke._Sucinto e certeiro, o homem explicou e mordendo os lábios devagar, Hinata queria dizer que não precisava contar, ela realmente não queria saber. por um segundo, se viu novamente em meio a guerra, quando tudo parecia perdido e sentiu medo. A mulher sabia que era observada atentamente por ambos os homens, e segurando-se na kunoichi que havia se tornado, pela paz que continuaria a proteger independente de tudo. A mulher assentiu para os dois. Afinal, era uma Anbu de Konoha e futura líder dos Hyuugas, não poderia temer nada e nem ninguém.

- Estou pronta._A perolada falou astuta e firme.

- Há alguns meses, estão sendo relatados roubos e desaparecimentos, nas fronteiras de cada uma das vilas, principalmente Konoha. Shimakaru, ao lado dos outros representantes estão há muito tempo tentando manter a situação nas rédeas, mas, tudo pareceu pior quando os habitantes começaram a informar, que existe mais de um portador do sharingan._Cético, o líder Anbu quem forneceu a informação. E paralisada, Hinata hiperventilou por baixo da máscara, crendo que era quase um alívio tê-la colocado, para que os dois não vissem suas expressão de choque. Sharingan... Outro portador do Sharigan... Sasuke...

- Dia após dia, estamos nos atendo aos detalhes, alguma coisa está passando. Poderia ser uma crianção de Orochimaru. Mas, eu o interroguei, are. E ele parece tão fanático em descobri sobre que o retirei da lista de possíveis culpados._Kakashi assumiu cansado.

- Um sharingan, mas, todos morreram..._Quase sussurrando, a kunoichi constatou. Lembrando-se da reencarnação de Madara Uchiha... permitindo-se respirar um pouco, a mulher focou-se no platinado.

- Aparentemente, não. Até que descubramos quem é esse portador do sharingan, todo o cuidado é pouco. Como Sasuke está sendo extremamente leal em sua função ao lado de Naruto, ninguém desconfia dele. O que torna tudo pior, se houver um outro Uchiha vivo... Bom, precisamos de você, Hinata._Contido o rokudaime deliberou levantando-se. Então, ela entendeu, ela tinha de achar quem quer que fosse a outra pessoa ou outro Uchiha. Afastando os pensamentos, segurando-se na realidade. A Hyuuga se ocultou, iriam investigar naquele momento, por isso, ela tinha sido convocada no meio da noite. 

- Você está escondendo seus rastros?_Yamato quem questionou, enquanto indicava para todo o pelotão ficar a postos, pois iriam partir logo.

- O Uchiha._Hinata ponderou, tentando parecer impessoal o bastante, enquanto o coração batia rapidamente, aquele era um segredo grande demais. Algo pesado demais para ela. - Ele poderia me achar mais que rapidamente. Preciso tomar algumas medidas._Sem rodeios, a mulher explicitou.

- Vocês ainda tem aquela ligação, não é mesmo?_O Hatake, que não mais vestia o manto do Hokage e sim, um uniforme como o dela, perguntou.

- Nunca deixamos de ter._Cética, a kunoichi respondeu.

- Entendo Are, então, não o chame._E sem mais perguntas, eles partiram, e com o byakugan ativado, Hinata os guiou, esperando voltar logo para casa, para Sasuke e para a paz de Konoha. 

 

_M_

 

Aquela excitação, aquela doce apreciação do que poderia haver pela frente, e, ah, a bela adrenalina, se apossaram na kunoichi, que corraa como a própria força da natureza entre as árvores, tinha disso fácil achar o chakra... fácil demais. O pelotão havia se dividido, e Hinata era a sensorial que guiava o primeiro pelotão, tendo ninjas de Suna e Kiri, mas, o Hokage e Yamato ao sem encalço.

Estavam um pouco mais longe do que poderiam, havia passado da fronteira entre Konoha e Iwagakure, estavam chegando a uma montanha, quando depois de toda a madrugada rastreando-o o suposto portador do sharingan. A perolada indicou que parassem. 

Todos os shinobis, em meio aquela névoa pouco característica da vila da pedra, entreolharam-se, por precaução a Hyuuga se colocou ao lado do governante do Konoha antes de relatar. Ela poderia parecer louca, mas, tinha sido seguidos a todo momento e somente naquele segundo entendeu o motivo de seus sentidos terem descoberto tão rapidamente o outro chakra, ela procurava por algo parecido com Sasuke, com um Uchiha. E, por isso, caíra na armadilha. crispando os lábios a kunoichi amaldiçoou-se. Aquilo... não era um chakra Uchiha, não puro. Muito menos como o chakra de Sasuke.

- O segundo pelotão, que fazia nossa retaguarda, está lutando._Yamato murmurou, apontando para o sinal que haviam combinado. A bomba de fumaça brilhara no céu alertando todos.

- Alguém está dividindo os pontos de chakra, não sei bem. Naquela direção, tem apenas um homem e o chakra dele parece ser o mais forte, tanto que me atraiu._A perolada explicitou.

- Iremos para lá, então, are?_Kakashi perguntou e Hinata não soube o que viu no olhar do mais velho, mas, apenas assentiu brevemente.

- Aqui eu sinto pontos de chakras mais fracos, algo que podem estar escondendo..._Murmurou, olhando para a direita, onde a névoa ficará ainda mais obscurecida.

- Estão tentando desviar nossa atenção. O que devemos fazer, Hinata?_sSem olhá-la o Hokage questionou mais uma vez, aquela confiança. Com um pequeno movimento com as mãos, a mulher decidiu.

- Eu irei seguir os rastros mais fracos. Estão distorcendo a visão do meu byakugan, sigam para esquerda, o tal portador do sharingan os espera._Exibindo as veias do byakugan, concentrada  na investigação que faziam as escondidas. A perolada olhou mais uma vez para o homem que parado há alguns metros, parecia aguardar por algo. O chakra dele, todo o chakra em volta, era modificado, ela tinha total certeza. O byakugan sempre lhe dava uma visão perfeita, mas, aquelas coisas... ao menos sabia quem portava o sharingan. Mas, desconfiava que aquele homem, tinha todas as respostas que a aliança precisava.

- Certo, are. Quando descobrir o que é, nos encontre._E sem sentimentalismo algum, o pelotão e o Hokage, foram de encontro ao da ameaça em potencial.

Hinata deveria ter dito a eles, tinha que ter falado abertamente. Mas, nos três pontos, havia sentido uma ameaça explícita, e quando a mulher adentrou a névoa, encarando as grandes pedras no caminho, não se surpreendeu com aquelas crianças, não, criaturas... não saberia explicar. Eram muitas. Ela tinha certeza que demoraria se contasse. Eles a tinham detectado desde o começo, e segurando a premeditação de uma luta. A Hyuuga apenas os analisou, em posição de batalha. Todos exibindo o sharingan, o padrão era diferente de todos os que já tinha visto ou estudado sobre, a pela daquelas coisas eram brancas, como a de Toneri... exatamente como a dele, inclusive os kimonos brancos.

Poderiam se passar por shinobis ou marionetes do príncipe da lua. Contudo, carregavam ao mais cruel. Algo completamente perigoso no olhar dele, Hinata sabia que estava em desvantagem. Mas, só precisaria enrolá-los o suficiente para que o primeiro pelotão aparecesse. Alguém tinha criado aquelas criaturas com o sharingan, não eram reencarnados ou qualquer coisa que ela já tenha visto. Não era, não mesmo.

Por um segundo, ela mentalizou o rosto de Sasuke não saberia dizer se ele reagiria bem ou mal, não quando todos os dias tentava se redimir por ele e pelo mal que um dia, os Uchihas representaram, aquela era uma incógnita, que ela não queria descobrir. Apagando-o da mente. Hinata apenas focou na luta, no segundo em que organizadamente, cada um daqueles portadores do sharingan a atacaram.

