1. Spirit Fanfics >
  2. Caminho de uma estrela >
  3. Declarações

História Caminho de uma estrela - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Oi meus amores, cá estou eu trazendo mais um capítulo para vocês.
Muito obrigada pelos favoritos e comentários vocês são incríveis. Sem vocês essa história não continuaria.

O de hoje é outro capítulo que eu amo e provavelmente muitíssimos de vocês irão gostar também.

Gente os comentários e favoritos são meu grande incentivo pra continuar, é difícil fazer algo que ninguém apóia ou torce, para alguns pode parecer bobo mas é essencial receber críticas positivas e construtivas.

Enfim

Boa leitira

Capítulo 14 - Declarações


Amar pode curar, sim amar pode curar as vezes.


No capitulo anterior:

" E não havia mais como negar, eu estava irreversivelmente e assustadoramente apaixonada por Akisuma no Sasori. "


Fique agora com o capítulo de hoje:


Quando descobri que amava Akisuma no Sasori não estava surpresa. Conhecê-lo era amá-lo, alguém tão bom quanto ele era incapaz de despertar cosas ruins.

Me apaixonar pelo Akisuma não passou pela minha cabeça no inicio, meu coração estava machucado demais.

Me aterrorizava a possibilidade dele me deixar. Se o ruivo já achava que deveria se afastar de mim, saber dos meus sentimentos por ele não o faria ter ainda mais certeza?

Mas algo não se encaixava, algo não fazia sentido. Por quê Sasori parecia tão incomodado ao me ver com Sasuke?

Olhei mais uma vez para as palavras que escrevi, tinha alguma chance de serem reais?

Não, não e não. Não havia nenhuma chance. Eu estava começando a surtar.

Eu precisava dormir, precisava não pensar e tentar esquecer. Coloquei a letra da música sobre o criado mudo e me deitei.


                        •••


No dia seguinte quando eu acordei, meus olhos se recusavam a abrir. Eu tinha medo do que me esperava quando chegasse ao colégio. 

O que eu diria a Sasori?

E se o ruivo não aparecesse?

Suspirei me rendendo e levantando da cama. Não queria ser tão complicada mas os acontecimentos não cooperavam.

Olhei meu reflexo no espelho  enquanto escovava os dentes, eu estava péssima - não que nos outros dias eu não estivesse horrenda mas parecia ainda mais - as olheiras arroxeadas eram visíveis, eu mal havia dormido na noite anterior então não era nenhuma surpresa.

Tirei o pijama e entrei debaixo do chuveiro, a água quente me fez relaxar e graças a Kami, por alguns minutos, pude esquecer tudo.

Pensei em uma coreografia que poderia fazer, desde que sai do hospital não havia conseguido praticar como fazia antes. 

Não me arrisquei a fazer nenhum passo pois o chão estava escorregadio. Mais uma ida ao hospital de Konoha era a última coisa que eu precisava naquele momento.

Impedi-me de pensar em qualquer outra coisa que me deixasse confusa. Quando chegasse no colégio enfrentaria o que tivesse que enfrentar. Até lá, tentaria me distrair com as mais simples das banalidades.

Me vesti roboticamente, meus pensamentos estavam tão confusos que fiz as mesmas preguntas. Meu cabelo estava do mesmo jeito de sempre e meus óculos não me abandonavam.

Peguei a mochila e desci para o andar de baixo. Não encontrei meus pais. Eles devem ter tido que sair mais cedo...

Aproveitei que a senhora Thomas não estava por perto e saí de cada apressadamente. Eu não tinha vontade alguma de comer e eu sabia que ela insistiria.

Como eu não estava atrasada, permiti-me andar a passos lentos até Konoha School. Sabia que não seria fácil, mas ficar em casa trancada não era uma opção.


                        •••


Entrei  em minha sala ignorando todos os meus colegas, procurava por Sasori mas ele não estava lá.

Quando me sentei no lugar de sempre notei que Sasuke estava me observando, e novamente não estava sentado com seus amigos.

Os tdks pareciam irritados, eram bons atores, uma pena eles serem tão cruéis. Encarei o Uchiha tentando decifrá-lo. Ele me olhava como se estivesse triste, mas não me convencia.

Percebi alguns murmúrios e quando olhei para descobrir o que era vi que Sasori tinha acabado de chegar e estava olhando para mim. 

