História Caminhos Cruzados - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Egípcia
Tags O Lazaro, O Rico
Visualizações 26
Palavras 1.734
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Sei que faz tempo que não atualizo a fic, desculpas.
Mas aqui está um capítulo que promete tirar o fôlego.

Capítulo 6 - Six


Six

Os gritos eufóricos dos homens que lutavam nos portões do palácio, o som das espadas que se chocavam no ar e o som dos cavalos, tudo isso contribuía para a aflição geral, a noite já ia longa e os mais novos, no caso Labash-Marduk, Nina, Belsazar, Márcia e Dário já dormiam, mas os mais velhos mantinham se atentos e temerosos. O que seria deles, o que seria da Babilônia se os soberanos fossem capturados pelos inimigos?

Evil suspira indo até Nitócris que mantinha os olhos vagos, já que nem luz tinham para não atrair os inimigos. – Nabuzaradã é um dos melhores guerreiros do exército, ele vai voltar. – diz tentando consolar a irmã

Nitócris nega – Não mintas Evil. – pede – Quando eu casei com ele sabia que estava sujeita a perder ele numa batalha. Mas … - não completa pois o choro a consome 

Evil a abraça – Dorme um pouco minha irmã, logo o Deus Sol irá raiar. – aconselha – Eu prometo que nada vai acontecer. 

Nitócris o olha desconfiada – Juras?

Evil concorda – Juro pelo meu trono. – diz sério e a irmã acomoda se junto dos filhos caindo no sono depressa, o herdeiro do trono vai até o governador – Nada de meus pais? 

Daniel assente – Os soberanos ainda não apareceram. – revela – Não quero ser precipitado porém tenho que lhe alertar que pelo visto o exército sofrera muitas baixas. – sussurra preocupado fazendo o herdeiro concordar

Ouvem um grito alto – VAMOS SOLDADOS, AVANCEM. – a voz alterada de Nabuzaradã soa

Hamurábi – Eles estão a perder muitos soldados. – diz aflito – Espera… 

Nabonassar sorri largamente – Os inimigos estão a baixar as espadas. – comemora

Todos suspiram aliviados e a porta é aberta por Nabucodonosor que aparece com Amitis ao lado – A guerra acabou. – anuncia o rei – Agora é só esperar pelo retorno de todos. – instrui

Kassaia abraça a mãe – Ficamos com medo! – sussurra

Amitis sorri largamente – Apenas tivemos um longe debate com os monarcas da Média. Meu irmão e sua esposa concordaram em deixar a Babilônia em paz e nós a Média. – diz contente

A Guarda Real entra e logo Nitócris joga se nos braços do marido conferindo se ele estava intacto – Nunca mais faça isso Nabuzaradã. Mas nunca mais. – sussurra contra o pescoço dele sentindo as lágrimas virem com forças 

Nabuzaradã sorri – A gente ganhou e voltou sãs e salvos. – diz para a esposa enquanto secava as lágrimas dela com cuidado  - Já acabou, minha pérola. – murmura no ouvido dela sentindo ela sorrir

Nabucodonosor – Astiages tem uma filha Mandane, ela está casada com Cambises, o atual rei de Ansam na Pérsia, mas ele também tem um menino o herdeiro de toda a Média. O Dário, ele tem 4 anos ainda. Ficou acordado com eles que Dário se casará com Nina. – revela causando o espanto em todos.

 

Em Judá

Rosa sorri para o pai – Eu prometo que vou me comportar. – diz para ele que a olha duvidoso – Pode perguntar à mãe quando eu voltar. 

Joaquim sorri orgulhoso – Eu acredito em você minha rosa. Tens certeza que queres passar cinco meses na Babilônia. Kassaia vem daqui a duas luas. Irás passar muito tempo lá. – diz preocupado fazendo a filha bufar – Rosa de Judá…..

Rosa o olha séria – Tereza vai comigo já que ela quer porque quer conhecer a Babilônia. 

Joaquim ri – Ainda mais essa. Você sozinha já arranja confusão suficiente sua prima junta aí que o barraco está pronto. 