Desviando-se com leveza de cada golpe. A kunoichi sabia que todos partencia decorar seus ataques, enquanto, rápida ela não dava tempo para que fizessem uma defesa. Fechar os pontos de chakras deles parecia algo errado, quando ao menos paravam de atacar quando ela o fazia. Hinata saltou no segundo, que um surgiu do chão puxando-lhe a perna, era não tinha pontos cegos, e não os teria naquele momento. Com o jutsu de substituição, a Hyuuga reapareceu atrás de mais daquelas coisas qure tinham o mesmo rosto, derrubando-os, porém, a cada segundo, apareciam mais. 

Ela girou com delicadeza, no instante que uma daquelas crianças de laboratório, tinha tentado pegá-la se surpresa pelas costas, mas, Hinata rugiu, quando cinco deles, seguraram-lhe a perto, e ela cuspiu sangue, ao levar um soco no rosto. Quebrando a máscara.

- Uma Hyuuga..._Sibilou o que tinha a acertado E nervosamente, Hinata saltou para trás.

- A Hyuuga de Konoha, vila do Sasuke-sama._Outro chiou, pegando-a desprevenida. E apenas para não levar aquela luta para o rokudaime, a kunoichi colocou-se mais uma vez em posição de batalha, teria der atrasá-los, então. Quem quer que fossem, a conheciam, como também sabiam de Sasuke, e aquele respeito e devoção... 

- Podemos usá-la, usar todos eles pare chegarmos ao nosso mestre..._Uma das criatuas rugiu ao dizer, enquanto mais uma vez corriam ao encontro da mulher que ao agachou-se e com o chakra reunido nas mãos, aplicou o punho gentil, abusando de sua capacidade de enxergar o sistema circulatório  de cada um deles e ágil, a kunoichi focou-se em bloquear pequenos pontos de chakra, apenas para imobilizá-los. 

Mesmo que eles tentassem feri-la verdadeiramente, Hinata sabia seu próprio limite e independente do que pudesse fazer, não machucaria nenhum deles, não conseguiria, eram crianças. E, a Hyuuga quase gritou por não ter o sangue frio e calculista, como o Uchiha ou alguns Anbus, no final, sua natureza ainda venceria e ela não iria contra a fragilidade daqueles pequenos corpos que se movimentavam para atacá-la, não os feriria gravemente.

Habilmente, utilizando o o golpe de oito trigramas: palma de vácuo, a kunoichi, expeliu o ataque em massa, criando uma enorme onda de chakra e  lançando os alvos à uma grande distância, evitando os pontos vitas dos mesmo. Como um flash, sentiu o primeiro pelotão avançar até o segundo, onde o Hokage se encontrará, naquele momento, pelo chakra intenso que tomava forma, ela sabia que o homem que tinha visto anteriormente, era extremamente poderoso. Ela ao menos compreendia o intuito daquilo, era uma armadilha clara, porém, porque o sharingan? Porque criar tantas crianças e implantar aqueles olhos, porque logo após a guerra? Tantas perguntas... 

Quando o suor desceu pelo rosto da morena, Hinata permitiu-se bufar, sem parar os ataques, defendendo-se dos oponentes. Procurando uma deixa, segurando uma daquelas criaturas, a Hyuuga saltou para a rocha mais alta, sem muito esforço. E e por um milésimo de segundo, o imobilizou, olhando-o nos olhos, encarando o oponente, decorando cada informação que passaria, tinha 5 segundos até que todos os outros a alcançassem, pegou uma kunai e apontou para o pescoço do alvo, que com as mãos frias a segurou, e Hinata viu a súplica... 

- Não... não me mate..._O desespero. 3 segundos.

- Porque não?_Respondeu ainda encarando o oponente que tremia.

- Es-taa-mos... sendo coon... controlados._E aquele foi o fim, 1 segundo. O bastante para a perolada ficar de pé. Segundos antes de sua cabeça sem prensada contra a parede...

Debatendo-se a mulher encarara o homem. Não o tinha sentido chegar. Era alto e a pele tão branca quanto a de Toneri. Os olhos tão predatórios quanto das criaturas que enfrentou na guerra. Aquele homem só transmitia poder, mas, algo sombrio a fazia lutar mais ainda. O jeito que aquele homem de cabelos negros a segurava pelo pescoço, e a encarava como se fosse nada, com os lábios costurados. Era uma imagem que ela não esqueceria. 

Hinata ainda presa, sentindo o sangue escorrer por trás da cabeça, segurou o grito, quando seu oponente, socou-lhe o estomago. Ela mordeu os lábios com força, ao sentir mais uma vez a cabeça ir contra a rocha. Debateu-se com determinação, tentou acertá-lo apenas uma vez, o chutou, mas, ele ao menos pareceu se importar. 

- Hyuuga Hinata._Com os lábios costurados e sangrando ao fazê-lo, aquele homem falou, encarando-a como se fosse apenas um pedaço de lixo. E, apenas pelo reconhecimento, Hinata tremeu. Aquele medo, aquilo que sentiu ao olhar para ele, ao observar o mangekyou se fazer presente nos olhos dele. A Hyuuga se viu sem saídas, e odiando-se, permitiu que uma lágrima solitária descesse. Ela não poderia morrer ali, não chamaria Sasuke não poderia. Mas, aquele pavor, Hinata ao menos entendia como um ser como aquele poderia conhecê-la, mas, mesmo assim não se importaria. Tinha que fugir, deveria. Era forte o bastante, tinha certeza disto. Contudo, o corpo da morena e a mente se contradiziam, ela apenas ficou a dispor do oponente. - Traga-o._O homem ordenou voraz e a Hyuuga não precisou de muito para entender o pedido.

- Não._Respondeu cética.

- Que pena._De maneira assombrosa ele retrucou, jogando a mulher contra o chão, e no segundo que Hinata pode ver os pelotões chegando. A perolada gritou, pelo sorriso do seu oponente e porque sem exitar, com um chute, o osso central da perna da kunoichi tinha sido partido.

E Hinata não poderia dizer o que era dor ou medo, segurando a perna que sangrava, sem forças para defender-se, perdendo chakra rápido demais, sem o byakugan que desativou pelo esforço feito, sem conseguir se desviar do chute que recebeu diretamente no rosto. A kunoichi, sentiu que nada mais poderia fazer, entendia o que era o fim.  Não conseguia distinguir os pensamentos, todos que amava corría em seu pensamentos, não conseguia respirar. Ela não tinha mais como se mover...

- Chame-o._Ordenou o homem mais uma vez. E negando com a cabeça, ela retrucou, e com um sorriso ensanguentado, a mulher recebeu mais um golpe, sentiu o nariz quebrar quando o joelho daquele ser veio em direção ao seu rosto.

Beirando a inconsciência, a kunoichi permitiu que as lágrimas descessem...

E antes de desmaiar, não temeu mais. Receberia a morte de bom grado.

Mas, pensou nele. Pensou no shinobi que ela amava, o imaginou ao seu lado e ainda chorando, temendo por ele, sussurrou seu nome...

- Sasukee....

 

_M_

 

Quando se imagina no futuro, tinha quase certeza que teria derrotado o Uzumaki, e não que estaria carregando caixas dentro do monumento dos Hokages durante toda a manhã.

- EU NÃO AGUENTO MAIS!_O loiro gritou, fazendo eco dentro da montanha. 