Seus olhos castanhos normalmente radiantes estavam desanimados, eu não gostei nada daquilo.

Ele não parecia ter dormido bem, em seu lindo rosto as olheiras e o cansaço eram visíveis. A forma como ele me olhava me mostrava que estava magoado e de algum jeito eu sabia que eu mesma o estava machucando.

Já o porquê eu não sabia, não entendia.

O Akisuma desviou o olhar para Sasuke e vi sua expressão endurecer, era evidente que não suportava o moreno, não, era como se o odiasse.

Quando Sasori passou a se mover pensei que ele se sentaria ao meu lado como de costume, mas o ruivo se sentou em uma carteira afastada.

Tudo o que consegui fazer foi olhar para o quadro vazio e não pude impedir a lágrima solitária que escorria por minha face, nem a pontada de dor em meu coração.

                        •••

Assim que fomos dispensados para o intervalo corri para longe de todos. Eu não podia deixar que me vissem desmoronar.

Tinha aquele lugar onde eu sabia que ninguém iria me encontrar. Quando fechei a porta do banheiro não contive as lágrimas.

Sasori não queria ficar perto de mim, ele sequer falou comigo, parecia que finalmente havia percebido que deveria ficar longe de mim.

O que eu tinha feito de tão errado?

Ouvi o sinal tocar e sequei minhas lágrimas, verifiquei que não havia vestígio de choro  em meu rosto, meus olhos vermelhos se auto denunciavam mas os óculos ajudavam.

Quando entrei em minha sala me deparei com Sasori e Sasuke parados em frente a porta. Ambos me encavam e ao me verem pareciam aliviados. Não entendi o que estava acontecendo.

Estavamos parados e nenhum de nós falava nada, eu tinha consciência que estávamos sendo observados mas não conseguia me mexer. 

Aquela situação estranha e constrangedora só se desfez quando o professor Assuma chegou. Basicamente eu corri para me sentar e não ousei levantar a cabeça para nada que não tivesse relação com a aula.

Ainda assim, não conseguia evitar a sensação de que havia vários olhares sobre mim.

                       •••

O sinal tocou anunciando o fim da última aula, antes que eu pudesse me levantar avistei Sasori saindo da sala apressado. 

No mesmo momento levantei-me e peguei minha mochila. Talvez estivesse ficando paranóica mas eu tinha a impressão que vários olhares me observavam, e aquilo era incômodo.

Como se sentisse que eu estava atrás dele, o ruivo olhou para mim e por algum motivo decidiu me esperar. Foi inevitável não sentir esperança.

Sem tirar os olhos dele continuei indo em sua direção. Vi sua expressão mudar de repente. 

" Sakura! " chamou aquela voz que antes costumava me afetar tanto. Mas que naquele momento despertava minha ira.

" O que você quer Uchiha? " Perguntei virando-me para o moreno, a raiva em minha voz era evidente.

" Precisarmos conversar Sakura. " Falou ele, tinha algo em sua voz que me incomodava. Eu não podia nem queria baixar a guarda.

" Não quero falar com você Uchiha. Será que é tão difícil entender isso? "  Eu estava com os punhos cerrados quando olhei para onde o Akisuma esperava.

Foi um tapa quando percebi que ele tinha ido embora. O que eu esperava que Sasori fizesse? 

Eu estava furiosa com Sasuke, era a segunda vez que ele fazia o ruivo se afastar. Mais uma vez deixei o moreno para trás e fui atrás do Akisuma.

Por mais rápido que eu andasse, não consegui alcançá-lo. Corri para casa eu estava a beira de outra crise de choro.


                       •••


Eu passei exatamente quarenta e dois minutos dentro da banheira. Tempo suficiente para notar a mudança na temperatura da água.

Lembro que assim que cheguei a minha casa, subi para meu quarto correndo.

Decidi sair do banho, já tinha ficado tempo demais. Vesti o roupão e me deitei na minha cama e passei alguns minutos encarando o teto antes de ir até  o closet.

Coloquei uma blusa larga de manga cumprida e uma calça jeans azul-escura . Fiz um coque firme e usei os óculos. Também calcei uma bota preta confortável.

A senhora Thomas me avisou que meus pais chegariam à noite pot causa do trabalho. Ela não gostou nem um pouco de eu ter recusado o almoço. Menti para ela sobre ter feito um lanche no colégio. Definitivamente eu não tinha vontade de comer nada.

