1. Spirit Fanfics >
  2. Calling For >
  3. Uma Negação

História Calling For - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Ai mochis, tô nervouser com esse capítulo aiajaisjaa

Enfim, ele é TOTALMENTE diferente do que vocês estão acostumadxs, porque assim, cá entre nós, todo dia o Jimin acordando de manhã, indo lá conversar com o Hyun ou indo pra casa da Soo, todo dia reclamando da sensação do Jungkook, uma hora cansa né aijskajdk então vamos de um pouco mais de tensão e emoção, que tal, hmm???

Aisaijdiajs espero de verdade que gostem eeee não vou mais enrolar; boa leitura!! szszsz

Capítulo 11 - Uma Negação


Fanfic / Fanfiction Calling For - Capítulo 11 - Uma Negação

Jimin não necessariamente sabia o que fazia ali em cima. Havia tantas pessoas ali reunidas, bancos bem grandes, um tapete vermelho no meio e tantas flores. Estava tão aturdido com tudo aquilo que não percebeu estar realmente de pé sobre um altar, mas aquilo estava lhe desesperando de um jeito tão incômodo. Podia sentir no fundo de seu coração que aquilo estava saindo de seus planos. Tantos Alfas e Ômegas estavam ali, tão felizes em vê-lo trajado de noivo… Mas não havia ninguém ali que questionasse o real sentido de estar ali. Nem mesmo Jimin sabia, então não culpava os aplausos e lágrimas escorridas pelos rostos alheios. Suspirou quando deu-se por si e então, notou que em suas mãos, um buquê era fortemente segurado que as flores estavam murchando rapidamente. 


Queria poder gritar para todos pararem de lhe aplaudir, jogar aquela merda de véu no chão, pisar em cima e quebrar tudo ali dentro, mas não podia. Sabia que era uma ordem do líder, não podia fazer nada senão estar ali e aceitar o que quer que estivesse por vir. Mas, mesmo que estivesse prestes a aceitar aquele fato, não esperava que as portas imensas fossem ser abertas, exibindo um Hyun com uma expressão ainda séria e desesperada que era escondida fielmente por um sorriso básico, enquanto alguém vinha atrás. Não conseguiu ver, este estava de cabeça baixa e então, sua audição sensível captou quando os aplausos novamente vieram. 


E, de todos que esperava estar atrás de Hyun, assim que ele se afastou do anónimo, pôde contemplar aquelas íris castanhas e intensas que Hoseok possuía. Sentiu seu corpo inteiro se arrepiar, mas de uma forma ruim, era óbvio. Estava tenso, não sabia o que esperar, não sabia o que faria a partir dali. Mas, sua prioridade naquele momento era engolir tudo que Hyun lhe propusesse. Suspirou e então, quando Hoseok estava bem à sua frente, trajado nas melhores roupas que as costureiras fizeram sob medida para o mesmo, Jimin rosnou baixinho, que foi prontamente ouvido pelo Alfa, que não sentiu-se intimidado por não haver efeito algum em sua voz. 


— Olá Jiminnie. — Sorriu amarelo. — Isso não foi ideia minha, eu juro! Eu estava treinando como sempre e então, Hyun veio me arrastando como um lobo faminto e eu não entendi absolutamente nada. Depois me jogou na sala das costureiras que já foram tirando todas as medidas do meu corpo e em menos de duas horas estavam prontas as roupas que estou usando agora. — Explicou rápido, sem de fato entender como raios havia ido parar ali. — O que o Hyun tem na cabeça, huh? — Perguntou de uma forma angustiada. 


— Merda, só se for. — Cuspiu as palavras e então, suspirou tentando controlar-se para não voar no pescoço do Beta naquele exato momento. — Comigo foi a mesma ladainha. Hyun me jogou na sala das costureiras e elas tiraram a medida até do meu nariz! — Queria gritar, mas apenas sussurrou esganiçado. Hoseok riu minimamente do nervosismo do menor que, de uma forma discreta pisou com força no pé do Alfa, que murmurou em dor. — Você também só tem merda da cabeça, Jung Hoseok! 