Ambos tinham sido mandado para lá, pois, pelas palavras do Anbu que apontou as atividades que teriam de fazer. Aquelas caixas encostadas nas escadas do monumento, precisavam ser guardadas em uma das passagens secretas, feitas para quando houvesse evacuação da vila. O shinobi afirmara, que pelo fato de Naruto ser o sucessor ao cargo de governante da vila, e as caixas continuam coisas e papéis extremamente valiosas, era preciso que apenas eles fizessem aquilo.

- Cala a boca, dobe._Exibindo sua raiva por estar ajudando ao melhor amigo, Sasuke ralhou.

- ME DEIXA, TEME!_Gritando mais uma vez o Uzumaki devolveu, soltando as caixas em um baque surdo no chão.

- Tudo culpa sua, dobe._Mal-humorado o Uchiha retrucou, jogando as caixas de qualquer jeito no chão.

- Eu não fiz nada dessa vez!_Naruto retruca sentando-se no chão, e pegando uma garrafa de água, o ex-nuketin faz o mesmo, tinham ficado confinados toda a manhã naquele lugar. A última coisa que conseguia ouvir era a própria respiração de resto, estava fazendo-o ter ainda mais raiva. 

- Tsc!_Resmungou em resposta. - Fique quieto, dobe._Pediu em tom de ordem.

Fechando os olhos, Sasuke de praxe, visualizou Hinata e o jeito que ela havia feito ele comer ainda mais doces na noite anterior, rindo como uma garota travessa de uma forma que o deixava ainda mais louco por ela. Apenas aquele pensamento o acalmou consideravelmente foi impossível não sorrir, precisava estar ao lado dela. E pela hora, logo, a kunoichi estaria chegando no distrito para fazê-lo comer alguma coisa que prestasse, Hinata era extremamente rigorosa em relação ao bem-estar dele, e Sasuke não ousaria ir contra a mesma naquela questão.

- Eca. Já está pensando na Hina-chan!_Naruto acusou, jogando uma garrafa no melhor amigo e rindo.

- Quieto!_Mais uma vez, falou. 

- Chato!_O loiro provocou rindo ainda mais. Contudo, quando um arrepio passou pelo Uchiha e o Uzumaki, ficou sério e tão atento quando poderia. Ambos se levantaram. Tinha algo errado. - Kakashi-sensei?_O Naruto indagou, eles não precisavam dizer nada, a urgência do que sentiram dizia tudo. Ativando sharingan, Sasuke procurou pelo chakra do Hokage, desconfiando ainda mais, por não senti-lo.

- Droga._O portador da kyuubi indaga, percebendo apenas pela expressão corporal do melhor amigo, que não o havia encontrado.

"Sasukee..."

Parando de procurar pelo Hatake, o Uchiha ficou estático, a voz, o tom de voz de Hinata, tão baixo e igualmente murmurado. O fez apoiar as mãos no joelho, como se tivesse recebido um golpe.

- Hinata._Sussurrou, caçando-a, tinha alguma coisa fora do lugar. Os dois ninjas mais fortes do mundo shinobi, entreolharam-se buscando respostas.

- Estavam tentando nos distrair._Naruto falou, com o modo sennin ativado. Tentando parecer firme, diante do olhar enlouquecido do Uchiha.

- Meu rinnegan não está achando nenhum dos dois, dobe, encontra ela. Hinata... eu não sinto o chakra dela._Raivosamente, Sasuke pediu, encarando o loiro, que assentiu. E, naquele pequeno tom de pavor do ex-nukenin, Naruto soube que o melhor amigo estava perdidamente apaixonado por Hinata. Da mesma forma, que um dia, ao lutar contra Pain, em que ela ainda o amava, no segundo que Hinata sangrou por ele e declarou-se, o pavor que sentiu, foi como Sasuke estava naquele segundo. E, aquilo o assustava ainda mais.

- Estão em Iwagakure. Kakashi-sensei e outros ninjas, estão indo na direção de onde está a Hina-chan._O loiro explicitou, aproximando-se do Uchiha, que como ele parecia confuso. O que estavam fazendo tão longe?

- E ela?_Cético e exibindo um brilho animalesco no olhar, Sasuke questionou.

- Acho que ferida, teme, tem alguém forte lá e outros chakra me confundindo. Não a sinto direito, mas, sei onde está._Explicitando rapidamente o futuro Hokage falou.

- Vamos._Sem temer pelo o que poderia estar pela frente, o manto da kyuubi os cobriu, e Sasuke os teletransportou no exato segundo em que soube para onde ir. Mataria qualquer um, que pudesse ter tocado em Hinata. Qualquer um.

Sasuke poderia afirmar, que nunca tinha sido um homem ligado a crenças, tinha sempre confiado em seu ódio e força. Mas, no momento em que reapareceram dentro de uma grande caverna, rodeados por crianças ou o que quer que fosse elas coisas, com sharingans expressivos, diante de uma Hinata que era segurada pelo pescoço por um homem, portando o mangekyou sharingan. Ele desejou por todas as forças sagradas, se é que existiam, para que Hinata se recupera-se. Conseguia senti-la fraca. A aparência, todo aquele sangramento, o jeito que o homem a jogou ao ar, rindo, por vê-lo. Tudo parecia um pesadelo, tudo estava errado. E tomado pelo ódio, o Uchiha sabia, que aquele maldito não viveria por mais muito tempo.

- Vá! Eu cuido deles, teme!_Em tom de ordem o loiro o empurrou e rápido, tão veloz quando era preciso, pegou o corpo de Hinata no ar. Notando cada um dos ferimentos, haviam tantos ossos quebrados, o rosto dela... Hinata tinha lutado. Tinha batalhado e naquele instante, colocando-a sob a própria capa. O moreno beijou a testa ensanguentada da kunoichi. Não queria entender como ela havia chego ali, não esperaria por Kakashi e quem quer que fossem os outros, oh, não...

- Patético._O maldito com os lábios costurados falou. E, mortalmente, o Uchiha se levantou. Puxando a katana e colocando-se em posição de luta. Permitindo que a sede de sangue retornasse ao seu corpo, e o ódio descomunal o penetrou e Sasuke apenas olhou mais uma vez para a mulher, e jurou, que faria muito pior. E,  por ela destroçaria aquele ser. - Se fosse tão fácil te atrair, teria me divertido com ela antes....

- Tsc. Você é um homem morto._O ex-nukenin sibilou, indo em direção daquele patife. Rápido e preciso, Sasuke não foi misericordioso, ao imediatamente, incitar as chamas negras no corpo daquele maldito, não foi piedoso, ao desviar de todos os golpes que ele tentava acertar-lhe, ao menos ligou para os gritos, enquanto aquele ser queimava. 

Sasuke sabia lidar com o ódio, mas, estava cego, ele tinha ferido Hinata e nada mais importava. Veloz, desceu com a katana do maldito que gritou, arrebentando toda a custura da boca, quando o braço caía. Sasuke o predeu contra a rocha e cravou mais uma vez a katana no estomago do homem, fazendo isso diversas vezes, enquanto aquele ser se debatia e pedia por misericórdia. O Uchiha sabia que era assistido, Naruto, as crianças, o que quer que fossem... Kakashi e os reforços, todos podiam escutá-lo matar aquele homem sem esforço, e ele não ligava...

Tinham tocado em Hinata. 

Por este motivo, com as mãos, arrancou o outro braço, o maldito ainda gritava, lutava pela vida. Sasuke podia sentir o sangue jorrar em seu corpo, o sangue do maldito. Do ser que feriu Hinata, que a deixará naquele estado. Aquele homem merecia o pior.

- Isso é por ter tocado nela._Apontou para a kunoichi que era amparada por ninjas médicos. E, puxando uma kunai, perfurou o olho esquerdo do homem, que ainda lutava. Por fim, cravou a mesma kunai no pescoço do maldito, jogando-o no chão, Sasuke o deixou para morrer sufocado pelo próprio sangue.