Caminhei para a minha sala de música, tinha uma letra na minha cabeça que não conseguia esquecer. Também tinha muita coisa que desabafar. Que maneira melhor de fazer aquilo senão cantando?

 Peguei o violão vermelho ele era  dos meus favoritos sem sombra de dúvidas. Seitei-me em um banco e comecei a dedilhar alguns acordes. 

Definitivamente eu precisava daquilo. Com calma comecei a cantar.

                                                              

Tears in my eyes

My Heart in pieces

The fake smile

Can't you see?


Secrets, fears and cowardice

That's what has kept me going só far

Baby look at me

I'm broken


I'm still afraid

But you can get closer

If I cry, van I count on you?

Baby tell me


If I Fall, will you lift me up?

Will you offer me your hand?

What if I show who I am?

Will you accept me?



Lágrimas em meus olhos

Meu coração em pedaços

O sorriso fingido

Você não pode ver?


Segredos, medos e covardia

É o que tem me sustentado até aqui.

Baby olhe pra mim

Eu estou quebrada.


Eu ainda tenho medo

Mas você pode chegar mais perto

Se eu chorar, posso contar com você?

Baby diga pra mim


Se eu cair, você vai me levantar?

Vai me oferecer sua mão?

E se eu mostrar quem sou?

Você me aceitará? ..


Interrompi-me naquele momento, aquela música fez mais do que me ajudar a extravasar, me fez pensar em tudo que estava acontecendo.

Minha experiência destrutiva me fazia ter medo. ' Você já gostou de alguém antes e teve seu coração partido. ' Lembrou uma voz em minha cabeça. ' Mas dessa vez vale a pena. ' rebateu outra voz.

Tive que concordar com a última, independente do que acontecesse Sasori valia a pena. Eu não deixaria que o medo continuasse controlando minha vida.

                       ••• 


Estava andando desatenta pelas ruas de Konoha, meu coração batia descompassado.

E tudo eu conseguia pensar era para onde meu coração estava me mandando, mais especificamente para quem.

Mal percebi quando esbarrei em alguém e fui em direção ao chão. Antes que eu caísse, alguém me segurou e eu olhei para cima.

" Itachi? " Perguntei olhando nos olhos ônix que me observavam gentis. Eu me endirentei e encarei o moreno.

" Oi Sakura,  está ocupada agora? " Perguntou ele, e talvez eu estivesse errada, mas parecia que ele iria me contar algo. 

" Bem eu estou indo falar com o Sasori. " Respondi, era a verdade.

" O ruivo daquela noite? " Ele mudou de repente, ainda assim tentou disfarçar. Aquilo foi estranho.

" É ele mesmo. " Confirmei deixando minhas paranóias de lado.

" Vai encontrá-lo agora? " Perguntou esperançoso, algo o tornava encantador aos meus olhos, mesmo eu não sabendo exatamente o quê.

" Por quê tenho essa impressão de que você quer me contar algo? " Perguntei, ele parecia ansioso, tinha vontade de sorrir.

" Você é muito perceptiva. " Falou o  Uchiha e esperei ele explicar.

" Então vai me contar o que é? " Pressionei depois que ele ficou calado.

" Vá falar com seu amigo primeiro. Agora eu tenho um grande motivo pra ficar em Konoha, teremos tempo pra conversar. " Disse ele e tinha um enigma e eu queria saber o que havia por trás do suspense.

" E qual é esse grande motivo Itachi? " Perguntei e ele sorriu de lado.

" Pensando bem você não é tão perceptiva assim " O moreno estava presunçoso sem dúvida.

" Ah claro sua família. " Falei e ele explodiu com uma gargalhada. Por um segundo fiquei admirando o sorriso dele.

" Por Kami Rosinha, você não chegou nem perto. " Tentava se recuperar dos risos.

" Tudo bem eu desisto. " Eu disse sabendo que ele não me contaria nada. Talvez se eu tivesse insistido ele contasse, mas eu não insisti.

Uma parte de mim estava curiosa para saber, só que naquele momento eu tinha que estar em outro lugar.

Me despedi de Itachi e passei a correr. Iria até a casa do ruivo e não sairia de lá até que ele me ouvisse.

Minha covardia precisava chegar ao fim, eu não podia passar minha vida toda sendo controlada pelo medo - independentemente do que fosse -.