Rosa também começa a rir – Tem razão papai. – o abraça – Lembre se que eu gosto muito de você, meu papai. 

Joaquim sorri para ela – Eu também te amo muito, minha pequena rosa. 

Sargão vem – Soberano, Princesa. – diz e eles se separam – Está tudo pronto para a sua partida e da princesa Tereza. 

Rosa suspira -. Então que preparem a liteira. Rosa de Judá irá partir. – anuncia 

 

Uma lua depois

 

As mulheres tomavam banho no harém, na piscina repleta de rosas e óleos perfumados – Que foi Kassaia? – pergunta Amitis ao ver a filha distante

Kassaia sorri – Estava apenas a lembrar de Judá. Aqui é tudo tão diferente. Lá eu ando sempre ocupada, todos com reclamações ou então com alguma coisa para fazer que os servos erraram, com Rosa a fugir do palácio para ir ao palacete de Joana…

Nitócris suspira – Para ser sincera eu acho que devíamos fazer isto mais vezes. Relaxar um pouco. É tão bom por vezes não ter nada para perturbar, mesmo sabendo que assim que sair daqui alguém virá a reclamar. 

Amitis nega com a cabeça – Agradeçam a Lia e ao governador por terem levado todos para um passeio. Nem sei como Belsazar foi…

Nitócris dá de ombros – Belsazar foi para provar que era melhor que os irmãos. – diz farta 

Kassaia e Amitis se entreolham preocupadas – Minha filha, você e Nabuzaradã…

Nitócris fecha os olhos – A gente não consegue mais falar como antes. Parece que meu marido está sempre ocupado demais para mim e para os filhos. 

Amitis nega – Claro que não. Sabes bem que seu marido mesmo quando à as piores e mais temidas batalhas tem tempo para vocês. – discorda

Nitócris sente uma lágrima cair –  Tudo mudou desde a chegada daquela sacerdotisa de quinta. – rosna – E agora como se não fosse o suficiente, Nabonito está de volta. 

Kassaia a olha duvidosa – E que tem? 

Amitis – No início do casamento de sua irmã Nabonito mandava cartas a ela, também como em todos os nascimentos de todos os filhos dela. 

Kassaia leva as mãos à boca chocada – Meu Deus. – exclama – Quando vim para cá também quase mandava matar uma serva para a forca, acreditam que ela…

 

No Rio Eufrates

Samara rodopia com Nina no colo ambas rindo com Márcia e Rosa que jogavam pedrinhas no rio ao lado. De cima Lia e Shamiran apreciavam tudo com sorrisos no rosto. – Logo a pequena Isla vai estar brincando com elas. – comenta Lia olhando para a mais nova neta de Nabucodonosor que mesmo ainda praticamente recém nascida já imponha uma bela pele um tanto dourada como a do pai e cabelo escuro e ondulado como a mãe. – Ela é muito linda.

Shamiran concorda – Eu também acho. Pode parecer imprudente eu já ter saído com ela mas Isla precisa apanhar ar puro e nada melhor para isso que um passeio. 

Lia nega – És a mãe. Sabes o que fazes. – diz enquanto levava novamente o olhar para as filhas e as amigas.

 

Do outro lado da tenda

Daniel ensinava Belsazar a escrever algo em uma tabuleta e para surpresa de todos o terror mais famoso do palácio mantinha se calado e atento. – Entendeu príncipe?

Belsazar concorda – Então este …. 

Mais longe um pouco Evil, Nabuzaradã e Nabucodonosor falavam – Não sei como o governador consegue… - comenta Evil 

Nabuzaradã assente – É impressionante. – concorda com o cunhado

Nabonassar vai a correr até eles – Avô quer vir? Queremos ir caçar! 