Voltando-se para a perolada, Sasuke permaneceu em silêncio, tinha notado o genjutsu em algum momento, e colocando-se entre aqueles shinobis, com as mãos ensanguentadas, abriu os olhos de Hinata, e constatou que ela estava delirando, realmente era genjutsu.

- Kai._Falou liberando-a. Amaldiçoando-se no momento que o corpo da mulher desabou mais uma vez. 

Tentando conter a raiva, não querendo ser visto daquela maneira, afastou-se dela. Com raiva pela própria linhagem, sem entender como e o que eram aquelas coisas exibindo o sharingan, sem entender nada. Apenas tendo certeza que mais uma vez, colocou alguém que ama em perigo, Sasuke quis poder matar aquele homem mais uma vez e talvez, morrer. Era culpa dele. E pelo olhar vazio que a Hyuuga lhe direcionou ao abrir os olhos, sem vida... ele teve certeza.

- Naruto..._E tudo pareceu desmoronar, a voz dela. Chamando por alguém que não era ele. A voz dela, as lágrimas, tudo. Tudo o desestruturou e fechando os olhos, Sasuke desejou não ter se apaixonado por ela.

 

_M_

 

- NEJI-NIIII! NÃO! Neji-nii!!!!!_Desesperada, Hinata gritou, chorando copiosamente, enquanto o corpo do primo caía, estavam na guerra  ele tinha se colocado em sua frente.

Ela não sabia se era alucinação, pesadelo ou delírio. Mas, gritou a plenos pulmões. A dor de vê-lo morrer nunca mudaria, nunca.

Então a visão mudou, tudo de novo. Era um ciclo. Uma dolorosa repetição.

Hinata se via tão determinada, jogando-se a frente de Naruto, que caído receberia aquele ataque. E, mais uma vez, lá estava Neji, protegendo-a como uma fênix. Morrendo por ela.

- NEEEEEEJI-NIII, NÃO, NÃO. POR FAVOR NÃO!_Correndo para ele, mais uma vez, Hinata gritou até não ter mais voz. Novamente pode ver a marca da maldição desaparecer... Mais uma vez, Neji estava morrendo

Apavorada, a perolada se abraçou, tinha noção que seu rosto era coberto por lágrimas de sangue, o que quer que fosse aquilo. Não a deixava raciocinar... gen... era um... um.. genju...

Antes de concluir. Toda a visão mudou. Desta vez, Naruto estava deixado no chão, imobilizado pelos bastões de ferro colocados por Pain. A Hyuuga olhou para a jovem em sua frente, com um corte na cabeça enquanto se declarava e determinada, ia em direção ao oponente. Hinata gritou, por saber o que aconteceria. Gritou quando observou o corpo ir dolorosamente contra o chão e gritou por Naruto estar sendo tomado pelo poder da Kyuuga.

Não, aquilo não era real... era um genjutsu. Isso!

Mais uma vez a visão mudou, Hinata era apenas uma criança, recebendo tapas no rosto do pai, por não ter conseguido concluir uma tarefa.

A visão mudou mais uma vez, Hinata estava sentada ao lado de Sasuke, um Uchiha bem mais novo e mesmo sabendo que não era real, a perolada gritou quando Sasuke cravou uma katana em seu coração.

Tudo mudou novamente, e aquelas crianças com sharingan, todas a rodeavam, tendo-a como presa e atrás, Sasuke pareceu ordenando que a atacassem.

Outra vez, era outro cenário, Sasuke a deixava.

Mais uma visão, Sasuke a matava e mais uma e mais uma! E em todas, ele a atacava e destruía.

Balançando o corpo, sem conseguir respirar, sem chorar, em estado de coque, com o coração destruído, Hinata perdeu a noção do que era verdade o que era falso. Tudo parecia tão real.

E, no segundo que foi puxada de alguma forma para fora daquelas visões, a perolada abriu os olhos. E a luz tão precedente do portador da kyuuga a tragou. Como por instinto, olhou para o lado, encarando o sharingan de Sasuke e toda a escuridão e a imensidão de ódio que ele transparecia. Nada mais importava, ela temeu diante daqueles olhos. Então, procurou pela luz. pelo Uzumaki.

- Naruto..._O chamou e antes de sentir o retorno de toda a dor e desespero. Pode ver algo se apagando nos olhos do Uchiha, então, ela permitiu-se chorar.

 

_M_

 

Sentado ao lado da porta do hospital há semanas, apoiando a cabeça entre os joelhos. Sasuke não saberia reconhecer quem ele era. Desde o segundo em que a levaram para lá. Não tinha saído daquele lugar, ouviu cada grito de dor, observou cada troca de médicos e injeções aplicadas na kunoichi. Ele não tinha mais forças, não quando tinha visto Sakura recolocar aquele osso quebrado da perna, foi naquele momento, que tudo o  que o Uchiha acreditava havia desaparecido. Não só pelo grito ensurdecedor e desesperado da perolada, mas, pelo fato que mais uma vez, ele não pôde fazer nada.

Cada um dos dias zelou por ela, todos os dias, as pessoas que a amavam, a visitavam e em nenhum momento, Hinata pediu por ele. E, mesmo assim, Sasuke totalmente livre de armaduras, ficava sentado ali e durante o sono da mesma, se permitia entrar no quarto e zelava por seu sono.

Ninguém ousava direcionar-lhe a palavra e ele evitava Kakashi e qualquer um que quisesse lhe explicar a situação. Não queria saber, não com Hinata hospitalizada. Não quando mais uma vez, alguém que era importante para ele tinha sido ferido. Tinha concordado ao ouvir Naruto dizer em uma das visitas, que ele iria junto ao Hatake em uma das reuniões da aliança, o Uzumaki entendia que aquele era um assunto confidencial e apenas assentiu, obteria as respostas. Mas, o que importava agora, era a recuperação de Hinata.

Sasuke desejava pedir perdão, por ter entrado na vida dela. Por tê-la feito virar um alvo, para pessoal que queriam algo dele. Desejava que tudo tivesse sido diferente. Porém, não sabia como encará-la, não depois do olhar que havia recebido... 

Ele não se importou com os olhares raivosos de Hyuuga Hiashi e ao menos obedeceu a quinta Hokage e a Sakura, quando as duas médicas pediram para examiná-lo. Ele não precisava de cuidados, Hinata sim. Sasuke não se considerava uma pessoa que necessitava de qualquer cuidado, então, deixou de escutá-las e mais uma vez, tinham desistido.

Ele apenas desejava vê-a sorrir verdadeiramente, aquela Hinata cheia de sorrisos gentis e frases sarcásticas, aquela que o provocava e desmaiava diante dos seus toques. Precisava dela, precisava ver novamente aquela mulher e não aquela casca oca, que todos os dias fingia estar bem e durante as noite, gritava desesperadamente entre os pesadelos. 

 

 _M_

 

A kunoichi não tinha mais  noção de quanto tempo estava com o pé engessado e o corpo todo coberto por curativos, não quando toda a noite gritava de dor e pelo pesadelos. E, durante as visitas que recebi sorria como se tudo estivesse bem. Principalmente nas visitas do futuro Hokage, ela esforçava-se ainda mais, para não preocupá-lo.

Em cada um daqueles dias, sentia Sasuke em frente a porta do quarto. Esperando-a. Pedindo permissão. Sabendo que durante todas aquelas noites, ele entrava e a segurava pela mão, tranquilizando-a em meio o desespero. Hinata sabia que sim, ele ficaria ali por ela. Mas, não queria falar com ele, mostrar que mais uma vez tinha sido fraca e sucumbido aquela dor. Não queria afetá-lo ou que o mesmo se sentisse culpado. Nada disso, apenas queria que ele se levantasse e descansasse, mas, o conhecia. Oh, o conhecia tão bem. Que no momento em que Sasuke tinha saído do hospital em uma das noites, ela adormeceu, torcendo para que enfim, ele se cuidasse. Mesmo que soubesse o quão cabeça dura o shinobi poderia ser.