Eu tinha que dizer a Sasori o que sentia por ele, mesmo que ele não sentisse o mesmo por mim. Eu não contaria tudo a todos, mas contaria ao ruivo.

E havia as coisas que nunca poderia contar a Mebuki e Kizashi, não porquê não confiava neles, mas porquê eu sabia que magoá-los e isso eu não poderia suportar.

Cheguei a casa dos Akisuma, a Senhora Chyo estava sentada  na varanda e assim que me viu levantou-se e foi até mim. Eu tinha certeza que ela percebera meu nervosismo.

 " Ele não está aqui. " A avó de Sasori falou antes que eu perguntasse. " Não sei o que aconteceu entre vocês mas não está fazendo bem ao meu neto e parecesse que tambémen não faz bem a você. Ele foi para a saída de Konoha, sequer alcançá-lo deve ir agora. , " Falou ela, não havia julgamento em sua voz, apenas torcia para que eu e Sasori resolvessemos  tudo.

" Muito obrigada senhora. " Agradeci começando a correr mais uma vez. Eu não o deixaria ir.

A cada passo que eu dava, uma onda de sentimentos controversos me atingia. ' Volte ' dizia uma voz em minha cabeça. ' Vá em frente ' era o que outra falava.

Não queria dar razão a minha cabeça, meu coração deveria tomar aquela decisão. E por tudo que era mais sagrado, ele queria Sasori.

Reconheci o cabelo dele, não havia praticamente ninguém ali. Aproximei-me meio hesitante, por dentro eu era a personificação da confusão. 

Eu não tinha certeza se conseguiria ser forte o suficiente para contar a Sasori, eu nunca me abrira tanto para alguém em toda minha vida como  fazia com ele.

" Como sabia onde me encontrar? " Ele parecia confuso.

" Sua avó me disse que estaria aqui. " Falei e ele balançou a cabeça.

" Eu devia ter imaginado que ela ligaria pra você. " Disse ele jê fazendo franzir minhas sombrancelhas.

"Ela não me ligou, eu fui até sua casa te procurar. " Expliquei e ele me olhou surpreso.

" Pra quê? " Perguntou ele e oarecia confuso.

" As coisas ficaram meio estranhas entre nós. Não gosto disso. " Fui sincera, ele não desviava dos meus olhos.

" Eu também não gosto. " Disse e ele não mentia.

" Então pode me dizer como tudo isso começou? Minha cabeça está explodindo.  Nós dois estávamos bem e então você me disse que não podíamos ser amigos. Tem ideia do quanto me machucou? " Eu não conseguia esconder, não queria mentir. 

" E você Sakura, tem ideia do quanto me machucou? " Retrucou ele para minhã surpresa.

" Não entendo. " Admiti tentando buscar a resposta em seus olhos castanhos.

" Pense Sakura, o que aconteceu. " Obviamente ele já sabia a resposta mas queria que descobrisse.

" Você me pediu pra te esperar enquanto você ia até a diretoria. Depois o Sasuke veio falar comigo.  Acredita que ele se me pediu perdão e disse que sempre gostou de mim? " Contei e pude sentir raiva em minha fala.

Vi dor no rosto Sasori como se minhas palavras o ferissem.

" Como pode amá-lo depois de tudo?  " Perguntou ele e ainda não conseguia entender qual era o problema dele.

Mesmo sem ter total consciência do que estava acontecendo, senti a necessidade de contar a ele tudo que estava em meu peito. Queria que ele entendesse tudo. Respirei fundo antes de começar.

" Sabe, desde os meus 8 anos anos eu gosto dele, o conheci no meu primeiro dia de aula. Sasuke não assim no começo, eu ficava escondida observando ele de longe. "  Eu já podia sentir as lágrimas se formarem.

" Um dia eu finalmente tive coragem pra falar com ele, mas a Karin e os outros se aproximaram dele, pouco tempo depois começaram a zuar de mim. " Senti a água quente e salgada molhando minha face.

" Acredita que mesmo assim eu ainda gostava dele? Acho que no fundo eu sempre acreditei que ele mudaria, os anos foram passando e o Uchiha nunca mudou. " Minha voz estava fraca e embargada.