— Eu!? — Perguntou assustado. — Eu acabei de falar que estava treinando e o Hyun veio pra me levar pro matadouro.


— Ao invés de questioná-lo, pará-lo, mordê-lo na mão, não! Você foi e aposto que até ajudou as costureiras a costurarem as suas roupas! — O Ômega estava tão irritado que o rosto, por detrás daquele véu estava avermelhado feito um tomate maduro. 


— E eu ia questionar, parar e morder a mão do meu líder!? — Perguntou aturdido. 


— Eu sei lá, porra! — Grunhiu em desgosto. 


— Agora não é hora disso, Jimin. O Hyun está vindo e mais uma coisa — Fez Jimin suspirar e olhá-lo no fundo dos olhos. — Você não era assim. Está diferente, mais irritadiço e rebelde. — Comentou e Jimin só faltou quebrar o próprio maxilar pela força na qual mordia os próprios dentes. 


Porém Hyun se pôs na frente do altar, esperando que todos fizessem silêncio diante de si, que foi obedecido com êxito. Todos se sentaram e aquietaram-se, esperando o pronunciamento do Beta muito querido pela alcatéia. Suspirou antes de qualquer coisa e olhou ao redor, observando aquele arranjo belíssimo de flores brancas e tudo que havia organizado para fazer aquele casamento de uma vez por todas. Aquilo era mais do que necessário, não podia negar, não podia deixar que Jimin escolhesse por si só o lobo com o qual iria casar-se. Principalmente se o tal fosse um Jeon e, acima de tudo: um alguém que ninguém ousava pronunciar o nome ali naquela aldeia.


— Minha amada alcatéia — Pronunciou, enquanto Jimin se corroia em raiva. — É com grande prazer que vos trago aqui para que então possamos concluir o ritual de passagem entre herdeiros. — Dito isso, todos aplaudiram e Hyun estendeu a mão, pedindo para que ficassem em silêncio. — Hoje, eu vou nomear Park Jimin e Jung Hoseok como líderes da alcatéia, concluindo assim mais um ciclo que deve ser seguido e concluído. — Disse e então, olhou para ambos os pretendentes um do outro. Doía em seu coração ver Jimin com um olhar quase assassino, aquele Ômega que lhe era tão doce outrora, mas infelizmente não podia fazer nada. — Então, vamos começar o ritual. — Um ajudante trouxe uma espada de aço e entregou à Hyun, que a segurou com as mãos tremendo. Estava incerto sobre aquilo, mas já não podia voltar atrás. — Eu nomeio Park Jimin como líder genuíno da alcatéia — Tocou de leve o ombro do Ômega abaixado no chão com a espada, dos dois lados. — Prometa que irá guiar seu povo entre as trevas, entre a escuridão e será a única luz destes. — Pediu, fazendo com que o Ômega suspirasse, assentindo sem ter opções do que fazer. — Prometa! — Pediu alto e então, Jimin bufou. 


— Eu prometo! — Disse alto e de forma ignorante. 


Hyun sorriu breve e virou-se sobre os calcanhares para Hoseok. Viu quando o mesmo ajoelhou-se no chão com a pose de um Alfa. Gostou daquele comportamento, ele era realmente digno de ter a mão de seu pequeno Ômega em casamento. 


— Jung Hoseok — Sorriu para o mesmo, que mantinha uma expressão confusa no rosto. — Nomearei tu como esposo de Park Jimin e líder da alcatéia. — Assim que disse, o Alfa abaixou a cabeça. — Prometa que irá guiar a alcatéia na escuridão, nas trevas e será a única esperança deste povo. Prometa. — A espada intercalava os ombros, fazendo Hyun sentir lágrimas encherem seus olhos. Estava com medo daquilo, não sabia o que poderia acontecer depois.


— Eu prometo ser a única esperança deste povo, juntamente de Park Jimin. — Respondeu alto, ouvindo as pessoas sussurrarem coisas umas para as outras.