Naquela manhã, Hinata receberia alta, não surpreendeu-se ao notar Naruto entrando com seu típico sorriso no quarto. Ela sentia todo o carinho daquele olhar e a certeza de que tudo estava bem. Todavia, todo o seu ser parecia implorar por outra pessoa. Alguém para que ela poderia correr e dizer tudo o que se passava em sua mente e coração e receber todo o carinho e seguranças que apenas Sasuke poderia oferecer.

- Hora de ir para casa, Hina._O loiro diz ao se aproximar cautelosamente. - As enfermeiras estão vindo te vestir._Explicou caminhando até a mulher, que não consegui sustentar o sorriso, queria tanto vê-lo, precisava tanto de Sasuke.

- Onde ele está?_Sabendo que o Uzumaki entenderia, sem se mover, ela perguntou, sem se importar em suplicar. Precisava do homem que amava, queria dizer-lhe e mostrar que o amava, precisava tirar isso do peito. Mas, também o queria longe e afastado o suficiente para que ela não visse aqueles olhos sem o vida novamente. Hinata não sabia o que fazer. Tudo parecia incerto demais.

- O teme, partiu para a aliança shinobi. Ele esperou até que você estivesse recuperada e foi. A muitas coisas a serem resolvidas lá, Hina-chan._O loiro explicitou, tocando-a e ajudando a mulher se sentar. - Mas, acho que ele não confia em mim para te proteger..._Com uma risada seca, o Uzumaki afirmou, apontando para o lado de fora da janela do hospital.

- Garuda..._A perolada murmurou, sorrindo verdadeiramente para o falcão, que sobrevoava a área. Sasuke era realmente impossível, e mordendo os lábios segurando a pressão da saudade, ela soube que de um jeito estranho, ambos se amavam. E Sasuke, sempre estaria ali por ela, independente de qualquer coisa. E ela tinha sido burra ao tentar poupá-lo, causado aquela dor a ele. Sasuke nunca a faria algum mal, e arrependeu-se de não tê-lo chamado para entrar e dito com todas as palavras que o amava. 

 

_M_

 

- O fato de termos sido levados para uma armadilha, confirma a suspeita inicial. Existem outros como Kaguya, Ōtsutsuki Toneri, entre outro que surgiram após a Guerra. São seres quase divinos, que obtém uma grande parcela de poder. Não existiam mais Uchihas vivos, além de Sasuke e aqui estamos lidando mais uma vez com o desconhecido._Shikamaru que liderava a reunião, explicitou. Cada um dos representantes das outras vilas. sentaram-se em volta a mesa redonda e como protetor do Hokage, o Uchiha permaneceu-se de pé, ouvindo cada detalhe do que era falado. Sasuke recordava-se do visitante da lua, o mesmo que tentou sequestrar Hanabi, apenas um tentativa em vão, de um homem desesperado. Recordara-se. Estavam na terra dos samurais há uma semana e aos poucos, o moreno enlouquecia. Não estava mais conseguindo manter Garuda ao lado de Hinata, estava cansado e não aguentava mais ouvir sobre o mesmo assunto. 

- Os roubos de mercadorias, eram feitos por aquelas crianças que a kunoichi Hyuuga informou, mencionou também um controle mental sob todas ela e Uzumaki Naruto, afirmou que todos não eram só criações de laboratório, eles tinham os sentidos apurados e pareciam tentar ir contra as ordens do Mestre._Sabaku no Temari quem citou, a kunoichi de Suna.

- Mas, quando o Mestre foi morto, eles finalmente foram livres. Estamos estudando e realocando cada uma das crianças. Tirando-as de todos os esconderijos. Porém, todas disseram que o Mestre, era controlado por alguém ainda mais forte. Uma ameaça que tem o mesmo chakra dos descendentes dos filhos de Hagaromo. Tanto que estão recriando o sharingan._O Nara pontuou mais uma vez.

- Tem algo obscurecido na linhagem deles, o padrão, a circulação do chakra ao menos é como deveria ser. Eu consigo sentir uma nova presença, da mesma forma que o poder de Kaguya era facilmente notado pela sua extensão, este também é. Mesmo que esteja viajando entre dimensões, essa pessoa, esse ser. Planeja alguma coisa._Sasuke explicitou, ganhando a atenção de todos. O  rinnegan o auxiliará naquilo. Tinha procurado por qualquer presença, e o chakra animalesco que sentiu, o fez crer que existia alguém lá fora, tão forte quando a deusa coelho.

- Precisamos antecipar o ataque que virá. Temos rastreadores excepcionais, podemos continuar mantendo as ameaças na linha. Tentando conter uma de cada vez. Nada que alarme as filas, os shinobis. Todos estão em um momento de paz conquistada. Temos de continuar mantendo segredo, talvez ao menos notem quando tudo for resolvido._Sabaku no Temari constatou.

- Porém, precisaríamos de alguém forte o suficiente para detectar, procurar e conter esse ser. Não podemos arriscar tanto, como foi com Hinata, estávamos despreparados. Mas, Sasuke poderia lidar com essa ameaça. Contudo, não sabemos quanto tempo seria a missão, se seremos atacados agora ou daqui há alguns anos. Tudo é extremamente conflituoso. Certamente, eu teria um plano de ação, caso ele aceitasse. Entretanto..._O Uchiha parou de escutar naquele momento, mais uma ameaça. Outra divindade a ser contida. Logo, quando Naruto seria reconhecido  como Nanadaime Hokage, Hinata se tornaria líder do Clã. Quando todos estavam confortáveis na paz que mantinham. Porém, existiam uma ameaça. E aquilo poderia desestabilizar o mundo novamente.

- Are, estamos cansados e precisamos retornar._O rokudaime Hokage falou de maneira arrastada, tirando o Uchiha dos próprios pensamentos destrutivos. - Temos muito o que decidir. Por enquanto, usem outros para investigar, Sasuke tem tempo para pensar, ele pode decidir o que quiser. Se aceitar, o mandarei de volta para cá e então, poderão dar início a isto. Mas, até lá. A reunião em relação a este assunto está encerrada._Sem ao menos se importar com os olhares que recebeu, o governante de Konoha foi em prol do aluno, que exibia uma expressão de quem mais uma vez, estava perdendo a esperança no que haviam conquistado. - Vá para casa, Sasuke.

E entendendo o recado do ex-mentor, utilizando um dos jutsus do rinnegan, o homem que estava exausto e com tantas coisas em mente, teletransportou-se para o cemitério de Konoha e não se surpreende ao ver Hinata, com uma cesta de girassóis nos braços,. Diferente de como havia sido na primeira vez, não chovia. Vestida com um kimono azul, ela encontrava-se trocando as flores do túmulo de Hyuuga Neji, mas, ao notá-lo a mulher se virou, com sem expressão, apenas o analisando da cabeça aos pés. E, Sasuke, fazia o mesmo. Era a mesma Hinata, porém, algo entre os dois estava errado. Ele conseguia sentir que ela parecia receosa, parecia o refletir. Duas partes de uma mesma moeda, que não sabiam lidar com os próprios sentimentos.

- Ainda não troquei os girassóis do Uchiha-san._Hinata falou com a voz anasalada, ainda mantendo distânncia. Tinham se encontrado ali em outras circunstância e aparentemente, sempre retornariam para aquele lugar ao precisarem de ajuda. 