" Quando digo que sou uma grande idiota eu não estou mentindo. Eu tinha até planos eu tinha planos pra mim e ele. Uma dia nos casariamos e teríamos filhos. Acredita que até os nomes dos nossos filhos eu já tinha escolhido? " Mais lágrimas banhavam o meu rosto, aquilo era doloroso demais

" Quais seriam os nomes Sakura? " Perguntou Sasori, haviam lágrimas nos olhos deles, como se estivesse tão magoado quanto eu.

" O menino se chamaria Daisuke, ele teria cabelo escuro e os olhos verdes. Seria um garoto gentil e inteligente. "  Dor e mais dor me atingiam.

" E a menina? ". perguntou ele tão afetado e triste como se fosse com ele.

" A menina se chamaria Sarada, seus olhos olhos seriam escuros assim como o cabelo. Ela seria inteligente e explosiva, usaria óculos e nunca deixaria que pisassem nela. " Eu em fiquei fraca e precisei que o ruivo me amparasse para que eu não escorregasse até o chão.

Sasori me abraçava tentando me acalmar, eu só conseguia chorar. Aqueles sonhos me marcaram de uma forma dolorosa. 

Era tão profundo e angustiante. Eu nunca desabafara sobre isso até aquele momento, eu tinha que guardado aquilo só para mim. Depois de alguns minutos finalmente meu choro tinbay cessado.

" Viu Sakura?  é por isso que não podemos ser amigos  " Falou o Akisuma me sobressaltando.

" Como assim não podemos ser amigos? " Perguntei confusa.

" Eu vi você e o Uchiha juntos, não consigo te ver com ele. " Disse ele e eu ainda  não entendia.

" Por quê? Me fala Sasori, por quê te doi tanto que eu esteja com ele? " Eu precisava saber!

" Quer saber o motivo Sakura? Quer mesmo? '' Perguntou ele.

" Apenas  me diga. " Falei, não aguentava mais tanta escuridão.

"Porquê eu te amo. Porquê eu me apaixonei desde o primeiro momento. Eu tentei não te amar, juro que tentei, mas você estava lá, fodendo a minha cabeça. Eu sei que você ama aquele cara, só não entendo como conseguiu perdoá-lo, ele não te merece. Entende porquê não posso ser seu amigo? Eu quero que você seja feliz, só não consigo ficar. " Suas palavras me chocaram. Eu não sabia o que dizer. 

" Por favor você não pode ir. " Implorei minha cabeça estava com o que o Akisuma me disse. Como podia ser real ?

" Por quê Sakura? Você já tem ele. " Falou Sasori fazendo-me encará-lo ainda mais.

" Mas eu quero você! " Gritei, ele precisava saber.

" O quê? " Ele perguntou incrédulo. Como se eu querê-lo fosse impossível.

" Eu quero você Sasori, eu tentei fugir, tentei esquecer. O que eu sentia pelo Sasuke parece nada comparado ao que estou sentindo por você. Ele me destruiu, você me deixa inteira. Ele me fez chorar, você me faz sorrir. " E sorria enquanto seus olhos estavam fixos em mim.

" Ele me pediu perdão e disse que me amava, por anos esse foi o meu sonho. Mas algo tinha mudou, não é ele quem eu amo. " Ele parecia ainda mais surpreso, eu continuei.

" Eu não consigo mais. Esse sentimento está queimando, quando me deito estou pensando em você e quando acordo quero te encontrar. Com você não tenho medo, e eu não tenho medo porquê te amo. Amo mesmo sabendo que não devo amar. "  No fim aquela era a grande verdade.

"Estou cansada de me esconder e mesmo sabendo que você poderia me rejeitar eu estou aqui. Não quero mais fugir. Só depende de você Sasori, se você não me quiser podemos esquece... "

Eu fui interrompida por Sasori que me puxou para ele, era visível que ele queria falar mas tinha algo que eu simplesmente precisava fazer.

Tirando forças de algum lugar eu o beijei. Sem demora o ruivo retribuiu o beijo. Era algo novo para mim, mas eu não tinha mais medo.

Naquele momento eu esqueci de tudo. Eu estava  nos  braços de quem eu amava, e que por algum motivo, me amava também.


Notas Finais


Não acredito que chorei escrevendo esse capítulo kkk.
Me contem o que acharam, ficou horrível demais?
O que acham que é esse grande motivo do Itachi?
Teorias?
E essas declarações?

Comentem e favoritem por favor
Me perdoem pelos erros, depois cortijo eles
Muito obrigada e até o próximo
Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...