Nabucodonosor sorri para o neto – Claro meu neto. Vamos. – diz e saem os dois

Evil sorri ao ver o pai com todos os netos à volta – Sem dúvida que eles preferem o avô que os pais para as caçadas. – brinca fazendo o cunhado rir 

Nabuzaradã – Teve uma bela filha Evil. Isla é muito bela tenho certeza que dentro de alguns anos logo estarás a ameaçar os pretendentes… - brinca com o cunhado

Evil revira os olhos – Isla será prometida a alguém assim como Nina o fora. É esse o destino de todas as princesas. Provavelmente ao futuro faraó do Egito, já que precisamos de manter todos os povos sobre domínio por isso é tão importante ter princesas.

Nabuzaradã leva os olhos até Nina – Ainda não acredito que minha pequena filha um dia será Rainha da Média. – comenta levando o olhar à filha que sorri para ele que retribui

 

Algumas horas mais tarde

Shamiran toca a festa do filho preocupada em ver o mesmo arder em febre – Por Isthar, tirem Isla daqui! – manda preocupada com a recém nascida 

Dário segura a mão da mãe delirando – Foi ela. – diz tossindo repetidas vezes até começar a tossir sangue 

Shamiran se desespera – CHAMEM BEROSO. CHAMEM ALGUÉM! – berra a assíria sem saber o que fazer – Se acalma meu querido. – pede acariciando a cabeça dele 

Dário nega – Cha…me a d…din…da! – pede rouco 

Shamiran concorda com lágrimas nos olhos – Chame Nitócris, Raquel! – pede e a serva sai a correr desesperada enquanto Beroso entrava no quarto junto de Evil e seus pais– Graças a Marduk. – diz para o sumo sacerdote

Beroso aproxima se – Irei examinar o príncipe. Com licença. – pede e Shamiran afasta se sendo abraçada por Evil 

Amitis a olha preocupada – O que aconteceu? Dário estava tão bem. 

Shamiran enxuga as lágrimas – Aspenaz foi a correr me chamar. Dário ganhou uma febre de um momento para o outro, foi questão de momentos para ficar nesta situação. – relata 

Nitócris entra com Nabuzaradã em seu encalço – Onde está o meu sobrinho? – pergunta aflita e o rei indica com a cabeça o príncipe a fazendo levar as mãos à boca – Por Isthar. – diz chocada com o estado o pequeno herdeiro do trono

Beroso afasta se – Eu lamento muito altezas. – diz fazendo Shamiran chorar no ombro do marido – Os deuses querem que o príncipe passe os nove portais. – diz afasta se 

Dário os olha pálido – D…din…da! – chama e logo tosse 

Nitócris ajoelha se perto dele com os olhos cheios de lágrimas – Diz meu querido. 

Dário arfa – F…foi ela! – diz para Nitócris – Vingue! - pede e morre 

Nitócris grita horrorizada ao sentir o sangue do sobrinho manchar o seu vestido enquanto Shamiran  era segurada por Evil – Maldita. – esbraveja tocando o rosto gelado de Dário – Eu vou vingar. – murmura dando lugar às lágrimas

Nabuzaradã abraça a esposa que sem reclamar chora em seu peito – Eu sinto muito. – diz 

Nitócris abraça Shamiran – Ele será vingado. – garante com o olhar carregado de ódio 

Shamiran soluça – Eu só quero o meu menino. – diz derrotada 

Evil toca o ombro da esposa – Precisamos deixar Beroso fazer o seu trabalho! Nosso filho irá em paz! – garante o príncipe 

Shamiran nega – Eu quero o meu menino. – soluça desesperada

 

No harém

Rosa corre até à mãe aflita – Mãe…. – Kassaia nega com os olhos cheios de lágrimas – Eu não acredito, coitados de meus tios. – diz triste enquanto abraçava Kassaia e choravam juntas a perda do filho de Evil

Nina vai até elas angustiada – Tia e o Dário? – pergunta a baixinha 

Kassaia abaixa se – Ele partiu minha querida. – diz e uma lágrima desce

Nina a olha sorrindo inocente – Então eu vou buscar ele. Não chora titia. – pede 

Kassaia a olha emocionada – Dário morreu.


Notas Finais


Ele se foi 💔 mas temos a irmãzinha a pequena Isla.
Espero que tenham gostado, beijinhos! ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...