- Eu posso trocar, Hinata._Caminhando até a kunoichi, sem tirar os olhos dos dela. Sasuke percebeu que a mulher tinham fechado os olhos levemente, apenas por escutá-lo. Queria tocá-la, queria tantas coisas. Contudo, apenas esticou uma das mãos para que ela lhe deve três girassóis, e nada evitou que ele suspirasse no momento em que por um instante, os dedos se tocaram. 

- Vamos juntos._Seguido o Uchiha a kunoichi, a cada passo parecia segurar o grito, tinha ficado mais de um mês hospitalizada, Sasuke saiu da vila por uma semana. Tanta coisa havia acontecido, tudo tinha os afastado. Sasuke sabia que tinham que conversar, explicar tudo um ao outro. Porém, quando Hinata entrelaçou seus dedos aos dele, quando Sasuke havia acabado de trocar as flores. Ficaram encarando o tumulo, e por fim, olharam-se mais uma vez. Os olhos da perolada pareciam dizer cada umas das palavras que ela não permitia que saísse em seus lábios. O Uchiha, segurava-se para não externizar tudo de uma só maneira. Eles conseguiam se entender, compreender e apoiar. Todavia, naquele segundo tudo parecia ser mais importante do que o que tinham um com o outro.

Em alguns dias, finalmente Naruto realizaria seu sonho de infância, Hinata viraria a líder dos Hyuugas e ele tinha uma decisão a tomar. Sem dizer, a perolada parecia entender cada questão, ela tinha enfrentado os seres com sharingan, mais do que ninguém, sabia que ele pegaria para si aquela resposabilidade. Porque, mais do que qualquer pessoa, Hinata o conhecia. 

- Eu te amo, Sasuke._E quando o pequeno corpo colou-se ao dele. Chorando pesadamente, ele percebeu tarde, enquanto seu mundo ruía, que não poderiam ter um futuro juntos. Não quando as responsabilidades de ambos pesava tanto. Ele poderia levá-la consigo. Uma fuga. Poderia ficar e encarar tudo ao lado daquela kunoichi. Mas, os dois, independente do que escolhessem, estariam fugindo de algo. A sinceridade na voz dela, o carinho, a triteza, tudo o afetava. Tudo o que Hinata sentia, ele recebia como um soco e em dobro. O choro, era o que o destruía. Porque, ele a ama, e aquele sentimento iria sufocá-lo, fechando os olhos, sendo anestesiado por cheiro, pelo calor da Hyuuga, ele a sentiu tremular em meio ao abraço.

- Eu aceitarei a missão, Hinata._Com a voz rouca, o moreno murmurou na orelha da perolada. - O que desejar fazer, se quiser vir comigo, se quiser ficar. Eu ainda assim te apoiarei. Eu só queria que soubesse disso. Que eu não fosse sem te pedir para ficar comigo._Entregue e totalmente aos pés dela. O ex-nukenin declarou. Nunca havia sido um homem egoísta, nunca pediu ou implorou por nada. Porém, precisou expor aquele pedido, para que ela ao menos pensasse e ele sabia que era puro egoísmo de sua parte. Porém, quando se tratava dela. Ela não poderia medir qualquer esforço.

Contudo, quando com o rosto marcado pelas lágrimas, a perolada o encarou. Sem palavras, mordendo os ábios, algo que ela sempre fazia quando precisava controlar a si mesma, extremamente emocionada, tão linda que Sasuke arfou diante da visão. Ele soube, bom, ele a conhecia o suficiente para entender aquele sinal. Hinata já tinha se decido, uma escolha que ela nunca mudaria. Aquela para que ela batalhou todos os dias para conquistar, e pela primeira vez permitindo que lágrimas rolassem em seus olhos, o Uchiha a apertou em seus braços, decorando o cheiro dela, para que nunca se esquecesse. Percebendo que tinham vivido a felicidade em dias contados.

 

_M_

 

Tinha chegado o grande dia. Hinata estava pronta, iria assumir a liderança dos Hyuuga. O jardim do clã estavam lotados de Hyuugas, assim como o Hokage que ao lado do patriarca, eram os dois poderes governamentais presentes ali. De frente para cada uma daquelas pessoas, Hinata imaginou Neji sentado ao lado de uma Hanabi extremamente inquieta e sorrindo. Em seus sonhos, aquilo ao menos seria alcançado. Porém, estava perante a todos, que esperavam por suas palavras como líder. Líder Hyuuga, ela realmente tinha realizado o desejo do primo para com ela. E, pelo o que lutará tanto. 

- Durante anos, tivemos líderes que honraram e protegeram nossos Clã._Começou firme, olhando-os de cabeça erguida. Dando força a si, para que não gaguejasse, recitando tudo o que vinha de seu coração. - Homens poderosos que nos levaram a vitórias em cada uma das batalhas e nos fizeram os mais orgulhosos e poderosos ninjas de Konoha._Falou, e cada um dos Hyuuga assentiram com afinco. - Quando era mais nova, sempre idolatrei está posição. Mas, me disseram que eu não era merecedora. Os Hyuuga necessitavam de um líder forte, e este era Hyuuga Neji, da ramificação secundária que foi designado para me proteger e morreu cumprindo seu papel._Continuou, sem sair do controle. Era o dia, tinha chego o momento e ela honraria o nome de seu primo sempre que pudesse. - Eu o amava, amo ainda. idolatrava e respeitava. Neji acreditou em minhas habilidades, me treinou as escondidas, zelou e respeitou cada decisão. Meu herói. Quando decidi que eu poderia honrá-lo, entendi que como ele. Todos neste Clã, são pessoas que eu quero proteger. Depois da guerra, entendi, que unidos podemos cuidar um dos outros e de toda Konoha. Andando de mãos dadas com o líder e sermos a força que está vila precisa. Eu, Hyuuga Hinata. Juro solenemente colocar os desejos do Clã acima dos meus, proteger meus irmãos e Konoha._Decretou séria e para a irmã mais nova que chorava e batia palmas, ela deu um pequeno sorriso. - E os honrarei em cada um dos meus dias. Posso contar com vocês?_ Questionou com a mão sob o coração.

- Sim, líder!_Os mais afoitos gritaram. Ela era a mais nova a estar naquele cargo e entendeu mais uma vez, o tamanho daquele momento para ela e para todos os outros.

Hinata passou peplo fim da cerimônia dispersa, aceitando cada uma das palavras de apoio. Porém, tentava controlar a palpitação em seu coração, ao recordar-se do dia em que Sasuke a levou de volta para o Clã, sem mais nada terem falado depois do abraço, no dia em que a realidade caiu sob ambos.

Era quase impossível não pensar no ex-nukenin. Sendo que o Uchiha não a vigiava mais pelo com o jutsu do rinnegan e também, não tinha enviado Garuda. Naruto focava em qualquer assunto, menos em relação ao melhor amigo. De um jeito estranho, ela achou que tinha sido melhor daquela forma. Sasuke tinha aceito a missão, iria partir de Konoha mais uma vez. Ele iria embora após o momento em que o Uzumaki finalmente realizasse o sonho de infância. Sakura tinha deixado sair durante uma conversa, em algum momento naquela semana e Hinata não tinha conseguido esquecer. Sendo que desta vez, a Hyuuga poderia afirmar, que ele sabia muito bem, que tinha um lar para voltar, e aquilo de alguma forma, a acalantou, no fim, ele tinham se salvado. E ela poderia lidar com a partida dele.