— E que assim seja feito. — Pronunciou e entregou a espada ao ajudante de outrora e então, continuou: — Daremos continuidade ao casamento. Agora, o discurso. — Disse e Jimin quis sair correndo dali, mas não podia. 


Enquanto Hyun falava sobre o discurso, Hoseok prestava bem atenção às palavras do líder, enquanto tinha um Jimin aério e perdido em seus próprios pensamentos. Não conseguia assimilar que aquilo realmente estava acontecendo. Tanto que teve de beliscar a própria pele para ter certeza de que não estava tendo um dos piores pesadelos que já vivenciou. Quando teve a certeza de que tudo aquilo estava acontecendo, suspirou mais uma vez e então, parou para se concentrar na sensação que Jungkook lhe fazia sentir. Temia que ela não estivesse mais ali pelo supressor que havia tomado outrora, mas na verdade, ele estava sim, apenas quietinho. Choramingou internamente, pedindo ajuda ao Alfa, mas este não esboçou reação. 


— Aceito. — Ouviu Hoseok dizer alto e então isso lhe despertou dos pensamentos. Hyun olhou para si e suspirou, olhando no fundo dos olhos e ali estava praticamente escrito um pedido mudo de desculpas que não podia concertar aquilo. 


— Park Jimin — Recitou e o mesmo rosnou baixinho. — Aceita ter Jung Hoseok consigo para serem a única esperança, a única luz destes povo? — Perguntou ao mesmo, vendo que ele não iria responder tão cedo. Estava ali, inerte e em silêncio, olhando fixamente para o Beta. Hyun suspirou e pediu num sussurro que ele dissesse algo, que foi prontamente obedecido: 


— Não aceito! — Falou alto, arrancando sons surpresos das pessoas que os assistiam, de Hoseok também e, principalmente de Hyun, que piscou lentamente, assimilando o que acabara de ouvir.


— C-como… O que disse?! — Perguntou entre os dentes.


— Você ouviu bem; não! — Tornou a dizer alto encarando Hyun diretamente nos olhos, com o cenho franzido e uma pose que não condizia com sua classe de Ômega. 


Porém, Jimin não se deu conta realmente do que aconteceu depois, mas sentiu seu rosto arder em uma dor que nunca havia sentido fisicamente, ainda mais daquela forma. Seu lobo choramingou e seu rosto estava virado na direção oposta à face de Hyun, que mantinha a mão erguida. Havia levado um tapa no rosto, na frente de todos e de Hoseok. Até mesmo na frente da Senhora Soo. Conseguiu ouvir todos exclamarem novamente em surpresa, mas… Jimin era o único que não estava surpreso. 


Lentamente piscou os olhos, assimilando o tapa que havia levado, o primeiro tapa que havia levado de seu pai postiço que jurou protegê-lo de todo mal a todo custo. Aquilo foi significativo para si, muito mais do que qualquer outro ato vindo do Beta que também mantinha uma expressão de surpresa, já que não conseguiu controlar a adrenalina tomando conta de seu corpo com aquela negação que levaria a alcatéia ao fundo do poço. 


Olhou lentamente para Hyun, com o olhar baixo, mas ainda sentindo o ódio crescendo dentro de si. Aqueles olhos que tornaram-se, de uma hora pra outra azulados que oscilavam entre amarelo queria dizer algo. Algo que ao Hyun notá-lo, sentiu sua alma estremecer, ao perceber que aquele olhar era o mesmo de seu irmão. 


— Aceito. — Sussurrou, mas que foi ouvido por todos ali presentes. 


Notas Finais


Aiaiaiaiaiaiai, o que vocês acham que vai aconteceeeeeerr, hmmmmm??? Principalmente, o que vocês acham que aconteceeeeuuuu???? Hummm???

Aishaiajihsa curiosíssima, então digam aí suas teorias *-* ♡♡♡♡

Enfim, até mais mochis!!! ♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...