 

_M_

 

Sasuke recordava-se do melhor amigo, desde os tempos da academia, quando eram apenas gennins, gritando aos quatro ventos que ele seria um Hokage de Konoha, um homem que admirariam e também, que seria respeitado por todos. O ex-nukenin, lembrava-se da tímida e comedida, Hyuuga, que diferente de todas as outras, seguia Naruto a todo lugar, muitas vezes com pequenos gestos como dar-lhe uma pomada para os ferimentos ou ser a única que torcia para a vitória do mesmo. Lembrava-se do exame chunnin quando a mulher era uma sombra do primo e o loiro sem ao menos perceber a protegia, completamente indignado por tudo o que a pequena gennin passava. Sasuke se lembrava de tudo.

Parado um pouco mais atrás de ontem o todos estavam se posicionando em cima do prédio principal de Konoha, diante dos gritos dos habitantes da vila, perante o atual Hokage. A população, parecia ainda mais feliz e ansiosa. Vestindo um kimono preto, o Uchiha posicionou-se ao lado do Uzumaki que trajado com o manto de Nanadaime Hokage, caminhava para o lado o atual governante, sorrindo abobadamente. Sendo seguido por Hinata, que tinha sido enviada para fazê-lo chegar na hora. Tinham se atrasado, mas, lá estava ela. Tirando momentaneamente, todo o juízo e autocontrole do ex-nukenin.

Seria algo repetitivo se o moreno dissesse que ela estava ainda mais linda? Sasuke ao menos conseguia fingir que a mirava atentamente, com Naruto a frente de ambos, não houve mais gritos, nada que os impedisse de se olhar, com tudo o que pesava entre ambos. Com o desejo, a saudade, o amor e o entendimento. Tudo parecia estar puxando os dois, para que ficassem mais próximos. Desta vez, com um kimono branco, os cabelos presos e um girassol preso entre as madeixas, para o Uchiha, aquela era a visão junto as outras que guardaria profundamente em suas lembranças. O olhos da perolada brilhavam, os lábios tremiam, mesmo quando ela tentava passar confiança ao sorrir. E, sabendo que tinha se tornado um homem fraco, o moreno respondeu-lhe com um pequeno e imperceptível sorriso, no segundo em que pegando um microfone para discursar, o Uzumaki o cotovelou, quebrando o clima entre os dois shinobis.

- Oh, minna! Eu não sou muito bom com discursos, me desculpem se eu disser alguma besteira._O Nanadaime começou, coçando os olhos, como se segurasse as lágrimas. Recebendo um pequeno incentivo da Hyuuga, que focava-se apenas no loiro. Kakashi e Tsunade próximo o suficiente, pareciam no mesmo estado. - Eu agradeço por todos estarem aqui, nesse dia. Eu realmente agradeço, minna._E também, o incentivando, o Uchiha apoiou as mãos no ombro do Uzumaki, assim, como Hinata estava fazendo. O barulho era ensurdecedor, praticamente todos os habitantes das outra vilas, mais seus representantes tinham ido para aquele grande dia. Mostrando a importância de Naruto para todos. Deixando claro, o herói que ele havia se tornado. - Todos vocês já escutaram um garoto loiro, barulhento e bagunceiro gritando que se tornaria hokage._Brincando o loiro continuou. - Todos viram minhas lembranças durante a guerra e sabem que sigo levando o legado da minha família e de todos que amei. Eu continuarei os protegendo, vocês são minha família. Todos! E eu gostaria de agradecer e juro fazer para manter essa paz que conquistamos, estaremos sempre junto, até o fim._E nada mais o segurou. Aquela multidão de pessoas gritavam e batiam palmas, era possível escutar a Haruno que entre os outros shinobis, repreendia Naruto por ele não parar de sorrir e chorar de emoção. Então, tomando as rédeas, o Rokudaime pegou o microfone e a Godaime, dando mais alguns esporos no atual Hokage, colocou sob a cabeça do loiro, o chapéu que cada um dos governantes da vila usavam.

- Apresento a todos vocês, o Nanadaime-Hokage. Parabéns, Naruto._Igualmente emocionado, o ninja que copiar falou.

Soltando-o ao mesmo tempo, os dois shinobis não tiveram tempo de fazer qualquer ação, no momento em que o Uzumaki os abraçou, alternando o olhar entre a Hyuuga e o Uchiha.

- Sem vocês, eu não teria conseguido. Não teria._Murmurando o homem agradeceu. Hinata sorria grandemente enquanto batia palmas, Sasuke apenas assentiu com a cabeça. E, rapidamente o loiro foi puxado pelo antigo sensei, Iruka. Outros ninjas subiam para parabenizá-lo. Naruto finalmente governaria Konoha, e por um instante, Kakashi apontou para a Hyuuga dizendo apenas que o momento havia chegado, e Sasuke sabia que teria de partir. Então, sem decoro, os dispensou. Não eram mais necessários, Naruto estava protegido e rodeado por pessoas que o amavam.

Virando-se em direção as escadas do prédio, o Uchiha respirou fundo, pois, Hinata o seguia. Desviando da multidão, sem saber como seria a conversa, ele temia pelo o que ela poderia falar. Com os dias separados, tinha percebido que levar a Hyuuga consigo era um erro, não permitira que ninguém mais a ferisse e tê-la ao lado era quase como fazê-la tornasse um alvo mais uma vez. Estavam em uma linha tênue, sabendo lidar. Controlando o que sentiam. Mas, Sasuke não pode deixar de estremecer e arrepiar-se, quando o mulher entrelaçou os dedos aos dele. Puxando para uma sala qualquer dentro do prédio principal de Konoha, sem se importar com olhares que recebiam. 

Aquela Hinata, a que apenas ele conhecia, que no momento indicava ao mesmo que se sentava, que corada de vergonha, reunia coragem para fazer. Parada de pé, com a postura de uma kunoichi que também, estava preparada para qualquer coisa. Que não transmitia mais a bendita dor que o dilacerava e ela, que havia o salvado de si mesmo. A mulher o encarava sabendo tudo o que se passava nos pensamentos do Uchiha, eles eram assim, se conheciam por completo e nada poderia cortar aquela ligação. Não quando ambos sentiam tanto um pelo outro.

- Você ira partir hoje._Afirmando o perolada iniciou a conversa.

- E você é a nova líder do clã Hyuuga._Sasuke ponderou ao constatar. Firme, olhando-a com aquele sorriso tão provocativo diante dele, que se segurava para não tocá-la, controlando-se imensamente, diante da intensidade do que sentia por ela.

- Precisa mesmo ir?_Com a voz fatigada, a Hyuuga perguntou, sabendo a resposta. Como Sasuke havia feito com ela, dias antes.

 - Não posso deixar que qualquer ameaça que seja, tire essa a paz que Naruto conquistou, que todos lutaram para obter._Obstinado, o ex-nukenin disse, puxando Hinata para meu colo e tão entregue, igualmente corada, ela se sentou, sem deixar de olhar para imensidão dos olhos ônix do moreno.

- Sempre tão altruísta. Não está fazendo isso pra sua redenção... Você quer mesmo proteger essa paz._Hinata constatou, dedilhando o rosto do homem, que diante daquele toque, fechou os olhos, permitindo que os sentidos o dominassem. Não precisava ver Hinata para saber que ela tinha os olhos cheios de lágrimas e um sorriso no rosto, ela era simplesmente assim. A metade dele, que se emocionava por tudo, enquanto, ele fingia não se importar com nada. Eram assim, feitos um para o outro.

- Assim como você._O homem devolveu como um sussurro.

-  Se precisar de qualquer coisa...Exibindo um olhar duro, Hinata indagou, apertando a bochecha do Uchiha, que não segurou a risada, apenas ela para repreendê-la naquele momento.

 - Eu sei me virar, Hinata._Ainda rindo da expressão da mulher, o Uchiha retrucou.

- Você é inconsequente._Formando um bico entre os lábios, a kunoichi pontuou. 

- Não quero que me rastreie, independente do que aconteça e do tempo que eu demore para voltar._O Uchiha, falou direto.

- Então, creio que eu deva me ocultar totalmente._Hinata retrucou, entendo-o. Afinal de contas, teriam que seguir o próprio caminho. 

- Não chame por mim._Sentindo a dor ao dizer aquilo, o Uchiha pediu.

- Não chamarei._Sucinta e encarando firmemente o ex-nukenin, a perolada ralhou. Tão séria quando o moreno. 

- Tsc. Você se sairá bem como lider._Suavizando a expressão, Sasuke afirmou singelamente.

- Você irá se sair bem na missão. Mas, voltará pra casa?_Falando baixinho, a Hyuuga perguntou com a voz embargada. 

- Hm._Indagando, o Uchiha sorriu ironicamente. -  Eu sempre acabo voltando.

- Voltará para mim?_Encostando o rosto ao do homem, absorvendo o calor do mesmo, a kunoichi questionou.

- Se ainda me desejar._Sasuke murmurou, encostando levemente os lábios nos dela. Teria de partir logo.

- Não morra._A perolada falou em tom de ordem, fazendo o Uchiha sorrir, ao apertar da cintura da mulher, que suspirou baixinho nos lábios do mesmo.

- Eu voltarei, Hyuuga._Como uma promessa, a única que ele cumpriria, o ex-nukenin falou.

E nada mais precisava ser dito, não quando Hinata o agarrou pelo pescoço, beijando-lhe sem pudor, de forma que o homem ao menos se freou, percorreu o corpo da líder Hyuuga, decorando cada curva, cada cicatriz e detalhe. Saboreando os lábios da mulher, deliciando-se com cada toque e sendo agraciado com o gosto dela. Mordendo-a e abraçando como se pudesse nunca mais sair daquele momento. Usando cada segundo que retará para fazer com que a mulher nunca esquecesse que estiveram juntos e deixando ainda mais claro, que não importa quanto demorasse. Ele voltaria. Por ela e pelo o que eles tinham. E nada no mundo o faria querer outra pessoa, apenas a Hyuuga que felizmente, não sairia nunca mais de seus pensamentos.

 

_M_

 

TRÊS ANOS DEPOIS

 

Descendo as escadas para o primeiro andar da casa principal, do distrito Uchiha, a perolada estava nostálgica relembrando dos detalhes que a fizeram chegar até ali. Depois que Sasuke partiu. Sakura, havia dado a morena as chaves e toda a papelada e acesso a herança do homem, tudo premeditado pelo Uchiha, tanto que a Haruno não deixou a líder Hyuuga se recusasse a aceitar. Havia se passado trinta e seis meses, e a mulher tinha cumprido todas as ordens do ex-nukenin; não o procurou e se ocultou. 

Estava cuidando de tudo em relação ao distrito, cada dia mais o clã Hyuuga prosperava, Hanabi havia se tornada uma das chunnins mais temidas da vila, lembrando o primo. O patriarca Hyuuga, vivia saindo de Konoha e estranhamente sorria toda vez. Kakashi assim como Guy, viajavam sempre procurando novas aventuras, carregando Tenten e Lee para todo o lado. Naruto, parecia feliz, mesmo que atolado de trabalho e muitas vezes tendo crises em relação a estar pendendo a própria essência diante de tantos problemas e responsabilidades. Mas, Hinata continuava ali, com ele mostrando que o loiro estava fazendo o seu melhor. Ainda mais quando havia uma ameaça, confirmada pelo conselheiro Nara e Sasuke em sua missão. Shikamaru permanecia na vila, havia se casado com Sabaku no Temari e juntos, todos cuidavam do bem-estar do Uzumaki. 

Há quase um ano, a médica Haruno, tinha ido para sunagakure, para auxiliar na direção do novo hospital da vila, criado para aquelas que não tinham superado a dor da guerra, provendo também, toda uma ajudá financeira e psicológica. Ino e todos os amigos seguiam a vida agora, a maioria seguia como professores nas academias ou, cuidando dos próprios filhos. Que ela amará paparicar. A antiga mentora, Kurenai, tinha tomado o lugar de Shizune e ficava mais que feliz em avisar para a Hyuuga quando o Nanadaime extrapolava e Hinata agradecia, enquanto tirava a força, o loiro de dentro da própria sala e cuidava do mesmo, alimentando-o corretamente. Admirando e ouvindo. o herói do mundo shinobi.

Naquele dia, tinha tido um pressentimento bom, então, ao deitar-se no sofá da sala, vestindo um dos casados do Uchiha e uma calça moleton, a Hyuuga cobriu-se, feliz. Ela estava em paz e tudo seguiu o próprio ritmo naqueles longos anos. 

Hinata estava bem, mesmo quando sentia tanta saudade que aos poucos a sufocava. Ela entendia, que o Uchiha nunca sairia de seu coração e constantemente, Hinata aprendia a lidar com isso. Suspirando alto, a mulher recordou-se dos beijos trocados, das provocações e toques tão únicos e secretos. Tudo que apenas os dois sabiam o tamanho do significado. Tinham passado por muita coisas, muitas perdas e recomeços, o futuro poderia parecer incerto para ambos, mas, desta vez. Hinata sabia que poderiam tentar. E adormecendo, a perolada agradeceu por tudo e por ter Sasuke em sua vida.

Em algum momento, durante a noite, a perolada sentiu uma mão irradiando calor, tocar-lhe o ombro, em meio a sonolência, a mulher abrindo os olhos e imaginou que poderia estar sonhando. Porém, nada se comparava a Sasuke a olhando, agachado na frente do sofá enquanto bocejava.

- Estou viajando há dias. Mas, Hinata, eu voltei para casa._O homem explicitou e tudo parecia voltar ao ponto que paravam, tonta pelo sono, a mulher lançou-lhe um belo sorriso. Não era mesmo um sonho; 

- Eu estive te esperando._Explicitou tentando se manter acordada. Puxando o homem contra si, que prontamente deitou-se no sofá abraçando, protegendo-a contra tudo. Agarrando-a, respirando tão rápido que podia ouvir as palpitações do coração de Sasuke, ele realmente havia retornado.

- Eu quero fazer dar certo._O homem murmurou com um cansaço na voz, amanhã teriam tempo para conversar, no dia seguinte ele poderia dizer tudo o que havia descoberto naqueles anos, em outro momento, poderiam voltar a vida real. Contudo, abraçando a mulher que ele ama. Não desejava mais nada do que finalmente poder adormecer, diante do zelo da perolada. - Independente de qualquer fim._Murmurou, absorvendo o cheiro das madeixas da mulher, não sabendo esconder o que sentia, ao vê-la com suas roupas, no distrito. Nada se comparava com aquilo. Hinata tinha mesmo lhe salvado e dado um futuro. E, ele não mediria esforços para fazer aquela mulher feliz, mesmo errando. Tentaria em cada um dos dias. 

- Independente de qualquer fim, Sasuke._A Hyuuga sussurrou, caindo em sono profundo, sabendo que por fim, tinha ao seu lado o homem que amaria até o fim da vida, e que a amava na mesma medida, mesmo sem dizer, Sasuke era do tipo que demonstrava em ações e desta maneira seguiriam, sendo a metade perfeita um do outro. Independente do que acontecesse, escolheriam um ao outro e aquilo era o que importava. Tudo o que passaram os levou para aquele momento, então, tudo havia válido a pena. 

- Amo você, Hinata..._E ela não sabia se era sonho, as palavras vindas daquela voz tão rouca, mas sorriu, eles poderiam fazer dar certo, com certeza poderiam.

 

 

Fim...


Notas Finais


Timing: Tempo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...